Navegação – Mapa do site
Dossier

Antes do recomeço: a cidade nas revistas Arquitectura e Binário

Rui Seco

Resumos

Como se processava o debate disciplinar sobre a cidade, que informava a grande expansão urbana em Portugal, antes e depois da revolução de Abril de 1974? De que modo se discutiam a arquitectura e o espaço urbano, quando a falta de habitação era um problema premente, e na Europa se questionava já a cidade produzida no pós guerra?
As questões expostas estabelecem o quadro de desenvolvimento de uma pesquisa realizada a partir das duas publicações especializadas de grande divulgação no país na época abordada, as revistas
Arquitectura e Binário, incidindo sobre o modo como se processavam o debate, a teorização e a exposição de ideias, que neste texto é sinteticamente apresentada.
A temática abordada é entendida como relevante pela sua relação com a prática da transformação da cidade portuguesa, mais do que pela definição de um corpo coerente ou estruturado de ideias, pela organização de diferentes linhas de pensamento ou pela inovação das abordagens. Importa por isso entender o que e como se debatia ou se apresentavam ideias, isto é, como se definia o contexto no qual se desenvolvia o projecto, se desenhava o espaço urbano e o edifício.
O momento novo do pós-revolução, em particular, em que toda a organização da sociedade era questionada e todas as possibilidades pareciam em aberto, inteiras e limpas, constituía um recomeço também para os arquitectos, empenhados em criar o suporte físico para a nova época e a nova sociedade. As reflexões, ideias, modelos ou teorias de que se socorriam para fundamentar o desenho, ante a urgência do momento e a premência de resposta ditadas pelo espírito do tempo, tinham já que estar formadas, sendo, em parte, fruto do contexto de discussão disciplinar aqui abordado.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

  • 1 “You will not be able to stay home, brother (...) The revolution will put you in the driver’s seat, (...)
  • 2 O impacto do tema levou Scott-Heron a ser comummente referido como inspiração para o hip-hop e padr (...)

1A revolução não será televisionada mas sim ao vivo, proclamava em 1971 Gil Scott-Heron1, trazendo para o registo musical um slogan das manifestações de protesto dos negros norte americanos. Esse momento, marcante para a música urbana de intervenção2, estabelecia um protesto contra a cultura de massas e a sua base mercantilista, criticando a transmissão indiferente de imagens, que mostrava a realidade e os problemas sociais entre anúncios, avisos sobre o tempo, enredos de ficção ligeira ou destaques de informação, aplanando a sua importância e retirando-lhes significado.

2A revolução seria ao vivo.

3Três anos mais tarde, em Portugal, a revolução vivia-se efectivamente nas ruas, mas era ao mesmo tempo fortemente mediatizada, em parte contrariando este postulado. Transmitida para grande parte do mundo, em directo ou em diferido, documentada na imprensa e registada em filme, despertava interesse pelas possibilidades que criava, concentrando atenções enquanto peça do tabuleiro geopolítico da guerra fria.

4As revoluções não se fariam mais apenas na rua, mas também através dos media. A mediatização, através da imprensa mas sobretudo através das imagens em movimento, não deixaria de ganhar influência social e importância política, da guerra do Vietname à queda do muro de Berlim, da disputa pelas Malvinas ao 11 de setembro e à escalada do terrorismo.

  • 3 “O dia inicial inteiro e limpo”, nas tocantes palavras de Sophia de Mello Breyner no poema intitula (...)

5No período revolucionário, essa visibilidade mediática seria marcante para Portugal, as imagens das armas e das flores, dos soldados e das crianças, registando a passagem a um tempo novo, um dia inicial inteiro e limpo3, em que todos os futuros estavam em aberto.

6Um tempo em que para além da poesia, também a arquitectura estava na rua.

7Cortando o curso do tempo de antes, um grande envolvimento social procurava suprir as privações de um país atrasado, através do fim da guerra colonial, da realização de campanhas de alfabetização e de acção cultural ou, no campo da arquitectura, do envolvimento directo com a população para criar cidade e habitação, interrompendo o funcionamento das escolas de arquitectura, das revistas disciplinares e dos ateliers.

8Também a arquitectura se fazia ao vivo.

O momento zero

9E também a arquitectura seria mediatizada.

  • 4 “Portugal an II”, dossier temático na revista L’Architecture d’Aujourd’hui nº 185, de maio-junho de (...)

10O protagonismo adquirido pelo contexto pós-revolucionário convertia-se igualmente na conquista da atenção disciplinar, sendo o exemplo mais marcante a publicação pela revista L’Architecture d’Aujourd’hui, uma das principais referências internacionais na época, de um número dedicado ao recomeço do país no pós-25 de abril, intitulado ‘Portugal an II’, o segundo ano depois desse momento zero4.

11Este dossier temático apresentava uma abordagem que contrapunha autores portugueses, alguns já com um papel activo no debate crítico, à perspectiva a partir do exterior de alguns dos mais influentes críticos do momento. Assim, podemos encontrar José Augusto França, Manuel Vicente, Carlos Duarte, Duarte Cabral de Mello, Nuno Portas, Nuno Teotónio, Gonçalo Byrne e Raúl Hestnes, e também Bernard Huet, Vittorio Gregotti e Oriol Bohigas. Entre o passado sob a ditadura e as experiências recentes em liberdade, eram sucessivamente apresentados diversos períodos de análise, enquadrando a evolução da arquitectura portuguesa e o contexto em que se desenvolveu. Eram depois exploradas linhas de trabalho pessoais de alguns arquitectos – Nuno Teotónio e João Paciência, Vítor Figueiredo e Álvaro Siza – e desenvolvidas reflexões sobre a prática da arquitectura, o seu papel no 25 de abril e o programa SAAL, a fuga ao sistema instituído, que colocava os arquitectos directamente em contacto com os habitantes numa procura comum de soluções para o problema de falta de habitação e de cidade.

12Como culminar de toda a análise, era publicado um debate sobre o SAAL, os arquitectos e o seu futuro, entre diversos participantes e Bernard Huet, enquanto ilustrações de João Abel Manta comunicavam expressivamente aspectos da situação política e social.

Figura 1. Aspectos da situação política e social

Figura 1. Aspectos da situação política e social

Fonte: Ilustrações de João Abel Manta, João Abel Manta, publicadas na L’Architecture d’Aujourd’hui nº 185.

  • 5 A título de exemplo, nesse mesmo ano e também em França, Christian Topalov publicava “La politique (...)

13A súmula da L’Architecture d’Aujourd’hui sobre os dois anos do novo Portugal, não sendo caso único5, constituiu um ponto importante na mudança do debate sobre a arquitectura e a cidade portuguesas, estabelecendo uma reflexão de síntese, que transmite a percepção de um ciclo que termina, e simultaneamente lançando a sua internacionalização, que ganharia máxima expressão no protagonismo que viria a adquirir posteriormente Álvaro Siza.

14Na realidade, os autores apresentados faziam já parte do universo publicado no país anteriormente, alguns deles, como Carlos Duarte e Nuno Portas, ligados ao grupo que tinha tomado a dianteira do debate e da divulgação na revista Arquitectura desde o final dos anos 1950. No decurso do período revolucionário, sobretudo com o programa SAAL, tinham tido a oportunidade de colocar as suas experiências e conhecimentos ao serviço das populações carenciadas, procurando contribuir para a construção de uma sociedade renovada.

Um mundo recomeçado a partir da praia pura

15Era o tempo de participar e de fazer, mais do que de reflectir.

16No campo do debate disciplinar, as implicações eram díspares. A revista Arquitectura, que pode ser apontada como a principal referência na época, esmorecia e logo em junho de 1974 cessava mesmo a publicação, com apenas dois números editados depois do 25 de abril. Por outro lado, a Binário, mantinha a sua actividade regular, de modo quase impassível.

  • 6 Editorial da revista Arquitectura nº 130, de maio de 1974, assinado por Carlos Duarte, director a p (...)

17Carlos Duarte, no editorial da primeira Arquitectura após a revolução, expressa a “esperança no mundo que vamos construir”, para o qual seria necessário um “esforço sem precedentes (...) de mudança radical do quadro anquilosado e doentio em que nos temos movido” e refere uma mensagem enviada pelo Sindicato dos Arquitectos à Junta de Salvação Nacional em que se propõem a “lutar pelo direito à habitação, combater a especulação fundiária e imobiliária, contribuir para a definição de uma política de solos e habitação”6, preocupações que resumem os principais pontos de mobilização dos arquitectos, para além do desempenho da sua actividade criadora.

  • 7 Poemas citados: Revolução - Descobrimento - “Revolução isto é: descobrimento/ Mundo recomeçado a pa (...)

18A poesia de Sophia de Mello Breyner expressa bem o espírito da época, a convicção num “mundo recomeçado a partir da praia pura, como poema a partir da página em branco”7.

19Nesse recomeço, também os arquitectos se propunham a tomar parte.

20No entanto, sobressai uma diferença. Sophia diz que o poema não se programa, é regrado por uma disciplina própria. A arquitectura e a cidade, por oposição, são uma criação simultaneamente individual e colectiva, estruturando-se em torno de um mundo existente. São transformação de uma realidade.

21Para a prática dos arquitectos, as realizações configuram parte de um todo em evolução, e necessitam de linhas de continuidade e conjugação.

  • 8 O modernismo tinha sido marcado por textos programáticos e propositivos, dos escritos de Le Corbusi (...)

22Numa Europa já reconstruída da guerra, questionava-se a cidade produzida e contestavam se os modelos que tinham suportado o desenvolvimento urbano das últimas décadas, num debate marcado pela crítica, sem que fossem desenvolvidas novas propostas. O momento não era já de realizar, e a própria discussão mudava de perspectiva, passando de manifestos e programas propositivos para um âmbito analítico, de observação e reflexão sobre as existências8.

23Sem a premência de desenvolver novos modelos e propostas, a discussão tornava-se menos orientada para a produção, alargava-se e abria-se a outras áreas do conhecimento, envolvendo uma base socialmente menos restrita.

  • 9 Sérgio Godinho (1974). Liberdade (tema musical).

24No nosso momento zero, porém, “esperar tantos anos torna[va] tudo mais urgente”, parafraseando Sérgio Godinho num tema então em voga9. Ante a necessidade esmagadora de construir de imediato, eram necessárias referências para a criação de espaço urbano, o tempo não se compadecendo com o desenvolvimento de novas teorias de organização do espaço ou com o florescer do debate direccionado para a idealização urbanística.

25Nesse sentido, as propostas que os arquitectos tinham em mãos eram trabalhadas em função das suas próprias referências, ancoradas na sua cultura e informação e na sua prática profissional anterior. Eram essas as ferramentas de que se socorriam para desenvolver os seus projectos.

26Uma observação do conjunto da obra produzida pelo programa SAAL é demonstrativa da diversidade de abordagens, que pode ser interpretada como falta de coerência mas também como uma combinação entre os diferentes contextos de cada uma das operações, a interacção com os destinatários e a sensibilidade dos autores.

27Antes do momento zero, da oportunidade real de acção proporcionada pela revolução, o modo como se debatia contribuíra para a preparação desse futuro.

28Importa, nesse sentido, perceber o contexto em que se desenrolava o debate, sobretudo a partir dos títulos periódicos, as revistas Arquitectura e Binário, centrais na discussão e divulgação de conhecimento.

Com uma corda atada ao pé

  • 10 Carlos Duarte afirma terem sido frequentes os cortes feitos pela censura em textos referentes “a pr (...)

29A revista Arquitectura vinha a aprofundar a sua vertente teórica desde o final da década de 1950, com a sua terceira série, afastando-se da inventariação de obras e projectos para abarcar temáticas diversas sobre a arquitectura, a história e a sociedade, dentro dos limites impostos pela censura10.

  • 11 É Nuno Portas quem promove a discussão sobre o conteúdo e significado do espírito moderno, a partir (...)

30Continuando a ser publicados e discutidos projectos, a sua escolha demonstrava uma linha evidente, tanto no que se refere a autores como a tendências, no sentido da valorização do neo-realismo mediterrânico e do organicismo, enquanto é apresentada uma novíssima geração do movimento moderno11. O bloco das Águas Livres, de Nuno Teotónio Pereira, moradias de Vítor Figueiredo e Manuel Taínha, o bairro da Chamusca de Bartolomeu Costa Cabral, a Casa de Chá de Álvaro Siza, o pavilhão de ténis da Quinta da Conceição, de Fernando Távora, o conjunto da Federação das Caixas de Previdência do Funchal de Chorão Ramalho ou alguns projectos para Olivais Norte são exemplos de obras apresentadas entre 1959 e 1965, com grande sentido de actualidade, que eram no contexto internacional acompanhadas por outras de autores como James Stirling, Hans Scharoun, Leonardo Benevolo, Alvar Aalto, Josep Antoni Coderch ou Martorell, Bohigas e Mackay. É no entanto de salientar a publicação pela revista de obras de carácter menos próximo destas orientações, de que são exemplo obras de Maurício Vasconcelos, Formosinho Sanchez, Pires Martins e Palma de Melo, Carlos Manuel Ramos, João Andresen, Victor Palla e Bento d’Almeida, bem como no plano internacional a moderna arquitectura brasileira e a obra de Le Corbusier, destacada no momento do seu falecimento.

  • 12 Nuno Portas, Op. Cit.

31Os sentidos de evolução do modernismo são uma preocupação expressa por Nuno Portas, que desenvolve a ideia de que a modernidade arquitectónica e urbanística se autonomiza do vocabulário empregue no projecto, sendo “possível e necessário“ defini-la no plano da metodologia, “no modo de conexão do acto criador com os processos de conhecimento da realidade”12.

32As abordagens críticas e teóricas desenvolvidas na revista são abrangentes, extravasando o âmbito da arquitectura para abarcar os domínios da teoria, da história, da sociologia, da semiologia, do planeamento, da paisagem, do património, da habitação social, da construção, dos congressos, da organização dos arquitectos e do seu papel social.

33No que respeita à cidade, demonstra grande actualidade a publicação de artigos como “Uma Cidade não é uma Árvore”, de Christopher Alexander, “Sociologia da Habitação, métodos e perspectiva de investigação”, de Paul Chombart de Lauwe, “Semiologia e Urbanística” de Roland Barthes e “A paisagem e a obra do homem” de Christian Norberg-Schulz.

34Apesar das dificuldades com a censura, os temas prementes da situação do país vão sendo introduzidos e aprofundados: a sublocação de fogos, a evolução do problema da habitação, a reivindicação de uma política de habitação, o desenvolvimento de habitação social e o seu modo de financiamento, os Planos de Fomento, os bairros clandestinos, e mesmo as consequências dramáticas das inundações de 1967 na região de Lisboa, que o regime em grande parte silenciou e que revelavam o problema escamoteado das construções precárias que grassavam nas maiores áreas urbanas.

35De facto, verifica-se uma dicotomia de abordagens, entre uma aproximação concreta aos problemas da actualidade verificados no país, nos planos social, da arquitectura e da cidade, e um olhar mais distanciado ante a cidade do futuro e de contextos menos próximos, tanto geograficamente como a nível de desenvolvimento. O Habitat 67, os Archigram e o mundo do futuro, projectos de grande escala, próximos do metabolismo, para diversas latitudes, do médio oriente à Ásia ou aos Estados Unidos, a nova dimensão e o urbanismo espacial, são apresentados múltiplas vezes, normalmente de forma sumária, mas mostrando uma das vertentes marcantes da arquitectura na década de 1960: o afastamento das visões mais utópicas relativamente à possibilidade de realização, num processo de idealização progressivamente mais abstracto, que se afasta da resolução dos problemas do presente e se identifica com os domínios da ficção tecnológica e científica, para os quais existe uma apetência da sociedade e dos meios de comunicação, em plena era da corrida ao espaço.

  • 13 Josep Antoni Coderch (1961), “No son genios lo que necesitamos ahora”, Arquitectura nº 73, dezembro (...)

36Claramente em contraste é publicado o artigo de Coderch « Não é de génios que precisamos agora »13, solicitando aos arquitectos que não pensassem tanto em cidades para o ano 2000 e que trabalhassem com uma corda atada ao pé, para não se afastarem da terra em que têm raízes. Uma aproximação concreta, reflectida na apresentação de planos em realização para diferentes zonas do país – Plano Director da Península de Setúbal, Plano Subregional de Armação de Pêra, Plano da Aldeia do Vau, Plano de Vilamoura, Planos de Olivais e de Chelas, Plano do Centro de Aveiro – e na constatação de experiências de planeamento de países próximos, como Inglaterra, França e Espanha.

37Paralelamente, diversos artigos abordam temas relacionados com a cidade, como o automóvel e o trânsito, os equipamentos, a paisagem e a imagem da cidade, a arte urbana, os bairros antigos, os estudos históricos e patrimoniais e os estudos sobre arquitectura evolutiva.

38Estas aproximações, realizadas de modo não sistemático e no quadro de uma vasta e prolífica edição, marcada por domínios muito diversificados, não estabelecem a cidade como uma questão dominante na Arquitectura.

39O papel social do arquitecto e a divisão entre os pequenos gabinetes e as grandes estruturas, associadas ao desenvolvimento do mercado imobiliário no período marcelista, estão entre os temas fracturantes, colocando dificuldades no momento em que a classe se procura organizar colectivamente. Importantes são também as questões relacionadas com as metodologias de projecto, a sistematização e industrialização da produção, o controle de custos e a rentabilização de recursos, de áreas, sistemas de distribuição e processos de construção.

40A questão da habitação para o maior número, a resposta ambicionada a um problema social emergente de grande carência, era justificadamente crucial.

  • 14 A revista Binário foi publicada entre abril de 1958 e maio de 1977, com 216 números editados, inclu (...)

41Contrariamente à irregular periodicidade da Arquitectura, a revista Binário distingue-se pela sua edição certa e constante, que começa em 195814, exceptuando-se um interregno entre janeiro e agosto de 1959, a que corresponde uma mudança da direcção, que deixa de ser dos irmãos Manuel Taínha (arquitecto) e Jovito Taínha (engenheiro), passando a ser do engenheiro Aníbal Vieira.

  • 15 Editorial do primeiro número da Binário, de abril de 1958.

42Desde o início, declara pretender constituir um espaço de informação sobre todos os domínios relacionados com a construção, encarada de forma unitária, da escala do objecto à do edifício ou da via de comunicação, cruzando especializações15, e desenvolve uma linha editorial ecléctica. Ilustrativamente, no que respeita à arquitectura, pode referir-se a publicação dos grandes conjuntos lisboetas da segunda geração modernista - av. Infante Santo, av. EUA -, o hotel Ritz e a Biblioteca Nacional de Pardal Monteiro, obras de Rodrigues Lima, a reconstrução de Le Havre por Auguste Perret, a casa de Eduardo Anahory na Arrábida, a moderna arquitectura brasileira, La Tourette e a unidade de habitação para Berlim de Le Corbusier, o bairro Hansaviertel e obras de Minoru Yamasaki, mas também trabalhos de Buckminster Fuller, James Stirling, Atelier 5, Gio Ponti ou o plano de Kenzo Tange para a baía de Tóquio.

43Esse eclectismo manifesta-se também nos temas abordados, abarcando desde os materiais de construção à acústica, ao cálculo estrutural, ao design, à arquitectura, ao urbanismo ou às infraestruturas.

  • 16 À cidade do Porto é dedicado um número monográfico com textos de diversos autores (AAVV (1960), “Po (...)

44Não pretendendo declaradamente construir um discurso global de síntese sobre a cidade, vai na realidade também publicando vários artigos com relevância sobre o meio urbano e a sua transformação, de que são exemplo a infra estruturação urbana através da rede de metropolitano de Lisboa e das pontes sobre o Tejo em Lisboa (que a Arquitectura também publica) e da Arrábida no Porto, a construção da cidade universitária de Lisboa, o Plano Director para a mesma cidade ou as análises da evolução de Coimbra e Porto16, tal como as tendências de criação de ruas pedonais, estacionamentos subterrâneos, centros comerciais e hipermercados.

45São também de assinalar textos de âmbito muito díspar mas com interesse disciplinar, sobre, por exemplo, as novas cidades inglesas (por Rafael Botelho) e francesas, sobre o plano de Brasília, sobre a “evolução histórica do conceito de cidade” (por José Huertas Lobo), sobre as primeiras ideias para La Defense (texto de Robert Auzelle), sobre o ensino do urbanismo (Almeida Garrett), o zonamento, a Carta de Atenas ou o futuro das nossas cidades (por Constantinos Dioxiadis).

  • 17 A comunicação de Nuno Portas é dirigida à 1ª reunião preparatória da Conferência das Nações Unidas (...)

46Por entre a diversidade de temas, autores, projectos, arquitectos, desenvolvimentos teóricos e acompanhamento da actualidade, a Binário desenvolve praticamente duas décadas de actividade editorial, passando da ditadura para a democracia quase sem assinalar as mudanças profundas que se verificam na sociedade, até fevereiro de 1975, momento em que publica uma comunicação do Secretário de Estado da Habitação e Urbanismo, Nuno Portas, sobre a definição de uma nova política urbana, baseada na “mobilização popular dos mal alojados”, provocando “pressão sobre o aparelho burocrático da administração”, de modo a evitar a retirada das zonas centrais das cidades, e utilizando tecnologias de construção alternativas ao “sector industrial anteriormente privilegiado”, que dariam lugar a “formas de arquitectura urbana, a tipologias de habitação e a imagens do espaço urbano em nada semelhantes aos novos conjuntos residenciais dos países mais desenvolvidos”.17

A página em branco no estirador

  • 18 Nuno Portas, Op. Cit.

47É ainda Portas, no mesmo texto, que coloca “o problema da viabilidade da reprodução das soluções e da sua avaliação pelas massas”, ao assinalar a resistência da classe técnica para romper com os modelos cristalizados18, posição que reflecte a sua aproximação às experiências sul-americanas de produção de habitação, frequentemente recorrendo à auto-construção, e a sua identificação com as soluções de arquitectura evolutiva. Estas metodologias seriam no entanto, ainda durante o programa SAAL, objecto de resistência no norte do país, e em Lisboa de difícil ajustamento à maior densificação requerida pelas operações, pelo que não teriam a aplicação generalizada que o seu mentor esperaria, excepção feita a algumas experiências do SAAL no sul do país e, posteriormente, aos casos bem conhecidos do bairro do Zambujal, de Francisco Silva Dias, e da Malagueira, de Álvaro Siza.

48A enunciação da assunção da forma urbana como resultado do próprio processo, ao contrário da inspiração em modelos cristalizados, não espelha porém a evidência da indisponibilidade de modelos de referência, depois da constestação já aberta e generalizada à cidade modernista.

49É também essa a leitura que se pode inferir da análise das publicações realizada. À diversidade de abordagens teóricas contrapõem-se exemplos excessivamente longínquos ou demasiado específicos, como função de contexto determinado.

50Não estavam já disponíveis modelos para a cidade.

  • 19 “Ideias para a zona central de Olivais, Lisboa: trabalhos de alunos da Escola de Belas-Artes de Lis (...)

51Nesse sentido, é curiosa a apresentação na revista Arquitectura, precisamente pela mão de Nuno Portas, no verão de 1968, de trabalhos desenvolvidos por alunos do curso de arquitectura da Escola de Belas-Artes de Lisboa, com o programa ‘Ideias para a zona central de Olivais’, já que constituem uma possibilidade de aferição do tipo de solução valorizada, face à ausência de outras referências próximas19.

  • 20 Luís Unha (1970), “Reflexões sobre as megaestruturas urbanísticas e a Arquitectura celular”, Binári (...)

52Os projectos apresentados demonstravam uma coerência assinalável, tanto no que se refere à estruturação e organização como à linguagem, podendo referenciar-se àquilo que dois anos mais tarde Luís Cunha designaria como arquitectura celular e megaestruturas urbanísticas20, em que uma profusão de elementos e volumes justapostos remete para concepções internacionais da época, de que o Habitat 67 constituiria a alusão mais evidente.

Figura 2. Trabalhos seleccionados de alunos da EBAL, ‘Ideias para a zona central de Olivais’.

Figura 2. Trabalhos seleccionados de alunos da EBAL, ‘Ideias para a zona central de Olivais’.

Fonte: Revista Arquitectura n.º103.

53Este é um caso invulgar de apresentação de propostas no âmbito da discussão disciplinar, de exposição de soluções, uma excepção num contexto dominado pela análise crítica, a que raramente corresponde o desenvolvimento de ideias propositivas materializadas em espaço e forma.

54Para o arquitecto que participava na revolução ao vivo, habitando a substância do tempo, a premência da resposta fazia-se no campo descoberto da ausência de referências comuns, de possibilidades de sincronização. Criar cidade era necessariamente uma dificuldade.

55O dossier ‘Portugal an II’ reflecte essa evidência, ao assinalar percursos individuais de autores que pensam a arquitectura e a cidade de um modo pessoal, que constroem o seu mundo e as suas referências autonomamente, preenchendo a página em branco no estirador como a poetisa, sílaba por sílaba, linha por linha, fazendo emergir o projecto.

56O território urbano na sua generalidade, no entanto, não se viria a desenvolver com o mesmo uso criterioso dos instrumentos, da palavra, da arquitectura.

A cidade lida a partir da escrita

57A procura do contexto em que se processava a prática da transformação urbana a partir da leitura dos periódicos da época permite desenvolver algumas reflexões.

58A enumeração de artigos relativos à cidade, na realidade publicados ao longo de centenas de números das duas revistas, não traduz uma notoriedade particular do tema, quer no caso da Arquitectura quer da Binário. Outros temas obtêm um maior destaque, para além da óbvia apresentação de projectos e obras construídas, como as questões relativas à rentabilização de recursos e à industrialização da produção, ou seja, a resposta ao problema de escassez de habitação que esmagava a sociedade portuguesa.

59Quanto ao espaço urbano e à sua forma, constata-se a inexistência de uma discussão sistemática, ou sequer recorrente, aspecto ainda mais evidente no que respeita à criação de referências formais e de organização que pudessem ancorar o desenvolvimento urbano então tão necessário no país. Esta escassez é em si mesma um aspecto relevante na definição do contexto da transformação urbana.

60A constatação da ausência de uma discussão alargada que balizasse a prática, face à indisponibilidade de modelos estáveis ou de fácil aplicação para o desenho da cidade, reforça a importância dos trajectos individuais, da aquisição pessoal de referências e de desenvolvimento de soluções operativas. O entendimento destes percursos constitui assim um importante tema para uma melhor compreensão da transfiguração da cidade portuguesa.

Topo da página

Bibliografia

AA.VV. (1976), “Portugal an II”, L’Architecture d’Aujourd’hui nº 185, pp. 2-8, maio-junho, Paris.

AA.VV. (1960), “Brasília, capital do futuro”, Binário nº 22, pp. 222-254, julho, Lisboa.

AA.VV. (1960), “Porto, estudos e realizações”, Binário nº 26, pp. 361-406, novembro, Lisboa.

Alexander, C. (1ª ed. 1965), “Uma cidade não é uma árvore”, Arquitectura nº 95, pp. 22-29, janeiro-fevereiro 1967, Lisboa.

Almeida, C. (1960), “Um problema premente: a urbanização de Coimbra”, Binário nºs 24,25,27,28, setembro, outubro, dezembro, janeiro, Lisboa.

Andresen, S.M.B. (1974), O nome das coisas, Moraes Editores, Lisboa.

Auzelle, R. (1961), “Resumo das ideias expressas”, Binário nº 30, pp. 131-141, março, Lisboa.

Bandeirinha, J.A. (2007), O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974, Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra.

Bandeirinha, J.A., Sardo, D., Moniz, G. (editores) (2016), 74-14: Saal and architecture, Edarq Ces Museu de Serralves, Coimbra.

Baram, M. (2014), Gil Scott-Heron: pieces of a man, St. Martin’s Press, New York.

Barthes, R. (1968), “Semiologia e urbanística”, Arquitectura nºs 105-106, setembro-dezembro 1968, Lisboa.

Becker, A., Tostões, A., Wang, W. (organização) (1997), Arquitectura do Século XX: Portugal, Prestel, Lisboa.

Botelho, J.R. (1959), “As novas cidades inglesas”, Binário nº 10, pp. 1-14, janeiro, Lisboa.

Castells, M., entrevista por Portas, N. (1974), “La question du logement au Portugal démocratique”, Espaces et Société, nºs 13-14, pp. 199-207, outubro-janeiro, Paris.

Coderch, J.A. (1961), “No son genios lo que necesitamos ahora”, Arquitectura nº 73, pp. 3-4, dezembro, Lisboa.

Coelho, E.P., Passos, M.A., Vasconcelos, J.C. (vários anos) Algumas entrevistas a Sophia. Compilação de entrevistas a Sophia de Mello Breyner Andresen. (online) disponíveis em http://purl.pt/19841/1/1970/1970.html.

Correia, N. (2012), “O início da 3.ª série da revista arquitectura em 1957 a influência das leituras de Casabella Continuità e Architectural Review”, Revista de História da Arte, n.º 10, pp. 79-93, IHA-FCSH-UNL, Lisboa.

Cunha, L. (1970), “Reflexões sobre as megaestruturas urbanísticas e a arquitectura celular”, Binário nº 147, dezembro, pp. 264-265, Lisboa.

Dioxiadis, C. (1961), “O futuro das nossas cidades”, Binário nº 39, pp. 712-718, dezembro, Lisboa.

Donnelly, L. (2011), Gil Scott-Heron, the ’godfather of Rap’ behind The Revolution Will Not Be Televised, dies, (Online) available at http://www.telegraph.co.uk/culture/music/rockandjazzmusic/8543417/Gil-Scott-Heron-the-Godfather-of-Rap-behind-The-Revolution-Will-Not-Be-Televised-dies.html.

Duarte, C. (1974), ”Editorial”, Arquitectura nº 130, p. 1, maio, Lisboa.

Fernandez, S. (1988), Percurso: arquitectura portuguesa 1930-1974, FAUP, Porto.

Garrett, A.A. (1961), “O ensino do urbanismo”, Binário nº 31, pp. 192-196, abril, Lisboa.

Godinho, S. (1974), “Liberdade“ [tema musical], À queima-roupa [registo audio Long Play]. Sassetti. Lisboa.

Lauwe, P.C. (1960), “Sociologia da habitação, métodos e perspectiva de investigação”, Arquitectura nº 68, pp. 41-50, julho, Lisboa.

Lester, P. (2015), Gil Scott-Heron: the revolution lives on, (Online) available at https://www.theguardian.com/music/2015/aug/26/gil-scott-heron-the-revolution-will-not-be-televised.

Lobo, J.H. (1960), “Evolução histórica do conceito de cidade”, Binário nº 23, pp. 269-278, agosto, Lisboa.

Lynch, K. (1ª ed. 1960), A Imagem da cidade, Edições 70. Lisboa.

Norberg-Schulz, C. (1968), “A paisagem e a obra do homem”, Arquitectura nº 102, pp. 52-58, março-abril, Lisboa.

Portas, N. (1959), “A responsabilidade de uma novíssima geração no movimento moderno em Portugal”, Arquitectura nº 66, pp. 13-14, dezembro, Lisboa.

Portas, N. (1968), “Ideias para a zona central de Olivais, Lisboa: trabalhos de alunos da Escola de Belas Artes de Lisboa no ano lectivo 1966-67”, Arquitectura nº 103, pp. 110-121, maio-junho, Lisboa.

Portas, N. (1975), “Uma nova política urbana”, Binário nº 197, pp. 60-62, fevereiro, Lisboa.

Portas, N., Mendes, M. (1991), Arquitectura Portuguesa Contemporânea: Anos Sessenta/ Anos Oitenta, Fundação de Serralves, Porto.

Rossi, A. (1ª ed. 1966), A Arquitectura da cidade, Edições Cosmos. Lisboa.

Scott-Heron, G. (1971), “The revolution will not be televised” [tema musical], Pieces of a man [registo audio Long Play]. Flying Dutchman. New York.

Topalov, C. (1976), “La politique du logement dans le processus révolutionnaire portugais (25 avril 1974 – 11 mars 1975)”, Espaces et Societés nºs 17-18, pp. 109-136, março-junho, Paris.

Tostões, A. (coordenação) (2004), Arquitectura Moderna Portuguesa 1920-1970, IPPAR, Lisboa.

Venturi, R. (1ª ed. 1966), Complexidade e contradição em arquitetura, Martins Fontes, São Paulo, 2004.

Topo da página

Notas

1 “You will not be able to stay home, brother (...) The revolution will put you in the driver’s seat, The revolution will not be televised, will not be televised, The revolution will be no re-run brothers,

The revolution will be live”, início e final da música. SCOTT-HERON, Gil (1971), “The revolution will not be televised”, [tema musical], in “Pieces of a man” [registo audio LP]. Flying Dutchman. New York.

2 O impacto do tema levou Scott-Heron a ser comummente referido como inspiração para o hip-hop e padrinho do rap (a título de exemplo, refira-se Paul Lester, que assim se lhe refere num artigo em que descreve como The revolution will not be televised tocava na praça Tahrir durante a tentativa de derrube do governo de Hosni Mubarak: LESTER, Paul (2015), Gil Scott Heron: the revolution lives on, (Online) available at: https://www.theguardian.com/music/2015/aug/26/gil-scott-heron-the-revolution-will-not-be-televised, ou Laura Donnely, aquando do falecimento do cantor: Donnelly, Laura (2011), Gil Scott-Heron, the ’Godfather of Rap’ behind The Revolution Will Not Be Televised, dies, (Online) available at: http://www.telegraph.co.uk/culture/music/rockandjazzmusic/8543417/Gil-Scott-Heron-the-Godfather-of-Rap-behind-The-Revolution-Will-Not-Be-Televised-dies.html.)

3 “O dia inicial inteiro e limpo”, nas tocantes palavras de Sophia de Mello Breyner no poema intitulado 25 de Abril: ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, (1974), “25 de Abril”, in “O Nome das Coisas”, Moraes Editores, Lisboa.

4 “Portugal an II”, dossier temático na revista L’Architecture d’Aujourd’hui nº 185, de maio-junho de 1976.

5 A título de exemplo, nesse mesmo ano e também em França, Christian Topalov publicava “La politique du logement dans le processus révolutionnaire portugais (25 avril 1974 – 11 mars 1975)” na revista Espaces et Societés nºs 17-18.

6 Editorial da revista Arquitectura nº 130, de maio de 1974, assinado por Carlos Duarte, director a partir do mês de abril, contando com José Saramago como chefe de redacção.

7 Poemas citados: Revolução - Descobrimento - “Revolução isto é: descobrimento/ Mundo recomeçado a partir da praia pura/ Como poema a partir da página em branco (...)” e Liberdade - “Um poema não se programa/ Porém a disciplina/ — Sílaba por sílaba — / O acompanha/ (...)/— Como se os deuses o dessem/ O fazemos”. (ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, (1974), “O Nome das Coisas”, Moraes Editores, Lisboa.

8 O modernismo tinha sido marcado por textos programáticos e propositivos, dos escritos de Le Corbusier à Carta de Atenas, e desde a viragem para a década de 1960 tinham vindo a ganhar expressão obras de observação e análise, de Christopher Alexander a Robert Venturi, de Aldo Rossi a Kevin Lynch, para citar apenas alguns textos directamente relacionados com a análise física das estruturas e do espaço.

9 Sérgio Godinho (1974). Liberdade (tema musical).

10 Carlos Duarte afirma terem sido frequentes os cortes feitos pela censura em textos referentes “a problemas da habitação social, do ensino e na série de entrevistas” (editorial da revista Arquitectura nº 130, de maio de 1974). A terceira série da revista Arquitectura tem início em 1957.

11 É Nuno Portas quem promove a discussão sobre o conteúdo e significado do espírito moderno, a partir das obras de uma novíssima geração, elegendo-a como uma das preocupações centrais da revista, manifestando preocupação ante a “encruzilhada de caminhos” de desenvolvimento do modernismo, que impossibilitaria a “procura comum de uma síntese” a nível internacional e intergeracional. Em Portugal, afirma pretender lançar o diálogo, a partir do trabalho da geração formada “em plena revisão do conceito de modernidade” e assinala nesse contexto o papel da Escola do Porto (Portas, N., 1959), “A responsabilidade de uma novíssima geração no movimento moderno em Portugal”, Arquitectura nº 66, dezembro, pp. 13-14).

12 Nuno Portas, Op. Cit.

13 Josep Antoni Coderch (1961), “No son genios lo que necesitamos ahora”, Arquitectura nº 73, dezembro, pp. 3-4. (Publicado em castelhano na revista).

14 A revista Binário foi publicada entre abril de 1958 e maio de 1977, com 216 números editados, incluindo alguns duplos. Com uma periodicidade mensal, parou a actividade ao décimo número (janeiro de 1959), retomando passado meio ano (agosto), com a nova direcção.

15 Editorial do primeiro número da Binário, de abril de 1958.

16 À cidade do Porto é dedicado um número monográfico com textos de diversos autores (AAVV (1960), “Porto, estudos e realizações”, in Binário nº 26 (1960), novembro, pp. 361-406, Lisboa); sobre Coimbra é publicado sucessivamente um texto de Carlos de Almeida em números sucessivos (Carlos de Almeida, 1960), “Um problema premente: a urbanização de Coimbra”, in Binário nºs 24, 25, 27, 28, setembro, outurbro, dezembro, janeiro, Lisboa).

17 A comunicação de Nuno Portas é dirigida à 1ª reunião preparatória da Conferência das Nações Unidas sobre os estabelecimentos humanos (Habitat), agendada para Vancouver no ano seguinte (Portas, Nuno (1975), “Uma nova política urbana”, in Binário nº 197, fevereiro, pp. 60-62, Lisboa).

18 Nuno Portas, Op. Cit.

19 “Ideias para a zona central de Olivais, Lisboa: trabalhos de alunos da Escola de Belas-Artes de Lisboa no ano lectivo 1966-67”, publicado na Arquitectura nº 103, de maio-junho de 1968, correspondendo à apresentação de trabalhos de alunos desenvolvidos sob a orientação dos docentes Nuno Portas e Carlos Manuel Ramos.

20 Luís Unha (1970), “Reflexões sobre as megaestruturas urbanísticas e a Arquitectura celular”, Binário nº 147, dezembro, pp. 264-265, Lisboa.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Aspectos da situação política e social
Créditos Fonte: Ilustrações de João Abel Manta, João Abel Manta, publicadas na L’Architecture d’Aujourd’hui nº 185.
URL http://journals.openedition.org/cidades/docannexe/image/308/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 182k
Título Figura 2. Trabalhos seleccionados de alunos da EBAL, ‘Ideias para a zona central de Olivais’.
Créditos Fonte: Revista Arquitectura n.º103.
URL http://journals.openedition.org/cidades/docannexe/image/308/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 42k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Rui Seco, « Antes do recomeço: a cidade nas revistas Arquitectura e Binário », Cidades [Online], 33 | 2016, posto online no dia 02 março 2017, consultado o 18 fevereiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/cidades/308

Topo da página

Autor

Rui Seco

Escola Universitária das Artes de Coimbra, Portugal. ruisecoc[at]gmail.com

Topo da página
  • Logo DINÂMIA’CET – Centre for Socioeconomic and Territorial Studies
  • Logo ISCTE-IUL – Instituto Universitário de Lisboa
  • Logo FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals