Navegação – Mapa do site

InícioChamada de trabalhosCfP África, artes e artistas dian...

CfP África, artes e artistas diante da emergência de guerras: pensamentos, mobilizações poéticas e criações

Editores convidados: Paulo S C Neves (UFABC-Brasil), Denise Dias Barros (USP-Brasil), Aghi Bahi (UFHB-Costa do Marfim), Fernanda Almeida (UWC-África do Sul)

Prazo para submissão de contribuições: 31/08/2024

Línguas aceitas para as submissões: Português, Inglês, Espanhol, Francês

Há uma visão persistente da África como um continente atravessado por guerras, injustiças e conflitos. As múltiplas tensões herdadas do período colonial, ou geradas pelo neocolonialismo, criaram numerosos conflitos que rasgam o continente em feridas vivas e sangrentas que, por vezes, se traduzem em massacres, golpes de Estado, guerras civis ou na desigualdade endêmica.

Contudo, também é visível o fato de que em África fervilham forças e energias criativas que emergem em diferentes domínios da vida social, tais como as manifestações artísticas e culturais dos jovens, a literatura e as artes plásticas engajadas ou, ainda, as experiências socioeconômicas em diversas comunidades.

Em certo sentido, esse paradoxo nos mostra os desafios enfrentados não apenas pelo continente africano, mas por sociedades contemporâneas de um modo geral, marcadas pelas entropias do projeto de modernidade europeia e, também, por resiliências.

Nosso objetivo neste dossiê é indagar as formas expressivas das identidades culturais, como queria Édouard Glissant, e seus substratos políticos e culturais, assim como os movimentos sociais que hoje mobilizam a criação artística em suas dimensões ético-estéticas e poéticas. Entender essas dinâmicas significa compreender como a arte é, ao mesmo tempo, o espelho da sociedade e uma meta realidade, na qual novas possibilidades e imaginários ganham sentido e se materializam.

Por meio dessa dialética de espelhamento e de criação da realidade, pode-se entender como as artes se consolidam como espaços de tensionamento e de catarse frente a um mundo que ameaça desmoronar. A produção artística serve também como celeiro de utopias de mundos vindouros e de visões críticas da realidade atual.

Propomos aqui um dossiê que, a partir de uma perspectiva antropológica e etnográfica (embora não apenas), possa dar vazão a essa tensão dialética entre realidades “em beligerância e beligerantes”, tanto em termos de guerras abertas como de conflitos latentes e implícitos. Um dossiê sobre arte em tempos de guerra desde a perspectiva do pensamento e das criações insurgentes em contextos africanos comporta, pois, um leque amplo de possibilidades temáticas e disciplinares. Embora o escopo etnográfico seja desejável, o dossiê está aberto a contribuições de diferentes campos acadêmicos (da antropologia à sociologia da arte, da estética à ciência política, da história à filosofia, entre outros) e a diferentes análises de experiências artísticas que tensionam a realidade social, política e econômica.

O mundo das linguagens e das criações no contemporâneo (produzido por artistas, curadorias e movimentos de criação coletiva), com suas poéticas de relações de corpos e de imaginação, constrói performances e (auto)inscrições no ambiente, em espaços públicos urbanos e além, na pele dos corpos e em inúmeras paredes e suportes. Aguardamos contribuições de pesquisadores, artistas ou ativistas sobre campos reflexivos e autorreflexivos que atravessam as sociedades do continente africano em suas conexões, incluindo, ainda, as políticas de expressões, de mercado e de circulação artísticas, assim como de práticas e agenciamentos de inter(ação) e fruição das artes. Aceitamos contributos diversificados, que incluem artigos no seu formato convencional, mas também formatos de natureza distinta, como ensaio (audio)visual, etno-artes, diários de campo, resenhas, análises críticas de produções artísticas e entrevistas.

Para questões sobre o conteúdo da chamada, envie e-mail para um dos editores do dossiê, o professor Paulo Neves (pscneves@gmail.com). As submissões devem seguir as políticas de seção definidas pela revista e disponíveis em seu website (http://cadernosaa.revues.org/), devendo os ficheiros ser submetidos diretamente aos Cadernos de Arte e Antropologia por meio do e-mail cadernos.arte.antrop@gmail.com.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search