Navegação – Mapa do site

Chamada para Dossiê “Moda: cultura material, modos de vestir e de se apresentar”

Organizadores: Solange Riva Mezabarba (Senai CETIQT, Brasil) & Filomena Silvano (NOVA-FCSH/CRIA, Portugal)

Prazo de envio de contribuições: 31 de Julho de 2018

Aceitam-se contribuições em português, inglês, espanhol e francês.

O célebre criador de moda Paul Poiret, em suas memórias, considera o “fazer roupas” uma arte – o que, na conceção de Sennet (2009), diz muito sobre o orgulho do artífice e sua obra. O facto de a palavra arte trazer consigo um reconhecido valor simbólico faz com que a circunscrição do seu uso corresponda sempre a uma negociação que visa esse mesmo valor. A moda é uma das práticas que se situam na zona de fronteira dessa circunscrição. Sobretudo quando se situaram na perspetiva da produção - tanto dos objetos, como dos valores simbólicos (Bourdieu & Delsaut, 1979; Mensitieri, 2018; Verschuere, 2012) –, os estudos antropológicos engendraram temas que permitem interrogar o posicionamento da moda face aos campos da arte, da cultura de massas, do artesanato e da indústria.

A afirmação da existência de uma relação entre as roupas, as culturas e as identidades será provavelmente o legado mais genérico da Antropologia para o estudo da moda (Schneider, 1987; Weiner & Schneider, 1989; Kuchler & Miller, 2005). Um legado mais preciso, terá sido o uso da palavra vestir (“dress”) em vez da palavra roupas (“clothing”), num sentido que foi formulado pela antropóloga Joanne B. Eicher (2000) e que, por permitir integrar no mesmo campo analítico as roupas (objetos dominantes do vestir ocidental), os adornos corporais (antes percecionados como mais “primitivos”) e a dimensão performativa das práticas incorporadas (Hansen, 2004), se tornou num conceito chave para investigadores de diversas proveniências disciplinares (Skov e Riegles, 2008). A partir de um outro quadro conceptual, poderemos ainda afirmar que vestir-se faz parte dos modos de se apresentar e de interagir (McVeigh, 2000; Erving Goffman, 1985).

Assim, o objetivo deste dossiê será o de contribuir, numa perspetiva etnográfica, com novas reflexões no campo dos estudos sobre moda e vestir (“fashion studies” e “dress studies”). Propomos centrar os olhares sobre:

  • a produção (o desenhar, o fazer, mas também o apresentar, o escrever sobre);

  • os objectos e as técnicas (as qualidades materiais e formais dos objectos, as técnicas de construção, os modos de fazer, as técnicas de vestir e usar);

  • as práticas (as maneiras de vestir, mas também as maneiras de comprar, de vender, de dar, de guardar, de descartar, de mostrar);

  • as representações (as imagens, os discursos, os sentidos).

Todas as contribuições devem ser submetidas conforme as Diretrizes para Autores da revista (http://journals.openedition.org/cadernosaa). São aceites os seguintes tipos de contribuições: Artigos, Ensaios, Ensaios (audio)visuais, Etno-artes, Diários de campo, Resenhas/Recensões (ver "Políticas de Seção" no site da revista). Contato para esclarecimentos adicionais: fsilvano@fcsh.unl.pt.

  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals