Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 12Dossiê "Políticas e poéticas das ...Etno-artesPeixes, Trator, Controle-Remoto e...

Dossiê "Políticas e poéticas das expressões das formas sensíveis: performance, imagens e sons"
Etno-artes

Peixes, Trator, Controle-Remoto e outros Delírios

Fish, Tractors, Remote Control and other Delusions
Daniela Feriani
p. 100-113

Resumos

As imagens que compõem este ensaio buscam entrar no mundo-outro, o “mundo às avessas” da demência, em que o chinelo é o controle-remoto, o trator anda que nem casa, os alimentos da geladeira vão atacar, a natureza é vodka, a embalagem brilhante de biscoito vira uma borboleta, o macaco da novela vai invadir a sala e peixes nadam entre os pés na sala de espera de um hospital. As fotomontagens apresentadas são uma maneira de “levar a sério o pensamento nativo”, “pensar o pensamento do outro” (Viveiros de Castro 2002). Em uma doença em que a linguagem verbal vai se apagando, as imagens funcionam como dispositivos metodológicos e epistemológicos na busca por outras direções possíveis numa pesquisa que pretende fazer a travessia para o mundo de lá do espelho e encontrar outra realidade, imaginar outros cotidianos, subjetividades, modos de ser – e abrir os próprios referenciais, tanto de pesquisa quanto de vida.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2023-02-28
Aceite em: 2023-08-11

Texto integral

Não perguntaremos, pois, qual é o sentido de um acontecimento: o acontecimento é o próprio sentido.
Gilles Deleuze 2015

1“Tem uns peixes aqui”. Eu acompanhava seu João em uma consulta no ambulatório de neurologia de um hospital universitário, junto com sua filha, Paula, a principal cuidadora, quando notei, na sala de espera, que ele olhava para baixo com muito interesse. Segui a direção de seu olhar. Ele percebeu o meu movimento e comentou: “Tem uns peixes aqui”. “Uns peixes?”, perguntei. “É, tem uns peixes nadando nos meus pés”.

2Quando João fez 83 anos, fomos na colônia de férias onde ele viveu e trabalhou por 14 anos como zelador: recebia os visitantes, explicava as regras, mantinha o lugar limpo e bonito.

3O azul do céu parecia deixar as árvores mais verdes. Caminhávamos, rodeando toda aquela vastidão. O ritmo era lento, o calor era muito. Eu estava admirada pela boniteza do lugar. Espiava seu João. Queria poder olhar dentro dos olhos dele. Queria escutar o que o seu silêncio dizia.

4Entre os raios do sol e os raios dos olhos, João avistou algo na grama. “Uma borboleta!”, apontou. Olhei e vi um brilho prateado. Paula quis ver mais de perto e foi até lá. Pegou o tal brilho. “O que é isso, pai?” “Uma borboleta”. Perplexa, colocou na mão dele. “É uma borboleta?” “É”.

5Em outro passeio, fomos ao sítio de um conhecido, e eu não conseguia controlar minha empolgação. Estava levando seu João para ver uma roça; ele, que tanto já plantou, colheu, suou, carpiu, limpou.

6O dia estava lindo. A chuva do dia anterior realçou os verdes das plantas, os vermelhos e marrons da terra, a ferrugem da enxada, os rosas, laranjas, brancos e amarelos dos animais, flores e frutas – a paleta da vida de João.

7Ele deu comida para os peixes, cheirou as plantas, entrou na horta, pegou a terra – “Eu fico bonito quando pego a terra”. Deu dicas do que plantar, sentiu a enxada, apontou os animais.

8Mas foi quando viu o trator que seus olhos ficaram enormes. “Eu vejo que meu pai está feliz quando a pupila fica dilatada”, Paula já tinha me dito. Se a palavra não saiu, a mão mostrou, chamou nossa atenção para aquele objeto tão pomposo. João foi até lá, conferiu a lataria, apalpou os pneus, apoiou-se, fez pose para a foto.

- O senhor já dirigiu um desse?, perguntei.

- Ô!

- Deve ser difícil, né?

- Não, é gostoso! Anda que nem casa.

***

9Conversávamos na varanda da casa de repouso. Fazia um calor ameno de primavera e as nuvens pincelavam o céu com tons brancos, amarelos e violetas. Os pássaros estavam particularmente alegres. Dona Maria não ficou indiferente a tanta vida ao redor. Acompanhava os voos frenéticos. Sorria, admirada. Depois de presenciar longamente um canto todo pomposo, constatou:

- A natureza é vodka.

***

10“Um dia, cheguei em casa e ele estava mudando o canal da TV com um chinelo”, contou Rosa, que cuida do marido Guilherme. “Já deitou a televisão dizendo que era para as pessoas não caírem. Uma vez, passava uma cena de briga na novela e ele achou que estavam brigando com ele. Pegou um pedaço de pau e quase deu na TV”.

11Visitei Guilherme e Rosa, na casa deles. Quando cheguei, Rosa estava lá fora conversando com vizinhas. Quando entramos, ela me pediu licença para ajudar o marido a se trocar. Fiquei na sala, aguardando. Ouvi Rosa dizer: “não, nego, não é assim. Isso é uma camisa, não é uma calça. Não é pra pôr as pernas, mas os braços.” Guilherme resmungou algo, irritado. Após algum tempo, Rosa apareceu na sala, olhou para mim e desabafou: “complicado, viu? Estava pondo a camisa como se fosse calça.”

***

12Joe abriu a geladeira e ficou ali, parado, aterrorizado porque os alimentos queriam ataca-lo.

***

13Quando visitei Célia, ela estava sentada no sofá da sala segurando firmemente um lenço. Espiava uma televisão que estava na frente dela. Tremia muito, tinha uma respiração ofegante e às vezes dizia “ai, meu Deus!” Quando nos via rindo, ria também. Tentei puxar uma conversa. Ela parecia ficar aflita mesmo com perguntas simples, como “onde nasceu?”, “o que gosta de fazer?”, “está tudo bem?”, e olhava para a cuidadora, como se pedisse ajuda. Felício, o marido, me disse que ela já não se lembra de mais nada, nem mesmo do passado. Quando perguntei se ela gostava de morar naquela casa, ela se mostrou confusa, olhou para a cuidadora e balbuciou “essa aqui é…” Em outro momento, perguntou se eu morava ali.

14Às vezes Célia apontava a televisão e tentava dizer algo ou ficava mais agitada. Eram cenas de pessoas e de animais, como jacaré e cavalo. Numa cena de novela em que aparecia um macaco, ela ficou aflita, ainda mais ofegante, parecendo que ia chorar, e apontou a TV, dizendo, como um sussurro, “não entra aqui!”. Felício me explicou que, para a esposa, o que acontece na TV é real e ela tinha medo do macaco “invadir a sala”.

15Ao me despedir, disse à Célia que gostei de conhecê-la. Ela riu e perguntou “onde você mora?”

***

  • 1 João, Maria, Guilherme e Célia são pessoas com quem acompanhei em pesquisa de campo, no estado de S (...)
  • 2 Fiz uma pesquisa de doutorado com o tema – Entre sopros e assombros: estética e experiência na doen (...)
  • 3 Uso o termo “processo demencial” para se referir a experiências de pessoas que foram diagnosticadas (...)

16Conheci João, Maria, Guilherme, Joe e Célia1 ao longo de 10 anos de pesquisas2 com pessoas em processo demencial.3 Frequentei consultas nos ambulatórios de neurologia e psiquiatria de um hospital universitário, reuniões do grupo de apoio aos cuidadores/familiares da Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz), fiz visitas domiciliares, reuni uma série de imagens sobre o tema, como ensaios fotográficos, vídeos de campanha de conscientização, folders de divulgação e materiais ilustrativos, numa tentativa de compreender como a doença se compõe não só como diagnóstico, mas também como estética – no sentido de um pensamento sensível, imagético – e modo de vida, ou outro mundo possível.

17Mais recentemente, tenho buscado o que eu venho chamando de “grafia-demente”, ou seja, a composição entre imagens e palavras para apreender, na medida do possível, as experiências subjetivas das pessoas que sofrem um processo demencial. Com isso, mergulhei cada vez mais no mar inesgotável das imagens ou, como eu também denominei, as formas expressivas desse “mundo às avessas”: fotografias, vídeos, filmes, bordados, desenhos, peças de teatro, metáforas, gestos, objetos, blogs e autobiografias alargaram o campo. A ideia é investigar os modos de ver, mostrar, narrar e experimentar a demência, bem como os modos de ver, mostrar, narrar e experimentar (d)a própria antropologia. Pois estudar os processos demenciais tem me levado a reinventar a minha própria maneira de fazer pesquisa. O que a grafia-demente tem a dizer à etnografia? Como mostrar os materiais de um ponto de vista demente, do lado de lá do espelho, com outras referências e coordenadas?

  • 4 Nos blogs e autobiografias, a referência de que se trata de um mundo-outro é frequente.
  • 5 As fotomontagens que compõem este ensaio são de autoria do artista plástico e designer Matheus Hass (...)
  • 6 Frase da coordenadora da Associação Brasileira de Alzheimer ao explicar a doença ao grupo de cuidad (...)

18“Bem-vindo ao meu mundo”, convida-nos os meus interlocutores.4 As imagens aqui apresentadas buscam levar a sério esse convite, entrar nesse mundo-outro, em que o chinelo é o controle-remoto, o trator anda que nem casa, os alimentos da geladeira vão atacar, a natureza é vodka, a embalagem brilhante de biscoito vira uma borboleta, o macaco da novela vai invadir a sala e peixes nadam entre os pés na sala de espera de um hospital.5 Numa doença em que “os fios vão se soltando aos poucos”6, interessa compreender os modos de comunicação e expressão que deslocam, sacodem as convenções tanto linguísticas quanto sociais, as normas que regem aquilo que é tido como eficiente, “real”, “normal”. As fotomontagens que compõem este texto é uma maneira de “levar a sério o pensamento nativo”, ou seja, “pensar o pensamento do outro”, experimentar com ele para alargar o nosso próprio (Viveiros de Castro 2002).

19É preciso, porém, fazer uma ressalva. Assim como Viveiros de Castro (2002) aprendeu com a expressão “os pecaris são humanos”, não se trata de acreditar ou não na alucinação dos enfermos, mas de ver o que elas dizem sobre a doença e suas relações, sobre o contexto de enunciação no qual estão inseridas e, desse modo, alargar as próprias referências (Feriani 2020). Além disso, não quero, aqui, reduzir a demência, uma experiência tão complexa e heterogênea, ao delírio. Por outro lado, é inegável que o delírio é uma experiência importante que singulariza os processos demenciais de tal modo que negligenciá-lo também seria um erro.

***

  • 7 Para um balanço crítico sobre o movimento personhood, ver O’Connor et al (2007), Halewood (2016) e (...)
  • 8 “Dissolução do self” é uma expressão usada pelos médicos para sinalizar “uma perda da noção de real (...)
  • 9 Nessa direção, seja a partir da linguagem ou da valorização do corpo como expressão primordial da s (...)

20Pesquisas centradas na pessoa, com a valorização da experiência subjetiva dos enfermos, do ambiente interacional e contexto sociocultural, tiveram como precursor o psicólogo social Tom Kitwood (1997), desencadeando o que ficou conhecido como personhood movement (Leibing 2006).7 Se alguns estudos (Herskovits 1995; Clare 2003; Langdon, Eagle & Warner 2007; Beard & Fox 2008; Sabat, S.R. & Harré, R. 1992) foram importantes para mostrar como a expressão biomédica “dissolução do self” é ressignificada pelos relatos dos próprios enfermos, eles não questionam a expressão em si, ainda que a tomem de maneira contextual, relacional e heterogênea.8 Na proposta de Veena Das (2015), a antropologia pode contribuir para uma mudança de perspectiva da psicopatologia ao perceber que o que está em jogo não é a teoria narrativa do self em si, mas como nós colocamos as palavras dessas pessoas no mundo. O desafio é o de como posicionar essas vozes no cotidiano, como devolvê-las à vida.9 É nessa linha de pesquisa, de recolocar as vozes das pessoas em processo demencial no mundo – ou em um mundo possível –, que meu trabalho se insere, numa tentativa de alargar os referenciais metodológicos e teóricos ao buscar outras conexões – por vezes, inesperadas, inusitadas -, como, por exemplo, com o xamanismo (Feriani 2020), as imagens (Feriani 2019), as artes e a literatura.

21O movimento personhood foi fundamental para mostrar que, a despeito das perdas da doença, é possível demarcar a existência de self, pessoa, narrativa, mundo, coerência, significado. Porém, depois de mostrar isso, o que mais se pode fazer diante de uma enfermidade como essa? O que mais há para ver? E se, ao invés, agora, de buscar o que resta/permanece, olhar para o que desloca, transforma, reinventa? E se, ao invés de trazer essas pessoas para o nosso mundo e seguir os nossos parâmetros do que seja linguagem, corpo, doença, realidade, entrarmos no mundo deles e deixarmos que eles nos mostrem o que entendem e fazem como linguagem, corpo, doença, realidade? E se, em vez de encontrar coerência e significado em meio ao caos, tomarmos a incoerência e o nonsense como importantes em si? Se é de outra realidade que estamos falando, como fazê-la sacudir minha própria realidade e linguagem para me abrir a outros modos de ver, fazer, descrever?

22Aprender, com as pessoas em processo demencial, a ver em meio a névoa, imaginar o inimaginável, narrar nas ruínas da narração, buscar a potencialidade do borrão, da incompreensão, do lapso, do desmoronamento, tomando-os como índices de outra existência e subjetividade (Feriani 2022). A aposta, assim, é a de que a demência, ao trair a linguagem e suas convenções, e uma determinada realidade, possa apontar para o fora, as margens da representação, e, com isso, criar outras maneiras de ver, dizer, viver – e de fazer pesquisa.

23Seguindo o convite deleuziano de “levar a língua a delirar”, “sair de seus sulcos costumeiros” (Deleuze 2011), as fotomontagens que compõem este texto também fazem um convite para deslocar o referente, sacudir as convenções, torcer perspectivas, transmutar seres e coisas, mudar direções. Como na escrita de Kurt Vonnegut sobre suas lembranças da Segunda Guerra Mundial, a colagem põe em relação coisas heterogêneas, diferentes temporalidades, quebrando a sequência temporal-cronológica da narrativa; ela “… rompe os nexos entre os acontecimentos e distribui fragmentos de arranjos livres. A colagem não é apenas uma forma de perda da ordenação, mas também uma forma de abalo da ordem” (Assmann 2011: 306). A escrita de Vonnegut é como uma viagem no tempo, digna de ficção científica, que vai para frente, para trás, para cima, para baixo, num entrecruzamento temporal ou, em outras palavras, através de deslizes temporais. A estranheza que caracteriza e é um dos sintomas do trauma passa para o plano da escrita. “Em linhas gerais: o trauma da Guerra Mundial lançou pelos ares as estruturas da experiência da realidade e os padrões de normalidade; para sobreviver, precisou-se de orientações que cabia reinventar” (Assmann 2011: 308).

24Em Seligman-Silva (2003), os autores também mostram como os testemunhos do trauma problematizam a representação – e a escrita ou a relação entre experiência e narrativa. O uso da metáfora, da invenção para falar de algo dolorosamente literal e real abala “a divisão estanque entre o discurso dito “denotativo-representativo” e o dito “literário”” (2003: 10), entre o real e o ficcional, deslocando as noções de literatura, narrativa, realidade para outros usos e contextos possíveis. “Nessa linguagem, a literatura abre-se e remonta ao mito, deixa-se penetrar pela sua temporalidade fechada e lógica imperativa, para revelar esses elementos como parte essencial do presente catastrófico” (2003: 22).

25As características do trauma, como desorientação espacial e temporal, ausência de sentido, “desintegração do self”, também estão presentes nas narrativas e experiências das pessoas em processo demencial. O paradoxo do trauma – ser, ao mesmo tempo, uma parte inalienável e um corpo estranho – se aproxima da ambivalência na forma com que familiares e profissionais da saúde lidam com o doente – ora como pessoa que age (quando destacam as manipulações conscientes de sua condição ou quando realizam atividades que reforçariam uma subjetividade), ora como “tomado” pela doença, a doença como agente/sujeito (quando dizem não ser mais a pessoa agindo, mas a doença – frases como “isso é da doença, não leve para o pessoal; não é ele, é a doença”). A noção de trauma também se faz presente nas explicações dos familiares que associam o início da doença a um episódio traumático ou de grande stress vivido pelo enfermo.

26Um trator que anda como casa, a natureza como vodka, a embalagem brilhante como borboleta indicam uma sobreposição entre o literal e o metafórico, tornando ambígua a diferença entre a função referencial e a função poética (Cesarino 2011), numa torção de significado que leva a linguagem e o mundo para além – ou seria aquém? – do sentido a ser decifrado, em um processo de metamorfose que muda a posição entre os seres, desloca palavras e coisas (Feriani 2022). Quando Guilherme usa o chinelo para mudar o canal da televisão, não se trata, para ele, de metáfora: o chinelo é o controle-remoto. É o literal – um literal delirante, metafórico, ambivalente, assombrado – que opera aqui. A alucinação é real, não é uma representação do real, é o real, mas eu, enquanto não demente, não sabia que real era aquele – ou era real a seu modo (Feriani 2020).

27Nesse cotidiano assombrado, o surreal é real, e o real é inimaginável – ou, nas expressões de Taussig (1993; 2011), trata-se de um “realismo mágico”, um “realismo alucinatório”. Como argumento em outro lugar (Feriani 2020), é como se precisássemos aprender lição semelhante a que Tuhami ensinou a Crapanzano (1980): que o real é uma metáfora para a verdade, criado e recriado no encontro etnográfico. Ou, como nos mostra os testemunhos do trauma, o real, às vezes, é tanto, por demais, que beira ao absurdo, à ficção, como os alimentos da geladeira que vão atacar. A representação se torna, assim, uma contrarrepresentação, uma representação que coloca em risco a própria representação ao deslocar o referente da convenção para a invenção, fazê-lo delirar.

28Nesse sentido, as imagens aqui presentes funcionam como dispositivos tanto metodológicos quanto epistemológicos na busca por outras direções possíveis numa pesquisa que pretende fazer a travessia para o mundo de lá do espelho, encontrar outra realidade, com outras regras, para, com isso, projetar, imaginar, experimentar outros cotidianos, subjetividades, modos de ser – e alargar os próprios referenciais, tanto de pesquisa quanto de vida. Como conceber um mundo em que o chinelo é o controle remoto, a embalagem brilhante de biscoito é uma borboleta, a camisa se veste como calça? Como conferir estatuto de realidade à cena do macaco da televisão que vai invadir a sala, ao trator que anda que nem casa, aos alimentos da geladeira que vão atacar?

29Em uma doença em que a linguagem verbal vai se desfazendo, a produção imagética traz o intraduzível, o assombro, o inexplicável, o sensível. As imagens aqui presentes são acontecimentos que nos convidam a ficar de boca aberta (Didi-Huberman), seguir “linhas de fuga” (Deleuze) ou de “errância” (Deligny). O “efeito de deslumbramento” que essas cenas nos proporcionam nos leva a ficar no “limiar do entendimento” (Strathern, 2014), estar à deriva, acolher o imprevisível, apostar no erro, no lapso, no desmoronamento, no espanto como valores heurísticos da pesquisa e potencialidades criativas para o fazer antropológico (Feriani 2022).

30Como mostra Caiuby Novaes (2015), a fotografia tem uma ambiguidade: ao mesmo tempo em que ela descreve, tendo uma função referencial, ela também expressa, aproximando-se de uma dimensão estética e poética. Acredito que essa ambiguidade também seja o cerne da vida das pessoas em processo demencial, as quais, ao mesmo tempo em que vão perdendo as palavras, contemplam outras referências e dimensões estético-expressivas. Nesse sentido, a produção imagética é uma experiência importante para a antropologia pensar nos limites e alcances da própria escrita e observação etnográficas e na dificuldade de lidar com o não verbal.

31A proposta, assim, é a de que a produção imagética possa aprofundar a etnografia densa, buscando uma estética pessoal e uma autoria não somente por intermédio do texto, numa relação íntima e sensível entre observar, escrever e fotografar/filmar (Caiuby Novaes 2015). Assim, “… aliar ao texto uma nova poética experimental centrada na imagem” mostra-se uma estratégia fundamental para me colocar mais próxima de meus interlocutores (Barbosa et al 2016: 10), ainda que – ou principalmente por causa disso – essa interlocução desafie os próprios esforços comunicativos da pesquisa.

Topo da página

Bibliografia

Assmann, Aleida. 2011. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, S.P.: Editora da Unicamp.

Barbosa, A.; Cunha, E.T.; Hikiji, R. S. G.; Caiuby, S. N (orgs.). 2016. A experiência da imagem na etnografia. São Paulo: Terceiro Nome/ Fapesp.

Beard, Renée L. & Fox, Patrick J. 2008. “Resisting social disenfranchisement: negotiating collective identities and everyday life with memory loss”. Social Science & Medicine 66, 1509-1520.

Biehl, João. 2008. “Antropologia do devir: psicofármacos – abandono social – desejo”. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, vol.51 n. 02.

Caiuby Novaes, Sylvia (org.). 2015. Entre arte e ciência: a fotografia na antropologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Cesarino, Pedro de Niemeyer. 2011. Oniska: Poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva.

Chatterjl, Roma. 1998. “An Ethnography of Dementia: A Case Study of an Alzheimer’s Disease Patient in the Netherlands”. Culture, Medicine and Psychiatry, 22:355-382.

Chatterjl, Roma. 2006. “Normality and Difference: Institutional Classification and the Constitution of Subjectivity in a Dutch Nursing Home”. In Leibing, Annette & Cohen, Lawrence (orgs). Thinking about dementia: culture, loss, and the Anthropology of senility. New Brunswick, New Jersey, and London: Rutgers University Press, p.218-239.

Clare, Linda. 2003 “Managing threats to self: awareness in early stage Alzheimer´s disease”. Social Science & Medicine 57, 1017-1029.

Crapanzano, V. 1980. Tuhami – Portrait of a Moroccan. Chicago: University of Chicago Press.

Das, Veena. 2015. Affliction: health, disease, poverty. New York: Fordham University Press.

Deleuze, Gilles. 2011. “A literatura e a vida”. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, Gilles. 2015. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Feriani, Daniela. 2019. “Da alucinação na clínica ao ver alucinatório da imagem: um percurso etnográfico”. GIS – Gesto, Imagem, Som – Revista de Antropologia 4 (1). São Paulo, Brasil.

Feriani, Daniela. 2020. “Doença de Alzheimer e xamanismo: diálogos (im)possíveis”. Mana – Revista de Antropologia Social 26 (2). Rio de Janeiro, Brasil.

Feriani, Daniela. 2022. “Entre ilhas fabulosas: etnografia, autismo e demência em relação”. Horizontes Antropológicos 28 (64). Porto Alegre, Brasil.

Hallewood, Michael. 2016. “Do those diagnosed with Alzheimer’s disease lose their souls? Whitehead and Stengers on persons, propositions and the soul”. The Sociological Review, v. 64, n. 4:786-804. Disponível em: https://doi. org/10.1111%2F1467-954X.12398.

Herskovits, Elizabeth. 1995. “Struggling over subjectivity: debates about the “self” and Alzheimer´s Disease”. Medical Anthropology Quarterly 9 (2): 146-164.

Kitwood, Tom. 1997. Dementia Reconsidered: The Person Comes First. Buckingham, UK: Open University Press.

Kontos, Pia. 2006. “Embodied selfhood: an ethnographic exploration of Alzheimer´s Disease”. In Leibing, Annette & Cohen, Lawrence (orgs). Thinking about dementia: culture, loss, and the Anthropology of senility. New Brunswick, New Jersey, and London: Rutgers University Press.

Langdon, Shani A., Eagle, Andrew & Warner, James. 2007. “Making sense of dementia in the social world: a qualitative study”. Social Science & Medicine 64, 989-1000.

Leibing, Annette. 2006. “Divided gazes: Alzheimer’s disease, the person within, and death in life”. In: Annette Leibing & Lawrence Cohen, Thinking about dementia: culture, loss, and the anthropology of senility. New Jersey: Rutgers University Press. pp. 240-268.

Leibing, Annette. 2018. “On Heroes, Alzheimer’s, and Fallacies of Care: Stories of Utopia and Commitment”. In: H.-P. Zimmermann (org.), Kulturen der Sorge: Wie unsere Gesellschaft ein Leben mit Demenz ermöglichen kann. Rio de Janeiro: Campus. pp. 177-194.

McLean, Athena. 2006. “Coherence without facticity in dementia: the case of Mrs. Fine”. In Leibing, Annette & Cohen, Lawrence (orgs). Thinking about dementia: culture, loss, and the Anthropology of senility. New Brunswick, New Jersey, and London: Rutgers University Press, p.157-179.

O’Connor, Deborah. et al. 2007. “Personhood in dementia care: Developing a research agenda for broadening the vision”. Dementia, v. 6, n. 1:121-142. Disponível em: https://doi.org/10.1177%2F1471301207075648.

Sabat, S.R. & Harré, R. 1992. “The construction and deconstruction of self in Alzheimer´s disease”. Ageing and Society 12, 443-461.

Seligmann-Silva, Márcio (org.). 2003. História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas, S.P.: Editora da Unicamp.

Strathern, Marilyn. 2014. O efeito etnográfico. O efeito etnográfico e outros ensaios: Marilyn Strathern. Tradução de Iracema Dulley, Jamille Pinheiro e Luísa Valentini. São Paulo: Cosac Naify.

Taussig, Michael. 1993 [1987]. Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem: um estudo sobre o terror e a cura. São Paulo: Paz e Terra.

Taussig, Michael. 2011. I swear I saw this: Drawings in Fieldwork Notebooks, Namely My Own. Chicago: Univ. Press.

Viveiros de Castro, Eduardo. 2002. “O nativo relativo”. Mana, 8 (1): 113-148.

Topo da página

Notas

1 João, Maria, Guilherme e Célia são pessoas com quem acompanhei em pesquisa de campo, no estado de São Paulo. Joe é autor do blog Living with Alzheimer´s, o qual não está mais disponível online.

2 Fiz uma pesquisa de doutorado com o tema – Entre sopros e assombros: estética e experiência na doença de Alzheimer (Fapesp/Unicamp) – e dois pós-doutorados – Como narrar a perda do narrar: autobiografias de pessoas em processo demencial (Fapesp/USP) e Por uma grafia-demente: as formas expressivas de um mundo ‘às avessas’ (CNPq/USP).

3 Uso o termo “processo demencial” para se referir a experiências de pessoas que foram diagnosticadas com algum tipo de demência, como, por exemplo, a doença de Alzheimer, considerada o tipo mais comum.

4 Nos blogs e autobiografias, a referência de que se trata de um mundo-outro é frequente.

5 As fotomontagens que compõem este ensaio são de autoria do artista plástico e designer Matheus Hass e fazem parte de um projeto maior – o site da pesquisa que publiquei em 2020, como resultado de meu pós-doutorado, e que pode ser visto aqui: www.soproseassombros.com.br.

6 Frase da coordenadora da Associação Brasileira de Alzheimer ao explicar a doença ao grupo de cuidadores-familiares.

7 Para um balanço crítico sobre o movimento personhood, ver O’Connor et al (2007), Halewood (2016) e Leibing (2018).

8 “Dissolução do self” é uma expressão usada pelos médicos para sinalizar “uma perda da noção de realidade, um sintoma psicótico”, como, por exemplo, não se reconhecer ao se olhar no espelho – alguns conversam com o próprio reflexo como se fosse outra pessoa – ou acreditar que o que se passa na televisão é real. Em minha pesquisa, problematizo tal expressão ao mostrar como ela se conecta a uma determinada noção de pessoa, tendo o cérebro como elemento fundamental, não fazendo sentido quando se abre para outros contextos e noções possíveis (Feriani 2020).

9 Nessa direção, seja a partir da linguagem ou da valorização do corpo como expressão primordial da subjetividade, temos os estudos de Biehl (2008), McLean (2006), Kontos (2006), Chatterji (1998; 2006).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Daniela Feriani, «Peixes, Trator, Controle-Remoto e outros Delírios»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 12 | -1, 100-113.

Referência eletrónica

Daniela Feriani, «Peixes, Trator, Controle-Remoto e outros Delírios»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 12 | 2023, posto online no dia 01 agosto 2023, consultado o 26 fevereiro 2024. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4653; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4653

Topo da página

Autor

Daniela Feriani

UNICAMP, Campinas, Brasil
danielaferiani@yahoo.com.br

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search