Navegação – Mapa do site

InícioNumérosVol. 12Dossiê "Políticas e poéticas das ...EditorialPolíticas e Poéticas das Expressõ...

Dossiê "Políticas e poéticas das expressões das formas sensíveis: performance, imagens e sons"
Editorial

Políticas e Poéticas das Expressões das Formas Sensíveis: Performance, Imagens e Sons

Andrea Barbosa, Edgar Teodoro da Cunha e Catarina Alves Costa
p. 3-9

Texto integral

1Como pensar as poéticas e políticas de expressões da arte e do fazer antropológico para além do que essas práticas e produções poderiam significar? Essas formas expressivas nos mobilizam, nos chamuscam, nos incomodam e nos encantam sem necessariamente terem algo a dizer ou construir falas no sentido de uma representação do mundo e das coisas do mundo. Por outro lado, elas têm a potência de organizar o sensível, de dar a entender, de dar a ver, de construir a visibilidade e a inteligibilidade dessas experiências. Essa eficácia estética, como elaborada por Rancière, poderia provocar uma reconfiguração das formas de existência. Trazendo o exemplo da literatura do século XIX, o autor argumenta (2012) que essas formas estéticas remodelaram a imagem do indivíduo e da comunidade. É nesse sentido que, para o autor, o romance oferecia ao leitor uma possibilidade de alargamento das formas de percepção do mundo, a partir da afecção nas formas de entender e viver dos indivíduos. Rancière enxerga que esse movimento está em outras expressões na contemporaneidade, como as que circulam no cinema, televisão e até na internet (2010). O foco não está no meio, pois podemos assistir filmes/cinema e ler livros pela internet, por exemplo. Na contemporaneidade as linguagens se mesclam e se espraiam por vários suportes. A questão, portanto, não é onde estão, mas a eficácia estética que produzem. Essa eficácia está na potência dessas expressões em provocar deslocamentos na forma de percepção onde objetos, sujeitos e regras são transformados, se instaurando novas possibilidades de estar e perceber o mundo e seus sujeitos.

2Uma discussão conhecida que toma as ideias de eficácia estética de Rancière e estetização da política de Benjamin nos ajuda a elaborar essa questão. Para Benjamin (1985), o exercício do poder teria se estetizado na Segunda Guerra Mundial com o nazismo. Contudo, para Rancière, o poder sempre funcionou com manifestações espetaculares, seja na Grécia clássica, seja nas monarquias modernas.

Temos de pensar na estética em sentido largo, como modos de percepção e sensibilidade, a maneira pela qual os indivíduos e grupos constroem o mundo. É um processo estético que cria o novo, ou seja, desloca os dados do problema. (Rancière, 2010)

3A elaboração de estratégias de poder em nada se assemelha ao movimento de transformação dos mundos vividos. Esse segundo está atrelado a um movimento de emancipação, ou seja, a uma transformação do universo dos possíveis, da percepção e da ação. Esse é o ponto.

4A ideia de emancipação é fundamental na proposição de eficácia estética de Rancière. Ela não é uma finalidade, mas um princípio. O tema da liberdade e da emancipação são problematizados de forma ampla em várias de suas obras, como no livro O mestre ignorante (2002) onde a crítica é dirigida a uma pedagogia na qual a hierarquia se coloca de pronto com o professor sendo detentor do conhecimento em contraste à ignorância dos estudantes. Onde ele, o professor, é quem promoverá, no futuro, a emancipação de seus estudantes. Uma prática da igualdade, como propõe Rancière, deve estar no aqui, no hoje, como potência que mobiliza os sujeitos a romperem as práticas de desigualdade como a dos processos coloniais e colonializantes.

A emancipação intelectual emerge, assim, não como resultado de uma transmissão pedagógica de saberes, mas como fruto da vontade e da disposição de tecer seu próprio caminho em direção à verificação da igualdade de todos em relação a qualquer pessoa.(Rancière, 2021)

5A educação, e estendemos aqui para toda a produção de conhecimento, pode ser emancipadora na medida que transmite uma forma de relação com o conhecimento e com os outros; uma perspectiva de mundo e não sua interpretação. Todos formulam pensamentos e, portanto, são intelectuais. Assim, ao invés de fecharmos as disciplinas e formas de discurso em suas fronteiras, o que um movimento emancipador faz é abrir, promover os cruzamentos entre palavras e pensamentos que normalmente não se encontram.

6Ampliar horizontes a partir do movimento emancipador é inventar novas possibilidades de mundo. É isso que Antônio Bispo dos Santos (2023) demonstra no seu exercício de semear palavras. Ao invés de falar desenvolvimento, propõe a fala do envolvimento, para a consciência, propõe a confluência.

Não tenho dúvida que confluência é a energia que está nos movendo para o compartilhamento, para o reconhecimento, para o respeito. Um rio não deixa de ser um rio porque conflui para outro rio, ao contrário, ele passa a ser ele mesmo e outros rios, ele se fortalece. Quando a gente confluência, a gente não deixa de ser gente, a gente passa a ser a gente e outra gente - a gente rende. A confluência é uma força que rende, que aumenta, que amplia, Essa é a medida. (Bispo dos Santos, 2023: 15).

7A ideia, portanto, é que igualdade e desigualdade são situações que se expressam cotidianamente através da maneira mesma como articulamos palavras, argumentos, imagens e narrativas. A questão que nos põe em movimento na reflexão que reunimos neste dossiê, então, não é o que essas expressões das formas sensíveis são ou dizem, mas como elas importam (como também nos diz Didi-Hubeman) e mobilizam em direção a um mundo menos opressor e desigual.

Entrando em movimento – pensamento, arte e prática política

8O pensamento não é algo imaterial, mas uma coisa concreta, que toma forma em imagens, livros, palavras, performances, sons, gestos….. essas formas expressivas são conjuntos sensíveis que produzem afecções. Trata-se de uma condensação de experiências que conformam uma proposição de mundo. Uma perspectiva bastante comum é considerar o pensamento como um substrato para a transformação, como algo que possibilita que ela aconteça. Mas o que Rancière nos propõe enxergar é que na interação que mobilizam com sua materialidade, esses pensamentos têm a potência da própria transformação. Podem ser expressões do movimento de estar no mundo de uma outra forma. O pensamento pode, então, ser partilhado e fazer partilhar esse movimento. Isso é o que Rancière chama de partilha do sensível.

Isso retoma o que mencionei anteriormente, de buscar tecer a igualdade. Um livro, para mim, é algo como uma proposição de mundo e, é claro, essas proposições encontrarão auditores, auditoras, pessoas que serão afetadas por esses blocos sensíveis. Nesse momento, as palavras, as imagens, os pensamentos que foram reunidos no livro são de certa maneira desmontados e entram em novas combinações e, consequentemente, fornecem a possibilidade de novas sínteses sensíveis. Sínteses sensíveis que ocorrerão de várias formas: pode ser um livro dito teórico, pode ser um romance, uma obra de arte, uma ação dita política. Em todos os casos, não saímos do domínio do pensamento e entramos no domínio da matéria; passamos de um tipo de síntese sensível a outro tipo de síntese sensível. (Rancière, 2021)

9Nesse sentido, é preciso romper com as hierarquias do tempo e dos saberes e considerar a igualdade como um ponto de partida da existência, e não como ponto de chegada de um processo educacional ou revolucionário. Emancipação é uma reconquista do tempo, uma outra maneira de habitar o tempo. Habitá-lo de forma a desmontar a ideia unidirecional que o coloca como uma linha entre o passado e o futuro, mas fazer do tempo um meio em que se vive.

10Nesse dossiê reunimos textos que caminham no sentido de retomar o tempo, o pensamento e a escrita como meios de vida. Meios de propor miradas para o fazer antropológico crítico e artístico que mostrem caminhos que não o da colonização das práticas, pensamentos, das formas sensíveis, mas que apontem para sua emancipação.

11Abrimos o conjunto com o artigo “Imaginação convencionalizada e invenção cultural: Imagens dos Awá- Guajá, Tupi-Guarani do Maranhão” de Renata Otto Diniz e Ruben Caixeta de Queiroz que problematiza a produção de imagens de não indígenas sobre os Awá-Guajá sob o deslocamento de olhá-las a partir das imagens produzidas pelos próprios Awá-Guajá. Esse deslocamento permite enxergar que esse conjunto de sobreimagens, se pudermos denominar assim, forma um regime de visibilidade (em diálogo com uma proposição de Rancière) que, na verdade, impõe uma invisibilidade aos Awá-Guajá quando os coloca sob imagens como a do isolamento/selvageria. Os autores nos propõem olhar para o movimento de “re-convencionalização” da ideia de isolamento provocada pelos próprios indígenas em sua produção imagética que retira o grupo de um lugar congelante e os coloca numa outra “ordem interna dinâmica e portadora de uma crítica ao mundo colonial”. Nesse sentido os aspectos éticos e estéticos das imagens, com evidentes consequências políticas, tomam forma no contraste entre as imagens sobre a alteridade, nos seus mais diferentes matizes, em fricção com as imagens contemporaneamente produzidas por esses mesmos sujeitos da alteridade. Se no passado a construção visual "sobre" foi responsável pela subalternização e domesticação segundo os pressupostos próprio do ocidente, temos um tempo intermediário, e que acreditamos ainda não esgotado, com experimentos colaborativos que ofereceram uma síntese possível dos sentidos do encontro etnográfico, e hoje temos a completa autonomização da produção de imagens pelos sujeitos da alteridade que impactam, como nunca antes, o cenário comunicativo e imagético ampliado, trazendo a potência de novas epistemologias, saberes e desejos coletivos que agora encontram espaço próprio para sua existência.

12"Você já tinha tido esse olhar antes?", com essa pergunta Alapini Balbino, interlocutor de Andréa D´Amato, expressa toda a riqueza do encontro etnográfico que coloca seus olhares em questão, descentrando, tateando novas possibilidades, imaginando e colocando à prova os olhares sob outras epistemologias, sob uma além-visão, uma atenção a presença do invisível, em um tempo espiralado em que passado, presente e futuro coexistem, onde "tudo é começo, meio e começo de novo" como nos diz Antonio Bispo dos Santos, com caminhos se enredando, pessoas e afetos, produzindo o indeterminado. Andrea da Silva D’Amato, em seu artigo “Presente intenso: fotografias e a ancestralidades no Omo Ilê Agboulá” propõe pensar a câmera fotográfica como um objeto sensível em relação a outros agentes ativos, humanos e não-humanos, a partir da elaboração de um diálogo entre a epistemologia de uma antropologia da imagem e a epistemologia de matriz africana, em especial a praticada no Omo Ilê Agboulá, terreiro voltado ao culto dos Babá-Egún, ancestrais da comunidade afrodescendente de Alto Bela Vista, em Itaparica/BA. Esse movimento dialógico, para além da recolocação do dispositivo câmera fotográfica e suas imagens dentro de uma outra ordem de relações, provoca também pensar outras temporalidades, indagando noções como representação, arquivo e memória. O tempo aqui, como nos propõe Rancière, escapa à linha, é reconquistado e transforma-se no meio em que a vida é produzida.

13Em seguida, temos o artigo “Hidden protagonists - towards a decolonial cinema history in Brazil”, de Carolin Overhoff Ferreira, onde a autora propõe a necessidade de decolonizar a historiografia do cinema brasileiro. Ela chama a atenção para uma produção ainda devedora de um mundo colonial que olha para os sujeitos negros e indígenas, por exemplo, de forma racializada não dialogando com suas epistemologias e cosmologias. Propor um outro olhar para a história pressupõe alguns desafios e riscos, talvez o principal deles seja o presentismo, atribuindo a situações, sujeitos e contextos, sentidos que por vezes não estão no horizonte de possibilidades daquele tempo específico. O olhar para o passado implica nesta responsabilidade compreensiva, que é entender os limites que um campo limitado de sentidos permite. É evidente que podemos apontar os problemas a partir de uma visão contemporânea, construída a partir de todo um debate que só se tornou possível hoje, nos colocando a responsabilidade em apontar as lacunas existentes em uma história, a do cinema brasileiro, que está distante de ser monolítica mas que se ressente dos mesmos problemas que afetam o debate público de temas ligados a representatividade, a superação da invisibilidade, ao resgate histórico dos traumas coletivos, das violências de toda ordem, que só contemporaneamente sedimentaram sua importância no espaço público.

14Ainda em relação a discussão sobre a temporalidade, o tempo reconquistado da vida e do vivido é também o tema do artigo “Histórias, memórias e o encanto das imagens de ‘O fim e o princípio’, de Eduardo Coutinho” de Clarice Peixoto e Aline Gama de Almeida. Na reflexão que emerge do diálogo com o filme, as relações entre o tempo presente e o tempo passado não se esgotam nas narrativas das personagens de Coutinho. Tempo e memória confluem para recontar a vida neste lugar e a dos seus narradores de mais de 70 anos. São histórias sobre casamento e relações conjugais, envelhecimento e morte, e outras mais que enredam suas conversas e se mostram nas marcas deixadas em seus corpos presentes nas imagens. Podemos olhar o filme de Coutinho como uma abertura para outras formas de viver e sentir o tempo, trazendo uma perspectiva sensorial para evocar a vivacidade do tempo vivido. Se o roteiro, no sentido clássico, pode não fazer parte da prática do cinema documentário, em Coutinho esse é um ponto de partida fundamental, pois seu interesse nesse filme é a matéria da memória, de memórias do passado rearticuladas ao presente e compartilhadas como experiências ressonantes entre cineasta e interlocutoras. O filme narra portanto enquanto tessitura de experiências vividas.

15A questão do sensorial, que permite escapar da representação e o rompimento da mimesis como possibilitador de outras formas de partilha do sensível, é elemento articulador da análise da trilogia da Incomunicabilidade de Antonioni proposta por Eduardo Moura Pereira Oliveira em seu artigo “Filmar a incomunicabilidade e desafiar a representação: o sensorial na trilogia de Michelangelo Antonioni”. Este parte justamente da ideia da potencialidade das imagens ficcionais no sentido de produzir sensibilidades que escapam da ideia de representação. Seu foco recai sobre três longas produzidos nos anos de 1960 onde Antonioni “esgarça o nexo entre o tempo e a imagem até uma reelaboração imagética das tramas” abrindo para o espectador novas possibilidades sensoriais. O autor percebe nos filmes o quanto imagens propostas pelo cineasta libertam-se da ação, vinculando-se a situações ótico-sonoras. Cinema não mais para ver, mas para ver além, diz o autor trazendo Deleuze para a conversa. Cinema produzido com imagens e sonoridades que se constroem no vácuo da representação e na presença da sensorialidade. Cinema, enquanto um dispositivo que propicia um regime de percepção que por sua vez tem a potência de transformar a própria experiência sensorial, impactando nos desdobramentos políticos de toda estética.

16“Peixes, trator, controle-remoto e outros delírios”, ensaio visual de Daniela Feriani é pura sensorialidade buscando nos franquear um contato, mesmo que fugidio com mundos outros, mundo de imagens que expressam uma vida engendrada pela ausência da expressão verbal que vai sendo apagada aos poucos pelo Alzheimer. Fotomontagens que se fazem como grafias-demente, como a autora denomina. “O que a grafia-demente tem a dizer à etnografia? Como mostrar os materiais de um ponto de vista demente, do lado de lá do espelho, com outras referências e coordenadas?”. Esse é o desafio que Daniela apresenta aos seus leitores/espectadores. Assim como Daniela experimenta outras linguagens no seu fazer etnográfico que leva a sério o pensamento e a experiência de seus interlocutores, Marta Jardim no artigo “Sing along, sing along reflexões sobre críticas provocadas com etno(en)cantos” parte de uma experiência etnográfica performática buscando ampliar o universo de imaginação etnográfica e sensível a partir de um movimento de crítica. Talvez pudéssemos partir da multiplicidade da palavra encantamento, que remete inicialmente a um engajamento na experiência de deslumbramento, de admiração, de grande prazer ao realizar um en-canto, que em seu sentido etimológico remete ao ato de enunciação da palavra mágica, do canto coletivo. Se é um risco aqui se deixar ser “cantado pelo canto”, ele, no entanto, é necessário para que o canto coletivo, envolvendo interlocutores e etnógrafa, seja possível. Quando a sintonia é possibilitada por meio do cantar junto, as dimensões sensíveis são compartilhadas e mutuamente afetadas. Esse é um jogo de produção de conhecimento que não se vincula a produção de representações. É um jogo de produção de afecções cruzadas, emaranhadas, necessárias, diz a autora, para a produção de um conhecimento crítico. A autora apresenta duas experiências etnográficas em contexto de canto coletivo. Uma em Inhambane, Moçambique e outra em Oxford, Reino Unido. Ambas compreendidas como processos esclarecedores de uma prática etnográfica que pressupõe o estar junto e produzir junto como base do conhecimento antropológico.

17É partindo também da proposta de uma experiência etnográfica mais experimental que Gesline Giovana Braga em seu artigo “Mapas mentais de imaginação etnográfica” propõe lidar com os processos de apagamento da presença negra na cidade de Curitiba, Paraná. Seu movimento é de pensar a ideia de mapas mentais como possibilidades de justapor documentos para produzir outras camadas de memória. Produzindo presença no espaço vivido da cidade. É dessa forma que acompanhamos o movimento das pesquisas que nos propõe “imaginar trânsitos de mulheres e homens negros em Curitiba no entre séculos e fabular memórias que foram soterradas nos escombros da destruição do patrimônio material e em imaginários envolventes do discurso oficial.”

18Finalizando o dossiê trazemos uma resenha-homenagem a Jean-Louis Comolli, crítico e cineasta francês, nascido na Argélia em 1941 (conterrâneo de Rancière) e falecido em 2022. A resenha de “En attendant les beaux jours” (À espera de bons tempos), último livro de Comolli, escrita por Ruben Caixeta de Queiroz evidencia como a proximidade do momento da morte produz outras relações temporais e críticas tanto com a própria trajetória como com a realidade conjuntural mais ampla do contemporâneo vivido. O livro se ocupa do cinema e também da guerra entre Rússia e Ucrânia. Uma reflexão sobre desejo, vida e morte.

19A proposta deste dossiê foi a de tensionar a ideia da imagem como representação do mundo procurando trazer para a discussão as relações possíveis entre as artes e as antropologias. Uma das possibilidades desse movimento está na ideia de “eficácia estética” de Rancière. Convidamos, assim, o leitor para uma reflexão onde as imagens não seriam políticas apenas por terem uma mensagem política ou por ter um efeito pedagógico, mas por terem a potência de construir e reconfigurar regimes de visibilidade e ordens discursivas. Seriam políticas por serem provocadoras de novas poéticas. Podendo estas provocar novas formas de partilha do sensível, estranhamentos e distanciamentos da ideia de representatividade rompendo, por exemplo, com a evidência sensível que naturaliza o lugar das coisas. As artes e as antropologias são eficazes esteticamente e politicamente por mobilizar um conjunto complexo de relações. Assim como Rancière (2009) sonha com uma “arte relacional” que não busca criar obras, mas situações e relações, nós sonhamos com antropologias que se construam nas relações que mobilizam e nos conhecimentos e reconhecimentos que compartilham.

Topo da página

Bibliografia

Benjamin, Walter. 1985. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8. São Paulo: Brasiliense.

Didi-Huberman, Georges. 2012. Quando as imagens tocam o real. Revista Pós: Belo Horizonte, v. 2, n.4

Rancière, Jacques. 2002. O mestre Ignorante. Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Rancière, Jacques. 2012. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes.

Rancière, Jacques. 2010. A política tem sempre uma dimensão estética. IN: Revista Cult, https://revistacult.uol.com.br/home/entrevista-jacques-ranciere (acesso em 30/10/2023).

Rancière, Jacques. 2021. Tomada da palavra e conquista do tempo livre. IN: Educação e pesquisa, Vl. 47.

Rancière, Jacques. 2021a. Tempos Modernos.Arte, Tempo, Política. São Paulo: N-1.

Bispo dos santos, Antônio. A Terra dá , a Terra quer. São Paulo: UBU, 2023.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Andrea Barbosa, Edgar Teodoro da Cunha e Catarina Alves Costa, «Políticas e Poéticas das Expressões das Formas Sensíveis: Performance, Imagens e Sons»Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 12 | -1, 3-9.

Referência eletrónica

Andrea Barbosa, Edgar Teodoro da Cunha e Catarina Alves Costa, «Políticas e Poéticas das Expressões das Formas Sensíveis: Performance, Imagens e Sons»Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 12 | 2023, posto online no dia 01 agosto 2023, consultado o 26 fevereiro 2024. URL: http://journals.openedition.org/cadernosaa/4961; DOI: https://doi.org/10.4000/cadernosaa.4961

Topo da página

Autores

Andrea Barbosa

UNIFESP, São Paulo, Brasil
andrea.barbosa@unifesp.br

Artigos do mesmo autor

Edgar Teodoro da Cunha

UNESP, Araraquara, Brasil

Catarina Alves Costa

NOVA-FCSH, Lisboa, Portugal

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search