Navegação – Mapa do site

InícioChamada de trabalhosFronteiras, ativismos e (i)mobili...

Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas

Editores condidados: Bianca Freire-Medeiros (USP/Brasil), Fernanda da Costa Portugal Duarte (NCSU/EUA), Guilhermo Aderaldo (UFPEL/Brasil)

Data limite: 30/06/2021. Idiomas aceitos para submissões: Português, Inglês, Espanhol, Francês

Desde a primeira metade dos anos 2000, a “virada das mobilidades” tem interpelado a teoria social contemporânea a se voltar para o enredo da globalização como causa e efeito, tanto do incremento das várias formas de deslocamento humano (do refúgio ao turismo), quanto da aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos. Neste sentido, uma miríade recente de estudos socio-antropológicos tem apontado que a promessa de um mundo sem fricção territorial produzida por entusiastas da mundialização, deu lugar à multiplicação de tecnologias “preventivas”, amparadas em discursos de (in)segurança. Em conjunto, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas e capilarizadas, as quais permitem a alguns circular por rotas protegidas, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros.

Tais fronteiras são zonas liminares, geográficas e simbólicas, que implicam transformações subjetivas e políticas ao evidenciarem, por exemplo, o contraste que distingue “trabalhadores indocumentados” e “cidadãos”, ou “turistas” e “vagabundos”. Não se trata, portanto, de muros ou check points, necessariamente, mas de espaços, protocolos, códigos e práticas de normalização e diferenciação que se formam a partir das fricções que marcam os sistemas de desigualdades.

Nesse mundo de mobilidades e imobilidades, uma série de manifestações no campo do ativismo artístico/cultural ou da criação estética, tem se dedicado a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar.

Convidamos pesquisadores de distintas áreas disciplinares que, partindo destas questões e em diálogo com os estudos de mobilidade, venham colaborar com artigos e ensaios (áudio)visuais capazes de promover reflexões originais sobre a combinação entre espaços fronteiriços, ativismos artísticos/epistêmicos e (i)mobilidades. As submissões poderão colaborar com discussões relacionadas (mas não limitadas) aos tópicos que seguem:

  • Migrações e apropriações simbólicas das fronteiras nacionais

  • Experiências artístico-culturais em contextos de mobilidades turísticas, sobretudo em territórios sensíveis (favelas, periferias, zonas de conflito)

  • Contracartografias e deslocamentos cognitivos

  • Financeirização da moradia, disputas fundiárias e litígios imagéticos sobre a cidade

  • Fluxos visuais em situações de vulnerabilidade extrema: (i)mobilidades durante a pandemia de covid-19

  • Métodos “móveis” e novas perspectivas epistêmicas sobre as formas estéticas e políticas subjacentes aos conflitos sociais contemporâneos;

  • Práticas culturais juvenis e insurgências nos espaços urbanos

Todas as contribuições devem ser submetidas pelo portal da revista Cadernos de Arte e Antropologia e estar em acordo com as regras para submissão de artigos definidas no portal (http://cadernosaa.revues.org/). Questões sobre a adequação potencial de tópicos, expectativas editoriais ou quaisquer outras perguntas relacionadas a este número especial podem ser dirigidas diretamente aos editores convidados, através do endereço de e-mail guiade@ymail.com.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search