Navigation – Plan du site
Comptes rendus

Haroldo DE CAMPOS, Une poétique de la radicalité – essai sur la poésie d’Oswald de Andrade

Traduit du brésilien et révisé par Antoine Chareyre, Monts, Les Presses du Réel, 2010
Cristina Duarte-Simões
p. 276-277
Référence(s) :

Haroldo DE CAMPOS.- Une poétique de la radicalité – essai sur la poésie d’Oswald de Andrade.- (Traduit du brésilien et révisé par Antoine Chareyre).- Monts, Les Presses du Réel, 2010.- 93 p.

Texte intégral

1Antoine Chareyre, professor de Letras Modernas, prossegue com este volume a tradução para a língua francesa dos principais textos relacionados com o movimento modernista brasileiro. Após o volumoso Bois brésil −sobre a poesia de Oswald de Andrade− eis agora este curto ensaio de Haroldo de Campos sobre a poesia do mesmo autor modernista. Publicado pela primeira vez no Brasil em 1945, o presente volume constituiu o prefácio da reedição póstuma das Poesias reunidas do mesmo Oswald de Andrade.

2O paulistano Haroldo de Campos (1929-2003), autor deste ensaio, foi poeta, tradutor e professor. Formado em Direito pela Universidade de São Paulo, fundou, em 1952, o Grupo Noigrandes, que se dedicava à poesia concretista. Enquanto tradutor, verteu para o português do Brasil autores de vanguarda como Ezra Pound e James Joyce. Trabalhou como professor na Pontífica Universidade Católica de São Paulo, bem como na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, onde lecionou Comunicação e Semiótica. Haroldo de Campos publicou mais de trinta livros.

3No presente ensaio, a primeira pergunta que o autor faz em relação à obra do modernista Oswald de Andrade é, justamente: «o que significa ser radical?» E vai responder que «o radicalismo da poesia oswaldiana pode ser avaliado no campo específico da linguagem». E para tanto, Haroldo de Campos vai buscar o tipo de linguagem literária que estava em vigor no momento da revolução modernista, liderada pela poesia oswaldiana. E lembra então que a linguagem literária daquele momento funcionava como uma gíria de casta, um diploma de aristocracia intelectual, pois um abismo imenso havia sido formado entre a linguagem escrita e a que era falada negligentemente pelo povo, principalmente em São Paulo, onde tinham chegado imigrantes de origens diversas, introduzindo deformações orais particulares na língua falada.

4Por outro lado, Haroldo de Campos situa o primeiro livro de poemas de Oswald de Andrade no seu próprio contexto, lembrando o famoso prefácio de Paulo Prado para a obra Bois Brésil, em 1924, que apresentava a coletânea de poemas oswaldianos como sendo «o primeiro esforço organizado para a libertação do verso brasileiro». E ao prefaciador de acrescentar que essa obra inovadora reabilitava o modo de falar cotidiano do brasileiro, o sermo plebeius que o pedantismo dos gramáticos tinha tentado eliminar da língua escrita.

5Além disso, as relações literárias entre Oswald de Andrade e Mário de Andrade −os dois principais nomes dessa época inaugural e revoltada do Modernismo brasileiro− são evocadas de forma interessante no ensaio de Haroldo de Campos. Justificando o aspecto vanguardista e radical do primeiro, em detrimento do segundo, o ensaísta lembra que este procurava analisar os poemas de Oswald a partir de esquemas parnasianos, o que constituía uma perfeita aberração. E para sustentar seu ponto de vista, o autor acrescenta uma citação do francês Henri Lefebvre:

« Une théorie nouvelle n’est jamais comprise lorsque l’on continue à la juger à travers des théories anciennes et des interprétations fondées (à l’insu de celui que réfléchit) sur ces anciennes théories ».

6Haroldo de Campos aborda também neste volume a relação privilegiada que a obra poética de Oswald de Andrade entreteve com a arte cinematográfica e a técnica da montagem ou superposição. Com efeito, o poeta colocava textos lado ao lado ou uns em seguida aos outros e cabia ao leitor encontrar a ligação que havia entre eles. Nessa poesia elíptica, a sintaxe não emergia de um ordenamento lógico do discurso, mas da montagem de peças que, em princípio, podiam parecer totalmente independentes.

7Quanto aos contactos que teve com a vanguarda européia, o autor lembra que Oswald de Andrade sempre adotou um comportamento de devoração crítica, o famoso comportamento antropofágico proclamado no Manifesto de 1928 e cujo embrião já se encontrava no Manifesto da poesia Pau Brasil, em 1924. Oswald propunha uma atitude brasileira de deglutição ritual dos valores europeus, com o objetivo de ultrapassar a civilização patriarcal e capitalista, com suas normas rígidas, no plano social, e seus recalques impostos, no plano psicológico.

8Com este novo volume, Antoine Chareyre apresenta ao público francês −numa tradução elegante e agradável de ser lida− mais uma obra ligada ao movimento modernista brasileiro cujas raízes encontram-se na Semana de Arte Moderna de 1922. Ele emerge, desta forma, como o tradutor por excelência dos escritores que lutaram para impor uma modernidade necessária às letras brasileiras, bem como dos autores posteriores que, ao correr dos anos, analisaram e avaliaram essas obras precursoras.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Cristina Duarte-Simões, « Haroldo DE CAMPOS, Une poétique de la radicalité – essai sur la poésie d’Oswald de Andrade », Caravelle, 96 | 2011, 276-277.

Référence électronique

Cristina Duarte-Simões, « Haroldo DE CAMPOS, Une poétique de la radicalité – essai sur la poésie d’Oswald de Andrade », Caravelle [En ligne], 96 | 2011, mis en ligne le 01 juin 2019, consulté le 17 février 2020. URL : http://journals.openedition.org/caravelle/5054

Haut de page

Auteur

Cristina Duarte-Simões

Université de Toulouse

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Logo IPEAT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals