Navigation – Plan du site

O tenso enegrecimento do cinema brasileiro nos últimos 30 anos

Joel Zito Araújo
p. 92-101
Traduction(s) :
Les tensions créées par l’arrivée progressive des Noirs dans le cinéma brésilien des 30 dernières années [fr]

Résumés

La grande nouveauté de l’histoire récente du cinéma brésilien est l’apparition d’une vague de cinéma noir ; elle accentue, par son originalité et ses tensions, une caractéristique remarquable des trente dernières années, à savoir une cinématographie de grande diversité thématique, de styles et voire même de régions. Cependant, malgré cette multiplicité de récits, le marché audiovisuel a refusé d’intégrer une plus grande participation de cinéastes, d’acteurs et du rôle prépondérant de la population noire, majoritaire au Brésil.

Haut de page

Texte intégral

1O cinema brasileiro vive um novo momento de mutação. A profunda diversidade que caracterizou nossa cinematografia nos últimos trinta anos, depois de superar a política de terra arrasada do ultra-neoliberal governo Collor nos anos 1990, começou finalmente a incorporar a participação e o olhar de realizadores e realizadoras negras, ainda que com grandes resistências. O último Festival de Cinema de Brasília, que comemorou 50 anos de existência em 2017, foi o palco que deu enorme visibilidade para essa nova fase da história do cinema brasileiro e para as tensões que vivemos.

2O debate sobre Vazante da experiente realizadora Daniela Thomas, que tem como cenário e contexto as relações familiares e sociais na primeira metade do escravocrata século XIX, foi o estopim de uma espécie de bomba de efeito retardado que polarizou opiniões sobre a representação de negros e negras no cinema brasileiro. Durante o festival, atrizes, atores, cineastas e um crítico de cinema se posicionaram orgulhosamente a partir de sua ascendência negra, em um país marcado pela força ideológica do branqueamento, fizeram questão de demarcar a existência de uma leitura da história e do mundo social e cultural brasileiro específica do seu grupo racial.

3Mas, para uma parcela do mundo do cinema já estabelecido, a opinião dos negros e negras foi considerada como equivocada, ressentida e militante, portanto distante do que seria justo. Um grande cineasta que se projetou internacionalmente nos anos 1960, demonstrando o envelhecimento e enrijecimento dos paradigmas de sua geração, chegou a classificar como uma bobagem de universitários o conceito de “lugar de fala”, muito empregado criticamente pelos negros e negras no debate sobre Vazante. Ele reutilizou, fora de contexto, o termo pejorativo “patrulhamento ideológico” que criou nos anos 1970 para criticar uma certa miopia da esquerda na análise dos filmes de então, tentando agora com o mesmo termo deslegitimar e ridicularizar a opinião e reivindicação dos negros.

4Não nos interessa aqui reproduzir os detalhes do debate provocado por Vazante, mas sim investigar o que explica e fundamenta o olhar, o imaginário e o discurso daqueles que produzem televisão e cinema no Brasil que justificaria essa enorme dificuldade em reconhecer o protagonismo dos negros e negras em nossa sociedade, e o direito de fazer e de expressar suas próprias narrativas audiovisuais.

5Algumas obviedades precisam ser ditas para começarmos a questionar a gravidade do episódio acima mencionado. Quem conhece o Brasil a partir da vivência do seu cotidiano, sabe que estamos longe de ser uma democracia racial. E o segmento audiovisual é aquele na sociedade brasileira em que o racismo estrutural do país trouxe os resultados mais dramáticos. Todas pesquisas existentes demonstram que a telenovela, assim como o cinema brasileiro, sempre negaram uma representação da diversidade racial brasileira, um país de minoria branca com uma população afrodescendentes constituída de pretos e pardos, que corresponde ao montante de 54,9% do total de uma população de 205 milhões de habitantes1, conforme a última PNAD de 2016 do IBGE, órgão oficial de estatística do Estado brasileiro.

  • 2 O GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinar da Ação Afirmativa) é um núcleo de pesquisa com sede no (...)

6Uma pesquisa do GEMAA2 sobre A cara do cinema nacional é bastante ilustrativa da ausência de negros e negras no setor audiovisual brasileiro. Buscando avaliar o conteúdo dos filmes mais vistos a cada ano, no período entre 2002 e 2014, para mapear a diversidade de gênero e racial, e compreender o papel que esta diversidade assumiu nos filmes, este núcleo de pesquisa trouxe os seguintes resultados:

  • dos 919 atores e atrizes mapeados na pesquisa 71% eram do gênero masculino, contra 28% do gênero feminino e 1% de pessoas trans;

  • uma “desproporção similar de participação se verifica quanto à cor das personagens: branca (65%), preta (18%), parda (14%), não identificada (2%) ou indígena/amarela (1%)”;

    • 3 Moratelli Gabriela e Cândido Márcia Rangel, A cara do cinema nacional (2002-2014): o perfil de gêne (...)

    também por trás das câmeras a desigualdade é evidente. Dentre as obras de longa-metragem lançadas no período, 80% têm como realizadores homens brancos, 14% mulheres brancas, 2% homens negros e 0% mulheres negras3.

7A ANCINE (Agencia Nacional de Cinema), em estudo recente realizado por sua Superintendência de Análise de Mercado, sobre Diversidade de gênero e raça nos lançamentos brasileiros de 2016, confirmou as pesquisas do GEMAA. Trata-se do primeiro estudo com este recorte realizado pela ANCINE. Trabalhando como universo de pesquisa os 142 longas-metragens lançados comercialmente naquele ano, constituído por 97 ficções, 44 documentários e uma animação, constatou que:

  • os homens brancos assinaram a direção de 107 destes filmes, que corresponde a 75,4% do total;

  • As mulheres brancas dirigiram 28, igual a 19,7%;

  • os homens negros somente 3, ficando na percentagem ínfima de 2,1%.

  • e em nenhum deles foi dirigido ou roteirizado por uma mulher negra.

  • “a análise apontou o domínio de homens brancos não apenas na direção, mas nas principais funções de liderança no cinema, o que evidencia que as histórias exibidas nas telas do país, produzidas por brasileiros, têm sido contadas majoritariamente do ponto de vista dos homens: 68% deles assinam o roteiro dos filmes de ficção, 63,6% dos documentários, e 100% das animações brasileiras de 2016. Os homens dominam também as funções de direção de fotografia (85%) e direção de arte (59%)”.

    • 4 ANCINE apresenta estudo sobre diversidade de gênero e raça no mercado audiovisual. 25/01/2018. http (...)

    “a participação nos elencos das obras também mostra a sub-representação da população negra. [...] o percentual de negros e pardos no elenco dos 97 filmes brasileiros de ficção lançados em 2016 foi de apenas 13,4%”4.

Vazante (2016) de Daniela Thomas

Vazante (2016) de Daniela Thomas
  • 5 Santos Lidia, “A telenovela brasileira : do nacionalismo à exportação”, em Caravelle. Cahiers du mo (...)
  • 6 Araujo Joelzito, A Negação do Brasil. O negro na telenovela brasileira, Ed. Senac, SP, 2001.

8O segmento audiovisual mais bem sucedido no Brasil em termos de público e lucratividade, e também extremamente rentável em termos de exportação5, sempre foi as telenovelas. Em um terço daquelas produzidas em seus primeiros 35 anos de história, no período de 1963-1998, estudado em meu livro A Negação do Brasil. O negro na telenovela brasileira6, não apareceu pessoas negras nem mesmo como figurantes. Nos outros dois terços, 90% dos personagens afro-brasileiros, representavam os negros como destinados a serem eternamente subalternos, a servir as elites e a classe média branca. E nas poucas novelas que abordavam o persistente racismo da sociedade brasileira, a figura salvadora era sempre uma branca, um estereótipo inspirado no mito da princesa Isabel, sempre celebrada em nossa história como aquela que assinou a abolição da escravidão no Brasil.

  • 7 Campos Luiz Augusto e Juniot, João Feres. “Globo, a gente se vê por aqui?” Diversidade racial nas t (...)

9Em levantamento do GEMAA7 sobre as telenovelas exibidas entre 1985 e 2014 constatou-se também que houve apenas 8,8% de atores ou atrizes não brancos contratados em suas produções.

10Mas me interessa aqui refletir porquê persiste esta dificuldade em uma parcela significativa do cinema brasileiro em aceitar esta desigualdade, reconhecer a importância deste protagonismo e buscar representar em suas obras um país mais próximo do real de sua composição racial e cultural.

  • 8 O sociólogo Jesse de Souza tem se destacado como um dos maiores críticos das interpretações clássic (...)

11Uma das explicações possíveis consiste em afirmar que todos (ou quase todos) os profissionais de televisão e cinema no Brasil receberam e compartilharam, em seu processo de formação, as mesmas interpretações do Brasil que depois fariam parte dos seus filmes. Se elencarmos aqui os mais importantes nomes da intelectualidade que são estudados nas universidades brasileiras, e foram parte de nossa formação, no topo estão Gilberto Freyre, Raimundo Faoro, Fernando Henrique Cardoso e Sérgio Buarque de Holanda. Retomo aqui parte do argumento do sociólogo Jessé de Souza8 em seus livros mais recentes, demonstrando que a esquerda branca brasileira nunca construiu uma interpretação alternativa à leitura liberal do Brasil, que tem os pensadores da sociedade brasileira acima citados como seus grandes construtores. Para nenhum deles o nosso maior problema é a desigualdade social e racial, e consequentemente o racismo, fundados na escravidão. O patrimonialismo oriundo da colonização portuguesa é que seria o grande problema do Brasil, é ele que teria conformado um brasileiro eternamente vira-lata, pré-moderno, emotivo e corrupto.

12Veremos que nas análises e considerações destes pensadores existe um elemento em comum, a compreensão que a influencia negativa das desigualdades e preconceitos fundados em uma escravidão, que durou quatro séculos, teria acabado, como em um passe de mágica, com a abolição da escravatura e com a importação massiva de imigrantes brancos da Europa. Esses imigrantes, pretensamente, formaria exclusivamente a nossa classe operária, seria responsável pelo surgimento do capitalismo industrial brasileiro e pelas bases de um país moderno.

Uma abolição inconclusa e uma vanguarda que continua lendo o país de forma errada

13Na tentativa de fazer uma grande e rápida síntese, vou aqui demarcar os aspectos mais importantes dessa base teórica que conforma a visão característica do Brasil e dos brasileiros, e que continua com algumas nuances sendo refletida em nossos filmes até Vazante.

  • 9 Freyre Gilberto, Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia pat (...)

14A interpretação dominante e original do Brasil, que foi seguida ou criticada por quase todos os outros intelectuais marcantes do país, foi criada por Gilberto Freyre, autor do clássico Casa Grande e Senzala. Uma interpretação que, em síntese, afirma que viemos de Portugal e temos um jeito específico de ser por essa herança lusitana. Em sua visão romantizada do colonizador, ele descrevia o português como: “um espanhol sem a flama guerreira nem a ortodoxia dramática; um inglês sem as duras linhas puritanas. O tipo do contemporizador. Nem ideais absolutos, nem preconceitos inflexíveis9” (p. 191). Destas características, que seriam também resultado da formação histórica miscigenada de Portugal, a partir de um longo contato com mouros e judeus na península ibérica, nasceria uma colonização benevolente e o aspecto soft de nossa escravidão. Este conjunto de elementos, por sua vez, possibilitaria no Brasil uma miscigenação fundada em coitos consensuais, safados e sensuais, entre o senhor da casa grande e a escrava negra e indígena, e uma democracia racial sui generis.

15Na abertura do capítulo cuatro do mencionado Casa grande e senzala, Gilberto Freyre apresenta uma sentença fundamental que traz toda a chave de sua leitura racial do Brasil: “Todo brasileiro traz na alma, quando não na alma e no corpo [...] a sombra, ou a pinta, do indígena e do negro” porque teria sido “embalado por uma mucama negra” ou iniciado “no amor físico” por uma “mulata”, e também por que teve um “muleque” como companheiro. E aí está o “lugar de fala” de Gilberto Freyre. O brasileiro de Freyre era homem, branco e ex-senhor ou filho de um senhor de escravos. Este é o elemento chave para ler o cinema brasileiro hoje e em toda a sua história. O negro sempre foi o outro, o indesejado. Admite-se até que o brasileiro carregue em si “um pé na cozinha”, ou na África, como diria Fernando Henrique Cardoso, ou uma marca da influencia negra, como diria Gilberto Freyre, mas ele é naturalmente branco. Essa eliminação da noção de alteridade em um país multirracial, de minoria branca, e essa centralidade do segmento branco na percepção do mundo, são parte, portanto, dos paradigmas fundamentais que conformaram o cinema brasileiro e seus autores.

Café com Canela (2017) de Ary Rosa et Glenda Nicácio

Café com Canela (2017) de Ary Rosa et Glenda Nicácio
  • 10 Azevedo Célia Maria Marinho, Onda Negra. Medo Branco. O negro no imaginário das elites. Séc. XIX, P (...)

16Para o segmento mais à esquerda dos cineastas brasileiros, foi também determinante a leitura e o pensamento de Florestan Fernandes, praticamente o primeiro crítico da ideia de democracia racial brasileira, especialmente seu estudo A integração do negro na sociedade de classes. Neste e em outros escritos de Florestan, que apesar de entender e revelar que a sociedade brasileira é profundamente racista, acentua uma interpretação equivocada que permanece na cabeça de muitos sobre a participação do segmento negro na história nacional após a abolição da escravatura. Aprendemos na visão progressista de Florestan que a situação de subalternidade e exploração que o negro sofreu na sociedade brasileira no período pós-escravidão, baseada no trabalho livre, veio da experiência deformadora da escravidão que criou uma “massa desagregada, inerte, inculta, e fez do elemento negro um ser indolente, incapaz de competir com os imigrantes brancos em uma sociedade nova, moderna, industrial e de classe. Ou seja, seres incapazes de participar como cidadão livre na emergência e expansão de um capitalismo dependente, uma vez que foram conformados por uma sociedade de castas que estava em extinção. Ao negro, coube apenas o papel ser um “elemento residual do sistema social, uma grande massa à “margem da vida social organizada e de toda a esperança, (que) sucumbe à própria inércia”. Essa leitura da condição do negro no período pós-abolição não está presente apenas em Florestan Fernandes, foi também abraçada pela intelectualidade progressista como Octávio Ianni e até mesmo por Celso Furtado em seu “Formação Econômica do Brasil” (ver Onda negra, medo branco10).

17Como não acreditar que a falta de mobilização e de indignação de nossos cineastas mais à esquerda em incluir em sua pauta política o nosso racismo cotidiano e a exterminação de jovens negros na periferia, fruto de uma autêntica política de genocídio, não seriam decorrência destas leituras?

Café com Canela (2017) de Ary Rosa e Glenda Nicácio

Café com Canela (2017) de Ary Rosa e Glenda Nicácio

Protagonismo negro. Um trovão no céu azul?

18O ano de 2017 foi especialmente marcante se observamos os prêmios recebidos pelos negros. Alguns filmes, cineastas, atores e atrizes foram premiados repetidamente em vários festivais do país. O Festival de Brasília inaugurou o ciclo de premiações e reconhecimento com o longa ficcional Café com Canela, dirigido pela jovem negra Glenda Nicácio, em parceria com Ary Rosa, que receberam o prêmio do Júri Popular de melhor filme, e de melhor atriz e melhor roteiro do Júri Oficial. Da mesma forma, os curtas-metragens de diretores e diretoras negras Nada, Peripatético, Chico e Deus é uma mulher negra também foram repetidamente premiados em Brasília e em vários outros festivais do país. E um grupo significativo de novas atrizes e atores negros emergiram nesta nova onda. Especialmente, o cinema reconheceu a potência da atriz e dramaturga Grace Passô, já celebrada no teatro, que abocanhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema do Rio, por sua atuação pelo filme Praça Paris.

19Mas o festival que mais atestou a existência de um novo momento na história do cinema brasileiro, com o surgimento de uma verdadeira onda de cinema negro, foi o Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe, criado pelo icônico ator Zózimo Bulbul, e que comemorou 10 anos de existência em 2017. Nesta última edição do festival, que prefere se chamar de Encontro, teve a participação de 65 filmes realizados por negras e negros brasileiros, sendo três deles longa-metragens. Um crescimento de cem por cento, em relação à sua edição anterior que apresentou 33 filmes de afro-brasileiros. Progressivamente, o Encontro está deixando de ser um festival marcado pela exibição de filmes internacionais para ter como maior destaque os lançamentos nacionais. Mas, aí evidenciou-se também que uma parcela cada vez maior de jovens está produzindo os seus filmes de forma independente, mesmo sem ainda contar com o apoio de editais criados pelo governo ou pela iniciativa privada. O desejo de fazer, e uma espécie de urgência histórica, tem mobilizado indivíduos e coletivos em todas regiões do país e uma intensa produção que desembocou em um número recorde de inscrições no processo seletivo do festival: 110 curtas, médias e longas.

  • 11 Vieira Isabela, Percentual de negros em universidades dobra mas é inferior ao de brancos : http://a (...)

20Mas de onde vieram as bases desta explosão de realizadores negros, se considerarmos que até recentemente éramos poucos, e possíveis de contar com somente os dedos de duas mãos? Uma outra micro-revolução na sociedade brasileira tem colaborado paraa emergência de atores sociais negros no cinema, na televisão, no teatro e nas redes sociais. O berço está, seguramente, nos milhares de novos profissionais que tiveram acesso às universidades brasileiras com a aprovação de cotas para estudantes negros e negras. Nos seus dez primeiros anos, o percentual de negros quase dobrou na universidade brasileira. “Em 2005, um ano após a implementação de ações afirmativas, como as cotas, apenas 5,5% dos jovens pretos e pardos na classificação do IBGE [...] frequentavam uma faculdade. Em 2015, 12,8% dos negros entre 18 e 24 anos chegaram no nível superior. [...] Comparado com os brancos, no entanto, o número equivale a menos da metade dos jovens brancos com a mesma oportunidade11”. Para compreender este aumento percentual em termos numéricos, somente em três anos, de 2013 a 2015, o número significativo de 150 mil novos estudantes negros entraram nas universidades brasileiras.

  • 12 Oliveira Lima Marcus Eugênio, Da Costa Neves Paulo Sérgio e Bacellar e Silva, “A implantação de cot (...)

21Assim como no cinema, o aumento exponencial de negros nas universidades não aconteceu sem uma enorme resistência de setores intelectuais, inclusive entre aqueles que se consideram progressistas ou de esquerda12. Lembremos aqui que a grande mídia brasileira também jogou um papel preponderante na valorização dessa resistência. Como tática para impedir o crescimento de universidades que aprovariam o sistema de cotas, essa mídia praticamente ignorou os intelectuais e artistas negros, e a existência de uma opinião ou de reflexões entre as lideranças negras sobre o tópico. Especialmente daqueles que foram os formuladores da política de cota, e da lei de diretrizes para o ensino das relações étnico raciais. Eles estiveram praticamente ausentes dos cadernos de debates nos grandes jornais ou entre aqueles que foram convidados para os programas de televisão específicos sobre o tema. Em oposição a eles, a grande mídia usou regularmente da opinião contrária de figuras fundamentais da intelectualidade e do mundo artístico branco para deslegitimar o discurso e a reivindicação dos negros. Nesse contexto, para os poucos que furaram o bloqueio, o termo “militante” foi ostensivamente utilizado para demonstrar o quão irrelevante ou parcial eram suas opiniões em um debate tão importante para o futuro da universidade brasileira.

22Creio que aqui temos um quadro amplo para entender a gravidade da reutilização na polemica sobre Vazante da classificação da opinião dos negros e negras como “equivocada, ressentida e militante”. Chegamos a um ponto de mutação, a um limite, em que o mundo do cinema não pode mais ignorar que 90% da produção cinematográfica atual continua sendo feita por brancos e brancas, com preferência por atores e atrizes brancas. Por isso, tratar da escravidão, um período da história do Brasil que marca nossas vidas até hoje, somente com um olhar a partir da Casa Grande, é que continua sendo um verdadeiro equívoco. O lugar de fala, o lugar da construção narrativa do cinema brasileiro, vai continuar sendo cúmplice do nosso racismo cotidiano se expressar apenas o ponto de vista do brasileiro branco gilberto freyriano. E continuaremos nos comportando como vira-latas e colonizados se os negros continuarem sendo tratados como uma minoria, como a ralé indesejada que não sabe o seu lugar e/ou como perturbadores da marcha irreversível do branqueamento.

23A proposito das críticas que os negros e negras receberam por seu protagonismo questionador no Festival de Cinema de Brasília, uma cineasta que se destaca nesta nova geração, Viviane Ferreira, traduziu muito bem a perplexidade de toda esta história: “a nossa presença mínima incomoda mais que nossa ausência histórica nestes espaços”.

Haut de page

Notes

1 NAD-C Distribuição da população por cor e raça de 2016. Ver: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-pnad-c-moradores.html

2 O GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinar da Ação Afirmativa) é um núcleo de pesquisa com sede no IESP-UERJ, criado em 2008 com o intuito de produzir estudos sobre ação afirmativa a partir de uma variedade de abordagens metodológicas.

3 Moratelli Gabriela e Cândido Márcia Rangel, A cara do cinema nacional (2002-2014): o perfil de gênero e cor dos atores, diretores e roteiristas dos filmes brasileiros, Coordenação de Verônica Toste e João Feres Junior. GEMAA-IESP-UERJ, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em http://gemaa.iesp.uerj.br/infografico/infografico1/

4 ANCINE apresenta estudo sobre diversidade de gênero e raça no mercado audiovisual. 25/01/2018. https://www.ancine.gov.br/pt-br/sala-imprensa/noticias/ancine-apresenta-estudo-sobre-diversidade-de-g-nero-e-ra-no-mercado

5 Santos Lidia, “A telenovela brasileira : do nacionalismo à exportação”, em Caravelle. Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien, 2000, n. 75, p. 137-150. Tema : Nouveaux Brésils – Fin de siècle.

6 Araujo Joelzito, A Negação do Brasil. O negro na telenovela brasileira, Ed. Senac, SP, 2001.

7 Campos Luiz Augusto e Juniot, João Feres. “Globo, a gente se vê por aqui?” Diversidade racial nas telenovelas das últimas três décadas (1985-2014). Plural Revista de Ciências Sociais. V. 23, n. 1. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016. Disponível em http://www.revistas.usp.br/plural/article/view/118380/115938

8 O sociólogo Jesse de Souza tem se destacado como um dos maiores críticos das interpretações clássicas do Brasil criadas a partir dos anos 1930. Seus livros mais conhecidos são: A Elite do Atraso: da escravidão ao Lava-jato (2017); A Tolice da inteligência Brasileira (2015); A ralé brasileira: quem é e como vive (2009).

9 Freyre Gilberto, Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal, Edição Livros do Brasil, Lisboa, 1933/1983.

10 Azevedo Célia Maria Marinho, Onda Negra. Medo Branco. O negro no imaginário das elites. Séc. XIX, Paz e Terra, São Paulo, 1987. Jornal Unoversitario, Porto Alegre, RS, p. 19-23.

11 Vieira Isabela, Percentual de negros em universidades dobra mas é inferior ao de brancos : http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-12/percentual-de-negros-em-universidades-dobra-mas-e-inferior-ao-de-brancos.

12 Oliveira Lima Marcus Eugênio, Da Costa Neves Paulo Sérgio e Bacellar e Silva, “A implantação de cotas na universidade: paternalismo e ameaça à posição dos grupos dominantes”, em Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 56, jan.-mar. 2014. http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v19n56/v19n56a08.pdf

Haut de page

Table des illustrations

URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/4185/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 484k
Titre Vazante (2016) de Daniela Thomas
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/4185/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 648k
Titre Café com Canela (2017) de Ary Rosa et Glenda Nicácio
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/4185/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 356k
Titre Café com Canela (2017) de Ary Rosa e Glenda Nicácio
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/4185/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 416k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Joel Zito Araújo, « O tenso enegrecimento do cinema brasileiro nos últimos 30 anos », Cinémas d’Amérique latine, 26 | 2018, 92-101.

Référence électronique

Joel Zito Araújo, « O tenso enegrecimento do cinema brasileiro nos últimos 30 anos », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 26 | 2018, mis en ligne le 24 juillet 2019, consulté le 10 décembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/4185 ; DOI : 10.4000/cinelatino.4185

Haut de page

Auteur

Joel Zito Araújo

Joel Zito Araújo é cineasta e pesquisador, conhecido por tematizar o negro na sociedade brasileira. Sua obra inclui o livro e o filme documentário A negação do Brasil, melhor filme brasileiro do festival É tudo Verdade 2001, o longa ficcional As filhas do vento (2004), ganhador do Festival de Tiradentes e de 8 Kikitos no Festival de Gramado, e os documentários Cinderelas, lobos e um Príncipe Encantado (2009) e RAçA (2013). Doutor em Ciências da comunicação ela ECA/ USP e pós-doutor em Radio, TV e cinema pela University of Texas, em Austin, nos Estados Unidos.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • OpenEdition Journals