Navegação – Mapa do site
Dossiê "Ensaios visuais: etno-artes, desenho, fotografia"
Ensaios (audio)visuais

Tecendo Conexões: Fios de Flores no Culto à Deusa Hindu Kali na Guiana

Weaving Connections: Flower Strands in the Worship of the Goddess Kali in Guyana
Marcelo Moura Mello
p. 50-56

Resumos

Esta série fotográfica acompanha as conexões tecidas entre devotos e devotas da deusa hindu Kali e divindades em um templo localizado na Guiana. Enfocando o processo de confecção e circulação de guirlandas de flores, objetiva-se destacar a permeabilidade de devotos e divindades hindus. Guirlandas não são objetos imaterais inanimados. Resultam de participações mútuas, pois ligam as ações das pessoas às divindades e suas extensões: manifestações divinas em corpos de humanos, em formas esculpidas de divindades (“murtis”) e em altares.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chave :

culto à Kali, flores, hinduísmo, Guiana
Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2018-12-21
Aceitado em: 2019-02-17

Notas do autor

A pesquisa de campo que deu origem a este ensaio, bem como a aquisição de equipamento fotográfico, tornou-se possível graças à Universidade Federal da Bahia, por meio do edital 004/2016 – Programa de Apoio a Jovens Doutores PROPESQ. Agradeço à gestão da Universidade, em especial à equipe da Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação, por tão importante ação. A Luiz Fernando Caldas Fagundes agradeço pelo estímulo, pelo olhar e por suas palavras.

Texto integral

  • 1 Termos nativos estão grifados em itálico neste texto.

As flores têm um papel fundamental nas transações entre pessoas e divindades no culto à deusa hindu Kali na Guiana, antiga Guiana Inglesa. Flores prefiguram adornos de altares e corpos, manifestam disposições íntimas, conectam e renovam, com seu desabrochar, conexões entre humanos e não-humanos. A combinação de diversas flores resulta em uma oferta apreciada sobremaneira pelas deotas [divindades]:1 maalas [guirlandas], que são distribuídas em uma ambiência e entre diversos corpos.

O culto à Kali [Kali Mai worship] é uma vertente hindu recriada por descendentes de indianos que se deslocaram para a Guiana na condição de trabalhadores contratados [indentured labourers], entre 1838 e 1917. Nos templos de Kali, divindades hindus, em suas distinas formas, são cultuadas por meio de preces, cantos devocionais, ofertas de frutas, alimentos, doces, bebidas e animais, que eventualmente são sacrificados. Se devotos e devotas de Kali realizam ofertas, as divindades, por seu turno, conduzem tratamentos terapêuticos para curar doenças de origem física e/ou espiritual, além de servirem como oráculos. Ao se manifestarem nos corpos de especialistas religiosos, deuses e deusas participam da vida das pessoas, em especial a deusa Mariamma, a principal divindade do panteão de Kali, também conhecida, de forma singela, como Mother.

As imagens aqui apresentadas foram capturadas em curtas saídas de campo realizadas em junho e outubro de 2018 no templo de Blairmont, localizado no litoral da Guiana, na região de Berbice. Blairmont está localizado em um terreno de aproximadamente 500m², no qual estão distribuídos onze templos, onde se encontram os altares de dezessete divindades. A configuração espacial de Blairmont é fruto de uma série de intervenções realizadas desde a década de 1960. Ao longo do tempo, diversas árvores foram plantadas no local, dentre as quais neem (árvore sagrada), cajueiros, caramboleiras, coqueiros, limoeiros e mangueiras. Além desses frutos, arbustos de tulsi (espécie de manjericão), de bétel e pimenteiras fornecem, de um solo considerado sagrado, diversos itens utilizados nos rituais. Dada a importância de se ofertar guirlandas aos deuses e às deusas, árvores e trepadeiras das quais se colhem flores recebem cuidados especiais. Em Blairmont, há alamandas, calotropis, hibiscos, flores de lis, flor de lótus, jasmins, oleandros e calêndulas.

Clicar na imagem para visualizar a galeria de fotos.

A cada semana, rituais de adoração e consagração às divindades [pujas] são performados, congregando sobretudo indo-guianenses que se declaram hindus. Sob a liderança de sacerdotes e membros permanentes do templo, cada qual responsável por funções rituais específicas, pessoas de várias partes da Guiana buscam auxílio das divindades para se curar de doenças, e/ou para que elas revelem as causas e as possíveis soluções de seus problemas. Embora Blairmont seja definido, por seus membros, enquanto um templo de tradição Madrasi (isto é, originário do sul da Índia), qualquer pessoa, independentemente de sua filiação religiosa ou identidade étnica, pode participar dos ritos e buscar ajuda. Essas pessoas via de regra são economicamente desfavorecidas, trabalhadores do corte de cana-de-açúcar, trabalhadoras domésticas, funcionários(as) de estabelecimentos comerciais, de repartições públicas ou de negócios próprios.

Neste ensaio, retrato principalmente flores e os fios tecidos com elas pelas pessoas. Hospedado na residência de um sacerdote durante a semana, acompanhei, no templo, cultos semanais [service], realizados aos domingos, e um festival religioso, o Navratri [Festival das Nove Noites]. A pedido de meus interlocutores, retirei tantas fotos quanto possível de diferentes etapas das pujas. Utilizei-me de uma máquina digital Canon T6i para captar não apenas resultados finais, isto é, guirlandas acabadas. Se a imagem-ato fotográfica imobiliza e captura, temporal e espacialmente, apenas instantes únicos (Cf. Dubois 1993), busquei, com a série ordenada de fotografias, reter relances da duração e da extensão da composição de fios emaranhados às flores.

As imagens capturadas ligam-se à tentativa de evocar lembranças e imagens mentais de minha familiaridade prévia com o culto à Kali, decorrente de pesquisa de doutorado conduzida entre 2010 e 2012 pelo período de 10 meses (ver Mello 2014). Longe de descrever, mecanicamente, a sequência de ritos, de forma distanciada e opaca, o ensaio busca retratar vínculos, ligações, acompanhando o processo de confecção e distribuição de guirlandas de flores frescas nos rituais do culto à Kali. Objetiva-se reter a permeabilidade de devotos e divindades hindus, pessoas cujas fronteiras não estão encerradas em um corpo unitário, sendo antes atravessadas por conexões, pela transferência de substâncias e materiais, pela fluidez de relações de troca (Cf. Busby 1997; Daniel 1984; Marriott 1976) que se desdobram ao longo do tempo, no transcurso de atos de devoção levados a cabo no espaço do templo.

As fotografias aqui reunidas têm enquadramentos ora mais abertos, ora mais fechados. Buscou-se produzir efeitos visuais atentos ao amalgamento de devotos(as) com árvores e arbustos de onde se extraem flores, com as formas esculpidas de divindades (murtis), com as manifestações divinas nos corpos de especialistas religiosos e com artefatos rituais. A atenção conferida às mãos aponta para as dimensões da troca, da transmissão de afetos e do cuidado. Mãos não imobilizam; antes, fazem convergir relações de cuidado. Com efeito, homens e mulheres anseiam por serem cuidados pelas divindades. Cabe aos humanos, da mesma forma, zelar altares e murtis, que são ornamentadas não só com guirlandas de flores, mas também com joias, dhotis (longos tecidos amarrados aos quadris dos homens) e sáris.

O cuidado com as flores – cuja natureza essencialmente efêmera requere atenção ao rebento e ao definhamento daquilo que floresce – dá mostras da preocupação em torno do belo entre os devotos(as) de Kali. Divindades devem ser adornadas, inclusive com guirlandas. Sem adentrar no longo debate sobre a noção de estética em antropologia (ver, contudo o debate sobre a categoria na coletânea organizada por Ingold 1996 e, mais especificamente, Goody 1993), a captura de imagens dos circuitos de flores tenta se mostrar atenta a concepções locais de beleza. As guirlandas de flores são um índice do que há de mais belo, requerendo, para meus interlocutores, repetidos registros imagéticos. Por mais que o odor, o formato e as cores despertem sensações prazerosas, isoladamente as flores não são atrativas. São os arranjos com outras coisas, artefatos rituais, corpos e imagens divinas que compõem o belo. Registros fotográficos, por definição, não captam sensações associadas, por exemplo, ao olfato, embora possam inebriar até mesmo o olhar de quem contempla guirlandas. Sobrepostas em camadas com outros adornos das divindades, como vestimentas de cores vibrantes, guirlandas de flores dão mostras do ardor da devoção e da potência criativa divina, resultando em cenas belas.

Por isso, o pano de fundo de algumas das fotos aqui dispostas inclui altares (antes e depois de serem preenchidos com outras ofertas), devotos(as) em momentos íntimos e parte do recinto. Embora os membros de Blairmont se utilizem do termo jardim, recinto [compound] é a palavra mais empregada para se referir ao terreno onde se localiza o templo. O termo, compound, tem outro significado em inglês: composição. O solo de Blairmont é considerado fértil não tanto porque naturalmente o seja, mas sim porque a realização continuada de rituais e o cuidado com árvores, arbustos e outras plantas possibilitam a expansão, ou mesmo explosão, de fluxos vitais. Tal como flores, as coisas germinam em Blairmont.

Guirlandas não são objetos imaterais inanimados. Resultam de participações mútuas, pois ligam as ações das pessoas – a urdidura da devoção mobilizada pelas mãos que entrelaçam materiais diversos para criar guirlandas – às divindades e suas extensões: manifestações em corpos de humanos, formas esculpidas das divindades [murtis] e altares. Se, efetivamente, o culto semanal segue uma sequência (a invocação de deuses e deusas deve, necessariamente, ser precedida de uma série de atos rituais porquanto não seria eficaz), destacar o uso e a presença de flores nos rituais constitui um caminho analítico para se pensar relações, conexões, arranjos e composições.

***

A coleta de flores tem início ao raiar do sol, no domingo (ver foto 1). O ar refrescante da madrugada logo dará lugar à intensidade luminar do sol. Gotas de orvalho escorrem pelas folhas e feixes de luz embrenham e atravessam, pouco a pouco, as brechas entre os galhos, iluminando progressivamente todo o templo. Colher flores às centenas não deixa de ser monótono, embora permita acompanhar de perto pequenas modificações e minúsculos detalhes – preâmbulo, e relance, das transformações do (e no) templo em dias de puja. Cada árvore se rebantará e expandirá com o desabrochar das flores. Branco, rosa, fúcsia, vermelho, lilás, roxo, amarelo, laranja, dourado, tons indefinidos sobejados por luz e sombra: cada pétala transforma-se à sua maneira (ver foto 2).

Várias flores não serão colhidas, não resplandecerão, ou darão sinais de esmorecimento. Algumas estarão relativamente murchas, mas dentro de minutos reluzirão. Outras tantas já refletem beleza e vivacidade, prefigurando a composição da guirlanda, esse todo maior do qual farão parte. Já aquelas em número escasso, ainda que belas, talvez não convenham para uma composição harmônica. Deve-se obter quantidade abundante e diversificada de flores, mas não a esmo. A forma final da guirlanda, sua composição, tamanho e proporção, devem ser prefiguradas por quem as apanhará. Por vezes há jasmins em abundância, porém poucos oleandros, ou vice-versa. Como conciliar escassez com a fartura? (ver foto 3).

Oleandros são indispensáveis, sendo amarrados, junto a um punhado de folhas da árvore sagrada neem, a um dos braços das murtis [formas esculpidas] de divindades que irão se manifestar nos corpos de especialistas religiosos no decorrer do dia para conduzir tratamentos terapêuticos. A neem é a própria Divindade, ou, citando meus interlocutores, Mariamma toma a forma de neem para curar. Esse instrumento/veículo de cura é utilizado pela Deusa desde tempos imemoriais, quando a varíola assolou vilarejos da Índia. E do subcontinente os antigos trouxeram a árvore sagrada, pois não é possível fazer puja [ofertar] sem neem. A íntima conexão entre o culto à Kali e a Índia seria incompleta se limitada fosse à manutenção, de um lado a outro do oceano, do panteão de divindades. Uma árvore nativa do subcontinente faz parte do ser de Mariamma. Sua transplantação seria inacabada sem a neem e apesar das distâncias, a geografia sagrada da Índia, para parafrasear Eck (2012), se materializa nas árvores de neem plantadas no templo de Blairmont.

Murtis nunca deixam de ser adonardas com guirlandas, ainda que artificiais e de plástico. A rotina não permite sua confecção diária – sonho acalentado por sacerdotes, mas de difícil concretização por conta das necessidades práticas de devotos. Ainda assim, murtis nunca estão nuas, e anseiam, elas próprias, por serem preenchidas com diversas camadas de guirlandas de flores frescas, ou ao menos receberem um punhado de flores. Ofertar é zelar (ver foto 4).

Deixar de ofertar e/ou fazer puja não é um ato livre de consequências. As divindades precisam ser glorificadas sempre. Ao mesmo tempo, elas têm ciência das dificuldades de seus filhos, mostrando-se compreensivas caso alguém não tenha recursos para fazer pujas mais elaboradas. Contudo, mesmo um mendigo faminto pode regalar as deotas com flores. Quem se furta até mesmo de depositá-las nos altares não tem direito de queixar-se da vida e de pleitear algo dos deuses. Não é possível dar tudo às divindades; mas sempre há flores (ver foto 5).

Árvores floríferas exigem dedicação. Devem ser regadas frequentemente, não apenas nos dias de domingo, do contrário desbotam e desfalecem. Intempéries climáticas não são, entretanto, os únicos agentes de esmorecimento das árvores. Pessoas impuras podem gerar efeitos irreversíveis e há uma constante vigilância sobre quem pode, ou não, ter contato com as flores. É indispensável se abster do consumo de alcool, de fibra animal e de relações sexuais para adentrar em um templo. Do contrário, não só a presença, mas incluso o contato com itens rituais, murtis e ofertas deve ser evitado.

Por essa razão, é preferível que apenas membros assíduos do templo colham flores, em especial aqueles que têm por incumbência zelar por altares. Frequentadores do local trazem suas flores de casa, mas nunca guirlandas prontas. Aos poucos, as pessoas afluem ao local e antes de rezar estendem tecidos no chão, onde preparam ofertas e guirlandas. Uma vez prontas, depositam-as no altar, sem ter contato direto com as murtis. São os assistentes que, após girarem esse artefato em volta do fogo (para eliminar eventuais impurezas), colocam as guirlandas no pescoço das murtis, que são meras representações das divindades, objetos inertes, mas as divindades em si mesmas (Mello 2018). O templo igualmente oferta suas guirlandas, que devem ser particularmente majestosas, demorando horas para serem feitas. Indivíduos que manifestarão tal ou qual divindade devem, necessariamente, ofertar ao menos uma guirlanda (ver foto 6).

Outrossim, a disposição de espírito das pessoas também produz efeitos. Falta de foco e concentração pode arruinar todo o trabalho envolvido na confecção da guirlanda, regalo bem ao gosto das divindades. A destreza das mãos, com seus gestos ligeiros e harmônicos, de crianças a idosos com dificuldade de locomoção, impressiona ao observador externo. Sobretudo porque não se toma flores de qualquer jeito, seja para colhê-las, dispô-las em guirlandas, alcançá-las a outrem ou ofertá-las às divindades. Rápidos em palavras e em suas lides no templo, devotos da deusa Kali como que intercalam pequenas pausas em seus afazeres quando depositam ofertas como flores aos pés das murtis, em seus altares. Antes de serem entregues, essas ofertas são aproximadas do corpo – dos sentimentos e pensamentos – de quem faz a devoção. As mãos fazem um movimento de dentro para fora, transbordam algo de si para as divindades (ver foto 7).

Um fio de cor branca é enlaçado à agulha. Flores são apanhadas em número simétrico. A agulha é posta em ação de forma cadenciada, atravessando caules, como se dançasse lentamente, um passo por vez. O fio é preenchido; torna-se carregado de sequências de flores amalgamadas com folhas; ganha corpo, se alarga, brota, germina. Mais do que um simples objeto, é um emaranhado das linhas de interconexões múltiplas entre divindades e humanos (ver foto 8).

Fazer puja, ofertar, é mais do que um ato mecânico. Demanda envolvimento, empenho e comprometimento, inclusive mental. Assim, não é apenas no momento das rezas que os pensamentos devem estar enfocados nas divindades. Ofertar é dar algo de si, é transmitir sentimentos, afetos, estados de espírito. Fazer guirlandas de flores frescas é, portanto, um dos atos mais singelos e verdadeiros de devoção: exige tempo, paciência, concentração, habilidade, senso de beleza e harmonia, cuidado (lindos ornamentos podem ser arruinados em dias de calor intenso), circunspeção, talento, gentileza e certo despreendimento: tal como o odor exalado de cada pétala, guirlandas têm existência relativamente fugidia (ver foto 9).

Durante a realização da puja – oferta semanal às divindades conduzida por sacerdotes em nome do templo – alguns corpos chacoalham. A sonoridade dos cânticos, rezas, tamborins, tambores invocatórios, sinos e demais instrumentos convoca a presença divina, que produz vibrações em devotos(as). A manifestação irrompe então, e a depender da ocasião, guirlandas serão colocadas nessas pessoas-divindades. Os movimentos corporais, animados pelo poder divino [shakti], ressoam, lançando ao ar flores despedaçadas por gestos intensos. Manifestações requerem água, para esfriar a temperatura de seus veículos. Essa torrente, primeiramente, dá maior vivacidade às flores – dá cor a pétalas ressecadas; ao cabo, entretanto, as torna murchas (ver fotos 10 e 11).

É fundamental ressaltar: não se trata de mero acessório decorativo ou de uma troca unidirecional. Todas as murtis devem ser adornadas com ao menos uma guirlanda. As deotas que se manifestam nos corpos de humanos contam com um número extra de guirlandas, visto que antes da invocação parte delas é retirada das murtis e posta em volta do pescoço das pessoas que servirão de veículos aos deuses e às deusas. Não à toa, marlos [médiuns, em tradução literal] se encarregam de zelar os altares das divindades que se manifestam em seus corpos (ver foto 12).

Ofertas de devotos e de devotas são preparadas ao longo dia. Dispostas em altares, arrumadas [pack] por assistentes, as ofertas têm sua matéria espiritual consumida pelos deuses e deusas, por meio das murtis (ver, dentre outros, Babb 1981; Eck 1981; Mello 2018; Stephanides & Singh 2000). Guirlandas estão em contato com as divindades – dispostas nos altares, envoltas nas murtis ou então redistribuídas entre marlos. Durante as sessões oraculares e tratamentos terapêuticos, as divindades que se manifestam transmitem seu poder [shakti] e sua energia aos devotos; concedem-lhes bençãos, alimentam-os com folhas de neem, oferecem regalos, como pétalas de flores. Objetos de veneração e devoção, deuses e deusas tornam os corpos de devotos mais permeáveis a parte de suas próprias essências. A Mother está em tudo; em pequenas e grandes coisas, costuma-se dizer em Blairmont (ver foto 13).

Do solo às árvores, da ornamentação das guirlandas às murtis, das murtis às manifestações, das divindades em corpos humanos a devotos. Guirlandas entrelaçam flores e folhas, seus fios vinculam, constituem um circuito de comunicação. Movimentos das mãos enlaçam, interligam, atam e unem flores, sentimentos, divindades e pessoas. Guirlandas estão imersas em ciclos vitais, fazendo emergir, e renovando, os fios que ligam os humanos às divindades (ver foto 14).

Topo da página

Bibliografia

Babb, Lawrence. 1981. “Glancing: visual interaction in Hinduism”. In: Journal of Anthropological Research, v. 37, nº 4, p. 387-401.

Busby, Cecilia. 1997. “Permeable and partible persons: a comparative analysis of gender and body in South India and Melanesia”. In: JRAI (New Series), nº 3, p. 261-278.

Daniel, Valentine. 1984. Fluid signs. Being a person the Tamil way. Berkeley: University of California Press.

Dubois, Philippe. 1993. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus.

Eck, Diana. 1981. Darsan. Seeing the divine image in India. New York: Columbia University Press.

_____. 2012. India. A sacred geography. New York: Harmony Books.

Goody, Jack. 1993. The culture of flowers. Cambridge: Cambridge University Press.

Ingold, Tim (ed.). 1996. Key debates in anthropology. London: Routledge.

Marriott, McKim. 1976. “Hindu transactions: diversity without dualism”. In: Kapferer, Bruce (ed.). Transaction and meaning. Directions in the anthropology of exchanging and symbolic behavior. Philadelphia: Institute for the Study of Human Issues, p. 109-142.

Mello, Marcelo. 2014. Devoções manifestas. Religião, pureza e cura em um templo hindu da deusa Kali – Berbice, Guiana. Tese de Doutorado (Antropologia Social). Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

_____. 2018. “Murtis em movimento. Relações entre pessoas, coisas e divindades em um templo hindu na Guiana”. In: Mana – Estudos em Antropologia Social, 24(1): 103-130. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mana/v24n1/1678-4944-mana-24-01-103.pdf

Stephanides, Stephanos & Singh, Karna. Translating Kali’s feast. The goddess in Indo-Caribbean ritual and fiction. Amsterdam: Rodopi, 2000.

Topo da página

Notas

1 Termos nativos estão grifados em itálico neste texto.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Marcelo Moura Mello, « Tecendo Conexões: Fios de Flores no Culto à Deusa Hindu Kali na Guiana », Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 8, No 2 | -1, 50-56.

Referência eletrónica

Marcelo Moura Mello, « Tecendo Conexões: Fios de Flores no Culto à Deusa Hindu Kali na Guiana », Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 8, No 2 | 2019, posto online no dia 01 outubro 2019, consultado o 16 novembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/cadernosaa/2378 ; DOI : 10.4000/cadernosaa.2378

Topo da página

Autor

Marcelo Moura Mello

UFBA, Salvador-BA, Brasil. Departamento de Antropologia e Etnologia.
mmmello@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© Cadernos de Arte e Antropologia

Topo da página
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals