Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 12Dossiê "Políticas e poéticas das ...Resenhas/RecensõesJean-Louis Comolli: En attendant ...

Dossiê "Políticas e poéticas das expressões das formas sensíveis: performance, imagens e sons"
Resenhas/Recensões

Jean-Louis Comolli: En attendant les beaux jours (Recensão)

Jean-Louis Comolli: En attendant les beaux jours (Review)
Ruben Caixeta de Queiroz
p. 152-155
Referência(s):

Jean-Louis Comolli. 2023. En attendant les beaux jours. Lagrasse: Éditions Verdier. ISBN: 9782378561611.

Resumos

Esta é uma resenha do último livro escrito pelo cineasta e crítico de cinema francês Jean-Louis Comolli, falecido na data de 19 de maio de 2022. O título original do livro, «En attendant les beaux jours», nos parece pleno de significado, já que o autor sabia no momento mesmo da sua escrita que sua morte estava próxima, mesmo assim, como fez ao longo de toda a sua vida ao escrever e ver filmes, tece comentários ao mesmo tempo estéticos e políticos, articula-os à sua própria trajetória de vida, e, enfim, situa-os no contexto da sociedade do espetáculo que, no momento atual, se reverbera na guerra entre Rússia e Ucrânia. Belo livro sobre não tanto assim belos dias de hoje.

Topo da página

Texto integral

1«En attendant les beaux jours» (À espera dos bons tempos) é o último livro de Jean-Louis Comolli. Não deixa de ser um título inusitado, pois foi escrito no final da vida do autor, crítico e cineasta francês, ocorrida no dia 19 de maio de 2022. O livro narra este final de vida, entremeado com a guerra, ou melhor, invasão da Rússia na Ucrânia, o que lhe faz lembrar da cena da escadaria da cidade de Odessa no famoso filme de Eisenstein (O encouraçado potemkin, 1926) e da sua iminente destruição, lembranças de tempos belos e duros dos dias de hoje e de ontem sobre cinema e guerra, entrecortadas pela memória dos tempos de criança vividos na cidade de Skikda, chamada de Philippeville até antes da independência da Argélia (1962).

2Logo no início do livro, já sabemos que o autor não tem muito tempo de vida pela frente, acometido de um câncer, lhe é recomendado deixar o hospital e voltar para casa para passar o resto de sua vida, fazendo o que sempre fez desde os tempos de adolescência na Argélia: vendo filmes e escrevendo sobre cinema. Por quanto tempo mais? Não se sabe, um mês, uma semana? Ninguém sabe o certo, nem os médicos, nem a doença, nem o próprio Comolli, alguém parece lhe ter dito: isso depende de você, se você tiver forças. Diante do quadro, depois de tentar todas as formas de tratamento (dos ortodoxos aos alternativos), que pareciam não funcionar, Comolli se conformou a tomar o resto do seu tempo de vida, um tempo de sursis, apesar dos lapsus de memória, para colocar em dia no papel o seu passado e suas ideias sobre o cinema, a sociedade do espetáculo, a guerra que parecia se repetir indefinidamente e sem que as pessoas percebessem ou fossem afetadas pelas suas imagens de destruição veiculadas pela grande mídia. Neste cenário, como reagir, o que fazer? Talvez não restasse quase nada, a não ser, mais uma vez, ver (o bom) cinema e escrever!

3Tal qual o filósofo Jacques Rancière, Jean-Louis nasceu na Argélia, quase no mesmo ano: o primeiro em 1940, o segundo em 1941. Os dois foram fortemente influenciados pelas ideias revolucionárias e emancipatórias de pensadores como Karl Marx (1818-1883) e Guy Debord (1931-1994), este último seria o autor da "Sociedade do espetáculo". Na verdade, mais do que Comolli, Rancière foi crítico em relação ao tipo de marxismo de Debord pelo fato dele operar no seu pensamento uma divisão entre aqueles que sabem e aqueles que não sabem pelo fato de serem vítimas da ideologia. Se os dois pensadores sobre a imagem (tanto Comolli quanto Rancière) reconheceriam um poder e um protagonismo do espectador (capaz de ler a obra de arte a partir das suas próprias subjetividades), Comolli faria sem cessar uma crítica dura ao domínio cada vez mais hegemônico do espetacular no mundo contemporâneo: ele via no cinema (e no documentário em particular) um lugar, ainda que minoritário, de combate contra a sociedade do espetáculo. Rancière foi muito mais lido e traduzido no Brasil do que Comolli - por isso o primeiro é aqui muito mais conhecido. A quase exceção é o livro "Ver e Poder, a inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário", que, em 2008, junto com o colega César Guimarães, tivemos a oportunidade de organizar a tradução para o português.

4Ao longo de sua vida, sempre atento ao seu tempo e às mudanças seja na vida social, seja no cinema, Comolli construiu uma obra vasta, da crítica cinematográfica aos escritos sobre a relação entre o free jazz e o Black Power (a infância passada na Argélia lhe rendeu o gosto pela música negra, o espírito da dissidência), à realização de filmes de ficção e documentário: são mais de 50 filmes sob sua direção (a lista completa está publicada no livro A «espera dos bons tempos» e uma centena de artigos e de livros de crítica cinematográfica). Comolli foi chefe redator nos tempos auges da revista mais importante de cinema, os Cahiers du cinéma, entre 1968 e 1973. Ali começou a escrever em 1962, e só parou em 2000. A partir de 1991, ele passou a escrever também na revista Trafic, fundada por Serge Daney; a partir de 1993, começou a escrever na revista Images documentaires, sob a direção de Catherine Blangonnet. Nessa trajetória, Comolli desempenhou uma influência e foi influenciado pelos mais importantes pensadores da imagem e por cineastas: a começar por Jacques Rancière (com quem escreveu Arrêt sur histoire, 1997), passando por Serge Daney, Jean Narboni, Jean-Luc Godard, André Labarthe, Jean-André Fieschi, Sylvie Pierre, Jean Eustache, Eric Rohmer…

5No seu último livro, En attendant les beaux jours (2023), Comolli segue seu estilo literário em consonância com a narrativa cinematográfica. Logo no início, narra um telefonema recebido a partir de um hotel da cidade de Florença (Itália) e pelo qual é avisado de que uma grande caixa de madeira em seu nome teria sido encontrada no estabelecimento. Comolli não lembra nada da dita caixa e nem do seu conteúdo (seria um ato falho da memória?), nem da última vez que teria passado pela Itália, mesmo assim consente que o conteúdo lhe seja reenviado pelo correio após um pagamento do frete! Como em todo bom filme, o autor volta a esse fato, sem que o leitor saiba até quase o final do livro acerca do conteúdo da caixa, quando e se terminaria a invasão da Rússia na Ucrânia, até quando o cinema resistiria à sociedade do espetáculo, e quando, enfim, Comolli pararia de escrever e pensar sobre nosso mundo, com o cinema.

6Já quase sem qualquer esperança de cura para a sua doença, e sabendo que a morte poderia lhe bater na porta em breve, Jean-Louis Comolli escolheu passar os últimos dias da sua vida num apartamento em Paris, sob os cuidados da sua irmã Annie Comolli, ela sempre de bom humor e metódica com as prescrições médicas, os dois juntos vendo filmes, e ele escrevendo sobre cinema e a sociedade do espetáculo à espera dos bons tempos. Isso se passava no final do período de pandemia da Covid-19, mais precisamente no início de 2022, traduzo umas das suas tantas belas e instigantes palavras escritas em francês, na página 58:

Annie e eu revemos os filmes americanos produzidos em Hollywood entre 1940 e 1970-1975. Evidentemente, eu me oponho a tudo ver sobre uma tela menor do que aquelas das salas de cinema. Eu chamo isso de "cinema miniatura". Mas agora tenho o pé dentro da porta, toda a parafernália de oxigênio e de cabos que eu estou obrigado a carregar comigo, isso me obriga a ver essas versões reduzidas. É verdade que a tela mental não tem dimensões conhecidas. Esta noite, Como era verde meu vale (John Ford, 1941). Filme espantoso de simplicidade, de beleza, eu desejo dizer de modesta nobreza, num magnífico preto e branco. […] Quando uma situação, uma ação, um momento são percebidos, eles são já compreendidos, articulados, autosuficientes: o corte chega, muda-se de cena e, por que não?, de cenário e de personagem. Esta maneira de contar e ao mesmo tempo de filmar, na retenção, na contenção, na não efusão, confere à cada cena, isolada e religada à suas vizinhas em pontilhados, uma intensidade que, sem dúvida, ela perderia numa abordagem mais detalhada. Espectador, eu poderia permanecer frustrado por não seguir os desdobramentos das brigas ou dos momentos dramáticos. Mas não. O que "falta", na verdade, terá já sido "jogado", terá sido suposto e sentido na sua própria falta. Nenhum desejo de forçar a atenção, de dispersá-la (distrair): a proliferação dos planos, sua multiplicidade, é bem uma das taras do cinema contemporâneo, muito distante da maneira de proceder dos Straub-Huillet ou de Pedro Costa, que nos apontam na direção da restrição.

7Na página 42:

[…] quando a forma é bela e a história é forte, a emoção não tem nada a ver com a acumulação, a adição, o excesso. Muito pelo contrário, a falha, a raridade, a sobriedade, a elipse, tudo o que não está lá e permanecerá em suspenso, retido, não visível, diferido, nos atinge mais fortemente que o abuso ou o lado forçado do visível, do visível "qual que seja o preço", e o preço é sempre aquele da vergonha e do ódio de si. Num momento de sua história o cinema tornou-se muito forte para não mostrar tudo, para se abster de rivalizar com a exibição sem fim de lanternas e disso que elas levam de hipertrofia do visível no mundo da mercadoria. Luz em excesso mata a luz.

8Diante da morte pela luz (em excesso), ou às vésperas da própria morte, o que fazer ou qual desejo pode se manter? Página 33:

São as palavras que mantêm juntos os vivos e os mortos. Nada além. Ainda bem que o momento chega onde tudo o que resta das vidas vividas, imagens carregadas pelas lembranças, sensações experimentadas, impressões compartilhadas, nada disso mais restará - de toda a bagagem que nós passamos uma vida inteira a fazer, desfazer e refazer - a não ser palavras postas sobre a vela do tempo.

9Eu gosto sempre de me lembrar de uma maneira delicada e cósmica que os indígenas têm para descrever o desaparecimento de um ente querido, no lugar de dizer que alguém morreu, eles dizem que ele se encantou. Quero crer que o brilho das luzes e as belas palavras deixadas por Jean-Louis Comolli (apesar dele temer o excesso de luz do espetáculo e o fim da luz do cinema que ilumina - ou da vida que brota e resiste na escuridão do asfalto via a narrativa do documentário) continuarão a nos encantar, seguiremos com elas, apesar da sua morte no dia 19 de maio de 2022 - mesmo ano do desaparecimento de Jean Luc Godard e de tantos outros camaradas dos belos tempos que existiram e continuarão a existir sobre a terra e sob a face do céu. No final de «À espera dos bons tempos», na página 110, assim Jean-Louis Comolli deixou escrito: "Como é a regra, só posso concluir, além da minha própria morte, através destas duas palavras: A seguir".

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ruben Caixeta de Queiroz, «Jean-Louis Comolli: En attendant les beaux jours (Recensão)»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 12 | -1, 152-155.

Referência eletrónica

Ruben Caixeta de Queiroz, «Jean-Louis Comolli: En attendant les beaux jours (Recensão)»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 12 | 2023, posto online no dia 01 agosto 2023, consultado o 26 fevereiro 2024. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4869; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4869

Topo da página

Autor

Ruben Caixeta de Queiroz

UFMG, Belo Horizonte, Brasil
caixetadequeiroz@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search