Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 12Dossiê "Políticas e poéticas das ...ArtigosMapas Mentais de Imaginação Etnog...

Dossiê "Políticas e poéticas das expressões das formas sensíveis: performance, imagens e sons"
Artigos

Mapas Mentais de Imaginação Etnográfica

Mind Maps of the Ethnographic Imagination
Geslline Giovana Braga
p. 134-151

Resumos

Desde 2012, pesquiso a Sociedade Operária e Beneficente 13 de Maio, fundada em 1888, em Curitiba. Nestes anos, junto a outras pesquisadoras nos debruçamos sobre as ausências dos arquivos, imaginando encontrar documentos que pudessem nos falar mais sobre mulheres e homens fundadores “da 13” e suas relações com a cidade. A obliteração da negritude na capital do Paraná é um fato, no qual o discurso do sul do Brasil branco venceu, apesar da sede do clube negro cravada no centro da cidade. Diante disto, justapor documentos é uma forma de construir outras camadas de memória, criando o que estou chamando de mapas mentais de imaginação etnográfica, com a sobreposição de documentos de naturezas variadas para evidenciar supostas “malhas” relacionais com a cidade. Na geografia cultural Salete Kozel desenvolveu um método compartilhado para compreender como os interlocutores da pesquisa semantizam o “ lugar vivido” em mapas mentais. Num trabalho interdisciplinar entre geografia, artes, história e antropologia sugiro o uso de mapas mentais para: imaginar trânsitos de mulheres e homens negros em Curitiba no entre séculos e fabular memórias que foram soterradas nos escombros da destruição do patrimônio material e em imaginários envolventes do discurso oficial. O presente trabalho reúne pesquisas feitas durante o período de realização de estágio pós-doutoral em Geografia Cultural e propõem assumir as encruzilhadas das ciências humanas como método de imaginação etnográfica para traçar mapas do passado.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2023-02-23
Aceite em: 2023-09-17

Texto integral

Introdução

  • 1 João Batista Gomes de Sá era filho de Fausta Gomes de Sá, por isso ganhou a alcunha de João da Faus (...)

1A Sociedade Operária e Beneficente 13 de Maio foi fundada em 1888, na casa de João “da Fausta” situada na antiga Estrada do Mato Grosso, em Curitiba.1 É o terceiro clube social negro mais antigo do Brasil. Nomes de homens e mulheres negras, ou não, constam nas atas de fundação da sociedade, mencionando as primeiras ações, como: aulas noturnas de letramento, assistência funeral e às viúvas, organização de bailes e cortejos comemorativos às datas de 28 de setembro (Lei do Ventre Livre), 2 de julho (independência da Bahia) e 13 de maio (Abolição da Escravatura).

  • 2 Agradeço a Brenda Santos pelas parcerias e pelo imaginar juntas ao longo dos anos.
  • 3 Todas as fotografias usadas para compor os mapas foram disponibilizadas pelo colecionador Paulo Jos (...)

2Para a produção do livro “Dos Traços aos Trajetos: a Curitiba negra no fim do século XIX e início do século XX”, 2019, junto a Brenda Santos2 e Larissa Brum buscamos os nomes que constavam nas atas de fundação da “13” em arquivos de jornais, em arquivos públicos e privados, assim como fotografias da cidade de Curitiba e retratos. Estas fotografias revelavam a presença de homens e mulheres negras sempre nas margens das fotografias das paisagens de uma cidade que se urbanizava, em sua maioria trabalhadoras e trabalhadores anônimos. O projeto buscou estes traços para recriar imagens para notas de jornais e anotações das atas. Os mapas de imaginação etnográfica mostrados ao fim deste artigo foram inspirados a partir desta mesma pesquisa, buscando um equivalente visual para os textos, que pudesse reproduzir e indicar nos mapas a presença e circulação negra no centro da cidade, por meio das subjetividades dos monumentos e urbanização das ruas (Imagem 1: Mato Grosso); das malhas formadas pela circulações de um antigo sócio da 13 de Maio (Imagem 2: Benedito Candido) e de um texto literário (Imagem 3: A Cabana do Pai Tomás)3.

  • 4 Uso o termo de decolonização de Walter Mignolo (2012), que diferencia do termo descolonização como (...)

3O projeto de modernização e descolonização das cidades brasileiras foi um empreendimento de categorização e encaixotamento. No Brasil, a destruição material das cidades coloniais visou construir um mundo de novas formas, mais retas e uniformes, que supostamente apagariam o passado de colônia. Nas plantas das cidades republicanas as desigualdades sociais não poderiam se tocar. O caso mais conhecido é o “bota-abaixo” de Pereira Passos, no Rio de Janeiro, na primeira república, que destruiu o casario antigo, mas outras cidades repetiram a fórmula: destruindo o patrimônio material colonial para se entregar à modernidade das novas construções, que efetivamente não decolonizaram4 o Brasil.

  • 5 Adoto a seguinte definição de mapas mentais: “representações que possibilitam desvelar as relações (...)

4Os usos de mapas mentais5 na geografia cultural, especialmente do “método Kozel”, desenvolvido por Salete Kozel, são resultado de uma metodologia que utiliza vertentes intelectuais “bem diferentes entre si” - segundo Oswaldo Amorim Filho (2018) no prefácio do livro “Mapas Mentais: dialogismos e representações”, de autoria e organização de Salete Kozel - como a fenomenologia, a psicologia cognitiva, a comunicação, a semiologia e a filosofia da linguagem. Apesar das diferenças notadas entre si, estas vertentes reconhecem as potencialidades da imaginação e da percepção, tanto quanto a apreensão do mundo visível. Segundo Kozel a cartografia tradicional: “dificultava abrir os canais que dariam vazão à imaginação e à poéticas estimuladas pela imagem”(2018:19) e os mapas mentais com “sua aplicação teórica-metodológica, dialogando com outras interfaces do conhecimento, são um caminho aberto para ousadias” (2018:23).

5Com o aval para “ousadias” busco o entrecruzar dos referenciais teóricos da antropologia, que empelem para às encruzilhadas, na tradição da transdisciplinaridade dos mapas mentais, como a proposta por Tim Ingold (2015), que considera estarmos diante de uma “ciência em devir” que juntará a antropologia, a arqueologia, arte e arquitetura (4 As). Na concepção de Ingold a antropologia é uma “filosofia com gente” e os referências filosóficos por ele postulados são os da fenomenologia, os mesmos que a geografia cultural costuma se referenciar, como Maerlau Ponty, Ernest Cassirer e Gaston Bachelard. Tim Ingold, também, empresta aos mapas mentais aqui apresentados a noção de “malhas”, pois seria impossível garantir a formação de redes num passado ao qual se tem apenas traços e linhas soltas. Estes mapas mentais de imaginação etnográfica não poderiam ser costurados, como muito se tem feito nos diálogos da antropologia com a arte contemporânea, uma vez que a justaposição de papéis de arquivos por “arquissemelhança” remete às camadas movediças da memória (Assmann, 2012). Assimilando arquissemelhança, no sentindo de Rancière (2012), como uma operação da arte contemporânea, que oferece o testemunho por semelhança de outro lugar, que não a simples representação.

6Para a criar os mapas mentais de imaginação etnográfica faço uso da estética/técnica da arte contemporânea aportada nas concepções de Jacques Rancière (2012). Para ele o jogo da arte trabalha com “a ambiguidade das semelhanças e a instabilidade das dessemelhanças”, rearranjando os significados das imagens circulantes e produzindo outras formas de ação, a arte deste modo ocupa o papel da crítica, faz um “teatro da memória” e transforma o artista em “arquivista”. Assim como Alfred Gell (2018), Rancière sugere ainda que instalações produzem ação e não significados, as imagens tem uma dupla natureza: “cifra” ou “interrupção” da história, a manobra da arte consiste em reconciliar objetos e as imagens antes adormecidos, “para suscitar o poder dos vestígios de história comum que eles comportam” (2012:35). Os rearranjos da arte produzem ação para além da semelhança e concebem transformação no real. Deste modo, os mapas mentais de imaginação etnográfica podem mostrar uma outra percepção do passado e, porventura, fazer o trabalho decolonizador, que a destruição do patrimônio colonial edificado não fez.

  • 6 Ingold (2015) e Strathern (2014) preferem usar o termo malha, ao invés de rede, por considerarem qu (...)

7Com tais referências proponho o uso de mapas mentais da geografia cultural como uma possibilidade de construção de novas percepções sobre o passado, a partir de mapas, fotografias, notas de jornais, documentos, almanaques de endereço, convites de bailes, ingressos de teatro e textos literários. Observando o passado com o olhar decolonizador do presente e a “caixa de ferramentas da antropologia” (Segato 2013) para produzir traços, trajetos e “malhas6” imaginados (pelo próprio pesquisador) por meio de dados etnográficos e inspirados no “jogo” da arte contemporânea. O Atlas Mnemosyne, de Aby Warburg, também é uma inspiração visual.

8Ao fim deste trabalho reúno três “mapas mentais de imaginação etnográfica” de pesquisas realizadas nos últimos anos sobre a circulação e a presença de homens e mulheres negras em Curitiba. Além de trajetos imaginados nos mapas, as sobreposições “quase colagens” (Braga 2018) buscam traços do “mundo vivido” e de “memórias não-registradas” de homens e mulheres negros e pobres na Curitiba do entre séculos, a partir da pesquisa em arquivos.

Voltando o olhar para os arquivos como prática decolonial

9Os arquivos e acervos abrigam papéis de toda natureza, que alimentam uma perspectiva colonialista sobre a história local de Curitiba, mostrando os ciclos econômicos, exaltando as imigrações europeias e ignorando as populações pobres e sua produção cotidiana ou intelectual. Até bem pouco tempo atrás, os dados dos registros de escravos, as cartas de alforria e a história das sociedades e grêmios femininos negros eram pouco pesquisados, pois são limitados a nomes e números sem narrativas significativas ou com dados que reforçam uma perspectiva do estado. Sem o diálogo com outras fontes e memórias tais dados não ultrapassam informações primárias. Vale notar que papéis como postais, ingressos e anotações de cadernos foram encontrados em acervos particulares. Portanto, tal pesquisa, faz uma arqueologia dos sentidos passados.

10Durante muitos anos, a antropologia abdicou das pesquisas em arquivos para privilegiar o “campo”. Os acervos nos serviam de substrato para orientar uma melhor compreensão dos nossos sujeitos atuais, sem com que o acervo pudesse em si constituir um campo genuíno para a etnografia. Ao encontrar a fenomenologia de Bachelard (2008) e Merleau-Ponty (2000) na metodologia dos mapas mentais, nos resíduos do pretérito impresso em papel tocamos percepções de outros tempos dos lugares, conforme notamos a circulação e sociabilidades na cidade. A variedade de registros dos arquivos - desenhos, fotografias, documentos, notas de jornais, mapas, poesias e literatura - acuram a imaginação sobre o passado, um “perceber com” ciente dos lugares de fala do passado e de onde o pesquisador olha do presente. A dimensão do sensível impactada por um o acúmulo de documentos desordenados, encontrados ao longo dos anos, faz com que a imaginação seja a cola da sobreposição dos documentos nos mapas mentais de imaginação etnográfica. O que arquivo guardou, o pesquisador ordena a fim de produzir novos índices. O campo é o arquivo e a etnografia também é o método.

11Desde os anos 1980, a antropologia, que agora se volta para os arquivos, observa materialidades, a estética de diferentes traços e os suportes dos acervos, evidenciando a impossibilidade de “separar forma e conteúdo” (Ferreira e Lowenkron 2020: 8), pois o tratamento e a organização dos documentos também são dados. Bem como, os “arquivos órfãos” - como Fabiana Bruno define fotografias descartadas, sem identificação, e documentos que não foram considerados relevantes para serem acautelados em instituições. Como o postal do acervo particular do colecionador Paulo Costa (sobreposto no mapa 3), que mostra pessoas adultas e crianças na frente do Cine Palácio, com os letreiros do filme A Cabana do Pai Tomás, nunca saberemos as motivações da foto, no entanto o postal acionou o processo de pesquisa sobre a circulação da obra em Curitiba. O destino dos documentos da pesquisa, depende do etnógrafo que observa, suas referências, intenções e imaginação para promover o encontro e formas de arranjar as fontes.

12As antropólogas Ferreira e Lowenkron (2020) sugerem que os arquivos sejam analisados como “artefatos culturais” mediadores com agência sob o presente, quando também são observadas as lacunas e a hierarquização dos temas, bem como a frequência em que se repetem:

Para isso é preciso lembrar, como sugere Hall (2012a), restaurar analiticamente a visibilidade dos documentos significa tratá-los como mediadores, isto é, coisas que “transformam, traduzem, deslocam, distorcem e modificam o sentido ou os elementos que eles supostamente carregam (Latour 2005:9)” (Ferreira e Lowenkron 2020:22).

13Dar voz às memórias subalternizadas do passado não registradas é um exercício decolonial, através de arranjos de imagens e textos que repousavam nos arquivos são criados lugares de fala a posteriori (Spivak 2018) por meio da exaltação dos lugares de práticas culturais (Babha 1998) do passado. No caso dos mapas mentais de imaginação etnográfica aqui apresentados, a ocupação e circulação no centro cidade de Curitiba indica não só a presença de homens e mulheres negras, mas pertencimentos por meio das sociedades, religiosidade e atividades culturais, que posteriormente deixaram de existir.

14Para decolonizar os arquivos organizados seguindo uma lógica colonial é necessária uma ruptura nos modos de ver, ler e se apropriar destes a partir da imaginação etnográfica, para que sejam tomados como são: frutos de uma imaginação narrativa colonial, não provas factuais.

Levando em conta a imaginação e os “dragões” do próprio pesquisador

Ainda não havia para mim, Rita Lee
A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga
e a avenida São João
“Sampa”, Caetano Veloso

15As cidades são imaginadas por urbanistas, construídas por materialidades e discursos em diferentes frestas, como na literatura, na música e na poesia. Andreas Huyssen (2014) afirma que a arquitetura e o urbanismo foram responsáveis por dissiminar o modernismo e, por isso, precisam ser considerados um “meio”, uma linguagem apreensível para compreender as cidades tanto quanto a “cidade letrada”, diz citando o Brasil como exemplo, onde, para ele, as tradições musicais e visuais moldam a cultura: “Seja qual for a geografia do modernismo que analisemos, devemos explorar com cuidado até que ponto uma dada cultura se organiza de acordo com o hábito e a distinção social, como chamou Bourdieu” (Huyssen 2014:33). Nesta concepção, textos ou músicas são “a mais completa tradução” da arquitetura e urbanismo das cidades, não sendo pertinente precisar se as letras e a literatura significaram a paisagem, ou se simplesmente inspiraram precisamente os artistas. Ingold (2022a) sugere uma certa inveja das artes e da arquitetura por sua capacidade de desenhar, projetar e transformar paisagens e lugares, enquanto a antropologia observa, por isto propõem uma antropologia que também projete enquanto narra.

16Literatura, música e cultura criam imaginários sobre as cidades, conhecemos e nos referenciamos às cidades por meio de seus artistas (Huyssen, 2014): o Rio da Bossa Nova, a Bahia da Tropicália, a Curitiba de Paulo Leminski e Dalton Trevisan. A propósito, foi em um dos textos da “Curitiba Perdida” de Trevisan, transcrito junto ao mapa da imagem 2, onde descobri que o “mestre-sala” - parte da equipe dos bailes citadas nos jornais até os anos 1930 - era o responsável por evitar que os casais dançassem muito agarradinhos nos salões das sociedades. E o mais famoso e recorrente mestre-sala, citado nos jornais, foi Benedito Candido, um homem negro.

17Os estudos sobre a imaginação assumem a simetria entre o real e o imaginado como construção social do vivido e das “políticas das memórias” (Huyssen 2014). São tais constatações que sustentam as dimensões de ser possível vivenciar as cidades de formas diferentes e no seu passado. Levar em conta a imaginação significa ponderar até as frustações e ressentimentos dos grupos e, também, o que as cidades não conseguiram ser, enquanto eram imaginadas pelos arquitetos e urbanistas.

18Diferentes teóricos têm recorrido ao uso da “imaginação histórica” (Comaroff 2010), “imaginação sociológica” (Mills 1969) e “imaginação etnográfica” (Willis 2000) exaltando o papel da imaginação nas ciências humanas. O antropólogo Clifford Geertz usou como alegoria, para explicar a própria antropologia, um animal conhecido apenas na imaginação: "examinar dragões, não domesticá-los ou abominá-los, nem afogá-los em barris de teoria, é tudo que consiste a antropologia". A definição de Geertz (2001) é crítica às escolas nas quais a etnografia é sufocada pela teoria, a imaginação não é considerada e a representação é tomada como unívoca.

19Tim Ingold (2012) por sua vez critica os princípios de Geertz (2001), ao desgarrar dos sistemas simbólicos e aportar na fenomenologia de Merleau-Ponty, assim trata igualmente a imaginação e os sistemas de significação, dando uma mesma simetria à percepção de todos os elementos como constituídos e constituidores dos sistemas que integram. Ingold (2012) apropria-se de histórias com dragões para nos explicar as rupturas que inicia. Nos lembra que todos sabemos como é um dragão, suas formas e características sem nunca termos vistos um, somos constituídos também pela imaginação que para Ingold não é apenas um repositório de imagens. Por exemplo, todos podemos lembrar de um dragão sem nunca os ter visto um presencialmente, mas a representação de um dragão não é a mesma na imaginação de cada pessoa. Para os católicos, a representação do dragão é muito associada à imagem de São Jorge, santo guerreiro que mata o dragão com sua espada, como na pintura “São Jorge e o Dragão”, de Paolo Uccello, 1455. Para os budistas do Sri Lanka, os dragões são os das máscaras e das festas, que afastam infortúnios e atraem bons augúrios.

20Com isto, quando pensamos um mapa mental do passado devemos considerar a própria imaginação do pesquisador que foi alimentada e tem como arcabouço os referenciais da pesquisa encontrados nos arquivos, como um ponto, uma matriz e trilha a ser seguida:

(…) Por outro lado, as letras e palavras inscritas na página de um manuscrito têm tanta presença material quanto as pegadas e as trilhas imprimidas no chão, e ambas suscitam a questão da relação entre a observação de marcas e traços inscritos ou imprimidos em superfícies no mundo e a imaginação que é exercida, por assim dizer, do lado de cá da vista, “na mente”. A leitura e a escrita certamente envolvem o exercício tanto dos olhos quanto da mente, e o mesmo vale para o passeio. É possível, então, encontrar uma maneira de descrever a atividade imaginativa que se passa enquanto se caminha, lê o se escreve, sem se ter supor que isso envolva a leitura cuidadosa de imagens? Talvez a própria noção de imagem tem que ser repensada, da ideia de que as imagens que representem, em outro plano, as formas de coisas no mundo, para a ideia de que são espaços reservados para estas coisas, que os viajantes prestam atenção, e a partir das quais se orientam. Será que as imagens não representam coisas, mas sim podem nos ajudar a encontrá-las? Essas questões gerais podem, obviamente, ser colocadas acerca do trabalho imaginativo não só andar, escrever e ler mas também de atividades tais como desenhar e pintar e dos modos de ver que eles implicam por parte dos telespectadores. Será que o desenho ou a pintura devem ser entendidos como uma imagem final a serem inspecionados interpretada, como é convencional e estudos de cultura visual, ou deveríamos na verdade pensar neles como um nó em uma matriz e trilhas a serem seguidas por olhos atentos? (Tim Ingold, 2015, pags.284 – 285).

21Tim Ingold diz que não pretende responder perguntas e, sim, como antropólogo mostrar como estas questões foram resolvidas em diferentes âmbitos, como na pintura abstrata de Wassily Kandisnki, na qual a natureza do movimento das linhas é incorporada ao resultado do desenho produzido, uma analogia a importância do registro dos movimentos na etnografia. Muitas vezes diante da reunião de documentos do passado não temos uma conclusão, mas com a “supervivência” das imagens, os arranjos de mapas e documentos nos servem com traços e indicativos para a percepção do passado.

22Assim, a construção dos mapas são um exercício de “imaginação etnográfica”, no “momento etnográfico” (Marilyn Strathern 2014) do antropólogo, quando diante dados são produzidos textos ou imagens, quando os traços “restauram as coisas à vida” (Ingold 2015:309).

Uma pesquisa infinita e três mapas mentais de imaginação etnográfica

23Os mapas mentais de imaginação etnográfica aqui apresentados foram produzidos a partir de pesquisas realizadas nos últimos anos, publicadas no livro “Dos Traços aos Trajetos: A Curitiba Negra entre os séculos XIX e XX” (Braga, Brum e Santos 2019) e em “A Curitiba do Pai Tomás” (Braga 2019), publicada no ebook “Narrativas, Geografias e Cartografias, para viver, é preciso espaço e tempo”, organizado por Salete Kozel e Nelson Rego.

  • 7 Disponível em: Sob a Estrela de Salomão (sobaestreladesalomao.blogspot.com, acesso 20 de outubro de (...)

24Estas pesquisas começaram em 2012, com a realização do documentário “Sob a Estrela de Salomão: a 13 de Maio como lugar de construção de identidades negras em Curitiba”,7 tomaram corpo com realização do Mapeamento dos Clubes Sociais Negros do Paraná (realizado na Superintendência do Iphan-PR) e da exposição Clubes Sociais Negros no Paraná (Museu Paranaense, 2019 e Iphan, 2020).

25A 13 de Maio como lugar de mutualismo, organização social e inserção cultural de negros e negras em Curitiba é um marco da presença preta obliterada na cidade. A circulação destes homens e mulheres, junto a outras irmandades e sociedades, em clubes e igrejas contam sobre esta presença renegada na cidade por muito tempo. No período de descolonização na cidade, os negros e pobres foram progressivamente expulsos do centro da cidade e prédios foram destruídos com a intenção de apagar marcas da colonização e da escravidão, progressivamente.

  • 8 Por notas em jornais as sociedades convocavam seus associados para “comparecerem encorporados” em m (...)

26Considero esta uma pesquisa infinita, assim como Warburg considerava o seu Atlas Mnemosyne, porquê os registros e os documentos não são facilmente encontrados, pois se tratam de histórias de subalternizados em busca de inserção social e cultural, que não foram privilegiadas em registros oficiais ou da imprensa local. E os traços urdidos por eles se estenderam por diferentes malhas e lugares. O reconhecimento destes homens e mulheres negras - ativas socialmente e que circulavam na cidade encorporados8 com seu estandarte em datas cívicas, já no início do século XX - é um dos passos para o combate ao racismo estrutural. Assim como a valorização dos lugares que eles circulavam e que foram apagados da paisagem cultural da cidade.

27Todos os mapas mentais de imaginação etnográfica tiveram como base o mesmo mapa de 1897, do acervo particular do colecionador Paulo José Costa. Foram impressos em cor, ou em preto e branco, foram marcados com linhas coloridas, em aquarelas ou giz pastel, as linhas indicam trajetos e circunscrições, que mostram as malhas da presença negra em Curitiba (Tim Ingold 2022b). Próximos as linhas e aos mapas foram sobrepostas fotografias, recortes de jornais, lista de endereço, impressos de época, representando camadas de memória (Aleida Assmann 2011). Por “arquissemelhança e desmelhança” como operação da arte (Jacques Rancière 2012) tento mostrar presenças e apagamentos.

Imagem 1: Mato Grosso é o contrário de capoeira

Verdadeiramente, as linhas estão
em todos os lugares,
e elas levantam mais perguntas
do que posso responder aqui.
Tim Ingold

28A estrada do Mato Grosso é uma rua, aberta em 1871, num antigo caminho/carreiro que ligava Curitiba ao segundo planalto do Paraná, cortava chácaras e abrigou os primeiros engenhos de mate da cidade. Não há qualquer documento que afirme textualmente que a Estrada Mato Grosso fosse linha de fuga de escravizados de Curitiba para o interior. No entanto, há um amontoado de evidências, que sugerem um caminho ideal às rotas de fuga.

29A primeira sugestão remete ao próprio nome Estrada do Mato Grosso, cuja as origens do nome divergem: uma versão afirma que a estrada assim fora chamada porquê pretendia levar ao estado do Mato Grosso - o que nunca aconteceu de fato – outra diz que o mato fechado que cobria a estrada era chamado de mato grosso. Como é sabido o termo capoeira referia-se ao mato ralo, nos quais os escravizados fugidos se escondiam e assim passaram a ser chamados de capoeira, que depois passou a ser o nome da luta desenvolvida para conquistar a liberdade. Então, se o mato fino servia de esconderijo, o mato grosso parece ideal para fuga. O termo capoeira tanto para o mato fino quanto para a luta é usado em jornais de Curitiba, desde o fim do século XIX, o que inclusive dificulta as pesquisas sobre a prática da capoeira no século XIX em jornais, já que são muitas as ocorrências da palavra capoeira como mato ralo.

30O caminho do Mato Grosso foi rota das tropas, que levavam gado do Rio Grande do Sul a São Paulo. Na cidade de Campo Largo, nos limites com Ponta Grossa, há uma comunidade Quilombola, Chamada Palmital dos Pretos. Numa linha imaginária, a Mato Grosso é a continuidade da Estrada da Graciosa, rumo ao litoral, que corta em diagonal a Catedral de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais de Curitiba e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito, ambas no local mais alto da cidade. Moradores antigos relatam que até meados dos anos 1950, da Rua Mato Grosso era possível ver as torres das duas igrejas.

31Foram os irmãos engenheiros Rebouças que tornaram carroçável o antigo caminho. Abolicionistas e liberais confessos, ao que parece fizerem em Curitiba o mesmo que em São Paulo, junto ao Movimento Caifazes. Conhecidos como Caifazes de Antônio Bento, que inspirados no romance “A Cabana de Pai Tomás”, de 1856, estabeleceram uma articulação entre tropeiros e maçons abolicionistas, que criavam rotas de fuga do Quilombo do Jabaquara ao litoral paulista. Em Curitiba, além de abrir o caminho, os irmãos Rebouças construíram uma ponte para transpor o Rio Ivo no início da estrada e instalaram um chafariz no antigo Largo Oceano Pacífico, como fizeram nas rotas de fuga de São Paulo, onde era possível se abastecer com água na saída ou na chegada da fuga.

32No mesmo ano da abertura da Estrada do Mato Grosso, em 1887, Curitiba teve uma sociedade abolicionista secreta chamada Ultimatum, os membros faziam juramentos de manter segredos, com o objetivo de promover e facilitar fugas, usavam o codinome de abolicionistas brasileiros famosos, pertencentes aos Caifazes inclusive, como Luís Gama, Antônio Bento e José do Patrocínio. As atas da Ultimatum foram publicadas por um de seus integrantes, o jornalista Celestino Jr., no Jornal Diário da Tarde, de 13 de maio de 1907. Na segunda ata, de 12 de junho de 1887, há menção de escravos chegados de Campo Largo (via Estrada do Mato Grosso) que seriam enviados a Paranaguá para fugirem.

  • 9 Os arquivos, atas e fotografias, da Igreja Presbiteriana foram pesquisados em 2019 e cedidos para p (...)

33O Barão do Serro Azul, importante industrial da erva-mate, que chegou a pertencer a Ultimatum, tinha suas terras na Estrada Mato Grosso, próximo de onde hoje é o bairro do Batel, na chamada Chácara da Baronesa. A 13 de Maio, sociedade fundada dias antes da abolição com objetivo mutualistas entre libertos, ocupava a casa de João da Fausta, na Estrada do Mato Grosso, há registro em ata de que a própria baronesa teria doado cortinas para a primeira sede da sociedade. Próximo à casa de João da Fausta, foi construída a Igreja Presbiteriana, cujo seus primeiros reverendos estadunidenses eram abolicionistas. Francisco Vidal, um dos primeiros presidentes da 13 de Maio, foi membro batizado desta igreja9.

Mapa1: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Detalhe fotografia em cor chafariz de Geslline Giovana Braga; Fotografia estereoscópica da Estrada Mato Grosso Acervo Paulo José da Costa; Fotografia do Armazém Glaser Acervo Paulo José da Costa.

  • 10 Os acervos de Paulo José da Costa foram pesquisados e as imagens cedidas, em 2019.

34Neste mapa, a linha vermelha demonstra a continuidade entre a Estrada da Graciosa, que levava ao litoral, com a estrada do Mato Grosso. Em azul são os rios Belém e Ivo, que tornavam Curitiba um charco no século XIX e eram considerados um problema para urbanização da cidade, por isso foram canalizados. O chafariz é o atual da Praça Ozório, antes Largo Oceano Pacífico onde irmãos Rebouças colocaram o chafariz. A fotografia estereoscópica é da entrada da Estrada do Mato Grosso, conforme anotação em caneta, que hoje se chama Comendador Araújo, pertence ao acervo de Paulo José da Costa10, assim como a imagem do armazém de Wenceslau Glaser, uma das primeiras construções da Estrada Mato Grosso, que hoje não existe mais (esta fotografia tem muitas reproduções em outros acervos).

Imagem 2: As malhas de Benedito Candido

35Curitiba no início do século XX, abrigava um grande número de sociedades, mais de 100 agremiações são registradas no Almanaque Laemmert de 1917, com finalidades distintas como a organização social, o mutualismo, a luta por direitos, por inserção educacional, cultural e letramento. Além de cumprir importantes funções sociais, as sociedades eram festivas e organizavam bailes. Com a profusão das instituições associativas era comum a filiação, ou simples participação em eventos sociais de mais de uma sociedade. O longevo Benedito Candido é o melhor exemplo mapeado de grande circulação social, cultural e religiosa, era servente da prefeitura de Curitiba, foi membro da Sociedade Secreta Abolicionista Ultimatum (1887), mesário das festas das irmandades de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário (em 1889, 1901, 1902 e 1905) e ocupou cargos nas sociedades 13 de Maio, Clube Operário e Sociedade 14 de Janeiro. Os dados principais da biografia são a repetição constante do seu nome nos jornais entre 1887 até os anos 1960, quando completou 83 anos.

36Nos jornais Benedito Candido aparece recorrentemente nas comissões de festas das sociedades: 14 de Janeiro, 28 de Setembro (clube de mulheres negras), 15 de Novembro, dos grêmios femininos Estrela D’Alva, das Amadoras, Mefistófeles, que aconteciam nos salões de baile do Teatro Hauer, da sociedade Giusepe Garibaldi e Teuto Brasileira. As comissões tinham funções variadas, Benedito Candido constantemente tinha a de “mestre-sala”, cargo que não conseguíamos descobrir qual era. Diferente de outros cargos, como por exemplo “reconhecimento de máscaras” nos bailes de carnaval, que sabíamos ser a pessoa que identificava quem estava por detrás das máscaras, para que desconhecidos não entrassem nos salões. Como já mencionado acima, na literatura de Dalton Trevisan finalmente entendemos que o mestre-sala controlava a moral dos salões, alertando os casais que aproximavam demais os seus corpos durante a dança.

  • 11 Idem a nota 7.

37Benedito Candido também participava de momentos cívicos, organizava passeios e pic-nics das sociedades, quando os membros circulavam pela cidade encorporados11. Morador da Rua Boulevard 2 de Julho - que tinha tal nome em função da independência da Bahia, também comemorada nos salões do Club Curitibano, dada a presença de inúmeros baianos na cidade, dentre eles Dr. Trajano Reis e Dr. Muricy, ambos médicos dedicados ao povo. Este último teve duas missas de passagem, uma na Catedral e outra Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, realizada pela Irmandade de mesmo nome, que fundou quando chegou em Curitiba. Em 1913, a rua que aludia a independência da Bahia, passou se chamar João Gualberto, em homenagem ao comandante morto por sertanejos na Guerra do Contestado, em 1912. Tal mudança de nome em si, já demonstra uma transformação nos padrões de quem a sociedade pretendia homenagear com os nomes das ruas.

38A circulação e rotas de Benedito Candido indicam uma forte inserção de trabalhadores negros nos circuitos sociais, culturais e religiosos por meio do associativismo.

Mapa 2: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Detalhe fotografia em cor estandarte da Sociedade 13 de Maio Geslline Giovana Braga; Notas de jornais; Texto Em busca da Curitiba Perdida, Dalton Trevizan.

Imagem 3: A Curitiba do Pai Tomás

  • 12 Ver: A Curitiba do Pai Tomás: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/212906/001116778.pdf#pag (...)
  • 13 Mais tarde, no Brasil, em função de uma novela com atores que usaram black face, o texto ganhou out (...)

39A Cabana do Pai Tomás é um romance, de 1852, da escritora Harriet Beecher Stowe, sobre a escravidão nos Estados Unidos, o livro foi o mais lido de sua época, muitos apontam que o texto representou uma mudança na opinião pública estadunidense sobre a escravidão, contribuindo com a abolição12 no país13.

  • 14 Como ficou conhecida nos Estados Unidos a febre causada pelo livro “A Cabana do Pai Tomás”.

40A tom mania14 foi tardia em Curitiba, com recorrentes montagens da peça, desde o fim do século XIX. A pesquisa sobre as apresentações da peça “A Cabana do Pai Tomás” em Curitiba, foram iniciadas devido a uma nota de jornal sobre uma apresentação em benefício da Sociedade 13 de Maio. Posteriormente um postal mostrou um letreiro em frente a um cinema, na área central de Curitiba. A tentativa de verificar se o postal se referia a mesma montagem em benefício do clube, com pesquisas em jornais, revelou uma série de apresentações em montagens iniciadas em 1888 até os anos 1940 da peça e, posteriormente, exibições do filme (de 1927, com direção de Harry Pollard) até os anos 1960, primeiro como um filme mudo e posteriormente sonorizado.

41Tal circulação e frequência nos teatros, jornais e cinemas levou a indagação do porquê um texto abolicionista e cristão, do meio do século XIX, repercutia tanto numa cidade que se imaginava como branca, enquanto se construía como europeia, por meio da urbanização, códigos de postura e reorganização do espaço urbano, que botavam abaixo o casario colonial e expulsavam os negros e pobres para as margens úmidas e desprovidas de equipamentos urbanos. Enquanto o centro da cidade assistia os feitos de pai Tomás, “os sapos e os pobres eram expulsos para as bordas” – frase de Zacarias de Goes e Vasconcelos, primeiro governador de província do Paraná, exaltando a urbanização da cidade, que apelidou de sapos os moradores do centro de Curitiba, em função das grandes áreas de charco. Portanto, civilizar a cidade significava secar o centro, expulsar os mais pobres.

42Ao marcar num mapa antigo os lugares onde a peça circulou, vê-se os duplos sentidos da recorrência de Pai Tomás em Curitiba: primeiro, como criação de um arcabouço imagético para o imaginário da escravidão recentemente abolida, não registrada em imagens, porém descrita ainda nas memórias dos mais velhos; em segundo como agente de negação de que a “nossa escravidão nunca teve os gemidos do pai Tomás”, conforme sugeriu o geógrafo e historiador Sebastião Paraná, em nota de jornal, reforçando a ideia da “escravidão branda” e do Paraná branco colonizado por europeus.

Mapa 3: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Postal Preto e Branco Acervo Paulo José da Costa; Notas de jornais.

43No mapa os regimes das cheias dos rios e a localização dos teatros se misturam, numa das notas sobre a exibição de “A Cabana”, nos anos 1930, mencionam que o Cine Palácio, novamente fora “tomado pelas cheias do Rio Ivo”, a colorização da fotografia possibilitou ver que o cinema estava em péssimas condições na exibição retratada no postal, bem longe do glamour que os cinemas ostentavam. Seriam as cheias dos rios?

Considerações finais

44Os mapas mentais de imaginação etnográfica consistem na justaposição de mapas, imagens, impressos gráficos, fotografias e textos, que no seu arranjo evidenciam a percepção etnográfica do passado, a partir de pesquisas em arquivos são criados com artifícios da arte contemporânea como intuito de ativar uma outra geografia da modernidade em Curitiba. A elaboração de tais mapas só é possível quando o pesquisador se dispõem a se colocar nas encruzilhadas da ciências humanas, reconhecendo o papel de sua própria imaginação, formada por meio do arcabouço teórico e de fontes de pesquisa.

45Tais mapas mentais de imaginação etnográfica são relacionais e nos servem como forma de mostrar como os índices podem estar apenas nos traços encontrados, nas junções e articulações destes. As linhas marcadas em cor à mão concebem uma outra etnografia do passado sobre as cidades, como se configuraram, o que deixaram de ser e o que não foram em função dos processos de urbanização e de como foram imaginadas. A arquissemelhança gera alteridade passada.

46Pensar sobre as malhas de um homem negro criadas por sua circulação nas sociedades, a recorrência de um texto abolicionistas atravessando os tempos e um caminho como linha de fuga, nos dá a dimensão daquilo que a cidade deixou de ser, em função das formas como as elites imaginaram, branquearam e consolidaram o processo urbanísticos. Da mesma forma, os lugares abatidos pela descolonização da cidade são patrimônios ausentes, que trariam outra tez para Curitiba. Cidade que agora precisa imaginar para se conhecer e propor um projeto de políticas da memória reparador para as populações pobres e afrodescendentes expulsas do centro da cidade, por um projeto urbanístico que imaginou uma cidade moderna e europeia.

Topo da página

Bibliografia

Assmann, A. (2011). Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora Unicamp.

Babha, H. K. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG.

Bachelard, G. (2008). A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes.

Braga, G.G. (2019). Roda/Camada/Oitiva: o antropólogo como feitor de imagens. Tessituras - Revista de Antropologia e Arqueologia. Programa de Pos-Graduação em Antropologia, UFPEL . V7 | N2 | JUL-DEZ 2019. Pelotas | RS

Braga, G.G; Pinheiro, L. B. L. G; Santos, B.M.L.O dos (2019). Dos traços aos trajetos: a Curitiba Negra entre os séculos XIX e XX (Vol. 1). Boletim Casa Romário Martins). Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba.

Carvalho, C. A. (2012). Cultura, percepção e ambiente: diálogos com Tim Ingold. São Paulo: Terceiro Nome.

Cliford, J. (2011). A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Comaroff, J. C. (2010). Etnografia e imaginação histórica. Campinas.

Didi-Huberman, G. (2013). A imagem sobrevivente: História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto.

Geertz, C. (2001). Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahaar.

Gell, Alfred.(2018). Arte e Agência. São Paulo: Ubu.

Huyssen, A. (s.d.). Culturas do passado-presente: modernsmos, artes visuais e políticas da memória (Vol. Coleção ArteFíssil 9). Rio de Janeiro: Contraponto: Museu de Arte do Rio.

Ingold, T. (2015). Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição (Vol. Coleção Antropologia). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Ingold, T. (2019). Evolução e Vida Social (Vol. Coleção Antropologia). Petrópolis: Vozes.

Ingold, T. (2022a). Fazer: antropologia, arqueologia, arte e arquitetura (Vol. Coleção Antropologia). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Ingold, T. (2022b). Linhas: uma breve história (Vol. Coleção Antropologia). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Kozel, S. (2018). Mapas Mentais: dialogismos e representações. Curitiba: Appris.

Kozel, S. (2019). Das imagens às linguagens: Curitiba "a capital ecológica". Curitiba: Editora UFPR.

Letícia Ferreira, L. L. (2020). Etnografia de documentos: pesquisas antropológicas entre papéis, carimbos e burocracias. Rio de Janeiro: E-papers.

Merleau-Ponty, M. (2000). O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva.

Mignolo, W. Aiesthesis decolonial. Calle 14. Revista de Investigación em el Campo del Arte, 2010: revistas.udistrial.edu.com/index.php/c14/article/view/1224.

Mills, W. C. (1969). A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Rancière, J. (2012). O destino das imagens (Vol. Coleção Arte Físsil). Rio de Janeiro: Contraponto.

Rocha, C. E. (2015). A preeminência da imagem e do imaginário nos jogos da memória coletiva em coleções etnográficas. Brasília: Associação Brasileira de Antropologia.

Segatto, R. (2013 ). La crítica de la colonialidad em ocho ensayos y uma antropologia por demanda. Cidade Autónoma de Buenos Aires: Prometo Libros.

Spivak, G. C. (2018). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.

Stratherm, M. (2014). O efeito etnográfico. São Paulo: Cosac Naify.

Willis, P. (2000). The Etnographic Imagination. Cambridge: Polity.

Topo da página

Notas

1 João Batista Gomes de Sá era filho de Fausta Gomes de Sá, por isso ganhou a alcunha de João da Fausta, além de fundador da 13 de Maio, pertenceu as irmandades de Bom Jesus dos Perdões e Nossa Senhora do Rosário e São Benedito.

2 Agradeço a Brenda Santos pelas parcerias e pelo imaginar juntas ao longo dos anos.

3 Todas as fotografias usadas para compor os mapas foram disponibilizadas pelo colecionador Paulo José da Costa para a publicação deste artigo e para pesquisa “Dos Traços aos Trajetos: a Curitiba negra no fim do século XIX e início do século XX”. Disponível em: https://dostracos.wordpress.com/, acesso em 02 de outubro de 2023.

4 Uso o termo de decolonização de Walter Mignolo (2012), que diferencia do termo descolonização como o ato em si de um país deixar de ser colônia e se refere a uma transformação nas formas do pensar também a estética.

5 Adoto a seguinte definição de mapas mentais: “representações que possibilitam desvelar as relações entre os sujeitos e o lugar” (Kozel 2018: 20).

6 Ingold (2015) e Strathern (2014) preferem usar o termo malha, ao invés de rede, por considerarem que este representa relações entre elementos e mediadores que necessariamente não se conectam, embora se toquem e corram lado a lado, como uma “reunião” ou “parlamento de fios”.

7 Disponível em: Sob a Estrela de Salomão (sobaestreladesalomao.blogspot.com, acesso 20 de outubro de 2023).

8 Por notas em jornais as sociedades convocavam seus associados para “comparecerem encorporados” em momentos cívicos, ou seja bem trajados, portando insígnias e os estandartes.

9 Os arquivos, atas e fotografias, da Igreja Presbiteriana foram pesquisados em 2019 e cedidos para pesquisa por Fabrício Barbosa.

10 Os acervos de Paulo José da Costa foram pesquisados e as imagens cedidas, em 2019.

11 Idem a nota 7.

12 Ver: A Curitiba do Pai Tomás: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/212906/001116778.pdf#page=513

13 Mais tarde, no Brasil, em função de uma novela com atores que usaram black face, o texto ganhou outra conotação do movimento negro.

14 Como ficou conhecida nos Estados Unidos a febre causada pelo livro “A Cabana do Pai Tomás”.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Mapa1: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Detalhe fotografia em cor chafariz de Geslline Giovana Braga; Fotografia estereoscópica da Estrada Mato Grosso Acervo Paulo José da Costa; Fotografia do Armazém Glaser Acervo Paulo José da Costa.
URL http://journals.openedition.org/cadernosaa/docannexe/image/4826/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 272k
Legenda Mapa 2: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Detalhe fotografia em cor estandarte da Sociedade 13 de Maio Geslline Giovana Braga; Notas de jornais; Texto Em busca da Curitiba Perdida, Dalton Trevizan.
URL http://journals.openedition.org/cadernosaa/docannexe/image/4826/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 356k
Legenda Mapa 3: Montagem Geslline Giovana Braga. Mapa: Acervo Paulo José da Costa; Postal Preto e Branco Acervo Paulo José da Costa; Notas de jornais.
URL http://journals.openedition.org/cadernosaa/docannexe/image/4826/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 373k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Geslline Giovana Braga, «Mapas Mentais de Imaginação Etnográfica»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 12 | -1, 134-151.

Referência eletrónica

Geslline Giovana Braga, «Mapas Mentais de Imaginação Etnográfica»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 12 | 2023, posto online no dia 01 agosto 2023, consultado o 26 fevereiro 2024. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4826; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4826

Topo da página

Autor

Geslline Giovana Braga

UFRN, Natal, Brasil
UFRN, Natal e Unirio, Rio de Janeiro. Geslline Giovana Braga é professora visitante do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte e pós-doutoranda em Memória Social na Unirio – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Ativista feminista. Coordena a equipe de difusão do Mapeamento das Coleções Etnográficas no Brasil, realizado pela ABA – Associação Brasileira de Antropologia, com apoio do CNPq. Mestre em Antropologia Social pela UFPR – Universidade Federal do Paraná e Doutorado pela USP – Universidade de São Paulo. Realizou estágio pós-doutoral em Geografia Cultural na UFPR. Também é fotógrafa e realizadora de documentários.
geslline@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search