Navigation – Plan du site
Le Brésil caipira. Une culture, ses représentations

Mulheres caipiras. Dois olhares sobre o mundo rural paulista1

Maria Aparecida De Moraes Silva, Beatriz Medeiros De Melo et Lara Abrão De Moraes
p. 77-105

Résumés

A partir de recherches menées au sein de familles paysannes dans deux communes de l’état de São Paulo – Santo Antônio da Alegria (dans la région Nord-Est de l’état), et Jales (dans la région Nord-Ouest) – l’objectif de cet article est d’analyser le rôle que jouent les femmes dans la production domestique et marchande, dans la préservation du patrimoine matériel (la terre) et immatériel (les fêtes, la mémoire et les traditions). La méthodologie employée prend en compte aussi bien les données qualitatives que l’observation directe. Les résultats obtenus, en plus de révéler la visibilité des femmes, montrent leur importance dans la construction des liens identitaires du monde rural paulista, aussi bien dans son passé caipira, qu’actuellement.

Haut de page

Texte intégral

Introduzindo o tema

  • 1 Esta pesquisa contou com o apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e (...)
  • 2 Silva, Maria Aparecida de Moraes, Errantes do Fim do Século, São Paulo, Edunesp, 1999.
  • 3 As pequenas propriedades no noroeste do estado de São Paulo com aproximadamente 30 hectares possuía (...)
  • 4 SIlva, Maria Aparecida de Moraes, «Expropriación de la tierra, violencia y migración: campesinos de (...)

1A partir da década de 1960, inicia-se no estado de São Paulo a implantação de grandes usinas de cana-de-açúcar, processo responsável pela concentração de terras e de capitais nas mãos de grandes empresas nacionais e internacionais, e pela expulsão de milhares de sitiantes, parceiros, agregados do campo, configurando o que se denomina agrobusiness2. O viajante que se aventurar pelo interior do estado de São Paulo nos dias de hoje, sobretudo, a partir da cidade de Campinas, vislumbrará a paisagem homogênea dos extensos campos de monocultura de cana-de-açúcar abrangendo mais de seis milhões de hectares. É o chamado «mar de cana», cuja produção de açúcar e etanol é destinada aos mercados nacionais e internacionais. Além dos grandes latifúndios pertencentes às usinas canavieiras, muitos proprietários (grandes, médios e pequenos) arrendam suas terras para a produção de cana, atraídos pela (suposta) possibilidade de maiores lucratividades e de uma renda mais segura. Além da extensão da produção da cana sugerir o questionamento sobre a produção agrícola de alimentos versus a produção de agroenergia, existem outros pontos a serem levantados a respeito da dominação canavieira, como por exemplo, a redução de reservas ambientais, a expropriação de pequenos produtores3, e os problemas sociais provocados pelo desemprego, sobretudo nos dias atuais com o avanço da mecanização do corte manual da cana, além da superexploração da força de trabalho dos cortadores, representados em sua grande maioria pelos migrantes, provenientes dos estados do nordeste e de Minas Gerais4.

2Muitos sitiantes que conseguiram manter a propriedade da terra, estimulados pela lucratividade da produção de cana, acabam por arrendar suas terras para as usinas ou para os fornecedores. Em outros casos, o arrendamento também é impulsionado pela migração dos filhos para atividades urbanas e pelas relações de reprodução da família. O arrendamento geralmente tem um contrato de cinco a sete anos. Vencido este prazo, dificilmente o pequeno produtor consegue voltar à sua antiga atividade de produção, posto que o possível retorno exigiria grandes investimentos na terra e também investimentos em equipamentos de trabalho, principalmente em maquinários que, se não foram vendidos anteriormente ao arrendamento, tornaram-se inadequados à produção, levando-se em conta os avanços tecnológicos. Outro ponto a ser considerado se reporta ao fato de que ao arrendar ou vender a terra, a condição social de sitiante, aos poucos, vai sendo substituída pela do rentista e morador da cidade. Portanto, há um processo de perda paulatina de sua identidade social, ou seja, o sitiante vai se desafiliando (para usar o termo de Castell) de sua identidade, conferida não somente pelo trabalho na terra, mas também pelo reconhecimento social de sua condição pautado pelos laços de solidariedade e pela cultura na qual estava inserido. Sua inserção nas atividades urbanas é bastante difícil, tendo em vista a não qualificação profissional, somada a outras varáveis, dentre elas, a idade. Portanto, ser rentista para o sitiante corresponde a um lento processo de morte social.

  • 5 Lobato, Monteiro, Urupês, São Paulo, Editora Brasiliense, 1966. Saint-Hilaire, Auguste de, Viagem p (...)

3Entretanto, ainda que a expansão canavieira seja avassaladora, foi possível observar que há um processo de resistência de muitos pequenos proprietários de terra em várias regiões do estado de São Paulo. Esse é, portanto, o contexto no qual se inserem as reflexões do nosso artigo. O mundo rural paulista de hoje contrasta significativamente com aquele do passado, onde, ao lado de grandes fazendas, existia uma população livre, composta por agregados e sitiantes que foram interpretados como caipiras, rústicos, atrasados, ao longo do tempo. Caipira, sitiante, jeca, camponês, agricultor familiar são, assim, os diferentes termos, vigentes em momentos e contextos diversos, que se referem a um mesmo grupo social: o pequeno produtor rural familiar paulista. Cada um desses termos carrega um sentido, construído por meio das diversas interpretações que, na literatura, nos relatos de viajantes, e nos escritos de investigadores (sociólogos e antropólogos, sobretudo) foram sendo criados. O que significa ser caipira? Essa figura evoca preconceito, sobretudo do habitante da grande cidade, que o vê como ignorante, doente, miserável e à margem da sociedade5.

  • 6 Dentre os autores, podemos citar: Candido, Antônio, Os parceiros do Rio Bonito, São Paulo, Livraria (...)

4Não é nosso intento, nos limites desse artigo, analisar as inúmeras representações produzidas por visões urbanocêntricas sobre esses habitantes do mundo rural paulista, tarefa que já foi desempenhada por inúmeros estudiosos6. Nossos objetivos estão ancorados na análise da permanência de um mundo rural, cujo espaço está cercado por grandes plantações de cana, onde a produção econômica é orientada não apenas pelas regras do mercado como também pela cultura do mundo rural de antes. No entanto, em poucas linhas, ofereceremos aos leitores da revista Caravelle um breve resumo dessas interpretações, bem como suas transformações. Acreditamos que este caminho seja o mais apropriado para a compreensão da permanência de sitiantes em algumas regiões do agro paulista, como também para o papel desempenhado pelas mulheres para a continuidade dessa condição social.

  • 7 Lobato, 1966.
  • 8 Saint-Hilaire, 1974b, p. 81.

5Talvez uma das primeiras interpretações mais populares da figura do homem simples do campo paulista – figura que aparece sempre oposta à do grande fazendeiro – seja o Jeca Tatu, personagem do livro Urupês, de Monteiro Lobato7, originalmente publicado em 1918, que ilustra aquele que ele repetidamente chama de «caboclo». Monteiro Lobato retratava, nesse momento, um espaço rural (o Vale do Paraíba paulista) que passava por intensa transformação em função da recente decadência do ciclo do café, que avançava, então, rumo ao Oeste do Estado. Esse caboclo, que vê passar por ele o surto de modernização que chega com a monocultura do café, e não logra acompanhá-lo, mantendo a reprodução de sua vida sob bases mínimas, é, para ele, o retrato do parasitismo caracteristicamente brasileiro, sinônimo de atraso, cujas causas são a preguiça e a incapacidade de civilizar-se. Antes do Jeca Tatu de Lobato, foram os relatos dos viajantes europeus no século XIX que transmitiram preconceitos e julgamentos morais negativos sobre o modo de vida do homem simples do campo, dentre os quais, destaca-se o naturalista francês, Saint-Hilaire. Para esse cientista, o homem rural paulista era um sujeito primitivo, tardo de movimentos e indiferente a tudo, desprovido de curiosidade, falava pouco e era menos educado do que os mineiros8.

  • 9 Milliet, Sergio, Roteiro do café e outros ensaios, São Paulo, Editora Brasiliense, 1941.
  • 10 Muller, Nice Lecoq (1951), «Sítios e sitiantes no Estado de Sao Paulo», Boletim 132. Universidade d (...)
  • 11 Muller, 1951, p. 27.

6É com a sequência dos trabalhos de Sérgio Milliet9 e Nice Lecoq Muller10 que se iniciam trabalhos mais sistemáticos sobre o modo de vida dessa gente simples do campo paulista que, para eles, devem ser chamados de sitiantes. Para ambos os autores, a reprodução de um volume considerável de pequenos produtores rurais no Estado de São Paulo teve impulso com a crise do ciclo do café, a chegada de imigrantes europeus em substituição à mão-de-obra escrava e os incipientes processos de industrialização e urbanização. Por um lado, a fragmentação das extensas áreas de fazendas de café em decadência e a reconversão das estratégias de acumulação que passaram a se dirigir, então, a empreendimentos imobiliários, dando espaço a projetos de «colonização» nas áreas de fronteira agrícola, possibilitou que muitos colonos das antigas fazendas de café adquirissem seu primeiro pedaço de terra. Por outro lado, a gestação de um mercado de consumo, impulsionado pelos processos de industrialização e urbanização, criou as condições para que estes pequenos agricultores passassem a cultivar produtos agrícolas solicitados por este mercado, tanto externo (como no caso da extensa produção de café nas pequenas propriedades do Oeste Paulista), como interno11. Nesse momento, então, o sitiante não é mais visto como aquele que produz tão somente para a subsistência, comercializando apenas os excedentes. Sua identidade é assentada mais na autonomia sobre o processo produtivo e na caracterização do uso da mão-de-obra, predominantemente familiar.

  • 12 Queiroz, 1973, p. 11.
  • 13 Candido, 1971, p. 21-22.
  • 14  Vide, por exemplo, Woortmann, Ellen, Herdeiros, parentes e compadres, São Paulo, Hucitec, Brasília (...)

7Nesse novo contexto, que segue à chegada massiva de imigrantes europeus (sobretudo italianos, espanhóis e japoneses, alemães, sírios, libaneses) em substituição a mão-de-obra escrava e que, então, já se observam as primeiras gerações de tais imigrantes reproduzindo-se no campo brasileiro, fundindo-se ao elemento branco colonizador, ao índio e ao negro, observa-se a composição étnica deste grupo ampliar-se. Utilizar, então, o termo «caboclo» para referir-se a este homem rústico carrega a ambiguidade de remeter-se a uma composição étnica que, todavia, já não é exclusiva no espaço rural paulista. Por outro lado, a visão pejorativa percebida nos trabalhos anteriores dá lugar a um processo de valorização desse homem do campo, que passa a ser percebido como o grande responsável pela produção de alimentos no país. Maria Isaura Pereira de Queiroz, denunciando, também, a pouca atenção que a literatura de até então reservava a essa camada «intermediária» que se encontrava no mundo rural brasileiro (e não estritamente paulista) retoma trabalhos que, todavia, já apontavam a importância desta camada no contexto da produção agrícola, como aqueles do historiador Caio Prado Júnior12. Vale ainda ressaltar o estudo clássico de Antônio Candido sobre Os Parceiros do Rio Bonito13, no município paulista de Bofete, definindo esse homem rural como caipira. O autor prefere referir-se a estes «sitiantes» que vivem em «bairros rurais» de caipiras, ressaltando desse modo, os aspectos culturais, um modo de ser, um tipo de vida, e nunca um tipo racial ou tão somente uma atividade produtiva. Ainda, segundo o autor, trata-se de um termo que pode causar o inconveniente de restringir-se à área de influencia paulista. Desse modo, enquanto o termo sitiante parece estender-se a uma ampla área de influência do território nacional (excetuando-se quase exclusivamente a região Sul, onde os pequenos produtores são chamados mais comumente de colonos14), o termo caipira passa a designar especificamente os caracteres culturais do sitiante paulista.

  • 15 Estas expressões foram utilizadas por Silva (1999), com o intuito de mostrar que, além das mudanças (...)
  • 16 Thompson, Eduard Paul, Costumes em comum, São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

8Com o advento das grandes usinas a partir da década de 1960, instaurou-se o processo que denominamos alhures de civilização canavieira15 no agro paulista, caracterizado pela monocultura e pelo progressivo desaparecimento dos traços culturais do mundo rural de antes. Partindo do princípio do entendimento da história como processo, portanto, não linear, analisamos essas transformações sob a ótica das contradições, dos conflitos e resistências. Nesse sentido, as contribuições do historiador inglês E. P. Thompson16 são pertinentes, sobretudo, o conceito de economia-moral.

  • 17 Thompson, 1998, p. 21.

9A economia-moral, segundo Thompson, é uma forma espetacular de resistência expressa pela ação da sociedade. Diferentemente da economia de mercado que tem a função capitalista de estabelecer sempre novos padrões de consumo, baseado em inovações tecnológicas, a economia-moral estabelece os padrões de consumo com base nos costumes e nas tradições. O que embasa, de fato, a conceito de economia-moral é o valor. Apesar da economia de mercado estipular um modelo ideal de consumidor, são os valores atribuídos aos produtos inovados que determinarão a manutenção, ou não, dessa nova linha de consumo. Percebe-se então que a economia-moral é um movimento de resistência e defesa dos costumes. Segundo Thompson os costumes tradicionais são mantidos, apesar da avalanche de tecnologias e novas formas de encarar a vida17.

10Imbuídas dessas reflexões, apresentamos aos leitores da revista Caravelle alguns resultados de pesquisas que desenvolvemos em dois municípios paulistas – Santo Antônio da Alegria, localizado no nordeste e pertencente à microrregião de Batatais, e Jales, no noroeste, pertencente à microrregião de Jales –, que, embora ilhados pelo verde dos canaviais, continuam resistindo a este processo, conservando muitos aspectos, como o multicolorido da diversidade de culturas, das matas e das pastagens e a presença de pequenas propriedades com marcas de vida no campo, além da permanência de muitos traços culturais, como uma diversidade de festas relacionadas aos ciclos agrícolas realizadas nos bairros rurais.

  • 18 Truzzi, Osvaldo Mario Serra, De Mascates a Doutores: Sírios e libaneses em São Paulo, IDESP, Editor (...)

11O município de Santo Antônio da Alegria recebeu muitos imigrantes sírios e libaneses após a 1ª Guerra Mundial. A grande maioria deles era constituída de camponeses, que, além da produção agrícola exerciam a prática da comercialização de seus próprios produtos. Outro ponto importante verificado em Santo Antônio é a união do comércio com a agricultura familiar. Segundo os estudos de Truzzi18, essa prática era frequente na Síria e não foi extensamente transportada para o Brasil em função da estrutura agrária brasileira, baseada na grande propriedade. No entanto, em Santo Antônio, essa prática foi implantada e se conserva até os dias de hoje. Segundo as referências de Truzzi, os sírios se dedicaram às atividades relacionadas ao comércio tanto nas áreas urbanas como rurais (mascateação). A originalidade de Santo Antônio se configura pela implantação da organização produtiva, intimamente ligada ao comércio nos sítios. Esta organização implicou também na conservação do modo de vida, dos valores, assentados nos laços familiares, na religião, nas festas e na conservação das tradições. É importante assinalar que a organização produtiva se assentava no trabalho familiar, onde a presença feminina é fundamental para o desenvolvimento da indústria doméstica, por meio da produção e venda de queijos, doces, bolachas, pães, mel, etc. Ademais dos produtos da indústria doméstica, as outras atividades produtivas são: café, leite, frutas e hortaliças. A prática de comercializar os próprios produtos da agricultura e da indústria doméstica é feita nas pequenas cidades vizinhas por meio da entrega a domicílio e também nos grandes centros urbanos como Ribeirão Preto e São Paulo.

12O município de Jales está situado no extremo Noroeste do Estado, mais especificamente na microrregião de Jales. Trata-se de uma região que, por conta do processo da colonização decorrido entre o fim da primeira e o início da segunda metade do século XX e da ocupação por inúmeras famílias de descendentes de imigrantes ainda hoje se configura como uma região marcada por uma estrutura fundiária bastante desconcentrada, das mais desconcentradas do Estado de São Paulo. A presença dos descendentes de imigrantes teve um papel importante na constituição deste novo contexto: tendo trabalhado, desde a abolição da escravatura, como colonos em grandes fazendas de café de regiões de ocupação mais antiga, haviam acumulado um pequeno fundo e tornaram-se clientes potenciais para os loteadores desejosos de ampliar suas possibilidades de acumulação parcelando suas grandes extensões de terras em pequenas propriedades. Estes imigrantes eram, sobretudo, descendentes de italianos, japoneses e, em menor medida, de espanhóis, além de migrantes nacionais (sobretudo nordestinos). Os/as sitiantes dessa microrregião se dedicam, sobretudo, à fruticultura (com destaque para o cultivo de uva e laranja) e pecuária leiteira para o mercado interno, além de vários produtos da indústria doméstica, vendidos em feiras e nos mercados locais e regionais.

13Nossas pesquisas nesses dois municípios revelam que a cultura caipira tradicional mesclou-se àquelas trazidas pelos imigrantes italianos, espanhóis, sírios, libaneses, japoneses, resultando num verdadeiro mosaico onde as distintas etnicidades não desapareceram, porém se transformaram reciprocamente, garantindo a permanência da memória e das tradições diante do vertiginoso avanço da cultura canavieira. Nossos achados evidenciam que as formas de resistência diante dessa situação estão ancoradas em fatores econômicos e culturais. A cultura e o modo de vida se constituem em elementos que podem travar esse processo. Por outro lado, procuramos analisar os agentes desse processo de resistência, sob a ótica das relações sociais de sexo. Percorrendo a literatura sobre o mundo rural paulista, à qual brevemente nos referenciamos acima, observamos que as mulheres foram invisibilizadas pela maioria dessas análises, salvo raras exceções. Ao lado (e não detrás) do homem caipira, rústico, há a mulher caipira, rústica, que se movimenta não apenas dentro da casa e do quintal, mas também na roça, na indústria doméstica, nas feiras, nas festas e nos rituais religiosos. As imagens aqui reveladas procuram seguir as pegadas de Michelle Perrot para quem:

  • 19 Perrot, Michelle, Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros, Rio de Janeiro, Paz (...)

O «ofício do historiador» é um ofício de homens que escrevem a história no masculino (...). Econômica, a história ignora a mulher improdutiva. Social, ela privilegia as classes e negligencia os sexos. Cultural ou «mental», ela fala do homem em geral, tão assexuado quanto a Humanidade. Célebre – piedosas ou escandalosas –, as mulheres alimentam as crônicas da «pequena» história, meras coadjuvantes da História!19

Redescobrindo as mulheres nas ilhas cercadas pelos canaviais

  • 20 Elias, Norbert, Sociedade dos indivíduos, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1994, p. 173.
  • 21 Elias, 1997, p. 59.

14A fim de dar conta de nossos objetivos, inicialmente, analisaremos as atividades laborais desempenhadas pelas mulheres e, num segundo momento, a importância delas para a conservação da cultura e tradição, valores morais que cimentam o habitus social e desempenham o «efeito trava», segundo a expressão de Elias, que exerce a função de barreira ao avanço da expansão canavieira das grandes usinas. Segundo Elias20, há dois elementos responsáveis pela persistência de um determinado habitus social. Em primeiro lugar, a força da transmissão familiar e geracional, da socialização de normas e valores transmitidos de pai (e mãe) para filho/a e de geração em geração. Em segundo lugar, a idéia de que aquela «constelação» de habitus é constitutiva da sobrevivência do grupo social. Levando-se ainda em conta as reflexões sobre o efeito de trava, o autor mostra o papel relevante da tradição. Para ele, a força da tradição não decorre tão-somente da inércia das tradições, mas continua «(...) vivendo na consciência de gerações subseqüentes servindo involuntariamente como um espelho onde cada um pode ver-se a si mesmo»21.

15Essas reflexões, aliadas àquelas acima expostas, são fundamentais aos objetivos da análise que se segue.

  • 22 Silva, Maria Aparecida de Moraes, De colona a bóia-fria, In: Priore, Mary del; Bassanezzi, Carla (O (...)

16Durante o período em que foram colonos nas fazendas de café, as mulheres realizavam uma dupla jornada de trabalho, desenvolvendo atividades tanto no trato dos cafezais como no trabalho doméstico (inclusive buscando lenha e água) e no cultivo de produtos para a subsistência (como a horta dos quintais) enquanto os homens eram responsáveis somente pelo trato dos cafezais, tal como foi analisado por Silva22. Apesar do peso da rotina, seu trabalho sempre foi entendido como «ajuda», já que o homem era o grande responsável pelo contrato firmado com o fazendeiro e, ademais, aquele que distribuía as responsabilidades entre os integrantes da família.

  • 23 Heredia, Beatriz Maria Alásia; Garcia, Marie France; Garcia, Afrânio Raul, «O lugar da mulher em un (...)
  • 24 Paulillo, Maria Inês, «O peso do trabalho leve», Ciência Hoje, Rio de Janeiro, SBPC, v. 5, n. 28, p (...)
  • 25 Paulillo, 1987, p. 70.

17Na contraposição entre a casa e o roçado, construída por Heredia23 em seu estudo sobre os pequenos produtores ligados à plantação açucareira no Nordeste, tal desvalorização também é ressaltada. No roçado, onde se produz a farinha, o feijão, o milho, considerados fundamentais à sobrevivência, é feita a atividade considerada como trabalho, pelo homem, o pai da família. Na casa, o lugar da mulher, são realizadas as atividades consideradas como não-trabalho. É a «ajuda» que a mulher oferece à reprodução da família. Paulillo24 concede uma contribuição crítica também bastante relevante para a reflexão sobre a questão. Analisando os trabalhos agrícolas no sertão e no brejo paraibano, e na cultura de fumo na região sul de Santa Catarina, observa que nesse contexto é frequentemente realizada uma distinção entre trabalho leve e trabalho pesado, sendo o primeiro relacionado à mulher e o segundo ao homem. Entretanto, depois de analisar uma diversidade de tarefas realizadas por mulheres, tanto no âmbito da casa como na agricultura – alguns destes trabalhos considerados, inclusive, bastante pesados (como a tarefa de buscar água em lugares distantes da moradia, consertar cercas, capinar, etc.) – a autora conclui que o trabalho «leve» (e a remuneração baixa) assim é considerado não em função de suas próprias características, «mas devido à posição ocupada na hierarquia da família por aqueles que executam o trabalho»25.

  • 26 Nobre, Miriam, «Relações de gênero e agricultura familiar», In: Nobre, Miriam, et. al. (Orgs.). Gên (...)
  • 27 Paulilo, Maria Inês; Grande, Alessandra Bueno; Silva, Marineide Maria, «Mulher e a atividade leitei (...)
  • 28 Paulilo, 2000, p. 26-27.

18Entretanto, tanto os trabalhos de campo realizados por nossas pesquisas como uma diversidade de outras investigações têm dado conta de desvelar o trabalho pesado que é realizado pelas mulheres nas pequenas propriedades de sitiantes. Os estudos de Nobre26 e de Paulillo27 apontam, por exemplo, para o importante papel que cumprem as mulheres na produção de leite, esse que é tido como «assunto de mulher». São elas as responsáveis por quase todas as etapas produtivas (porque são responsáveis por aquelas atividades tidas como cotidianas) enquanto o homem fica responsável apenas pelas atividades não-cotidianas. Ainda segundo a autora, este só se responsabiliza pela produção quando ela se torna uma atividade mais rentável. Analisando os impactos da reestruturação produtiva leiteira, a autora analisa a dupla condição de marginalização que esse processo impõe sobre as mulheres, enquanto mulheres e enquanto produtoras28.

19Na pesquisa em Jales, encontramos também muitas mulheres exercendo pesadas tarefas, revelando que essa situação não se acha restrita a determinados espaços sociais, porém, ao contrário, é fruto dos padrões sociais derivados das dissimetrias de gênero vigentes na sociedade como um todo. Assim, a Sra. Aiko Ryugo, de 75 anos, lembrando-se do tempo em que ela e o marido ainda viviam e trabalhavam na propriedade rural, quando os filhos ainda eram pequenos, nos fala de como se desdobrava para dar conta do acúmulo de atividades diárias, entre a casa, o cuidado dos filhos e o trabalho na roça. Realizava trabalhos pesados, que, muitas vezes, mesmo os homens não conseguiam realizar:

Antigamente a gente trabalhava muito. O que homem fazia eu fazia [risos da depoente]. Eu arava a terra de trator de cavalo! No terreiro tinha cem sacos, cento e cinqüenta sacos. Eu corria ajuntava café com trator. Eu pegava o trator ia para roça trazer café. Igual a um homem. Eu carregava uma criança nas costas e trabalhava. Amarrava com pano. A comadre Isabel até hoje ela fala: «A senhora trabalhou hein!» A criança nas costas, apanhando algodão. De domingo não descansava, era o dia inteiro lavando roupas da família toda, passando roupas. Na segunda já ia para roça (...). Porque as mulheres fazem mais do que homem. Tem que fazer comida tem que lavar roupas... Não é? Eu ainda tinha criança dando mamá! Lá de cima, na roça, na hora de almoço eu corria para casa. Eu dando de mamar e comendo. (...). Na roça também. A gente pegava os «pretos» para apanhar o café. De tarde eu juntava o café no terreiro, juntava e colocava o encerrado. O outro catava o trator e mandava para roça. Aí está tudo na beira do carreador lá. Os homens que abananam café eles deixam tudo no carreador. Eu pegava, eu e ele, eu colocava na cabeça dele e ele colocava na carreta (...). Sacos de arroz de sessenta quilos. (Aiko Ryugo, Jales, 2010)

  • 29 Brumer, Anita. «A situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul», Estudos Feministas, Flor (...)

20Ademais do trabalho pesado realizado pelas mulheres, que pode ser observado na fala de Aiko como também de diversas outras agricultoras, a mulher é mão-de-obra fundamental no trato de culturas que exigem determinadas habilidades que costumeiramente se atribuem às mulheres. Brumer29 lista diversas destas qualidades, que são atribuídas às mulheres tanto para executar tarefas agrícolas como urbanas: a capacidade de realizar tarefas repetitivas e intensivas; de realizar várias tarefas ao mesmo tempo; de associar ao trabalho suas responsabilidades na esfera da reprodução; sua disponibilidade para envolver-se preferencialmente em trabalhos temporários; habilidade para desenvolver tarefas que requerem dedos pequenos e ágeis, assim como a permanência em posição desconfortável; aceitação de remuneração relativamente inferior; maior docilidade.

  • 30 Paulillo, 2000.

21Identificamos ainda pelo menos duas atividades agrícolas que solicitam características como essas que são atribuídas às mulheres e, que, portanto, as têm como mão-de-obra importante. Uma delas é o trato das parreiras de uva, a outra o trato da pecuária leiteira, como também já observou Paulillo30. A uva, seja ela de qualquer espécie, é uma fruta muito delicada e que exige, por isso, uma vigilância constante. Nas redondezas da microrregião de Jales se diz que «se casa com a parreira», porque «é necessário trabalhar todo dia nela», segundo as palavras do agricultor Cleber Mártir (descendente de espanhóis, 40 anos). Há fases de seu crescimento em que é necessário passar veneno mais de uma vez ao dia, todo o tempo é importante estar atento às questões climáticas porque uma chuva forte pode derrubar a parreira, é preciso acompanhar a formação dos cachos e raleá-los para que os frutos tenham espaço suficiente para alcançar um formato e tamanho adequados. Algumas destas atividades são realizadas por toda a família, outras são especificamente femininas ou masculinas.

22Conheçamos, então, as diferentes etapas do processo do trato de uma parreira. Inicialmente é necessário plantar o cavalo, que é o tronco do pé da uva. Formado o tronco, ali se enxerta a espécie de uva que se quer ver florescer. Passam-se cerca de 40 dias para que comece a brotar os galhos da uva. Cada cavalo pode dar origem a até uns 40 galhos. E uma porção de cavalos e seus galhos juntos formam a parreira. Durante o crescimento dos galhos, a parreira vai sendo desenhada pela/o sitiante, que vai retirando os galhos tortos, fracos, e deixando somente aqueles que crescem retos, a fim de facilitar o trabalho do plantio e colheita. Essa tarefa é denominada desbastar. Deixam o galho crescer até o tamanho que lhes aprouver e, então, cortam sua ponta, abaixam os galhos de cima da estrutura de madeira e ferro que forma a parreira e passam o dormex nos tocos que foram deixados por todo o galho. Esse hormônio faz borbulhar, faz surgir o broto do cacho de uva, que se assemelha a um amontoado de bolhas minúsculas.

23A segunda etapa é a atividade da desbrotação ou raleamento. Naqueles pequenos tocos onde foi aplicado o hormônio brotam de cinco a oito cachos e, então, é necessário eliminar diversos deles, deixando apenas dois, para que eles alcancem o tamanho adequado para comercialização e para que não comprometam o galho com seu peso. Estes cachos escolhidos são amarrados (atividade chamada de amarração) ao galho para que não caiam com o peso dos gomos. Trinta dias seguidos ao surgimento dos cachos é iniciada a etapa que Rosemari (mulher que nos narrou todo esse processo produtivo em companhia de seu esposo) julga a mais pesada de todo o trabalho: a penteação, que é o momento de ralear o cacho para que os gomos da uva tenham espaço para crescer e adquiriram uma estética que venha a ser apreciada pelo consumidor. Cerca de 60% dos gomos são retirados durante esse processo. Algumas espécies de uva necessitam da penteação, acarretando uma maior necessidade de mão-de-obra, e outras não, pois à medida que os gomos vão crescendo alguns caem naturalmente, formando o cacho sem a necessidade de intervenção. Rosemari e Cleber cultivam duas espécies que necessitam da penteação (uva rubi e itália) e uma que não necessita (centenial, uma espécie de uva sem semente). É esse um momento muito importante do trato da uva. A penteação deve ser feita com muita «delicadeza» para que o galho não quebre e, assim, não seja descartado.

24Desde o raleamento do pé e durante todo o período da penteação, a aplicação de veneno tem também uma importância muito grande, e deve ser realizada diariamente a fim de impedir a proliferação de pragas. E sempre depois da chuva, quando o veneno é carregado pelas águas, o mesmo deve ser reaplicado. Segundo Cleber, durante 120 dias, o período de brotação e amadurecimento do cacho, o veneno é aplicado diariamente. Quando a fruta alcança certo ponto de seu amadurecimento já se pode diminuir a freqüência, aplicando veneno uma ou duas vezes por semana no máximo.

25As tarefas de desbastar e desbrotar são realizadas pelo casal e pela contribuição eventual do filho adolescente. A amarração, a penteação e a aplicação de veneno são atividades que acontecem simultaneamente. Rosemari realiza a amarração e a penteação enquanto seu marido participa da etapa da amarração e da aplicação de veneno. Finda a atividade da penteação, Rosemari passa a se ocupar do controle diário de pragas e uvas estragadas, retirando-as do cacho para que não comprometam a saúde e a estética do galho. Cleber continua aplicando o veneno.

26Quando os questionamos sobre o «peso» do trabalho realizado por cada um (a entrevista foi realizada com marido e mulher juntos), ambos admitem que a fase mais trabalhosa é a da penteação, aquela executada exclusivamente por Rosemari. Ela explica que, numa parreira bem carregada, com uma média de 80 cachos, penteia 10 pés por dia, totalizando cerca de 800 cachos penteados. O casal tem 1.000 pés plantados na propriedade, solicitando 100 dias de trabalho praticamente ininterruptos, de aproximadamente seis horas de um trabalho feito de pé, com os braços todo o tempo erguidos e, muitas das vezes, com as costas curvadas, já que com o peso dos cachos a parreira tende a ficar menor do que a estatura de Rosemari. Além disso, é necessário atenção e cuidado todo o tempo. Cada cacho foi escolhido entre oito que brotaram e precisa ser valorizado. Um descuido representa um prejuízo para os rendimentos da família. Apesar do trabalho pesado da penteação, Rosemari fala do imenso prazer que tem em realizá-lo e da importância dessa etapa produtiva para o sucesso da colheita. Segundo ela, é esse o momento em que «desenha» o cacho. Se o trabalho não é bem feito, certamente terão dificuldades de comercializar o produto.

27Enquanto Rosemari caminha, cacho a cacho, fazendo o trabalho da penteação, seu marido dirige o trator pelos corredores da parreira, borrifando veneno na plantação. Quando solicito que o casal compare as duas atividades, não hesitam em concordar que passar veneno é um trabalho mais «leve» que o trabalho da penteação. Mas quando questiono a agricultora sobre as razões pelas quais ela não passa o veneno, ela explica: «Porque trator é mais serviço de homem».

  • 31 Paulillo, 1987.
  • 32 Nobre, 1998, p. 4.

28Desta sorte vemos ratificada a afirmação de Paulillo31 de que as atividades realizadas pelas mulheres são consideradas leves não porque de fato o sejam, mas porque o trabalho delas tende a ser desvalorizado pelo homem. Nobre32, refletindo sobre essa questão mostra que, contraditoriamente, «toda vez que essas tarefas (agrícolas) são mecanizadas e, portanto, exigem menos força física, as mulheres são excluídas». Na maior parte das entrevistas que realizamos, quando questionamos sobre a atribuição das tarefas, as respostas foram que os homens são quase sempre os únicos responsáveis pelo trabalho mecanizado. As mulheres além de realizarem, então, trabalhos efetivamente «pesados» são quase praticamente as únicas responsáveis pelo controle das pragas e, também, pela administração do trabalho. São elas que guardam os «cadernos de anotações» onde o calendário de cada etapa produtiva, os pagamentos e os recebimentos são controlados. Disso nos fala a Sra. Maria Machado, descendente de nordestinos, quando explica sua participação no «ciclo produtivo» que ela e o marido desenvolvem (vagem, pepino e milho, na sequência):

Pesquisadora: E como é o trabalho nessas três plantações? Tem alguma coisa que seja só você quem faça ou que você faz melhor?
Arnaldo: Tem coisa que ela faz melhor que eu.
Maria: A mulher, administração, não tenha dúvida. Controle administrativo tanto das contas, como lá dentro [da roça], procurar uma doença... Mulher é mais perfeccionista, mais detalhista.
Arnaldo: O homem é mais afobado, tem mais coisa pra fazer, então sempre fica uma coisa pra trás. Ela não, ela já sabe que tem que fazer aquilo e vai fazer, e a outra parte deixa comigo. A parte de doença, amarrar a vagem, é tudo na base do barbante, amarrar pé por pé. Ela faz isso e o serviço burocrático.
Maria: Controle de contas, entrada e saída, entregas... Tudo bem controlado. Caderno de saída, de entregas, tudo muito bem... Depósito no banco, dinheiro que depositou, tudo muito bem controlado.
Pesquisadora: Você faz o trabalho mais detalhista assim?
Maria: É, pode até achar: «não trabalha, não pega no pesado». Mas conta, conta e muito. Porque você chega ali, você procura uma doença, vê o pé, evita uma doença... Porque pode passar pro outro pé e estragar tudo. E você está evitando jogar veneno. (Entrevista com Maria e Arnaldo, Jales, 2010)

29Trabalho leve e pesado, essencial e em caráter de ajuda, são, portanto, construções culturais, que fazem sentido nessa sociedade dominada pelo patriarcado, pela dominância do sexo masculino, valorização de seu papel na sociedade e a consequente desvalorização do feminino. É importante recordar, para compreender essa questão e desnaturalizá-la, que as relações sociais de sexo devem ser compreendidas não somente no âmbito do trabalho. São, portanto, os processos de socialização vivenciados por homens e mulheres os responsáveis pela construção social da diferença e pela valorização diferencial das características atribuídas a uns e outros.

30A mão-de-obra feminina nos sítios, ademais de ser responsável por trabalhos essenciais para o desenvolvimento das culturas, contradizendo as afirmações de que as mulheres realizam tão somente as atividades consideradas «reprodutivas» (aquelas que se referem ao cuidado da casa e dos filhos) desobrigam, assim, as famílias de contratar mão-de-obra não familiar para as atividades produtivas. Quando inquirimos Zenaide Preti sobre a importância de sua mão-de-obra para o trato da roça, indagando se sua família conseguiria tocar as atividades somente com o trabalho do marido e das filhas ela responde: «Não, não dava. Tinha que pôr peão, pois na época a gente não podia pagar mais».

31As tensões vivenciadas no processo de valorização ou desvalorização do trabalho feminino puderam ser percebidas, ademais, durante a realização da Festa da Uva, no ano de 2010, e nas narrativas de Rosemari sobre edições da festa de anos anteriores. Trata-se de uma feira de exposições que acontece no município de Jales onde os agricultores de toda a região expõem suas uvas e com elas participam de uma espécie de competição que julga os cachos apresentados de acordo com as categorias nas quais foram inscritos. Há premiações para os três melhores cachos de cada espécie de uva (há cerca de oito espécies cultivadas na região). Além disso, é eleito um cacho «campeão geral», o «maior cacho» e o «melhor cacho» de uva. Os eleitos recebem prêmios em dinheiro e, ademais, cada cacho de uva inscrito recebe um cupom que lhe dá direito de participar do sorteio de uma diversidade de brindes (entre suplementos e equipamentos diversos para o trabalho agrícola e utensílios domésticos).

32Cada cacho de uva é inscrito no concurso com o nome de um único integrante da família, e não há limite para o número de cachos de uva inscritos por família. Segundo Rosemari, em geral são as mulheres que selecionam e embalam os cachos que participarão do concurso e os homens ficam responsáveis por levar os cachos até a sede da exposição e, ali, indicam a um dos integrantes da comissão organizadora do evento em nome de que integrante da família cada cacho deve ser inscrito. Embora o casal participe da Feira há cerca de 5 anos, somente em 2009 é que um dos cachos foi inscrito com o nome de Rosimari. Antes disso, todos eram inscritos como o nome de seu esposo ou de seu cunhado.

Rosemari: Eu embalei a uva e falei: «Agora você escolha a melhor e põe teu nome». Só que quem cuida dos cachos sou eu. Eu pensei: «Olha, Deus, como que é: eu é que cuidei desses cachos». Até aí ele sempre xingando, reclamando. Eu embalei a uva e falei: «Você pega a mais bonita e põe teu nome». Nunca tinha exposto meu nome. Ele fez. Chegou lá deram as duas minhas em primeiro lugar, sendo que as duas dele eram as mais bonitas. (...). Eu só levei o nome o ano passado, ele pôs meu nome. Mas só ele que levava o nome, porque eu que só arrumava. [risos]
Cleber: Eu não tenho paciência para essas coisas.
Rosemari: Eu que escolho o cacho, eu que embalo o papel, tem o jeito, tudo cuidadinho delas. Aí ele leva, ele vai arrumar, eu falo: «Cléber, leva com cuidado». Ele já vai jogando. [risos]. É um trabalho persistente: os cachos apodreciam, todo dia dava aquele vento, levantava o papel. Eu ia no dia seguinte, cobria o cacho de novo. Se no outro dia arrancava, eu ia lá cobria, perdia tempo para fazer isso, mas compensou. [risos] (Rosemari e Cleber, Jales, 2010)

33Na narração de Rosemari, percebemos o quanto aquele momento de exposição dos frutos de seu trabalho, das uvas que ela dá a forma com o trabalho da penteação, torna-se importante para que ela se sinta valorizada. Mesmo que durante anos seu marido não tenha tido a iniciativa de colocar seu nome nos cachos de uva, e que também ela autorizasse o marido a colocar seu próprio nome nos cachos mais bonitos, ela insistia em cumprir todos os passos do ritual da preparação da participação da família no concurso. Até que, por um acaso (ou por uma atitude premeditada da comissão organizadora, disso não podemos saber) os primeiros cachos inscritos com seu nome ganharam o primeiro e o segundo lugares nas categorias que foram inscritos. A sensação percebida nos risos e reclamações proferidos por Rosemari na presença de seu marido enquanto me narrava estes fatos demonstram a satisfação que teve ao ver seu trabalho publicamente reconhecido. A alegria que sentiu nesta ocasião parecia maior do que a alegria de ver os cachos premiados com o nome do marido.

34No ano de 2010 pudemos acompanhar a Festa da Uva e atestar, mais uma vez, a invisibilidade do trabalho feminino. Dos 27 cachos de uva premiados em 11 categorias diferentes, apenas dois estavam inscritos com o nome de uma mulher, Rosemari Buzo: ela recebeu os prêmios do segundo lugar da uva rubi e do terceiro lugar da uva benitaka. A família de Rosemari foi premiada também em outras categorias: campeã geral e 1º lugar entre as uvas itália, no nome de Cleber Mártir, seu esposo; 1º lugar entre as uvas rubi e 2º lugar entre as uvas itália, no nome de seu filho. Lembramos que estas duas espécies de uva (rubi e itália) necessitam da penteação, a tarefa mais árdua no cultivo da fruta e que é executada quase exclusivamente pelas mulheres.

35No que tange às atividades desempenhadas pelas sitiantes de Santo Antônio da Alegria, a mais importante é aquela referente à indústria doméstica que, embora sendo considerada uma atividade complementar, na realidade, em muitas situações, torna-se fundamental para a reprodução da unidade doméstica do sítio. Várias depoentes afirmaram que a renda auferida por muitos produtos – doces, bolachas, queijos, biscoitos, hortaliças – é essencial para financiar a produção de café, a compra de gado ou até mesmo de instrumentos agrícolas, como tratores.

Aí depois foi produção de bolacha, mandar bolacha para vender lá na Avenida Paulista em São Paulo. Quem vendia era meu tio que estava lá; ele montou a barraca de vender essas coisas, quitandas (...). Com o dinheiro da bolacha formamos esse cafezinho que a gente plantou aqui. A gente produzia 60 quilos por semana de bolacha. Consumia muita bolacha em São Paulo, por semana levava uma caminhonete cheia de doces (...). Vocês precisam ver que delícia de bolacha, eu vendia para ele a R$5.00, ele chegou a pagar R$6.00 em algumas; ele vendia a R$12.00 em São Paulo. (Neide, Santo Antônio da Alegria, 2009)

36Esse depoimento revela três pontos importantes: a produção doméstica, o trabalho feminino e a venda do produto em São Paulo por um tio. É visível a integração familiar, uma rede produzida pela família, que ultrapassa os limites territoriais da propriedade agrícola. Uma solidariedade familiar que permite a reprodução da unidade agrícola produtiva e conservação da condição de sitiante, prática costumeira presente entre as unidades caipiras do mundo de antes. Café e bolacha são produtos complementares nesta situação. Além disso, a bolacha, a indústria doméstica, permitiu a manutenção da unidade familiar como sitiante. Outro depoimento expressivo sobre esta questão refere-se ao da D. Ângela, produtora de chancliche, queijo típico da cultura síria.

O chancliche que eu vendo é muito importante. Faz as contas (...). Eu faço 30 chancliches por dia e vendo a R$1,50. Eu preciso desse dinheiro (...) esse dinheiro ajuda a gente a tocar aqui (propriedade agrícola). O chancliche é o prazer da minha vida hoje, eu saio pra vender, tenho bons clientes, converso com um monte de gente. É uma terapia para minha cabeça. (D. Ângela, Santo Antônio da Alegria, 2009)

37O chancliche é tal como a bolacha uma atividade fundamental para a manutenção do estabelecimento agrícola, embora seja reconhecido pela própria informante, como «ajuda». Nos depoimentos acima fica clara a importância do saber feminino para a preservação da propriedade, saber esse transmitido de geração em geração. No entanto, a posição superior da figura masculina, tomadora de decisão e controladora da situação, foi bastante evidente nos depoimentos. Apesar de exercer uma função econômica de geração de renda e sustentação da família, e até mesmo formalmente ser dona da propriedade agrícola, a mulher acha-se sempre em situação de subalternidade em relação ao marido.

38Em Santo Antônio da Alegria, houve uma mescla da cultura dos sitiantes tradicionais (caipiras) com os imigrantes sírios e libaneses, contribuindo para que houvesse uma maior integração entre o mundo rural e urbano, por meio da mascateação (atividade desempenhada pelos imigrantes), e também dos casamentos interétnicos:

Então meu pai veio da Síria. E minha mãe é aqui do Brasil mesmo. Minha vida foi sempre trabalhando muito, sempre lutando. A gente mexia com o açougue, carne, no comércio. E minha mãe sempre lutando também, com o bar. Minha mãe é filha de sírio também. Meu pai veio pra cá com 12 anos. Tinha uns parentes aqui, aí foi vindo. Foi vindo de pouco em pouco. Naquela época vinha de navio para o Brasil. Quarenta dias de navio viajando. Ele aprendeu francês. Depois aprendeu a língua brasileira. Era muito difícil, ele falava. Difícil de mais para se comunicar. Trabalhou a vida inteira com o comércio. Morreu com 84 anos. Minha mãe sofreu muito. Fazia muito chancliche para vender. Todos os parentes vieram da Síria, de Muzeib. Eu faço muita comida árabe aqui. Aprendi a fazer todas as comidas. Muita comida boa. Aprendi com a minha mãe a fazer o chancliche. Quando a gente tinha gado aqui na propriedade e dava muito leite, eu fazia o chancliche e vendia, comercializava tudo. Igualzinho a mamãe. Mas também passei uma vida inteira vendo a mamãe fazer. Ela cozinhava muito, fazia muito churrasco de carneiro. (D. Manifa, Santo Antônio da Alegria, 2009)

39O contato com a terra e o trabalho no sítio só começou depois do casamento. D. Manifa casou-se com um brasileiro e até os dias de hoje, depois de 45 anos, ainda dedica-se à agricultura, sua principal fonte de renda. Ao longo desses anos, os cultivos em sua propriedade foram: milho, café, arroz, bem como a produção de leite e granja, mas hoje, todo a esforço familiar é empregado na plantação e cultivo de uma imensa horta que fornece verduras para a cidade de Santo Antônio da Alegria e também para as cidades vizinhas. A trajetória de trabalho na propriedade é relatada em maiores detalhes pelos depoimentos de D. Manifa e sua filha Maria José:

Depois que eu casei, eu vim aqui para propriedade. Faz 45 anos que moro aqui. A gente já produziu mais. Hoje os pastos estão arrendados, e a gente tira nosso dinheiro mesmo é das verduras. A vida inteira nós mexemos com o leite, a verdura faz uns 14 anos só. A gente produziu milho, café. Mas hoje o forte é a horta. (...) A idéia da verdura começou porque as coisas ficaram difíceis. (...) Está tudo muito caro. Se for colocar na ponta do lápis mesmo, o adubo, o ração, na hora de vender não compensa, o nosso retorno é muito baixo. O governo não incentiva agricultura. Como que a gente vai plantar? Não tem preço depois. Vamos plantar só para consumir? (...) Nós investimos R$ 13 mil e agora está dando certo, é uma renda e tanto e tem um retorno mais rápido também. (D. Manifa, descendente de sírios. Santo Antônio da Alegria, 2009)

Aqui a gente sempre trabalhou com a família inteira ajudando. Mas hoje minhas irmãs foram pra cidade cuidar da vida, meu pai já trabalhou muito e hoje não aguenta o dia inteiro trabalhando nesse sol, então é meu marido mesmo que cuida. Ele gosta da terra, ele foi criado na terra. Quando meu pai trabalhava, a gente tirava muito leite. Mas hoje é a verdura. Meu marido cuida da verdura e eu pego o caminhão e vendo aqui em Santo Antônio e Itamogi (cidade próxima a Santo Antônio). Pra dar certo mesmo tinha que trabalhar a família inteira. Eu não posso colocar ninguém pra vender pra mim, porque aí eu não tenho lucro. Mas eu gosto de vender. (...) Fertilizante não tem. A verdura é muito boa. A gente faz cultura de rotação. Pragas não têm dado. Meu marido já pegou o jeito. Nós tivemos que vender o gado, porque meu marido não conseguia cuidar da horta e do gado ao mesmo tempo. A gente preferiu a verdura. (...) Você precisa ver o tanto que a gente vende nas cidades vizinhas. E aqui também. (Maria José, filha de D. Manifa, Santo Antônio da Alegria, 2009)

40A produção familiar é conjugada à comercialização. A venda das verduras («eu gosto de vender») representa a herança síria de forte vocação comercial e resgata uma antiga tradição: na Síria a comercialização dos produtos era feita pelos próprios produtores, como foi visto acima. Outro ponto a ser destacado é a que a venda é feita pela filha, em caminhão conduzido por ela mesma, enquanto o pai, a mãe e o marido cuidam das plantações. Da mesma forma que a produção de bolachas e chancliches foram essenciais à reprodução do sítio de dona Ângela, a renda advinda das hortaliças mantém a família de dona Manifa.

41Alguns depoentes mais idosos, descendentes de imigrantes sírios, se recordaram das dificuldades em exercer a mascateação, e do preconceito dos brasileiros em relação a essa prática:

  • 33 Esse depoimento suscitou algumas lembranças da infância de uma das autoras desse artigo (MAMS): «Co (...)

José Jorge Felício foi outro sírio que mascateou muito, coitado. Era uma vida muito sacrificada, eles saíam com aquela mala nas costas vendendo nas propriedades; eles eram chamados de turcos, e havia muito preconceito. Depois, o povo foi acostumando e foi mudando. Meu pai contava que esse Jorge saiu com meu tio José João para mascatear. Chegaram numa fazenda e o dono os obrigou a dormir num paiol, dando-lhes apenas uma espiga de milho para comer.33 (Sr. Jola, Santo Antônio da Alegria, 2009)

42A memória de outros sitiantes revela que na década de 1950, toda família se empenhava na fabricação de rapadura, posto que ainda não havia a comercialização do açúcar, tal como vai ocorrer em seguida. Assim, nos sítios havia plantações de cana e os engenhos para a fabricação da rapadura para o próprio consumo e também para a venda.

  • 34 Cidade situada a mais ou menos 80 km de Santo Antônio da Alegria.

Nós vendíamos a rapadura para uma fábrica de doce de Franca34. A rapadura era transportada em carros de bois. Com esse dinheiro nós compramos mais terras. Os homens plantavam a cana e no engenho havia a participação de homens e mulheres. Ainda tenho um tacho grande usado para apurar o caldo de cana e fazer a rapadura. Hoje meu filho segue os nossos costumes. Temos o sítio e meu filho tem um bar na beira da rodovia. Tudo que é vendido ali é produzido por ele e sua mulher: Ele faz a lingüiça e a mulher faz 50 chancliches por dia (ela aprendeu com uma síria). Para fazer um chancliche é necessário um litro de leite. Nós temos as vacas para produzir o leite. Vendemos cada queijo por R$2,50. Nós vendemos também mel. Minha mulher cuida de porco, das galinhas, faz queijos. Quando era mais nova trabalhava também no café. (Sr. Deolindo, Santo Antônio da Alegria, 2009)

43Os depoimentos revelam que não se tratava de sitiantes isolados no mundo rural. Ao contrário, o comércio se estendia às cidades da região e antes das rodovias asfaltadas o transporte era feito em carros de bois.

Aqui se produzia a rapadura, o café e vendia em Mococa e região. Produzia-se também um tecido rústico de algodão, chamado ranca-toco. Era um tecido forte para não rasgar e era usado pelo homem da roça. Era feito no tear, pois havia plantação de algodão. As mulheres eram as tecelãs. Levava rapadura para Mococa e trazia de lá o sal. Tudo em carro de boi. Havia também aqui máquinas para beneficiar café e arroz. (Sr. Jola, Santo Antônio da Alegria, 2009)

  • 35 Este é um exemplo que comprova que não há sentido em estabelecer a dicotomia entre rural e urbano. (...)
  • 36 Lucena, Celia, Saberes e sabores do país de origem como forma de integração, Cadernos Ceru, 19 (1), (...)

44Há também muitas mulheres sitiantes que moram na cidade, onde fabricam seus produtos e os vendem no próprio domicílio35. Elas afirmaram que seus clientes são, sobretudo, de outras cidades, inclusive de São Paulo. É interessante observar que essa clientela é composta de parentes, conhecidos que visitam a cidade nos finais de semana, feriados e dias de festas. Notou-se também que existe uma grande procura pelos produtos caipiras, caseiros, artesanais. Por outro lado, o gosto dos alimentos, produzidos artesanalmente remete à solidificação dos vínculos identitários36. A renda é revertida no sítio e também na compra de produtos para o consumo doméstico e da família. Durante a pesquisa de campo, observamos que em várias casas nos bairros rurais o cômodo da frente é reservado à venda de produtos, advindos da indústria doméstica. A produção e o comércio são de responsabilidade das mulheres, o que lhes confere autonomia, tal como o relato seguinte:

A minha vida é assim, eu faço um pouco de tudo, de tudo. Eu tomo conta do bar, eu lavo, eu passo, cozinho, eu faço viagem com o pessoal, eu torro café, eu faço mocotó, eu faço doce, eu faço massa. Eu cuido da igreja, cuido da minha mãe que mora em Santo Antônio que é doente está acamada. Eu gosto de ajudar em festa de Reis (...). Mocotó é o caldo. Caldo de mocotó salgado. Tudo do pé do boi, não tem segredo. Limpa bem limpinho, corta os ossos, limpa, cozinha bem cozidinho e depois coloca os temperos. A gente côa o caldo, coloca os temperos deixa ferver bem e pronto. O pessoal toma. Aí o pessoal coloca farinha, outros colocam pimenta e serve ele quente. O pessoal adora. Eu faço doce de leite, faço pé-de-moleque, faço goiabada, doce de abóbora, faço salgado para vender nos finais de semana. Tem vários tipos de salgado que a gente faz. Eu tenho um boteco na minha propriedade. Eu faço tudo caipira, tudo feito aqui mesmo. O frango é caipira, o porco também é criado aqui, a verdura também é feita aqui, o pessoal gosta, aqui é familiar. Com esse dinheiro eu pago a faculdade de meu filho e invisto aqui na propriedade. Nós temos café, arroz, mandioca, feijão. Faço também polvilho da mandioca para preparar o pão de queijo e sabão para vender. (Selma, Santo Antônio da Alegria, 2009)

  • 37 A maior parte dos (as) entrevistados (as) afirmou que, dificilmente, recorre aos empréstimos bancár (...)

45Em virtude da oscilação dos preços das mercadorias do sítio – como o café –, que é uma commodity cotada nas bolsas de valores de vários países do mundo, a produção doméstica feminina é essencial à reprodução econômica do sítio. Essa atividade não pode ser analisada apenas enquanto renda complementar. Ela é mais do que isso, na medida em que os excedentes são investidos no sítio, evitando, assim que os mesmos sejam apropriados pelo mercado financeiro e pelos atravessadores, posto que a venda dos produtos é realizada pelos próprios produtores37. Portanto, não se trata apenas de reconhecer a pluriatividade dos sitiantes, algo bem estudado pelos analistas da chamada agricultura familiar. Nossos achados de pesquisa demonstram que as atividades femininas, muitas vezes, ofuscadas por essas análises, além de cumprirem um papel preponderante para a reprodução econômica e social do sítio, impedem que os excedentes sejam apropriados pelos agentes do mercado financeiro e comerciantes. Desta sorte, não há apenas a reprodução simples como também há a possibilidade da reprodução ampliada da unidade de produção. Mais ainda. A reprodução econômica garante a reprodução social, travando a venda ou o arrendamento da terra para as usinas canavieiras. A presença da cana nas propriedades maiores representa uma espécie de ameaça constante aos sitiantes. Nesse sentido, os elementos culturais, simbólicos, os valores transmitidos pelos ascendentes estão impregnados nas práticas individuais e coletivas. O trabalho aparece como valor, como sinal de distinção e honra. Da mesma forma, o amor à terra.

Os pais dela são descendentes de portugueses. Agora meu pai foi criado e faleceu aqui, meu avô, também era daqui. Então é uma geração de muitos e muitos anos. A pessoa fica assim cativo do lugar, fica amoroso do lugar, porque foi nascido e criado, isso eu acho que é importante também, mesmo pelo estado de minha saúde, se eu voltar para cidade, às vezes pode contrariar a cabeça um pouco e isso faz a diferença. Comecei a trabalhar com 10 anos, agora eu estou com 60 anos, eu estou com oito anos fazendo tratamento para o mal de Parkinson. Trabalho ainda com a família, nós trabalhamos reunidos, a família é grande. Eu trabalhei na roça 50 anos, sempre com a família, nós produzíamos muito, muito mesmo, café, leite, arroz, de tudo (...). A terra é uma riqueza. É uma tranquilidade. Ter contato com que você planta. Porque no meu modo de pensar, a gente produz um pouco e dá uma tranquilidade. É bom para a cabeça também, a gente sente mais tranquilidade. É mais seguro. (Sr. Luiz, Santo Antônio da Alegria, 2009)

  • 38 Sobre o afeto da terra, consultar: Brandão, Carlos Rodrigues, O afeto da terra, Campinas, Editora d (...)

46A segurança e tranquilidade advêm da certeza de um futuro promissor. Não pagar aluguel de moradia, ter os produtos da horta, do quintal, que garantem a subsistência, além de uma poupança para estudar o filho mais novo. Ser cativo do lugar, ficar amoroso do lugar reflete o significado da terra, não como mercadoria, mas como valor simbólico38. O significado da terra foi algo que causou muita emoção entre as/os entrevistadas/os. As seguintes frases foram pronunciadas com muita frequência:

A terra é o maior patrimônio do mundo. A terra é tudo (...). Se a gente está vivo, é por causa da terra.Terra nunca deixa a gente na mão, a gente nunca passa necessidade. Pra mim a terra é tudo. O pouco que eu tenho e que eu faço é pela terra. Eu amo tudo isso aqui (...). Eu amo essa terra. A natureza é tudo. A natureza é muito perfeita. A terra é muita coisa (...). Eu trabalhei com o meu pai nessa terra. É um amor que você não calcula, a terra não tem preço. (Vários depoentes, 2009)

Eu tenho vontade de abraçar a terra. A terra é linda, ela produz de tudo, tudo vem da terra. Nossa a terra tem um valor sentimental muito grande. Foi adquirido com muito trabalho, muito carinho. Foi uma luta, mas uma luta bonita. (Hilda, Santo Antônio da Alegria, 2009)

  • 39 A cana é queimada antes do corte manual. Essa prática predatória ao meio ambiente e à saúde dos tra (...)

47O amor à terra é fruto e reflexo da busca dos/as sitiantes de sobreviverem, criarem os filhos e conseguirem, através dela, tudo o que possuem hoje. Além disso, a terra significa memória, lembrança dos pais e dos tempos de infância. O costume de amar a terra foi transmitido pelos pais e intensificado ao longo da vida. É um elemento identitário do/a sitiante. A terra é uma figura de valor, um símbolo socialmente aprendido, transmitido por várias gerações. Os simbolismos humanos movem a sociedade, são reflexos dos princípios e determinação das características que delimitam um grupo social. Neste sentido, o valor emocional da terra constitui uma forma de resistência à entrada da cana-de-açúcar. O principal aspecto questionado se reporta a queima da terra. A terra que proporciona sustento, vida digna aos filhos e representa uma vida inteira de dedicação e trabalho árduo, não pode ser queimada39.

  • 40 A cana plantada no estado de São Paulo advém de terras das usinas, em geral grandes latifúndios, ou (...)
  • 41 O marido dessa sitiante arrendou dois hectares de terra para um fornecedor de cana para uma usina d (...)

Ele (fornecedor)40 disse que o fogo passa rápido. Mas eu acho que prejudica sim, é fogo. Inclusive eles queimam até a palha da cana. A palha é boa pra terra, é húmus, mas é queimada. Inclusive as árvores que ficaram no meio, com o tempo vão morrer. E a cana estraga a terra. Vou demorar uns dois ou três anos pra poder recuperá-la41. (Hilda, Santo Antônio da Alegria, 2009)

O problema maior da cana são as queimadas. A queimada é o problema, porque além de jogar caloria para o ar e o que está em volta? (Zezinho, Santo Antônio da Alegria, 2009)

É o fogo. Fogo não combina com terra. Terra é vida, fogo, não. (Sr. Luiz, descendente de XXX. Santo Antônio da Alegria, 2009)

48Quando chegamos à casa de D. Ângela, ela estava envolvida com o cozimento de uma novilha. A novilha era cozida na gordura, posteriormente armazenada em uma lata, para o consumo futuro, prática antiga, em tempos de não existência da geladeira. Atualmente, apesar de possuir a geladeira e outros modernos eletrodomésticos, D. Ângela mantém os costumes e os ensinamentos do passado.

(...) Hoje eu não precisava fazer mais isso, tenho meu freezer, minha geladeira (...). Mas minha mãe sempre fazia isso. Quando matava a novilha tinha que cozinhar assim. Eu falei pro meu filho: Vou cozinhar a novilha na gordura, porque imagina só, um dia à noite se eles querem comer carne, é só ir lá abrir a lata e a carne está pronta, não tem nada desse negócio de esperar descongelar (...) E olha a carne, assim é melhor, muito mais gostosa. (D. Ângela, Santo Antônio da Alegria, 2009)

49Além da prática de armazenar a carne em latas com gordura de porco, a casa de dona Ângela está carregada de contrastes, entre a tecnologia e os costumes e práticas do passado. Apesar de possuir o fogão a gás o almoço é feito no fogão à lenha e a carne cozida no tacho. Apesar das panelas de inox, são as de ferro, as usadas. Embora tenha chuveiro elétrico, o que esquenta a água para o banho é a serpentina do fogão à lenha.

  • 42 Thompson, 1998, p. 21.

50Segundo Thompson42, o que embasa o conceito de economia-moral é o valor. Apesar da economia de mercado estipular um modelo de consumidor, são os valores atribuídos aos produtos inovados que determinarão a manutenção, ou não, dessa nova linha de consumo. A economia-moral pode ser observada pelas práticas de D. Ângela já que as inovações tecnológicas não são prioritárias em sua casa. O que importa a ela é a conservação dos costumes, aliás, algo existente em todas as casas visitadas durante a pesquisa. Percebe-se então que a economia-moral é um movimento de resistência e defesa dos costumes, segundo as reflexões thomphsonianas. Isso significa que as mudanças dos padrões da economia de mercado não são proporcionalmente acompanhadas por mudanças da moral, dos valores, princípios e costumes, funcionando, portanto, como efeito de resistência. Neste ponto, as reflexões de Elias acerca do habitus, acima expostas, complementam nossa análise.

  • 43 Elias, 1994.
  • 44 Elias, op. cit., p. 173.

51Para Elias43, o habitus é entendido como saber social incorporado ou estrutura da personalidade dos indivíduos. Este conceito tem para o autor um significado muito importante, na medida em que evita a dicotomização entre indivíduo e sociedade. Ele considerava «enganadora» esta separação, como se indivíduo e sociedade fossem objetos distintos. Ele defende a idéia da interdependência entre indivíduo e sociedade. O conceito de habitus permite fazer a ligação entre estes dois elementos. O habitus compreende tanto os comportamentos individualizados como os partilhados pelos outros membros de um mesmo grupo, depositários e atores de uma identidade coletiva. Tem-se a impressão de que a solidez, a resistência e o arraigamento do habitus social dos indivíduos numa unidade de sobrevivência aumentam à medida em que se alonga e encomprida a cadeia de gerações em que certo habitus social se transmite de pai para filho44.

  • 45 Acompanhamos as duas festas durante a pesquisa de campo. A companhia de Reis é constituída por foli (...)
  • 46 Brandão, Carlos Rodrigues, A folia de Reis de Mossâmedes, Rio de Janeiro, FUNARTE, 1977.

52Além da terra, os/as sitiantes conservam as festas, sendo a Festa de Reis a mais celebrada pelos/as sitiantes, no dia seis de janeiro45. A festa de Santos Reis que representa a adoração aos três Reis Magos é uma das manifestações do catolicismo rústico brasileiro. Segundo a definição de Brandão: «(...) um grupo precatório de cantadores e instrumentalistas, seguido de acompanhantes, e viajores rituais, entre casas de moradores rurais, durante um período anual de festejos dos três Reis Santos, entre 31 de dezembro e seis de janeiro»46. A peregrinação é feita nos bairros rurais durante a qual são arrecadadas as prendas (contribuições) dos fiéis, que podem ser em dinheiro ou em alimentos para o dia da festa. No dia seis de janeiro, há a celebração nos bairros rurais e também na cidade. Aí comparecem os festeiros, os foliões e as pessoas do lugar ou mesmo de outras cidades e bairros. Durante a celebração há o cumprimento de promessas feitas pelos fiéis dos Santos Reis. A participação das mulheres ocorre no preparo da comida e também nas celebrações.

  • 47 Thompson, 1998, p. 24.

53As festas e o mundo simbólico se constituem em cimento do habitus dos/as sitiantes. Os costumes são geralmente transmitidos pelos pais aos seus filhos. Sendo assim, a formação dos filhos é embasada pela «consciência costumeira»47, isto é, baseada nos princípios, valores e ideologias. Embora os padrões sexistas se reproduzam durante as festas nos dois municípios pesquisados, observou-se que em Jales, uma mulher foi capaz de romper com os costumes patriarcais – ao colocar seu nome no cacho de uva vencedor da premiação –, e em Santo Antônio da Alegria, há Folias que contam com mulheres instrumentistas.

54Os dois olhares lançados sobre as mulheres caipiras e sitiantes do mundo rural paulista contemporâneo nos permitiram retirar os véus que as escondem e, ao mesmo tempo, revelar os papéis fundamentais desempenhados por elas tanto para garantir a reprodução do sítio, como unidade produtiva, quanto para manter a condição social da família sitiante, travando, de um lado, a penetração da cultura canavieira em suas terras, e do outro, construindo novas trilhas em busca da igualdade das relações sociais de sexo.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, José Mário Ferreira, Impactos ambientais da agroindústria da cana-de-açúcar: subsídios para a gestão, Monografia, ESALQ, Piracicaba, 2007.

Brandão, Carlos Rodrigues, A folia de Reis de Mossâmedes, Rio de Janeiro, FUNARTE, 1977.

Brandão, Carlos Rodrigues, Os Caipiras de São Paulo, São Paulo, Editora Brasiliense, 1983.

Brandão, Carlos Rodrigues, O afeto da terra, Campinas, Editora da Unicamp, 1999.

Candido, Antônio, Os parceiros do Rio Bonito, São Paulo, Livraria Duas Cidades, 1977.

Brumer, Anita. «A situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul», Estudos Feministas, Florianópolis, 12(1): janeiro-abril/2004, p. 212-213.

Elias, Norbert, Sociedade dos indivíduos, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1994, p. 173.

Heredia, Beatriz Maria Alásia; Garcia, Marie France; Garcia, Afrânio Raul, «O lugar da mulher em unidades domésticas camponesas», In: ____. Mulheres na força de trabalho na América Latina, Petrópolis, Vozes, 1984.

Lobato, Monteiro, Urupês, São Paulo, Editora Brasiliense, 1966.

Lucena, Celia, «Saberes e sabores do país de origem como forma de integração», Cadernos Ceru, 19(1), junho de 2008.

Milliet, Sergio, Roteiro do café e outros ensaios, São Paulo, Editora Brasiliense, 1941.

Muller, Nice Lecoq (1951), Sítios e sitiantes no Estado de São Paulo, Boletim 132. Universidade de Sao Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, 1951.

Nobre, Miriam, «Relações de gênero e agricultura familiar», In: Nobre, Miriam, et. al. (Orgs.). Gênero e agricultura familiar, São Paulo, SOF, 1998.

Paulillo, Maria Inês, «O peso do trabalho leve», Ciência Hoje, Rio de Janeiro, SBPC, v. 5, n. 28, p. 64-70, jan/fev 1987.

Paulilo, Maria Inês; Grande, Alessandra Bueno; Silva, Marineide Maria, «Mulher e a atividade leiteira: a dupla face da exclusão», Cadernos de Pesquisa, PPGSP/UFSCS, n. 21, p. 16-28, junho 2000.

Perrot, Michelle, Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988, p. 185.

Queiroz, Maria Isaura, O campesinato brasileiro, São Paulo, Edusp, 1973.

Saint-Hilaire, Auguste de, Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais (01/06/1816 – 22/09/1817), tradução de Vivaldi Moreira, Belo Horizonte, Itatiaia; São Paulo, EDUSP, 1974a.

Saint-Hilaire, Auguste de, Segunda Viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo (29/01/1822 – 05/05/1822), tradução Revista e prefácio de Vivaldi Moreira, Belo Horizonte, Itatiaia, São Paulo, EDUSP, 1974b.

Setúbal, Maria Alice, (Coord.), Projeto terra paulista: histórias, arte, costumes. Vale do Paraíba: cidades não morrem, São Paulo, CENPEC, 2004.

Setúbal, Maria Alice, Vivências caipiras, Pluralidade cultural e diferentes temporalidades na terra paulista, São Paulo, CENPEC e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.

Silva, Maria Aparecida de Moraes, «De colona a bóia-fria», In: Priore, Mary del (Org.). Bassanezzi, Carla (Org.), História das mulheres no Brasil, São Paulo, Editoras Contexto e Edunesp, 1997.

Silva, Maria Aparecida de Moraes, Errantes do Fim do Século, São Paulo, Edunesp, 1999.

Silva, Maria Aparecida de Moraes, «Expropriación de la tierra, violencia y migración: campesinos del nordeste del Brasil en los cañaverales de São Paulo», In: Flores, Sara María Lara, Migraciones de trabajo y movilidad territorial, México, Editora Miguel Ángel Porrúa y Conacyt, 2010, p. 307-332.

Thompson, Eduard Paul, Costumes em comum, São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

Truzzi, Osvaldo Mario Serra, De Mascates a Doutores: Sírios e libaneses em São Paulo, IDESP, Editora Sumaré, 1992.

Woortmann, Ellen, Herdeiros, parentes e compadres, São Paulo, Hucitec, Brasília, EdUNB, 1995.

Haut de page

Notes

1 Esta pesquisa contou com o apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e do CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa).

2 Silva, Maria Aparecida de Moraes, Errantes do Fim do Século, São Paulo, Edunesp, 1999.

3 As pequenas propriedades no noroeste do estado de São Paulo com aproximadamente 30 hectares possuíam dois moradores e em média dois animais por hectare (vaca/boi), produzindo 5 litros de leite por cabeça. A extensão canavieira implicou no desaparecimento de 40.000 propriedades agrícolas reduzindo a produção em pelo menos três milhões de litros de leite por dia e com 500.000 bois a menos. Vide a respeito: Andrade, José Mário Ferreira, Impactos ambientais da agroindústria da cana-de-açúcar: subsídios para a gestão, Monografia, ESALQ, Piracicaba, 2007.

4 SIlva, Maria Aparecida de Moraes, «Expropriación de la tierra, violencia y migración: campesinos del nordeste del Brasil en los cañaverales de São Paulo», In: Flores, Sara María Lara, Migraciones de trabajo y movilidad territorial, México, Editora Miguel Ángel Porrúa y Conacyt, 2010, p. 307-332.

5 Lobato, Monteiro, Urupês, São Paulo, Editora Brasiliense, 1966. Saint-Hilaire, Auguste de, Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais (01/06/1816-22/09/1817), tradução de Vivaldi Moreira, Ed. Belo Horizonte, Itatiaia; São Paulo, EDUSP, 1974a. Saint-Hilaire, Auguste de, Segunda Viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo (29/01/1822-05/05/1822), tradução Revista e Prefácio de Vivaldi Moreira, Belo Horizonte, Itatiaia, São Paulo, EDUSP, 1974b.

6 Dentre os autores, podemos citar: Candido, Antônio, Os parceiros do Rio Bonito, São Paulo, Livraria Duas Cidades, 1971. Queiroz, Maria Isaura, O campesinato brasileiro, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1973; Brandão, Carlos Rodrigues, Os Caipiras de São Paulo, São Paulo, Editora Brasiliense, 1983; Setúbal, Maria Alice, (Coord.), Projeto terra paulista: histórias, arte, costumes. Vale do Paraíba: cidades não morrem, São Paulo, CENPEC, 2004; Setúbal, Maria Alice, Vivências caipiras, pluralidade cultural e diferentes temporalidades na terra paulista, São Paulo, CENPEC e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.

7 Lobato, 1966.

8 Saint-Hilaire, 1974b, p. 81.

9 Milliet, Sergio, Roteiro do café e outros ensaios, São Paulo, Editora Brasiliense, 1941.

10 Muller, Nice Lecoq (1951), «Sítios e sitiantes no Estado de Sao Paulo», Boletim 132. Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, 1951.

11 Muller, 1951, p. 27.

12 Queiroz, 1973, p. 11.

13 Candido, 1971, p. 21-22.

14  Vide, por exemplo, Woortmann, Ellen, Herdeiros, parentes e compadres, São Paulo, Hucitec, Brasília, EdUNB, 1995.

15 Estas expressões foram utilizadas por Silva (1999), com o intuito de mostrar que, além das mudanças econômicas, da estrutura agrária, a produção canavieira provoca o desenraizamento sociocultural de sitiantes e trabalhadores rurais que residiam nas propriedades até a década de 1960, período da instalação de grandes usinas produtoras de açúcar e álcool na região de Ribeirão Preto, considerada a «capital mundial do etanol».

16 Thompson, Eduard Paul, Costumes em comum, São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

17 Thompson, 1998, p. 21.

18 Truzzi, Osvaldo Mario Serra, De Mascates a Doutores: Sírios e libaneses em São Paulo, IDESP, Editora Sumaré, 1992.

19 Perrot, Michelle, Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988, p. 185.

20 Elias, Norbert, Sociedade dos indivíduos, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1994, p. 173.

21 Elias, 1997, p. 59.

22 Silva, Maria Aparecida de Moraes, De colona a bóia-fria, In: Priore, Mary del; Bassanezzi, Carla (Org.), História das mulheres no Brasil, São Paulo, Editora Contexto e Edunesp, 1997.

23 Heredia, Beatriz Maria Alásia; Garcia, Marie France; Garcia, Afrânio Raul, «O lugar da mulher em unidades domésticas camponesas», In: ____. Mulheres na força de trabalho na América Latina, Petrópolis, Vozes, 1984.

24 Paulillo, Maria Inês, «O peso do trabalho leve», Ciência Hoje, Rio de Janeiro, SBPC, v. 5, n. 28, p. 64-70, jan/fev 1987.

25 Paulillo, 1987, p. 70.

26 Nobre, Miriam, «Relações de gênero e agricultura familiar», In: Nobre, Miriam, et. al. (Orgs.). Gênero e agricultura familiar, São Paulo, SOF, 1998.

27 Paulilo, Maria Inês; Grande, Alessandra Bueno; Silva, Marineide Maria, «Mulher e a atividade leiteira: a dupla face da exclusão». Cadernos de Pesquisa, PPGSP/UFSCS, n. 21, p. 16-28, junho 2000.

28 Paulilo, 2000, p. 26-27.

29 Brumer, Anita. «A situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul», Estudos Feministas, Florianópolis, 12(1): janeiro-abril/2004, p. 212-213.

30 Paulillo, 2000.

31 Paulillo, 1987.

32 Nobre, 1998, p. 4.

33 Esse depoimento suscitou algumas lembranças da infância de uma das autoras desse artigo (MAMS): «Com frequência, os mascates sírios iam até nosso sítio num município vizinho a Santo Antônio da Alegria. Levavam consigo uma mala cheia de produtos, como linhas, botões coloridos, agulhas, doces industrializados, espelhos, colchetes, elásticos, enfim, produtos que não eram produzidos pela indústria doméstica de minha mãe. Os mascates falavam a língua portuguesa com forte sotaque; eram chamados turcos, ou seja, aqueles que cobravam muito caro pelas mercadorias vendidas».

34 Cidade situada a mais ou menos 80 km de Santo Antônio da Alegria.

35 Este é um exemplo que comprova que não há sentido em estabelecer a dicotomia entre rural e urbano. Durante o trabalho de campo, observamos que os sitiantes possuem, em geral, duas moradias: uma na área rural e outra na cidade. Homens e mulheres transitam entre as duas casas, segundo a idade escolar dos filhos, ou ainda, para facilitar a venda dos produtos da indústria doméstica.

36 Lucena, Celia, Saberes e sabores do país de origem como forma de integração, Cadernos Ceru, 19 (1), junho de 2008.

37 A maior parte dos (as) entrevistados (as) afirmou que, dificilmente, recorre aos empréstimos bancários.

38 Sobre o afeto da terra, consultar: Brandão, Carlos Rodrigues, O afeto da terra, Campinas, Editora da Unicamp, 1999.

39 A cana é queimada antes do corte manual. Essa prática predatória ao meio ambiente e à saúde dos trabalhadores e moradores das cidades próximas aos canaviais tem gerado muitas controvérsias ao longo dos anos. Para coibir essa prática, há um acordo firmado entre o governo do estado de São Paulo e os empresários, estabelecendo o fim das queimadas de cana nas áreas mecanizáveis em 2014. Para maiores informações, consultar o site: www.ambiente.sp.gov.br/cana/protocolo.pdf.

40 A cana plantada no estado de São Paulo advém de terras das usinas, em geral grandes latifúndios, ou terras arrendadas por elas. Há também os fornecedores, ou seja, aqueles que vendem a cana às usinas, provenientes de suas propriedades ou de terras arrendadas.

41 O marido dessa sitiante arrendou dois hectares de terra para um fornecedor de cana para uma usina da região. Durante a entrevista ela manifestou seu descontentamento em relação a essa decisão do marido.

42 Thompson, 1998, p. 21.

43 Elias, 1994.

44 Elias, op. cit., p. 173.

45 Acompanhamos as duas festas durante a pesquisa de campo. A companhia de Reis é constituída por foliões e segue uma organização hierárquica, determinando a função de cada folião ao longo da jornada. O comando dos foliões é feito pelo embaixador, ou mestre, como também é conhecido. Os palhaços posicionam-se um pouco afastados da companhia e sua função é distrair e divertir quem assiste a performance, por esse motivo têm um jeito alegre e usam vestimentas coloridas. Os demais foliões são os instrumentalistas e cantadores que portam instrumentos musicais como violão, sanfona, reco-reco, chocalho, cavaquinho, triângulo, pandeiro, violino e outros, sendo responsáveis pela musicalidade e pela oração, já que todos os versos cantados e entoados, tanto na caminhada como na residência dos devotos, anunciam o nascimento de Jesus e homenageiam os três Reis Santos.

46 Brandão, Carlos Rodrigues, A folia de Reis de Mossâmedes, Rio de Janeiro, FUNARTE, 1977.

47 Thompson, 1998, p. 24.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Maria Aparecida De Moraes Silva, Beatriz Medeiros De Melo et Lara Abrão De Moraes, « Mulheres caipiras. Dois olhares sobre o mundo rural paulista »Caravelle, 99 | 2012,  77-105.

Référence électronique

Maria Aparecida De Moraes Silva, Beatriz Medeiros De Melo et Lara Abrão De Moraes, « Mulheres caipiras. Dois olhares sobre o mundo rural paulista »Caravelle [En ligne], 99 | 2012, mis en ligne le 03 décembre 2013, consulté le 28 février 2020. URL : http://journals.openedition.org/caravelle/343; DOI: https://doi.org/10.4000/caravelle.343

Haut de page

Auteurs

Maria Aparecida De Moraes Silva

Universidade Federal de São Carlos

Beatriz Medeiros De Melo

Universidade Federal de São Carlos

Lara Abrão De Moraes

Universidade Estadual Paulista de Araraquara

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals