Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 11, No 1Ensaios (audio)visuaisFios de uma costura urbana: refaz...

Ensaios (audio)visuais

Fios de uma costura urbana: refazendo caminhos de um trabalho entre a casa e a rua

The threads of an urban seam: retracing the paths of a work between home and street
Renata da Silva Melo
p. 114-124

Resumos

O ensaio fotográfico que deu origem a este texto apresenta trajetos de uma costureira e camelô em seu cotidiano em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. A proposta é provocar uma reflexão sobre as relações entre a casa e a rua como espaço de trabalho a partir das imagens para, então, analisá-las em diálogo com o paradigma das mobilidades. A apresentação tem também como objetivo trazer uma breve discussão sobre os aspectos teóricos e metodológicos relacionados ao ensaio. As fotografias surgiram como resultado de uma disciplina de fotojornalismo da Escola de Comunicação Social da UFRJ e de uma imersão da fotógrafa sobre suas próprias origens sociais, envolvendo, portanto, um processo de autoreflexividade, que será abordado a partir de perspectivas etnográficas e da metodologia da pesquisa-formação.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2021-06-28
Aceite em: 2021-12-13

Notas do autor

Aproveito para agradecer ao professor Dante pela disponibilidade e sensibilidade ao longo de todo o processo de realização do ensaio, que foi possível graças ao seu apoio, estímulo e generosidade.

Texto integral

O barulho da máquina de costura era o que regulava a casa. O ronronar do gato se misturava com o som do motor, um intervalo pra tomar café e pronto: ele despertava e seguia se engalfinhando pelas pernas pedindo comida. No quarto ao lado, a mão do namorado mudava de lugar ao primeiro toque de parada. É a casa a nossa fábrica e a rua a nossa loja. Se chove, chovemos junto, na rua mesmo, embaixo de uma lona, à espera do olhar interessado de quem se deixe molhar pelo impulso da compra. As bolsas vão nascendo quentinhas da máquina, sou eu quem apara as linhas e quem corta o cordão umbilical. Somos filhas da mesma mãe. Gostava de ficar ali ao pé do motor, ouvindo histórias repetidas, mas nunca iguais, seus tons sempre bugres, sempre rudes, cor de sertão. No rádio, uma música americana, na mesa de corte, as bolsas curtindo ao sol. E como era bom, meu Deus, o cheiro daquela cola quente.
(Texto em homenagem a minha mãe – Renata Melo)

Percursos teóricos, metodológicos e afetivos

1O ensaio fotográfico que motivou a escrita deste texto surgiu como parte de um trabalho final da disciplina de Fotojornalismo oferecida pela Escola de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO- UFRJ). As fotografias são resultado de um semestre de estudos orientado pelo professor e fotógrafo Dante Gastaldoni. O objetivo do ensaio foi registrar o cotidiano de trabalho de uma costureira que produz, de forma autônoma, bolsas para serem vendidas no Calçadão de Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro.

2A escolha da pessoa fotografada não é algo casual e surge a partir de uma vinculação bastante estreita: trata-se da minha mãe, Maria de Lourdes. A presente proposta se dá com base na compreensão de que essa relação foi capaz de produzir um olhar e uma reflexão profícua em termos antropológicos, o que buscarei explicitar a seguir.

3Entre março e julho de 2011, acompanhei sistematicamente o trabalho da minha mãe para a realização das fotografias. Isso significou observar desde a produção das bolsas, em casa, até a venda na rua, aos sábados. Ambos os ambientes me eram bastante familiares. Nesse período eu morava ainda com minha mãe, em uma casa alugada no centro de Nova Iguaçu. Desde a adolescência trabalhei junto com ela, dando acabamento no material, comprando tecidos e vendendo as bolsas.

  • 1 Como minha câmera não funcionava bem em ambientes com pouca iluminação, optei por fotografar a ve (...)

4As bolsas eram, e ainda são, vendidas no Calçadão de Nova Iguaçu, onde foram realizadas parte das fotos. O Calçadão é um dos principais centros comerciais do município, localizado ao longo da comprida Rua Ministro Edgar da Costa, no centro da cidade, onde convivem lojistas, vendedores e vendedoras ambulantes e uma enorme variedade de transeuntes. No período de realização das fotos, havia a presença de comércio informal no local não apenas aos sábados, mas também durante a semana, embora com horários mais limitados, geralmente à noite1. Atualmente, minha mãe segue com esse trabalho, mas, em decorrência da pandemia de Covid 19, passou a se dedicar também à produção de máscaras e à realização de entregas para camelódromos de outros municípios da Baixada, como o de Nilópolis.

5

Clicar na imagem para visualizar a galeria de fotos.

6As fotografias foram realizadas com uma máquina digital simples e algumas delas posteriormente tratadas em um editor de imagens, o Photoshop, com a ajuda do professor Dante. Ao longo do semestre, resultados parciais foram sendo exibidos e discutidos com ele. A partir desse processo, foram escolhidas fotos para apresentação final, das quais 15 compõem o ensaio apresentado nesta publicação.

  • 2 Dois exemplos bastante conhecidos são Sebatião Salgado e Pierre Verger.

7Como revelam as biografias de grandes fotógrafos e fotógrafas, bem como as reflexões em torno de seus trabalhos, a tentativa de captar e de representar certos fenômenos sociais não se dá a partir apenas de uma simples captura de imagens2. Há toda uma construção do olhar, definição de abordagens e perspectivas, o que expressa muito dos valores e intenções de quem está por trás da câmera. O resultado, como já extensamente debatido, é sempre um recorte do que se busca representar, nunca sua totalidade, tampouco expressão fidedigna de qualquer realidade. E para o desenvolvimento desse processo é preciso pesquisa, imersão e construção de uma relação pautada em princípios éticos entre quem fotografa e quem se deixa fotografar. Por essas razões, a ideia deste texto é ir além do que se vê nas fotos do ensaio. O foco é pensar como a produção de imagens, e a revisita a elas, pode ser uma ferramenta para reflexão, aproximação e imersão em trabalhos fotográficos e de campo, de viés etnográfico.

8Em 2011, quando as fotografias foram tiradas, eu era estudante de graduação em Comunicação Social- Jornalismo da UFRJ. Neste período eu já me identificava com abordagens etnográficas a partir da realização de disciplinas eletivas da faculdade e da participação em projetos de iniciação científica e de extensão. O retorno às imagens pouco mais de dez anos depois tem relação com um processo atual de pesquisa. Para minha tese de doutorado, venho realizando uma etnografia sobre o movimento cineclubista da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Ao me questionar sobre as motivações para a escolha deste território específico, busquei reconstituir etnograficamente as pegadas que me levaram até ele, ou melhor, de volta a ele. Revisitar o ensaio fotográfico sobre minha mãe é parte deste caminho.

9Marcada por diversos processos de precarização, violência e estigmatização, como já discutido por pesquisadores como José Alves (2019), Ana Lúcia Enne (2002) e Jussara Freire (2016), a Baixada Fluminense é parte da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e seu mapa oficial considera 13 municípios, dentre eles Nova Iguaçu, onde foram realizadas as fotografias que compõem o ensaio. Muitos são os vínculos pessoais que me conectam com essa região, onde vivi desde os meus 6 anos de idade e onde moram integrantes da minha família, cuja figura principal é a minha mãe. Mais do que um registro visual, a experiência de fotografá-la proporcionou um “exercício de estranhamento existencial e teórico” (Peirano 1992: 9) a partir do qual se deu uma reflexão sobre minha própria origem social enquanto pesquisadora.

10Tendo como inspiração a metodologia da pesquisa-formação, as reflexões trazidas neste texto são resultado de um longo “questionamento retroativo e prospectivo” (Josso 2007: 420). Este processo foi permeado pela retomada de experiências “formadoras e fundadoras” (idem) que atravessam minha biografia e que conduziram a processos de autoreflexividade a partir dos quais foi possível compreender melhor um universo de trabalho específico e suas conexões com minha própria trajetória. O compartilhamento dessa experiência visa estimular estudantes, artistas, profissionais do meio acadêmico e demais interessados (as) a investirem em exercícios semelhantes de diálogo e autorreflexão, pois a partir deles é possível abrir caminhos para o aprofundamento de análises críticas sobre as muitas relações possíveis com espaços e pessoas que buscamos pesquisar e representar.

Entre familiaridades e estranhamentos

11Com 41 anos no momento de realização das fotos, a história da minha mãe se confunde com a de milhares de migrantes brasileiros e brasileiras. Nascida no sertão da Paraíba e com o ensino fundamental incompleto, ela veio para o Rio de Janeiro aos 18 anos, depois de se casar com meu pai, também paraibano e cuja família, sua mãe e mais 8 irmãos, veio em peso para o Sudeste em busca de melhores condições de vida e de trabalho. No começo dos anos 1990, os dois foram morar em uma vila no bairro de Jardim Catarina, em São Gonçalo, município considerado periférico no Rio de Janeiro. Pouco tempo depois, eles se mudaram para Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Aos 19 anos, minha mãe engravidou de mim, sua primeira filha, e é nesse momento que começa a aprender a costurar, conforme me contou:

Então, tudo começa com você. Eu estava grávida de você e tinha que usar fralda de tecido, de pano. Na época ninguém usava fralda descartável, quer dizer, ninguém não, pobre né. E aí eu fui dar acabamento nas fraldas de tecido e pedi a sua vó pra me ensinar a costurar. Foi aí que ela me deu aquela máquina preta, lembra? (ver Imagem 1). Ela que me ensinou a costurar, aí eu comecei a costurar dando acabamento nas fraldas. Aí depois eu comecei a trabalhar com laços de cabelo, trabalhar com coisa de artesanato, fazendo tiara, xuxinha pro seu pai vender em Copacabana. Depois comecei a fazer carteiras também pra ele vender e depois que eu me separei que eu comecei a trabalhar com bolsas porque vi que dava mais resultado.

12Esse e outros discursos me permitiram acessar episódios fundantes e até então desconhecidos, ou esquecidos, da minha própria história. Eles surgiram entremeados a cliques fotográficos, sendo resultado de uma metodologia que envolveu não apenas a observação e registro visual do trabalho da minha mãe, mas também a realização de entrevistas com ela, o que permitiu uma maior aproximação com o tema e universo registrados. Como discutido por Josso (2007: 421), “a apresentação e a escuta de histórias introduz uma dialética de identificação e de diferenciação que alimenta o questionamento sobre seu próprio percurso e, consequentemente, o questionamento do percurso dos outros”. Essa dinâmica foi fundamental para o processo de autoreflexividade que se colocou como necessário para mim a partir da minha condição de filha da protagonista do ensaio visual.

13Essa proximidade foi certamente um facilitador importante, permitindo acesso a todo o processo de produção e venda das bolsas, garantindo um clima de intimidade com a pessoa fotografada, que esteve bastante à vontade durante a realização do trabalho. Com a revisita às imagens foram também retomadas conversas com a minha mãe para a elaboração deste texto, o que foi parte importante da metodologia nesta etapa mais recente de reflexão sobre o ensaio.

14Há muito a existência de envolvimentos afetivos com o universo estudado não é vista necessariamente como um problema, como já foi discutido em diversos debates no campo da antropologia. Segundo Beaud e Weber (2007), muitas questões sociológicas surgem como eco de experiências do (a) pesquisador (a) e remetem, de alguma forma, à sua história pessoal ou familiar. Isso porque as questões que temos vontade de colocar para a sociedade são, muitas vezes, aquelas que pulsam antes em nós, em nosso íntimo.

15Tão importante quanto reconhecer e explicitar a influência de certas proximidades é o exercício de problematizá-las. Quanto a isso, “observar o familiar” (Velho 1980), no meu caso literalmente, foi um desafio. Sobre este tema, Gilberto Velho não fala necessariamente de relações entre pessoas da mesma família, mas da ideia de que nem tudo que nos é familiar, que faz parte do nosso cotidiano, é necessariamente conhecido. A discussão é útil para a reflexão aqui proposta, pois o autor problematiza noções de distância e proximidade em estudos no campo da antropologia urbana e chama atenção para a importância de um trabalho de investigação minucioso e sistemático que possibilite o questionamento e análise do objeto de pesquisa. Para tanto, é preciso uma atitude consciente de desnaturalização, de estranhamento dessas familiaridades, uma postura de permanente atenção que nos permita ver aquilo que a um olhar acostumado poderia passar despercebido. O processo de realização deste ensaio exigiu um constante esforço nesse sentido.

16O reconhecimento de que não é possível falar a partir de lugar nenhum (Haraway 2009) nos coloca o desafio de localizar de onde parte nosso olhar. Para tanto, é fundamental identificar os envolvimentos com as pessoas com as quais interagimos nos espaços de trabalho de campo, não para omiti-los, mas para compreendê-los de forma crítica, de modo a garantir análises que não percam de vista a dimensão relacional das interações sociais. A fotografia pode ser uma grande aliada nesse processo, como revelam estudos de Lígia Ferro (2005), por exemplo, e como pretende evidenciar este trabalho.

Seguindo mobilidades

  • 3 Faço parte do Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade, um grupo de pesquisa que reúne cientista (...)
  • 4 Tradução da autora.

17O ensaio e as reflexões em torno dele se somam a um conjunto de olhares sobre a cidade conectados com o campo de estudos da antropologia urbana, com o qual venho dialogando ao longo da minha trajetória acadêmica3. Em meu trabalho busco olhar a cidade a partir das pessoas que a habitam e das suas experiências. Para tanto, observar as movimentações em jogo na vida urbana contemporânea tem se colocado como algo fundamental. Como bem sintetizado por Paola Jirón e Walter Imilán (2018: 27), “as formas como as pessoas se movem estão estreitamente imbricadas com as formas como as cidades são vividas”4. O paradigma das mobilidades é relevante para a reflexão sobre esse tema, em especial para a análise da dimensão espacial de certas dinâmicas de trabalho:

en los estudios urbanos, el giro de la movilidad presenta implicancias teóricas, metodológicas y prácticas de gran relevancia, donde se enfatizan las dimensiones móviles en las que se desarrolla el habitar y a través de las cuales, los habitantes llevan a cabo sus vidas cotidianas. […] Incorporar el enfoque de movilidad para observar y analizar dinámicas laborales en contextos de flexibilidad ilumina la dimensión espacial del trabajo. Particularmente, el alto grado de flexibilidad laboral que se lleva a cabo en América Latina, no sólo supone flexibilidad temporal del trabajo, sino también espacial. La movilidad permite observar este otro tipo de flexibilidad, en cuya articulación emergen nuevas relaciones entre la ciudad y la economía de sus habitantes (Jirón e Imilán 2018: 18- 32).

  • 5 Seria possível refletir sobre diversos outros temas e a partir de muitas outras perspectivas a fi (...)

18É a partir desta perspectiva que proponho uma breve análise sobre as movimentações que deram origem ao meu ensaio fotográfico5. A lente das mobilidades é útil para essa reflexão, pois ela valoriza justamente o entrelaçamento entre movimento, representações e práticas. O próprio movimento de pessoas e objetos é precondição para a criação de mercadoria, no caso aqui, de bolsas, que “assim como tudo mais que se desloca pelo espaço, são definidas por relações de poder inscritas nos regimes que regulam mobilidades e imobilidades, o direito e o dever de chegar, de habitar e de partir” (Medeiros e Lages 2020: 129). Mais adiante veremos como algumas dessas relações se manifestam no trabalho representado no ensaio.

19Como é possível ver nas imagens, a realização das fotografias envolveu diversos deslocamentos: pelos cômodos da casa, pelas ruas que conduzem ao Calçadão, pelos becos que o circundam, entre suas calçadas, barracas, pedestres. Há ainda outros não fotografados, mas fundamentais para a existência do que foi captado pela câmera: a compra de tecidos e de materiais diversos para a confecção das bolsas (zíper, velcro, tinta, linhas, agulhas, rebites, entre outros), as excursões rumo a São Paulo até às feiras da madrugada no Brás para compra de material mais barato, as idas até à Prefeitura de Nova Iguaçu para tentativa de cadastro como trabalhadora informal, as manifestações em frente a mesma instituição para reivindicação de direitos. Não podemos deixar de considerar também a ajuda de colegas vizinhos (as), que vigiavam a mercadoria para idas ao banheiro, o esquema de compra de quentinhas na hora do almoço, a organização das bolsas não vendidas e dos ferros da barraca ao final de um dia de trabalho, a disposição deles em um baú levado num carrinho de mão para um galpão localizado em uma rua deserta, a volta para casa à noite, às vezes acompanhada, em outras sozinha, não raro com o dinheiro das vendas escondido entre roupas íntimas. Essas e outras movimentações revelam uma série de relações interdependentes. Por isso, ainda que as fotografias tenham como foco uma única pessoa, o trabalho retratado nas imagens não deve ser encarado como algo individual e isolado.

20Para a realização do ensaio fui seguindo essas mobilidades, ainda que não as encarasse com esse nome no momento de elaboração das fotos. Como evidenciado nas imagens, o trabalho da minha mãe, em casa, envolvia todas as etapas de produção das bolsas: desenho, corte, estampa, costura e acabamento, o que era dividido com os afazeres domésticos. O uso da camisa com a frase “no sleep” nessa parte das fotos foi absolutamente casual e ao mesmo tempo algo irônico, por trazer uma moça sorridente como estampa em contraste com um cotidiano atravessado pelo trabalho constante em suas diferentes dimensões e espacialidades. Após a etapa de produção em casa, as bolsas eram levadas para a rua em uma caminhada de cerca de 20 minutos, mas não iam direto para o Calçadão e sim para um beco perpendicular a ele, onde era organizada a “barraca”, uma mesa cercada de varais e sustentada por ferros com rodas para transporte e exposição do material.

21A escala de observação do ensaio teve como foco uma esfera mais micro, voltada para interações cotidianas localizadas, mas que nem por isso deixam de refletir conexões com símbolos amplos, internacionais e compartilhados por um enorme número de pessoas num mundo cada vez mais hiperconectado e globalizado. Expressão disso são as estampas das bolsas que, como é possível ver em algumas das fotografias, traziam personagens de desenho animado bastante populares e conhecidos mundo afora, como Betty Boop, Snoopy, entre outros. Estes símbolos eram um diferencial para atração de clientes, assim como as imitações de bolsas de marcas famosas, como Victor Hugo e Louis Vuitton, evidenciando como as noções de local e global não estão em pólos distantes e puramente geográficos, mas atravessadas por interdependências materiais e simbólicas.

22Muitas são as disputas, negociações e dinâmicas de poder para a circulação desse tipo de material pelas ruas. A partir delas, determinados corpos vão sendo marcados como diferentes, seja pelo movimento ou pela falta dele, e por marcadores – de raça, gênero, geração, classe, nacionalidade, etc. – que produzem hierarquias e distinções (Medeiros e Lages 2020). Por isso, falar em mobilidades implica pensar não apenas sobre circulações variadas, mas também sobre relações, materialidades e estruturas capazes de interditar, paralisar e cercear determinados corpos e objetos dispostos de modo desigual pelo espaço. No caso da minha mãe, essas regulações se manifestam em diversos momentos.

23A entrada no Calçadão, por exemplo, só pode se dar depois da autorização de fiscais representantes da Prefeitura. Estes muitas vezes impõem aos camelôs horas indeterminadas de espera. Cada dia pode ser uma surpresa, especialmente em épocas de maior expectativa de consumo, como natal, dia das mães, dia dos namorados etc. Para minha mãe, isso teria relação com uma priorização de lojistas, que frequentemente questionam o convívio com o comércio informal. Com a mobilização de argumentos sobre a necessidade de “ordem” do espaço público, o Estado costuma intervir nos períodos de maior potencial de vendas para que a entrada de ambulantes no Calçadão seja mais tarde, quando não proibida, o que acaba favorecendo empresários e donos das lojas, pois há uma diminuição da concorrência com seus empreendimentos nos momentos mais lucrativos do ano. Já houve vezes da minha mãe voltar pra casa, desistindo de vender as bolsas, seja por indignação, seja por achar muito pouco o tempo autorizado para exposição do material, o que não compensaria todo o trabalho de colocar as bolsas na rua.

24Não à toa, quando o Calçadão é “liberado”, como é costume se dizer, o momento é de grande confusão, com ambulantes apressados se esbarrando e gritando “olha o pesado!”, uma forma de abrir espaço para passagem. Quando eu trabalhava na rua com minha mãe, uma das minhas funções era seguir atentamente essa ida da barraca para garantir que, na correria, nenhuma bolsa caísse e ficasse pelo caminho. Para realização de uma das fotografias, me vi tendo de inverter esse lugar: fiquei não atrás, mas na frente da minha mãe para tentar congelar numa imagem um fragmento desse recurso tão valioso que é o tempo (ver Imagem 10).

25O cotidiano de trabalho no Calçadão e as excursões para compra de material no Brás são marcados por práticas normativas e dispositivos de vigilância empregados por agentes como guardas municipais e a polícia, que eventualmente recolhem materiais falsificados ou tidos como ilegais. Todo esse processo é atravessado por “fricções regulatórias” (Medeiros e Lages 2020: 130) que passam pela mobilização de documentos, crachás, notas fiscais, recibos, dinheiros, papéis variados que definem o que e quem pode (ou não) circular de forma mais ou menos previsível pela cidade.

26A proximidade com esse universo permitiu que eu pudesse acessar com alguma facilidade essas informações sobre as quais minha mãe comentava comigo com muita naturalidade e que eu também testemunhava na rua, como filha da vendedora, sem provocar qualquer incômodo ou suspeita. Essa intimidade permitiu ainda o compartilhamento de outras questões, mais pessoais, que revelam o impacto das movimentações na produção de certas subjetividades. É com um breve relato de uma delas que eu gostaria de encerrar este texto.

27Antes de se separar, a minha mãe trabalhava apenas em casa, costurando, sendo de responsabilidade do meu pai a venda das bolsas na rua. Com o fim do casamento, a ida dela para o calçadão significou também um processo de “abertura para o mundo”, de reconhecimento da “realidade”, de possibilidade de “ver e ser vista”, de retomada “das rédeas da própria vida”, em seus termos. Esses discursos evidenciam que a ampliação do espaço de trabalho, - antes privado, na casa, agora alargado para um espaço público, a rua, - não deve ser encarada como um mero deslocamento de um ponto a outro. Como observado por Jirón e Imilán (2018), a vida se experimenta em um contínuo e o movimento é um tipo de agente capaz de transformar objetos, espaços e pessoas. O caso da minha mãe é ilustrativo disso.

***

28O ensaio foi apresentado para minha mãe, em casa, e para colegas da universidade ao final do primeiro semestre de 2011, tendo como trilha sonora a música “Maria, Maria”, de Milton Nascimento, em uma manhã marcada por muita emoção. Parte da turma recebeu o trabalho com clara surpresa: não era de conhecimento da maioria que eu era filha de uma costureira e camelô, o que só foi revelado para muitas das pessoas ali presentes a partir desta apresentação. Ainda que já viéssemos vivendo há algum tempo um importante processo de expansão de acesso ao ensino superior, cenas como aquela ainda não eram algo comum em um curso de comunicação social da UFRJ. Naquele momento entendi que, embora eu não estivesse nas fotos, era possível me ver nelas também.

Topo da página

Bibliografia

Agier, Michel. 2015. “Do direito à cidade ao fazer- cidade: o antropólogo, a margem e o centro”. Mana. 21 (3): 483-498.

Alves, José Cláudio Souza. 2019. Dos barões ao extermínio: Uma história da violência na Baixada Fluminense. Rio de Janeiro: Consequência.

Araujo, Marcella. 2017. Obras, casas e contas: Uma etnografia de problemas domésticos de trabalhadores urbanos no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Beaud, Stéphane e Weber, Florence. 2007. Guia para pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos. Petrópolis: Vozes.

Enne, Ana Lúcia. 2002. Lugar, meu amigo, é minha Baixada: memória, representações sociais e identidades. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ferro, Lígia. 2005. “Ao encontro da sociologia visual”. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 15: 373-398.

Freire, Jussara. 2016. Problemas Públicos e mobilizações coletivas em Nova Iguaçu. Rio de Janeiro: Garamond.

Hannerz, Ulf. 2015. Explorando a cidade: em busca de uma antropologia urbana. Rio de Janeiro: Vozes.

Haraway, Donna. 2009. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, 5: 7- 41.

Jirón, Paola e Imilán, Walter. 2018. “Moviendo los estudios urbanos. La movilidad como objeto de estudio o como enfoque para comprender la ciudad contemporánea”. Revista del area de estudios urbanos, 16 (10): 17-36.

Josso, Marie Christine. 2007. “A transformação de si a partir da narração de histórias de vida”. Educação, 30 (63): 413-438.

Machado da Silva, Luiz Antonio (Org.). 2008. Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Faperj/Nova Fronteira.

Magnani, José Guilherme Cantor. 2002. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17 (49): 11-29.

Freire-Medeiros, Bianca e Lages, Mauricio Piatti. 2020. “A virada das mobilidades: fluxos, fixos e fricções”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 123: 121-142.

O’Donnell, Julia. 2013. A invenção de Copacabana. Culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Peirano, Mariza. 1992. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Simmel, Georg. 2005. “As grandes cidades e a vida do espírito (1903)”. Mana, 11 (2): 577-591.

Velho, Gilberto. 1980. “Observando o familiar”. Em Gilberto Velho, Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Velho, Gilberto. 2003. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Topo da página

Notas

1 Como minha câmera não funcionava bem em ambientes com pouca iluminação, optei por fotografar a venda na rua apenas aos sábados à tarde. Havia a possibilidade de pegar emprestada uma máquina profissional da universidade, o que preferi não fazer pelo risco de eventualmente ser assaltada.

2 Dois exemplos bastante conhecidos são Sebatião Salgado e Pierre Verger.

3 Faço parte do Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade, um grupo de pesquisa que reúne cientistas sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro que têm como temas de interesse processos de urbanização, modos de produção da cidade e sociabilidades urbanas. Tenho a antropologia urbana como campo de investigação a partir do diálogo com essas questões e com autores(as) tais quais Gilberto Velho (2003), Luiz Antonio Machado (2008), José Magnani (2002), Ulf Hannerz (2015), Michel Agier (2015), Simmel (2005), Julia O´Donnell (2013), Marcella Araujo (2017), entre outras referências.

4 Tradução da autora.

5 Seria possível refletir sobre diversos outros temas e a partir de muitas outras perspectivas a fim de abordar questões como as condições de vida das camadas populares, as noções de trabalho formal e informal e sua problematização, o questionamento da dicotomia entre casa e trabalho, entre outras, que demandariam um espaço de elaboração maior que a proposta deste texto. O objetivo aqui é trazer apenas uma breve introdução dos aspectos teórico- metodológicos relacionados ao ensaio e sua relação com o paradigma das mobilidades, tendo em vista o enfoque do dossiê para o qual esta publicação se destina.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Renata da Silva Melo, «Fios de uma costura urbana: refazendo caminhos de um trabalho entre a casa e a rua»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 11, No 1 | -1, 114-124.

Referência eletrónica

Renata da Silva Melo, «Fios de uma costura urbana: refazendo caminhos de um trabalho entre a casa e a rua»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 11, No 1 | 2022, posto online no dia 01 abril 2022, consultado o 16 agosto 2022. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4340; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4340

Topo da página

Autor

Renata da Silva Melo

UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil
Doutoranda no Programa de Pós- Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.
renatamelo@poli.ufrj.br

Topo da página

Direitos de autor

All rights reserved

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search