Navigation – Plan du site

AccueilHors-séries3Aliança e submissão, extinções e ...

Aliança e submissão, extinções e resiliências: caminhos entrecruzados da sociedade brasileira e animais

Alliance et soumission, extinctions et résilience : chemins entrelacés de la société brésilienne et des animaux
Alliance and Submission, Extinctions and Resiliences: Intertwined Paths of Brazilian Society and Animals
Regina Horta Duarte

Résumés

Depuis l'Indépendance, le peuple brésilien et son territoire se sont construits dans une dynamique temporelle, sociale, culturelle et politique. Cette histoire ne concerne pas que des populations humaines, elle s’étend aussi aux relations des hommes et des femmes avec des animaux indigènes ou acclimatés. Les trajectoires de ces derniers sont faites de conflits, de liberté et de soumission. Leur histoire se mêle, de manière intense et complexe, aux luttes pour la liberté de la société brésilienne.

Haut de page

Notes de l’auteur

Agradeço a Antônio Herculano Lopes, Joelle Rouchou, ao CNPq e à Fapemig. Tom é sempre meu primeiro e mais valioso leitor. Simone Pinho Ribeiro foi disponível para uma inestimável troca de ideias sobre alguns aspectos da obra de Freud, mesmo que ela não tenha responsabilidade pelas minhas afirmações.

Texte intégral

1Em 1987, um ilustrador britânico lançou um livro-brinquedo destinado ao público infanto-juvenil. Com sucesso meteórico, Where’s Wally (em francês, est Charlie) foi lançado sucessivamente em vários países, e seria o primeiro de muitos outros livros, gerando ainda um filme, séries televisivas, jogos eletrônicos. Em complexas ilustrações que ocupavam duas páginas inteiras de amplas dimensões, o protagonista Charlie encontrava-se cercado de uma miríade de pessoas, objetos, plantas, animais, e o desafio era encontrá-lo. Após ser localizado, Wally (ou Charlie) parecia tão óbvio ao observador, surpreso por não tê-lo visto antes, pois passava a dominar toda a imagem (Handford 1987).

2Recorro ao exemplo desse livro como metáfora de um dos grandes desafios dos historiadores contemporâneos. Até recentemente, pensar a história nunca tinha sido pensar sobre animais. Ao contrário das sociedades humanas, estudadas em seu devir contínuo, os animais apareciam secundários nas narrativas históricas, numa condição quase atemporal e estática. Eram mencionados apenas enquanto objeto passivo da ação humana ou à medida em que integravam representações sociais. Já o historiador Marc Bloch definira o humano como o limite do interesse histórico, ao comparar o historiador a « l’ogre de la légende. Là où il flaire la chair humaine, il sait que là est son gibier » (Bloch 1952, 4).

3Os entrecruzamentos cruciais entre a dinâmica temporal e espacial de construção da nossa sociedade em coexistência com milhares de espécies nativas e aclimatadas têm sido especialmente privilegiados como objeto de pesquisa histórica há cerca de quatro décadas. Nos anos 1980, animais receberam destaque na história cultural. Darnton (1984) analisou um massacre de gatos, sinal da insatisfação dos trabalhadores envolvidos no episódio, mas principalmente compreendido na relação profunda com rituais e simbologias em torno desses animais. Thomas (1983) escreveu uma história cultural na obra Man and the Natural World na era moderna, apontando o antropocentrismo das relações homens/animais, mas também indicando a ascensão de novas sensibilidades. Ritvo (1987) estudou animais na Era Vitoriana. Delort (1984), já no título de seu livro, afirmou que « les animaux ont une histoire ».

4A despeito desses pioneiros, o florescimento dos estudos sobre animais ocorreu especialmente no campo da História Ambiental, que alargou vertiginosamente o interesse do historiador para além da história propriamente humana. Muitos pesquisadores questionaram o antropocentrismo nas explicações históricas, e demonstraram como plantas, animais, ecossistemas, clima, fenômenos e forças naturais são importantes agentes de transformação ao longo de toda a história humana na Terra.

5A virada do milênio trouxe um verdadeiro « animal turn », centrando os animais nas abordagens históricas (Vandersommers 2016; Tortorici & Few 2013). Isso tem ocorrido não apenas pelo número crescente de publicações (ver o número 52, especial, de 2013, da revista History and Theory: « Does History Need Animals? »), mas sobretudo por instigantes desafios teóricos e metodológicos.

6Historiadores têm pensado os animais além da ideia de recipientes passivos que refletem ações humanas. Passam a ser analisados também como atores nos processos de transformação, mostrando que a história se faz também com animais, que possuem papel chave « in the unfolding of several historical processes » (Nance 2016, 5). A história animal não visa antropomorfizá-los, atribuindo-lhes ações próprias de seres humanos: antes, aponta seu protagonismo nos efeitos e resultados de ações muito específicas, destituídas de intencionalidades, individualidades ou identidades (self) (Shaw 2013, 7).

7Um dos principais pressupostos que guia esta nova perspectiva é o desafio do antropocentrismo e da consideração de que o sentido de todas as coisas e dos entes vivos gira ao redor dos seres humanos, numa perspectiva bíblica de que o planeta existiria tão somente para usufruto e domínio por nossa espécie: plantas, animais, oceanos, rios e montanhas. Para compreender o papel dos animais não humanos no passado e no presente urge considerá-los para além de seres meramente passivos e manuseáveis pela vontade humana. São atores, mesmo que inconscientes, e não apenas reagem e se prestam às ações humanas, antes interagem e coexistem.

8Não se trata, é claro, de desvalorizar a história humana, pois esses estudos redimensionam nossa identidade, e as concepções sobre quem somos. Os entrelaçamentos entre animais não humanos e sociedades humanas descortinam novos panoramas históricos. Se como Bloch afirmou, o historiador precisa ser um bom caçador para saciar sua fome de conhecimento, ele agora precisa também aprender que há muito mais a farejar além da carne humana. O questionamento da binaridade radical entre animais não-humanos/humanos recoloca aspectos biológicos, éticos e filosóficos da condição humana, « holding humanity down » (Walker 2016, 59). A convivência com animais tantas vezes se fez pelo signo da violência, mas também pela aliança, permeando a história mundial.

9É certo que esse questionamento tem raízes muito anteriores e foi construído em discursos e práticas diversas. Sigmund Freud argumentou como o narcisismo humano sofreu três ataques severos por descobertas científicas. O primeiro, cosmológico, ocorreu pela teoria heliocêntrica de Copérnico, no século XVI, que desbancou a Terra como centro do universo. A teoria de Darwin desferiu segundo golpe, o biológico. O terceiro, psicológico, decorria das teorias psicanalíticas sobre a libido e o inconsciente (Freud 1933 [1917]). Na presente análise, interessa-nos particularmente a ferida narcísica de ordem biológica. Segundo Freud, os humanos construíram visões de mundo nas quais se atribuíram uma posição superior entre todos os seres vivos, negaram o exercício da razão a todos eles, atribuíram-se uma alma imortal, e se apresentaram como criação à imagem e semelhança de um ser divino. Sociedades totêmicas e crianças eram estranhas a essa presunção, assumindo a continuidade entre humanos e não humanos como algo positivo e transcendente. Darwin, ao demonstrar a origem das espécies e a seleção natural, questionou verdades estabelecidas na sociedade vitoriana (Freud 1933 [1917]; Grimal 1981, 369-370).

10Essa ferida narcísica, entretanto, não necessariamente é processada pelos que a enfrentam. Muitos negaram as evidências do argumento racional, apegaram-se à versão do Gênesis, reafirmaram orgulhosamente serem descendentes de Adão e Eva. Outros, mesmo sem rechaçarem a teoria da origem das espécies, ignoram as consequências últimas de enfrentar a nova condição humana, desprovida de uma suposta superioridade sobre os outros seres vivos, justificativa esta para dispor de todos eles em proveito próprio. Não obstante, a teoria de Darwin abre caminho para outras posturas, as quais podem incluir experiências de empatia com os outros animais, tão semelhantes e, simultaneamente, tão diferentes. Eles podem, então, serem reconhecidos como vidas valiosas, até porque se torna claro que nossa existência se integra inextrincavelmente à deles. Num planeta à beira do caos ambiental, reconhecer isso poderia, talvez, salvar a humanidade da autodestruição que Narciso encontrou ao se afogar, fascinado pela própria imagem, incapaz de olhar ao redor.

11Falar do humano implica, portanto, reconhecer a importância de nossa condição biológica e das dimensões materiais de nossa existência. Criamos miríades de práticas socioculturais e tecnológicas em torno do sexo, do nascimento, da doença, da alimentação, da morte. Mas não há como escapar do fato irredutível de que nascemos, nos alimentamos, nos reproduzimos, e morremos. Nem mesmo nosso corpo humano individual é uma unidade « fechada », como argumenta Donna Harraway:

I love the fact that human genomes can be found in only about 10 percent of all the cells that occupy the mundane space I call my body; the other 90 percent of the cells are filled with the genomes of bacteria, fungi, protists, and such, some of which play in a symphony necessary to my being alive at all, and some of which are hitching a ride and doing the rest of me, of us, no harm. I am vastly outnumbered by my tiny companions; better put, I become an adult human being in company with these tiny messmates. To be one is always to become with many. (Haraway 2008, 3-4)

Onde estão os animais na história do Brasil

12Excluir os animais na escrita da história implica em omitir um aspecto crucial da trajetória das sociedades humanas no planeta. E isso também vale, claro, para as lutas pela liberdade na instituição social-histórica do que identificamos como sendo o Brasil. Muito antes da chegada dos portugueses, povos indígenas relacionam-se com a fauna na construção de visões de universo, na caça, aliança e convívio afetivo. Eram, por vezes, presas, por vezes, caçadores (Castro 2002, 381-382). Os europeus trouxeram seus animais, fascinaram-se com os que encontraram, mas também tantas vezes os desprezaram e os julgaram unicamente pela utilidade, desencadeando a extinção de milhares de espécies por atividades antrópicas (Gerbi 1955, 1-38; Crosby 2004 [1986], 171-194; Duarte 2019). O gado pisoteou a terra rumo ao sertão, conquistando o território, assim como pisoteou o solo que antes era cerrado e vem avançando sobre áreas desmatadas e incendiadas da Amazônia (Prado Jr 2011 [1942], 55-72, 195-221; Dutra e Silva 2017; Meirelles Filho 2014). Seu couro foi e permanece como matéria prima dos mais variados objetos de nosso uso diário (Capistrano de Abreu 1907, 128). Bois acompanharam o dia a dia dos engenhos de cana de açúcar e, junto com mulas e jumentos, cruzaram as montanhas e vales da região centro sul, transportando galinhas, ovos, leite, queijos, torresmos, banha (Freyre 1989 [1942], 95-100; Holanda 2000 [1945], 165-169; Meneses 2000). Atualmente, bois, frangos, porcos e até jumentos turbinam as exportações nacionais e as investidas da bancada do boi no congresso brasileiro. Animais integravam os inventários post-mortem preservados nos arquivos, assim como as obras dos naturalistas europeus (Martinez 2011; Leite 2014). Cavalos encheram as ruas das cidades no despertar da urbanização de capitais como o Rio de Janeiro, Recife e São Paulo, logo no início da República (Aprobato Filho 2007). Cães perambulavam pelas ruas, famintos e alquebrados, sensibilizando habitantes burgueses de São Paulo e do Rio de Janeiro, fundadores das primeiras Sociedades Protetoras já no fim do século XIX (Ostos 2017). Pássaros enfeitaram os chapéus das mulheres elegantes da Belle Époque brasileira (Duarte 2013). Couros de animais silvestres compuseram exportações legais e ilegais (Antunes, Shepard Jr & Venticinque 2014). Animais diversos povoaram os picadeiros dos circos que percorriam as cidades assim como as pequeninas vilas do interior, mas também integraram as coleções zoológicas do Museu Nacional e do Museu Paraense Emilio Goeldi (Duarte 2018, 181-185; Lopes 1995; Sanjad et al. 2012). Invadiram as páginas literárias de autores como Machado de Assis, Guimarães Rosa, Clarice Lispector (Maciel 2014, 265-276). Compuseram as imagens do cinema de Humberto Mauro e de Nelson Pereira dos Santos, saltaram dos traços dos pincéis de Alberto Guignard e Tarsila do Amaral, dos versos dos poemas de Carlos Drummond de Andrade e Manoel de Barros, da música popular brasileira (Rubira 2020; Santos 2015, 70-77). Foram inimigos da Nação, quando vetores da malária – que dizimou milhares durante a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré, na Amazônia, mas também atingiu fortemente o Nordeste – e da febre amarela que avassalou o Rio de Janeiro entre fins do século XIX e início do século XX (Hardman 1988, 117-154; Löwy 2001; Lopes 2020). Formigas ameaçaram acabar com o Brasil, caso o Brasil não fosse capaz de dar cabo delas (Silva 2007). Corpos de animais circularam nas mesas de vivissecção (Carvalho & Waizbort 2014), nos matadouros instalados nas cidades (Erichsen 2020), nas bancas das vendas e mercados, nas receitas de sopa de tartaruga e pastel de passarinho do livro O Cozinheiro Imperial, publicado em 1840 por um autor anônimo (R.C.M. 1840, 13 e 173). Hoje, os animais que nos servem de alimento aparecem desfigurados e em pedaços nas embalagens a vácuo disponíveis nas gôndolas dos supermercados. Cães e gatos dividem sofás e camas com milhões de brasileiros, amados como membros da família. Animais silvestres engordam dinâmicas locais, nacionais e internacionais de tráfico ilegal (Vander Velden 2018). Gafanhotos foram o terror dos agricultores no cone sul americano, incluindo o Brasil, no mesmo período em que a fronteira agrícola avançou sobre os pampas, entre fins do XIX e a primeira metade do XX (Fernandes 2020). Hoje, retornaram pelas mudanças climáticas, e nuvens insaciáveis vêm devorando as paisagens monótonas de plantações de cereais no Paraguai, Argentina e Uruguai, ameaçando também os agricultores brasileiros, que sabem que gafanhotos não possuem passaporte, nem respeitam fronteiras nacionais imaginadas.

13Tais exemplos poderiam ser estendidos quase indefinidamente, mas o que me interessa é argumentar que nunca estivemos sozinhos. A despeito de os documentos históricos serem uma produção humana, os rastros dos animais poderão ali ser encontrados por quem se exercite em identificá-los. O que mais impressionará o pesquisador, provavelmente, será a constatação de que eles sempre estiveram ali, num ponto até então cego de sua mirada.

O Grito do Ipiranga

  • 1 Para uma boa visualização da imagem, com recursos para destacar cada uma das partes separadamente (...)

14No âmbito do debate proposto sobre lutas pela liberdade em 200 anos de Brasil independente, detenho-me na tela de Pedro Américo (1843-1905), Independência do Brasil ou O Grito do Ipiranga, encomendado em 1886 pelo governo da província de São Paulo, e exibido pela primeira vez em Florença em 8 abril de 1888. A tela chegou a são Paulo em meados de 1888, mas seria exposta ao público no Museu Paulista apenas em 1895. Desde então, plasmou o imaginário nacional sobre a independência ao longo de gerações1.

15Pedro Américo visitou São Paulo para fundamentar sua concepção, mesmo que declarasse não ser escravo da realidade, antes um artista que buscava inspiração para superá-la em proveito do belo. Criou uma cena que destaca o protagonismo de D. Pedro I, seu heroísmo e liderança no despertar da nação independente. A paisagem é rural, com uma vegetação rala que estrutura planos hierárquicos para os personagens diversos.

16Muitos analistas da tela enfatizam « erros históricos », imprecisões geográficas, plágios, exagero no número da comitiva. Mas estamos aqui no plano da arte, e a tela, assim como nenhuma outra fonte histórica, não é retrato do real, mas sim um monumento cheio de intenções, estratégias e mentiras (Le Goff 1978).

17Há tantos animais quanto pessoas figurados na tela. O número de cavalos equivale ao de homens da elite militar e civil. Representam espécimens de puro sangue, então raríssimas. Cavalos não eram utilizados para percorrer os íngremes caminhos de São Paulo, pois apenas mulas davam conta de um trajeto tão pesado. Os esboços de Pedro Américo mostram que ele usou o modelo, entre outros, de um cavalo andaluz, Cabul, pertencente a um general europeu (Oliveira 2010 e 2017; Marins s/d; Schwarcz 2009, 50; Schlichta 2009, 152-160 e 191-213; Schwarcz & Starling 2015, legenda figura 5; Almeida 2017).

18Mas essas escolhas não dizem respeito necessariamente à mentira ou engano. Como mostrou Gilberto Freire, o cavalo era um símbolo hierárquico e de virilidade para homens brancos desde a colônia, quando senhores eram como centauros, metade homem, metade cavalo, em « seus movimentos de mando, seus gestos de galanteria, seus rompantes guerreiros ». De cima das montarias, gritavam ordens aos que trabalhavam, como que « esquecidos de que eram mortais » (Freyre 1989 [1942], 91) Além dos cavalos aristocráticos, a tela traz um cavalo comum, à esquerda, guiado por um tropeiro que assiste à cena de longe, imóvel, em contraste com a agitação da imagem principal, onde poeira é levantada do solo, e as águas do riacho são movimentadas pelas patas das montarias dos militares.

19Poucos metros à frente do tropeiro, uma mula carrega uma imensa carga, levada por um trabalhador. No canto inferior esquerdo da tela, quatro bois sustentam grossas toras de madeira, conduzidos por um homem que traz um ferrão nas mãos. Seu tronco quase nu, suas pernas e braços musculosos, seus pés descalços o aproximam muito mais dos bois do que dos demais homens, na hierarquia social criada pela imagem. Esses trabalhadores « compõem a cena sem alterá-la fundamentalmente » (Schwarcz 2009, 50). No canto direito, há uma casinha caipira de pau a pique, bananeiras cheias de frutos, com uma cerca que permite supor a criação de porcos e galinha. Debruçadas sobre a cerca, uma mulher e uma criança assistem à movimentação. Dos animais nativos, que certamente eram abundantes pelo interior de São Paulo no século XIX, vemos apenas dois pássaros no céu.

20Entre pessoas e animais, e as hierarquias estabelecidas entre eles, há significados paralelos que integraram a sociedade brasileira do século XIX. Nessa representação de fins da década de 1880, a paisagem do nascimento da nação é sobretudo rural, e traz a marca da liderança das elites, da condição inferior do trabalhador braçal, da dignidade do tropeiro empreendedor, e da quase invisibilidade de mulheres e crianças, cujo lugar é dentro da casa.

21O momento retratado pelo artista remete a um período de transformações importantes no Brasil. A vinda da Corte, em 1808, impulsionou enormemente as atividades de agricultura para consumo local que há existiam no mundo colonial, mas que ganhavam nova dimensão, nas fazendas paulistas e de Minas Gerais, no processo denominado por Maria Odila Dias como « interiorização da metrópole » (Dias 1986) Essa mudança se fez nas propriedades rurais, com crescimento da população de galinhas, porcos, ovelhas e vacas leiteiras. O abastecimento garantido pela ação dos tropeiros dependia das mulas e bois de transporte. As tropas carregavam não apenas alimentos, mas também tecidos, produtos importados que chegavam do porto do Rio de Janeiro e de Santos, livros, jornais. Tropas espalhavam notícias, divulgando ideias politicas e criando terreno para ideias liberais – a « palavra recente do tropeiro » (Lenharo 1993, 91). Na abertura das trilhas, escravos derrubavam matas, enfrentavam onças bravas, cobras venenosas, mas também caçavam ao longo das jornadas. Além de amassarem os solos, bois e mulas demandavam pastagens ao longo dos caminhos, e as paisagens de matas ou cerradões densos se transformavam em clareiras.

22Na postura predominante na sociedade brasileira oitocentista em relação ao meio biofísico, predominava a concepção de que matas eram lugares escuros e perigosos, onde índios e feras espreitavam traiçoeira e ameaçadoramente. Urgia derrubar a mata, extrair madeira, eliminar os bichos e insetos daninhos, instaurar o espaço agrícola, abrir estradas para circulação segura e previsível de homens e mercadorias. Tratava-se de negar a vida nômade, aquela dos índios caçadores e coletores, mas também dos animais silvestres. Os personagens da cena são sedentários, mesmo que alguns sejam inferiores: o escravo, o tropeiro, o caipira, a mulher, a criança, os civis políticos, o herói, os soldados. Os índios não aparecem, assim como a vida animal silvestre, relegados ao mais baixo nível na escala de valor dos entes vivos. São como vida nua – zoé – inspirando-me na análise de Agamben, cuja eliminação não configura crime e encontra-se autorizada, pois é sem valor quando comparada à bios, a vida investida de qualidades (Agamben 1997, 9-10 e 147-156). Bananeiras, bois, cavalos, mulas, todos ali são seres domesticados, curvados aos movimentos estabelecidos de uma sociedade sedentária, e a serviço dos projetos para civilizar a nação recém-nascida.

23A tela de Pedro Américo é parte da história do Brasil no século XIX, e permaneceu convencendo seus observadores ao longo do tempo sobre o que foi a independência, assim como os estudantes que usaram livros didáticos de história que ela invariavelmente ilustrou.

As cédulas e os animais

24Surpreendentemente, após décadas de lutas sociais e conquistas em torno da questão ambiental, a permanência dessa matriz cultural em relação ao meio biofísico se manifesta na face mais violenta. Desde 2018, o desmatamento na Amazônia cresce estrondosamente. (Escobar 2020) O cerrado – bioma rico e de incrível biodiversidade – vem sendo devastado desde os anos 1960, consumido pela ganância do agronegócio. Animais morrem em incêndios, engrossam os números do tráfico, enfrentam novas paisagens que para eles são como desertos, condenados a morrerem de fome, ou de tiro, quando ameaçam os animais domésticos ou as plantações. Nos rios, a fauna aquática sucumbe intoxicada pelo mercúrio dos garimpos ilegais, ou mesmo pela enxurrada de lama tóxica, como no caso do Rio Doce, gravemente contaminado pelo desastre de explosão da barragem de mineração da companhia Samarco, em 5 de novembro de 2015, no município de Mariana, Minas Gerais.

25No contexto mundial, assim como no Brasil, a humanidade vê-se frente aos desafios impostos pela mudança climática, catástrofes ambientais, biotecnologia, crescimento populacional, do consumo, e da produção de resíduos. De repente, vemos que as chances de sobrevivência da espécie humana seguem coladas à vida vegetal, animal, mas também às montanhas, às águas, ao solo. Tudo está interligado.

26Se estamos discutindo « lutas por liberdades individuais, políticas, sociais, culturais, relativas à cidadania, ao respeito à diferença e às múltiplas identificações do ser em sociedade », segundo o cartaz de divulgação deste Simpósio, urge pensar como isso envolve a exuberante biodiversidade animal que pulsa e respira nos ricos biomas tropicais e subtropicais brasileiros, assim como os animais que dividem conosco os espaços urbanos e rurais, domésticos ou silvestres.

27Seria complexo definirmos o que é a liberdade para um animal, e demandaria diálogos com a etologia, o direito, a ética, o que não caberia nos objetivos deste artigo. É fato que, nos padrões internacionais para animais mantidos em fazendas para abate ou extração de produtos, há cinco liberdades básicas, estabelecidas em 1979, pelo Farm Animal Welfare Council (FAWC 2009). Os animais devem estar livres de fome, sede, desconfortos causados por instalações inapropriadas, dores, doenças, injúrias, medo, estresse, e poderem expressar comportamentos próprios de sua espécie. Esses parâmetros mostram-se relevantes também para bichos de estimação, cobaias, vida silvestre em cativeiro. São relevantes ainda para debates sobre ativismo de sociedades protetoras, políticas urbanas sobre cães e gatos de rua, socorro a animais silvestres e domésticos em ocasiões de catástrofes socioambientais, como queimadas, secas, enchentes, explosão de barragens de mineração, entre outras. Predominam aqui critérios e ações de ativistas da proteção animal e pesquisadores ligados à veterinária, etologia ou ética científica, focados especialmente nos espécimens em questão, pensados como indivíduos que sofrem e que têm direito de não sofrer.

28Além da importante questão dos direitos e bem estar de animais domésticos, de trabalho, para alimentação humana, pesquisa científica ou exemplares da fauna silvestre em cativeiro, proponho que há uma segunda dimensão da liberdade e do direito animal referente às espécies nativas. Ela se diferencia dos horizontes da proteção animal ao privilegiar espécies, pensadas como populações que têm direito às condições de luta pela sobrevivência em seus habitats próprios. Nesse foco, a vida de um felino, peixe ou primata é necessariamente avaliada no quadro amplo de seu habitat, da interação com a população de sua própria espécie e com outras espécies predadoras ou que lhe servem de alimento, com a flora a seu redor, com a hidrografia da região, a proximidade de concentrações humanas, a existência de resíduos ou substâncias tóxicas resultantes de atividades antrópicas, a ameaça dos incêndios propositais, a caça legal ou ilegal, a captura para tráfico, etc. Biólogos, ecologistas ou conservacionistas certamente se preocupam com o lobo guará atropelado na estrada, o socorrem e o encaminham para atendimento de qualidade. Mas aquele indivíduo encontrado deve ser situado numa dinâmica complexa de sobrevivência da sua espécie num processo galopante de destruição de habitats. Há aqui a consideração da liberdade e do direito não apenas daquele exemplar, mas da sua espécie em relação com todas as outras e com outros elementos do mundo natural, todos em intensa relação e interdependência.

29No seio dessa diferenciação entre espécimens e espécies – que certamente envolve uma complexidade muito maior do que foi possível abordar nesse artigo – ressalto o relevante significado das representações de animais nativos nos versos das cédulas correntes da moeda brasileira, o real.

30Em 1994, no lançamento do plano econômico do governo Fernando Henrique Cardoso, o governo anunciou que as novas notas trariam animais da fauna brasileira, inovando a tradição predominante de estampar personagens históricos, tipos regionais e eventos comemorativos. Para alguns intérpretes, essa foi uma forma de recorrer ao imaginário de uma natureza pródiga, rica e harmônica, em contraposição ao desgaste da realidade desoladora que vinha arrastando os brasileiros à pobreza, numa verdadeira negação da história (Ribeiro 1994). Corre também informalmente a história de que, frente às reclamações da família de Mário de Andrade, estampado numa nota de 500 mil cruzeiros, em 1993, a equipe econômica decidiu utilizar imagens de animais, que não poderiam reclamar. Outros afirmam que foi a maneira mais rápida e barata de providenciar as novas cédulas. Dada a urgência de implementação do Plano Real, não haveria tempo de negociar a autorização dos descendentes de personagens ilustres. Ao mesmo tempo. alguns desenhos de animais poderiam ser reutilizados de notas antigas brasileiras, como o beija flor da nota de um real que vinha da nota de 500 cruzados novos (depois 500 cruzeiros), em homenagem ao naturalista Augusto Ruschi, lançada em 1990 (Carraza 2000).

31Além do beija flor (Amazilia lactea) da nota de um real, a de dois reais traz uma tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata), quase extinta pela utilização de seu casco para confecção de objetos diversos. A de cinco, um garça branca (Casmerodius albus), caçada impiedosamente nas primeiras décadas de nossa república para confecção de chapéus de penas. A de dez, uma arara vermelha (Ara chloroptera), que vive em espaços cada vez mais exíguos com a destruição inclemente das matas, além de perseguidas pelos traficantes de animais. Vinte reais ilustra o mico leão dourado (Leontopithecus rosalia), em séria ameaça de extinção. Cinquenta reais mostra a onça pintada (Panthera onca). Vítimas dos incêndios criminosos alarmantes que devastaram o Pantanal, no segundo semestre de 2020, as imagens de onças mortas com as patas queimadas na tentativa de fuga do fogo e da fumaça asfixiante comoveram parte da nação. Cem reais, uma garoupa (Epinephelus marginatus), vulnerável pela pesca predatória. E, recentemente, a nota de duzentos reais traz um lobo guará (Chrysocyon brachyurus), outra espécie do cerrado em grave perigo.

32Vendo as imagens desses animais, é cada vez mais claro que se não combatermos a tradição cultural e politicas de descaso para com as espécies nativas, mantendo ou até acelerando o ritmo de destruição do meio biofísico, brevemente essas espécies povoarão apenas nossas cédulas. Sua extinção diminuirá significativamente nossas chances de sobrevivência, que dirá de sucesso das lutas pela liberdade dos próximos 200 anos da sociedade brasileira.

Haut de page

Bibliographie

Agamben, Giorgio. 1997. Homo sacer : le pouvoir souverain et la vie nue. Paris : Seuil [ed. orig. (1995): Homo sacer. Il potere sovrano e la nuda vita. Turim: Einaudi].

Almeida, Rodrigo Estramanho de. 2017 « História e política do Brasil na pintura de Pedro Américo. » Anais do 9° Congresso Latino-Americano de Ciência Política (ALACIP). Disponível em: https://alacip.org/cong17/phist-26almeida-9c.pdf (consultado em 27 de novembro de 2020).

Antunes, André Pinassi, Glenn Harvey Shepard Jr & Eduardo Martins Venticinque. 2014. « O comércio internacional de peles silvestres na Amazônia brasileira no século XX. » Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciencias Humanas 9 (2): 487-518.

Aprobato Filho, Nelson. 2007. « O couro e o aço: sob a mira do moderno, a “aventura” dos animais pelos “jardins” da Paulicéia, final do século XIX, início do XX. » Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo (USP).

Bloch, Marc. 1952. Apologie pour l’histoire ou métier d’historien. Cahiers des Annales 3. Paris : Librairie Armand Colin.

Capistrano de Abreu, João. 1907. Capítulos de história colonial. Rio de Janeiro: M Orosco & C.

Carraza, Bruno. 2020. « Sobre homens e bichos. » Valor Econômico 3 de agosto. Disponível em: https://valor.globo.com/politica/coluna/sobre-homens-e-bichos.ghtml (consultado em 13 de outubro de 2020).

Carvalho, André Luis & Ricardo Waizbort. 2014. « Sobre cães, vivissecção e darwinismo: uma história da Biologia e de seus dilemas éticos. » Acta Scientiae 16: 200-236.

Castro, Eduardo Viveiros de. 2002. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify.

Crosby, Alfred W. 2004 [1986]. Ecological Imperialism: The biological Expansion of Europe 900-1900. Berkeley: University of California Press.

Darnton, Robert. 1984. The Great Cat Massacre and Other Episodes in French Cultural History. New York: Basic Books.

Delort, Robert. 1984. Les animaux ont une histoire. Paris : Seuil.

Dias, Maria Odila Silva. 1986. « A interiorização da Metrópole (1808-1853). » In 1822 Dimensões, org. Carlos Guilherme Mota, 160-184. São Paulo: Perspectiva.

Duarte, Regina Horta. 2013. « Birds and Scientists in Brazil. » In Centering Animals in Latin American History, org. Martha Few & Zeb Tortorici, 270-301. Durham: Duke University Press.

Duarte, Regina Horta. 2018. Noites circenses. Belo Horizonte: Fino Traço.

Duarte, Regina Horta. 2019. « História dos animais no Brasil: tradições culturais, historiografia e transformação. » Historia Ambiental Latinoamericana Y Caribeña (HALAC) 9 (2): 16-44. DOI: https://doi.org/10.32991/2237-2717.2019v9i2.p16-44 (consultado em 12 de outubro de 2020).

Dutra e Silva, Sandro. 2017. No oeste, a terra e o céu: a expansão da fronteira agrícola no Brasil Central. Rio de Janeiro: Mauad X.

Erichsen, Lucas. 2020. « História desanima(liza)da: os matadouros da cidade do Rio de Janeiro (1771-1881). » Tese de doutorado em história. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Escobar, Hector. 2020. « Desmatamento da Amazônia dispara de novo em 2020). » Jornal da USP. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/desmatamento-da-amazonia-dispara-de-novo-em-2020/ (consultado em 13 de outubro de 2020).

FAWC. Farm Animal Welfare Council. 2009. « Farm Animal Welfare in Great Britain: Past, Present and Future. » Londres: Ministry of Agriculture, Fisheries and Food. Disponível em: https://webarchive.nationalarchives.gov.uk/20110909181140/http://www.fawc.org.uk/reports.htm (consultado em 15 de outubro de 2020).

Fernandes, Valéria. 2020. « A luta contra o gafanhoto: processos biossociais na América do Sul, Argentina, Brasil e Uruguay, 1897-1952. » Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Freud, Sigmund. 1933. Une difficulté de la psychanalyse [ed. orig. (1917): Eine Schwierigkeit der Psychoanalyse.]. Disponível em: https://www.psychaanalyse.com/pdf/une_difficulte_de_la_psychanalyse_freud.pdf (consultado em 6 de agosto de 2020).

Freyre, Gilberto 1989 [1942]. Nordeste. Rio de Janeiro: Editora Record.

Gerbi, Antonelo.1955. La disputa del nuovo mondo, storia di una polemica (1750-1900). Milão: Riccardo Riccardi Editore.

Grimal, Pierre. 1981. Diccionario de mitologia griega y romana. Barcelona: Paidós.

Handford, Martin. 1987. Òu est Charlie. Paris : Gründ.

Haraway, Donna. 2008. When Species Meet. Minneapolis: The University of Minnesota Press.

Hardman, Francisco Foot. 1988. Trem fantasma. São Paulo: Companhia das Letras.

History and Theory. 2013. Special Issue:Does History Need Animals? 52 (4). Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/toc/14682303/2013/52/4 (consultado em 27 de novembro de 2020).

Holanda, Sérgio Buarque de. 2000 [1945]. Monções. São Paulo: Brasiliense.

Le Goff, Jacques. 1978. « Documento/Monumento. » In Enciclopedia. v. 5, org. Ruggiero Romano, 38-47. Turim: Einaudi.

Leite, Bruno Martins Boto. 2014. « Animalia, exótica & mirabilia: os animais brasileiros na cultura europeia. » In Representações da fauna no Brasil, séculos XVI-XX, org. Lorelai Kuri, 40-81. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio.

Lenharo, Alcir. 1993. As tropas da moderação. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura/Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural.

Lopes, Gabriel. 2020. Feroz mosquito africano no Brasil: o anopheles gambiae entre o silêncio e a sua erradicação (1930-1940). Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Lopes, Maria Margaret. 1995. O Brasil descobre a pesquisa científica, os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: Hucitec.

Löwy, Ivana. 2001. Virus, moustiques et modernité : la fièvre jaune au Brésil entre science et politique. Paris : Éditions des Archives Contemporaines.

Maciel, Maria Esther. 2014. « Paisagens zooliterárias. Animais na literatura brasileira moderna. » Revista de crítica literaria latino-americana 40 (79): 265-276. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/43854819 (consultado em 12 de outubro de 2020).

Marins, Paulo Cesar Garcez. s/d. « Exposição virtual “A independência do Brasil na tela: imaginando o Grito do Ipiranga. » São Paulo: Museu Paulista. Disponível em: https://artsandculture.google.com/exhibit/igIiK9JtTdxIKA?hl=pt-BR (consultado em 3 de agosto de 2020).

Martinez, Cláudia Eliane Parreiras Marques. 2011. « Legados de um passado escravista: cultura material e riqueza em Minas Gerais. » Varia História 27 (4): 415-442.

Meirelles Filho, João Carlos de Souza. 2014. « É possível superar a herança da ditadura brasileira (1964-1985) e controlar o desmatamento na Amazônia? Não, enquanto a pecuária bovina prosseguir como principal vetor de desmatamento. » Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 9 (1): 219-241. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-81222014000100014 (consultado em 12 de outubro de 2020)

Meneses, José Newton Coelho. 2000. O continente rústico: abastecimento alimentar nas Minas Gerais setecentistas. Diamantina: Maria Fumaça.

Nance, Susan. 2016. The Historical Animal. New York: Syracuse University Press.

Oliveira, Cecília Helena de Salles. 2010. « Escrita da história e política: contribuição para o estudo dos suportes textuais e visuais da memória do Império projetada. » Revista de História edição especial: 147-164. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0ispep147-164 (consultado em 27 de novembro de 2020).

Oliveira, Cecília Helena de Salles. 2017. « O Brado do Ipiranga: a cena que Pedro Américo imaginou para o Brasil. » São Paulo: Canal de Ciência USP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hj3Ad4y6jvk (consultado em 3 de agosto de 2020).

Ostos, Natascha Stefania Carvalho de. 2017. « União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo: práticas, discursos e representações de uma entidade nas primeiras décadas do século XX. » Revista Brasileira de História 37 (75): 297-318. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-93472017v37n75-13 (consultado em 12 de outubro de 2020)

Prado Jr, Caio. 2011 [1942]. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras.

R.C.M. 1840. Cozinheiro imperial ou nova arte do cozimento e do copeiro em todos os seus ramos. Rio de Janeiro: Laemmert & Cia.

Ribeiro, Renato Janine. 1994. « O simbolismo da nova moeda. » Folha de S. Paulo A1: 3, 11 de março.

Ritvo, Harriet.1987. The Animal Estate: The English and Other Creatures in the Victorian Age. Boston: Harvard University Press.

Rubira, Suellen. 2020. « Os animais e a construção identitária em Carlos Drummond de Andrade. » Revista do programa de pós-graduação em letras da Universidade de Passo Fundo 16: 156-170.

Sanjad, Nelson et al. 2012. « Documentos para a história do mais antigo jardim zoológico do Brasil: o parque zoobotânico do Museu Goeldi. » Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 7 (1): 197-258. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222012000100013 (consultado em 12 de outubro de 2020)

Santos, Elisa Duque Neves dos. 2015. « Manoel de Barros: peregrinação da poesia por um conhecimento natural. » Dissertação de mestrado em literatura. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense (UFF).

Schlichta, Consuelo Alcioni. 2009. « A pintura histórica e a elaboração de uma certidão visual para a Nação no século XIX. » Tese de doutorado. em história. Curitiba: Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Schwarcz, Lilia. 2009. « Paisagem e identidade: a construção e um modelo de nacionalidade herdado do periodo joanino. » Acervo 22: 19-52.

Schwarcz, Lilia & Heloisa Starling. 2015. Brasil, uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras.

Shaw, David. 2013. « A Way with Animals. » History and Theory 52 (4): 1-12. DOI: https://doi.org/10.1111/hith.10685 (consultado em 27 de novembro de 2020).

Silva, Valéria Mara da. 2007. « Nascidas do sol e da chuva: Minas Gerais e o combate às saúvas (1928-1936). » Dissertação de mestrado em história. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Thomas, Keith. 1983. Man and the Natural World: Changing Attitudes in England 1500-1800. New York: Penguin Books.

Tortorici, Zeb & Marta Few. 2013. Centering on Animals in Latin American History. Durham: Duke University Press.

Vander Velden, Felipe Ferreira. 2018. Joias da floresta, antropologia do tráfico de animais. São Carlos: Edufscar.

Vandersommers, Daniel. 2016. « The “Animal Turn” in History. » Perspectives on History. American Historical Association Newsmagazine. Disponível em: https://www.historians.org/publications-and-directories/perspectives-on-history/november-2016/the-animal-turn-in-history (consultado em 5 de junho de 2020).

Walker, Brett. 2016. « Animals and the Intimacy of History. » In The Oxford Handbook of Environmental History, org. Andrew C. Isenberg, 52-75. New York: Oxford University Press.

Haut de page

Notes

1 Para uma boa visualização da imagem, com recursos para destacar cada uma das partes separadamente em altíssima resolução, ver: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pedro_Américo_-_Independência_ou_Morte_-_Google_Art_Project.jpg (consultado em 24 de novembro de 2020). A imagem é de domínio público, e a tela original, de 415cm altura x 760 cm largura, encontra-se na coleção do Museu Paulista, São Paulo, Brasil.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Regina Horta Duarte, « Aliança e submissão, extinções e resiliências: caminhos entrecruzados da sociedade brasileira e animais »Brésil(s) [En ligne], 3 | 2020, mis en ligne le 15 décembre 2020, consulté le 09 décembre 2022. URL : http://journals.openedition.org/bresils/8867 ; DOI : https://doi.org/10.4000/bresils.8867

Haut de page

Auteur

Regina Horta Duarte

Regina Horta Duarte é historiadora, docente da Universidade Federal de Minas Gerais. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0808-5435.

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

Haut de page
  • Logo Editions de la Maison des sciences de l'homme
  • Logo Mondes américains
  • Logo Centre de Recherches sur le Brésil Colonial et Contemporain
  • Logo Ecole des hautes études en sciences sociales
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search