Navigation – Plan du site

AccueilNuméros25Notes de lectureCarolina Amaral de Aguiar, O cine...

Notes de lecture

Carolina Amaral de Aguiar, O cinema latino-americano de Chris Marker

Alameda Editorial, São Paulo, 2016, 336 p.
Alexsandro de Sousa e Silva
p. 179-181
Référence(s) :

Carolina Amaral de Aguiar, O cinema latino-americano de Chris Marker, Alameda Editorial, São Paulo, 2016, 336 p.

Traduction(s) :
Carolina Amaral de Aguiar, O cinema latino-americano de Chris Marker [fr]

Texte intégral

1O livro O cinema latino-americano de Chris Marker (2016) tem como origem a tese de doutorado de Carolina Amaral Aguiar, defendida em 2013 na Universidade de São Paulo. A publicação consolida a área de estudos acadêmicos no Brasil voltada à relação entre Cinema e História, que privilegia a análise fílmica como principal fonte de conhecimento sobre o passado. A obra expõe um estudo sobre documentários e um filme experimental, que tiveram a participação do cineasta francês Chris Marker e que têm como tema principal aspectos da realidade do Brasil, Chile e Cuba. Tais obras, de acordo com a ideia central do livro, expunham experiências políticas, que interessavam os franceses para a conformação de projetos políticos nacionais nos anos 1960 e 1970.

2O recorte temático, a forma de abordagem e a tese defendida colocam em xeque o lugar comum sobre a relação entre Europa e América latina, que atesta o Velho Continente como um “modelo” para o subcontinente. Na Introdução, o historiador Marcos Napolitano “inverte” a unilateralidade transatlântica ao destacar as contribuições do livro: “azar de quem não lê português” (p. 15). Assim sendo, o que lemos ao longo da obra é uma história de contatos e cruzamentos de leituras políticas e estéticas, que enriquece a compreensão sobre aquelas conturbadas décadas. Além disso, a autora Carolina Aguiar conferiu as contribuições de Chris Marker em produções nas quais não foi o diretor e em produções coletivas, desvinculandose de uma visão estreita sobre o cinema, herdada da “política dos autores”, na qual se tende a privilegiar a figura do “diretorautor”.

3O livro está estruturado em seis capítulos. O primeiro é sobre Cuba si (1961), média-metragem que se insere no intercâmbio de artistas e intelectuais europeus com a Revolução Cubana em seus primórdios. Em seguida, lemos as análises de produções compostas com imagens de noticieros cubanos: os curtas On vous parle du Brésil : tortures (1969) e On vous parle du Brésil : Carlos Marighela (1970), além de La bataille des dix millions, de 1970, sobre o controverso esforço nacional em Cuba para colher uma gigante safra de açúcar. Chris Marker e o cinema chileno parte da participação do cineasta em À Valparaíso (1961), de Joris Ivens, e mapeia as articulações de Marker com jovens diretores chilenos nos anos 1970, em especial Patricio Guzmán. O mesmo texto analisa La première année e On vous parle du Chili : ce que disait Allende, ambos de 1973. Os três últimos capítulos são dedicados a obras francesas que tiveram a participação do francês na montagem (La spirale, 1976, de Armand Mattelart, Jacqueline Meppiel e Valérie Mayoux) e também as dirigidas por ele (L’ambassade, 1974, e O fundo do ar é vermelho, 1977).

4Carolina Aguiar analisa cuidadosamente o corpus fílmico e levanta diversas observações que escapam ao olhar do espectador. Além disso, ela mobiliza fontes extrafílmicas de apoio, como livros de época, textos publicados em periódicos especializados, correspondências e recepções críticas. Trata-se de materiais pesquisados em arquivos no Chile, Brasil, França e Cuba, entre os quais destacamos os documentos que atestam o protagonismo do grupo SLON na distribuição de filmes do Patricio Guzmán na França e no planejamento inicial para a realização de A batalha do Chile –A insurreição da burguesia (1975). Da mesma forma, a pesquisadora dialoga com historiadores e especialistas do cinema, como Ursula Langman (a qual defende uma noção de “filme-montagem”, que causa controvérsias entre pesquisadores), Antonio Weinrichter, Viva Paci, Emi Koide e Nicolau Leonel (sobre a obra de Chris Marker), Alberto Aggio e Tomás Moulian (Chile), Olivier Compagnon e Pierre Vayssièrre (França), Enrique Suárez- Iñiguez (eurocomunismo), entre tantos outros.

5As análises são amparadas conceitualmente e dão rigor aos argumentos. O cineasta Chris Marker é visto como um mediador entre a América latina e a Europa, e os conceitos de passeur (Serge Gruzinski) e transferts culturels (Michel Espagne) a ajudam a superar a noção unilateral de “influência”, com a qual a autora não se identifica (p. 25). Além de mediador, o francês também é interpretado como um intelectual e há um evidente esforço, no livro, em mapear as redes de contato e de solidariedade em torno dele (Gérard Philipe, Anne Philipe, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Agnès Varda, Joris Ivens, Armand Gatti, Régis Debray, Jorge Semprún, François Maspero, Yves Montand, entre outros). A historiadora reivindica o cinema como “lugar da memória” (Pierre Nora), onde certos eventos são destacados em detrimento de outros. Enfim, a noção de “leitura documentarizante” das obras (Roger Odin) é essencial nas interpretações dos filmes à luz de cada contexto de realização. Dentre as análises fílmicas do livro, destacamos a do curtametragem experimental de 1974, L’ambassade, que concentra importantes questões em sua composição, que a pesquisadora responde com precisão, como o “efeito super-8” (Rubens Machado), o “cinéma-vérité” e o “cine-ma-verité”, o “efeito Kuleshov”, os não-atores, a câmera subjetiva, o lugar da voz over (autora optou por over ao invés de off, p. 215), o hibridismo entre o documentário e a ficção.

6Na leitura dos documentários, Carolina Aguiar aponta contradições internas nas estruturas fílmicas e delimita as autocríticas e a mudança do posicionamento político do cineasta francês em relação às experiências políticas latinoamericanas. As conclusões das análises apontam para o desgaste da Revolução Cubana (com seu progressivo alinhamento soviético) e da Unidade Popular chilena (derrotada pela autofagia das esquerdas), isto é, essas experiências partiram “da condição de modelo para a de um contramodelo na filmografia de Chris Marker” (p. 310). Apesar da estruturação do livro seguir a temporalidade histórica, dos anos 1960 para os 1970, a construção discursiva do livro está construída na forma de espiral, como a autora ratifica na conclusão. Assim como Chris Marker retoma as imagens do passado para fazer novas leituras (“Não sabemos nunca o que filmamos” é a frase repetida em O fundo do ar é vermelho, p. 269), a autora retoma constantemente o percurso da análise, para avançar em novas proposições. Que essa espiral do conhecimento continue inspirando novas chaves de reflexão e possibilidades de leitura fílmica.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Alexsandro de Sousa e Silva, « Carolina Amaral de Aguiar, O cinema latino-americano de Chris Marker »Cinémas d’Amérique latine, 25 | 2017, 179-181.

Référence électronique

Alexsandro de Sousa e Silva, « Carolina Amaral de Aguiar, O cinema latino-americano de Chris Marker »Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 25 | 2017, mis en ligne le 11 juillet 2019, consulté le 11 août 2022. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/5800 ; DOI : https://doi.org/10.4000/cinelatino.5800

Haut de page

Auteur

Alexsandro de Sousa e Silva

Universidade de São Paulo

Haut de page

Droits d’auteur

CC BY-NC-ND 4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search