Navigation – Plan du site

AccueilHors-séries3Lima Barreto e a poética do nome

Lima Barreto e a poética do nome

Lima Barreto et la poétique du nom
Lima Barreto and the Poetics of the Name
Šárka Grauová

Résumés

Lʼarticle discute lʼonomastique dans l’œuvre de Lima Barreto comme une stratégie littéraire consciente. Après avoir signalé quelques modifications de noms survenues lors du passage de la nouvelle « Clara dos Anjos » et le roman éponyme, je m’attache à la corrélation entre la manière dʼattribuer les noms littéraires et la typologie de récits privilégiés par l’auteur. J’analyse enfin de façon plus détaillée quelques noms de personnages de Triste fim de Policarpo Quaresma.

Haut de page

Texte intégral

Para Walnice Nogueira Galvão

  • 1 Este artigo contou com o apoio do Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional por meio do projeto «  (...)

1Apesar de toda a atenção ultimamente1 dedicada a Lima Barreto, seus escritos continuam enigmáticos em vários aspectos. A crítica literária parece considerar praticamente todos os seus textos defeituosos e, contudo, seu autor tem fama de um escritor importante que, com todo direito, pertence ao cânone da literatura brasileira moderna. Vejamos, a título de exemplo, o texto que Sérgio Buarque de Holanda escreveu em 1949 para o Diário de Notícias, o qual foi republicado na edição da Clara dos Anjos, de 1956, e, novamente, na edição de 2012, presumivelmente como uma interpretação ainda pertinente. Nele, o historiador considera a obra de Lima « entre as mais admiráveis de nossa literatura de ficção ». No entanto, essa obra « não é realmente de natureza a estimular a boa e justa medida nos julgamentos críticos », e nela « a refundição estética não se fez de modo pleno » (Holanda 1956 [1949], 9-10).

2Minha experiência de tradutora de Triste Fim de Policarpo Quaresma corrobora a primeira convicção: Lima Barreto, que, durante toda sua vida, manifestou uma preocupação evidente com a construção de suas obras, não precisa da correção política para poder ser chamado um grande escritor. Talvez ainda não tenhamos encontrado as chaves certas para uma percepção apropriada da obra daquele que, num texto programático inserido à guisa de introdução em seu único livro de contos publicado em vida, declarou: « Parece-me que o nosso dever de escritores sinceros e honestos é deixar de lado todas as velhas regras, toda a disciplina exterior dos gêneros, e aproveitar de cada um deles o que puder e procurar, conforme a inspiração própria. » (Barreto 2008 [1920], 10). Não se trata de uma afirmação aventada à toa: é um aviso ao leitor para que não busque nas obras de Lima Barreto a perfeição dos gêneros codificados e, ao mesmo tempo, um convite para se aventurar junto com o autor nas configurações das formas e significados obedientes a regras singulares, mas não idiossincráticas.

3Neste artigo, queria chamar a atenção para um dos recursos literários de ocorrência sistemática na escrita limabarretiana: a significação dos nomes próprios dos personagens. Policarpo Quaresma, Clara dos Anjos, Ricardo Coração dos Outros..., apenas alguns dos nomes de personagens conhecidíssimos de Lima Barreto, que poderiam ser apontados como casos notórios do assim chamado nome falante – um nome próprio cujo sentido ultrapassa uma simples designação do seu portador. Decifrar os nomes significativos parece simples, mas seu uso na obra de Lima Barreto é bastante complexo e variado. Creio que o interesse dedicado a esse aspecto de sua obra pode contribuir a uma reflexão mais profunda sobre a escrita híbrida do prosador que, segundo suas próprias palavras, era capaz, com plena consciência, de uma escrita « propositalmente mal feita, brutal por vezes, mas sincera sempre », como escrevera numa carta a Gonzaga Duque em 1909 (Barreto 1956a, 169-170, grifos meus).

4A importância que a sinceridade tinha para Lima Barreto costuma ser interpretada como uma herança tolstoiana, o que decerto é. Lembremos que, para Tolstói, a arte é uma forma de partilha contagiosa de sentimentos, necessária para a supressão de quaisquer distinções, sejam de classe, cor da pele ou sexo, a qual não se efetiva se o « autor não produz a obra para si próprio, nem experimenta pessoalmente o que deseja expressar » (Tolstói 1994, 120). Contudo, a sinceridade literária de Lima Barreto vai mais longe, colocando em xeque a representação romanesca que parte da aclimatação brasileira do romance burguês europeu e passa por alto sobre as camadas populares iletradas, de cultura muitas vezes desconhecida. A atribuição refletida dos nomes a personagens literários enriquece nossa leitura das obras de Lima Barreto, sendo um dos procedimentos que atestam a originalidade de sua escrita e sua percepção diferenciada não apenas dos meios sociais cariocas, mas também de formas literárias que se possam adequar a fins propostos.

5Em vários instantes da obra limabarretiana encontramos comentários que os narradores ou personagens tecem ao redor do significado dos antropônimos literários. Para citar alguns exemplos, Floc, o redator de O Globo nas Recordações do Escrivão Isaías Caminha, julga os livros de poesia que lhe chegam às mãos segundo o nome do autor (e a nomeada dele ou de seus parentes). Um poeta sem nomeada, e de nome Félix da Costa (« Parece até enjeitado! É algum mulatinho? »), não merece sequer consideração (Barreto 2010b, 257). O narrador de Numa e a ninfa considera o pomposo nome de Numa Pompílio de Castro « auspicioso para o ofício de legislador », numa alusão a Numa Pompílio, o segundo, ainda lendário rei de Roma. No entanto, nem os contínuos da Câmara guardam o nome do anódino deputado, e os informados se referem a ele como ao « genro do Cogominho », arranjando-lhe assim um apelido cômico que atesta a imaturidade do personagem, antípoda de qualquer rei (Barreto 2017 [1917], 43). Para terminar o catálogo de exemplos, o doutor Bógoloff, na sua vinda ao Brasil, depara-se com uma indefectível sociologia onomástica, elaborada pela polícia brasileira: « Estes nomes em itch, em off, em sky, polacos e russos, quando não são cáftens são de anarquistas » (Barreto 2020 [1912]).

  • 2 Kurz chama atenção para o trabalho cuidadoso do autor sobre o texto literário, apoiando suas concl (...)
  • 3 Benito Martinez Rodriguez, num estudo interessante que dá seu devido valor aos antropônimos, liga (...)

6Na nomenclatura de personagens limabarretianos, há um caso interessante que mostra a importância que o escritor atribuía a antropônimos ficcionais: a mudança de vários nomes de personagens do conto « Clara dos Anjos » (1919) quando de sua elaboração romanesca em 1922 (Kurz 2020, 118)2. Embora Clara dos Anjos seja personagem titular, o processo de várias reestruturações atesta que o interesse do autor vinha recaindo muito mais sobre o entorno dela que sobre ela mesma. Se a figura da Clara não sofre grandes alterações desde o rascunho de 1904, outros personagens passam por uma evolução considerável, da qual a renomeação dá evidência. No conto, de 1919, o sedutor se chama Júlio Costa, e sua família é um caso exemplar de uma classe em ascensão social: sua mãe, dona Inês, era ainda « relaxada de modos e hábitos », comendo com a mão e andando descalça, mas tinha « uma pretensão íntima de ser grande cousa », pretensão essa que se refletia na escolha dos nomes das filhas que o narrador explicita – « Mercedes, Adelaide e Maria Eugênia, eram esses os nomes » (Barreto 2008 [1920], 216, grifos meus). O filho que vira sedutor se chama Júlio Costa, de apelido condizente com sua aparência « insignificante, de rosto e de corpo » (Barreto 2008, 211)3.

  • 4 Na verdade, seus sobrenomes altissonantes remetem à origem humilde. Baeta é, segundo o Dicionário (...)

7O intuito do romance é outro. O mal feito nesse caso subsome-se a um fenômeno que Lima Barreto considerava altamente nocivo não apenas para o Brasil, mas para toda humanidade: o bovarismo, entendido aqui especificamente como uma imitação externa de culturas estrangeiras. A influência dos países anglo-saxônicos, representada no conto pela presença de Mr. Sharp, pastor « agudo » americano que lidera os « bíblias », e Mr. Persons, desenhista mecânico inglês, tratado redundantemente por « seu mister », alarga-se aqui para os personagens que, para citar a definição célebre do bovarismo, se concebem outros que não são. Lima, conhecido por seus ataques a tais modismos como futebol, cinema, piquenique ou clubes de regatas, contrapõe a dona Engrácia dos Anjos, (« agraciada ») mãe da Clara, à dona Salustiana Baeta de Azevedo4, de nome empolado, porém não o suficiente para satisfazer as « crises de vaidade » da bendita senhora que se dizia « descendente de um fantástico Lord Jones, que fora cônsul da Inglaterra, em Santa Catarina ». Daí o « filho julgou de bom gosto britanizar a firma com o nome do seu problemático e fidalgo avô », sendo conhecido como Cassi Jones, embora seu nome inteiro tenha sido Cassi Jones de Azevedo (Barreto 2012 [1948]), cômico no « descompasso entre o apelido de Azevedo e os prenomes à inglesa » (Rodriguez 1996, 71). As filhas, nomeadas Catarina e Irene, agora são « menos vaidosas do que a mãe; mas muito mais ambiciosas » (Barreto 2012 [1948]). E assim poderíamos continuar: uma transformação da forma e do gênero acarretou necessariamente uma renomeação substancial.

8Outro caso onomástico digno de menção é o fato de que, apesar de a crítica insistir há quase um século na procura de elementos autobiográficos na obra de Lima Barreto, considerada confessional e cheia de amarguras mal digeridas, há – salvo erro – um caso único em que um alter ego do autor tenha um nome ligado a Lima empiricamente: o protagonista de O cemitério dos vivos, romance inacabado sobre a experiência do hospício, chama-se Vicente Mascarenhas, numa alusão à rua Major Mascarenhas, onde o autor morava na época em que trabalhou no livro (Barreto 2010a, 142). Em outros casos, Lima cuidadosamente elimina os vestígios do percurso pessoal, como se compartilhasse da sensação do protagonista, amigo do narrador, do conto « Porque não se matava »: « Admito a piedade em mim, para os outros; mas não admito a piedade dos outros para mim. » (Barreto 2010c, 287)

9Em outros casos, o sistema de atribuição dos nomes a personagens ajuda a entender a tipologia narrativa da ficção limabarretiana. Numa parte de seus escritos, Lima Barreto é um grande cronista do pequeno mundo de relações pessoais onde a espontaneidade sobrepuja a formalidade, os laços afetivos predominam sobre a dicção das leis e a pertença à comunidade vale mais que o princípio da cidadania. Apesar de não se tratar propriamente do « mundo arcaico », ligado à temporalidade cíclica, como seria no caso da literatura regionalista do período, também esse mundo é de uma regularidade previsível, típica das culturas fechadas, onde os jovens repetem o caminho dos velhos e a experiência do passado ainda se reveste de importância (Svatoň 2004, 166).

10A representação ficcional desse tipo de sociedade tende à modalidade idílica, embora também aqui o destino do homem possa ser determinado por forças alheias à sua vontade: pela posição das estrelas, pelo turbilhão da vida. O antecedente brasileiro mais próximo aqui seriam Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, com seus personagens de caráter plano, na verdade mais tipos que personagens propriamente ditos (Galvão 1976). O registro cômico – lembre-se que na cultura popular o cômico representa a outra face do idílico –, no qual o romance é escrito, não se presta a um juízo moral, e os conflitos se resolvem de maneira satisfatória. A narrativa em chave baixa não se coaduna com qualquer tipo de norma que possa distinguir o certo do errado.

11A designação dos personagens fictícios é parte integral dessa poética: também nesse aspecto Memórias de um sargento de milícias se aproxima das formas elementares da narrativa. Em alguns casos, não há rigorosamente um nome próprio, apenas uma designação da função social do personagem, seu vínculo ao protagonista ou uma característica marcante (comadre, compadre, mestre-de-cerimônias, cigana...), o que lembra os nomes-máscaras dos personagens-tipos, característicos da comédia de cunho popular (Tomachevski 1976, 193-194). Ainda em outros casos, seu nome, ou antes sua alcunha, lembra aqueles dos personagens populares, ou mesmo folclóricos (Toma Largura, Maria Saloia, Maria Regalada, o próprio Leonardo Pataca).

12Embora Lima Barreto, habitante de um mundo assediado pela modernidade periférica, não compartilhe da perspectiva ou do cronotopo idílico do narrador de Manuel Antônio de Almeida, o ideal de uma comunidade pré-moderna não lhe é de todo alheio. Grande leitor de escritores e pensadores russos, ele é atraído por coletividades que vivem e sobrevivem num regime de « ajuda e apoio mútuos », como são as comunidades animais e as históricas comunidades humanas. Essas foram elevadas a estatuto de exemplos por Piotr Kropótkin, anarquista russo cujo livro Ajuda mútua: um fator de evolução (2009 [1902]), numa tradução francesa, fazia parte da famosa Limana – biblioteca particular do escritor.

  • 5 Já em 1986, Milan Kundera escrevera no verbete Moderno (arte moderna; mundo moderno) de sua Arte d (...)

13Apesar de Lima Barreto ter justa fama de ser um escritor militante e apesar de ele próprio se declarar simpatizante do « maximalismo », ou seja, bolchevismo, ele em certo sentido militou por valores tradicionais. Nas suas obras, é notável a importância dada à memória – que não deve ser confundida com conservadorismo e muito menos com reacionarismo, embora, já em 1989, Antonio Candido notava que Lima « curiosamente entroncava o seu humanitarismo inconformado não apenas em Tolstói (o que é natural), mas em conservadores atuantes, como Taine e Brunetière » (Candido 1989, XII). Adversário de futebol, feminismo e outras invenções modernas, Lima Barreto pode ser considerado um modernista antimoderno, de acordo com uma intuição de Milan Kundera, posteriormente repensada e sistematizada na teoria de Antoine Compagnon5.

14Entre muitos exemplos possíveis, vejamos um trecho do conto « O moleque » (1920), que pode servir como um exemplo de como Lima Barreto emprega os nomes próprios de seus personagens para montar o sentido do texto. O próprio conto, situado em Inhaúma, « subúrbio de gente pobre » que ainda preserva o nome tapuia, é introduzido por uma reflexão sobre a importância da preservação dos topónimos indígenas para a cultura brasileira. Além disso, é um caso instrutivo da solidariedade espontânea entre os pobres e remediados, à kropotkiniana.

O barracão de dona Felismina era de um só aposento, mas o da vizinha, dona Emerenciana, tinha dois. Eram ambos da primeira espécie [i. é. com paredes feitas de tábuas ou de pedaços de caixões]. Dona Emerenciana era casada com o senhor Romualdo, servente ou cousa que o valha em uma dependência da grande oficina do Trajano. (Barreto 2010c, 145)

15Dona Felismina, cujo nome é, segundo o site da Infopédia, derivado de felicíssimo, tem um aposento, enquanto dona Emerenciana, cujo nome vem de mérito (emerens), tem dois – privilégio a que decerto contribui o fato de Emerenciana ser também um nome de santa. A situação folgada desta última deve-se à circunstância de ela ter um marido, Romualdo, cujo pomposo nome italiano de origem lombarda significa « que reina gloriosamente » – embora seu reino seja tão pequeno como um barracão em Inhaúma. E, terceiro, esse luxo todo é sancionado pelo grande Trajano – cujo nome remete a um dos maiores imperadores romanos, embora o Trajano em questão seja apenas Trajano Saboia Viriato de Medeiros – dono de uma oficina de metalurgia e carpintaria a serviço do deus local: Pereira Passos. Nesse « humilde arrabalde », os nomes do conto são perfeitamente verossímeis, mas pensar nas suas conotações realça consideravelmente a ironia melancólica do texto.

16O mesmo princípio onomástico vale para o pacato bairro de funcionários subalternos em Triste fim de Policarpo Quaresma. Os nomes caricatos reforçariam a deliciosa comédia de costumes que o romance nos ofereceria – se as pequenas vidas de seus habitantes não fossem sofrer a interferência dos acontecimentos históricos ligados ao governo de Floriano Peixoto e a Revolta da Armada, os quais fazem invadir os princípios da modernidade sem dó nos subúrbios cariocas. Assim, o general que gosta de contar atos heroicos das batalhas das quais nunca participou ganha o nome de Albernaz – de um mapa da Província do Brasil do século XVII. Cavalcanti, o noivo da sua filha, foge do casamento como quem cavalga. O major honorário de nome Inocêncio Bustamante, que organiza o batalhão patriótico Cruzeiro do Sul para manifestar apoio ao presidente ditador, não é nada inocente. Interpretar Bustamante como « amante de busto » não tem nenhum apoio na etimologia da palavra, mas o designer da farda mirabolante com « o dólmã [que] era verde-garrafa e tinha uns vivos azul-ferrete, alamares dourados e quatro estrelas prateadas, em cruz, na gola » (Barreto 1997 [1911], 196), seria com certeza digno desse título. Também no Triste fim, os exemplos de nomes semanticamente motivados abundam.

17É curioso como o modo de atribuir nomes a personagens aproxima a escrita de Lima Barreto das obras do russo Nikolai Gógol, para quem nomes como Bachmátchkin (de bachmatchok – pequeno sapato) em O capote, ou Poprishchin (de popríshche – campo de atuação, arena) em Diário de um louco, são uma estratégia para introduzir, nos seus quadros disfóricos, uma nota do baixo-cômico.

18Essa tendência fica ainda mais patente nas obras que não visam uma representação de cunho realista, mas seguem um intuito puramente satírico, como é, por exemplo, o caso do conto « Como o “homem” chegou » (1915). O texto, escrito depois da primeira internação do autor, levado ao hospício em um carro forte da polícia a pedido do próprio irmão, é uma sátira impiedosa à sociedade exclusivista, que não tolera nem mesmo pequenos desvios da norma. Fernando, astrônomo manauara, é considerado louco pelos parentes ignorantes e, por uma ordem de prisão superior, é levado ao Rio num carro forte, puxado por burros. Depois de quatro anos de viagem, o carro chega a seu destino, com Fernando, há tempos, morto. Os nomes dos personagens envolvidos são hilariantes, sem qualquer ambiguidade a diminuir a contundência da sátira, desde os doutores Melaço e Jati (talvez com um piscar de olho a José de Alencar), líderes políticos, doutor Barrado, doutor Cunsono e doutor Silly (em algumas edições populares com grafia simplificada para Sili, em uma emendação que obscurece a qualidade principal do tal doutor), ajudante do chefe longínquo até o guarda-civil Hane, e o jornalista Cosmético. Nenhum desses nomes carece de explicação.

19Obviamente, nos textos de maior envergadura, o jogo onomástico fica mais complexo e contribui significativamente à interpretação do texto. Vejamos o caso do romance mais célebre do escritor, Triste fim de Policarpo Quaresma – que, apesar de ser um clássico, de leitura obrigatória, fica longe de ser interpretado de maneira consentânea. O protagonista do romance é um burocrata pedante que faz parte da pequena burguesia carioca. Sua irmã ainda está viva e seus rendimentos, com toda probabilidade, vêm de uma herança familiar. Apesar disso, o narrador, contra todos os preceitos de verossimilhança, alega: « Não se sabia bem onde nascera, mas não fora decerto em São Paulo, nem no Rio Grande do Sul, nem no Pará ». Esse fato não pode ser explicado nem como um recurso à escrita folhetinesca, nem como uma distração do autor. Aliás, o próprio narrador em seguida explicita: « Errava quem quisesse encontrar nele qualquer regionalismo; Quaresma era antes de tudo brasileiro » (Barreto 1997 [1911], 14). Assim como Iracema, virgem dos lábios de mel cujo nome é o anagrama de América, e Macunaíma, o grande malvado, Policarpo Quaresma, é um herói panbrasileiro, um personagem alegórico que encarna o dilema cultural brasileiro, três quartos de século mais tarde descrito por Roberto Schwarz em seu célebre « Nacional por subtração » (1987).

20Como já foi frisado, o romance pertence às obras limabarretianas que encenam o conflito mais importante do Brasil das primeiras décadas do século XX, ou seja, o conflito entre as já mencionadas comunidades locais, regidas por valores tradicionais e por conhecimento empírico, e a modernidade a ser implantada custe o que custar. A onomástica literária reflete essa intenção. Entre os nomes dos personagens, ressalta a tríade de nomes que vêm da Grécia: Policarpo, Ismênia e Anastácio.

21O próprio fato de termos no epicentro do romance personagens importantes com nomes de etimologia grega merece atenção, porque, naquela Belle Époque carioca que tanto simpatizava com a Antiguidade Clássica, Lima Barreto era uma voz dissonante. No prefácio-programa « Amplius », publicado na 1a edição de Histórias e sonhos, ele se manifesta contra aquilo que chama « a nossa Grécia » e seus « ossos descarnados ». Ater-se a ela, pensa Lima Barreto, é « procurar a beleza em uma carcaça cujos ossos já se fazem pó », porque o que nos tinha “a dar já nos deu e vive em nós inconscientemente » (Barreto 2008 [1920], 9).

22Conhecendo o uso que o Lima faz dos nomes próprios, não creio que os três personagens sejam batizados sem o pleno consentimento do autor. Antes, penso, há um fundo de tragédia grega na história que o romance nos conta e que desemboca na imolação de duas personagens acometidas de loucura e rejeitadas. É óbvia a estreita relação narrativa de Policarpo, « o de muitos frutos », e Ismênia, « a desejada » (Isméné). Os dois são monomaníacos, e cada um personifica uma ideia muito presente no cenário da época – a qual se mostra absurda, quando levada a sério, ao pé de letra.

23Regimes totalitários sabem disso: um idealista que leva a retórica do regime a sério faz maior dano que qualquer inimigo. Não é fortuita a transcrição que Lima Barreto faz no seu Diário íntimo, em 1904, de uma frase do deputado Garain, lida no romance Le Lys rouge, de Anatole France:

Toute idée fausse est dangereuse. On croit que les rêveurs ne font point de mal, on se trompe, ils en font beaucoup. Les utopies les plus inoffensives en apparence exercent réellement une action nuisible. Elles tendent à inspirer le dégoût de la réalité. (Barreto 1956b, 43)

24Encarnando a ideologia nacionalista, Policarpo Quaresma incorpora também sua inviabilidade, e os próprios homens bem pensantes o levam ao hospício, ao qual essa ideologia pertence. Encarnando o preceito de que uma mulher não pode ter vida plena fora do casamento, Ismênia incorpora também o absurdo dessa mesma ideia que a leva primeiro à loucura e, depois, à morte. Os dois são igualmente indesejados: Policarpo é desprezado tanto pelos representantes de sua pátria amada como por seus concidadãos e vizinhos. Ismênia é primeiro abandonada por seu noivo Cavalcanti – que cavalga, mas decerto não é cavaleiro, e que tão abstrato é que, no romance, nem o nome de batismo tem – e depois escondida por seus parentes mais próximos das pessoas estranhas à família. Os dois se revelam vítimas das forças incontornáveis da sociedade.

25É Ismênia, xará da irmã de Antígone, da mitologia grega, que traz ao romance esse tom trágico, herdado talvez do próprio Sófocles, dramaturgo do destino humano que se cumpre alheio à boa ou má vontade de um indivíduo. Assim como Ismênia que, na peça, resolve não se opor a seus concidadãos de Tebas e às leis divinas, Ismênia Albernaz internaliza seu fracasso perante os olhos da sociedade e morre, como uma prefiguração da Macabéia lispectoriana, depois de uma visita à cartomante, tendo sua hora da estrela em frente do espelho que lhe mostra seus encantos femininos.

26Magali Gouveia Engel trata na sua história de médicos, loucos e hospícios de dois loucos de rua que, nos anos 1880, viviam no Rio de Janeiro e que lembram a nossa dupla: um se chamava Não Há De Casar, e outro, Policarpo. (Engel 2001). Haverá uma conexão entre eles e os dois personagens limabarretianos?

27Outra afinidade onomástica no romance existe entre Policarpo e o negro Anastácio, « que não era bem seu empregado, mas agregado » (Barreto 1997 [1911], 129), e que o acompanhava nos trabalhos do cultivo do campo no sítio do Sossego. Aqui, a interpretação dos nomes traz à tona um aspecto mesmo importante do romance: a relação entre a utilidade, no Brasil, da ciência supostamente universal e a experiência local.

28Entre as anotações do Diário íntimo de 1910, encontram-se os nomes dos personagens do romance, provavelmente pensados junto com a estrutura do livro.

Ele não percebia que via com os olhos do sonho, não descontava a refracção dessa atmosfera especial, para avaliar a realidade.
Anastácio.
Observações. (Barreto 1956b, 142)

29As duas anotações sumarizam o contraste entre Policarpo e Anastácio.

30A primeira fala sobre Policarpo Quaresma cujo nome, como é sabido, é um oximoro: aquele que deveria dar muitos frutos sonha sobre um futuro frutífero, mas fracassa na vida real. Seu sobrenome evoca, além da quaresma litúrgica, a figura da Dona Quaresma (em tcheco chamada de Dona Pobreza), que traz a contrição e a abstenção depois do Carnaval. O experimento agrário de Policarpo, dono de uma cultura inteiramente livresca, não traz os frutos imaginados, parcialmente porque ele esbarra na política local e no sistema de « alfândegas interiores » (Barreto 1997 [1911], 158), mas também porque os manuais estrangeiros não correspondem à realidade brasileira, e as máquinas importadas se mostram sem serventia.

31Pelo contrário, Anastácio, seu contraponto, é portador de um nome que vem do grego anastasis, ressuscitação, no sentido de levantar-se, renascer, ficar de novo em pé. O seu forte são justamente as « observações ». É Anastácio que resgata de sua memória « recordações de antigo escravo de fazenda », e é ele « quem ensina os nomes dos indivíduos da mata a Quaresma, muito lido e sabido em coisas brasileiras » (Barreto 1997 [1911], 98). O nome próprio desse personagem, aparentemente secundário, parece dizer que são os conhecimentos empíricos, e não a erudição de seu amo, que seriam, na opinião do autor, a base do autêntico progresso do país.

32Vista pela lente de polykarpos e anastasis, a modernidade, tal como implantada no Brasil do início do século XX, se revela uma fraude: a ciência dos manuais não se equipara à sabedoria de um negro velho. Também nesse ponto Lima Barreto é um modernista antimoderno.

Haut de page

Bibliographie

Barreto, Lima. 1956a. Correspondência. Tomo I. São Paulo: Brasiliense.

Barreto, Lima. 1956b. Diário íntimo. São Paulo: Brasiliense.

Barreto, Lima. 2020 [1912]. « As aventuras do Doutor Bogóloff. » In Os Bruzundangas. LD Títulos. Kindle edition.

Barreto, Lima. 1997 [1911]. Triste fim de Policarpo Quaresma. Org. Antônio Houaiss, Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo. Paris/Nanterre: Edições UNESCO/ALLCA XX/ Université Paris X.

Barreto, Lima. 2008 [1920]. Histórias e sonhos. Ed. Antonio Arnoni Prado. São Paulo: Martins Fontes.

Barreto, Lima. 2010a. Diário de hospício; O cemitério dos vivos. Org. Augusto Massi e Murilo Marcondes de Moura. São Paulo: Cossac & Naify.

Barreto, Lima. 2010b [1917]. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras.

Barreto, Lima. 2010c. Contos completos. Org. Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letras.

Barreto, Lima. 2012 [1948]. Clara dos Anjos. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras. Kindle edition.

Barreto, Lima. 2017 [1917]. Numa e a ninfa. Org. Antonio Arnoni Prado. São Paulo: Penguin Classsics Companhia das Letras.

Candido, Antonio. 1989. « Prefácio. » In Lima Barreto. O crítico e a crise, de Antonio Arnoni Prado, XI–XII. São Paulo: Martins Fontes.

Compagnon, Antoine. 2011. Os antimodernos. De Joseph de Maistre a Roland Barthes. Trad. Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG [ed. orig (2005): Les Antimodernes. De Joseph de Maistre à Roland Barthes. Paris : Gallimard].

Engel, Magali Gouveia. 2001. Os delírios da razão. Médicos, loucos e hospícios (Rio de Janeiro, 1830-1930). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. Kindle edition.

Galvão, Walnice Nogueira. 1976. « No tempo do Rei. » In O saco de gatos. Ensaios críticos, 27-33. São Paulo: Duas Cidades.

Gógol, Nikolai. 2015. O capote e outras histórias. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34.

Holanda, Sérgio Buarque. 1956 [1949]. « Prefácio. » In Clara dos Anjos, de Lima Barreto, 9-19. São Paulo: Brasiliense.

Kropotkin, Piotr. 2009. Ajuda mútua: um fator de evolução. Trad. Waldyr Azevedo Jr. São Sebastião: A Senhora Editora.

Kundera, Milan. 2012. Arte do Romance. Trad. Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca. São Paulo: Companhia das Letras.

Kurz, Giovani T. 2020. « Ler os manuscritos de Lima Barreto. » Manuscrítica 40: 112-123.

Rodriguez, Benito Martinez. 1996. « Mezzo bestia e mezzo uomo: César Bórgia, Don Juan e os saraus de subúrbio. » Letras 45: 53-74.

Schwarz, Roberto. 1987. « Nacional por subtração. » In Que horas são?, 29-48. São Paulo: Companhia das Letras.

Svatoň, Vladimír. 2004. Proměny dávných příběhů: o poetice ruské prózy. Pardubice: Marie Mlejnková.

Tolstói, Leon. 1994. O que é a Arte? Trad. Yolanda Steidl de Toledo e Yun Jung Im. São Paulo: Experimento.

Tomachevski, Boris. 1976. « Temática. » In Teoria da Literatura. Formalistas Russos, 169-204. Porto Alegre: Globo.

Infopédia. https://www.infopedia.pt/dicionarios/antroponimia (consultado em 20 de outubro de 2020).

Haut de page

Notes

1 Este artigo contou com o apoio do Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional por meio do projeto « Criatividade e Adaptabilidade como condições do êxito da Europa no mundo interligado » (Nº. CZ.02.1.01/0.0/0 .0/16_019/0000734).

2 Kurz chama atenção para o trabalho cuidadoso do autor sobre o texto literário, apoiando suas conclusões justamente nas quatro versões de Clara dos Anjos assim como na peça « Casa de poetas. Comédia em um ato » (Lima Barreto 2010c, 337-346), de 1911, na qual a jovem ingênua chama-se Clarinda.

3 Benito Martinez Rodriguez, num estudo interessante que dá seu devido valor aos antropônimos, liga o nome Júlio a Júlio César, soberano romano, e por essa via a César Bórgia. Efetivamente, o narrador conta a entrada de Júlio Costa, cantor de modinhas, nos seguintes termos: « Nem César Bórgia, entrando mascarado, num baile à fantasia dado por seu pai, no Vaticano, causaria tanta emoção » (Barreto 2008 [1920], 211-212). O contraste entre o sobrenome Costa e a referência ao Duque Valentino completa o retrato desse Don Juan dos subúrbios. Rodriguez, concentrado na transformação da música popular urbana « em processo de ampliação de público e profissionalização de seus artistas », como retratada no romance (Rodriguez 1996, 56), segue a disputa artística entre Cassi, Praxedes e Marramaque e, apoiado também na análise dos antropônimos, mostra o caráter original da representação na obra de Lima Barreto.

4 Na verdade, seus sobrenomes altissonantes remetem à origem humilde. Baeta é, segundo o Dicionário Houaiss, denominação da população litorânea para os antigos habitantes de Minas Gerais, e Azevedo é um antigo e comum nome português. No manuscrito, o nome da Dona Salustiana era Catarina, talvez numa referência à província onde despachava o cônsul fictício (agradeço esta informação a Giovani T. Kurz).

5 Já em 1986, Milan Kundera escrevera no verbete Moderno (arte moderna; mundo moderno) de sua Arte do Romance: « À medida que se avança no futuro, a herança do “modernismo antimoderno” adquire grandeza. » (Kundera 2012, 123-124)

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Šárka Grauová, « Lima Barreto e a poética do nome »Brésil(s) [En ligne], 3 | 2020, mis en ligne le 15 décembre 2020, consulté le 09 décembre 2022. URL : http://journals.openedition.org/bresils/8636 ; DOI : https://doi.org/10.4000/bresils.8636

Haut de page

Auteur

Šárka Grauová

Šárka Grauová é pesquisadora, tradutora e professora de literaturas lusófonas na Universidade Carolina de Praga. ORCID: 0000-0002-9760-0306.

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

Haut de page
  • Logo Editions de la Maison des sciences de l'homme
  • Logo Mondes américains
  • Logo Centre de Recherches sur le Brésil Colonial et Contemporain
  • Logo Ecole des hautes études en sciences sociales
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search