Navegação – Mapa do site

InícioChamadas de artigosChamadas fechadasImagens e populismos nas áreas ro...

Imagens e populismos nas áreas românicas contemporâneas

Uma simples observação da política européia e americana durante as últimas décadas revela o retorno do populismo em muitas formas. O que estes movimentos populistas têm em comum é o surgimento e a consolidação de um líder carismático que deve encarnar o "povo" ou defender seus interesses contra uma espécie de bode expiatório que se tornou o "inimigo": os estrangeiros, o imperialismo norte-americano, as elites políticas e econômicas, os intelectuais, o modelo capitalista, etc. Embora o termo "populismo" geralmente tenha uma conotação negativa que muitas vezes anda a par com uma forma de "denigração das massas" ou consideração de sua "imaturidade" política, desde o início do século XXI temos visto uma revalorização da noção. Para os defensores de uma crítica radical da democracia representativa (Laclau, 2005), o populismo nada tem a ver com um desvio da vida democrática: é antes uma expressão política normal, ou mesmo um mecanismo regenerativo da participação cidadã.

Entretanto, assim como Patrick Charaudeau (2011) analisou as características discursivas do populismo, não podemos fazer o mesmo com relação aos elementos visuais que transmitem e apóiam a mensagem política destinada ao povo, com o objetivo de "criar um povo", de "fazer pessoas"? Uma das maiores preocupações dos movimentos ou regimes populistas, particularmente acentuada na era da disseminação instantânea de imagens, pensamentos e palavras, é de fato a constituição de uma série de símbolos de identidade ou reconhecimento. Se eles alimentam o discurso político ou o ilustram, se o complementam ou reforçam sua visibilidade no espaço público, "o conhecimento visual é um grande reforço para pensar os conceitos de populismo e as pessoas a baixo custo", nas palavras do sociólogo Maxime Boidy (2017, p.64). Os estudos visuais são relevantes aqui de duas maneiras: por um lado, porque levantam a questão da relação entre texto e imagem em termos de relações de poder; mas também porque convidam à reflexão sobre as relações - ou linhas de falha - entre visibilidade óptica (natural) e visibilidade sociopolítica (cultural).

Os movimentos e regimes populistas sempre usaram representações visuais para estabelecer sua ideologia e poder ou para ampliar seu alcance, sejam as representações da "la gente corriente" em oposição a "la casta" nos pontos de campanha de Podemos, ou as de "los mismos de siempre" (Rafael Correa, Evo Morales), ou o imaginário político criado em torno de alguns dos atuais líderes populistas, especialmente nas redes sociais. Na Itália, o MoVimento 5 Stelle não deve ser visto apenas como um grupo político, mas como um ramo do blog do comediante Beppe Grillo e da agência de marketing Casaleggio Associati: é claro, portanto, que a imagem da mídia desempenha um papel fundamental.

Se Donald Trump fez do Twitter uma das principais ferramentas de sua comunicação para "quebrar" as formas mais tradicionais de comunicação consideradas desconectadas das "massas", muitos chefes de estado latino-americanos ou europeus conseguiram fazer o mesmo e contornar a mídia tradicional, Seguindo o exemplo de Jair Bolsonaro, cuja imagem on-line é ativamente trabalhada por seus filhos na web, ou Nayib Bukele em El Salvador, que também conseguiu fazer das redes sociais um dos pilares de sua comunicação, indo contra o grão dos formatos tradicionais de mídia, alcançando assim um amplo público e às vezes até mesmo rejeitando categoricamente qualquer abordagem política.

A política tradicional do discurso parece ter dado lugar a uma política da imagem, dirigida diretamente ao povo: através de redes sociais, fotografia, filmes e reportagens televisivas, os políticos se mostram e se colocam no palco (e em imagens) na frente dos cidadãos, muitas vezes mais do que deliberam na frente dos representantes do povo. Ao fazer isso, eles acentuam o poder político do olhar, o olhar do povo sobre seus líderes, um olhar que controla e monitora seu comportamento (Green, The Eyes of The People, 2010). Uma situação em que a mídia desempenha um papel essencial, "em íntima simbiose" com os dispositivos populistas, ao ponto de constituir, para Yves Citton (2015), um verdadeiro "sistema mediárquico".

O populismo articula uma pluralidade de exigências sociopolíticas, mas funciona segundo uma lógica de simplificação, que também induz um poderoso componente emocional; o cientista político Arias Maldonado nos lembra disso quando caracteriza o populismo como "a construção de um povo como sujeito político através de uma liderança carismática e de uma estratégia de comunicação baseada principalmente no conteúdo emocional" (2016, p.127). Portanto, questionaremos a capacidade das imagens de capturar esse poder emocional do populismo.

Mas o populismo não é uma categoria exclusivamente política, ele também atravessa os campos do conhecimento e da aprendizagem enquanto os renova: "o populismo do conhecimento pode ser definido à primeira vista como a expressão de uma demanda democrática nas ciências ou contra a autoridade que elas reivindicam" (Jeanpierre, 2012, p.154). Este "populismo do conhecimento" não se define tanto pela natureza dos objetos estudados, mas sobretudo por uma postura epistemológica renovada. Assim, consideraremos os produtos das artes visuais (artes plásticas, fotografia, cinema...) além dos únicos valores estéticos impostos pelas normas e cânones de beleza, mas também as imagens produzidas e difundidas pela mídia e redes sociais, publicidade e marketing, moda, ou mesmo no campo científico.

As propostas de artigos podem ser apresentadas sobre os seguintes temas (a lista não é exaustiva) aplicados às áreas de língua espanhola, portuguesa e italiana do século XXI

- imagens políticas dos movimentos populistas e estratégias de comunicação: qualidades do líder, formas de "representação/ encarnação" do povo, ferramentas de mobilização

- representações visuais e de gênero: masculinidade do líder, feminização da nação, populismo paternalista...

- populismo e/ou demagogia: diferenças de abordagem e percepção

- manipulação de imagens, reescrevendo a história e contando histórias, e o 'cepticismo visual' que às vezes se segue

- imagem populista e componente emocional, ethos e pathos na comunicação visual

- crítica do populismo através de imagens, por exemplo, em cartoons de imprensa, arte de rua e grafite, filmes e séries, etc.

- a imagem como expressão da demanda democrática contra o "conhecimento dominante" ou as chamadas culturas eruditas

- "peoplização": encenação e deslizamento do "popular" para o "povo".

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search