Navegação – Mapa do site

Chamada para Dossiê Especial “As práticas artísticas em coletivo e os seus potenciais sociopolíticos”

Editores convidados: Alix Didier Sarrouy (CICS.NOVA, Portugal), Alina Cibea & Verónica Talellis (Research Group on Music and Inclusion, Argentina)

Prazo de envio de contribuições: 31 de Agosto de 2019

Aceitam-se contribuições em português, inglês, espanhol e francês.

Susan Wright (2010) define a "cultura" como um processo ativo, dinâmico e politizado de desafiar dimensões simbólicas e o poder de definir conceitos-chave numa sociedade. Esta definição torna visíveis as relações de poder que ocorrem explícita ou implicitamente em qualquer interação social. Também abre a possibilidade para entender que as práticas artísticas são um elemento de construção de uma cultura numa sociedade, mas não a única, e que elas estão intrinsecamente ligadas a dinâmicas sociais e políticas mais complexas. Surgem então questões fundamentais sobre o significado da arte, a relação entre arte e cultura, a relação entre arte e artista, o papel da arte numa sociedade.

Nas duas últimas décadas, estas questões foram particularmente refletidas nos debates em torno da proliferação de projetos que promovem o uso da arte como instrumento de educação e de emancipação sociocultural. Esta perspetiva tornou-se cada vez mais um requisito e uma necessidade de um grande número de projetos artísticos orientados para diferentes públicos (Ex: jovens, idosos, pessoas com deficiências), conduzindo a investigar sobre a “instrumentalização” da arte (Barbieri, Partal & Merino 2011; Belfiore 2002, 2006) nas políticas culturais em seu sentido amplo (García Canclini 1987; Yudice 2002; Grimson 2011, 2014). Esta situação também serviu como gatilho para aprofundar os debates em torno das questões mencionadas acima, resultando em discussões profundas sobre os objetivos, as ações, os processos e os resultados das práticas artísticas.

Nesta chamada, procuramos artigos que problematizem e analisem as tensões e as disputas que surgem nestes contextos. Para definir a estrutura deste dossiê temático e servir de elo entre a ampla variedade de propostas possíveis, sugerimos a noção de “coletivo”. Procuramos principalmente narrativas de práticas artísticas com uma dimensão participativa, em que o “coletivo” seja um elemento-chave. Por um lado, pode ser entendido no sentido de um grupo de pessoas num espaço físico específico (Ex: membros de uma escola ou de uma fábrica; um grupo em performance num cluster artístico compartilhado; um grupo de vizinhos), e / ou unidos por um interesse comum. Por outro lado, pode também referir-se à “ação coletiva” (Becker 1974, Small 1977) de todos os atores direta ou indiretamente envolvidos num processo criativo.

Privilegiamos resultados obtidos a partir de abordagens de pesquisa etnográfica, e a partir da metodologia de “casos extendidos” (Gluckman 1940). Estamos particularmente interessados em estudos que desenvolvam análises complexas, integrando um grande número e uma variedade de atores e estruturas que influenciam os processos artísticos e seus resultados. Também acolhemos artigos de pesquisas longitudinais sobre espaços interconectados em ecossistemas sociais (Ex: escola-bairro-cidade; campo de jogos-casa-igreja). Além de artigos com formato acadêmico, também aceitamos contribuições que podem empregar diferentes formas de expressões descritivas ou analíticas.

Estamos abertos a propostas em quatro idiomas (FR, PT, ES, ING), no campo das ciências sociais, incluindo áreas interdisciplinares e/ou intersectoriais. Sugestões de temas (não exclusivas):

  • Práticas artísticas a partir das quais novas formas de entender o “coletivo” podem ser imaginadas.

  • Experiências que levem a pensar propostas alternativas de interação social, de construção social e de participação política.

  • Práticas artísticas envolvendo migrantes e/ou refugiados.

  • A relação entre a “arte como um resultado”, “arte como processo” e “arte como ferramenta”.

  • uso operativo de “criatividade” (Hallam & Ingold 2007), especialmente nos casos que podem ser analisados em termos de “criatividade comum” (Willis 1990) e de “criatividade vernacular” (Burgess 2006).

  • papel e o poder simbólico de objetos (Hennion 2015; Latour & Woolgar 1986) nas interações acontecendo em ações artísticas coletivas (Ex: instrumentos quando se ensina música; camaras ao filmar ou fotografar, etc.).

  • Tensões, contrastes, contradições e paradoxos em ações sociais coletivas quando a arte é usada como ferramenta no campo sociocultural.

  • Perceções dos próprios atores sobre as suas experiências de participação em diversas práticas artísticas coletivas, especialmente na perspetiva do “gênero” (Segato 2003).

  • potencial disruptivo das práticas artísticas coletivas nos seus contextos locais, e como isso se manifesta.

  • Os efeitos das práticas artísticas coletivas no autoconhecimento: o “eu” e o “coletivo”; direitos e deveres sociais; dificuldades e prazeres; sensibilidade estética e poesis.

  • As práticas artísticas como formas de resistência e de persistência face ao aumento das várias inseguranças e do enfraquecimento dos laços sociais, incluindo a criação de redes de apoio.

Esta edição recebe contribuições que podem representar uma diversidade de:

  • Países, regiões e continentes de origem dos casos analisados.

  • Epistemologias, acolhendo e promovendo as contribuições do “Sul global”, ou perspetivas não-hegemônicas na produção de conhecimento – fundações teóricas do pensamento descolonial (Mignolo, 2002, 2003, Quijano 2007), epistemologias indígenas e antropologia invertida ( Kirsch 2006, Francia & Tola 2018), ou os argumentos teóricos a favor da “provincialização” do pensamento ocidental (Chakrabarty 2008).

  • Práticas artísticas, incluindo: música, dança, desenho, circo, teatro, poetry-slam, escrita coletiva, fotografia, pinturas murais, performances de rua, as intervenções em espaços públicos, entre outras.

  • Formas de estudar, analisar e transmitir conteúdo: artigos em formato acadêmico, ensaios áudio e visuais, etno-artes, diários de campo, materiais de antropologia visual, desenhos, mapas, entre outras.

Todas as contribuições devem ser submetidas conforme as Diretrizes para Autores da revista (http://journals.openedition.org/cadernosaa). São aceites os seguintes tipos de contribuições: Artigos, Ensaios, Ensaios (audio)visuais, Etno-artes, Diários de campo, Resenhas/Recensões (ver "Políticas de Seção" no site da revista). Contato para esclarecimentos adicionais: Alix Sarrouy (alixsarrouy@fcsh.unl.pt).

  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals