Navigation – Plan du site

AccueilNuméros16Do gosto do público, segundo Luiz...

Do gosto do público, segundo Luiz Fernando Carvalho

Sylvie Debs
Traduction de Edna Palatnik
p. 74-86
Cet article est une traduction de :
Du goût du public selon Luiz Fernando Carvalho [fr]

Résumés

Dans le contexte actuel de la production audiovisuelle dominée par TV Globo, il convient de s’arrêter sur la trajectoire d’un de ses réalisateurs, Luiz Fernando Carvalho. Ce dernier a fait le choix d’opter pour la télévision comme moyen de production et de diffusion au nom de son engagement envers le plus grand nombre sans sacrifier pour autant la qualité esthétique et intellectuelle des séries. Son pari consiste à miser sur le goût du public dont il a une perception différente de celle des prescripteurs audiovisuels. Son œuvre s’inspire des plus grands textes et la transposition récente de La Pierre du Royaume constitue le premier volet du Projet Quadrante qui propose un parcours littéraire à travers le Brésil.

Haut de page

Texte intégral

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

1O cinema, na televisão, no audiovisual em geral, ninguém mais contesta: prestigia-se antes de tudo a indústria, e a concorrência internacional está cada vez mais acirrada. Primeira fonte de divisas para os EUA, o mercado do audiovisual e de seus derivados obedece a uma estratégia de mercado. A França tenta resistir a esse movimento defendendo o direito à diversidade cultural e tentando construir uma política de busca de equilíbrio entre a arte e a indústria. Desde a criação dos Ministérios da Cultura, a dimensão “cultural” do cinema é igualmente levada em conta nos debates sobre produção e distribuição cinematográficas. De fato, a sétima arte tem um papel não negligenciável na educação, na construção do imaginário coletivo e na constituição das identidades nacionais, tanto quanto e talvez mais que as outras artes. Como se situará um cineasta contemporâneo brasileiro diante de tudo que está em jogo em termos artísticos, comerciais e culturais? Para melhor compreender o fio condutor que percorre toda a obra de Luiz Fernando Carvalho, tentaremos apresentar o contexto dentro do qual ele trabalha, bem como as escolhas deste realizador.

Do cinema e da televisão

  • 1 Lei Rouanet.
  • 2 93 milhões em 2005, 90 em 2006 e em 2007. Fonte: Filme B.

2No Brasil, com aproximadamente 75 milhões de aparelhos de TV e 2045 salas de cinema para atender seus 195 milhões de habitantes, o audiovisual é um conceito onipresente. Em 1975, enquanto o Brasil possuía em torno de 100 milhões de habitantes, o país contava com mais de 3200 salas de cinema, produzia uma centena de filmes e vendia 270 milhões de entradas. Foram os anos gloriosos dos sucessos populares como Dona Flor e seus dois maridos, de Bruno Barreto, capaz de bater a bilheteria de Tubarão, de Steven Spielberg! Trinta anos mais tarde, o número de salas diminuiu sensivelmente, com um triste recorde de 1033 salas em 1995. A produção cinematográfica conheceu seus anos de vacas magras (2 a 3 filmes por ano no início dos anos 90) antes da retomada do ritmo de cruzeiro, quando se aproximou dos 60 filmes por ano, graças a uma lei de incentivos fiscais que permite às empresas investir no cinema1. Quanto ao público, ele não deixou de encolher, e ninguém esquece a satisfação com a qual foi anunciado o recorde de 100 milhões de espectadores em 2003, recorde que voltou infelizmente a cair em seguida2. Como explicar tais fatos? Alguns culpam o preço do ingresso, um dos mais altos do mundo, de 10 a 15 reais, em um país onde o salário mínimo foi reajustado recentemente para 380 reais; outros alegam a localização das salas, desaparecidas das pequenas cidades e bairros populares para se concentrarem nos shopping centers dos grandes pólos urbanos; outros ainda acusam o sistema de distribuição de reservar pouco espaço ao cinema nacional. Alguns se contentam com evocar, nostalgicamente, o período de ouro do cinema popular, que consagrou as chanchadas de Oscarito e Grande Otelo (é imprescindível ver Norma Benguel imitando Brigitte Bardot em O homem do Sputnik (1959), de Carlos Manga, para compreender o fenômeno). Há os que se contentam em rememorar o cinema de sua adolescência e os fortuitos encontros no escurinho dos cinemas, que tanto favoreciam os primeiros frissons e os encontros amorosos. O cinema, e isto é um fenômeno mundial, perde em termos de freqüência a suas salas, mas ganha em distribuições paralelas, legítimas ou piratas, em ambientes privados. A evolução tecnológica destes últimos anos modificou sensivelmente a relação do espectador com o cinema.

Luiz Fernando Carvalho pendant le tournage de La pierre du royaume (2007)

Luiz Fernando Carvalho pendant le tournage de La pierre du royaume (2007)
  • 3 Dos 11 milhões de assinantes do cabo em 2000, o Brasil passou a 13,5 milhões em 2005.
  • 4 Marcel Souto Maior, Almanaque da TV Globo, São Paulo, 2006, 510 p.

3À semelhança da lenta condenação ao desaparecimento de artistas ambulantes como os da caravana Roliday descrita em Bye-bye Brasil (1979), de Carlos Diegues, o cinema popular desapareceu do horizonte do brasileiro médio sob o impacto da televisão. De Belém a Porto Alegre, e de Recife a Brasília, doravante a televisão fica sendo o mais das vezes o único acesso da grande maioria da população ao universo audiovisual. Por razões econômicas, a maioria dos brasileiros se contenta com a televisão aberta3. Sublinhamos aqui a importância do mercado de locação de filmes, que faz do Brasil o campeão internacional da relação número de habitantes/número de pontos de locação de filmes (e inversamente, “o lanterna”, no que concerne à relação número de salas de cinema/número de habitantes). Então, compreende-se melhor porque, no Brasil, é mais freqüente ouvir falar de audiovisual do que de cinema. A vida nos lares é ritmada ao sabor das novelas, que se sucedem de hora em hora, todas as noites, entre 18 e 22 horas. TV Record, TV Bandeirantes e TV Globo fidelizam seus públicos divulgando em jornais e revistas o resumo diário dos episódios de suas novelas, que têm nomes sugestivos como Luz do sol, Alma Gêmea, Paixões proibidas e Paraíso Tropical, e são variações sobre os clichês do melodrama. No entanto a televisão já conheceu dias melhores. A TV Globo, que atualmente domina o mercado com uma taxa de cobertura de 99% do país, foi fundada em 1965 em pleno regime militar; sua transmissão, em preto e branco, como o clima político da época, atingia aproximadamente dois milhões de lares. A primeira novela, Ilusões perdidas, tinha como protagonistas Reginaldo Faria e Leila Diniz, na época com 20 anos. Os roteiristas eram originários do teatro, como Dias Gomes, autor da peça em que se baseou o filme de Anselmo Duarte, O pagador de promessas, que ganharia a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1962. Quando surgiu a TV colorida em 1972, a TV Globo produziu um novo programa – O Globo Repórter – que consistia de documentários sobre o país, feitos por realizadores e fotógrafos oriundos do cinema, como Paulo Gil Soares, Eduardo Coutinho, Mauricio Capovilla, Walter Lima Jr., como Dib Lufti, Walter Carvalho, José Medeiros ou ainda Mário Carneiro4.

4Em 1995, com a inauguração dos estúdios do Projac, a TV Globo tornou-se o maior centro de produção audiovisual da América Latina, ocupando uma área de 1,65 milhões de metros quadrados, seis mil funcionários, 2.500 horas de programação/ano, o equivalente a 1.200 filmes de longa-metragem. A criação da Globo Filmes em 1998 permitiu o reforço da sinergia cinema/televisão e a reconquista de um público para o cinema nacional. Na realidade, com 0,1% do público (45 mil ingressos) em 1993, a chegada da Globo Filmes ao mercado nacional fez com que este número passase a 21% em 2003, isto é, 22 milhões de espectadores. A receita é simples: fazer com que os mesmos atores e diretores da televisão façam cinema. É suficiente relembrar os grandes sucessos de bilheteria dos últimos anos: O auto da Compadecida (2000), de Guel Arraes, Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles, Olga (2003), de Jayme Monjardim, Dois filhos de Francisco (2005), de Breno Silveira, ou ainda Se eu fosse você (2006), de Daniel Filho. Uma outra opção é a de transformar séries de TV em filmes, como Os normais, de José Alvarenga Jr., por exemplo. Enfim, como última vantagem, e não das menores, a publicidade direta ou indireta é feita pela TV Globo: a alusão aos filmes dentro das novelas (merchandising institucional), reportagens sobre os bastidores das filmagens, sem falar na mídia promocional veiculada durante os intervalos comerciais.

Da escrita cinematográfica

  • 5 Robert Bresson, Notas sobre o cinematógrafo, São Paulo, 2005, Iluminuras, p. 80. (Tradução Evaldo M (...)

5Face à esta avalanche de produtos concebidos segundo um mesmo formato, uma questão urgente se coloca: será que ainda existe um espaço para criação, experimentação, ou mesmo risco? Ou a tirania das pesquisas de audiência e a exigência de rentabilidade comercial são ainda mais fortes? Será que a criatividade deve ser sacrificada em nome do “gosto do público”? Robert Bresson, da mesma forma que Rilke dava seus conselhos a um jovem poeta, tinha alertado com insistência em suas Notas sobre a cinematografia, escritas entre 1950 e 1958: “Seu público não é o público dos livros, nem o dos espetáculos, nem o das exposições, nem o dos concertos. Você não tem de satisfazer nem o gosto literário, nem o teatral, nem o pictórico, nem o musical”5. Enquanto esteta jansenista de formação clássica, Bresson tinha absoluta consciência da natureza original e diferente do cinema, e certamente ainda não levava em conta o público da televisão, recém-chegada à cena cultural e sobre a qual ainda não se tinha uma avaliação de seu impacto sobre a sociedade. As fronteiras pareciam ainda mais claras: Maio de 68 ainda não havia rearrumado os marcadores culturais, Patrice Chéreau ainda não havia “desempoeirado” a ópera, nem Jean-Luc Godard, o cinema. O muro ainda era fortemente patrulhado em Berlim e as torres do World Trade Center ainda cortavam a linha do horizonte com sua arrogância. O computador era de acesso restrito aos técnicos de Informática, e o cinema se contentava com as poucas possibilidades oferecidas até então pelo gravador Nagra e pela câmera Arriflex.

6Reformulado à luz da atualidade, este aforismo interpela nossa sensibilidade de cidadãos do século XXI. Como conciliar esta visão linear do mundo com a nossa experiência plurissensorial? Como conhecer “o gosto do público”, formado na fragmentação, no seqüencial, no zapping, na multimídia e no descartável? Quando o público tem, ele próprio, acesso às ferramentas de produção de multimídia graças aos avanços tecnológicos, quem pode ainda afirmar qual é “o gosto do público”? A não ser que as leis da pesquisa de audiência sejam inversamente proporcionais à possibilidade de emancipação deste público.

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
  • 6 29 milhões de telespectadores, ou seja, 52% nas pesquisas quando da 1ª transmissão, em janeiro de 2 (...)
  • 7 Roland Barthes, Fragmentos de um discurso amoroso, Rio de Janeiro, Editora Francisco Alves, 1977, 2 (...)
  • 8 Ariano Suassuna, Romance d’“A pedra do reino” e o “Príncipe do sangue do vai-e-volta”, romance armo (...)
  • 9 Raduan Nassar, Lavoura arcaica, São Paulo, Companhia das Letras, 1989, 194 p.

7Neste quadro, deve-se louvar a ousadia de Luiz Fernando Carvalho, que se traduz de fato como uma “resistência artística” , e nos admirar como, através de seu trabalho, ele põe em questão aquilo que os produtores e formuladores do audiovisual definem como “o gosto do público”. A minissérie Hoje é dia de Maria (2005), percebida pelos programadores com indigna de ser exibida no horário nobre, conquistou o público, a despeito do horário tardio em que foi apresentada6. A série, cuja direção se inspirou no teatro, na ópera, na poesia, no cinema, no folclore e nos contos de fada, chegou a ser indicada ao Prêmio Emmy Internacional de 2005, na categoria minissérie de televisão, além de de ter recebido outros prêmios nacionais e internacionais! Para explicar esta proeza, devemos nos debruçar sobre o percurso atípico deste realizador, que sempre esteve vinculado profundamente à literatura e que fez de seu trabalho um campo de experimentação privilegiado da escrita literária. Desde o seu primeiro curta-metragem, inspirado em um capítulo (A Espera) de Fragmentos de um discurso amoroso, de Roland Barthes7, até sua realização mais recente, a minissérie homônima inspirada no romance A Pedra do Reino, de Ariano Suassuna8, Luiz Fernando Carvalho aguçou seu olhar e poliu sua estética graças a seu diálogo com a literatura. Lembramos com emoção de sua adaptação para a TV de uma obra-prima da literatura realista portuguesa, Os Maias, de José Maria d´Eça de Queiroz, bem como de sua interpretação majestosa de uma obra rara da literatura brasileira, o texto incisivo e intransigente de Raduan Nassar, Lavoura arcaica9, transposta para o cinema em 2001.

8Aquilo que interessa mais profundamente a este leitor apaixonado é demarcar o texto literário, trazendo respostas em forma de transformação, modificação. Um ator escolhido por Luiz Fernando Carvalho começa seu trabalho pela leitura do texto, e seu personagem vai sendo elaborado neste contato incessante da vivência da literatura. Trabalhando com grande fidelidade à palavra escrita, fidelidade que vai ao ponto de reproduzir quase que integralmente as narrações e os diálogos das obras em seus filmes, Luiz Fernando Carvalho se deixa guiar pelas emoções e impressões suscitadas pelo texto literário, e a imagem nasce do encontro entre o poder encantatório do verbo (seja a prosa densa, refinada e perturbadora de Raduan Nassar, ou aquela, delirante, grandiloqüente e desmedida de Ariano Suassuna) e a força profunda e misteriosa da imaginação. Como explicar de outro modo o magnífico retrato da alma de um país apresentado em Que teus olhos sejam atendidos quando a única chave de entrada no Líbano para o cineasta era a prosa de Raduan Nassar? Como explicar a fragilidade e a revolta de André, ou a dor e a paixão de Ana em Lavoura arcaica? Como explicar a força e o sofrimento de Afonso, o romantismo de Maria Eduarda e a melancolia de Pedro em Os Maias? Ou ainda a troça e a mistificação de Quaderna em A Pedra do Reino? A imagem é inteiramente irrigada pela tensão dolorosa da revelação da alma humana.

O encontro com o público

9Para um espírito cartesiano, formado na distinção rigorosa entre cinema e televisão, a insistência de Luiz Fernando Carvalho em antes escolher a televisão que o cinema como objeto de experimentação, num país como o Brasil, pode surpreender. Quando se sabe que os sucessos da televisão são produções em série que repousam sobre um certo número de regras preestabelecidas, à semelhança da literatura barata encontrada nas bancas de jornais, torna-se legítima a interrogação sobre o sentido da presença deste realizador nesta mídia.

10Uma primeira resposta que devemos trazer à baila é saudar a coragem de um cineasta que prefere se jogar no campo de batalha mais do que se contentar com denunciar os efeitos perversos das pesquisas de audiência. De fato, Luiz Fernando Carvalho aposta no bom “gosto do público” e confia nos telespectadores. Ainda que a maioria das pessoas gostem de rever aquilo que já conhecem, vez que a repetição do mesmo traz consigo algo de tranqüilizador, o público também se sensibiliza com a novidade, desde que esteja em ressonância com os arquétipos da alma humana. Em Hoje é dia de Maria, a trajetória da menina maltratada por sua madrasta remete à história de Cinderela; sua fuga e sua viagem rumo ao mar ecoam o mito da viagem de formação. A partir deste ponto de encontro íntimo entre a minissérie e seu público, Luiz Fernando Carvalho vai buscar neste mesmo universo feérico elementos de direção que reforçam a comunhão da necessidade de infância que existe dentro de cada ser humano. Apostar, de saída, num universo mágico que alia recursos de animação, marionetes, música e teatro foi a chave para o sucesso desta produção televisiva. Na direção contrária do que pode oferecer o naturalismo no limite da caricatura a que a televisão nos habituou, a escolha do artifício e da magia, com sua parcela de mistério e de impenetrável, nos conduz ao encantamento. A fascinação é tão forte que o espectador termina por sucumbir ao prazer das imagens e da fábula.

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

11Uma segunda resposta é o grande senso de responsabilidade e o engajamento pessoal de Luiz Fernando Carvalho junto a seu público. Produzir um filme com a intensidade estética de Lavoura arcaica, sempre apoiado em cima do fio retesado dos mitos fundadores, e distribuí-lo em salas de cinema, permite ao diretor “aproximar-se”, na melhor das hipóteses, de alguns milhares de pessoas, já que o cinema no Brasil é reservado a uma elite. Ora, Luiz Fernando Carvalho considera que o dever de um cineasta é dirigir-se ao maior número possível de pessoas. Toda sua obra, sem ser populesca, dirige-se ao ser humano, qualquer que seja sua origem social ou sua cultura. É assim com a solidão soberba e majestosa de Afonso da Maia que, desamparado, assiste ao desmoronamento de seus valores e de sua família, arrastada por paixões avassaladoras; é assim com a solidão trágica e vergonhosa de André, o filho maldito que não soube resistir á atração proibida por sua sensual irmã, Ana; é assim com o destino injusto e revoltante de Maria, vítima de sua madrasta. O ponto comum destas obras é o diálogo profundo que se estabelece com nossas interrogações existenciais: a força do destino, do amor, e a obsessão maior do diretor que faz do tempo um personagem fundamental em suas obras.. Esses elementos, tão onipresentes, não são tratados a partir de resultados de pesquisas de audiência, mas como fundamentos da vida de cada ser. Luiz Fernando Carvalho toca cada telespectador dirigindo-se a suas inquietudes e emoções, às vezes inconscientes, recalcadas e mesmo reprimidas, em um cotidiano que deixa cada vez menos espaço para expressão da alma. A adesão do público se explica pelo encontro e pelo efeito catártico operado por suas imagens.

  • 10 Quadrante é o projeto de realização de obras clássicas da literatura brasileira para mostrar a dive (...)

12Uma terceira resposta é o gosto do realizador pelo artesanato e pelo fabricar, que se choca com a tendência industrial dominante. Há de parecer espantoso: como pode ser que um diretor trabalhe no maior centro de produção da América Latina e proponha um trabalho artesanal? Decerto porque, novamente, Luiz Fernando Carvalho aposta mais na pessoa mais do que no sistema, no indivíduo mais do que no grupo, no risco mais do que no conformismo. Com sua reputação de confeccionar seus cenários, figurinos e adereços à partir de “restos” de outras produções, o diretor acaba de transpor uma nova etapa em seu habitual distanciamento do sistema: decidiu não usar atores conhecidos da telinha em sua transposição do romance A pedra do reino. Se considerarmos o prestígio do escritor e da obra, seria muito tentador chamar atores consagrados para interpretar Quaderna e seus preceptores, Samuel e Clemente. Mas o diretor se impôs uma nova escolha: a aposta no Projeto Quadrante10 –que ele acalenta há mais de vinte anos, optando por adaptar os clássicos da literatura brasileira de Norte a Sul do imenso território, para compor um caleidoscópio cultural do país e proporcionar assim aos brasileiros uma renovação e um reatamento com suas culturas - levou-o, qual um garimpeiro, a buscar atores da região, em sintonia com a essência do universo sertanejo, para dar corpo àquela escrita barroca impulsionada pela verve poética e pelo espírito gracejador de Quaderna. Avançando um passo adiante em sua experimentação de realizador, Luiz Fernando Carvalho fez construir uma cidade cenográfica dentro da própria cidade de Taperoá, no interior da Paraíba, estreitando ainda mais as fronteiras entre realidade e imaginário. Verdadeira colméia de artistas e artesãos, à semelhança de uma cidade medieval, o município de Taperoá e seus habitantes participaram da construção do cenário, dos figurinos, dos adereços (máscaras, cavalos e outros animais articulados): não houve um só objeto cênico que não tenha saído daquela fábrica instalada em pleno sertão. Assim como os alquimistas, os artistas populares transformaram materiais recicláveis em ornamentos preciosos e ricas montarias eqüestres à semelhança das palavras mágicas do diacevasta Pedro Diniz Ferreira Quaderna, que transforma a realidade em sonho. E sem dúvida é nesta criatividade e nesta autenticidade que o público de A pedra do reino se reconhece.

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
  • 11 A pré-produção e a filmagem aconteceram na pequena cidade de Taperoá, na Paraíba, de outubro a deze (...)
  • 12 Caderno de filmagens do diretor Luiz Fernando Carvalho e diário de elenco e equipe. São Paulo, Edit (...)
  • 13 Fragmentos extraídos dos cadernos de anotações de Luiz Fernando Carvalho em Taperoá –sertão da Para (...)

13Escolher deliberadamente colocar-se a um só tempo no coração do sistema e contra este mesmo sistema é conseqüência de uma opção ética plenamente assumida. Ao contrário do que possa parecer, este procedimento nada tem a ver com qualquer forma de desdém ou de provocação; antes resulta de uma situação forçada, carregada de condicionamentos. Luiz Fernando Carvalho não só coloca seu trabalho na perspectiva de comunicação com o público, mas também de comunicação com a arte. Se hoje em dia o público é cooptado antes nas telas da tv que nas salas de cinema, Luiz Fernando Carvalho resolveu ir ao encontro do público onde ele estiver; neste sentido, se atualmente, mais do que nunca, a criação artística se faz às margens dos modelos industriais, Luiz Fernando Carvalho escolheu explorar tais modelos. Não é pois um acaso que este realizador mantenha um diálogo vivo com os escritores, os dramaturgos, os atores, os músicos, os pintores, os arquitetos, os teóricos brasileiros ou estrangeiros. O verdadeiro “retiro” que ele impõe às suas equipes desde Lavoura Arcaica até A pedra do reino11 permite o recolhimento e a concentração necessários para alimentar o pensamento e a imaginação criadora. Debates, encontros, conferências, ensaios, exercícios se alternam ao longo das semanas, e algumas reflexões dos participantes foram publicadas quando do lançamento da minissérie12. O próprio Luiz Fernando Carvalho mantém um diário de gravações onde comenta as diferentes etapas de sua caminhada intelectual e artística. Lá ele confessa, entre outras anotações, as razões do lugar singular que ocupa no contexto do ambiente audiovisual brasileiro: “Não sou indiferente ao Ibope, nem simpatizo com o que hipocritamente é chamado de ‘posição independente’. Se sou independente, o sou por necessidade, mas também com alguma dor. Quero dizer que os passos que caminhei não foram dados com a calma dos fortes, mas forçadamente. Preparei-me para lutar como posso e com todas as minhas forças, que são apenas minhas idéias. Estou só não por ser indiferente aos modelos que me cercam. Meu caso não é de indiferentismo ou independência, é de solidão. E talvez seja isso, de resto, o que me garante uma certa objetividade. Não tenho atrás de mim ninguém com quem eu tenha interesses comuns a defender”13.

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

Epílogo

  • 14 Ibidem.
  • 15 Ibidem.
  • 16 Ibidem.

14Ao invés de se lastimar do desinteresse do público pelo cinema feito no Brasil, e de assistir impotente à “fuga” do público, Luiz Fernando Carvalho acha que é dever dos realizadores ir ao encontro deste público: ”Procuro um diálogo entre os que sabem e os que não sabem; um diálogo simples, sóbrio e fraterno, no qual aquilo que, para o homem de cultura média, é adquirido e seguro torne-se também patrimônio para o homem mais comum, pobre, e que, em relação a tantas questões, encontra-se ainda abandonado14.” Para ele, a televisão representa o meio mais eficaz e mais democrático: “Continuo sonhando acordado, continuo acreditando que se faz necessário aos verdadeiros artistas e aos especialistas que trabalham no meio áudiovisual pensarem em uma nova missão para ele. Essa nova missão estaria, no meu modo de sentir, diretamente ligada à educação. Todo meu esforço será sempre, em primeira instância, o de propor uma ética artística verdadeira para o meio”15. Se ele se utiliza do veículo, nem por isso adota a sua ideologia, mas propõe uma nova estética e conteúdo diferentes. Contrariando os clichês e as representações estereotipadas, desenvolve uma narrativa audiovisual que se nutre tanto da arte popular, quanto da erudita, explorando a variedade das expressões artísticas e inspirando-se nas diversas tradições culturais brasileiras. Tentar representar todos os Brasis para que todos os cidadãos brasileiros possam se conhecer e reconhecer constitui a opção escolhida por Luiz Fernando Carvalho: ”Prefiro continuar acreditando nesta espécie de contradição entre o eletrodoméstico e a cultura, o emissor e o avanço de seus conteúdos necessários. Melhor dizendo: educação pelos sentidos. Esta é a televisão que espero ver no futuro. De minha parte, ou sigo por este caminho ou, sinceramente, nada faz sentido16.”

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho

La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
Haut de page

Notes

1 Lei Rouanet.

2 93 milhões em 2005, 90 em 2006 e em 2007. Fonte: Filme B.

3 Dos 11 milhões de assinantes do cabo em 2000, o Brasil passou a 13,5 milhões em 2005.

4 Marcel Souto Maior, Almanaque da TV Globo, São Paulo, 2006, 510 p.

5 Robert Bresson, Notas sobre o cinematógrafo, São Paulo, 2005, Iluminuras, p. 80. (Tradução Evaldo Mocarzel e Brigitte Riberolle).

6 29 milhões de telespectadores, ou seja, 52% nas pesquisas quando da 1ª transmissão, em janeiro de 2005; 21 milhões de telespectadores, ou seja, 42% em outubro de 2005.

7 Roland Barthes, Fragmentos de um discurso amoroso, Rio de Janeiro, Editora Francisco Alves, 1977, 200 p.

8 Ariano Suassuna, Romance d’“A pedra do reino” e o “Príncipe do sangue do vai-e-volta”, romance armorial popular brasileiro, Rio de Janeiro, José Olympio, 1971, 625 p.

9 Raduan Nassar, Lavoura arcaica, São Paulo, Companhia das Letras, 1989, 194 p.

10 Quadrante é o projeto de realização de obras clássicas da literatura brasileira para mostrar a diversidade e unidade cultural do país, seus reencontros consigo mesmo. As próximas adaptações serão Dom Casmurro de Machado de Assis, Dançar o tango em Porto Alegre de Sérgio Faraco e Dois irmãos de Milton Hatoum.

11 A pré-produção e a filmagem aconteceram na pequena cidade de Taperoá, na Paraíba, de outubro a dezembro de 2006. Os atores e os técnicos ficaram assim em imersão total dentro do universo de Ariano Suassuna.

12 Caderno de filmagens do diretor Luiz Fernando Carvalho e diário de elenco e equipe. São Paulo, Editora Globo, 2007.

13 Fragmentos extraídos dos cadernos de anotações de Luiz Fernando Carvalho em Taperoá –sertão da Paraíba, outubro– dezembro 2006.

14 Ibidem.

15 Ibidem.

16 Ibidem.

Haut de page

Table des illustrations

Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 528k
Titre Luiz Fernando Carvalho pendant le tournage de La pierre du royaume (2007)
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 572k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 600k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 596k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 768k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 628k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 344k
Titre La pierre du royaume (2007) de Luiz Fernando Carvalho
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/2133/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 193k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Sylvie Debs, « Do gosto do público, segundo Luiz Fernando Carvalho »Cinémas d’Amérique latine, 16 | 2008, 74-86.

Référence électronique

Sylvie Debs, « Do gosto do público, segundo Luiz Fernando Carvalho »Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 16 | 2008, mis en ligne le 01 juin 2008, consulté le 25 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/2133 ; DOI : https://doi.org/10.4000/cinelatino.2133

Haut de page

Auteur

Sylvie Debs

Adida de Cooperação e Ação Cultural na Embaixada da França no Brasil e Doutora em Literatura Geral e Comparada pela Universidade de Toulouse, Sylvie DEBS participa dos festivais (como membro de júri), acompanha filmagens, colabora com revistas, e participa de seminários e eventos culturais. Publicou livros e artigos sobre cultura popular, cordel, literatura e cinema brasileiros, e assume curadorias de festivais de cinema brasileiro. Na Universidade Robert Schuman de Strasbourg, ela ensinava a teoria da communicação. No Brasil, ela publicou Patativa do Assaré (2000) e Cinema e literatura no Brasil, Os mitos do sertão: emergência de uma identidade nacional (2007).

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search