Navigation – Plan du site

O cinema como ponto de vista sobre a vida

Pai país, mãe pátria1 de José Carlos Avellar
Sylvie Debs
p. 44-47
Traduction(s) :
Le cinéma comme point de vue sur la vie [fr]

Résumés

Le livre posthume du critique brésilien José Carlos Avellar, ami et collaborateur de Cinélatino, Rencontres des Cinémas d’Amérique latine, permet de relever les traits caractéristiques du cinéma contemporain réalisé dans des pays jadis colonisés. Des thèmes récurrents, comme l’absence chronique des pères, l’omniprésence de l’oubli, le déni de la mémoire, l’absence de futur, la quête de l’identité, tissent des liens dans la grande toile de la cinématographie nationale.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Avellar José Carlos, Pai país, mãe pátria, IMS, 2016, São Paulo, 152 p.
  • 2 Salles Walter, Cinemais, n. 9, jan-fev. 1998, p. 39.
  • 3 Avellar José Carlos, op. cit., p. 15.

1Folhear um livro de José Carlos Avellar, ler um fragmento, é descobrir um universo sem fronteiras entre o cinema, a literatura, as artes visuais, a psicanálise e a história. É mergulhar numa intertextualidade que às vezes funciona como uma mise en abyme, às vezes como um palimpsesto, às vezes como uma boneca russa, como Walter Salles nos relembra: “Um filme nunca existe sozinho. [Todo filme] traz consigo a memória de uma cinematografia2.” Essa escrita peculiar, que avança em camadas como o corte de um diamante e lapida o pensamento crítico à medida que se desenvolve, retorna-nos à própria concepção de crítica de cinema do autor. Ele considera todos os filmes “ao mesmo tempo um todo à parte e parte de um todo3, inseparáveis do lugar e do momento histórico de sua produção.

2Indo em direção contrária à crítica convencional, que analisa um único filme, a obra de um diretor, ou, ainda, propõe um estudo comparativo, José Carlos Avellar definiu, ao longo dos anos, um método de análise que procede por associação e nunca isola os filmes entre si, ou de seu contexto. Note-se que não há nenhum índice, nenhum título dado aos fragmentos, mas uma simples sequência de números, variando de 1 a 28. O autor oferece aproximações e atalhos inesperados, como o faria um alquimista operando uma ilha de edição, que conteria todas as imagens dos filmes mencionados. Lembre-se que Pai país, mãe pátria é uma coleção póstuma encontrada em seu computador por sua esposa, Claudia M. Duarte, e pode-se imaginar que o autor ainda operaria uma série de cortes em seus escritos, se tivesse tido mais tempo, ou incluiria alguns filmes contemporâneos, brasileiros ou latino-americanos, em que ele havia visto uma questão recorrente sobre o futuro e a identidade dos antigos países colonizados da América Latina, como a busca obstinada do pai.

  • 4 Ibid., p. 6 e p. 8.

3De fato, o corpus é essencialmente composto pela produção cinematográfica pós 1960, que carregava um projeto político alimentado por esperanças de revoluções e reformas em que o indivíduo era representado como a expressão de uma coletividade. Uma vez que essas esperanças foram destruídas pelas ditaduras, e após um renascimento democrático anunciado, a questão, no início dos anos 1990, passou a ser retornar ao trabalho deixado para trás e questionar o real a partir de uma perspetiva mais individual do que coletiva. As preocupações sociais e políticas que estavam no centro da cinematografia, na década de 1960, deram lugar a destinos singulares e individuais que carregam os conflitos atravessados por uma sociedade em crise. Longe de um Manuel ou de um Fabiano, que encarnam o destino dos camponeses nordestinos, surgem agora um Paco, uma Alex, um Josué, uma Dora etc., figuras ancoradas em um universo urbano, cada uma voltada para sua solidão e para o esquecimento do “pai país” e da “mãe pátria”. Alguns até chegam a duvidar de sua própria identidade: “Eu não sou ninguém. Você então, menos ainda! E o outro ninguém foi morto três dias atrás!”, retrucou Alex a Paco, que perguntara: “Cara, quem é você? Quem você pensa que é4?” Os personagens entram em conflito com a memória, e o verbo esquecer, nos filmes analisados, é regularmente conjugado no imperativo. Manuela é convocada a esquecer o sonho de voltar à sua terra natal (Terra Estrangeira); Dora quer esquecer seu pai, que não a reconheceu, e prevê que Josué que a esquecerá (Central do Brasil); a criança sem nome é convidada a esquecer o livro (Abril despedaçado); outros ainda são torturados pelo desejo de esquecer o pai violento, como Marcela (A ostra e o vento), André (Lavoura Arcaica), o filho (O bicho de sete cabeças) ou a menina (Deserto Feliz). Finalmente, alguns clamam por esquecer a história, especialmente a ditadura e o exílio (Os dias com ele, Diário de uma busca, Que bom te ver viva).

Première de couverture du livre Pai país, mãe pátria, de Avellar José Carlos, IMS, 2016, São Paulo

Première de couverture du livre Pai país, mãe pátria, de Avellar José Carlos, IMS, 2016, São Paulo
  • 5 Wisnik José Miguel, Folheto de divulgação de Terra Estrangeira, in Pai país, mãe pátria, op. cit., (...)

4Os personagens parecem desgarrados de qualquer elo: sem identidade, sem país, sem passado, sem futuro, sem pai, sem mãe! José Miguel Wisnik observou, em 1995: “Já se disse de vários modos que no Brasil vive-se a falta crônica da figura do pai, aquele instaurador da lei, que põe limite ao gozo e confere nome aos sujeitos5. O recrudescimento dos personagens levantados sem a presença de seu pai refere-se à ausência de Estado. E, quando o pai manifesta sua presença, é a expressão de violência e repressão igual à exercida pelo Estado. Em seguida, muitas vezes permanece como figura central, a da mãe, seja biológica ou de adoção. Para alimentar essa reflexão, José Carlos Avellar utiliza textos de Kafka, Louise Bourgeois, Sigmund Freud, Octávio Paz, Carlos Fuentes, Sérgio Buarque da Holanda, além de outros da mitologia grega.

  • 6 Avellar José Carlos, ibid., p. 88.
  • 7 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, 1986, Alhambra Rio de Janeiro, p. 13.

5O autor não só elimina as fronteiras entre os filmes, mas também entre os gêneros cinematográficos e as possíveis interpretações: documentário, ficção, imagem, representação, realidade, sonho, dentro do quadro, fora de quadro? Seguindo os preceitos de Pasolini, José Carlos Avellar argumenta que “Não uma reapresentação, mas uma representação da realidade, não uma reprodução, mas uma produção da realidade, um modo de tornar visível, por meio de uma imagem de cinema, o que não se pode ver na realidade6”. Este jogo constante de colocar o real em perspetiva através da imagem para mostrar algo deste real, é o que orienta a leitura do autor do mundo através do cinema. “O cinema é o que não é visto, é o que acontece entre você e a imagem na tela7”, escreveu ele, em 1986.

  • 8 Avellar José Carlos, Pai país, mãe pátria, op. cit., p. 120.
  • 9 Ibid., p. 97.

6Essencialmente, o livro apresenta-se como o testamento intelectual do autor. Ao longo de sua vida, seja através de estudo, ensino, produção, seleção ou crítica de cinema, José Carlos Avellar buscou o mesmo alvo : tomar o cinema como um ponto de vista para pensar a sociedade. Aliando sua caneta de escritor a uma perspectiva que opera por aproximações, ele esboça as linhas de tensão subjacentes à produção contemporânea, caracterizada pela busca do pai, do país e do próprio sujeito. A hipótese inicial colocada por Maria Clara Escobar, diretora de Os dias sem ele (2013), resume a função do cinema: “Contar a história de meu país, a história do meu pai e a minha história8. Ouve-se, aí, um eco de Pasolini: “O cinema é a língua escrita da realidade9”.

Haut de page

Notes

1 Avellar José Carlos, Pai país, mãe pátria, IMS, 2016, São Paulo, 152 p.

2 Salles Walter, Cinemais, n. 9, jan-fev. 1998, p. 39.

3 Avellar José Carlos, op. cit., p. 15.

4 Ibid., p. 6 e p. 8.

5 Wisnik José Miguel, Folheto de divulgação de Terra Estrangeira, in Pai país, mãe pátria, op. cit., p. 127.

6 Avellar José Carlos, ibid., p. 88.

7 Avellar José Carlos, O cinema dilacerado, 1986, Alhambra Rio de Janeiro, p. 13.

8 Avellar José Carlos, Pai país, mãe pátria, op. cit., p. 120.

9 Ibid., p. 97.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5689/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Première de couverture du livre Pai país, mãe pátria, de Avellar José Carlos, IMS, 2016, São Paulo
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5689/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 139k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Sylvie Debs, « O cinema como ponto de vista sobre a vida », Cinémas d’Amérique latine, 27 | 2019, 44-47.

Référence électronique

Sylvie Debs, « O cinema como ponto de vista sobre a vida », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 27 | 2019, mis en ligne le 04 août 2019, consulté le 19 novembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/5689 ; DOI : 10.4000/cinelatino.5689

Haut de page

Auteur

Sylvie Debs

Professora associada da Universidade de Estrasburgo, onde ensina no Departamento de comunicação e informação (www.cher.unistra.fr), é também representante da Rede Inter-nacional de Cidades Refugiadas (www.icorn.org) no Brasil onde criou a rede CAsas BRAsileiras de Refugio (www.cabras.org). Titular de um doutorado em literatura comparada, ela publicou Patativa de Assare (2000), Os mitos do sertão: emergência de uma identidade nacional (2002), Brasil: o ateliê de cineastas (2004), Cinema e literatura: um jogo de espelhos (2014) e Corisco e Dada (2016) e numerosos artigos sobre cinema, literatura cordel e cultura popular. Intérprete e tradutora, ela colabora ao festival Cinélatino de Toulouse e é membro do conselho editorial da Cinémas d’Amérique Latine (www.cinelatino.fr) desde 1996. Adida de cooperação e ação cultural na Embaixada de França no Brasil (2006-2010), e depois no México (2010-2013).

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • OpenEdition Journals