Navigation – Plan du site

AccueilPrésentationObjetivos científicos

Objetivos científicos

O papel do Brasil no mundo contemporâneo não precisa mais ser demonstrado. Com mais de 210 milhões de habitantes (2019) distribuídos em 8,5 milhões de km², essa economia complexa, particularmente sensível aos sobressaltos internacionais e confrontada por um dos mais importantes desafios ecológicos do planeta, não apresenta o desenvolvimento humano que se poderia esperar. As disparidades sociais e as desigualdades, bem como a violência por elas engendrada, permanecem parte de seu cotidiano e tornam o país politicamente frágil. Sua democracia, minada por longos anos de ditadura, apenas se fortaleceu no final da década de 1980. Todavia, não se consolidou tão rápido quanto esperado. Esse rico laboratório de lutas contra a pobreza e contra a discriminação racial e de gênero demonstrou, em 2018, que poderia ceder ao populismo. O Brasil também é herdeiro de uma longa história que se confunde com as colonizações brutais que, a partir do século XVI, lançaram os impérios marítimos da Europa ao assalto do continente americano. O “primeiro contato” tomou, ali, dimensões singulares. As sucessivas formas de ocupação do território e de organização do trabalho escravo (indígena ou africano) deixaram marcas indeléveis, bem como a chegada em massa de imigrantes nas últimas décadas do século XIX e no início do século XX. Tal fenômeno contribuiu fortemente para a primeira industrialização do país e para a urbanização rápida e brutal de suas grandes cidades, as quais, ao longo do século XX, tornaram-se metrópoles mundiais, caracterizadas por problemas estruturais e composições demográficas complexas. Conhecer melhor esse território excepcional e as múltiplas configurações internacionais das quais ele participa é mais do que nunca uma necessidade: nele, forjaram-se muitos dos paradigmas da modernidade e da contemporaneidade. Eis o objetivo ao qual se dedica Brésil(s). Sciences humaines et sociales.

A escolha do título e seu plural manifestam a preocupação da revista em ampliar o debate: esse imenso país não pode ser visto no singular. O Brasil é composto por sociedades e grupos sociais múltiplos que não cessam de interagir, (re)desenhando uma realidade nacional extremamente dinâmica. Desde suas origens, sua leitura se abriu aos diversos pontos de vista dos impérios em conflito, que, por diferentes razões, o cobiçavam. A construção de sua identidade decorreu de um processo longo e complexo, relativamente diferente do de seus vizinhos. Ao mesmo tempo, a construção da jovem República, sob os signos da abolição, dos fluxos migratórios massivos e da mestiçagem, marca a inserção do país em uma história mais global das Américas, ainda que os habitantes de suas grandes cidades, notadamente na costa, não tenham jamais cessado de voltar sua atenção ao Velho Continente. Na segunda metade do século XX, a integração continental foi confirmada, em especial pela triste coabitação de ditaduras na América Latina, cujos impactos fazem-se sentir até hoje. Brésil(s) busca contribuir para a melhor compreensão desta complexidade, tão particular.

Sabemos que, há tempos, as pesquisas brasileira e brasilianista vêm se dedicando a tal tarefa. Ambas atingiram a massa crítica e a maturidade que lhes permite exercer um papel de primeiro plano no debate mundial e nas trocas interuniversitárias. O Brasil dispõe de um conjunto impressionante de revistas de grande qualidade nas ciências humanas e sociais. Entretanto, a maior parte dessa produção está disponível em português ou, na edição internacional, em inglês. É preciso viabilizar a um público francófono o acesso a tais aspectos ignorados da compreensão de um território que, desde sua história mais longínqua, ocupa um espaço mundial de destaque.

Aberta a todas as ciências sociais e humanas, Brésil(s) deseja não somente trazer a público os avanços de cada disciplina que as compõem, mas também ser um espaço de convergência para seus debates. Isso acontece com a maioria dos temas abordados, diante dos quais antropólogos, economistas, historiadores, literários, sociólogos, geógrafos, cientistas políticos, historiadores da arte, arqueólogos e urbanistas dialogam sobre questões que lhes são colocadas. Além disso, a revista busca ser uma plataforma para a pesquisa brasilianista internacional e aspira a multiplicar as perspectivas e os comentários cruzados, as confrontações. Uma série de eventos vinculados ao seu calendário editorial reforça tais trocas. A publicação de cada novo número é marcada por um encontro internacional (mesa-redonda, seminário, colóquio). Ademais, conferências públicas difundidas on-line – Midis de Brésil(s) – oferecem a um brasilianista reconhecido a oportunidade de dialogar com um amplo público internacional.

  • Logo Editions de la Maison des sciences de l'homme
  • Logo Mondes américains
  • Logo Centre de Recherches sur le Brésil Colonial et Contemporain
  • Logo Ecole des hautes études en sciences sociales
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search