Navigation – Plan du site

Animação brasileira. Entre a liberdade de criação e o mercado

Aída Queiroz
p. 82-91
Traduction(s) :
Cinéma d’animation brésilien. Entre liberté de création et contraintes du marché [fr]

Résumés

Le cinéma d’animation au Brésil vit l’un des meilleurs moments de son histoire. Cela n’a pas toujours été le cas et il rencontrera probablement de nouveaux obstacles. En ce qui concerne la production de cinéma d’auteur et de cinéma indépendant, comme dans de nombreux pays, l’ouverture d’écoles spécialisées a permis l’émergence de nouveaux talents, car les aides gouvernementales sont rares. En ce qui concerne la production commerciale, le plus grand défi consiste à augmenter et conserver les parts de marché national et international, avec des productions à faible coût. La créativité, plus que jamais, devient un facteur déterminant pour le succès de ce segment de la production audiovisuelle.

Haut de page

Texte intégral

Fig. 1. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi

Fig. 1. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi

Introdução

1A animação no Brasil segue os mesmos passos dos movimentos culturais importantes que fizerem história no País. Uma agradável mistura de independência, criatividade e irreverência dribla os percalços políticos comuns a países periféricos.

2Os autores de curtas-metragens que se aventuraram no autodidatismo, no início dos anos 1990, propiciaram o surgimento de um mercado, então embrionário, com narrativas permeadas por liberdade criativa e técnica, que despertou curiosidade genuína, ao participarem de festivais em diferentes países.

3Devido a conjunturas políticas e econômicas favoráveis à produção do audiovisual no Brasil, entre 2003 e 2018, a animação rapidamente assumiu lugar de destaque em produções de caráter comercial, com séries e longas-metragens brasileiros apresentando uma boa performance internacional. Autores e produtores, além de fomentadores do setor, entenderam rapidamente que a melhor maneira para a animação brasileira se destacar, dentre tantas produções lançadas diariamente no mercado internacional, seria simplesmente manter a liberdade de criação, e reduzir ao máximo possível os limites impostos pelo mercado.

História interrompida

4É importante voltar um pouco no tempo para tentarmos entender como se deu essa nova indústria que, mesmo ainda em estado incipiente, apresenta forte potencial sob os aspectos econômico e cultural, posição almejada por muitos seguimentos mercadológicos.

5Em 2017, a animação brasileira comemorou 100 anos. O primeiro filme animado de que se tem registro é o curta-metragem Kaiser, de Álvaro Martins, de 1917. “A primeira projeção de O Kaiser aconteceu em 22 de Janeiro de 1917, no Cine Pathé, na região da Cinelândia, no Rio de Janeiro. Vinte anos depois de sua exibição, o paradeiro do filme já era desconhecido, até mesmo por seu autor1”. Apenas um único fotograma (Fig. 2) dessa obra foi preservados, e comprova o tom sarcástico da narrativa ao mostrar o imperador alemão Guilherme II sendo engolido por um globo terrestre, numa alusão a uma Europa bélica.

Fig. 2. O Kaiser (1917) é considerada a animação brasileira mais antiga que se tem registro.

Fig. 2. O Kaiser (1917) é considerada a animação brasileira mais antiga que se tem registro.

6Embora o Brasil tenha se aventurado há mais de um século na produção de animação, foram muitos os obstáculos de ordem técnica e política que se antepuseram ao desenvolvimento de uma possível indústria nacional. As lacunas na história da produção de animação ora se deram por dificuldade de acesso à informação e equipamentos específicos, ora por governos ditatoriais que reprimiam qualquer iniciativa cultural, como nas décadas de 1930 e 1960, ou por governos que simplesmente desqualificam a cultura por considerá-la desnecessária e dispendiosa ao orçamento público.

7Muitas vezes, esses obstáculos geravam intervalos com duração superior a uma década entre as produções, tanto de curtas como de longas. Entre o primeiro longa-metragem de animação brasileiro, datado de 1953, Sinfonia Amazônica de Anélio Latini Filho (Fig. 3), e o segundo, intitulado Presente de Natal, de Álvaro Henrique Gonçalves, de 1971, foram longos 18 anos de espera.

Fig. 3. Sinfonia Amazônica (1953) de Anélio Lattini. Primeiro longa-metragem brasileiro de animação.

Fig. 3. Sinfonia Amazônica (1953) de Anélio Lattini. Primeiro longa-metragem brasileiro de animação.

8Com a presença de tantos e constantes empecilhos, até o final dos anos 1980 a animação brasileira se resumia a algumas iniciativas independentes de autodidatas que eventualmente até se destacavam em nível internacional, no âmbito de festivais, como aconteceu com o curta-metragem Meow, do diretor Marcos Magalhães, (Fig.4) vencedor do Prêmio Especial do Júri no Festival Internacional de Cannes, em 1982. Também merece destaque a animação na publicidade, único segmento da animação brasileira que contava com uma boa verba para a produção e fazia jus ao investimento, pois, de forma recorrente, trazia prêmios importantes obtidos em Cannes, Veneza e outros festivais do gênero.

Fig. 4. Meow (1981) de Marcos Magalhães

Fig. 4. Meow (1981) de Marcos Magalhães

A importância dos festivais de cinema

9Podemos dizer que dois importantes movimentos foram fundamentais para o desenvolvimento da animação brasileira, a partir da década de 1990: a nova fase da computação, que provocou a mudança de paradigma na comunicação mundial, e a criação do Anima Mundi-Festival Internacional de Animação do Brasil, em 1993, no Rio de janeiro.

10A popularização do computador como ferramenta de trabalho e lazer, mais o acesso às informações através da internet, foram importantes facilitadores para o aumento da produção de animação brasileira. Devemos considerar que não havia escolas de animação no Brasil há dez anos. O curso de graduação mais antigo foi criado em 2008, pela Universidade Federal de Minas Gerais. Outros cursos, de nível técnico e de graduação, são ainda mais recentes.

  • 2 NADA, Núcleo de Arte Digital e Animação, Departamento de Artes e Designs, Pontifícia Universidade C (...)
  • 3 Acervo documental Anima Mundi.

11Nesse contexto, o Anima Mundi se tornou o grande incentivo para que os jovens animadores independentes se esmerassem em produzir e concluir seus filmes com o intuito de participar do festival e obter alguma repercussão junto à mídia e ao público. Na última década, a produção brasileira de filmes de animação é maior que a registrada nos noventas anos anteriores. Antes do Anima Mundi, há o registro de 147 obras realizadas na história da animação brasileira2. A partir de 1993, o registro é de 6.031 animações inscritas para seleção nas edições do Festival3. São curtas-metragens em sua quase total maioria.

12Sabe-se que o curta-metragem é o laboratório para inovação e ganho de experiência na produção do audiovisual, independente da linguagem adotada. E não foi diferente para esses novos diretores de animação brasileiros. Muitos deles se profissionalizaram e enveredaram pela produção comercial de animação, focada em séries e longas-metragens.

O início da indústria de animação brasileira

13Aqui cabe um parêntesis muito importante na história da produção audiovisual brasileira, que beneficiou toda a indústria nacional e permitiu que a animação se tornasse o destaque do setor. Em 2006, foi criado o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), um dos principais mecanismos de fomento destinado a toda cadeia produtiva do audiovisual brasileiro. O FSA utiliza recursos oriundos de diversas fontes, sendo que a mais significativa delas é arrecadação junto às empresas de telecomunicações e operadoras de televisão por assinatura, que passou a ser executada a partir de 2011. Soma-se a essa iniciativa governamental, a determinação que os canais fechados tivessem em sua grade de programação 3 horas e 30 minutos semanais de produção nacional, sendo que a metade desse conteúdo deveria ser produzida por produtoras independentes, o que alavancou fortemente o desenvolvimento de novas produtoras. Os protestos iniciais por parte dos canais foram substituídos rapidamente pelo sucesso do conteúdo nacional, junto ao público expectador. Prova disso é que, a partir de 2016, a veiculação de obras brasileiras superou o mínimo estabelecido em lei4. A partir dessa iniciativa governamental, houve um grande avanço na produção de séries animadas para canais de TV, passando de 2 para 44 produções nos últimos 10 anos.

14Em 2009, a série infantil O Peixonauta (Fig. 5), de Célia Katunda e Kiko Mistrorigo, TV Pingüim, torna-se um marco, ao ser lançada pela Discorey Kids e ocupar o primeiro lugar de audiência na América Latina, com apenas uma semana de exibição. Outras séries brasileiras conseguiram a mesma performance de O Peixonauta e são vendidas para mais de 90 países5, resultando em ganhos reais em propriedade intelectual.

Fig. 5. Peixonauta (TV Pingüin, 2009), primeira série de animação brasileira produzida inteiramente no Brasil.

Fig. 5. Peixonauta (TV Pingüin, 2009), primeira série de animação brasileira produzida inteiramente no Brasil.

15Outro fenômeno no mercado é a série O Irmão do Jorel (Fig. 6), de Juliano Enric/ Copa Estúdio, primeira animação original do Cartoon Network na América Latina, lançada em 2014. A série foi concebida para um público infantil na faixa etária de 8 a 12 anos, mas em pouquíssimo tempo cativou o público adulto. É uma série irreverente, surpreendente por suas várias camadas de leitura.

Fig. 6. O irmão do Jorel (2014) de Juliano Enrico/Copa Estúdio Cartoon Network da América Latina

Fig. 6. O irmão do Jorel (2014) de Juliano Enrico/Copa Estúdio Cartoon Network da América Latina

O público adulto no alvo

16Recentemente, em setembro de 2018, foi lançada pela Netflix a primeira série brasileira para público adulto, As Super Drags, de Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescau/ Combo Estúdio (Fig. 7). Embora a veiculação dessa série indique a tendência dos players em aumentar o espaço de animação para o público adulto, houve muita polêmica em sua estréia e, como conseqüência, o canal não renovou contrato com a produtora para a segunda temporada.

Fig. 7. Super Drags (2018) de Combo Estúdio, Netflix

Fig. 7. Super Drags (2018) de Combo Estúdio, Netflix

17A idéia equivocada de que animação é uma linguagem exclusiva para o público infantil fez a Sociedade Brasileira de Pediatria entrar com pedido de cancelamento da série, alegando “os riscos de se utilizar uma linguagem eminentemente infantil para discutir tópicos próprios do mundo adulto”, desconsiderando a faixa etária indicativa da série para 16 anos.

18Como a qualidade técnica da série é alta, talvez devamos considerar a onda de conservadorismo que atravessa o País atualmente, o que tem colocado a produção cultural na berlinda e limitado os temas abordados dos conteúdos a serem veiculados.

O formato de longa-metragem ao alcance dos novos autores

19Os longas-metragens brasileiros de animação também começam a apresentar sucesso na carreira, em festivais internacionais e nas salas do circuito comercial de vários países.

20Em 2013, o filme Uma História de Amor e Fúria, de Luís Bolognesi, (Fig. 9) é premiado no Festival de Annecy como melhor longa-metragem. Foi a primeira vez que um filme brasileiro venceu em Annecy.

21No ano seguinte, o sucesso da animação brasileira repete-se em Annecy, com o filme O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, (Fig. 8) que arrebatou o prêmio de Melhor Longa-Metragem. Em seguida, foi indicado ao Oscar de melhor longa-metragem de animação, em 2016.

Fig. 8. O Menino e o Mundo (2014) de Alê Abreu

Fig. 8. O Menino e o Mundo (2014) de Alê Abreu

22Alê Abreu já se destacava por imprimir em seus filmes todo o seu talento e conhecimento como artista plástico. Manteve seu estilo e preservou sua arte também na produção do longa, o que lhe conferiu muitos prêmios pela originalidade e também por sua bela narrativa.

23Tito e os Pássaros, de Gabriel Bitar, André Catoto, Gustavo Steinberg, é uma das mais recentes produções brasileiras e foi indicado ao Annie Awards 2019. (Fig. 11) Um pouco mais ousado no aspecto financeiro que as anteriores, nesse filme os autores optaram pela computação gráfica e conseguiram desenvolver uma estética inspirada no movimento expressionista. Novamente se faz presente a necessidade do autor de imprimir um estilo artístico próprio na obra, com uso diferente das ferramentas comumente utilizadas nas produções.

Fig. 9. Uma História de Amor e Fúria (2013) de Luís Bolognesi

Fig. 9. Uma História de Amor e Fúria (2013) de Luís Bolognesi

Fig. 10. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi

Fig. 10. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi

Fig. 11. Tito e Os Pássaros (2018) de Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg

Fig. 11. Tito e Os Pássaros (2018) de Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg

24A produção de longas demorou um pouco mais que as séries para apresentar resultados, pois é um processo de realização mais demorado e pertence a um segmento do mercado extremamente competitivo. Mas os números são bastante animadores, se considerarmos que, de 1995 a 2017, a produção brasileira total de longas de animação foi de 25 filmes. Somente em 2018, existem outros exatos 25 longas em produção, e alguns deles são co-produção com outros países6. Nos próximos anos, certamente uma parte significativa desses filmes estará circulando em diferentes plataformas de exibição e alguns com sucesso na carreira. A tendência é que o número da produção de longas aumente a cada ano, desde que a política de investimento no setor seja mantida.

Os curtas como laboratório de criação

25E os curtas também seguem conquistando espaços importantes no circuito de festivais internacionais, em plataformas digitais e em nichos preciosos, espalhados por todo o mundo. O curta Guida, de Rosana Urbes, (Figs. 1 e 10) fez uma bela carreira nos festivais, sendo premiado em Annecy, em 2015, como Melhor Primeira Obra. A exemplo de outros países, por não serem um produto de mercado, a sua inserção em linhas de investimento e patrocínio é muito modesta, o que dificulta a produção de obras autorais fora das escolas de animação. Existem algumas iniciativas que abrem espaço para a produção de curtas de animação, como faz o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, que anualmente lança novos editais de fomento ao cinema. É possível quantificar a produção anual de curtas através do Anima Mundi que, desde 2004, recebe anualmente cerca de 250 títulos brasileiros que se submetem à seleção do festival.

Considerações finais

26Nos últimos anos, a arte da animação no Brasil encontrou espaço e conjunturas bastante favoráveis para seu desenvolvimento e seu potencial criativo, o que chamou a atenção do mundo inteiro. De fato, a animação brasileira firmou-se como uma criadora de conteúdo e não como mão-de-obra contratada por outros países.

27O Festival de Annecy reconheceu esse movimento e homenageou a animação brasileira, em 2018. Segundo o diretor artístico do festival, Marcel Jean, “a escolha se deu porque o Brasil foi premiado durante três anos consecutivos, o que justifica a vontade de explorar mais profundamente a produção brasileira de animação. Queremos mostrar como este grande território é uma fonte criativa poderosa e como os animadores brasileiros souberam desenvolver uma expressão singular e forte7.”

28Sobre o futuro próximo da animação brasileira, o desejo é que haja continuidade da produção intensa e constante que essa jovem indústria exige, mantendo espaço aberto para o potencial criativo, já comprovado na última década.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig. 1. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-1.jpg
Fichier image/, 396k
Titre Fig. 2. O Kaiser (1917) é considerada a animação brasileira mais antiga que se tem registro.
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-2.jpg
Fichier image/, 88k
Titre Fig. 3. Sinfonia Amazônica (1953) de Anélio Lattini. Primeiro longa-metragem brasileiro de animação.
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-3.jpg
Fichier image/, 104k
Titre Fig. 4. Meow (1981) de Marcos Magalhães
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-4.jpg
Fichier image/, 148k
Titre Fig. 5. Peixonauta (TV Pingüin, 2009), primeira série de animação brasileira produzida inteiramente no Brasil.
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-5.jpg
Fichier image/, 140k
Titre Fig. 6. O irmão do Jorel (2014) de Juliano Enrico/Copa Estúdio Cartoon Network da América Latina
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-6.jpg
Fichier image/, 104k
Titre Fig. 7. Super Drags (2018) de Combo Estúdio, Netflix
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-7.jpg
Fichier image/, 112k
Titre Fig. 8. O Menino e o Mundo (2014) de Alê Abreu
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-8.jpg
Fichier image/, 380k
Titre Fig. 9. Uma História de Amor e Fúria (2013) de Luís Bolognesi
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-9.jpg
Fichier image/, 48k
Titre Fig. 10. Guida (2014) de Rosana Urbes – Fonte: Acervo Anima Mundi
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-10.jpg
Fichier image/, 116k
Titre Fig. 11. Tito e Os Pássaros (2018) de Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-11.jpg
Fichier image/, 316k
URL http://journals.openedition.org/cinelatino/docannexe/image/5941/img-12.jpg
Fichier image/, 68k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Aída Queiroz, « Animação brasileira. Entre a liberdade de criação e o mercado », Cinémas d’Amérique latine, 27 | 2019, 82-91.

Référence électronique

Aída Queiroz, « Animação brasileira. Entre a liberdade de criação e o mercado », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 27 | 2019, mis en ligne le 04 août 2019, consulté le 11 novembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/cinelatino/5941 ; DOI : 10.4000/cinelatino.5941

Haut de page

Auteur

Aída Queiroz

Graduada em lelas artes pela UFMG, é diretora de animação, formada pelo convênio National Film Board of Canada/ Embrafilme. Diretora e curadora do Anima Mundi-Festival Internacional de Animação do Brasil. Diretora da produtora Campo 4 Produções Cinematográficas.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • OpenEdition Journals