Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 11, No 1Dossiê "Fronteiras, ativismos e (...ArtigosA Escrita Insurgente dos Cartazes...

Dossiê "Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas"
Artigos

A Escrita Insurgente dos Cartazes de Rua nas Jornadas de Junho de 2013: Experimentações Estéticas e Políticas

The insurgent writing of street posters in the June 2013 Journeys: aesthetic and political experiments
Rubens Rangel, Ângela Cristina Salgueiro Marques e Bruno Guimarães Martins
p. 15-34

Resumos

Este artigo busca observar como, nas Jornadas de Junho de 2013 no Brasil, cartazes de rua criaram outros vocabulários e rearranjos da experiência coletiva, desorganizando a estrutura social vigente. A presença de cartazes nas manifestações estabelece uma forma de circulação das palavras no espaço urbano que provoca um curto-circuito das regras que estabelecem fluxos de aparição e circulação dos corpos e dos enunciados. Os cartazes nos remetem ao direito de ocupar o espaço público, realizando um contraponto aos dispositivos que o controlam e delimitam. Ao produzir e ostentar cartazes, deslocando-se com eles pelos espaços urbanos (interrompendo fluxos, produzindo desvios, extravios e barreiras) os manifestantes operam uma subversão na ordem reguladora do espaço sensível que define o que pode ou não ser enunciado, apreendido e compreendido. O excesso de palavras que invade o espaço público por meio da proliferação de cartazes promove uma reorganização espacial, estética e política do comum que nos entrelaça.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2021-06-30
Aceite em: 2022-01-29

Notas do autor

Este trabalho conta com o apoio do CNPq e da FAPEMIG. Os autores agradecem imensamente aos pareceristas ad hoc pelas excelentes contribuições feitas a uma primeira versão do paper.

Texto integral

Introdução

1Em junho de 2013 ocorreu uma onda de manifestações nas praças e nas ruas de várias cidades do Brasil. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre sediaram as manifestações mais intensas contra o aumento da tarifa do transporte público, contra a corrupção e insatisfação com os governos, em todos os âmbitos, incluindo o federal. Nesse período, Dilma Rousseff exercia seu primeiro mandato como presidenta, sendo o terceiro mandato consecutivo do PT no poder. Os protestos ocorreram em coletivos não hierárquicos, com gestão descentralizada e foram produzidos com outra estética: os participantes, em sua maioria jovens, tiveram mais autonomia, não atuaram sob a coordenação de uma liderança central (Lima 2013; Gohn 2014). As mídias sociais também tiveram um importante papel nas Jornadas de Junho, uma vez que existiram sites e espaços específicos nas redes que contaram com a atuação de grupos de resistência e articulavam os manifestantes, mobilizando a população e auxiliaram na comunicação dos protestos. Para Ricci e Arley (2014), a convocação não se deu por meio de lideranças ou organizações centrais, mas ocorreu de forma horizontalizada, pela identificação com aqueles que convocavam os atos. Nesse sentido as manifestações foram consideradas um trabalho em rede.

  • 1 Movimento social que defende a adoção da tarifa zero para o transporte coletivo. O MPL foi fundad (...)
  • 2 No dia 2 de junho de 2013 a Prefeitura e o Governo do Estado de São Paulo aumentam o valor da tar (...)
  • 3 Especial de aniversário de um ano das manifestações de junho de 2013. Jornadas de Junho: um ano. (...)

2O primeiro ato político do Movimento Passe Livre (MPL)1, em junho de 2013, surpreendeu a cidade de São Paulo. Com a nova tarifa já vigente,2 a primeira manifestação contra o aumento da tarifa no transporte público começou no final da tarde do dia 6 de junho, em frente ao Teatro Municipal da cidade. As Avenidas 23 de Maio, 9 de Julho e Paulista foram bloqueadas com barricadas de fogo e a Polícia Militar foi convocada para liberá-las. O embate entre manifestantes e polícia foi violento. Cerca de 50 pessoas ficaram feridas e algumas foram detidas.3 Pela manhã do dia 7 de junho, os principais jornais da cidade traziam uma visão negativa do primeiro ato contra o aumento da tarifa do transporte público em São Paulo. Em suas capas, Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo deram destaque para os protestos nas manchetes: “Vandalismo marca ato por transporte mais barato em SP” e “Protesto contra a tarifa acaba em depredação e caos em São Paulo”. A cobertura do dia 7 de junho inaugurou a primeira fase da abordagem da mídia sobre as Jornadas de Junho: a construção de enquadramentos de desqualificação que tornam as manifestações inteligíveis como atos de vandalismo.

  • 4 A partir do dia 13 de junho as manifestações passaram a ocorrer em todo o Brasil. Para o dia 17 f (...)

3Onze dias após o primeiro ato, depois de acompanhar os protestos pelos ambientes da rede e da mídia, acompanhamos a manifestação ocorrida em Belo Horizonte, marcada para o dia 17 de junho,4 mesmo dia em que ocorreu, na cidade, a partida entre as seleções do Taiti e da Nigéria, pela Copa das Confederações. Em Belo Horizonte, assim como em dezenas de outras cidades brasileiras, uma multiplicidade de corpos caminhou lado a lado, apresentando suas demandas em cartazes, numa tentativa de produzir novos fluxos de enunciados que geralmente não estão previstos.

  • 5 Dia de maior mobilização em várias cidades brasileiras marcado também pela violência.

4Silvia Viana defende a qualidade e a maturidade do movimento, em especial a fase do Movimento Passe Livre (MPL) que, segundo a socióloga, soube mobilizar a população com sabedoria e coragem e sair dele no momento certo. Para ela, “ao contrário do que se tem afirmado, o abalo não ocorreu devido à quantidade de adesões que se seguiram à quinta-feira esfumaçada,5 e sim graças à qualidade do movimento que as convocou” (2013: 57).

5Braga (2013) considera as Jornadas de Junho como a maior guinada popular da história do país. Para ele, as mobilizações comunicam a péssima qualidade de vida do trabalhador urbano, somada às inquietações com problemas de transporte público, violência policial e de especulação imobiliária. Ele ressalta como as praças e as ruas foram palco para a reunião de corpos e para marcar o fluxo de circulação desses corpos e dos enunciados materializados em cartazes, havendo reconhecimento e confrontação de interesses envolvidos num mesmo espaço de ação. As manifestações se fizeram na ocupação das praças e das ruas das cidades, que voltaram a ser espaço de prática da política pelo contato presencial. A rua, a praça, o espaço urbano, não foram apenas parte da ação, mas também aquilo pelo qual se lutou. As praças configuram-se como ponto de concentração para eventos e manifestações e as mais recentes ocorridas no mundo contemporâneo apresentaram uma participação expressiva de jovens que se organizaram com o auxílio das novas tecnologias. A praça sendo não somente o local de partida/encontro, mas também o espaço urbano físico, virtual e simbólico dessas manifestações. Na América Latina, por exemplo, algumas praças fazem parte da história de seus países, como a Praça de Maio, em Buenos Aires/Argentina, e a Praça da Candelária, no Rio de Janeiro/Brasil. No mundo, podemos citar alguns atos recentes em Praças de diferentes metrópoles: Praça Mohamed Bouazizi (Túnis/Tunísia), Tahrir (Cairo/Egito), Praça Syntagma (Atenas/Grécia), Praça da Puerta del Sol (Madri/Espanha), Praça do Parque Zuccotti (Wall Street/Nova York - USA).

6Em países da Europa, África, Américas e Ásia, “corpos em aliança” (Butler 2018) foram às ruas para reivindicar maior participação e criticar o sistema político-econômico vigente. Protestos na Islândia, no Egito e na Tunísia, por exemplo, inspiraram outros levantes como o Movimento 15M, na Espanha, o Occupy Wall Street e até mesmo as Jornadas de Junho, no Brasil (Oliveira 2013). Essas manifestações de massa ao redor do mundo foram e são motivadas por propósitos políticos diferentes, no entanto, alguma coisa semelhante aconteceu: “os corpos congregam, eles se movem e falam juntos e reivindicam um determinado espaço como público.” (Butler 2018:80). As ações coletivas, segundo Butler (2018), agregam o próprio espaço, organizam e animam a arquitetura, produzindo, ou reproduzindo, o caráter público desse ambiente material, colocando em questão a própria noção público e privado. O espaço público urbano não se configura por sua localização física, mas é forjado na relação entre as pessoas que vivem juntas com um propósito. Corpos e cartazes, ação e enunciação, seriam pilares na criação desse espaço político de aparecimento.

  • 6 No caso das passeatas, os cartazes não falavam apenas para quem estava fora das manifestações, ma (...)

7Durante os atos de Junho de 2013, os cartazes se multiplicaram nas ruas das cidades brasileiras, assumindo uma função política e enunciativa, uma vez que por meio deles os sujeitos se inscreveram no movimento das ruas e, ao mesmo tempo, apresentaram suas demandas e ideias (Cruz 2018; Mazzola 2017; Neves 2017; Novaes 2018; Marques 2011e 2014; Mendes 2018). Integrados à rede semântica que os precede (mas também guardando uma dimensão autopoiética e inventiva que se conectam com a possibilidade dos cartazes produzirem imprevistos – apresentarem o que não estava sendo visto), os enunciados elaborados pelos manifestantes abriram um emaranhado de sentidos, articulando aspectos da memória e reinserindo-os no acontecimento em curso.6

  • 7 Adotaremos o termo Jornadas de Junho para designar as dezenas de manifestações populares no Brasi (...)

8A nosso ver, os cartazes das Jornadas de Junho7 são significativos para compreendermos os conflitos sociais e políticos que ali emergiam, permitindo a inserção de gestos e inscrições singulares de participação nos conflitos políticos ali manifestos (Cruz 2013). Os cartazes deslocam uma compreensão da atividade política apenas como deliberação formal em esferas públicas institucionalizadas e nos incitam a pensar na política como as formas sensíveis que nos afetam e nos fazem refletir acerca dos imaginários, das partilhas e das legibilidades/ilegibilidades das demandas daqueles que sofrem injustiças e desigualdades constantemente apagadas pela gestão governamental da cidade.

9O problema que orienta nossa discussão é definido através do pressuposto de que os cartazes que circularam nas ruas e redes das insurgências de junho de 2013 no Brasil formam constelações que alteram a configuração das mobilidades, reforçando sua dimensão política e estética. Através do diálogo com autores como Georges Didi-Huberman (2019), Jacques Rancière (2019) e Tim Creswell (2010), pretendemos evidenciar como cartazes de manifesto, ao serem dispostos por uma operação de montagem, produzem constelações enunciativas que deslocam consensos estabelecidos para configurar possibilidades políticas de mobilidades que privilegiam os desvios e as fabulações que interferem no imaginário político. Não se trata de uma análise interpretativa do conteúdo visual dos cartazes, mas de compreendê-los em relação, de evidenciar como constelações de imagens/cartazes, obtidas por meio de montagens, resultam em formas de autoexpressão desviantes: revelam um excesso de palavras, uma escrita insurgente e criadora de documentos de valor histórico e informativo.

  • 8 Todas as traduções de citações foram realizadas pelos autores.

10Assim, acreditamos que os cartazes foram criados nas ruas e nas redes, elaborando formas singulares de expressão, ampliando uma semântica que nomeia a recusa das hierarquias opressoras e o desejo de que as palavras e os corpos que as portam possam promover encontros, trocas e até mesmo discussões ampliadas, fazendo reverberar um outro imaginário construido coletivamente. Ao sair às rua empunhando aquelas “toscas cartolinas” o cidadão protagonizou a reelaboração do espaço em que habita e produziu um outro território, fruto da ação coletiva de sublevar-se e da criação, da produção e da exibição de cartazes que produziram um “excesso de palavras” (Rancière 2011)8.

11Nossa pesquisa coletou e observou 167 imagens e cartazes em arquivos digitais (imagens fotográficas, imagens fac-similares e em sua forma texto)9, os quais foram selecionados, organizados e dispostos por meio de analogias e aproximações, que permitiram a montagem (Didi-Huberman 2017, 2019) de duas constelações específicas. Ao partirmos da noção de “constelações de mobilidade”, de Tim Cresswell (2010), fizemos aproximações entre os cartazes coletados a partir de sua circulação nas ruas e nas redes digitais. De modo breve, as constelações de mobilidade evidenciam uma abordagem da mobilidade que articula o movimento, sua experiência prática e as representações e sentidos associados a esse movimento. Se considerarmos que os cartazes se movem junto com o corpos que se deslocam nas ruas e redes, podemos delinear, no caso em questão, as dimensões estéticas e políticas da mobilidade no processo de montagem de duas constelações: a) as constelações de mobilidade dos cartazes nas ruas; e b) as constelações de mobilidade dos cartazes nas redes sociais digitais. Ambas estão intimamente interligadas e juntas configuraram a semântica de resistência das insurgências de junho de 2013. Neste artigo, evidenciaremos aspectos do processo de montagem dessas duas constelações, de modo a evidenciar um conjunto heterogêneo de vozes e linguagens que ecoaram nas ruas das cidades brasileiras. Tal gesto nos permite detalhar não somente os aproximações e articulações produzidas entre um conjunto de cartazes, corporeidades e imagens, sem desconsiderar suas diferenças, focalizando aspectos até então não percebidos, choques inesperados entre diferentes registros, trazendo perturbações e dissensos estéticos e políticos.

Percurso metodológico e apontamentos iniciais

12Uma das premissas para a composição de nosso percurso metodológico foi a busca pela multiplicidade e pelas possíveis diferenças e aproximações desses cartazes (temática, estética, de produção, criação, exibição e de ambiência). Nosso interesse não foi somente pelo tema ou pela estética empregada no cartaz, mas principalmente pela radicalidade e potencialidade política dessa mídia, por configurar um excesso de palavras que provoca rupturas na partilha do sensível (Rancière 2011), por sua capacidade de nos fazer ver e ouvir a opinião do outro, de nos deslocar para as fronteiras da alteridade e das diferenças.

  • 10 No dia 14 de junho de 2013 a Meli-Melo Press lançou uma campanha em sua página do Facebook convid (...)
  • 11 O projeto faz parte da pesquisa de doutorado em história das cidades de Roberto Andrés, realizado (...)

13Importante dizer que o processo de coleta dos cartazes adotou as seguinte táticas: 1) a partir de contato com conhecidos (fotógrafos profissionais ou amadores) que participaram e registraram os protestos, criando assim uma pequena rede colaborativa que me forneceu um material de diversas partes do país (Minas Gerais, São Paulo, Pará, João Pessoa, Pernambuco e Rio Grande do Sul); 2) a partir de pesquisa em páginas eletrônicas (blogs, miniblogs e redes sociais) de ativistas e coletivos; 3) em imagens veiculadas pela mídia tradicional e alternativa, impressa e eletrônica, que acompanhou, registrou e noticiou os protestos; 4) em livros e pesquisas acadêmicas (artigos, dissertações e teses) sobre as manifestações de junho de 2013; 5) em arquivos de gráficas e estúdios de design que produziram ou imprimiram cartazes, como foi o caso do estúdio de design e gráfica Meli-Melo Press, de São Paulo, que disponibilizou suas máquinas, a partir de campanha pelo Facebook, para imprimir e distribuir cartazes gratuitamente durante os manifestos;10 6) pelo site Grafias de Junho, um projeto colaborativo que busca reconstituir a memória das Jornadas de Junho com centenas de fotografias dos protestos realizadas em todo o país.11

14Diante dos 167 cartazes por nós coletados, construímos um repertório ampliado que nos demandava desenvolver relações entre elas, entre o único e o todo, as singularidades e as comunalidades. O primeiro passo foi marcado pela realização de aproximações, comparações, conexões e articulações entre as imagens. Nosso intuito era separar os cartazes por meio de um processo de montagem. O conceito de montagem é uma forma crítica de pensamento dialético e uma forma de pensar e mostrar com diversos pontos de vista. O filósofo e historiador da arte Georges Didi-Huberman (2012) inaugura e desencadeia uma forma de pensar a antropologia da imagem e a montagem como metalinguagem e forma de conhecimento. Assim como Brecht e Walter Benjamin, Didi-Huberman vai encontrar essa reposta na desconstrução e no anacronismo de pensar a imagem e a montagem dentro da história e das experiências artísticas da performance. Essa maneira de performatizar o mundo como montagem-imagem torna-se, então, uma prática metodológica e teórica importante.

A disposição pela montagem, enquanto pensa a copresença ou a coexistência sob o ângulo dinâmico do conflito, passa fatalmente por um trabalho destinado, se posso dizer, a dis-por as coisas, a desorganizar sua ordem de aparição. Maneira de mostrar toda disposição como um choque de heterogeneidades. É isso a montagem: só se mostra ao desmembrar, só se dispõe ao “dis-por” primeiro (Didi-Huberman 2017: 79-80).

15Assim, a operação da montagem pode se relacionar com o pensamento de Rancière acerca da redisposição da ordem visível e sensível derivada de novos regimes de visibilidade e aparição. O “aparecer” é um gesto político e estético definido por Rancière (2019: 46) como capaz de produzir “intervalos que interrompem o fluxo consensual de legibilidade”, criando um reagenciamento das imagens circulantes, fazendo aparecer um poder disruptivo, uma capacidade de agregar nomes e personagens que multipliquem a realidade. Assim, essa operação intervalar criada pela aparição dos cartazes cria formas de “aparência” que desafiam o modo hierárquico de apresentação da realidade, deslocando o olhar, rearranjando a legibilidade dos enunciados em circulação.

16Para Didi-Huberman (2012), e também para Rancière (2019), uma imagem está sempre em relação com outras imagens através da montagem. Ambos remetem ao modo como Benjamin articulava os fragmentos e os retalhos de suas percepções da cidade para produzir cenas inteligíveis, capazes de conectar diferentes imagens, textos ou objetos, com liberdade para modificar sua configuração. Para esses autores, através da montagem podemos criar constelações, descobrir novas analogias, novos trajetos de pensamento. O modo como Benjamin conceitua a imagem dialética, o clarão que entrelaça passado, presente e futuro colocando em choque e tensão uma diversidade de temporalidades, apresenta muita proximidade com as reflexões feitas por Rancière, por Didi-Huberman e por Creswell. Para eles, a constelação opera pela frição entre elementos heterogêneos que, colocados juntos, desestabilizam e fraturam uma maneira consensual de habitar o mundo, de mover-se no espaços da experiência cotidiana, de permitir a circulação dos corpos e de explicar causalmente a História.

Ao pensamento pertencem tanto o movimento quanto a imobilização dos pensamentos. Onde ele se imobiliza numa constelação saturada de tensões, aparece a imagem dialética. Ela é a cesura no movimento do pensamento. Naturalmente, seu lugar não é arbitrário. Em uma palavra, ela deve ser procurada onde a tensão entre os opostos dialéticos é a maior possível. Assim, o objeto construído na apresentação materialista da história é ele mesmo uma imagem dialética. Ela é idêntica ao objeto histórico e justifica seu arrancamento do continuum da história (Benjamin 2009: 518).

17Nesse sentido, o segundo passo de nosso percurso metodológico foi composto a partir da noção de constelações, sobretudo a partir da maneira como ela é desenvolvida por Tim Creswell (2010) e por Walter Benjamin (2009). Em uma abordagem extremamente original do conceito de mobilidade, Creswell (2010) considera que o movimento físico; a experiência prática e corporificada desse movimento e suas representações partilhadas são o tripé que nos permite evidenciar a dimensão política e estética da mobilidade. Nas Jornadas de Junho de 2013, podemos dizer que a mobilidade foi representada como insurgência: os sentidos compartilhados apontavam para práticas de desvio e resistência, construindo discursivamente uma mobilidade afinada com os levantes e sua prática transgressiva voltada para a realização de transformações no imaginário político (Mendes 2018). Além disso, a mobilidade dos manifestantes e dos cartazes configurou práticas nas quais o corpo dos sujeitos e o corpo da escrita fizeram parte de experimentações discursivas, “envolvidas por narrativas que demonstravam preocupações, moralidades, anseios éticos e estéticos que contrastam constantemente com formas mais mecanizadas de movimentos” (Creswell 2010: 20).

18As articulações possíveis entre movimentos, práticas e representações nos auxiliam a perceber como a mobilidade está implicada em redes de dominação, distribuição e circulação de poder. Segundo Creswell (2010: 21), a dimensão política e estética da mobilidade se configura a partir da forma como a mobilidade produz e é produzida pelas relações sociais, consideradas em sua historicidade e situacionalidade. Nesse processo, diferentes temporalidades, territorialidades, corporeidades e vulnerabilidades justapõem-se, fazendo com que, se considerarmos o espaço urbano, uma mesma localidade possa abrigar e fazer coexistir variadas experiências, temporalidades, interpretações e espaços. A rede de interações sociais produz, então, “constelações de mobilidade, ou seja, arranjos particulares de movimentos, representações e práticas corporificadas que, juntas, compõem formações histórico-geográficas” (Creswell 2010: 22) que questionam a efemeridade das mobilidades e sua suposta desconexão com uma trajetória mais ampla. Em outras palavras, a constelação não é a resultante mecânica de um somatório de peças.

19Cresswell lembra que, no livro das Passagens (2009), Benjamin argumenta que os acontecimentos não podem ser ordenados em um fluxo contínuo, linear, causal, desconsiderando os saltos, as imobilizações, as suspensões e os desvios. Ele propõe outra temporalidade para a reflexão e compreensão dos eventos através da consideração das descontinuidades e dos intervalos, do choque de diferentes tempos que se cruzam no interior de um tempo consensual, destinado a organizar e controlar o modo como nos “dispomos” nos scripts e nos enredos sociais que articulam o comum de uma comunidade. Assim, a constelação é um método para pensar fora desse movimento acelerado rumo a um futuro, um depois, prestando atenção nos instantes de suspensão e nos vestígios de elementos desconsiderados (Souto 2020). Se precisamos defini-la, seria melhor dizer que se trata de um conjunto de forças que põe em relação e imanta uma composição que permite a emergência de outras visibilidades e legibilidades ao redispor e reordenar elementos, retirandos-os de um fluxo consensual que bloqueia seu poder explicativo insurgente.

20As constelações de mobilidade, em diálogo com conceitos desenvolvidos por Didi-Huberman e Rancière, nos auxiliaram a melhor entender as políticas e estéticas da mobilidade, uma vez que elas promovem experimentações democráticas ao interromper o funcionamento de esquemas tradicionais de produção e circulação de enunciados. Constelações de mobilidade acionam um processo de montagem para tornar nossa percepção sensível às dinâmicas de reiteração de injustiças por meio de um processo de articulação, de choque, de introdução de um visível no campo da experiência para modificar o regime de visibilidade. Pensar por montagens e constelações é acionar lógicas desviantes que comportam múltiplos estratos de territorialidades e temporalidades cambiantes, redesenhando os limites, os recortes e os ritmos usuais dos espaços urbanos e arquitetônicos. Como enunciado anteriormente duas constelações de mobilidade ganharam maior proeminência em nossas experimentações de montagem e, a seguir, nos deteremos mais demoradamente sobre elas.

A potência política do cartaz nas Jornadas de Junho: estética e insurgência nas constelações de mobilidade

  • 12 Frente às tentativas da imprensa de desvalorizar a reivindicação pela revogação do aumento, sob o (...)

21Os cartazes com reinvidicacões diversas compõem o repertório de palavras e imagens das manifestações de Junho de 2013: primeiramente, nas ruas e nas redes e depois tomam parte da cobertura midiática que destaca que o levante “não é só por 20 centavos”.12 Nesse movimento de circulação, os cartazes foram direcionados para todos os seus possíveis interlocutores: os próprios manifestantes, a população, a mídia, a polícia, a política. Estes, por sua vez, redefinem sua mobilidade nos espaços da cidade, solicitando algo além de um direito de acesso àquilo que já existe, ou seja, o direito de mudar a cidade, de criar e percorrer “espaços outros”, de desenhar multiterritorialidades dissidentes (Harvey 2013: 28). À reivindicação do direito à cidade, de mover-se nela, somou-se uma pauta mais diversificada, unindo demandas por reconhecimento social à indignação frente ao cenário político e às condições dos serviços públicos.

22O cartaz, atrelado aos corpos que impediam a continuidade dos fluxos “normais” das ruas do país, foram parte das ondas-barricadas que imprimiram outro ritmo aos fluxos e refluxos dos tempos não lineares da história. Como menciona Didi-Huberman (2019: 131), as barricadas são “uma montagem constante de objetos heteróclitos formando dispositivos que, por sua vez, são eles mesmos sempre passíveis de alteração. Forma-se, assim, um verdadeiro organismo de levante.”

A barricada é fluxo e refluxo, ela percorre todo o espaço, e acaba desconstruindo, a partir de dentro, toda a grade urbana. Ela é, portanto, ofensiva e não apenas protetora; é máquina de guerra e não apenas barreira (Didi-Huberman 2019: 131).

23Os cartazes fazem parte desse organismo, são objetos que configuram arranjos, que redispõem visibilidades e legibilidades, que articulam imaginários e corpos. Sob esse aspecto, acreditamos que os cartazes constituíram constelações de mobilidades (Creswell 2010) que ativaram processos fabulativos e imaginativos e influenciaram em uma redisposição política da partilha dissensual do sensível (Rancière 2005a; Corrêa 2017). Tais constelações desafiaram a ordem consensual que controla o espaço e caracteriza-se pela ausência de vazios, uma vez que tudo é nomeado e ordenado (como são, por exemplo, as ruas de uma cidade modelo), estabelecendo uma economia das palavras que permite “gerir” o sujeito a partir de suas funções e lugares pré-determinados, evitando, assim, irrupções dissensuais. As constelações de mobilidade resultantes da montagem que coloca em relação os cartazes das Jornadas de Junho, promovem um dessarranjo de relações de poder estabilizadas e permitem a escuta de múltiplas vozes.

As constelações de mobilidade dos cartazes nas ruas

24Os cartazes apareceram na cena urbana insurgente e fizeram parte do aparecer político dos sujeitos, evidenciando corporeidades que acionaram uma multiplicidade de elementos culturais e representações. Corporeidades se referem à forma com os corpos, seus gestos e mobilidades se configuram como objetos de percepção, como são tornados apreensíveis e legíveis pelo olhar; como são posicionados pela sociedade, pelos dispositivos tecnológicos e pelo poder (Butler 2018). A mobilidade e suas representações contaram, por exemplo, com figuras de super heróis, personalidades políticas, máscaras de Guy Fawkes, enfim, uma série de componentes que fabulam uma performatividade plural e polifônica e que permitem “a reconfiguração do sensível ao tornar visível o que não é, transformando os ‘sem parte’ em sujeitos capazes de se pronunciar a respeito de questões comuns” (Rancière 2005b: 19).

  • 13 A ordem policial, segundo Rancière (1996), é uma forma de ordenação dos corpos que define as divi (...)

25Uma face não institucional da política pode ser percebida quando surgem gestos e ações que questionam os lugares conferidos hierarquicamente pela ordem policial13, atuando na transformação que converte o espaço de circulação em espaço de manifestação e de aparecimento do que antes não era visto e nem escutado. Nesse sentido, o registro escrito e criativo das demandas dos manifestantes em cartazes pode ser avaliado, na perspectiva de Rancière (1995), como um ato que dissocia a palavra proferida daqueles que supostamente detêm o poder de ingressar na ordem do discurso, libertando o enunciado do controle hierárquico dos modos legítimos do falar e do ouvir. As palavras escritas nos cartazes podem ser apropriadas por qualquer um, configurar nova cena de fala, colocar-se à disposição, além de caracterizar a indeterminação simultânea da referência original do enunciado e da identidade do enunciador. A escrita insurgente é o gesto que, ao separar o enunciado da voz que o enuncia e ao buscar legitimidade no encontro com outro (ainda que este outro não se disponha a considerá-la), vem embaralhar qualquer relação ordenada do fazer, do ver e do dizer (Marques, 2014; Martins, 2007). É pela escritura dos cartazes, dos gritos, dos corpos em movimento que aqueles que foram tornados inaudíveis pela distribuição social de identidades impostas, comunicam suas demandas e fazem emergir novos modos de fazer, ser e dizer (Ross 2010: 135).

26Assim, as imagens e as palavras se tornam políticas na medida em que podem devolver o dissenso e a ruptura às paisagens homogênenas, de concordância geral e assujeitamento (Rancière 2010; 2012). Para Marie-José Mondzain (2012) a potência política da imagem está em sua capacidade de produção de um olhar político, ou seja, a capacidade da imagem de nos colocar em contato com, de nos deslocar para as fronteiras da alteridade, de promover a multiplicidade de mundos e formas de experimentação que não são as nossas e, por isso mesmo, nos habilitam a pensar, a dizer o mundo e a refletir com. A política das imagens é o trabalho que cria uma desconexão no cenário do que está preestabelecido: essa operação produz arranjos e intervalos que redispoem corpos, objetos, situações e acontecimentos, de modo a desestabilizar as redes conceituais que conferem legibilidade e inteligibilidade àquilo que vemos (Hussak 2012; Marques; Martino 2016).

27Sob essa perspectiva, a dimensão política dos cartazes das Jornadas de Junho não está somente em seus temas e conteúdos representativos, que muitas vezes catalisam a produção da consciência crítica e modos de agência individual e coletiva. Tal dimensão está principalmente no modo como eles podem desvelar potências questionadoras e na promoção de constelações de mobilidade que interrompem o funcionamento dos dispositivos de poder impostos pelo consenso policial. Está no gesto de sua criação e circulação, em sua proximidade com outros corpos políticos, está na possibilidade de nos fazer pensar e refletir o mundo a partir da perspectiva do outro e de redesenhar os limites entre o individual e o coletivo.

28O gesto poético e político inscrito na produção e na circulação desses cartazes se multiplica e se apresenta como urgência e reflexão, permitindo aos manifestantes não só se apropriarem momentaneamente do espaço público, mas também confrontarem e fraturarem o consenso e a ordem policial, gerando uma disputa com os discursos das mídias convencionais e possibilitando a “reconquista” momentânea do espaço público por meio de uma outra forma de experimentar e fazer política (Szanieck 2007; Mendes 2018). O dissenso provido pelas constelações de mobilidade originadas das derivas insurgentes dos corpos e cartazes relaciona-se à política não apenas para valorizar a diferença e o conflito sob suas diversas formas (antagonismo social, conflito de opiniões ou multiplicidade da cultura, etc.), mas para reforçar “a divisão no núcleo mesmo do mundo sensível que institui a política e sua racionalidade própria” (Rancière 1996: 368)

29Pode-se também afirmar que o caráter de humor e de paródia presente nos cartazes nos permite evidenciar como as constelações de mobilidade promovidas pela circulação dos cartazes nas ruas produzem intertextualidades e dialogismos (Bakhtin 1997), elaborando mobilidades carnavalizadas nas quais o riso conduz um movimento de desestabilização, de subversão e ruptura em relação ao “mundo oficial”. Os cartazes das Jornadas de Junho desfrutam da liberdade da praça pública, comportam-se de modo escrachado, alegre, ousado e franco que, de modo geral, expressam visões alternativas às políticas, prioridades e perspectivas hegemônicas, ressoando imprecações para além das restrições, convenções e interdições produzidas no âmbito social e político (Novaes 2018). Contudo, é preciso salientar que o humor pode tanto reforçar a resistência, quanto ser utilizado para a humilhação, para o desrespeito da dignidade e para a manutenção de assimetrias e ódios. Os lambe-lambes circulam em meio a uma polifonia de vozes, afetos e emoções que também podem ser conservadoras e reiterar a ordem policial.

30Os cartazes são imagens-texto que funcionam como operadores de diferença, conflito e tensão: permitem experimentações e gambiarras que deslocam legibilidades e inteligibilidades, abrindo brechas para o imprevisto. Nas Jornadas de Junho, o cartaz de manifesto colocou em prática o exercício da escrita insurgente e a poética do conhecimento popular, provocando um excesso de palavras, imagens e gestos para as cenas coletivas de enunciação, evidenciando um princípio de desordem e desierarquização dissensual (Rancière 2011), uma potencialidade comum de experiência individual e coletiva que alterou a distribuição dos discursos. Junho de 2013 foi um “acontecimento-núcleo de várias questões que se fundiram em um determinado intervalo de tempo.” (Silva; Ziviani 2014: 7).

  • 14 A individuação pode ser associada ao processo de desidentificação de um sujeito com o lugar socia (...)
  • 15 O documentário Cola de Farinha mostra essa importância. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=LPKR2JSsFXM>. Acesso em: set. 2019. Um</https> (...)

31Destaca-se, na constelação de mobilidades dos cartazes nas ruas, a presença dos lambe-lambes, que produzem formas de enunciação coletiva que não se separam da individuação14 política dos manifestantes (Marques; Mendonça 2018).15 A mobilidade dos lambe-lambes faz com que eles possam configurar-se como imagens de potência política, pois, a nosso ver, podem fazer parte de arranjos dissidentes. Tal potência se revela não somente porque explicitam injustiças e dão nome a injúrias, mas também porque fazem parte da construção coletiva de uma cena que tenta fazer ver e escutar o que antes não aparecia e não podia ser lido ou escutado. Os cartazes oferecem materialidade a descontentamentos que antes não possuíam nome ou imagens, eles estão sempre em trabalho, operando processos de articulação que modificam o regime de visibilidade vigente e alteram o campo da experiência (Marques 2011).

32Esse processo se conjuga com episódios concretos de emergência do povo, entendido como articulação contingente e precária, que se envolve na elaboração de conexões e experimenta modos de recusa, criando imprevistos, criando o que não era visto antes e criando, sobretudo, condições para ver (Rancière 2010, 2019). Acreditamos que o cartaz levanta imagens alí onde elas não existem, atuando duplamente como agentes que narram e condensam uma história, mas também como agentes que interrompem um certo curso narrativo e perceptivo da história, abrindo brechas para os excessos do imprevisto. É importante ressaltar aqui que a noção de “excesso de palavras” (Rancière 1995) em circulação não se associa a uma polarização entre um discurso oficial e um conjunto de enunciados que se contrapõem a ele como forma de resistência. A noção de Rancière tem mais a ver com a capacidade emancipatória do processo de criação de enunciados que rompem com critérios de previsibilidade. Importa a maneira como os enunciados circulam, são apropriados e reapropriados, invetendo os sentidos de seus usos habituais, amplificando a diversidade já existente.

33O próprio gesto da escrita é ressignificado nesse processo, uma vez que cria “um certo espaço comum, um modo de circulação da linguagem e do pensamento que não possui nem um emissor legítimo e nem um receptor específico, nem tampouco um modo de transmissão regulado”. (Rancière 2000b: 12). Assim, a política da escrita insurgente, a política do cartaz de protesto consiste em uma forma de experiência estética baseada na libertação da palavra e na igualdade que se instaura quando qualquer um pode dele se assenhorar, sem a necessidade de seguir um único roteiro ou fórmulas específicas de enunciação. Os enunciados estéticos do excesso são políticos porque modificam maneiras, velocidades e trajetos segundo os quais os sujeitos aderem a uma condição, reagem à situações e reconhecem suas imagens. Esses encunciados “reconfiguram a carta do sensível ao dessarranjarem a funcionalidade dos gestos e dos ritmos adaptados aos ciclos naturais da produção, da reprodução e da submissão.” (Rancière 2000a: 62).

34A dimensão política associada aos cartazes aciona uma prática comunicacional e conflitiva de constituição e redefinição constante de sujeitos, suas ações e suas formas de agenciamento (Marques; Mendonça 2018; Butler 2018). E, como tal, necessita de momentos e narrativas poéticas nas quais se formam “novas linguagens que permitem a redescrição da experiência comum, por meio de novas metáforas que, mais tarde, podem fazer parte do domínio das ferramentas linguísticas comuns.” (Rancière 1995: 91).

35O cartaz pode ser associado ao “fora”, ao enunciado produzido como “dispositivo” de insurgência que interrompe a máquina consensual em seu modo habitual de produzir sentido e legibilidade para os acontecimentos. Essa é uma das marcas apontadas como essenciais à identificação da “literatura menor” (Deleuze; Guattari 2014: 40), pois ela implica a criação de uma linguagem incorreta, desterritorializada: “uma sintaxe para gritar e também para dar ao grito uma sintaxe”. A desterritorialização promovida pela literatura menor teria como função devolver a sonoridade ao silenciamento do cotidiano, a espessura aos espaços e tempos achatados pela repetição, a visibilidade às relações de força interiorizadas.

36A resistência minoritária cria condições de transformação e da experimentação das relações de poder que constituem os espaços e suas territorialidades. Um mesmo espaço urbano projetado e construído segundo lógicas funcionais estritas comporta múltiplos estratos sobrepostos e temporalidades cambiantes, redesenhando os limites, os recortes e os ritmos usuais dos espaços urbanos e arquitetônicos. Ao redesenhar e redefinir esses ritmos, o cartaz que se move na cidade promove a “justaposição de espaços outros, que se inscrevem na ambiência usual e nos ritmos rotineiros dos fluxos urbanos” (Creswell 2010: 27). O caráter convergente do lambe-lambe, entre arte, comunicação e política, se dá nesse interstício, entre uma forma de comunicação e seu desvio. E sua peculiaridade desviante é provocada por sua condição também de arte e de gesto político. Esse domínio confere-lhe a potencialidade de trazer à superfície outras vozes, outros discursos, outras sensibilidades.

37A isso deve-se acrescentar o fato de que o cartaz de manifesto é pensado e produzido pelos próprios manifestantes, sem a regulação das instituições, para que seja visto por toda a sociedade, colaborando para colocar os cidadãos no movimento de reflexão sobre a situação social, política e econômica do país. Segundo Ranciére, “toda escrita, toda produção de uma forma sensível pressupõe que tentemos efetuar um deslocamento na maneira através da qual alguma coisa é formulada, na maneira como o que é percebido pode ser [re]organizado.” (Rancière 2019: 62).

38Como destacamos anteriormente, a operação intervalar criada pela aparição dos cartazes cria formas de “aparência” que desafiam o modo hierárquico de apresentação da realidade, deslocando o olhar, rearranjando a legibilidade dos enunciados em circulação. O aparecer relaciona-se, então, “aos deslocamentos que modificam o mapa do que é pensável, nomeável e perceptível, alterando assim a topografia do que é possível” (Rancière 2009: 76). Ele está ligado à possibilidade que essas operações sobre o visível e o pensável têm de deslocar e até mesmo de retirar os objetos dos lugares (concretos e simbólicos) que lhes foram destinados e de transformar as redes materiais, discursivas e intersubjetivas que os sustentam e amparam, modificando suas vulnerabilidades e potencialidades.

As constelações de mobilidade dos cartazes nas redes sociais digitais

39As Jornadas de Junho estão relacionadas à produção, à circulação e ao acesso à informação via ambiente-rede, ou seja, aos fluxos de informação nas redes digitais. Grande quantidade de informação sobre as Jornadas de Junho circulou nas redes sociais digitais, desde a organização dos atos político-populares que se espalharam por todo o Brasil até a cobertura da mídia (tradicional e alternativa) realizada de fora e de dentro dos protestos.

40A difusão dos cartazes-imagem nas redes sociais digitais ajudou a definir a importância dos acontecimentos, a identificar as pautas que os manifestantes reinvidicavam além de ajudar na repercussão dos protestos de junho de 2013. Os posts públicos na internet são encharcados pelas interações em rede, conforme destacou Recuero (2014). Ao se expressar nas páginas eletrônicas, os manifestantes falam para uma audiência difusa por quem podem ser questionados além de interagir de maneira sincrônica. Trata-se de uma construção, de forma colaborativa, de uma narrativa no momento em que os protestos ocorrem.

41Algumas dessas narrativas foram replicadas a tal ponto que entraram em “efeito viral”. A metáfora viral capta a velocidade com que novas ideias circulam pela internet (Jenkins et al. 2014: 41). Aqui utilizamos o termo para descrever os processos em que as pessoas estão ativamente envolvidas quando espalham e formatam conteúdos pela internet. Shenja van der Graaf (2005: 166-185) usa o termo viral para descrever conteúdo que circula de maneiras ligadas a comportamentos em rede, e cita a participação em um sistema socialmente conectado em rede como uma exigência central ao comportamento viral. Compartilhar uma imagem nas redes sociais é uma forma de autoexpressão, que diz algo sobre as redes intersubjetivas de compartilhamento, pertencimento e apropriação (Mendes 2018).

42No caso dos cartazes das Jornadas de Junho que circularam nas redes sociais digitais, as ordens das propriedades são dissolvidas, existe a possibilidade latente do desaparecimento do “real” autor, já que os cartazes são apropriados por diversos atores e constantemente modificados por uma escrita coletiva, múltipla e polifônica. A selfie foi um dos tipos de imagens que circularam pelas redes sociais digitais, nas quais a presença do ator-autor reivindica o não apagamento da identidade, recusando o anonimato. Para Hess (2015) a selfie articula quatro elementos: o eu, o espaço físico, o dispositivo fotográfico e a rede. O autor pontua a autenticidade do gesto, que não só é o registro do sujeito como também apresenta o lugar (as ruas no caso das Jornadas de Junho). As selfies não apenas capturam determinados momentos, mas também a relação dos indivíduos com o espaço e o dispositivo (interseção de corpo e máquina, de analógico e digital) e a relação dos corpos com seus discursos em um determinado tempo e espaço. Essas imagens podem, portanto, representar uma liberdade de enquadramento, de formas de aparição e de enunciação que propõem uma autonomia, um sentimento de os sujeitos serem agentes criadores de seu modo de agir e se posicionar no mundo, ao elaborarem um olhar, um enquadramento e uma narrativa sobre si e sobre os acontecimentos.

43Nas redes sociais digitais o cartaz também aparece transcrito e acompanhado de hashtag (cartaz-texto). Grande parte do processo de junho se estruturou em torno da campanha “Vem pra rua”, que nasce de um slogan gritado pelos manifestantes e coletivos que se contrapunham ao aumento das tarifas no transporte público, mas logo viraliza por meio de páginas como Anonymous Brasil, abarcando temas diversos e atores muito distintos. A campanha foi possível, porque o que era um grito nas ruas se transformou numa das principais hashtags do protesto (#VemPraRua).

44A presença do cartaz no Twitter é transformada, por exemplo, por meio de expressões acompanhadas de cerquilhas (#) que identificam e permitem o registro das manifestações como: #ChangeBrasil, #VerásQueUmFilhoTeuNãoFogeALuta, #VemPraRua e #OGiganteAcordou. Vale destacar que esse processo também ocorre em movimento contrário, quando o cartaz físico recupera a linguagem digital hashtag (#). As hashtags funcionam como indicadores de organização da narrativa das manifestações. Ao utilizar essa ferramenta para publicar nas redes sociais digitais, o que foi publicado torna-se parte da narrativa do contexto que o post se refere. As configurações formais do cartaz em um ambiente influenciam e são influenciadas pelas configurações formais de outro ambiente, ou seja, o cartaz no ambiente-rua influencia o cartaz no ambiente-rede que, por sua vez, influencia o cartaz no ambiente-rua. Assim, a hashtag é outra forma do cartaz circular nas redes sociais digitais, tematizando nesse ambiente o que está acontecendo nas ruas ou na mídia. Quando os cartazes trazem o mesmo conteúdo ou mensagens próximas às hashtags, revela-se sua reconfiguração enquanto memória dentro do ambiente-rede, uma vez que no espaço online as hashtags possibilitam localizar o evento e suas ações, deixando rastros (Recuero, 2014).

45As redes sociais digitais apresentam diversidade polifônica que encampa desde manifestantes que estavam nas ruas e usavam as redes para apresentar essa experiência, até as ações de midialivrismo, que ganharam evidência devido à maneira orgânica como faziam a cobertura das manifestações para convocar as pessoas e para disputar enquadramentos (Mazzola 2017). Isso envolve olhar para os cartazes situando-os em uma rede, uma “intriga” de múltiplos elementos e significações. As imagens/cartazes podem desnaturalizar o que antes estava dado, tipificado e registrado sob a forma de quadros hegemônicos. O consenso é tematizado, alterado e fissurado por uma ação de intervenção urbana que interfere na leitura das insurgências e traz uma legibilidade que não estava prevista (Oliveira 2015).

46Como vimos, o consenso reafirma os lugares e as funções que foram dadas aos corpos a partir de suas propriedades e capacidades, mas o dissenso permite igualdade entre todo e qualquer ser falante, suspendendo aquela pretensa harmonia, a partilha política do sensível (Rancière 1996). Configurando uma política de escrita insurgente, dissensual, de autoexpressão, os cartazes das Jornadas de Junho podem criar cenas de dissenso que requerem a invenção de uma escritura não explicativa, articulando as diferenças sob a forma de uma bricolagem, de uma montagem que abre espaços e tempos outros ao articular redes de relações entre acontecimentos, sujeitos e enunciados singulares. Os criadores e portadores de cartazes de protesto produzem por eles mesmos uma interrupção, “um hiato no seio das formas segundo as quais as situações, as histórias são normalmente percebidas, sentidas, formuladas.” (Rancière 2019: 63). Produz-se, assim, uma reorganização das formas segundo as quais o sensível é percebido.

47É importante dizer que os cartazes sozinhos não estabelecem a cena de dissenso, mas fazem parte dela, pois a cena tem origem na agência dos sujeitos que recusam o consenso imposto pelo regime de controle da polícia. Os cartazes podem ser descritos como grito, como gesto de interrupção. A cena envolve esse “aparecimento” que altera o regime de legibilidade, mas também o tratamento de um dano, uma desidentificação e uma dramaturgia que considera uma constelação de elementos, corpos, registros, imagens (Rancière 2019).

Considerações finais

48O cartaz de manifesto permite que a escrita se torne parte da performance e do gesto político que redesenha os percursos urbanos e as experimentações individuais. No entanto, não se trata apenas de elaborar entendimentos sobre a própria participação/exposição nos protestos, mas também da fabular uma outra experiência, de inventar outro vocabulário, apresentando novos termos, novas cartografias e novos enunciados biopotentes em contraponto àqueles já legitimados.

49As transformações políticas promovidas pelas ações dos manifestantes e pela criação e circulação de cartazes certamente contribuíram para imaginar espaços outros dentro do espaço urbano, construindo uma cena para inscrever materialmente, nos corpos, nas territorialidades e nas dinâmicas institucionais, o que não tem espaço na realidade legitimada. As jornadas permitiram experimentar e construir constelações de mobilidade que colocaram em cena um trabalho de relação, um processo de articulação, a introdução de um visível no campo da experiência que modifica o regime de visibilidade e, assim, transforma a política e seus modos de fazer. Os cartazes continuam a desconcertar, a produzir perturbações e rasuras que contribuem para renovar nossa linguagem, nosso pensamento. Eles alimentam um plano de conexão que abre a experiência coletiva, exercitando modos de co-existência que não se adaptam ao sistema dominante.

50Nas constelações de mobilidade, a estética e a política se entrelaçam na reconfiguração das relações entre fazer, dizer, ver, circular, movimentar-se, habitar que circunscrevem o ser-em-comum. Acreditamos que a elaboração de constelações de mobilidade ligadas aos cartazes das Jornadas de Junho promoveram a exposição de diferentes sujeitos e suas vivências, envolvendo tanto a demarcação de fronteiras quanto uma tentativa de instauração de limiares nos quais viver com o outro requer a consideração das diferenças, a apreensão sensível de outro mundo e de suas marcas. Elaborados ao modo irônico e lúdico, crítico e denunciador, os cartazes das Jornadas de Junho, a nosso ver, são um importante componente de promoção de experimentações democráticas ao interromper o funcionamento de esquemas hierárquicos de produção e circulação de enunciados, de configuração de mobilidades e experimentação dos espaços, dos tempos e dos ritmos que atravessam corporeidades nas ruas e nas redes.

Topo da página

Bibliografia

Bakhtin, Mikhail. 1997. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Benjamin, Walter. 2009. Passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Braga, Ruy. 2013. “MPL. Sob a sombra do precariado”, em Hermínia Maricato et al (orgs.). Cidades Rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil, pp.47-62. São Paulo: Boitempo/Carta Maior.

Butler, Judith. 2018. Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

Creswell, Tim. 2010. “Towards a Politics of Mobility”. Environment and Planning D: Society and Space, 28 (1): 17-31.

Cruz, Márcia. 2018. Política das ruas e das redes. Tese de doutorado. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: < https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/31633>, consultado em 19/02/2021.

Corrêa, Laura. 2017. “Writing Practices in London: Dissensus and consensus over the urban surfaces”, em Bart Cammaerts, Media@LSE Working Paper Series, pp.1-18. London: London School of Economics and Political Science.

Didi-Huberman, Georges. 2012. “Quando as imagens tocam o real”. Pós, 2 (4): 204 -219.

Didi-Huberman, Georges. 2017. Quando as imagens tomam posição. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

_____. 2019. “Ondas, torrentes e barricadas”. Serrote, 33 (1): 115-143.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. 2014. Kafka: por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago.

Gohn, Glória. 2014. Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo. Petrópolis: Vozes.

Harvey, David; et al. 2013. Cidades Rebeldes. São Paulo: Boitempo.

Hess, Aaron. 2015. “The Selfie Assemblage”. International Journal of Communication, 9(2): 18-32.

Hussak, Pedro. 2012. “Rancière: a política das imagens”. Princípios, 19 (32), 2012: 95-107.

Jenkins, Henry et al. 2014. Cultura da conexão. São Paulo: Aleph.

Judensnaider, Elena et al. 2013. Vinte centavos. São Paulo: Veneta.

Lima, Venício. 2013. “Mídia, rebeldia urbana e crise de representação”, em Paulo Arantes, Cidades Rebeldes, pp.89-94. São Paulo: Carta Maior.

Marques, Ângela. 2011. “Comunicação, estética e política”. Galáxia, 22 (1): 25-39.

Marques, Ângela. 2014. “Política da imagem, subjetivação e cenas de dissenso”. Discursos Fotográficos, 10 (17): 61-86.

Marques, Ângela; Martino, Luis. 2016. Mídia, ética e esfera pública. Belo Horizonte: Selo PPGCOM UFMG.

Marques, Ângela; Mendonça, Ricardo. 2018. A política como (des)construção de sujeitos. Galaxia, 37 (1): 41-54.

Martins, Bruno. 2007. Tipografia popular. São Paulo: Annablume, Belo Horizonte.

Mazzola, Renan. 2017. “Cartazes dos protestos de junho de 2013”, Recorte, 14 (1): 23-45.

Mendes, Alexandre. 2018. Vertigens de Junho. Rio de Janeiro: Autografia.

Moles, Abraham. 1974. O cartaz. São Paulo: Perspectiva, USP.

Mondzain, Marie-José. 2012. “Le documentaire, geste d’hospitalité”. Images documentaires, 75-76 (1): 14-27.

Morgenstern, Flavio. 2015. Por trás das máscaras. Rio de Janeiro: Record.

Neves, Manoella. 2017. Cartazes circulantes. Tese de doutorado. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Disponível em: <http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/6395>, consultado em 19/04/2021.

Nobre, Marcos. 2013. Choque de democracia. São Paulo: Companhia das Letras.

Novaes, Tatiani. 2018. Análise dialógica dos cartazes das manifestações de junho de 2018. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Disponível em: < https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/25409>, consultado em 22/07/2021.

Oliveira, Ana Karina. 2015. Agora é a vez do pixo. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: < https://www.academia.edu/39257266>, acesso em 07/09/2021.

Rancière, Jacques. 1994. Os Nomes da História. São Paulo: EDUC/Pontes.

Rancière, Jacques. 1995. La Mésentente. Paris: Galilée.

_____. 1996a. O desentendimento. São Paulo: Editora 34.

_____. 1996b. “Le concept d'anachronisme et la vérité de l'historien”. L'inactuel, 6 (1) : 53-68.

_____. 2000a. “Dissenting words: a conversation with Davide Panagia”. Diacritics, 30 (2) : 113-126.

_____. 2000b. “Literature, Politics, Aesthetics: Approaches to Democratic Disagreement”. Substance, 92 (1) : 3-24.

_____. 2005a. A Partilha do Sensível. São Paulo: Editora 34.

_____. 2005b. Sobre políticas y estéticas. Barcelona : Museu d’Art Contemporanea.

_____. 2010. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes.

_____. 2014. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo.

Rancière, Jacques. 2019. Le travail des images. Dijon: Les Presses du Réel.

Recuero, Raquel. 2014. “Contribuições da Análise de Redes Sociais para o estudo das redes sociais na Internet”. Fronteiras, 16 (1): 60-77.

Ricci, Rudá; Arley, Patrick. 2014. Nas ruas: a outra política que emergiu em junho de 2013. Belo Horizonte:Letramento.

Ross, Alison. 2010. “Expressivity, literarity, mute speech”, em Jean-Philippe Deranty (org.). Jacques Rancière: key concepts, pp.133-150. London: Taylor & Francis.

Silva, Regina; Ziviani, Paula. 2014. “Apresentação”, em Regina Silva. (Org.). Ruas e redes, pp.27-39. Belo Horizonte: Autêntica.

Solano, Esther. 2014. Mascarados: a verdadeira história dos adptos da tática Black Bloc. São Paulo: Geração.

Szaniecki, Bárbara. 2007. Estética da multidão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Van De Graaf, Shenja. 2005. “Viral experiences: do you trust your friends?”, em Sandeep Krishnamurthy (ed.). Contemporary research in e-marketing, pp.166-185. Hershey, PA: Idea.

Topo da página

Notas

1 Movimento social que defende a adoção da tarifa zero para o transporte coletivo. O MPL foi fundado em uma plenária no Fórum Social Mundial em 2005, em Porto Alegre, e ganhou destaque ao participar da organização, em 2013, dos primeiros protestos em São Paulo. O MPL, no entanto, realizou dezenas de mobilizações em outras cidades brasileiras antes de 2013. Seu próprio surgimento deriva de alguns protestos contra o aumento de tarifas, como a Revolta do Buzu, em Salvador (2003) e a Revolta da Catraca, em Florianópolis (2004). (MPL 2013:14).

2 No dia 2 de junho de 2013 a Prefeitura e o Governo do Estado de São Paulo aumentam o valor da tarifa no transporte público para R$ 3,20 (três reais e vinte centavos). (Judesnnaider et al 2013: 28).

3 Especial de aniversário de um ano das manifestações de junho de 2013. Jornadas de Junho: um ano. Estadão. Disponível em: <http://infograficos.estadao.com.br/cidades/protestos-de-junho/>. Acesso em set. 2019.

4 A partir do dia 13 de junho as manifestações passaram a ocorrer em todo o Brasil. Para o dia 17 foram convocadas manifestações simultâneas em dezenas de cidades do país, incluindo as principais capitais brasileiras. (Judensnaider et al 2013:137-138).

5 Dia de maior mobilização em várias cidades brasileiras marcado também pela violência.

6 No caso das passeatas, os cartazes não falavam apenas para quem estava fora das manifestações, mas também para quem estava do lado, falavam com eles e entre eles. E, nesse caso, existem também escritas rancorosas. Não podemos desconsiderar que não apenas cartazes de resistência democrática foram criados, pois há também cartazes que expressam imaginários políticos de violência e ódio.

7 Adotaremos o termo Jornadas de Junho para designar as dezenas de manifestações populares no Brasil em junho de 2013, ocorridas inicialmente para contestar os aumentos nas tarifas do transporte público.

8 Todas as traduções de citações foram realizadas pelos autores.

9 Grande parte do acervo de imagens pesquisadas pode ser encontrado em: <https://issuu.com/rubensrangel/docs/coletivo_jornadas_de_junho>, acesso em 16/01/2022.

10 No dia 14 de junho de 2013 a Meli-Melo Press lançou uma campanha em sua página do Facebook convidando os manifestantes a enviarem os arquivos de seus cartazes para impressão em risografia. Horas depois a gráfica postou na mesma rede social uma foto com dezenas de cartazes impressos para serem distribuídos em São Paulo no protesto do dia 17 de junho (Lima 2013). Parte dessa coleção encontra-se catalogada na Biblioteca Pública de São Paulo. Roberto Galvão, proprietário da Meli-Melo Press, calculou ter impresso cerca de 4.000 cartazes a partir de 80 artes distintas em sua gráfica.

11 O projeto faz parte da pesquisa de doutorado em história das cidades de Roberto Andrés, realizado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Esse banco de imagens também colaborou de forma significativa para nossa pesquisa. Ver em https://www.grafiasdejunho.org/principal. Acesso em 23 set. 2021.

12 Frente às tentativas da imprensa de desvalorizar a reivindicação pela revogação do aumento, sob o argumento de que o aumento era abaixo da inflação, o MPL divulgou na sexta-feira, 14 de junho de 2013, uma imagem que dizia: “não é por 20 centavos. É por direitos.” (Judensnaider et. al. 2013).

13 A ordem policial, segundo Rancière (1996), é uma forma de ordenação dos corpos que define as divisões entre os modos do fazer, os modos de ser e os modos do dizer, que faz que tais corpos sejam designados por seu nome para tal lugar e tal tarefa.

14 A individuação pode ser associada ao processo de desidentificação de um sujeito com o lugar social que lhe é atribuído, tornando-se um sujeito entre lugares, o ser político situa-se entre duas ou mais identidades, trazendo à cena, de forma litigiosa, algo de cada uma delas, embaralhando as noções de adequação. Portanto, a política, além de um conflito entre sujeitos, é um conflito entre lugares contraditórios de um mesmo sujeito. O processo de recusa e desidentificação evidenciado pelos cartazes cria uma cena de dissenso (Rancière 1995, 1996) a partir da articulação de uma enunciação e um discurso próprios, que extrapolam as linhas de controle das expectativas impostas pelo poder.

15 O documentário Cola de Farinha mostra essa importância. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=LPKR2JSsFXM>. Acesso em: set. 2019. Um cartaz lambe-lambe pode ter tamanhos variados, preferencialmente na orientação vertical, e é fixado em espaços públicos e privados. Pode ser produzido em série por estêncil, fotocopiadoras ou risografia, normalmente em papel fino para aderir melhor à superfície. Podem ser fixados com grude ou cola de papel em muros, paredes, postes, pontes, fachadas de prédios, bancos, pontos de ônibus etc.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Rubens Rangel, Ângela Cristina Salgueiro Marques e Bruno Guimarães Martins, «A Escrita Insurgente dos Cartazes de Rua nas Jornadas de Junho de 2013: Experimentações Estéticas e Políticas»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 11, No 1 | -1, 15-34.

Referência eletrónica

Rubens Rangel, Ângela Cristina Salgueiro Marques e Bruno Guimarães Martins, «A Escrita Insurgente dos Cartazes de Rua nas Jornadas de Junho de 2013: Experimentações Estéticas e Políticas»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 11, No 1 | 2022, posto online no dia 01 abril 2022, consultado o 12 agosto 2022. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4089; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4089

Topo da página

Autores

Rubens Rangel

UFMG, Belo Horizonte, Brasil.
Rubens Rangel é Doutor em Comunicação (UFMG). ORCID: https://orcid.org/ 0000-0002-5545-7660.

Ângela Cristina Salgueiro Marques

UFMG, Belo Horizonte, Brasil.
Ângela Cristina Salgueiro Marques é Professora Associada do Departamento de Comunicação da UFMG. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2253-0374.
angelasalgueiro@gmail.com

Bruno Guimarães Martins

UFMG, Belo Horizonte, Brasil.
Bruno Guimarães Martins é Professor Associado do Departamento de Comunicação da UFMG. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1238-3729.

Topo da página

Direitos de autor

All rights reserved

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search