Navigation – Plan du site

AccueilNuméros25Caliwood“Cinema mesmo, é o que nem se vê”...

Caliwood

“Cinema mesmo, é o que nem se vê1” José Carlos Avellar (1936-2016)

Sylvie Debs
Traduction de Sylvie Debs
p. 4-7
Cet article est une traduction de :
« Le cinéma, c’est ce qui ne se voit pas1 » : José Carlos Avellar (1936-2016) [fr]

Notes de la rédaction

Revisão Lucia Castello Branco

Texte intégral

  • 1 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, Alhambra, Rio de Janeiro, 1986, p. 13. (“Cinema mesmo, é (...)

José Carlos Avellar

José Carlos Avellar

1É com grande tristeza que soubemos da morte de nosso amigo e colega brasileiro José Carlos Avellar, durante o Festival Cinélatino de 2016, festival ao qual ele nos acompanhou tantas vezes. Fiel e aficionado desde a primeira hora, ele partilhou conosco sua paixão pelo cinema, através de indicação de filmes, participação em debates e publicação de artigos em nossa revista. Por isso, é importante para nós fazer-lhe uma última homenagem.

2Oque, num primeiro momento, poderia se anunciar como um dever doloroso, graças à personalidade de José Carlos Avellar tornou-se uma festa do cinema, uma reunião entre amigos, num ambiente de eterna adolescência. Durante uma de nossas últimas reuniões no pátio ensolarado do Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro, ele me ofereceu os folhetos da programação que ele tinha elaborado, cujas páginas da capa eram a imagem de sua curiosidade universal: Pierre Etaix, Primeiros encontros, A batalha de Argel, A grande ilusão, Eisenstein e as artes, José Luis Guerín, Libertários/Chapeleiros, William Kentridge, Bela Tarr, Tomás Gutiérrez Alea, Nostalgia da luz de Patricio Guzmán, etc. É pouco dizer de seu apetite insaciável por novas criações e de sua memória cinematográfica. De todos os cargos que ele ocupou em sua vida dedicada ao cinema, foi ali o lugar onde ele foi capaz de exercer, ao mesmo tempo, as várias facetas de sua paixão: pensar o cinema através da programação, conduzir debates com o público e diretores, publicar textos críticos, editar filmes do cinema mundial para a coleção de DVD do IMS, servir à cinefilia e formar novos públicos, manter um contato permanente com os diretores, incluindo as novas gerações.

  • 2 Cinemais, revista de cinema e outras questões audiovisuais, UENF, Rio de Janeiro.

3Um traço característico seu foi precisamente esse dom natural de combinar amizades antigas e novas. Em sua prática de criador, José Carlos Avellar trabalhou regularmente com seus velhos amigos cineastas, tais como Geraldo Sarno, para o lançamento do seu livro Cadernos do sertão (2006), ou Zelito Viana, para a produção do documentário Mapa 50 anos: 50 Minutos de conversa com Zelito Viana (2015), sem, contudo, deixar de lado os jovens cineastas, que sempre incentivou. Prova disso foi sua dedicação com deleite às entrevistas com os diretores da “retomada”, na maravilhosa aventura da edição da revista Cinemais2, realizada ao lado de seus cúmplices Carlos Alberto Mattos, Geraldo Sarno e Ivana Bentes, de 1996 até 2005.

  • 3 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, p. 15 à 39.
  • 4 Guimaraes Gustavo Coura, http://www.camira.org/brasil-episode-6-eduardo-coutinho-et-le-cinema-de-la (...)

4Na verdade, o exercício do diálogo e da entrevista ocupou um lugar de destaque tanto em sua vida quanto no cinema. Quantas vezes ele insistiu, em suas análises, na importância dos diálogos, especialmente em documentários, como, por exemplo, em sua leitura magistral de Viramundo3? Provavelmente não é uma coincidência que ele tenha contribuído também para o retorno de Eduardo Coutinho ao cinema, que logo desenvolveu seu “cinema da fala4”. Nesse diálogo intergeracional permanente, após a extinção da Embrafilme (1969-1990), quando assumiu a liderança da Rio Filme, apoiou o renascimento do cinema brasileiro, incentivando a co-produção e a distribuição: devemos-lhe algumas obras de cinema, como Central do Brasil (Walter Salles, 1998), Lavoura arcaica (Luiz Fernando Carvalho, 2001) e Amarelo Manga (Cláudio Assis, 2002). Alias, foi no próprio escritório da RioFilme que o encontrei pela primeira vez, quando apenas iniciava minha pesquisa sobre o cinema brasileiro. Ele foi de uma generosidade e de uma ajuda preciosas, num momento em que a Internet e os DVDs ainda não existiam. Como não conhecia a cidade do Rio, nem seus segredos de cinéfilos, ele me indicou uma lista de lugares mágicos para guiar minhas incursões e para que eu pudesse encontrar filmes em VHS em locadoras, com dicas para fazer cópias e de sebos onde buscar os raros livros de crítica cinematográfica.

José Carlos Avellar

José Carlos Avellar

5Essa disponibilidade para o outro, independentemente do seu grau de envolvimento com o cinema, era outra característica de José Carlos Avellar. Sempre jovial e alegre, ele me confessou um dia que não havia melhor trabalho no mundo do que ser pago para ir ao cinema! E essa é a escolha que ele fez depois de ter ocupado vários cargos no âmbito da realização de cinema (em direção, fotografia, edição e produção). Nunca parou de percorrer todas as estradas laterais para se tornar um verdadeiro incentivador da criação e uma ponte entre o Brasil e a América Latina, por um lado, e entre o Brasil e a Europa, por outro. Jornalista, ensaísta, professor, curador, gestor cultural, diretor de festival e poliglota, ele seguiu os altos e baixos da produção cinematográfica brasileira, sempre encontrando a melhor maneira de servir à 7ª arte. Provavelmente, achou mais gratificante pensar o cinema do que fazer cinema.

  • 5 Avellar José Carlos, Imagem e som, Imagem e ação, Imaginação, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1982, p. (...)
  • 6 Los cuadernos de cinema 23, Conaculta, Mexico, https://www.cinema23.com

6De fato, pensar e/ou imaginar o cinema era ao que ele se dedicava a cada dia. Desde seus primeiros textos até os últimos, o convite à imaginação sempre teve um papel fundamental, o que conferiu também à sua escrita um estilo inconfundível. Ler José Carlos Avellar era como comprar um bilhete para a liberdade de imaginar. Foi assim que, em 1980, a crítica do filme Providence, de Alain Resnais, começou com esta frase emblemática: “Imagina-se o espectador dentro da cabeça de um personagem5”. Algumas décadas mais tarde, quando foi convidado a escrever um roteiro para Los cuadernos de cinema 23, do México6, ofereceu, naturalmente, um texto intitulado “Roteiro para a imaginação”, que começa com a mesma injunção paradoxal: “Imaginemos um festival de cinema feito antes dos filmes”.

  • 7 Avellar José Carlos, A ponte clandestina, Edusp, São Paulo, 1995, p. 157.

7E se realmente imaginar o cinema fosse tão importante quanto fazê-lo? “Imaginemos a relação entre o trabalho de criar filmes e o trabalho de criar reflexões sobre o cinema como ações complementares, que funcionam uma para a outra, alternadamente, como os tempos do interior e os tempos do exterior de qualquer processo criativo7”, escreveu, em sua análise das relações entre as indústrias de cinema da América latina nos anos 1950/1960. Não é este, de fato, um fator-chave para a criação? Por isso, agrada-me imaginar, na tradição dos poetas de cordel do Nordeste, o encontro, no céu, entre José Carlos Avellar e todos os cineastas do mundo.

Articles de José Carlos Avellar dans Cinémas d'Amérique latine

#2 EUROPE-AMÉRIQUE LATINE : ÉCHANGES, ACQUIS, SITUATIONS
Brésil

#3
Toute la vie et cent ans de plus : la leçon du condor

#4
Le vol libre du regard

#5 BRÉSIL
Para un espectador desatento / À l'attention d'un spectateur inattentif

#6
LEON HIRSMAN :
A sabedoria que a gente não sabe / Le savoir que l’on ignore
CHE GUEVARA :
A arte da crítica. A crítica da arte / L’art de la critique. La critique de l’art

#7 BRÉSIL : CINÉMA ET MODERNISME
Escrevendo a fala / Ecrire le parler

#9
Offensive du documentaire brésilien Entretien : João Moreira Salles

#10 BRÉSIL
Tres irmaõs / Trois frères
Entretien : Lina Chamie et Laís Bodansky
par Ivana Bentes et José Carlos Avellar

#11 CINÉMA ET RÉEL : ARGENTINE, URUGUAY, BRÉSIL
Amanhá começou ontem / Demain a commencé hier

#12
Eu sou trezentos / Je suis trois-cents

#13
O pomar às avessas / Le verger à l’envers
Walter Salles cineasta y productor / Walter Salles cinéaste et producteur

#14
Cine y video de los pueblos indígenas
O som do silencio / Le son du silence

#16 LES 20 ANS DES RENCONTRES DE CINÉMAS D'AMÉRIQUE LATINE
O lugar sem limites / Le lieu sans limite
O céu da imagem / Le ciel de l’image

#17
Três filmes vistos por José Carlos Avellar / Trois films vue par José Carlos Avellar

Haut de page

Notes

1 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, Alhambra, Rio de Janeiro, 1986, p. 13. (“Cinema mesmo, é o que nem se vê, é o que se da entre nos e a imagem na tela, é a reflexão mesmo, é o movimento, é a vontade de girar a cabeça do sol da vidraça para o sol de verdade.”)

2 Cinemais, revista de cinema e outras questões audiovisuais, UENF, Rio de Janeiro.

3 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, p. 15 à 39.

4 Guimaraes Gustavo Coura, http://www.camira.org/brasil-episode-6-eduardo-coutinho-et-le-cinema-de-la-parole/, 18 mai 2015.

5 Avellar José Carlos, Imagem e som, Imagem e ação, Imaginação, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1982, p. 14-16.

6 Los cuadernos de cinema 23, Conaculta, Mexico, https://www.cinema23.com

7 Avellar José Carlos, A ponte clandestina, Edusp, São Paulo, 1995, p. 157.

Haut de page

Table des illustrations

Titre José Carlos Avellar
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/3524/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 288k
Titre José Carlos Avellar
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/3524/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 126k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Sylvie Debs, « “Cinema mesmo, é o que nem se vê” José Carlos Avellar (1936-2016) »Cinémas d’Amérique latine, 25 | 2017, 4-7.

Référence électronique

Sylvie Debs, « “Cinema mesmo, é o que nem se vê” José Carlos Avellar (1936-2016) »Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 25 | 2017, mis en ligne le 11 juillet 2019, consulté le 22 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/3524 ; DOI : https://doi.org/10.4000/cinelatino.3524

Haut de page

Auteur

Sylvie Debs

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search