Navigation – Plan du site
Dossier. Relations de genre et masculinités en Amérique latine

Homens e anticoncepção: duas gerações de «camadas médias» no Brasil

Maria Coleta Oliveira, Elisabete Bilac et Malvina Muszkat
p. 59-82

Résumés

L’objectif de ce travail est de connaître les attitudes et les pratiques masculines de contraception. En adoptant une perspective de genre, on essaie de comprendre la logique d’interprétation des hommes en ce qui concerne leur vie reproductive, en identifiant les éléments qui induisent leur raisonnement, la matrice socio-culturelle qui est à la base de leur efficacité et de leur pratique sociale reproductive. L’idée que la contraception est une affaire de femme modèle et régule la fécondité des hommes des deux générations étudiées. Les résultats conduisent à quelques recommandations pratiques : la nécessité de programmes éducatifs en direction des hommes, l’importance du thème de la double protection dans des campagnes qui visent à augmenter l’utilisation du préservatif, des recherches sur les choix contraceptifs, sur les résistances et la continuité dans l’usage du stérilet. Finalement, face aux critiques généralisées sur les pilules hormonales, on recommande de faire des recherches sur la tolérance aux produits existants sur le marché brésilien afin de répondre aux besoins des femmes.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O tema da reprodução tem sido tratado preferencialmente no contexto da vida feminina. É assim que a pesquisa na área, em grande medida voltada para a compreensão dos determinantes dos níveis e padrões de fecundidade examina, a partir da mulher, as carreiras reprodutivas e os projetos de fecundidade (Figueroa, 1996). É certo que algumas pesquisas de tipo survey incluem em seus quesitos a indagação de opiniões e atitudes dos maridos, entendendo que as decisões reprodutivas emergem da dinâmica dos casais, envolvendo as mulheres e seus parceiros.

2Porém, ao menos no Brasil, é muito recente a abordagem da reprodução no contexto da vida masculina. A última Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde, de 1996 - parte do programa internacional dos Demographic and Health Surveys (DHS) - incluiu uma amostra de homens, selecionados de modo independente da amostra feminina (Badiani e Camarano, 1998; BEMFAM, 1999). Isto sinaliza para uma mudança na abordagem da reprodução no âmbito das pesquisas de horizonte demográfico (Mundigo, 1995).

3Mas não é apenas no contexto dos estudos populacionais que a reprodução é tomada como um assunto feminino. No âmbito dos estudos de gênero, a questão da maternidade tem sido examinada com freqüência, tendo como pano de fundo, de um modo geral, a crítica feminista à naturalização do sentimento materno, concepção que integra as matrizes sócio-culturais no Ocidente (Chodorow, 1978; Strathern, 1988). A discussão acerca da reprodução assistida e suas implicações, tem alimentado a produção recente na área dos estudos de gênero, voltando a colocar em foco o tema da maternidade (Strathern, 1995). É também nesse contexto que surge, entretanto, um debate extremamente instigante acerca da paternidade, tema a partir do qual a reprodução passa a poder ser pensada de um ponto de vista masculino (Laqueur 1992; Ruddick, 1992).

  • 1 Esta pesquisa contou com financiamento da Orgamização Mundial de Saúde (OMS), através do Strategic (...)

4Pode-se dizer que, sem sombra de dúvida, a ênfase quase exclusiva na mulher nos estudos sobre a reprodução reflete a construção naturalizada do gênero feminino. A pesquisa «Os Homens, esses desconhecidos… Masculinidade e Reprodução»1 – do qual o presente trabalho faz parte – pretende contribuir para uma ampliação de perspectivas nos estudos sobre a reprodução, focalizando as experiências e pontos de vistas masculinos nesse tema.

5Tomando por base entrevistas em profundidade realizadas com homens pertencentes às camadas médias do maior centro metropolitano brasileiro – a cidade de São Paulo – o presente artigo analisa o modo como homens em distintos momentos de suas trajetórias de vida constroem suas visões sobre a reprodução e sobre sua capacidade de nela interferir. Este trabalho tem como objetivo, portanto, analisar os conteúdos sócio-culturais que modelam as atitudes e práticas masculinas referentes à reprodução. O exame dos projetos e práticas masculinas relativas a ter e a evitar filhos coloca ênfase no contexto em que se deram as decisões masculinas, explorando os dilemas em que se viram por vezes envolvidos quando diante de uma gravidez de suas parceiras. Nessa exploração, buscase entender de que maneira as concepções de gênero com as quais os entrevistados operam interferem em suas avaliações e escolhas com relação a ter ou deixar de ter filhos e aos métodos usados para evitá-los.

As entrevistas e os entrevistados

  • 2 O trabalho de campo envolveu a realização de 50 entrevistas semi-estruturadas com homens e 53 com (...)

6O material analisado provém das entrevistas realizadas na cidade de São Paulo em 1997 com sujeitos pertencentes a duas gerações2. A primeira, nascida entre 1937 e 1957, tinha entre 40 e 59 anos à época do trabalho de campo. A segunda, com idades de 25 a 39 anos, é formada por nascidos entre 1958 e 1972. São estes os grupos cujo material mostrou-se mais significativo para a exploração dos temas de interesse central do estudo, especialmente por terem tido a oportunidade de ter filhos ou de ingressarem em etapas da vida em que este tema passa a ser colocado.

7Ambas as gerações refletem em suas trajetórias sociais, os diferentes processos formadores da nova classe média brasileira (Wright Mills, 1956; Quadros, 1985). Fazem parte de segmentos sociais que se apóiam em profissões especializadas, surgidas em decorrência do desenvolvimento urbano-industrial do país após 1950. São técnicos e funcionários administrativos do Estado ou do grande capital, profissionais liberais, empresários e autônomos. Sua inserção de classe e a posição que ocupam no sistema produtivo ou no aparelho estatal dependem, e muito, do capital cultural e social recebido da família ou adquirido ao longo da vida. Ambas as gerações viveram as importantes transformações sociais e econômicas que desaguaram nos novos padrões de comportamento e de formas de sociabilidade que hoje permeiam os estilos de vida das camadas médias brasileiras. A intensificação do processo de transformação do país, contemporânea aos cursos de vida dos entrevistados, permitiu alterações significativas na organização das relações na família e nos modelos culturais que regem a sexualidade.

8Mais do que nenhuma outra, a coorte nascida entre 1937 e 1957 beneficiou – se da criação de oportunidades de ensino superior e da ampliação e diversificação do emprego, em um período de grande crescimento econômico e de desenvolvimento de novos estilos de vida e de consumo no Brasil (Romanelli, 1986; Mello e Novais, 1998). A partir da Universidade, os entrevistados da geração mais madura, puderam atualizar sua inserção social de classe, alguns com trajetórias de mobilidade social ascendente. Dos 20 entrevistados, 2 são filhos de artesãos urbanos, 4 de white-collars de pouca qualificação formal e 2 pertencem a famílias de pequenos comerciantes. Nestes casos, dificuldades econômicas são mencionadas na infância. Os demais informantes desta geração, porém, já pertenciam a uma pequena burguesia de sólidos comerciantes, profissionais liberais tradicionais, funcionários públicos graduados, civis ou militares ou de autoridades políticas locais. As ocupações encontradas entre os entrevistados desta geração madura são as de professor universitário, jornalista, médico, psicólogo, publicitário, arquiteto, geógrafo, técnico no setor público, gerente de grande empresa privada, pequeno empresário no setor de prestação de serviços especializados (telecomunicações, produção de vídeos, informática) e assessor político. A inserção ou consolidação da posição de classe envolveu, em muitos casos, mobilidade espacial. Dos 20 informantes desta coorte, 9 são nascidos na cidade de São Paulo; os demais nasceram em estados do Sudeste ou do Nordeste do país. Muitos saíram de casa ainda muito jovens, buscando centros urbanos maiores onde prosseguir os estudos. Outros mudaram-se para São Paulo já formados, em função de exigências e/ou oportunidades profissionais.

  • 3 As informações são insuficientes para uma avaliação de sua origem social de 3 dos entrevistados. 2 (...)

9Os informantes da geração mais jovem – nascidos entre 1958 e 1972 – atingiram e viveram sua adolescência nos anos 70 e 80. Portanto, toda sua trajetória de vida se dá quando as transformações sociais no país já se encontravam avançadas. A origem familiar dos entrevistados dessa geração expressa a heterogeneidade da composição dos segmentos médios da sociedade brasileira. Alguns dos 20 entrevistados desse grupo são provenientes da elite proprietária e culta do Sudeste do país: Juiz de Direito, empresários, agentes do mercado financeiro, alto funcionário do sistema bancário e diretor de empresas. Outros provêm de famílias socialmente ascendentes de origem estrangeira, cujos avós ou pais já desenvolviam atividades empresariais no setor do comércio ou da indústria, ou ocuparam postos de direção empresarial. Apenas 2 dos entrevistados fazem parte de famílias tipicamente de classe média urbana, com pais funcionários administrativos e um deles com mãe professora primária. Quatro originam-se dos setores populares, com pais trabalhadores manuais ou não manuais de rotina e baixa qualificação educacional.3

10As ocupações dos informantes da geração mais jovem incluem profissional liberal, jornalista, professor universitário, pesquisador de mercado, produtor cultural, publicitário, diretor de TV, empresário, diretor e gerente de empresa, agente de turismo, educador, dono de escola/academia de educação física e artista plástico. Ainda que nenhuma preocupação de representatividade estatística tenha presidido a seleção dos informantes, é evidente a variedade e a heterogeneidade de ocupações, impensáveis algumas décadas atrás, produto da diversificação ocupacional trazida pelas transformações havidas. A maioria dos informantes revela em seus relatos a importância atribuída pela família à escola e aos estudos, vistos como instrumentos de valorização profissional no futuro. Alguns poucos entrevistados dessa geração relatam terem seus pais lutado com muitas dificuldades para a concretização dos projetos educacionais. Ao contrário do que ocorre com os entrevistados da geração mais madura, os informantes mais jovens são em grande maioria naturais da cidade de São Paulo. Os não paulistanos provêm do interior de São Paulo, ou de capitais do Sudeste, tendo chegado antes de completarem 11 anos. São, pois, todos eles produtos da grande metrópole.

Resultados: as gerações masculinas e a contracepção

11É amplo o conhecimento de grande parte dos métodos anticoncepcionais hoje disponíveis por parte dos homens entrevistados em ambas as gerações. Suas opiniões refletem, muitas vezes, informações obtidas na mídia, comentários e experiências de parentes ou amigos íntimos e, principalmente, a convivência com namoradas e mulheres com as quais mantiveram relacionamentos. Em especial, os homens informamse acerca das alternativas de contracepção com parceiras com quem vieram a estabelecer uma relação amorosa mais duradoura. O amplo conhecimento de métodos anticoncepcionais entre os entrevistados deste segmento social está, em parte, associado à alta incidência de parceiras que não se adaptaram às pílulas hormonais, fazendo com que ambos procurassem métodos alternativos. Freqüentemente acompanham suas mulheres ao médico ginecologista na busca de solução para suas necessidades de contracepção. O quadro-resumo abaixo mostra que a maioria dos entrevistados de ambas as gerações já teve parceiras que utilizavam pílulas hormonais, embora hoje isto constitua minoria.

12Três aspectos comandam a avaliação masculina acerca dos métodos anticoncepcionais: eficácia, facilidade de uso e a possível interferência no prazer sexual. Os métodos de barreira – preservativo e diafragma – são os menos apreciados, por suas dificuldades de uso e, segundo eles, por serem os que mais interferem no prazer sexual. As dificuldades apontadas com o preservativo estão associadas especialmente a sensações de desconforto e problemas na colocação. O DIU e a pílula são os métodos considerados mais cômodos e práticos, com evidente preferência, especialmente entre os entrevistados mais jovens, pela pílula hormonal devido a sua eficácia.

  • 4 Os implantes subcutâneos não são disponíveis no mercado brasileiro e, por isso, não foram incluído (...)

13Dentre os métodos mencionados com menor freqüência estão os espermicidas – conhecidos como coadjuvantes do preservativo ou do diafragma – as injeções periódicas e o condom feminino. Além destes, os implantes subcutâneos são praticamente desconhecidos pelos homens4. Chama a atenção o fato de 29 deles ter ouvido falar do condom feminino, apenas recentemente divulgado pela mídia brasileira. O desconhecimento da novidade concentra-se na coorte mais madura, enquanto 2 dos entrevistados dentre os mais jovens chegaram a experimentá – lo por curiosidade.

14Do ponto de vista do uso, enquanto os mais jovens dividem-se entre o condom e as pílulas hormonais, os mais velhos fazem uso preferencialmente do condom e do método do ritmo, conhecido como «tabelinha». Consistente com o momento de seu ciclo de vida, parte dos entrevistados mais maduros está protegida por métodos cirúrgicos, seja pela laqueadura de suas parceiras ou pela vasectomia, enquanto alguns dos mais jovens experimentaram o DIU.

15O quadro é, pois, de homens razoavelmente bem informados, revelando acesso à informação seguramente superior à média da população brasileira. O que se verifica, portanto é que, no contexto das camadas médias de uma cidade como São Paulo, os homens sabem da existência de boa parte dos métodos contraceptivos hoje disponíveis, e tem informações sobre sua eficácia e implicações. Este nível de informação é consistente com a concepção amplamente difundida nas camadas médias urbanas no Brasil de que ter filhos é uma questão de escolha. De fato, o planejamento da prole constitui, para ambas as coortes, prática universal, e boa parte deles tiveram filhos em quantidade, ritmo e tempo, se não programados, certamente submetidos à interferência de meios de controle.

  • 5 Dada a clandestinidade do aborto no Brasil, é difícil obter dados confiáveis sobre sua prática. Cf (...)

16De acordo com o que se sabe sobre a difusão de práticas de regulação da fecundidade no Brasil, as camadas mais abastadas e urbanas da população já faziam uso de meios para limitar o número de filhos desde o princípio do século XX, estendendo-se o uso às camadas médias em processo de formação nas cidades ao longo das décadas que se seguiram (Souza, 1996; Frias e Oliveira, 1991; Berquó, Oliveira e Camargo, 1977). Antes da disseminação das pílulas hormonais, no entanto, restavam como alternativas o coito interrompido, o preservativo e a contagem dos dias férteis, além da prática do aborto. Embora inexistam estudos epidemiológicos, sabe-se que o aborto foi e é prática costumeira no Brasil5, servindo como meio de limitação de filhos apesar de sua clandestinidade. Vale destacar as diferenças que marcaram o quadro de possibilidades e de escolhas contraceptivas de cada uma das duas gerações.

  • 6 As pílulas hormonais começaram a ser comercializadas no Brasil em 1965.
  • 7 Apenas 7 dos entrevistados maduros iniciaram-se sexualmente com namoradas enquanto 12 tiveram a pr (...)
  • 8 A norma moral, adotada pela cultura brasileira, era aquela que o sexo ilegítimo somente poderia se (...)

17Boa parte da geração mais velha, nascida entre 1937 e 1957, atinge os 15 anos antes de as pílulas anticoncepcionais estarem disponíveis no mercado6 e em uma época em que as normas de conduta, especialmente nos amplos segmentos afetados pela moral católica, reduziam muito as possibilidades de contato sexual entre jovens da mesma classe social. A diferença entre esta e a geração mais jovem é evidente nos relatos. Os mais velhos mencionam com freqüência o rígido controle familiar a que eram submetidos em sua infância e adolescência, especialmente no que dizia respeito às relações com as meninas. A primeira experiência sexual com penetração ocorre com freqüência com profissionais do sexo ou com empregadas domésticas nas casas de suas famílias.7 Apesar de as lembranças serem freqüentemente negativas, as vivências relatadas são de ruptura das barreiras da repressão sexual a que se viam submetidos. Não é por outra razão que vários dos entrevistados relatam terem casado cedo. O casamento significou a libertação da repressão familiar, especialmente sexual, ainda que vários deles tenham mantido relações sexuais com algumas de suas namoradas nos tempos de universidade.8 Em realidade, é esta geração que protagoniza a ruptura com os padrões morais e familiares tradicionais nas camadas médias brasileiras (Ventura, 1988; Vaitsman, 1994).

  • 9 Ser corintiano significa torcer por um dos times de futebol mais populares do «país do futebol», o (...)

18Vale notar que a adoção de ideologias políticas de esquerda e a participação na mobilização política contra o regime autoritário no Brasil, caminharam junto com os conflitos contra a repressão familiar. Como diz elucidativamente um dos entrevistados da geração madura, em sua época, «ser de esquerda, fazer aborto, gostar de Fellini e ser corintiano era tudo parte de uma coisa só!»9. As pílulas hormonais surgiram no mercado ao longo do período de juventude desta geração, difundindo-se aos poucos entre as camadas médias e no conjunto da população. Não é de se estranhar, portanto, a utilização sistemática do aborto na história reprodutiva dos homens da geração mais madura. Juntamente com o coito interrompido e a contagem dos dias férteis, eram as alternativas de que as pessoas podiam lançar mão. Esse tema será tratado mais adiante.

  • 10 Dos 20 entrevistados na geração jovem 9 iniciaram-se com prostitutas, 8 com namoradas ou pessoas c (...)
  • 11 cf. análise preliminar dos dados da pesquisa em Oliveira et al. (1999). Para uma análise do materi (...)

19A geração mais jovem aqui analisada, nascida entre 1958 e 1972, já ingressa na vida sexual tendo à sua disposição as pílulas hormonais e em período em que os costumes e a moral sexual já haviam sofrido importantes mudanças. Ainda que persistissem práticas de relacionamento sexual socialmente assimétricas, as possibilidades de contato sexual com namoradas de mesma condição social eram maiores. De fato, a geração de homens mais jovens pouco menciona em seus depoimentos terem sido submetidos à repressão sexual de forma análoga à geração mais madura. Os relatos sobre a primeira experiência de sexo com penetração – ainda que, surpreendentemente, em muitos casos com profissionais – mostram que foram vividas como rito de passagem do masculino ou comprovação da identidade como homens, e não como superação da repressão do sexo, como na geração mais madura.10 Revelam, também, que a prática do sexo com namoradas constituía norma entre os membros de sua geração, aliada muitas vezes à adoção de um mesmo domicílio sem casamento, conhecida como a alternativa de «morar junto», sem que fossem esperados, por eles ou por suas famílias, os mesmos compromissos de um casamento. Estas mudanças não se fizeram sem conflitos e assincronias, como a análise do material permitirá mostrar. Cabe salientar, para completar sumariamente o ambiente cultural da nova geração, a substituição de um ideário político por uma individualização dos projetos pessoais. Este tema foi tratado de inúmeros autores, chamando a atenção para a emergência de uma vertente do individualismo moderno na conformação dos horizontes culturais das camadas médias dos grandes centros urbanos brasileiros (Figueira, 1985; Salém, 1986; Velho, 1986 e 1987). Nessa vertente, a psicanálise e a adesão a uma visão psicologisada da vida constituem ingredientes importantes, fazendo com que as relações interpessoais e a subjetividade adquiram relevo e precedência. Na geração mais jovem, esses valores funcionam como verdadeiros filtros culturais da maneira como tende a encarar a vida e seus projetos. Encontrando o caminho pavimentado pelos que os precederam, os mais jovens exibem em seus discursos os desafios da busca da realização pessoal e os dilemas do desenvolvimento da subjetividade.11

20A análise que se segue procura situar o conhecimento, as opiniões e as práticas masculinas de contracepção no contexto dos relatos de suas experiências, no sentido de entender como este conhecimento se constrói ao longo das situações com as quais os homens se confrontaram nos relacionamentos amorosos ao longo da vida. Consistente com a perspectiva adotada, a experiência masculina com a contracepção será analisada a partir da matriz sócio-cultural de gênero com que revelam operar os sujeitos entrevistados.

Macho e fêmea

21«Ela optou [pela laqueadura] porque aí eu nessa questão dos filhos eu sempre achei que a mulher que tem que decidir se ela quer o filho, ela ficou grávida, se ela quer ter a criança, não quer ter a criança acho que é o corpo dela é ela quem tem que decidir, ela tem até prioridade ao meu desejo e a gente sempre fez assim (…)» (046, masculino, 55 anos, em união, 2 filhos).

22Cuidar de evitar uma gravidez não desejada é, para a maioria dos entrevistados, um problema da mulher, atitude fundamentada no fato de ser a reprodução ocorrer no corpo da mulher. Este sentimento é especialmente forte e geral na geração mais madura. De fato, os homens entre 40 e 59 anos afirmam, com freqüência, que nunca se preocuparam em evitar uma possível gravidez, confiando que suas parceiras o fariam e mencionando ser esta atitude parte da cultura de sua época. Na geração mais jovem, embora o ideário masculino afirme que é a mulher quem tem que se cuidar – pois é ela que sofre as conseqüências – alguns dos entrevistados revelam terem sempre se preocupado com a prevenção de um filho não desejado ou com a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

  • 12 O método do ritmo é comumente classificado como método feminino de contracepção. Como método compo (...)

23A idéia de que cabe à mulher o cuidado com a prevenção reflete muito mais as concepções naturalizadas da reprodução e da própria mulher do que a realidade da experiência masculina. Há, de fato, uma certa dissonância entre a experiência contraceptiva concreta e a expressão convicta de que o problema é da mulher. Em realidade, são poucos aqueles que declaram terem se preocupado ou se cuidado desde os seus tempos de juventude, menção mais freqüente entre os mais jovens. O que os relatos revelam é que os homens são como que empurrados para a cena contraceptiva. Dois fatores parecem desempenhar papéis importantes. De um lado, as mudanças na relação amorosa e, de outro, as dificuldades com as pílulas anticoncepcionais. Esse tema retornará mais adiante. O que é importante aqui considerar é que, à medida que o relacionamento se prolonga, também a necessidade de equacionar a contracepção se coloca de modo mais evidente. Na dinâmica de uso, a experiência de aborto e/ou as dificuldades de adaptação com as pílulas hormonais acabam por envolver os homens na busca de alternativas para sua proteção e a de suas parceiras. Nesse caminho, muitos deles terminaram por experimentar métodos que implicam na participação masculina, como o condom, o coito interrompido e o método do ritmo12, freqüentemente usados de forma combinada. A aparente disposição frente à vasectomia reforça a idéia de um envolvimento masculino com a contracepção maioir do que suas afirmações levariam a supor. Na geração mais madura, 5 dos homens fizeram vasectomia e outros 5 afirmam que fariam, na geração mais jovem, há um vasectomizado e outros 11 afirmam que se submeteriam a uma vasectomia, ainda que alguns ponderem sobre as implicações de uma solução definitiva.

24Como explicar essa dissonância? Como entender a construção masculina da contracepção? A hipótese que emerge da leitura do material é que um discurso sobre os corpos constitui a base da construção masculina, com implicações para sua vida reprodutiva e para o controle de sua fecundidade.

25Em realidade, o corpo da mulher é, para os homens de ambas as gerações, o princípio de todas as coisas em matéria reprodutiva. É o fundamento do próprio feminino. Na concepção expressa pelos homens, o feminino tem um pé na natureza, na condição biológica da mulher. Referências ao «relógio biológico», à importância dos «hormônios» ou à «natureza hormonal» da mulher, apontam nesta direção. Em realidade, a idéia de mulher-natureza faz parte da socialização masculina desde muito cedo. Pode-se mesmo afirmar que, na visão expressa pelos sujeitos, ambos homens e mulheres estão submetidos a sua conformação biológica, ainda que suspeitem que, de alguma maneira, a sociedade ou a cultura tenham algo a ver com as noções e práticas nas relações entre homens e mulheres. De acordo com a matriz cultural com a qual os entrevistados operam, ambos mulheres e homens encontram-se submetidos ao poder de seus corpos. Os homens separariam amor e sexo, seriam mais ousados ou arriscariam mais na vida, enquanto as mulheres tenderiam a associar suas experiências de sexo e de afeto ou a confundi-las. As mulheres teriam mais necessidade de sentir-se seguras, amparadas e assim por diante. Este tipo de concepção parece ser mais freqüente no repertório da geração mais velha, embora não seja de todo ausente entre os sujeitos mais jovens.

26De fato, comparando as duas gerações, o que se verifica é que os mais jovens tiveram maiores oportunidades de aprendizado na convivência com as mulheres, e mais cedo que a geração que os precedeu. Apesar de algumas semelhanças surpreendentes – como a já mencionada persistência da iniciação sexual com profissionais – a geração mais jovem pôde experimentar com menos constrangimentos na juventude. Pôde ainda valer – se, como já comentado, dos subsídios da psicologia e da psicanálise, ingredientes importantes das novas visões de mundo. É possível que, na experiência da geração mais jovem, a força dos conteúdos naturalizados dos gêneros acabe por atenuar – se em vista disso.

27As entrevistas com esta geração revelam homens fazendo escolhas provavelmente diferentes daquelas a que teve acesso a geração madura. Escolhas que lhes abriram a oportunidade de um aprendizado cultural novo, que lhes permitiram verem – se como diferentes de outros homens. Diferentes porque integram amor e sexo em uma só experiência, porque preservam a intimidade de seus relacionamentos afetivos com o outro sexo, porque se permitem expressar sensibilidade e emoções. Diferentes do que chamam de um «padrão normal» masculino, de um estilo «mais macho», permitindo – se serem «mais abertos ao lado feminino», referências claras à matriz sócio-cultural de gênero da qual escolheram afastar – se. A experimentação entre os mais jovens parece caminhar no sentido de uma integração das vivências masculinas, integração tomada como escolha cultural, em meio a um repertório no qual masculino e feminino apresentam – se como características da biologia dos corpos.

  • 13 cf. o debate entre T. Laqueur (1992) e S. Ruddick (1992) a propósito da paternidade e da maternida (...)

28A idéia da mulher-natureza tem também sua expressão na certeza masculina de que toda mulher quer ser mãe, desejo este que teria origem em seu corpo. Esta convicção é, das noções sobre os gêneros manifestas pelos sujeitos, a mais comum. Sua quase universalidade reafirma a importância cultural e simbólica da construção naturalizada do feminino e da maternidade com a qual homens e mulheres – hélas – ainda se debatem.13 O discurso masculino sugere que os homens colocam – se muitas vezes à mercê do desejo feminino de ser mãe. Este desejo é percebido pelos homens como fazendo parte da natureza feminina, e manifestando – se necessariamente em algum momento da vida da mulher ou da relação amorosa. Por esta razão, os homens muitas vezes transferem à mulher a decisão de engravidar ou prosseguir uma gravidez, a escolha por fazer uma laqueadura ou mesmo uma vasectomia. Outras vezes negociam o adiamento de filhos, certos, porém, de que em algum momento terão que recuar.

29De fato, a reação masculina face ao desejo materno feminino parece ser ambígua. Os homens reconhecem e respeitam este desejo como legítimo, por vezes submetendo – se a ele no embate com suas próprias inclinações ou vontades. Esta ambigüidade aparece em vários tipos de relatos como, por exemplo, naqueles sobre a vinda do primeiro filho e sobre a possibilidade de realizar uma vasectomia como forma de contracepção.

30O material das entrevistas revela que vários dos sujeitos foram surpreendidos por uma gravidez não planejada, apesar de terem sido capazes de, por vezes, adiar a vinda de um primeiro filho. Apesar da paternidade fazer parte das expectativas de vida masculinas, os projetos ou desejos masculinos de filhos tendem a situar – se em um futuro cronologicamente indefinido, condicionando o momento adequado ao preenchimento de uma série de condições pessoais, profissionais e da relação amorosa (Oliveira et al., 1999; Bilac, Oliveira e Muszkat, 2000).

31Embora vários dos entrevistados tenham desejado seus filhos, e outros tenham feito valer suas preferências em vários momentos, o sentimento de impotência masculina frente à gravidez da mulher é notável. Algumas vezes, apesar da disposição subjetiva dos homens em romperem a relação ou suas ambigüidades frente a ela, não se sentem capazes de interromper o processo ou de negar à mulher a maternidade ou, pelo menos, sentem – se desconfortáveis nessa posição. Parecem impotentes para interferir na decisão da mulher, antevendo que qualquer que fosse sua própria reação ou disposição, a gravidez prosseguiria e o filho nasceria. Os homens se vêem como que de fora, sem controle. Nesse momento, alguns dos entrevistados claramente não se colocam como sujeitos mas, sim, como objetos da decisão do outro.

32Em vista disso, na prática, as mulheres parecem definir o momento em que seus homens tornam-se pais. É a mulher que, com a notícia da gravidez, diz ao companheiro «eu vou ter este filho». Os roteiros da masculinidade madura – que envolvem ter filhos e tornar-se homens responsáveis, «de família» (Bilac et al., 2000) – tem na mulher seu elemento operador. Os homens «engolem» isto é, aceitam o fato consumado e assumem como que em falta de alternativa. Ou seja, diante da concretização do desejo «natural» feminino de ser mãe, os homens tendem a parar, a recuar. Essa impotência masculina tem sua raiz na idéia de que «toda mulher quer ser mãe», da maternidade como «vocação natural feminina», concepções que se apóiam na biologia do corpo da mulher.

33O tema da vasectomia é outro momento em que a naturalidade do desejo feminino de ser mãe interfere nas concepções masculinas. Mencionando espontaneamente ou reagindo à indagação do pesquisador acerca da vasectomia como alternativa para evitar filhos, todos os sujeitos foram capazes de emitir juízos a seu respeito. Interessante notar que, em ambas as gerações, há mais homens favoráveis à solução cirúrgica do que os contrários a ela, apesar dos receios ou ponderações.

  • 14 Apresentaram outras ponderações outros 5 dentre os mais maduros e 4 dentre os mais jovens.

34Dois entre os homens maduros e 8 entre os mais jovens tendem a condicionar a decisão pela vasectomia ao encerramento de suas tarefas reprodutivas. Dois entre os mais jovens e 3 entre os mais velhos revelam projetos familiares definidos, com a primeira mulher ou em novas uniões. Semelhantes aos anteriores, declaram que fariam a cirurgia eventualmente após a realização de seus projetos. 8 dentre os mais velhos e 6 dentre os mais jovens afirmam querer preservar sua capacidade reprodutiva e temem arrepender-se no futuro. A metade de cada um destes grupos refere – se à possibilidade de suas futuras parceiras de outras uniões virem a querer filhos, para o que deveriam manter-se aptos a satisfazer seus desejos.14 As entrevistas indicam que os homens têm consciência de que sua capacidade procriadora estende – se no tempo mais que a da mulher. Esta consciência parece acionada pela experiência de separação ou divórcio, própria ou de pessoas de suas relações, quando a perspectiva de uma nova união coloca novamente em questão os projetos reprodutivos masculinos. Vale notar que a referência a este tipo de possibilidade, presente em ambas as gerações, está associada à tendência de os homens divorciados re – casarem com parceiras bem mais jovens, que eventualmente não experimentaram a maternidade e, na acepção dos homens, têm o direito de fazê-lo.

  • 15 Estar apto a fecundar, caso a mulher deseje, parece assemelhar – se às referências dos sujeitos a (...)

35A leitura do material permite arriscar a hipótese de que a socialização de gênero masculina coloca – os na posição de permanente prontidão frente à mulher. São como se fossem fecundadores de plantão, sempre aptos a atenderem aos desejos femininos da maternidade. Ser capaz de fecundar suas mulheres, ainda que não deseje filhos, constitui prescrição de gênero. É tão forte a formação masculina que, embalado no desejo de uma namorada, um dos entrevistados chega mesmo a pensar em reverter a vasectomia apesar de ter claro não querer mais filhos. É nesse sentido que a masculinidade encontra-se subordinada à feminilidade.15 No entanto, a expectativa de ter filhos de uma nova relação não parece ser idiossincrasia masculina. Alguns entrevistados relataram a frustração de suas parceiras por não poderem gerar filhos por terem sido laqueadas, o que teria trazido dificuldades ao novo relacionamento conjugal. Há, na verdade, uma expectativa cultural mais geral de que a união heterossexual seja reprodutiva. A novidade, revelada pela pesquisa, é a posição em que os homens parecem se colocar diante desta prescrição.

36Sendo tão forte a convicção masculina acerca do corpo feminino, razões não faltam aos homens para justificar ser a contracepção um problema da mulher. Apenas muito recentemente eles deram-se conta do poder que, de fato, esta construção confere às mulheres na dinâmica das relações interpessoais.

O aborto na experiência masculina

37«(…) eu nunca me preocupei muito na verdade [com a reprodução, gravidez]. É isso, eu nunca me preocupei. (…) eu nunca fui educado para me preocupar com isso. Eu acho que também tem um pouco essa… (…), que sempre as mulheres se preocuparam. Porque a pílula quem toma é a mulher. Eu acho que as coisas estão mudando de uns anos para cá, recentes. (…). Na minha época a gente, homem, nunca precisou se preocupar muito com isso. E era assim, eu tenho vários amigos meus que também não se preocupavam e a mulher também não tomava nada e ficou grávida e quem foi fazer aborto é a mulher quem vai fazer. Então sempre a coisa é para o lado da mulher, sempre quem acaba se prejudicando é a mulher. Porque mesmo a pílula faz mal à saúde [da mulher]. Mas eu nunca me preocupei com isso, acho que já tinha uma coisa pronta na sociedade que a mulher resolvia, ou ela tomava a pílula ou ela fazia o aborto.» (026, masculino, 41 anos, descasado, 2 filhos).

38O trecho acima resume as contingências da contracepção do ângulo da experiência masculina. A possibilidade de interromper uma gravidez não desejada faz parte do universo de valores de ambas as gerações. O material sugere haver possivelmente diferenças entre elas, sugerindo mudanças propiciadas talvez pela maior divulgação e acesso a meios preventivos de controle. A progressiva liberação da prática do sexo e sua desvinculação da reprodução não foram acompanhadas na mesma intensidade pela adoção de métodos contraceptivos seguros. Isto implicou em que os homens e mulheres vivessem sob o risco de deparar – se com uma gravidez não desejada ou inoportuna, tendo em vista o tipo de relacionamento amoroso ou etapa da vida em que se encontravam. Face uma gravidez inesperada, as opções eram assumi – la e ao filho que dela decorreria ou praticar um aborto. Vários dos entrevistados mencionaram terem precipitado um casamento devido a gravidez da namorada, enquanto outros decidiram por um aborto, repetindo sucessivas vezes a mesma fórmula.

  • 16 Não é possível saber a proporção de gestações cada parceira que terminaram em aborto durante a vig (...)

39Quinze dos 20 entrevistados da geração madura reportaram 33 abortos de filhos por eles gerados, sendo 2/3 deles realizados para interromper uma gravidez de suas esposas. Entre os mais jovens, 8 dos entrevistados relataram 17 abortos, a metade com suas esposas. Não há parâmetro para avaliar quão pouco ou muito seriam. Porém, os depoimentos revelam que o aborto foi amplamente utilizado como meio «contraceptivo», especialmente na geração mais madura.16

40Boa parte dos abortos no contexto de uniões estáveis ou mais duradouras aconteceu no início da relação amorosa ou da vida a dois, quando um filho era considerado inoportuno frente aos planos de vida dos parceiros. Ao que parece, os homens mais maduros seguiram mais freqüentemente lançando mão do aborto como prática de regulação da fecundidade ao longo do casamento. Como afirmam alguns entrevistados, fazer aborto fazia parte da cultura jovem da época, conotando independência com relação aos desígnios do corpo e das prescrições reprodutivas. Na experiência masculina, o aborto é também alternativa preferencial em casos de gravidez inesperada no contexto de uma relação amorosa ocasional ou quando não há planos de futuro a dois. Apesar disso, alguns homens tornaram – se pais nessas circunstâncias, rendendo – se ao desejo de suas parceiras.

41Apesar de os dados sugerirem familiaridade e até mesmo uma certa banalização do aborto, especialmente na geração madura, não é sem ambigüidades que os homens passam pela interrupção de uma gravidez de suas namoradas ou esposas. A experiência de um aborto é referida pela quase totalidade dos sujeitos que por ela passaram como «traumática». Trauma, pela violência que a interrupção da gravidez impõe ao corpo da mulher, deixando no horizonte a possibilidade de um novo episódio mais adiante.

  • 17 Nenhum dos entrevistados menciona o Cytotec para a indução de um aborto, via extremamente difundid (...)

42O fato de o aborto ser prática ilícita e criminosa no Brasil é um ingrediente importante desse trauma. A clandestinidade de todo o processo é constrangimento a que vários entrevistados fazem referência, apesar de que, por sua condição social, tenham provavelmente tido acesso a clínicas ou profissionais especializados. Pesam as preocupações quanto à competência do profissional, as condições de higiene e de assepsia das instalações e dos instrumentos.17 A ambigüidade masculina com respeito ao aborto se expressa também em sentimentos de culpa ou de remorso (ou na justificação de porque não haveria razões para que qualquer dos parceiros se sentisse culpado). Alguns relatam que, passados muitos anos do episódio, pegam – se fantasiando como seria aquele filho cuja gestação fora interrompida. Os homens por vezes confessam – se aliviados por terem sido informados apenas após a decisão já ter sido tomada ou o aborto realizado, mesmo em casos de aborto praticado no contexto de relacionamentos ocasionais, por vezes casos amorosos extraconjugais. Afirmam que se sentiriam constrangidos de participar da decisão e acompanhar suas parceiras para submeterem – se ao aborto. Sentir – se pouco à vontade decorre, algumas vezes, não apenas da percepção do aborto como violência sobre o corpo da mulher mas, também, do reconhecimento da legitimidade do desejo feminino de experimentar a maternidade, reportando – se à precedência do corpo feminino em matéria reprodutiva.

43Uma palavra deve ser dita sobre a religião e seu eventual papel na questão do aborto. O material sugere que as teses da Igreja Católica encontram pouca ressonância entre os entrevistados, confirmando outros estudos localizados (Ramírez, 1999). Apesar disso, e apesar de o aborto conotar uma orientação ideológica progressista, especialmente na geração mais madura, 3 dos entrevistados desta geração referem – se a aspectos religiosos em suas avaliações. Apenas um deles declara – se frontalmente contrário ao aborto, por se tratar de interrupção da vida, consistente com sua formação tradicional católica. Os demais são favoráveis à prática, revelando porém algum desconforto, associado a sentimentos de religiosidade ou de espiritualidade. Na geração mais jovem não são encontrados argumentos de tipo religioso. Esses achados são consistentes com a idéia de que a oposição ao aborto no Brasil decorre menos da importância do catolicismo na vida cotidiana do que do poder de controle da Igreja Católica sobre a «opinião pública» (Rocha, 1996).

44No entanto, a conduta masculina é pautada por uma ética clara que não admite tergiversações. Em caso de decisão por um aborto, em qualquer situação, cabe ao homem oferecer à mulher apoio emocional, acompanhá – la durante o procedimento e arcar com seus custos. Os homens devem «assumir» a situação, independentemente da natureza do relacionamento, duradouro ou eventual. Esta conduta cavalheiresca é imperativa, denotando bom caráter e responsabilidade, motivos de auto-avaliações positivas por parte dos homens. Na formulação desta ética masculina, é como se, assim fazendo, os homens compensassem suas parceiras pelos dissabores de um aborto.

45A importância do aborto como prática de regulação da fecundidade para os homens das camadas médias urbanas no Brasil tem certamente a ver com as alternativas de métodos disponíveis e seus problemas. A geração madura espelha em sua experiência as contingências anteriores ao advento das pílulas hormonais. Estas, inicialmente recebidas como solução para o sexo sem medo de gravidez, aparentemente acabam sendo apenas parcialmente incorporadas à vida das camadas médias, em função das dificuldades decorrentes dos efeitos colaterais não tolerados pelas mulheres. A relativamente pequena presença do DIU, a ausência quase completa do diafragma e as dificuldades com o preservativo restringem as escolhas, especialmente para a geração mais madura. Os depoimentos revelam que os homens conviveram, em vários momentos, com o risco de uma gestação não desejada. Apesar do caráter unanimemente traumático do aborto, os homens confessam terem arriscado, fazendo sexo sem proteção ou confiando excessivamente na precisão da famosa «tabelinha». O aprendizado nesta área parece ser, para os homens, difícil e penoso. Os resultados confirmam e esclarecem, desse modo, observações já feitas em outras ocasiões de que o aborto faz parte da experiência reprodutiva de segmentos escolarizados, apesar do conhecimento de métodos preventivos (The Alan Guttmacher Institute, 1994; Ramírez, 1999).

As pílulas hormonais e seus problemas

46«(…) a pílula eu acho, para casais onde ninguém é soropositivo, eu acho maravilhosa, mas acho que traz seqüelas para a mulher que não é legal, acho que fica meio uma opção da mulher de usar ou não. Assim por exemplo se a pílula não fizesse mal ao metabolismo da minha esposa eu acharia maravilhoso, continuaria a usar pílula. (…) Olha, para mim sendo bem individualista, mesmo eu acho que é a pílula [o melhor método]. Ah porque eu não preciso ter o incômodo da camisinha, você pode penetrar sem ter que parar antes para colocar ali uma camisinha, é o mais tranqüilo, sossegado para o homem.» (062, 33 anos, em união, sem filhos).

47A pílula anticoncepcional feminina é o método masculino por excelência da geração mais jovem. Foi em parte graças às pílulas hormonais, além do aborto, que a geração precedente foi capaz de separar o sexo da reprodução. Para a geração mais jovem, como já comentado, as pílulas entraram mais cedo em seus cursos de vida, fazendo parte de suas relações amorosas com namoradas e, mais adiante, com suas esposas. Porém, a maioria, tanto jovens e maduros, teve parceiras que fizeram uso da pílula.

48Na dinâmica de uso, a pílula é utilizada em relações mais duradouras, entre os mais jovens ainda com as namoradas e, entre os mais maduros, após experiências mal sucedidas com o método do ritmo, coito interrompido e/ou condom. Além de situar – se entre os métodos mais conhecidos e experimentados – equiparada ao condom e ao método do ritmo – as pílulas hormonais são apreciadas pelos homens, em sua quase totalidade, por sua eficácia contraceptiva. De fato, nenhum dos entrevistados mencionou dúvidas quanto à eficácia desse método, apesar de alguns terem feito referência à necessária regularidade do uso como garantia de proteção contraceptiva. Além da eficácia, os homens consideram a pílula um método prático – «basta tomar um comprimido todo os dias e pronto». Este caráter prático está também associado à despreocupação, do ponto de vista dos homens, com a proteção contra uma gravidez não desejada, opondose por isso a métodos que requerem cuidados em cada relação sexual, especialmente os de barreira, como o preservativo e o diafragma. Alguns relatam que começaram seus relacionamentos usando «camisinha», abandonando – a diante da constatação de que a parceira usava pílula ou quando ela passou a usá – la. Da ótica masculina, dentre as opções de métodos contraceptivos disponíveis não existem rivais para as pílulas hormonais.

49Apesar de líder na preferência masculina as pílulas encontram, segundo os homens, restrições por parte da maioria das mulheres. Lamentam que, sendo a pílula algo tão fantástico, não dê certo! A experiência, tal como relatada pelos homens de ambas a gerações, é de insucesso com as pílulas. Entre os 10 homens da geração madura, em união na época da entrevista, 8 tiveram parceiras que usaram a pílula, todos mencionando dificuldades de adaptação e conseqüente abandono do método. Os 10 que se encontravam descasados mencionam experiência com a pílula, 6 dentre eles relatando terem suas mulheres interrompido o uso devido à intolerância a seus efeitos colaterais. O quadro na geração mais jovem é semelhante, porém menos intenso, especialmente entre os descasados. Dentre os descasados, 8 tiveram experiência com o método e apenas 3 dentre eles mencionam problemas com a pílula. Dentre aqueles em união, 7 relatam intolerância de suas parceiras. Os dados sugerem que o método responsável pela dissociação entre sexo e reprodução encontra, surpreendentemente, obstáculos a manter – se como alternativa da preferência feminina nas camadas médias urbanas paulistanas.

50Apesar de ansiarem por solução que lhes permitisse sustentar a confortável posição de que «a mulher é quem cuida», vêem – se forçados a lidar com as preferências femininas. Os homens tendem, porém, a aceitar como legítimas as queixas femininas e a incorporá-las em seus argumentos.

  • 18 Quando da entrada do DIU no Brasil, a Igreja Católica reagiu negativamente, disseminando-se a idéi (...)

51Como contraponto à pílula anticoncepcional, alguns dos homens mencionam os dispositivos intra-uterinos. Na dinâmica de uso, é muitas vezes em decorrência dos problemas com a pílula que os sujeitos referem – se à experiência com o DIU. Aos olhos dos homens, o DIU é o único método comparável à pílula. É considerado «prático» por não exigir colocação a cada relação sexual, diferentemente do condom, e relativamente menos danoso à saúde da mulher. Porém, alguns entrevistados, especialmente na geração mais jovem, pensam ser o DIU invasivo por se tratar de algo estranho ao corpo da mulher e, por isso, potencialmente lesivo a sua saúde. Outros se referem a casos de conhecidas que engravidaram com o método, e mencionam riscos de infecções silenciosas e de aborto em caso de gravidez.18

52As interferências no corpo da mulher e seu impacto na saúde feminina organizam as avaliações masculinas acerca dos principais métodos chamados de femininos. Os argumentos de saúde são especialmente relevantes na geração mais jovem, onde são mais freqüentes referências ao caráter invasivo ou agressivo dos métodos. Não seria por acaso ser esta geração chamada de «geração saúde», por suas preocupações com o cuidado do corpo e sua manutenção em boas condições físicas, pela prática do esporte e um estilo de vida saudável. Parecem ecoar em alguns depoimentos da geração mais jovem concepções de tipo naturalista ou ditas «alternativas», que recusam tudo quanto possa ser visto como não natural. As pílulas hormonais especialmente, e o DIU estão sujeitos a este tipo de reserva por parte de alguns dos entrevistados desta geração.

Caminhos do envolvimento masculino: da «tabelinha» à vasectomia

53«(…) a [minha primeira filha] nasceu pelo fato de a gente ter descuidado. Mesmo quando a gente transava sendo namorados eu nunca usei camisinha, era tirar fora e (…) aí nasceu a [minha filha, e antecipou o casamento]. [Minha mulher] começou a tomar pílula, mas não se deu bem com pílula e aí a gente começou a usar a tabelinha. Isso foi durante 6 anos, do período entre a [primeira filha], que tem 24 e o [segundo filho], que tem 19 anos. Ficamos assim durante 6 anos. O [segundo filho] a gente quis ter, ele foi, digamos assim, o planejado. (…) A [minha mulher] colocou DIU e ficou 2 anos e meio com ele, quando tirou o DIU nasceu o [segundo filho]. Ela tirou [o DIU] consciente para que a gente tivesse o [filho]. Depois que [ele] nasceu, a gente continuou do mesmo jeito, usando a tabelinha. [Minha mulher] não usava [pílula] anticoncepcional, eu nunca usei camisinha e aí veio a [terceira filha]. Mas ela veio sem [querer], a gente ia parar nos dois. (…). Aí, quando a [terceira filha] foi concebida… ela nasceu no dia 16 de dezembro, no dia 28 de dezembro eu fiz vasectomia. Porque a gente tinha combinado assim se a [filha] nascesse de cesariana, [minha mulher] faria a laqueadura; se [ela] nascesse de parto normal, eu faria vasectomia. Como isso aconteceu, eu fiz vasectomia e aí fiquei de quarentena junto com a [minha mulher]!» (087, masculino, em união, 48 anos, três filhos).

54Este depoimento revela um roteiro freqüente da dinâmica de uso de anticoncepção. A busca de alternativas às pílulas hormonais acaba dando margem a que homens de ambas as gerações, mas especialmente os mais jovens, se inteirem das alternativas disponíveis. Além disso, o método do ritmo, em geral combinado com o coito interrompido ou com o preservativo, são métodos de contracepção que envolvem a participação masculina. O uso do DIU como alternativa à pílula não exclui a necessidade de recorrer ao condom, ao método do ritmo ou ao coito interrompido – isolados ou combinados – utilizados nos intervalos da troca do dispositivo.

55Os homens da geração madura, no entanto, muito freqüentemente mencionam que, no início de sua vida sexual ou conjugal, não se preocupavam com sua proteção, «desencanando» quando a parceira informava que usava pílula, transferindo a responsabilidade para a esfera feminina. Uma pequena parcela de entrevistados, porém, revela ter sempre se procurado proteger – se, preocupação mais uma vez mais comum na geração mais jovem. Alguns deles chegam mesmo a assumir a posição segundo a qual a solução do problema da contracepção é e deve ser de responsabilidade dos dois parceiros. Essa posição é mais comum entre os mais jovens, e parece ser consistente com os ideais amorosos de sua geração (Oliveira et al., 1999).

  • 19 No limite, o uso do preservativo tem para alguns homens um aspecto de aprendizado na esfera da sex (...)

56Seja porque as mulheres desistiram da pílula ou do DIU, seja porque os homens escolheram garantir-se de uma conseqüência não desejada de seus atos, seja porque têm que negociar com suas companheiras a alternativa que mais lhes convém, o fato é que, apesar das queixas, o preservativo acaba sendo o método mais popular entre os entrevistados de ambas as gerações. Como única proteção ou associado a outros, o preservativo aparece no discurso como uma opção na falta de opções, ou seja, como o último recurso. A maior parte dos homens de ambas as gerações, porém, relata dificuldades de se adaptarem ao uso do condom, queixando – se de desconforto, da interrupção no ritmo da relação sexual e de interferência no prazer. Revelam esforçar – se para encontrarem uma forma de conviver com seu uso em seu dia a dia da prática sexual. Vale notar que, especialmente entre os descasados, o preservativo chega a ser mesmo mencionado como método preferencial, associado à freqüência de mudança de parceiras. Nestes casos, os homens apontam a necessidade de evitar uma gravidez e de proteger-se contra doenças sexualmente transmissíveis, especialmente o HIV/Aids. Alguns homens, no entanto, acabam adaptando – se ao uso do preservativo, acomodando-se a essa solução.19

57O uso do preservativo é muitas vezes associado a outros métodos, especialmente à contagem de dias férteis – a famosa «tabelinha». Considerando o conjunto dos métodos utilizados pelos entrevistados ao longo da vida, o arranjo «camisinha-tabelinha» é, depois da pílula, talvez o mais comum como método principal e/ou temporário, especialmente com parceiras fixas. Os entrevistados tem consciência da precariedade da associação da «tabelinha» ao preservativo, muitas vezes mencionando a necessidade de a mulher ter ciclos regulares para que tal escolha funcione como proteção à gravidez. A freqüência com que os homens se dizem surpreendidos por uma gravidez não planejada de suas parceiras sugere que têm razão em suas avaliações. Alguns justificam, com esse argumento, a procura por métodos mais seguros, sendo algumas vezes este, e não as dificuldades com a pílula, o contexto da menção ao DIU como possibilidade. Vários atribuem a gravidez da parceira a uma falha deste arranjo. Erros de cálculo, relaxamento da disciplina ou irregularidade do ciclo hormonal feminino explicam suas falhas:

58Um outro argumento também aparece para justificar a escolha do preservativo. Diz respeito à proteção contra doenças sexualmente transmissíveis, especialmente o HIV/Aids. Os homens, especialmente os da geração mais jovem, estão pode – se dizer aprendendo a conviver com a Aids, incorporando lentamente a necessidade de proteção em seus relacionamentos. Lentamente, porque os depoimentos sugerem que a preocupação com a transmissão sexual de doenças parece ser mais enfática entre os descasados, e pouco comum na geração madura. É bem verdade que o roteiro de entrevista tratou dos métodos como preventivos da gravidez, ficando por conta dos entrevistados fazer referência ou não à proteção contra doenças. As menções feitas não parecem indicar a precedência desse tipo de preocupação, ao menos entre os entrevistados em união ou com parceiras fixas. É significativo mencionar que as únicas doenças sexualmente transmissíveis espontaneamente mencionadas foram o HIV/Aids, o HPV, a gonorréia e o herpes, este mencionado por um único entrevistado. As menções a doenças transmitidas por via sexual e à necessidade de preveni – las por meio do preservativo são, no mais das vezes, genéricas. Doenças como a sífilis não são lembradas. Este fato sugere estarem doenças como esta fora do universo de experiências dos entrevistados, ou ser tão forte o impacto da Aids e de campanhas a ela relacionadas, que as demais doenças tenham sido deslocadas para um plano de menor importância.

59A inquietação com a Aids apenas começa a competir com aquela relativa à contracepção, pelo menos ao nível do discurso. Alguns sujeitos chegaram mesmo a mencionar a necessidade de dupla proteção. Mas esta prática está sujeita ao impulso, a avaliações subjetivas do risco, abrindo espaço para a contradição. Dessa forma, alguns entrevistados, especialmente os descasados ou com uniões recentes, referem – se a terem feito – eles e suas parceiras – testes de HIV antes de «liberarem» o sexo sem preservativo, usando-o apenas nos períodos férteis para a prevenção de gravidez. A camisinha parece ser mandatória em relacionamentos novos ou esporádicos, como atestam as falas a seguir reproduzidas:

60Entretanto, a contracepção parece ser ainda a principal preocupação masculina. Os relatos sobre suas experiências mostram que encontrar uma solução de proteção, ao mesmo tempo eficaz e adequada às preferências individuais, constitui um problema quase que permanente. Se uma gravidez não antecipada ou um aborto parecem ameaças presentes na vida dos casais, a escolha de um método contraceptivo que satisfaça constitui um desafio. De fato, as opções com as quais os homens relatam terem tido experiência, todas elas, têm aspectos que lhes desagradam. Todos os métodos impõem restrições ou sobrecargas, físicas ou de outra natureza. A contracepção constitui para os homens e para suas parceiras uma tarefa difícil, acabando por adquirir tal importância na vida masculina, que mal conseguem disfarçar seu aparente alheamento.

61É no contexto dessa preocupação permanente que as alternativas da laqueadura e da vasectomia são colocadas pelos homens. Ambas as intervenções são vistas como radicais, exigindo dos que as escolhem a certeza de que não se arrependerão mais adiante. O tema do arrependimento aparece com freqüência nas falas dos entrevistados, assim como também nos relatos de situações vividas por eles ou suas parceiras.

62Além do caráter radical e definitivo dos métodos cirúrgicos, os homens referem – se especialmente à laqueadura como extremamente agressivo ao corpo da mulher. Embora alguns homens, especialmente na geração mais velha, tenham tido mulheres que optaram pela esterilização cirúrgica, vários homens mencionam a vasectomia como alternativa mais simples que a laqueadura. É verdade que alguns dos entrevistados pensam ser a vasectomia também uma violência sobre o corpo masculino. Expressões fortes como «mutilação» e «castração» chegam mesmo a serem utilizadas por alguns dos sujeitos. Os depoimentos sugerem estar aí presente o fantasma da impotência, comumente associado, ainda que equivocadamente, à cirurgia dos canais deferentes. Alguns entrevistados mencionam explicitamente o medo da impotência, independentemente da satisfação com a escolha do método. O temor à impotência revela mais que um desconhecimento técnico sobre a vasectomia. Liga – se, de fato, à simbologia do pênis na identidade masculina, que tem no sexo um elemento fundamental da construção do gênero, como já amplamente discutido em outros momentos da análise.

63A vasectomia não parece encontrar, contudo, fortes resistências entre os homens de nenhuma das gerações investigadas, apesar de algumas opiniões contrárias. A opção pela vasectomia é vista como adequada a quem já encerrou sua careira reprodutiva. Ponderam, no entanto, a eventualidade de uma nova união com mulher mais jovem e a redefinição de projetos reprodutivos, apoiados na concepção de que toda mulher quer ser mãe, como já discutido. Podese dizer que a vasectomia constitui uma alternativa à laqueadura nas camadas médias de São Paulo. Para alguns, é a escolha contraceptiva que põe à prova o envolvimento e a responsabilidade masculina. Permite aos homens e a suas mulheres libertarem – se do problema que é cuidar diuturnamente da contracepção e afastarem o medo de uma gravidez não planejada. Contudo, a recente epidemia do HIV/Aids frustra para alguns, especialmente os descasados, a expectativa dessa liberdade, condenados que se vêem ao uso do condom como proteção contra a transmissão de doenças por via sexual.

64Partindo da idéia de que reprodução e contracepção são assuntos das mulheres, os homens progressivamente envolvem-se com a proteção contra a gravidez e, mais recentemente, contra a transmissão de DST’s. Tomando o conjunto dos homens entrevistados, pode-se dizer que, face às vicissitudes da contracepção, o caminho do envolvimento masculino com a prevenção vai do alheamento à idéia de uma concessão masculina às mulheres; passa pelo medo do poder feminino de fazer filhos à sua revelia e, para alguns, chega à noção de que a contracepção é matéria do par.

Comentários finais e algumas recomendações

65Pensar a reprodução de um ponto de vista masculino permite, de fato, esclarecer áreas de opacidade remanescentes da abordagem do tema de um ponto de vista feminino. O gênero como perspectiva teórica enfatiza as relações de poder entre homens e mulheres, vistos como pólos socialmente construídos de uma relação. Surgida da denúncia da opressão feminina, estudos dessa perspectiva foram capazes de apontar os mecanismos de subordinação das mulheres, radicados em uma concepção naturalizada da maternidade e do próprio feminino. Esta pesquisa, colocando-se no ponto de vista dos homens, mostrou ser possível ampliar o alcance analítico da abordagem de gênero, ao trazer elementos para a compreensão da dialética entre o masculino e o feminino.

66Os elementos trazidos à luz mostram que as práticas contraceptivas, tal como vividas pelos homens, podem ser mais bem compreendidas se vistas como parte da dinâmica dos gêneros, confirmando expectativas de outros especialistas na matéria (Edwards, 1994; Chikamata, 1996). A pesquisa revela que os homens são levados pelo envolvimento amoroso com suas parceiras a participar da contracepção, compelidos a encontrar alternativas para as dificuldades com este ou aquele método. Os homens envolvem – se quase que por falta de escolha. De um lado, têm que lidar com as queixas ou preferências das mulheres. De outro, com as possíveis e reais conseqüências de sua pouco eficaz ou nula preocupação com as implicações de sua sexualidade. Sexualidade que é, como prática, uma prescrição cultural do gênero masculino. Na concepção naturalizada dos gêneros com que operam, assim como as mulheres são feitas para ter filhos, os homens são feitos para fazer sexo. Se enfrentar o aborto de uma gravidez não desejada ou a paternidade de um filho não esperado ou inoportuno, leva os homens a revoltar-se contra a «irresponsabilidade» feminina, faz também com que se dêem conta de sua própria «irresponsabilidade».

67Nesse particular, o estudo confirma observações feitas por outros autores, de que as conseqüências reprodutivas da prática sexual masculina parecem levar parte dos homens a repensar seu alheamento com relação à contracepção (Edwards, 1994; Grady et al., 1996). Embora o delineamento dos vários estudos seja diferente, a presente pesquisa traz, como outras, elementos que documentam o fato de os homens tenderem a considerar o contexto do relacionamento com suas parceiras na avaliação de uma gravidez inesperada (Landry e Camelo, 1994; Gohel, Diamond and Chambers, 1997; Grady, Klepinger and Nelson-Wally, 1999).

68Os dados surpreendem pela importância do uso do preservativo e do método do ritmo nas camadas médias do maior centro urbano brasileiro. Revelam também que não se trata de falta de informação ou de dificuldades de acesso aos métodos disponíveis. A frustração com a experiência das pílulas hormonais é, sem dúvida, parte da explicação para a importância do condom e do ritmo. O material sugere que a liberação do sexo e sua dissociação da reprodução, materializadas pelo advento das pílulas anticoncepcionais, defrontam-se com argumentos que atribuem precedência à saúde. A geração jovem, mas não apenas ela, mostrou-se mais suscetível aos argumentos que vêm nas pílulas um método prejudicial à saúde da mulher, a despeito de terem – na como método ideal. Estes dados são consistentes com outros estudos que mencionam a reação aos efeitos colaterais das pílulas hormonais. Talvez, o que o material da pesquisa tenha de distintivo é que os homens da classe média paulistana tendem a assumir como seus os argumentos quanto ao impacto dos métodos na saúde feminina. Nessa medida, a referência masculina para a avaliação das alternativas de proteção passa a ser também o outro (Grady, Klepinger and Nelson-Wally, 1999).

69O diafragma não encontra maior expressão, menos ainda as injeções periódicas ou os implantes subcutâneos. O DIU apresenta-se para muitos como alternativa mais saudável que as pílulas hormonais ou opção mais segura frente às incertezas da combinação ritmo-condom, tão freqüente na experiência masculina. Porém, por razões que o material não alcança responder, o DIU não logra manter-se como método permanente, sendo abandonado após algum tempo de uso.

70Não há como negar, com base no material da pesquisa e em sua análise, existir uma questão de fundo: nenhum método é completamente bom, resolve todos os problemas ou atende a todas as necessidades. Este é um tema cuja relevância sobressai na experiência de uma camada social em cujo estilo de vida ter filhos tornou-se uma questão de escolha. O recurso à esterilização cirúrgica, feminina ou masculina, é deste ponto de vista, alternativa que vem responder a esta questão de fundo. Com a laqueadura ou com a vasectomia, acabar – se – iam as preocupações, anular – se – iam os riscos. Porém, se isso pareceria verdadeiro algumas décadas atrás, o padrão emergente de nupcialidade seqüencial, com o aumento das separações e de divórcios, traz novos obstáculos à vasectomia e também à laqueadura. A vasectomia esbarra na expectativa masculina de que toda mulher quer ser mãe e na prescrição de gênero de que o homem tem que corresponder a essa expectativa. Entretanto, além do temor pela perda da capacidade de fecundar, a Aids traz aos homens vasectomizados e aos demais, preocupações de outra natureza. A proteção contra a transmissão do HIV conduz, especialmente na percepção dos homens mais jovens, à necessidade do uso sistemático do preservativo, principalmente em relacionamentos eventuais. Isto constitui um problema para alguns dentre os muitos que confessam dificuldades de adaptação ao uso do preservativo. O material sugere, no entanto, que a epidemia de HIV/Aids no Brasil terá possivelmente como conseqüência a consolidação do uso do condom nas camadas médias urbanas com as de São Paulo.

71Frente ao que foi encontrado pela pesquisa, algumas recomendações podem ser feitas. Primeiro, a necessidade de programas educativos, destinados aos homens, que contemplem as dimensões de gênero. A experiência de um segmento social exposto à informação e a idéias inovadoras mostra quão traumático pode ser, para eles, o aprendizado da negociação contraceptiva. Essa experiência reflete, como foi possível mostrar, uma socialização moldada por concepções que não permitem aos homens franco acesso ao outro gênero. As novas gerações, no entanto, dão sinais de mudança, fazendo crer que uma ação determinada no sentido de ampliar as possibilidades de reflexão sobre a dinâmica dos gêneros produziria efeitos positivos.

72Segundo, os dados sugerem estarem abertas as portas das camadas médias para um aumento do uso do condom como proteção para doenças sexualmente transmissíveis, especialmente o HIV. O tema da dupla proteção parece ser, no entanto, ainda preocupação da minoria, merecendo ênfase nas campanhas de esclarecimento.

73Terceiro, em face da importância da saúde como critério nas escolhas contraceptivas, sugere – se investigar porque as mulheres experimentam o DIU, mas não permanecem neste método, visando a difusão de seu uso. Conhecer as alternativas de dispositivos existentes no mercado brasileiro e as dificuldades das usuárias é extremamente relevante, no sentido de ampliar as alternativas de contracepção. A generalidade das críticas às pílulas hormonais coloca também outro desafio, o que conduz a uma quarta recomendação derivada deste estudo. É muito provável que as camadas médias tenham acesso a pílulas de baixa dosagem de hormônios, sendo possível supor que a intolerância tantas vezes reportada pelos entrevistados diga também respeito a elas. É importante verificar esta hipótese. Secundariamente, valeria pensar nas possibilidades de aprimoramento das alternativas hormonais ou outras que, sem danos de saúde relevantes, mas também sem efeitos colaterais indesejados pelas mulheres, possam representar ampliação das opções de contracepção.

Haut de page

Bibliographie

Aguma, A., 1996, Finding the Right Sexual Health Services for Young Men. In: Planned Parenthood Challenges. International Planned Parenthood Federation, pp. 26-29.

Almeida, M. H. T. e Weis, L., 1998, Carro-Zero e Pau-de-Arara: O Cotidiano da Oposição de Classe Média ao Regime Militar. In: Novais, F. A. (Coord.) e Schwarcz, L. M. (Org.). História da Vida Privada no Brasil 4: Contrastes da Intimidade Contemporânea. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 319-410.

Arilha, M., 1998, Homens: Entre a ‘Zoeira’ e a ‘Responsabilidade’. In: Arilha, M., Ridenti, S. e Medrado, B. Homens e Masculinidades: Outras Palavras. São Paulo, ECOS/Ed. 34, pp. 51-77.

Barbosa, R. and Arilha, M., 1993, Cytotec in Brazil: at least it doesn’t kill. Reproductive Health Matters, 2 (November): 41-52.

Badiani, R. e Camarano, A. A., 1998. Homens Brasileiros: Percepções, Conhecimentos e Atitudes em Saúde Reprodutiv. In: XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu, ABEP, pp. 925-943.

BEMFAM, 1999, Comportamento e Intenções Reprodutivas da População Masculina. Pesquisa Nacional sobre Demografia e Saúde. Rio de Janeiro, BEMFAM, 71 p.

Berquó, E. e Souza, M. R., 1991, Conhecimento e Uso do Condom: Anticoncepção e Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis. Campinas, UNICAMP/NEPO. (Textos NEPO, 20).

Berquó, E., Oliveira, M. C. F. A. e Camargo, C. P., 1997, A Fecundidade em São Paulo: Características Demográficas, Biológicas e Sócio-Econômicas. São Paulo, CEBRAP, Editora Brasileira de Ciências.

Bilac, E. D., Oliveira, M. C. F. A. e Muszkat, M., 2000, The «family man». Fatherhood and fathering among middle-class Brazilian men in the 1990s. Campinas, Núcleo de Estudos de População/UNICAMP. (Report presented to the World Health Organization, Strategic Component on Social Science Research in Reproductive Health.)

CEPAL, 1989, Transformación Ocupacional y Crisis Social en América Latina. Santiago de Chile, Naciones Unidas.

Chikamata, D. M., 1996, Male Needs and Responsibilities in Family Planning and Reproductive Health. In: Planned Parenthood Challenges. International Planned Parenthood Federation, pp. 8-10.

Chodorow, N., 1978, The Reproduction of Mothering: Psychoanalysis and the Sociology of Gender. Berkeley, University of California Press.

Edwards, S. R., 1994, The Role of Men in Contraceptive Decision-Making: Current Knowledge and Future Implications. Family Planning Perspectives, 26, 2: 77-82.

Figueira, S. A. (Org.), 1985, Cultura da Psicanálise. São Paulo, Editora Brasiliense.

Figueroa Perea, J. G., 1998, Fecundidad en el Ciclo de Vida Masculina: Apuntes sobre Algunos Temas para Discusión. In: Lerner, S. (Ed.). Varones, Sexualidad y Reproducción: Diversas Perspectivas Teórico-Metodológicas y Hallazgos de Investigación. México, El Colegio de México, Centro de Estudios Demográficos y de Desarrollo Urbano, pp. 47-58.

Frias, L. A. M. e Oliveira, J. C., 1991, Níveis, Tendências e Diferenciais de Fecundidade do Brasil a partir da Década de 30. Revista Brasileira de Estudos de População, 8, 1/2: 72-111.

Fuller, N., 1998, La Constitución Social de la Identidad de Género entre Varones Urbanos del Perú. In: Valdés, T. y Olavarría, J. (Eds.). Masculinidades y Equidad de Género en América Latina. Santiago, FLACSO-Chile, pp. 56-68.

Gohel, M., Diamond, J. J. and Chambers, C. V., 1997, Attitudes Toward Sexual Responsibility and Parenting: An Exploratory Study of Urban Males. Family Planning Perspectives, 29, 5: 280-283.

Grady, W. R. et al., 1996, Men’s Perceptions of Their Roles and Responsibilities Regarding Sex, Contraception and Childrearing. Family Planning Perspectives, 28, 5: 221-226.

Grady, W. R., Klepinger, D. H. and Nelson-Wally, A., 1999, Contraceptive Characteristics: The Perceptions and Priorities of Men and Women. Family Planning Perspectives, 31, 4: 168-175.

Hamburger, E., 1998, Diluindo Fronteiras: A Televisão e as Novelas no Cotidiano. In: Novais, F. A. (Coord.) e Schwarcz, L. M. (Org.). História da Vida Privada no Brasil 4: Contrastes da Intimidade Contemporânea. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 439-488.

Landry, D. J. and Camelo, T. M., 1994, Young Unmarried Men and Women Discuss Men’s Role in Contraceptive Practice. Family Planning Perspectives, 26, 5: 222-227.

Laqueur, T. W., 1992, The Facts of Fatherhood. In: Thorne, B. and Yalom, M. (Eds.). Rethinking the Family: Some Feminists Questions. Boston, Northeastern University Press, pp. 155-175.

Leal, O. F. e Fachel, J. M. G., 1998, Aborto: Tensión e Negociación entre lo Femenino y lo Masculino. In: Lerner, S. (Ed.). Varones, Sexualidad y Reproducción: Diversas Perspectivas Teórico-Metodológicas y Hallazgos de Investigación. México, El Colegio de México, Centro de Estudios Demográficos y de Desarrollo Urbano, pp. 303-318.

Mello, J. M. C. e Novais, F. A., 1998, Capitalismo Tardio e Sociabilidade Moderna. In: Novais, F. A. (Coord.) e Schwarcz, L. M. (Org.). História da Vida Privada no Brasil 4: Contrastes da Intimidade Contemporânea. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 558-658.

Mills, C. W., 1956, White Collars: The American Middle Classes. New York, Oxford University Press.

Mundigo, A., 1995, Papéis masculinos, saúde reprodutiva e sexualidade. Conferência Intenacional sobre População. São Paulo, Fundação McArthur.

Muszkat, M., Oliveira, M. C. F. A. e Bilac, E. D., 2000, When three is better than two. Campinas, Núcleo de Estudos de População/UNICAMP. (Report presented to the World Health Organization, Strategic Component on Social Science Research in Reproductive Health).

Oliveira, M. C. F. A. et al., 1999, Relatório Final do Projeto «Os homens, esses desconhecidos… Masculinidade e reprodução» apresentado à FAPESP. Campinas, Núcleo de Estudos de População/UNICAMP.

Quadros, W. J., 1985, A Nova Classe Média Brasileira: 1959-1980. Campinas, Universidade Estadual de Campinas. (Dissertação de Mestrado em Economia).

Ramírez, M. C., 1999, Os Impasses do Corpo: Ausências e Preeminências de Homens e Mulheres no Caso do Aborto Voluntário. Campinas, Universidade Estadual de Campinas. (Dissertação de Mestrado em Antropologia).

Rocha, M. I. B., 1996, The Abortion Issue in Brazil: A Study of the Debate in Congress. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, 4, 2: 505-516.

Romanelli, G., 1986, Famílias de Camadas Médias: A Trajetória da Modernidade. São Paulo, Universidade de São Paulo. (Tese de Doutorado em Antropologia).

Ruddick, S., 1992, Thinking about Fathers. In: Thorne, B. and Yalom, M. (eds.). Rethinking the Family: Some Feminists Questions. Boston, Northeastern University Press, pp. 176-190.

Salém, T., 1986, Família em Camadas Médias: Uma Perspectiva Antropológica. Boletim Informativo de Ciências Sociais, 21: 25-39.

Scott, J. W., 1988, Gender and the Politics of History. New York, Columbia University Press.

SEADE, 1997, Anuário Estatístico do Estado de São Paulo. São Paulo, Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados.

Strathern, M., 1988, The Gender of the Gift: Problems with Women and Problems with Society in Melanesia. Berkeley, University of California Press.

Strathern, M., 1995, Necessidade de Pais, Necessidade de Mães. Revista de Estudos Feministas, Rio de Janeiro, 3, 2: 303-329. (Trad. Marcos Santarrita)

Souza, G. A. A., 1996, Sucessão das Gerações na Bahia: Reencontro de uma Totalidade Esquecida. Campinas, Universidade Estadual de Campinas (Tese de Doutorado em Ciências Sociais).

The Alan Guttmacher Institute, 1994, Aborto Clandestino: Uma Realidade Latino-Americana. New York, The Alan Guttmacher Institute.

Vaitsman, J., 1994, Flexíveis e Plurais. Rio de Janeiro, Rocco.

Valdés, T. y Olavaria, J. (Eds.), 1998, Masculinidades y Equidad de Género en América Latina. Santiago, FLACSO-Chile.

Velho, G., 1986, Subjetividade e Sociedade: Uma Experiência de geração. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Velho, G., 1987, Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.

Ventura, Z., 1988, 1968. O Ano que Não Terminou. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Viveros, M., 1998, Quebradores y Cumplidores: Biografías Diversas de la Masculinidad. In: Valdés, T. y Olavarría, J. (Eds.). Masculinidades y Equidad de Género en América Latina. Santiago, FLACSO-Chile, pp. 36-55.

Viveros, M., 1998, Decisiones Reproductivas y Dinámicas Conyugales. El Caso de la Elección de la Esterilización Masculina. In: Valdés, T. y Olavarría, J. (Eds.). Masculinidades y Equidad de Género en América Latina. Santiago, FLACSO-Chile, pp. 146-157.

Haut de page

Notes

1 Esta pesquisa contou com financiamento da Orgamização Mundial de Saúde (OMS), através do Strategic Component on Social Science Research on Reproductive Health (Project No. 95073 BSDA); da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

2 O trabalho de campo envolveu a realização de 50 entrevistas semi-estruturadas com homens e 53 com mulheres, em idades de 18 a 59 anos, solteiros, em união ou descasados. O material aqui utilizado inclui apenas as entrevistas com homens de 25 a 59 anos, em união ou descasados, em um total de 40 entrevistas. Os entrevistados foram selecionados pela técnica de rede, utilizando-se como critério de pertencimento às camadas médias o fato de serem profissionais de nível superior. Para aqueles que não haviam concluído sua formação e para os que se preparavam para o ingresso na Universidade, agregou-se a exigência de que pelo menos um de seus genitores tivesse curso superior completo.

3 As informações são insuficientes para uma avaliação de sua origem social de 3 dos entrevistados. 2 deles relatam terem desfrutado de um padrão de vida confortável ao longo da infância e adolescência.

4 Os implantes subcutâneos não são disponíveis no mercado brasileiro e, por isso, não foram incluídos na lista utilizada nas entrevistas. Foram mencionados espontaneamente por 2 entrevistados de 25-39 anos e por 1 entrevistado do grupo de 40-59 anos.

5 Dada a clandestinidade do aborto no Brasil, é difícil obter dados confiáveis sobre sua prática. Cf. The Alan Guttmacher Institute (1994)

6 As pílulas hormonais começaram a ser comercializadas no Brasil em 1965.

7 Apenas 7 dos entrevistados maduros iniciaram-se sexualmente com namoradas enquanto 12 tiveram a primeira experiência de sexo com penetração em contatos com prostitutas ou empregadas domésticas. Um dos entrevistados iniciou-se sexualmente com pessoa desconhecida após um baile de Carnaval!

8 A norma moral, adotada pela cultura brasileira, era aquela que o sexo ilegítimo somente poderia ser reparado pelo casamento. Na transição pela qual a sociedade brasileira passou, esta norma foi estendida para implicar que o sexo entre dois jovens solteiros, embora clandestino em face de suas famílias, seria aceitável desde que houvesse por parte do par um projeto subseqüente de vida a dois

9 Ser corintiano significa torcer por um dos times de futebol mais populares do «país do futebol», o Corinthians.

10 Dos 20 entrevistados na geração jovem 9 iniciaram-se com prostitutas, 8 com namoradas ou pessoas com quem tiveram algum envolvimento afetivo, e 3 com outras pessoas em diferentes situações.

11 cf. análise preliminar dos dados da pesquisa em Oliveira et al. (1999). Para uma análise do material a partir da subjetividade cf. Muszkat, Oliveira e Bilac, (2000).

12 O método do ritmo é comumente classificado como método feminino de contracepção. Como método comportamental requer, no entanto, a negociação do sexo entre os parceiros em dias determinados. Por esta razão, é aqui considerado como um método que envolve a cooperação de ambos.

13 cf. o debate entre T. Laqueur (1992) e S. Ruddick (1992) a propósito da paternidade e da maternidade no contexto do feminismo, exemplo primoroso das armadilhas do gênero. Veja – se também o corajoso trabalho de Ramírez (1999).

14 Apresentaram outras ponderações outros 5 dentre os mais maduros e 4 dentre os mais jovens.

15 Estar apto a fecundar, caso a mulher deseje, parece assemelhar – se às referências dos sujeitos a suas costumeiras práticas galanteadoras com relação às mulheres, como se deles fosse sempre esperada uma atitude de sedução quando em presença ou no contato com o outro sexo. Não raro, atitudes deste tipo não têm qualquer intenção de conquista sexual, o que por vezes surpreende o próprio sujeito em sua fala. Outras vezes, menções veladas ou explícitas são feitas ao fato de os homens terem que se submeter às investidas sexuais femininas ou, ao contrário, referem – se a si próprios como «caras legais», pois resistiram ao assédio feminino, ou foram seletivos em suas escolhas amorosas, apesar do sucesso entre as mulheres. Estas diferentes situações parecem constituir atualizações de práticas de gênero, apoiadas em um mesmo princípio da disponibilidade masculina.

16 Não é possível saber a proporção de gestações cada parceira que terminaram em aborto durante a vigência do relacionamento. Leal e Fachel (1996) reportam pesquisa realizada com casais em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em que as mulheres relataram um maior número de abortos que seus maridos, sugerindo que parte deles foi feita sem o conhecimento masculino.

17 Nenhum dos entrevistados menciona o Cytotec para a indução de um aborto, via extremamente difundida hoje no Brasil (Barbosa e Arilha, 1993; Ramírez, 1999). Embora não tenham sido indagados a respeito, as situações relatadas de interrupção da gravidez em que algum detalhe é oferecido sugerem tratar – se de abortos convencionais, não se sabe se induzido por meios mecânicos ou por aspiração.

18 Quando da entrada do DIU no Brasil, a Igreja Católica reagiu negativamente, disseminando-se a idéia de que seria um método abortivo e não preventivo. Este argumento aparece sem muita força em alguns depoimentos.

19 No limite, o uso do preservativo tem para alguns homens um aspecto de aprendizado na esfera da sexualidade, ensejando a experimentação de alternativas não convencionais de práticas sexuais.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Maria Coleta Oliveira, Elisabete Bilac et Malvina Muszkat, « Homens e anticoncepção: duas gerações de «camadas médias» no Brasil », Cahiers des Amériques latines, 39 | 2002, 59-82.

Référence électronique

Maria Coleta Oliveira, Elisabete Bilac et Malvina Muszkat, « Homens e anticoncepção: duas gerações de «camadas médias» no Brasil », Cahiers des Amériques latines [En ligne], 39 | 2002, mis en ligne le 06 août 2017, consulté le 25 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/cal/6694 ; DOI : 10.4000/cal.6694

Haut de page

Auteurs

Maria Coleta Oliveira

Professora de Departamento de Antropologia e Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População (NEPO) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-mcoleta@nepo.unicamp.br)

Elisabete Bilac

Professora de Sociologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Neto (UNESP) e Pesquisadora do Núcleo de Estudos de População (NEPO) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Malvina Muszkat

Psicanalista, Presidente da organização não governamental «Pró-Mulher, Família e Cidadania» e Pesquisadora do Grupo de Estudos sobre Sexualidade Masculina e Paternidade, SP, Brasil.

Haut de page

Droits d’auteur

Creative Commons License
Les Cahiers des Amériques latines sont mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution – Pas d’utilisation commerciale – Pas de modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo Presses Sorbonne Nouvelle
  • Logo Institut des Hautes Études de l’Amérique latine
  • Logo Centre de recherche et de documentation sur les Amériques
  • OpenEdition Journals