Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 11, No 1Dossiê "Fronteiras, ativismos e (...EditorialFronteiras, ativismos e (i)mobili...

Dossiê "Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas"
Editorial

Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas

Borders, activisms and (i)mmobilities: aesthetic and political perspectives
Bianca Freire-Medeiros, Guilhermo Aderaldo e Fernanda Duarte
p. 3-14

Resumos

Vivemos tempos de mobilidades turbulentas, que exigem agilidade criativa tanto na arte quanto na pesquisa científica. Uma série de manifestações no campo dos ativismos artístico e cultural - ou da criação estética - tem se dedicado justamente a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre diversos territórios, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar. Interpelados por esse horizonte de questões, reunimos neste dossiê pesquisadoras e pesquisadores que se dispuseram a refletir sobre o tripé: 1) espaços fronteiriços, 2) ativismos artísticos/epistêmicos e 3) (i)mobilidades, desde terrenos empíricos os mais variados. Neste artigo, apresentamos as questões conceituais que animam o dossiê “Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas”, assim como descrevemos cada uma das contribuições que o compõem.

Topo da página

Notas do autor

Agradecemos às/aos colegas do grupo de pesquisa MTTM (Mobilidades: Teorias, Temas e Métodos) pelas discussões que nos inspiraram na formulação deste texto.

Texto integral

1Quer motivados pelo desejo, quer provocados por guerras, mudanças climáticas, dificuldades econômicas e perseguições de várias ordens, os deslocamentos humanos vêm acompanhados pela aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos neste mundo globalizado (Lash e Urry, 1994; Sheller e Urry 2016; Agier 2013). Enquanto os entusiastas da mundialização acenam com a promessa de um globo de mobilidades fluídas, uma miríade de estudos socioantropológicos chama a atenção para o seu avesso: derrapagens e fricções, confinamentos e deportações (ver, entre outros, Cresswell 2006; Agier 2016; Sheller 2018). Ao fazê-lo, evidenciam o potencial epistemológico e crítico da noção de fronteira – um dos operadores analíticos centrais ao presente dossiê.

2Como argumenta Saskia Sassen (2013), o mundo contemporâneo abriga uma variedade de espaços fronteiriços transversais, que se sobrepõem às divisões geográficas e demarcam, no espaço da cidade e além, dinâmicas socioespaciais de intensa segregação. Enquanto as elites móveis globais e multiterritorializadas (Haesbaert 2004; Elliott e Urry 2010) encontram nas fronteiras oportunidade para maximização de seus ganhos e realização de fantasias de consumo; os “vagabundos” (Bauman 1998, p.113), não raro, veem as oportunidades que as fronteiras acenam se converterem em captura, detenção e imobilidade. É nesse sentido que o terrível problema da atual fase da economia política global consiste, para Sassen (2014), na proliferação de novas lógicas de “expulsão”, responsáveis por fazer com que um enorme contingente populacional se veja alijado das ordens sociais e econômicas centrais.

3Testemunhamos, portanto, um cenário no qual, ao mesmo tempo em que se multiplicam os meios de mobilidade física (de corpos e coisas), comunicativa, imaginativa e virtual, também aumentam as formas de controle e a extensão de muros ao redor do globo. Situação que nos leva a questionar, como faz Agier (2013), se a globalização está mesmo fazendo desaparecer a condição de estrangeiro ou se, ao contrário, está fazendo da “estrangeiridade” a condição mais partilhada do mundo.

4Assim é que, do turismo ao refúgio, não se trata apenas da multiplicação de cercas, catracas e checkpoints, tampouco estamos falando de espaços sob jugo exclusivo dos aparatos estatais. Aos regimes normativos regulados pelo governo, soma-se um complexo arranjo de critérios, protocolos e procedimentos de natureza eminentemente privada.

5Afeitas a essa combinação de diferentes regimes de mobilidade, nas fronteiras proliferam regras, códigos, taxonomias e práticas de normalização e diferenciação, formados pelas f(r)icções que garantem as hierarquias e a manutenção das desigualdades. Dito de outro modo: tecnologias ditas “preventivas”, amparadas no imaginário da ameaça e do risco, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas, capilarizadas e cotidianas, que permitem a alguns circular por rotas seguras, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros. Pactos obscuros entre agentes públicos e privados, legais e ilegais, gerenciam os “indesejados” sob a lógica de um modelo de “razão humanitária” (Fassin 2012) que acomoda, de modo sorrateiro, dinâmicas de comiseração e controle geopolítico. Nesse contexto, a noção de fronteira torna-se heuristicamente interessante tanto pelo seu caráter polissêmico quanto performativo: zonas liminares, geográficas e simbólicas, as fronteiras implicam transformações subjetivas e políticas. Operando segundo a lógica do “paradigma da suspeita” (Shamir 2005) evidenciam, por exemplo, os arranjos situacionais que distinguem “repatriados” e “trabalhadores indocumentados”, “turistas” e “vagabundos”.

6Há quem diga que, assim como o capital, a arte é capaz de se mover pelas fronteiras sem que vistos lhe sejam exigidos. Os atores sociais do chamado mundo da arte muitas vezes defendem o papel de tudo que é “artístico” na geração de uma empatia universal, uma tolerância cosmopolita que não dependeria do domínio de idiomas ou códigos específicos. Entretanto, sabemos que os museus e os espaços devotados ao que é considerado como cânone na arte seguem, via de regra, como superfícies especulares nas quais apenas as elites conseguem enxergar seu reflexo. Para uns, o selo da genialidade, o reconhecimento da autoria e a celebração do talento; para outros, o selo de folk art, o aprisionamento na grade de uma “cultura popular” difusa e uma plaquinha de identificação genérica (Aderaldo 2016; 2018; Farias e Freire-Medeiros 2016).

7Vivemos, não há dúvida, tempos de mobilidades turbulentas, que exigem agilidade criativa tanto na arte quanto na pesquisa científica. Uma série de manifestações no campo dos ativismos artístico e cultural - ou da criação estética - tem se dedicado justamente a atribuir visibilidade a essas estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar (Aderaldo, 2017; 2018; Duarte, 2011). Para investigarmos com a devida seriedade esses complexos processos e formas culturais latentes no mundo contemporâneo, torna-se condição sine qua non a superação do nacionalismo metodológico como pressuposto e do enfoque sedentário que, tradicionalmente, concebe “nação”, “sociedade” e “cultura” enquanto unidades ontologicamente estáveis e circunscritas a territórios fixos.

8Interpelados por essas questões, reunimos neste dossiê pesquisadoras e pesquisadores que se dispuseram a refletir sobre o tripé: 1) espaços fronteiriços, 2) ativismos artísticos/epistêmicos e 3) (i)mobilidades, desde terrenos empíricos os mais variados. De um total de 15 propostas submetidas (13 artigos e dois ensaios), selecionamos sete artigos de autoras/es com pertencimentos disciplinares bastante plurais, da Antropologia ao Turismo, da História à Comunicação Social, passando pela Sociologia e Geografia. São 13 colaboradoras/es que, estando em diferentes momentos de suas trajetórias profissionais, se distribuem por instituições da Argentina, Brasil, Estados Unidos e Inglaterra.

9Iniciamos nosso percurso com o artigo “A escrita insurgente dos cartazes de rua nas Jornadas de junho de 2013: experimentações estéticas e políticas”, de Rubens Rangel (UFMG), Ângela Marques (UFMG) e Bruno Martins (UFMG). No início da década de 2010, uma série de protestos contra escândalos de corrupção, irresponsabilidade fiscal dos gastos públicos, e a precariedade da infraestrutura urbana tomou as ruas no Brasil. De modo similar aos protestos anti-OMC em Seattle em 1999, ao movimento anti-Estrada nas Filipinas em 2001 (Rheingold 2007, 2012), e à Primavera Árabe em 2011, a mobilização dos manifestantes e das pautas políticas das Jornadas de Junho se materializou como iniciativa popular não mediada por instituições hegemônicas de representação política. O movimento tomou forma – e, continuamente, se transformou – tanto por via da ocupação das ruas e praças pelos corpos e cartazes dos manifestantes, quanto pela intensa apropriação das mídias sociais para coordenação e circulação de discursos e imagens dos protestos.

10Para além da dimensão informacional e de conteúdo, os/as autores/autoras nos chamam a atenção para o caráter performativo das imagens-cartazes como gesto estético e político. Acionam Rancière e Didi-Huberman para argumentar que a interrupção provocada pela dinâmica performativa das imagens e discursos dos cartazes reconfiguram hierarquias de representação política que abrem espaço para pensamentos desviantes. As constelações de mobilidade (Creswell, 2010) ativadas por eles/elas provocam uma reorganização da “partilha do sensível” ao articular sensibilidades individuais e coletivas. Entre as fricções ideológicas e estéticas desses arranjos emerge a potência política das imagens, evidenciada pela diversidade de clamores, demandas e mundos possíveis imaginados.

11Aprendemos com Rangel, Marques e Martins que os cartazes não apenas contam o que ocorreu nas Jornadas. São imagens-texto que funcionam como operadores de diferença, conflito e tensão: permitem que imaginemos as transformações experimentadas nas ruas e deslocam legibilidades e inteligibilidades, abrindo brechas para o imprevisto. A escrita insurgente das Jornadas de Junho articula referências culturais e técnicas de artes visuais (colagens analógicas e digitais, lambe-lambe, materiais improvisados) a plataformas de mídias sociais para colocar em cena formas de resistência que modificam o regime de visibilidade e revelam formas de opressão naturalizadas. Ela se materializa na delicada negociação entre a indignação diante da crise brasileira e o impulso de transformar a realidade, entre a raiva e frustração das promessas políticas não realizadas e a habilidade de rir de si mesmo e da tragicomédia instalada. Nesse espaço liminar, da passagem entre o ficar em casa e o ir para as ruas, a verbalização dessas imagens-texto nos convida a refletir acerca das desigualdades sistêmicas que atravessaram (e ainda atravessam) a realidade brasileira.

12A mobilidade sincronizada de corpos e mensagens é retomada no artigo “Inventando mundos possíveis mediante a salsa: uma etnografia com dança no Rio de Janeiro – Brasil”, que nos convida a uma imersão na experiência dos salseros na capital carioca para observar as tensões entre as diferentes dimensões espaciais, de gênero e raça que atravessam a performance da dança. Contrariando o senso comum de que a salsa é um ritmo e gênero musical que unifica uma identidade latino-americana, Maria Pilar Cabanzo (UFF) recupera etnograficamente as experiências de salseros e demonstra como alteridades são acentuadas tanto na performance da dança quanto na construção de circuitos institucionais de legitimação da salsa como patrimônio cultural ao mesmo tempo local e global.

13A antropóloga segue Firmino, professor de salsa, e duas salseras, Iracema e Flávia, e demarca as diferenças entre as experiências da salsa como dança de salão e como diversão nas casas noturnas. Os bailes organizados por Firmino são voltados à precisão técnica da dança emulada pelos festivais competitivos nos Estados Unidos e Europa, e forjam corpos investidos em reproduzir com exatidão a extensão e o limite do toque entre cavalheiros e damas. Esses parâmetros são adotados por ele e seus alunos como marcadores de valor e autenticidade da performance salsera. Já a experiência da dança nas casas noturnas apinhadas de gente, de piso grudento, desproporcionalmente frequentada por homens de origem sul-americana não necessariamente interessados no aperfeiçoamento técnico da salsa, suscita desconforto e desconfiança. Se a salsa pode ser apresentada como um ritmo latino que emerge como resposta à diáspora das comunidades latinas, especialmente cubanas e porto-riquenhas, Cabanzo demonstra que nem por isso as fronteiras simbólicas, onde repousam hierarquias sociais, são anuladas no seu processo de legitimação.

14A exatidão dos movimentos e a precisão do ritmo exigida pela performance salsera não cerceia a possibilidade do improviso. Iracema e Flávia, frequentadoras das casas noturnas que oferecem salsa ao vivo, inserem seus passos nas paisagens sensoriais dos instrumentistas, no contato não coreografado com outros corpos, e como exercício de autonomia sobre os movimentos dos seus próprios corpos. O artigo comprova que uma etnografia atenta aos movimentos performáticos, e suas demarcações culturais (de origem e raça), permite perceber como se entrelaçam nas fronteiras formas de exercício de poder e formas de pertencimento.

15Se, no artigo de Cabanzo, a cidade é cenário para a observação de mobilidades transnacionais, em “Fios de uma costura urbana: refazendo caminhos de um trabalho entre a casa e a rua a partir de um ensaio fotográfico”, o espaço urbano é personagem central da análise. Renata da Silva Melo (UFRJ) nos convida, por meio de um registro fotográfico de alta sensibilidade, a olhar a cidade a partir dos entrelaçamentos entre os percursos das pessoas que a habitam, e pelas práticas de fazer que garantem a sua (sobre)vivência. A protagonista do ensaio é Maria de Lourdes, mãe da autora e migrante nordestina, costureira e vendedora ambulante que reside na periferia, onde também fabrica bolsas.

16Os cortes de Maria de Lourdes atravessam o molde das bolsas ao mesmo tempo em que, na sua mobilidade cotidiana entre o bairro periférico onde reside e o centro do Rio de Janeiro onde trabalha, são tensionadas as formas de pertencimento possíveis. O primeiro alinhavo dos tecidos compartilha a mesma fragilidade do cotidiano imprevisível de deslocamentos necessários para viabilizar o sustento pela costura: da busca aos materiais com preço acessível, às frustradas idas à prefeitura para cadastro como trabalhadora informal, às inseguranças do trabalho informal das barracas de rua. Paola Jirón e Walter Imilán (2018) argumentam que a perspectiva das mobilidades nos permite analisar as dinâmicas de trabalho nos espaços urbanos para além do deslocamento físico dos corpos, da intimidade do espaço doméstico ao espaço público compartilhado. Ao atentar para as dinâmicas laborais como engendradas pelos embates cotidianos amarrados em marcadores de origem, raça, gênero e classe social, reconhecemos os valores, as estruturas, regulações e materialidades que podem tanto facilitar como interditar o direito de ocupação da cidade. A autora demonstra como, no trabalho ambulante de sua mãe, as políticas de mobilidade são tensionadas a cada ponto de contato. A possibilidade de mover-se pela cidade, ou de ter sua mobilidade contida, ou ainda de optar por fixar sua barraca em determinado ponto, depende de fatores que são por hora pré-determinados e sabidos, como as regras de ocupação do espaço determinadas pela prefeitura, ou espontâneas, na negociação temporária de ocupação do espaço com fiscais e outros vendedores ambulantes.

17O constante cerzir e descoser da costura é literal na fabricação das bolsas ao mesmo tempo em que é alegórico a cada momento em que protagonista é interpelada a buscar percursos alternativos e fazer novas articulações que viabilizam o seu trabalho como vendedora ambulante autônoma. A perspectiva das mobilidades nos permite, portanto, atentar para os modos pelos quais as relações assimétricas de poder e o exercício de autonomia e reflexividade revelam o trabalho invisível realizado por forças produtivas marginalizadas para garantir condições de vida nas metrópoles.

18Essa reflexividade, produzida por um saber estar no mundo, “ziguezagueando entre interdições” (Agier 2016, p. 2), estimula a produção de um conhecimento muito específico sobre as experiências espaço-temporais urbanas. E para compreendermos com maior precisão os espaços que ocupantes das fronteiras tecem, percorrendo densos “territórios circulatórios” (Tarrius, 1993; 2014), é preciso nos abrirmos para um diálogo honesto com sua inteligência prática, afinal, é necessário reconhecermos que tais sujeitos “possuem (…) um conhecimento concreto do mundo, que ‘nós’, que nos supomos cosmopolitas, não temos, realmente” (Agier, 2016, p. 7).

19Tal campo de discussões é exemplarmente trabalhado pelos artigos “La diáspora puelche en la obra de teatro Tayiñ Kuify Kvpan [nuestra vieja antigua ascendencia]”, de Miriam Álvarez (UNRN/CONICET) e Laura Kropff Causa (UNRN/CONICET), e “O teatro como mudança de narrativa para refugiados”, de Beatriz Brandão (USP). Ao tomarem como plano de referência experiências concretas de deslocamento forçado, compartilhadas por populações indígenas (Mapuches), no primeiro caso, e refugiadas, no segundo, ambos os artigos mostram como o teatro tem sido usado como suporte responsável por legitimar e comunicar amplamente um conjunto de saberes surgidos das experiências “cosmopolitas” e “cosmopolíticas” partilhadas em meio aos percursos migratórios dos sujeitos em tela.

20O artigo de Álvarez e Causa reconstitui, de início, a história dos processos de usurpação dos territórios Mapuche, na fronteira entre Argentina e Chile, que provocaram um verdadeiro genocídio indígena, obrigando sobreviventes à experiência do deslocamento forçado. Na sequência, as autoras mostram como a ideologia dominante, amparada pela mística do estado-nação, tende a conceber a identidade Mapuche como “nativista”. Ou seja, parte-se da ideia de uma conexão embrionária entre nação, cultura e território, que faz com que os deslocamentos dos povos originários sejam entendidos como sinônimo de desenraizamento patológico (cf. Clifford 2007).

21Ao assumir a importância da experiência de mobilidade na conformação contemporânea da identidade Mapuche, as antropólogas vão na contramão do diagnóstico que associa a experiência de deslocamento pelas várias fronteiras – transnacionais e urbanas, materiais e simbólicas – à perda identitária e cultural. Essa perspectiva analítica evidencia-se na narrativa do processo de produção e representação de uma peça, empenhada em construir um senso de pertencimento orientado não pela adesão fiel à comunidade imaginada, mas pela própria consciência diaspórica. A peça, criteriosamente descrita no artigo, desdobrou-se num recurso político e epistêmico muito eficiente para as novas gerações Mapuche nas suas reivindicações pelo direito a ocupar a cidade sem, para isso, se verem como “assimiladas”.

22Valendo-se, igualmente, da linguagem teatral como referência para o exame da reconstrução subjetiva que emerge da vivência do refúgio, Beatriz Brandão traça um instigante paralelo entre duas experiências de pesquisa etnográfica junto a populações refugiadas, na Itália e no Brasil. Em diálogo com a noção de “razão humanitária” de Fassin (2012; 2014 [2005]), seu artigo discute como as populações demandantes de asilo costumam ser submetidas a violentos processos, os quais envolvem perícias médicas, na busca pela verificação das marcas de sofrimento que passam a ser mobilizadas como critério de elegibilidade cidadã.

23Brandão demonstra como projetos artísticos podem se tornar excelentes vias de acesso à construção de representações alternativas a respeito da experiência do refúgio. Acompanhando as trajetórias de Daraja e Basma, vemos como sua participação em oficinas de teatro especificamente voltadas às populações refugiadas naqueles dois países foi extremamente eficaz na desmistificação de imaginários tipificados e estigmatizantes acerca desses sujeitos e suas experiências. Ao examinar os pressupostos éticos por trás dos métodos utilizados nas oficinas que pesquisa, sem esquecer de descrever os desdobramentos concretos da aplicação desses métodos, a autora demonstra que a linguagem cênica viabilizou uma espécie de resposta às “mobilidades desiguais” (Sheller, 2018) que marcam os itinerários de pessoas como Daraja e Basma.

24Ambos os artigos, portanto, evidenciam a arte teatral como elemento-chave para valorização das experiências “cosmopolitas” e “cosmopolíticas” de sujeitos que se afastam de suas ancoragens territoriais e identitárias originais sem, para isso, se acomodarem plenamente nos lugares de destino. Trata-se, evidentemente, de um tipo muito específico de cosmopolitismo, a saber, um “cosmopolitismo banal” (Agier, 2013; 2016), não associado ao modo de vida das elites, mas sim à experiência concreta de quem experimenta a rugosidade do mundo. Pessoas que, diante da inevitabilidade do deslocamento, vivenciam a áspera realidade das fronteiras, não como ponto de passagem, mas como um lugar de permanência. Sujeitos que se formam nas contínuas travessias e bloqueios que marcam seus itinerários e cujo cosmopolitismo decorre do fato de terem o mundo em mente, não exatamente por escolha, mas por necessidade.

25Com a leitura em um só fôlego dos dois artigos, ganhamos uma compreensão mais nuançada da geopolítica da mobilidade transnacional, reconhecendo migrantes e refugiados não pelo que lhes falta, mas pelo imenso e valioso acúmulo de repertórios que caracteriza suas trajetórias.

26Os dois artigos que encerram o dossiê também merecem uma “leitura casada”. Nem tanto porque aportam em um território empírico comum – a cidade do Rio de Janeiro do tempo presente –, mas por serem exemplares da utilização da mobilidade em sua dupla função: como objeto de pesquisa e como marco teórico-metodológico.

27Repousando na fronteira inquieta em que estrutura e subjetividade, macro e micro se encontram, o artigo “The map, the photograph and the BRT: Between promise and reality on Rio’s Bus Rapid Transit”, de Bryan McCann (Georgetown University), trabalha mobilidades de várias ordens e protagonizadas por diferentes entes humanos e não-humanos. Se o Bus Rapid Transit (BRT) é fruto de uma política de mobilidade que faz circular pessoas e mercadorias, ele é também o resultado da mobilidade de políticas (cf. Peck 2011) que, originadas em Curitiba, deslocam-se e são implementadas no Rio de Janeiro, a Cidade Olímpica de 2016.

28Em paralelo, como demonstra McCann, o BRT circula, ele mesmo, por meio de diferentes iconografias, tanto oficiais quanto contra-hegemônicas, e o artigo faz um uso estratégico de três delas. A primeira é a fotografia de Yan Marcelo Carpenter, que se tornou icônica da experiência da pandemia de Covid19 no Brasil, e é capa desta edição. Esta imagem é síntese e expressão da iniquidade social vivida no vai-e-vem do transporte público, nas (i)mobilidades que constituem e atravessam as metrópoles da América Latina desde muito e além do vírus. Aos corpos sensivelmente capturados pelas lentes de Carpenter, são contrapostos, por um lado, o mapa oficial e esquemático do sistema de BRT do Rio de Janeiro e, por outro, um par de mapas criados pelo planejador urbano Lucas Faulhaber, que registra desapropriações, despejos e reassentamentos de famílias trabalhadoras pobres no processo de implantação do BRT na “cidade olímpica”.

29Nesse belo exercício de análise de diferentes iconografias que tomam um mesmo objeto com intenções tão diversas, o historiador consegue identificar os fios que conectam as estruturas socioespaciais às práticas de mobilidade e imobilidade. Da triangulação das fontes visuais emerge a possibilidade de compreender as fricções entre as idealizações e promessas dos criadores do sistema BRT e a experiência cotidiana de seus passageiros. Afinal, se o acesso ao transporte é um direito estabelecido no artigo 6º da Constituição Federal Brasileira e conta com diretrizes instituídas pela Política Nacional de Mobilidade Urbana, quem utiliza o sistema de transporte em cidades cada vez mais esgarçadas paga caro por um serviço desconfortável, mal planejado e pouco seguro (cf. Pereira et al 2018).

30Essas precariedades sobrepostas acirraram-se no contexto da pandemia de Covid19 e exigiram dos pobres urbanos o acionamento de um novo repertório de ação e intervenção para garantir suas mobilidades físicas e comunicativas, como atestam Camila Moraes, (UNIRIO), Bernardo de La Vega (UNIRIO), Fabian Frenzel (University of Oxford Brookes), Isabela Rega (Bournemouth University) e Juliana Mainard-Sardon (Bournemouth University) no artigo que encerra este dossiê. Fruto, ele mesmo, da mobilidade de ideias gestadas em uma rede de colaboração transnacional, o artigo “Favela Tour Virtual: sobre mobilidades turísticas em favelas no contexto da pandemia de covid-19” mimetiza, a partir da reprodução do que se via nas telas dos computadores conectados nos dois hemisférios, quatro tours virtuais transmitidos ao vivo nas favelas da Rocinha, Providência, Pavão/Pavãozinho/Cantagalo e Santa Marta durante ano de 2021.

31Em parceria com moradores dessas favelas, que há anos exercem atividades ligadas ao turismo e se viram impossibilitados de seguir com guiamentos em seus territórios, os/as autores/autoras conduziram o projeto de converter (ou adaptar) o que antes tinha por fim último as mobilidades físicas – turistas com suas câmeras, sensorialmente imersos na alteridade socioespacial da favela – em experiências de mobilidade virtual.

32Pelo menos desde o início dos anos 1990, quando John Urry publicou pela primeira vez o clássico O Olhar do Turista, sabemos que as mobilidades turísticas são responsáveis pela invenção e reinvenção contínua de lugares, ao mesmo tempo em que dependem da circulação de desejos e fantasias associados a esses “territórios da imaginação” (ver também Shields 1992). Dito de outro modo: antes do encontro fisicamente situado entre turista e seu destino de escolha, há o mergulho nas imagens de alta circulação que estimulam seu consumo. Tours virtuais, que no mundo pré-pandemia estavam relegados a experimentos “alternativos”, assumiram um protagonismo inédito nesse sistema de fluxos que perfazem as mobilidades turísticas. A partir do terreno empírico das favelas cariocas, os/as autores/autoras evidenciam toda a rede sociotécnica – celulares, computadores, microfones, fones de ouvido – que precisou ser acionada para que essa nova configuração de circuitos de micromobilidades pudesse acontecer a contento.

33Ao se engajar nos passeios guiados, “turistas virtuais” se viram desafiados a acomodar o repertório imagético e discursivo, responsável pela criação e circulação da “traveling favela” (Freire-Medeiros 2013), à dura realidade da pandemia. Valendo-se de uma longa trajetória de pesquisa de alta qualidade sobre as mobilidades turísticas nas favelas do Rio de Janeiro, os/as autores/autoras logram explicitar os nexos e as tensões entre a experimentação criativa da modalidade online e as práticas de longa duração que consolidaram os “favela tours” no mercado global.

34Em conjunto, as autoras e autores reunidos neste dossiê não nos deixam esquecer daquilo que Sheller (2018) chama de “mobilidades justas” e da potência política das imagens. Essa politização, como verá o/a leitor/leitora, pode se dar através de práticas lúdicas, corporais e carnavalescas que, como aponta Diéguez (2014), emergem nas zonas temporárias transdisciplinares, onde as fronteiras entre a performance, as artes visuais e o ativismo se entrecruzam. As performances estéticas e políticas fazem revisitar a relação dos sujeitos com o território onde habitam ou que atravessam, criam oportunidades de revisar a sua inserção histórica “a contrapelo” e desabituam formas estabelecidas de existência.

Topo da página

Bibliografia

Aderaldo, Guilhermo. 2017. Reinventando a cidade: uma etnografia das lutas simbólicas entre coletivos culturais vídeo-ativistas nas “periferias” de São Paulo. São Paulo: Annablume/Fapesp.

_____. 2016. “Entre imagens e imaginários: estética e política nas intervenções visuais/audiovisuais de coletivos culturais paulistanos”. pp. 55-79 em: Pluralidade urbana em São Paulo: vulnerabilidade, marginalidade, ativismos sociais. Organizado por Kowarick, Lúcio e Frúgoli Jr, Heitor. São Paulo: Editora 34.

_____. 2018. “Visualidades urbanas e poéticas da resistência: reflexões a partir de dois itinerários de pesquisa”. Antropolítica, n 45 (2): 66-93. https://doi.org/10.1590/1809-43412019v16d503

Agier, Michel. 2013. La condition cosmopolite: l’anthropologie à l’épreuve du piège identitaire. Paris: Éditions La Decouverte.

_____. 2012. “Pensar el sujeto, descentrar la antropología”. Cuadernos de Antropología Social, (35), 9-27. https://doi.org/10.34096/cas.i35.1360

_____. 2016. “Nova cosmópolis: as fronteiras como objetos de conflito no mundo contemporâneo”. Conferência proferida no 39º Encontro Anual da Anpocs, realizado de 26 a 30 de outubro de 2015 em Caxambu – MG. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online]. v. 31, n. 91

Bauman, Zygmunt. 1998. O mal-estar da pós-modernidade. Trad. Mauro Gama, Claudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Clifford, James. 2007. “Varieties of indigenous experience: diasporas, homelands, sovereignties”, em Marisol De la Cadena y Orin Starn (orgs.), Indigenous Experience Today, pp. 197-224. New York: Berg Publications

Creswell, Tim. 2006. On the move: mobility in the modern western world. Nova York: Routledge

_____. 2010. “Towards a Politics of Mobility. Environment and Planning D: Society and Space”, v. 28, 2010, pp.17 – 31.

Diéguez, Ileana. 2014. Escenarios liminales. Teatralidades, performatividades, políticas. Colonia Churubusco-Coyoacán: Paso de Gato.

Duarte, Fernanda. 2011. “Transborder Immigrant Tool. Transfers, interdisciplinary journal for mobilities studies”, p. 113-118.

Elliott, Anthony; Urry, John. 2010. Mobile lives. London: Routledge.

Fassin, Didier. 2012. “Humanitarian Reason. A moral history of the presente. University of California”: Press Berkeley/Los Angeles, 2012.

_____. 2014 [2005]. “Compaixão e repressão: a economia moral das políticas de imigração na França”. Ponto Urbe, v. 15. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/2467

Farias, Edson e Freire-Medeiros, Bianca. 2016. “Popular Culture” in a Changing Brazil. Toby Miller (org.) The Routledge Companion to Global Popular Culture. London: Routledge.

Freire-Medeiros, Bianca. 2013. Touring Poverty. New York: Routledge.

Haesbaert, Rogério. 2004. O mito da desterritorialização. Do ‘fim dos territórios’ à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Jirón, Paola; Imilán, Walter. 2018. “Moviendo los estudios urbanos. La movilidad como objeto de estudio o como enfoque para comprender la ciudad contemporánea”. Revista del area de estudios urbanos. Buenos Aires, pp 17-33. Disponível em: https://repositorio.uchile.cl/handle/2250/153116

Lash, Scott; Urry, John. 1994. Economies of signs & space. London: Sage.

Peck, Jamie. 2011. “Geographies of Policy: From Transfer-Diffusion to Mobility-Mutation.” Progress in Human Geography 35.6: pp. 773–797.

Pereira, R. H et al. 2018. Distributional effects of transport policies on inequalities in access to opportunities in Rio de Janeiro. Journal of Transport and Land Use, 12(1).

Rheingold, Howard. 2007. Smart mobs: The next social revolution. Cambridge: Basic Books.

_____. 2012. Net smart: How to thrive online. Cambridge: MIT Press.

Sassen, Saskia. 2016 [2014]. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global, Rio de Janeiro/São Paulo, Ed. Paz e Terra.

_____. 2013. “When the center no longer holds: Cities as frontier zones”. Cities, volume 34, October, pp. 67-70

Shamir, Ronen. 2005. Without Borders? Notes on Globalization as a Mobility Regime. Sociological Theory, vol. 23, no. 2, pp. 197-217.

Sheller, Mimi. 2018. “Theorising mobility justice”. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 30, n. 2. Disponível em: https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.142763

Sheller, Mimi; Urry, John. 2016. “Mobilizing the new mobilities paradigm”. Applied Mobilities, v.1, n.1, pp. 10-25.

Shields, Rob. 1992 Places on the Margin: Alternative Geographies of Modernity. London: Routledge.

Tarrius, Alain. 1993. Territoires circulatoires et espaces urbains: différentiation des groupes migrants. Les Annales de la Recherche Urbaine, pp. 51-60

_____. 2014. “Quand les territoires circulatoires des transmigrants traversent des quartiers enclavés de villes moyennes françaises”, Revue européenne des migrations internationales, vol. 30 - n°2 | 2014, pp. 169-192.

Urry, John. 2001. [1991] O olhar do turista. Lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Studio Nobel/SESC.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Bianca Freire-Medeiros, Guilhermo Aderaldo e Fernanda Duarte, «Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 11, No 1 | -1, 3-14.

Referência eletrónica

Bianca Freire-Medeiros, Guilhermo Aderaldo e Fernanda Duarte, «Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 11, No 1 | 2022, posto online no dia 01 abril 2022, consultado o 16 agosto 2022. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4048; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4048

Topo da página

Autores

Bianca Freire-Medeiros

Bianca Freire-Medeiros é professora do Dept. de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP).

Guilhermo Aderaldo

Guilhermo Aderaldo é pesquisador em pós-doutorado e professor do Programa de Pós-graduação em antropologia da Universidade Federal de Pelotas (PPGANT-UFPEL).
guiade@ymail.com.

Artigos do mesmo autor

Fernanda Duarte

Fernanda da Costa Portugal Duarte é professora do Departamento de Comunicação da North Carolina State University (NCSU).

Topo da página

Direitos de autor

All rights reserved

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search