Navegação – Mapa do site

Elementos constitutivos da identidade da claque Super Dragões

Constituent elements of the identity of the “Super Dragões”
Éléments constitutifs de l’identité de la claque de “ Super Dragões ”
Daniel Seabra
p. 301-321

Resumos

O texto que se segue enfatiza os principais elementos constitutivos da iden­tidade da claque Super Dragões. Referem-se, para tal, os principais valores deste grupo, tais como a solidariedade entre os seus elementos, a condição Ultra que estes deverão assumir, o amor ao Futebol Clube do Porto e a importância que este assume nas suas vidas, a exaltação da cidade do Porto e ainda a deprecia­ção do principal clube adversário e da cidade de Lisboa. Apresentam-se vários discursos que evidenciam tais valores e a importância que estes assumem para os membros da claque. Um breve perfil social destes é também delineado, contem­plando este o sexo, a idade, a ocupação profissional e alguns dos seus desejos para o futuro. O lugar que os Super Dragões ocupam na história do Movimento Ultra português é também um enquadramento importante para a compreensão da iden­tidade da claque e estão, por isso, também contemplados no presente artigo.

Topo da página

Texto integral

1. Introdução

1As claques que apoiam os clubes de futebol portugueses continuam a mar­car forte presença nos estádios portugueses. Distinguem-se da generalidade dos adeptos pelo facto de se constituírem como grupos organizados que se posicio­nam em determinadas zonas dos estádios de futebol, incentivando de forma mais intensa e efusiva os seus clubes predilectos. Recorrem, para tal, a cânti­cos próprios, bandeiras das mais variadas dimensões, cartazes, fumos e outros adereços que permitem a elaboração de coreograas (Pereira, 2002 : 41). No entanto, e embora haja quem enalteça as manifestações de luz, cor e som por elas proporcionadas, prevalecem os discursos que evidenciam e criticam os actos de violência e vandalismo perpetrados por alguns dos membros destes grupos.

  • 1 Na sequência desta foi elaborada legislação com o intuito de fazer face ao problema. A nível nacion (...)

2Na verdade, tais actos, bem como a forma como os mesmos têm sido noticiados na comunicação social, contribuíram para a formação de uma opinião geral muito negativa sobre as claques e suscitaram ainda alguma preocupação nos meios desportivos e políticos.1

3Não se pretende negar a legitimidade e a respeitabilidade de uma opi­nião pública avessa às claques. Sublinhe-se, contudo, que a mesma nem sem­pre decorre de uma observação directa e regular do desempenho dos membros que compõem estes grupos, mas sim da grande visibilidade que a comunicação social confere aos incidentes perpetrados por alguns deles. Estes ocorrem, são por vezes graves e deverão ser noticiados e denunciados. Mas é fundamental fri­sar que os mesmos não constituem – longe disso – o desempenho mais frequente dos membros das claques.

  • 2 Sobre o sensacionalismo das notícias publicadas sobre o Hooliganismo e respectivos efeitos perverso (...)

4As claques e as suas acções são objecto preferencial de notícia quando alguns dos seus membros perpetram actos indesejáveis, socialmente reprová­veis e mesmo criminosos. Todavia, o mesmo destaque noticioso parece não ser conferido a um vasto conjunto de aspectos que fundamentam a existência das claques, conferem a necessária coesão às mesmas e caracterizam o seu desem­penho. Este posicionamento da comunicação social face às claques tem gerado alguns efeitos perversos. Um deles foi o surgimento de uma certa estigmatização generalizada dos membros das claques. Esta induziu alguns dos que a sentiram a abandonarem os grupos, pois, apesar de pautarem o seu comportamento no seio dos mesmos por grande correcção, não queriam ser conotados com os com­portamentos delinquentes levados a cabo apenas por alguns dos seus membros. Por outro lado, algumas notícias sensacionalistas2 atraíram para as claques alguns jovens já com carreiras de delinquência no seu quotidiano e que perspec­tivaram a pertença a estes grupos como uma oportunidade para continuarem tais actividades, sendo estas facilitadas pela percepção de um certo anonimato e desresponsabilização decorrente da inserção num grupo numeroso.

  • 3 Sendo esta aqui entendida com base numa denição simples proposta por Giddens e segundo a qual a id (...)

5Para um melhor conhecimento das claques de apoio aos clubes de futebol é, portanto, fulcral uma abordagem que procure contemplar outras dimensões do grupo, que não apenas a violência e actos de vandalismo e delinquência que alguns dos seus membros provocam. O presente texto procurará, precisa­mente, destacar os principais elementos constitutivos da identidade3 da claque Super Dragões, bem como os principais discursos que os evidenciam. Como se demonstrará, tais elementos não deixam de estar ancorados na própria história do grupo, no perl social dos membros que presentemente a compõem e ainda nos princípios estruturantes do denominado Movimento Ultra no qual a claque se enquadra. Serão, pois, estes os dois primeiros elementos que serão sucinta­mente abordados.

2. Claques e Movimento Ultra

6Como foi já mencionado, as claques de apoio a clubes de futebol manifes­tam-se de forma muito diferente dos outros adeptos. Esta diferença não se deve apenas ao posicionamento das primeiras nos estádios e ao recurso a um con­junto de signos veiculados verbalmente, corporalmente ou por objectos e mate-riais que concorrem para a apresentação de manifestações intensas de apoio ao clube. Ao contrário da generalidade dos adeptos que se agregam no estádio para apoiar os clubes da sua preferência, as claques constituem grupos identi­cáveis, contínuos e estruturados segundo interesses, normas e valores funda­mentais para a consecução dos seus propósitos. A alguns dos seus membros são mesmo atribuídos papéis individuais conducentes a uma socialização peculiar que poderá estruturar o quotidiano e estilo de vida (Lago e Biasi 1994 : 78).

  • 4 Na verdade, já na época se organizavam viagens aos estádios dos clubes adversários no sentido de ap (...)
  • 5 Para o surgimento do Movimento Ultra importa também considerar a in uência que os jovens italianos (...)
  • 6 O termo Ultra é abrangente. Provém do contexto político (foi empregue para designar, em tempos pass (...)

7A origem destes agrupamentos radica no já aludido Movimento Ultra. Este surgiu em Itália no nal da década de 60 e anos 70 num contexto político-social conturbado – Maio de 68 – e pelas lutas entre conservadores e militantes dos movimentos políticos associados à esquerda. Os jovens italianos, que já acom­panhavam os seus clubes na década de 50 e 60,4 encontraram então nos partidos políticos sobretudo adstritos à esquerda um modelo de militância que poderiam adoptar também no apoio aos seus clubes.5 Tomando também como exemplo a forte camaradagem entre aqueles que militavam num mesmo partido político, foram então criadas claques compostas por jovens que passaram a manifestar um apoio exuberante e muito activo ao clube através de cânticos e de coreogra­as elaboradas com diversos materiais que conferiam cor e beleza aos estádios de futebol. Surgiu assim o denominado Movimento Ultra que congurou os princípios básicos das actuais claques de apoio aos clubes de futebol.6

3. Os Super Dragões no contexto do surgimento das claques em Portugal

8O Movimento Ultra não deixou também de inuenciar os jovens adep­tos portugueses. No ano de 1976 alguns colegas que estudavam no conhecido colégio S. João de Brito passaram também a assistir em conjunto aos jogos que o Sporting Clube de Portugal disputava no estádio José de Alvalade, procu­rando apoiar a equipa de forma diferente e com recurso a cânticos e bandei­ras de dimensões maiores. Este grupo esteve na origem da Juventude Leonina, tendo sido esta a primeira claque portuguesa (Marques, Manuel e Maia 1988 : 12). Algum tempo depois um processo semelhante esteve também na génese da primeira claque do Futebol Clube do Porto. Estudantes do Colégio Universal encontravam-se no estádio das Antas para incentivarem, através de cânticos, bandeiras e outros materiais, a equipa portista. Assim se fundou a claque Dragões Azuis.

  • 7 A anuência das direcções dos clubes a tais solicitações foi facilitada pela presença nas claques de (...)
  • 8 Para um registo do surgimento das claques portuguesas ao longo da década de 80, consultar Marivoet (...)

9O nal da década de 70 corresponde à primeira fase da formação das cla­ques em Portugal. Mas é durante a década de 80 que se verica um grande crescimento no número de claques e do número de membros que compõem as mesmas. Estes grupos passaram então a reivindicar o seu reconhecimento por parte dos clubes, bem como o seu apoio logístico e nanceiro.7 Durante esta década, praticamente todos os clubes da primeira divisão eram incentivados pelas suas respectivas claques, sendo que as equipas do Futebol Clube do Porto, do Sport Lisboa e Ben ca e do Sporting Clube de Portugal recebiam mesmo o apoio de mais do que um destes agrupamentos.8 Sublinhe-se, porém, que o surgimento de uma segunda claque se deveu, em alguns casos, a algumas diver­gências entretanto surgidas no seio dos grupos já estabelecidos, nomeadamente quanto à sua gestão nanceira, estratégica e acções desenvolvidas. O mesmo se veri cou com as claques que apoiavam o Futebol Clube do Porto.

10A claque Super Dragões foi fundada precisamente por membros dissidentes da claque Dragões Azuis. Esta sofreu um declínio que acabou por se tornar irre­versível e foi conducente à sua extinção. Um dos fundadores dos Super Dragões caracterizou desta forma tal processo :

A claque Dragões Azuis era forte e tinha muita gente. Mas começou a des­contentar as pessoas derivado ao facto de ter passado de uma claque espontânea a uma claque organizada, cujo patrocínio de uma sapataria obrigava os seus membros a ter que usar pelo menos uma camisola e estar constantemente a fazer isto e aquilo e a liberdade claro... Já havia um Presidente que assegurava a direc­ção e não era muito transparente. Havia muito dinheiro envolvido e as desloca­ções eram oferecidas. Deixou de haver um ambiente daqueles que trabalhavam para a claque para ser tudo mais fácil. Se queriam bandeiras mandavam fazer, porque havia dinheiro para se mandar fazer. Não havia muito espírito de luta e de interesse pela claque.

11Estes argumentos são conrmados por outros membros dissidentes. Um deles referiu : “estavam muito viciados e era pessoal que começou a descaracte­rizar.” Outro ex-membro do grupo foi ainda mais contundente ao a rmar que “os Dragões Azuis tiveram lá uma pessoa que há alguns anos atrás começou também a ganhar dinheiro à custa daquilo e a viver à custa daquilo.”

12A insatisfação de alguns membros com a menor dedicação de muitos no apoio ao clube foi conducente à formação de uma nova claque. Assim surgiu, em 30 de Novembro de 1986, a claque Super Dragões. Uma das fanzines da claque escreveu posteriormente :

  • 9 Texto intitulado “Os Ultras somos nós”, publicado na fanzine Super Dragões nº 7: 4.

Era um sonho, uma realidade distante, uma missão... Era o início de um projecto, de uma ideia, de um futuro !...
EIS OS SUPER DRAGÕES
As ideias eram claras ; apoiar o
Futebol Clube do Porto, o nosso clube do coração. Fazer do futebol uma festa e nela participar dando todo o nosso apoio e todo o nosso amor.9

  • 10 Goffman considerou que o quadro pode ser constituído pelo «mobiliário, a decoração, a disposição fí (...)
  • 11 A fachada pessoal é denida por este mesmo autor para designar «os aspectos que identicamos mais d (...)

13A nova atitude no apoio ao clube salientada neste texto foi decisiva para o rápido crescimento desta claque. Um dos fundadores reconhece actualmente que começaram “com coisas ridículas para os dias de hoje, mas há que dar valor às primeiras faixas, bandeiras, t-shirts, cachecóis e outro tipo de coisas que foram o grande arranque para o que somos hoje.” Este equipamento expressivo que compõe aquilo a que, no quadro conceptual desenvolvido por Goffman (1993), se poderá denominar como o quadro10 da claque e a fachada pessoal11 dos seus membros, é uma dimensão que denota a identi cação dos Super Dragões com as práticas do Movimento Ultra, sendo então este, por conseguinte, um ele­mento constituinte da sua identidade.

  • 12 Este foi o universo estimado a partir do qual foi elaborada uma amostra por quotas conducente à adm (...)

14Depois das mais diversas vicissitudes ao longo da sua já longa história, os Super Dragões são hoje uma das maiores claques portuguesas, com um número estimado de membros na ordem dos mil e duzentos.12

4. Breve perfil social dos membros da claque Super Dragões

15Os dados recolhidos demonstram que cerca de 85 % dos membros desta claque são do sexo masculino. Tal não surpreende, uma vez que o desporto, segundo Dunning, tem sido “tradicionalmente uma das áreas reservadas mas­culinas » (1992 : 390). Este autor e o grupo de Leicester em que se insere realçam ainda a importância da pertença a este tipo de grupos como estratégia de cons­trução da masculinidade dos seus membros e dos valores inerentes à mesma, através de algumas manifestações de coragem e valentia no apoio ao clube (Dunning, Murphy e Williams 1992 : 184-216 e Murphy, Williams e Dunning 1994 : 125-159).

  • 13 Cabral e Pais 1998: xi, Ferreira 2006: 14-15, Cruz et al. 1984: 289 e Nunes 1998: 2.

16Mas para além da prevalência de membros do sexo masculino, cerca de 75 % dos elementos da claque têm idades situadas entre os 15 e os 29 anos. Este é o intervalo de idades referenciado por vários autores13 como critério etário que permite a classicação dos indivíduos como jovens. Face ao mesmo, ca patente que os Super Dragões são sobretudo compostos por jovens do sexo masculino, sendo tal condição ainda reforçada pela condição ainda celibatária de 75 % dos inquiridos, mas também pelo desejo, da grande maioria dos mesmos, de casar (96 %) e ter lhos (93 %) e, portanto, constituir família.

17No que ao lugar scial e prossional diz respeito, cerca de 34 % dos membros do grupo são estudantes. Realce-se ainda que, destes 28 % são já estudantes no ensino superior. A percentagem de membros que desempenham uma actividade prossional cifra-se nos 61 %. Relativamente a estes, 21 % são empregados em rotinas não manuais de categoria inferior e 11 % são trabalhadores manuais semi-qualicados. Ainda que se constate que todas as classes sociais estejam representadas, os dados denotam uma prevalência de jovens oriundos da classe trabalhadora, sendo tal proveniência reforçada por dados demonstrativos de que os progenitores dos membros das claques são também, e maioritariamente, trabalhadores semi-quali cados e empregados em rotinas não manuais de cate­goria inferior.

18Denominador comum aos elementos do grupo é a grande paixão pelo Futebol Clube do Porto. O apoio ao clube é o grande motivo de adesão à cla­que mencionado por cerca de 90 % dos seus membros inquiridos. A participa­ção nos espectáculos e manifestações dos Super Dragões é também um motivo muito evocado. Importa assim destacar que o apoio ao clube, manifestado de forma exacerbada e efusiva através de cânticos e coreogra as espectaculares, constitui o princípio fundador e basilar da identidade desta claque, devendo, por isso, este ser respeitado, promovido e praticado por todos aqueles que pre­tendem assumir a condição de Super Dragão.

5. Ser um Super Dragão

19Esta condição não decorre apenas de uma mera inscrição como associado da claque ou mesmo da frequência passiva da mesma. Ser Super Dragão implica a assunção de atitudes e comportamentos, bem como o respeito por um con­junto de normas e valores que, apesar de não se encontrarem formalizados num regulamento ou em estatutos, têm em vista um apoio colectivo e organizado ao Futebol Clube do Porto.

20A condição fundamental para a pertença a esta claque é, evidentemente, ser portista. O lema DO FUNDO DO CORAÇÃO O NOSSO GRITO – POR TI PORTO CAMPEÃO destaca a importância fulcral desta identicação e do apoio efusivo que a claque deverá conferir às equipas representativas do clube. São muitos os elementos da claque que vincam o seu grande amor e paixão pelo clube. Um deles confessa que o Futebol Clube do Porto é “uma das grandes partes da vida. Uma forma de amar qualquer coisa.” Outros elementos da cla­que armam a sua paixão pelo clube com declarações ainda mais exacerbadas. Um elemento feminino referiu mesmo : « eu posso ter um pai e uma mãe que gosto muito. Mas quer dizer… aquele sentimento só existe pelo Porto não é ? Não sei explicar. » Outro membro muito activo comparou a sua relação com o Futebol Clube do Porto a « um amor que a gente não consegue explicar. É grande demais. É desde pequenino já. Não tem palavras. Nasci a gostar do Futebol Clube do Porto. Vivo a gostar do Futebol Clube do Porto. Vou morrer a gostar do Futebol Clube do Porto. » Outro proeminente membro do grupo confessou também que o Futebol Clube do Porto “é tudo. É uma vida. É o Porto acima de tudo.”. Este elemento destacou ainda : “É uma manifestação do meu espírito. É lá que consigo alimentar a minha vida e o meu ego. É o Futebol Clube do Porto.” Para um dos elementos da claque, o clube é mesmo entendido como uma família de substituição. Atente-se nas suas palavras : « Não tenho pais. E então a única coisa que me podia substituir o amor do Porto eram os meus pais. Os meus pais são o Futebol Clube do Porto. » No mesmo sentido vão as palavras de mais um membro dos Super Dragões que a rmou :

O Futebol Clube do Porto, para mim, se pudéssemos meter uma pessoa, imagina que era um irmão, um pai ou um lho. Se pudéssemos ser dois pais, tínhamos dois pais. Se pudéssemos acrescentar um irmão, ele acrescentava. Portanto, eu vejo o Futebol Clube do Porto como uma pessoa que eu gosto e que não sei viver sem ela. Faz parte do nosso dia-a-dia, tal como nós temos que ir trabalhar, temos as nossas coisas, temos o nosso lho, temos a nossa casa. É uma das componentes da nossa vida.

21O amor exacerbado ao clube foi também demonstrado por um elemento sempre presente e que confessou : « Acabando o Porto acho que caio numa favela. Há muita gente que pode criticar e como eu há muita gente a pensar assim. Nós nascemos para isto. Nós morremos por isto. Nós perdemos empregos por causa do clube. Roubamos por causa do clube pra ter dinheiro para o futebol. » A expressão da ligação ao clube por parte de alguns membros da claque Super Dragões abrange mesmo uma dimensão religiosa. Um dos elementos do grupo, natural da cidade de Lisboa, armou mesmo : “O Futebol Clube do Porto, para mim, é como uma religião. Quando vou às Antas vou ao meu santuário. Quando vamos em deslocação vamos em peregrinação.” Muitas outras expressões deste teor poderiam ser citadas. Das mesmas sobressai um amor exacerbado ao clube que encontra na claque o melhor espaço para ser manifestado.

6. Ser Ultra

22Este amor intenso deverá traduzir-se num apoio ao clube muito distinto daquele que a generalidade dos adeptos e associados do clube proporciona. Um membro da claque destacou o factor essencial desta diferenciação quando refe­riu que “a maior parte dos adeptos normais só vão ver o jogo quando a equipa joga bem. São poucos os que se manifestam.” Ao invés, e relativamente à cla­que considera : “Nós manifestamo-nos quando o clube perde e quando ganha.” Foram ainda mencionados outros aspectos que estabelecem tal diferença :

O meu ideal de apoiar o Porto é cantar o jogo todo mesmo quando a equipa está a perder, ir ver jogos fora, estar sempre com a equipa. A maior parte dos sócios, a equipa perde assobiam ou deixam de ir aos jogos. A claque não. Está sempre presente em qualquer circunstância e em todos os momentos.

23Esta assiduidade dá cumprimento ao lema SEMPRE PRESENTES, adoptado pela claque. É esta atitude de militância regular que se coaduna com a condição Ultra que os membros de uma claque deverão assumir, pois a mesma decorre da ideologia adstrita ao Movimento Ultra, na qual a claque Super Dragões tam­bém se enquadra. Ser um Ultra é, portanto, um valor essencial a respeitar. Não é fácil denir o termo. A aproximação a tal condição é sobretudo descritiva, realçando-se os valores e as consequentes atitudes e comportamentos esperados de quem a assume. Um Ultra deverá dedicar a sua vida ao clube e ao grupo onde se integra, vivendo assim para o futebol (Revilla 1996 : 63). Deverá também defender activamente o seu clube por actos e palavras. Na verdade, é possível constatar, tal como referem Marques, Manuel e Maia, que esta “exigência de assiduidade é efectivamente preenchida nas claques de futebol.” (1988 : 8). Tal implica, evidentemente, inúmeros sacrifícios, não só nanceiros, mas também relacionados com eventuais ameaças dos adeptos das equipas adversárias que cada Ultra terá que suportar com todo o estoicismo. As más condições meteo­rológicas nunca deverão ser um obstáculo à presença no estádio para apoiar o clube. Este sacrifício inerente à condição Ultra é muito evocado nas declarações dos membros da claque. Um deles sublinha :

Ser Ultra é ir a todos os estádios, aparecer nem que esteja a fazer sol ou chuva. Nem que tenha que fazer 300 ou 400 quilómetros. Nem que tenha que ir de comboio. O Ultra tem que ter sempre aquele amor ao clube e ir a todo o lado. Para mim isso é um Ultra.

24Outro elemento muito conhecido no grupo reconheceu mesmo que a sua família e o trabalho são preteridos e penalizados em consequência do constante acompanhamento do clube. Atente-se nas suas palavras :

Para mim é tudo. Eu ponho o Porto acima de tudo. Para mim o Porto é um tipo de amor que uma pessoa tem. Está ao nível da família. Às vezes acima. Sacrico a família quantas e quantas vezes para ir ver o Porto. O trabalho então... tenho por acaso um patrão que compreende. Senão... Já tive chatices com a famí­lia e agora vou casar. Com ela é sempre. Até que ela agora já compreende mais.

25Os sacrifícios nanceiros são também muitos. No nal de uma época des­portiva, a contabilização dos gastos em bilhetes de ingresso para os jogos, via-gens, quotas de associado e ainda alimentação, atinge valores na ordem dos milhares de euros. Um dos membros da claque fez alusão à necessidade de pou-par dinheiro para poder acompanhar o clube :

  • 14 Por mais paradoxal que possa parecer, estes sacrifícios conferem alguma satisfação e prazer aos ind (...)

Muita gente não fazia o que eu faço. Muito sacrifício. Por exemplo, falto muito ao trabalho para ir ver o Porto. Prero deixar de ir beber uns copos com os amigos ou ir à discoteca ou outra coisa qualquer. Guardo sempre o dinheiro para quando não tiver para as deslocações. Estou sempre pronto a fazer sacrifícios, Já a minha família diz que eu sou maluco. Não sabem o que é sentir esta emoção que muita gente sente.14

26Mas para além dos sacrifícios nanceiros, as já aludidas condições mete­orológicas adversas e a agressividade dos adeptos dos clubes adversários são também vivamente expressas como diculdades que um Ultra deverá enfrentar. Um dos membros dos Super Dragões reportou-se a elas a rmando que « Os Super ainda gastam mais dinheiro do que outro adepto. Porque os outros vêem os jogos fora do sofá ou no café e o pessoal é que vai lá levar com chuva, frio e calhoadas. Há uns anos em Alverca andavam lá uns gajos de carro aos tiros atrás do pessoal. »

27Fica assim patente a importância da assunção de um conjunto de atitudes e comportamentos especiais para com o Futebol Clube do Porto, mas também para com a claque Super Dragões. Mas ser Ultra não se conna apenas a estes aspectos, ainda que os mesmos sejam de facto fundadores de tal condição. Tal condição implica o respeito por algumas normas decorrentes da presença numa claque, dado que tal representa pertencer a um grupo tido como uma grande família (Câncio, 1990 : 17).

7. A união entre os Super Dragões

28A solidariedade e união entre todos os Ultras pertencentes aos Super Dragões são princípios a cumprir por todos e nas mais diversas circunstâncias. Todos os elementos sabem que os outros esperam dele delidade e uma parti­cipação dinâmica no apoio à equipa, sob pena de perda de prestígio pessoal (Revilla 1996 : 56) A participação muito activa é, pois, solicitada a todos os membros, não apenas no desempenho apresentado no estádio, mas também em todas as fases da preparação do mesmo, nomeadamente a preparação das coreograas e dos materiais da claque ou mesmo na organização das viagens. Tal implica, muitas vezes, « passar noites e tardes a fazer uma coreogra a que demora uma semana a fazer e anda-se todo roto durante uma semana. » Este elemento dos Super Dragões complementou estas palavras explicitando os efei­tos que tal participação poderá ter no quotidiano de alguns membros do grupo : « Trabalhas, vens do trabalho, vais jantar, vais pintar, vais fazer frases, tens ban­deiras, tens estandartes, tens de tratar disso tudo, não é ? E para chegares ali, trinta segundo, pronto. Acabou. »

29O dever de solidariedade como valor fundamental da claque implica tam­bém o silêncio sobre aspectos eventualmente comprometedores do grupo ou de algum dos seus membros, podendo estes desmentir a impressão que a claque procura causar através do seu desempenho (Bromberger 1995 : 257). Mas é perante eventuais ameaças perpetradas por adeptos adversários que a solida­riedade assume uma importância fulcral no grupo. Uma ameaça ou ataque a um membro da claque deve ser interpretado como um ataque a todo o grupo e requer, portanto, uma resposta por parte de todos. Tal como destacou Revilla (1996 : 68), entende-se, em tais circunstâncias, que a violência é necessária para defender o grupo ou um amigo de uma agressão ou invasão adversária. Alguns elementos do grupo já enfrentaram situações deste tipo e evidenciam a impor­tância da solidariedade nestes momentos. Um deles referiu : “A violência não é necessária. Mas nalguns casos, como resposta, acho que sim : que é legítimo. Arranja-se problemas com um, arranja-se problemas com todos. Estão todos juntos e a claque funciona de forma global.” Outro membro da claque Super Dragões defendeu também a mesma posição : “Se estão a bater nos meus ami­gos, e por não querer violência, não vou deixá-los levar porrada. Claro que os tento ajudar, mas acho que não devemos provocar. Acho que só devemos usar a violência para nos defendermos.”

30Compreende-se assim que a fuga de qualquer membro da claque perante situações de confronto com adversários ou forças policiais seja fortemente cri­ticada pelos outros membros envolvidos nas mesmas. Trata-se de um compor­tamento que não respeita a solidariedade, espírito de grupo e de grande família exigido a todos. Aqueles que não defenderem os seus companheiros serão sem­pre acusados de cobardia e falta de solidariedade para com o grupo (Revilla 1996 : 67).

31Do recurso ao emprego da violência em legítima defesa para fazer face a ataques de adeptos adversários não se poderá inferir uma apologia da mesma. Ao invés do que possa parecer em função das situações que por vezes ocorrem entre alguns membros das claques, o fundamento valorativo do Movimento Ultra reprova a conduta violenta dos membros da claque. Esta é entendida como um efeito perverso que, por vezes, surge nas claques e que urge combater. Um Ultra não deverá, por conseguinte, provocar qualquer acto de violência ou vandalismo (Anon 1996 : 5). Ao invés, “é necessário apenas apoiar e cantar, dar espectáculo, sem violência nem atitudes estúpidas.” (Nuno e Paulo 1995 : 5). Esta posição foi expressa de forma clara pelos Super Dragões numa das suas fanzines :

A nossa função é apoiar o nosso clube do coração – o F.C. Porto –, não prejudicá-lo. Neste momento começamos a pôr em dúvida certos elementos que se juntam à claque que mais parecem querer prejudicar o clube do que apoiá-lo.
Ser
Ultra não é ser ladrão. Ser Ultra não é atirar tochas para o relvado, ser Ultra não é querer viajar sem pagar, ser Ultra não é ser violento... Ser Ultra é amar o clube e ajudá-lo a atingir a vitória de cada Domingo. Ser Ultra é con­denar os que roubam, os que atiram tochas, os que usam de violência gratuita para se armarem perante os vizinhos do bairro. É urgente que todos os verda­deiros Ultras se unam e façam vingar a verdadeira mentalidade do Movimento. Os falsos Ultras que se ponham a andar ou então nada disto que andamos a fazer durante os 8 anos de existência valeu a pena e mais vale acabar com os Super Dragões e passamos todos a vir ao futebol de forma casual.

32Sublinhe-se, contudo, que a prática reiterada de alguns furtos, roubos e actos de vandalismo ou violência perpetrados por alguns elementos dos Super Dragões tem sido, por vezes, apresentado como um dos emblemas de identi ca­ção deste grupo. Exemplo evidente disso mesmo é a produção de um cachecol da própria claque no qual se destaca a frase NÃO ROUBAMOS MAIS, ou ainda o seguinte cântico que o grupo entoa, por vezes, nos diversos estádios onde marca presença : « É os Dragões ; é os Dragões ; é os Dragões ; é os Dragões ; é os Dragões ; partem tudo ; é os Dragões ; partem tudo os Dragões. » Note-se, porém, que tais comportamentos estão longe de receber a aprovação e aceita­ção da generalidade do grupo. Ao invés, é larga a maioria dos membros que reprovam tais actos, recusando ver a claque, para a qual contribuíram durante muitos anos, identi cada com tais práticas. Muitos advogam mesmo, de forma veemente, a exclusão do grupo de todos os que levam a cabo tais actos. Por conseguinte, ca patente que este elemento identicativo da claque é negado por muitos e está longe de receber o consenso que o amor ao clube e a condição Ultra assumem como elementos primordiais e constitutivos da identidade da claque Super Dragões.

8. Orgulho em ser Tripeiro. A claque, o clube e a cidade

  • 15 Destacam-se, a título meramente ilustrativo, os cânticos que se seguem como sendo dos mais emble­má (...)

33Mas ser membro da claque Super Dragões não pressupõe apenas a grande identicação com a agremiação desportiva que esta apoia e a assunção em pleno das atitudes e comportamentos que conguram a condição aludida. A cidade do Porto é outro elemento fulcral. Um dos lemas da claque é, precisamente, o ORGULHO EM SER TRIPEIRO. Na sequência deste lema, os Super Dragões continuam a representar e a emblematizar a cidade do Porto nos mais diversos estádios. Algum vestuário usado pelos elementos da claque e que compõe a fachada pessoal destes, como por exemplo cachecóis e t-shirts, apresentam ima­gens evocativas da cidade do Porto. Esta é também apresentada frequentemente nas coreograas apresentadas nos estádios. Painéis representativos da linha do horizonte da zona ribeirinha da cidade e ainda representações do Rio Douro com os seus barcos rabelos são disso o melhor exemplo. Os cânticos entoados são também demonstrativos quanto à ligação da claque à cidade.15

  • 16 Esta relação é visível nos lugares da cidade que foram também lugares do clube, sendo este um dos a (...)

34Na verdade, são vários os signos de identicação entre o clube e a cidade. O mais evidente é o próprio nome do clube. Futebol Clube do Porto é uma referência explícita à cidade onde está sedeado. Outro signo bem demonstrativo da identicação com a cidade é o próprio emblema do clube. Até Outubro de 1922, o emblema do Futebol Clube do Porto « tratava-se, apenas, de uma bola de futebol, de cor azul e com a posição das iniciais ‘F.C.P.’«  (Magalhães e Dias 1995 : 37). Nesta data, Augusto Baptista Ferreira, artista grá co pro ssional e jogador do clube conhecido pelo nome de Simplício, sobrepôs ao emblema « as armas da cidade, rematadas por um Dragão e uma faixa onde se lê a palavra ‘Invicta’. » (Magalhães e Dias 1995 : 37) O actual emblema do clube « de ne, por si só, a íntima conexão e o profundo entrosamento da colectividade do burgo a que foi buscar o nome. » (Magalhães e Dias, 1995 : 37).16 Por sua vez, o próprio texto do hino do clube reporta-se também à relação do Futebol Clube do Porto com a cidade referindo : « Ó meu Porto onde a terna mocidade diz à gente o que é ser nobre e leal. Teu pendão leva o escudo da cidade que na História deu o nome a Portugal. »

35Esta identi cação com a cidade do Porto nestes dois aspectos está também presente no discurso de muitos elementos dos Super Dragões. Considera-se que existe « uma relação muito forte entre o clube e a cidade. » O primeiro é mesmo entendido como « um dos estandartes, dos expoentes máximos da cidade. », ou mesmo como o « símbolo da cidade. » Outro elemento considerou mesmo que « o próprio clube confunde-se muito com a cidade, mesmo ainda hoje com a dimensão que o clube tomou. » Um ex-dirigente dos Super Dragões defendeu mesmo que o Futebol Clube do Porto « não é mais um clube da cidade. Hoje em dia a cidade é que é do Futebol Clube do Porto ; ou seja ; o clube é que anda lá fora a dizer a cidade é aqui, quando deveria ser o contrário. »

36A importância do clube enquanto representante da cidade é bem destacada por Toro quando arma :

  • 17 Fica assim patente que o futebol, através da adesão e apoio às mais diversas equipas, constituí um (...)

El hincha se siente orgulloso de pertenecer a una tribu local o nacio­nal que tiene en el equipo a su emblema activo y viajero, en misión diplo­mática y de conquista. En ese sentido se trata de un ente político que delega en el equipo se representatividad y su honor. El equipo encarna a la comunidad de individuos – un barrio ; un pueblo, una ciudad, un país – a la que proporciona o resta prestigio con sus victorias o sus derrotas. Esa aliación lo conduce a manifestarse en plural, sintiéndose participe indivisible de las consecuencias de lo ocurrido en el terreno. (Toro 1996 : 108)17

37Esta simbiose entre o clube e a cidade está de facto muito presente dos diversos discursos dos elementos da claque e tal é muito importante para a cla­que como colectivo e para os seus membros em particular, pois estes inserem-se de forma muito particular no contexto urbano e social da cidade do Porto. A proveniência residencial dos elementos que compõem os Super Dragões permite constatar a pertinência dos chamados núcleos. Estes são subgrupos da claque que não deixam de reectir a presença de grupos de vizinhança adstritos a deter­minadas áreas residenciais da cidade do Porto. Os membros destes núcleos esta­belecem, por isso, relações interpessoais fora do contexto futebolístico. Surgem por isso, nos diversos estádios, faixas que marcam a presença de núcleos. Os núcleos são portanto projecções de diversos territórios urbanos, o que denota que a claque se insere no tecido socio-urbano, constituindo-se, por isso, e na perspec­tiva de Bromberger, como um esquema simbólico da cidade (1995, p. 12).

38Sendo, pois, muitos os membros do grupo que residem na cidade do Porto, não seria até muito surpreendente o valor que esta assume para os mes-mos. Todavia, é assinalável a intensidade que emerge dos discursos dos ele­mentos dos Super Dragões acerca do amor exacerbado que nutrem pela sua cidade. Atente-se nas seguintes declarações de alguns membros da claque Super Dragões : « Eu amo a cidade do Porto. Cada vez que entro na cidade continuo emocionado. » « Acima de tudo amo o Porto e a cidade. Eu, para mim, amar o Porto/Clube e o Porto/Cidade... Amo as duas coisas. Não posso dizer que sinto o mesmo por Portugal porque não sinto. » Outro membro da claque a rmou-se « tripeiro e não português. Gosto mais do Porto/cidade do que de Portugal. »

39Um deles armou mesmo : « Era capaz de morrer por esta cidade. » Por sua vez, são vários os elementos da claque que confessaram a sua diculdade em expres­sar-se verbalmente sobre a cidade. « São daqueles sentimentos que são difíceis de se exprimirem. Só sentindo. », referiu um deles.

9. A depreciação do principal adversário

40Se o apoio exacerbado aos clubes e à cidade são elementos constitutivos da claque Super Dragões, também o forte antagonismo ao Sport Lisboa e Ben ca e à cidade de Lisboa não deixam de ser também outro desses elemen­tos. No futebol e pelo futebol veiculam-se fortes identicações com orgulhos bairristas, bem como a hostilidade e desprezo pelo “outro” que é adversário (Murphy, Williams e Dunning 1994 : 15). E a outra equipa, como referiu Toro, « é depreciável só porque é o “outro”. » (1996 : 109) Torna-se assim evidente a dimensão relacional da identidade e a importância da diferença para a cons­trução desta (Woodward 2000 : 9). Estamos perante « uma dicotomia Nós-Eles e a marcação dessa diferença é crucial no processo de construção das posições de identidade. » (Woodward 2000 : 9). Tal diferença é armada e construída historicamente, socialmente e simbolicamente, tendo por base representações e experiências, recorrendo-se a processos discursivos (Woodward 2000 : 9-12, 17 e Silva 2000 : 92)

  • 18 Na claque Super Dragões foram mesmo distribuídas fotocópias do mapa de Portugal relativo ao período (...)

41No que diz respeito à claque Super Dragões, é o rival Benca que assume a condição de Outro relativamente ao qual há que estabelecer a diferença e que, por isso, deve ser depreciado e desqualicado. A hostilidade e desvalori­zação deste clube de Lisboa é promovida pela claque e seus membros das mais diversas formas. Tal reecte-se claramente nos epítetos empregues pelos Super Dragões quando se referem ao Benca e aos seus adeptos. Estes são geralmente conhecidos por Lampiões, termo que advém do nome do antigo estádio da Luz, ao qual cou associado o termo Lampiões. Mas para a generalidade dos mem­bros da claque e adeptos do Futebol Clube do Porto os ben quistas continuam sobretudo a ser conhecidos por Mouros. Procura-se legitimar o recurso a este termo com a própria História do país, argumentando que a cidade de Lisboa, onde está sedeado o clube rival, foi conquistada aos Mouros durante o período de expansão e conquista do território nacional, quando a cidade do Porto era já território nacional, de onde nasceu o nome Portugal.18 Mas este termo não se conna, porém, aos adeptos benquistas. O mesmo é ainda empregue para designar a generalidade dos habitantes de Lisboa e mesmo do sul do país. Para os elementos dos Super Dragões, tal como para a generalidade dos adeptos portistas, a rivalidade deverá, portanto, ser alargada à cidade de Lisboa. São por isso várias as expressões pejorativas empregues relativamente à capital do país. Esta é também conhecida pelos membros da claque como Mourolândia, Lampiolândia, Aldeola ou mesmo Marrocos.

  • 19 As representações sociais podem ser entendidas como um processo de elaboração mental e perceptiva d (...)
  • 20 Para um melhor conhecimento de alguns factos e imagens importantes da história do clube que con­cor (...)

42Para além deste elemento, para a já aludida construção histórica desta riva­lidade concorre ainda a história do futebol português, uma vez que foi o Sport Lisboa e Benca o adversário desportivo que, ao longo da mesma, mais obstou às vitórias do Futebol Clube do Porto. Mas para os membros da claque Super Dragões tal deveu-se, não só às arbitragens que, jogo após jogo, prejudicavam o Futebol Clube do Porto e beneciavam o Benca, mas também a um claro proteccionismo a este clube lisboeta por parte das instituições responsáveis pela gestão do futebol em Portugal ao longo dos anos. Esta representação19 da his­tória do futebol português tem sido construída ao longo dos anos por factos, imagens e impressões geralmente consensuais entre os adeptos do Futebol Clube do Porto,20 congurando-se assim uma memória colectiva do clube expressa em narrativas que exaltam o mérito e coragem de um clube que sempre enfrentou as arbitrariedades e manigâncias dos clubes de Lisboa e das entidades detentoras do poder no futebol português durante a vigência da ditadura do Estado Novo. Tal como demonstrou King (2001), a memória colectiva não deixa de marcar a sua presença na actualidade, inuenciando os valores e a conduta dos adeptos, bem como a visão que estes têm dos seus principais adversários.

43Tal se veri ca também na claque Super Dragões. Muitos são os seus mem­bros que evocam esta memória colectiva para a legitimação da grande rivalidade para com o Sport Lisboa e Ben ca e a cidade de Lisboa. É possível apresentar alguns discursos que denotam isso mesmo. Um dos elementos da claque subli­nhou que o Futebol Clube do Porto sempre teve que lutar “contra o resto do país, contra forças inimigas.” Outro ainda lembra que « pelo que se foi dizendo pelas gerações mais antigas, sempre passou essa ideia de que o clube realmente era espezinhado e posto à parte. » O irmão de um dos dirigentes da claque per­lhou também a representação de que os portistas « andaram anos abafados. Não se passava nada. Constantemente roubados. » Outro elemento da claque portista, que confessou até ter « conotações políticas com o Salazar », não dei­xou de proferir a seguinte opinião :

É muito esquisito uma equipa como a do Porto que agora ganha frequente­mente, não ganhar nada durante 19 anos. Sabendo nós que vivemos um período

44de Estado Novo, de Salazarismo, que depois deixamos de viver, obviamente a partir da Revolução de 74, a partir daí… Pode ser coincidência mas não acredito muito em coincidências. A partir da década de 60 o Benca acabou. Na década de 70 ainda foi campeão algumas vezes. Foi o culminar. Setenta o que é que acon­teceu ? A Revolução. O Salazar foi-se embora. Era benquista. Os outros clubes já podiam ganhar à vontade.

  • 21 Esta consideração de Bromberger surge como resultado das pesquisas por ele desenvolvidas na claque (...)

45Perante um discurso deste teor, que se assemelha a outros registados por Bronberger na sua investigação e que este autor considerou serem de retórica de vitimação, a claque Super Dragões tem como valor fundamental a a rma­ção simbólica da sua força, poder e superioridade, em apoio de um clube e de uma cidade injustamente desprezada (Bromberger, 1995 : 134, 169).21 À seme­lhança de outros membros de claques de importantes clubes europeus, os Super Dragões assumem, por vezes, um discurso claramente regionalista, anti-centra­lista e anti-capital do país.

46Com efeito, para a rivalidade entre os dois clubes e a dicotomia/oposição a ela inerente não concorrem apenas os anos de competição mais recentes. Ela é também produto de experiências passadas, construções históricas, represen­tações sociais e simbólicas que inuenciam discursos e práticas presentes da claque Super Dragões e seus membros e estruturam também a identidade desta claque.

47Importa ainda realçar que dos jogos de futebol resultam vitórias e derro­tas que não deixam de estabelecer uma hierarquia – geralmente expressa em classicações – que tem grande signicado para os adeptos dos vários clubes. Fundamental será considerar também a conjugação destes dois aspectos. A per­tinência da mesma para a compreensão da importância e signicado que os adeptos atribuem ao resultados dos seus clubes é assim salientada por Selosse :

O jogo origina uma situação conituosa de domínio/submissão exposta aos olhos da multidão. Ora, toda a competição pública inscreve-se num contexto social, local e histórico, mas também ético e político. Este contexto gera um clima particular, tanto mais sensível quanto as equipas adversárias ambicionam um resultado que uma delas não pode alcançar. Esta supremacia procurada na vitória torna os dois adversários mais presentes aos olhos dos espectadores e solicita as suas características de identidade, na medida em que o resultado condiciona as classicações e a hierarquia dos clubes, o que reforça a polarização das escolhas dos espectadores (1989 : 6)

48Neste binómio nós/eles, compreende-se assim que os adeptos associem às vitórias e derrotas dos clubes as unidades locais em que estes se inserem. As conquistas do Futebol Clube do Porto reforçam o prestígio da cidade do Porto. Ao invés, as derrotas dos adversários de Lisboa legitimam a sua desquali cação e a depreciação da cidade.

10. Considerações finais

49Face ao exposto é possível considerar que pertencer à claque Super Dragões tem um signicado social que está muito para além de alguns actos de violência e delinquência em que alguns dos seus membros se envolvem e da conotação estigmatizante com os mesmos. Pertencer a esta claque de apoio ao Futebol Clube do Porto é a resposta que muitos jovens do sexo masculino que se enqua­dram na classe trabalhadora encontram para manifestar não só o seu clubismo e o seu amor exacerbado e incondicional ao clube, mas também para o apoiar de forma mais activa, militante e intensa. O amor exacerbado e o apoio incon­dicional ao clube são, portanto, os principais elementos constitutivos da iden­tidade da claque Super Dragões. Tal apoio, consequência do forte sentimento aludido, é mesmo a função manifesta deste grupo e a sua razão de ser.

50Importa, porém, destacar que este apoio decorre dentro de um quadro estruturado pelo denominado Movimento Ultra. Os princípios e os valores deste estruturam também a identidade da claque Super Dragões. Certo é que este movi­mento não confere outro traço distintivo à claque que não seja uma forma muito diferente de apoiar o clube quando comparada com a generalidade dos adeptos do Futebol Clube do Porto. A apresentação de coreograas, o recurso a grandes bandeiras e estandartes e o recurso a cânticos para apoiar o clube são desempe­nhos gerais a todas as claques e, portanto, não são exclusivos dos Super Dragões. Todavia, esta claque não deixa de os particularizar com os seus próprios signos, adaptando, por exemplo, todo o material, bem como os cânticos que entoam, às mensagens que pretende transmitir. Confere-se, assim, a um estilo de desem­penho padronizado alguma peculiaridade e particularismo. Mas há sobretudo que destacar a condição Ultra e a militância a ela inerente no apoio constante e incondicional ao clube e o que ela implica como outro elemento profundamente estruturante da identidade dos Super Dragões. Tal condição solicita também aos membros desta claque o respeito de valores como a solidariedade e entreajuda, até para enfrentar ameaças externas, assim como uma participação activa nas diversas actividades do grupo. Assim se promovem também sociabilidades, ami­zades e até relações de namoro e casamentos entre os membros do grupo.

51A emblematização e exaltação da cidade do Porto, em associação ao clube é outro valor fundamental para o grupo que se assume também como um ele­mento primordial e constitutivo da sua identidade. De todos eles, é certamente o traço mais peculiar da claque Super Dragões e distintivo em relação a outras claques do país. Nele se revê a generalidade dos elementos do grupo, não apenas por este ser muito promovido pela claque, mas sobretudo pela forte identi ca­ção e afectividade que muitos membros da claque têm para com a cidade do Porto – algo muito patente nos seus discursos e práticas – em consequência do facto de habitarem nesta.

52A exaltação da cidade do Porto é acompanhada por um discurso deprecia­tivo e de desquali cação do Sport Lisboa e Ben ca e seus adeptos, bem como da cidade onde esta agremiação está sedeada. Emerge assim outro elemento fundamental para a identidade da claque Super Dragões. Com efeito, o clube, os adeptos e os lisboetas são classicados de forma muito pejorativa por parte da generalidade dos membros da claque Super Dragões. É indiscutível que os discursos de desquali cação do clube mencionado e da capital do país são con­sequência de uma forte rivalidade competitiva, não apenas presente, mas tam­bém passada. Presente em consequência da forte competição futebolística entre o Sport Lisboa e Benca e o Futebol Clube do Porto, mas também de uma percepção de desigualdade de tratamento da cidade do Porto em relação à capi­tal do país. Desta percepção emerge um discurso de vitimação relativamente à cidade de Lisboa muito presente nos membros da claque, complementado pela claque Super Dragões através de discursos de elogio e exaltação à cidade do Porto e ao carácter superior do seu povo. Rivalidades passadas concorrem para a reprodução de memórias e uma representação de um passado de agravos e prejuízos sofridos pelo Futebol Clube do Porto, sendo ambas entendidas pelos membros da claque como uma legitimação para a desqualicação e crítica do Sport Lisboa e Benca e à cidade de Lisboa como elemento constituinte dos Super Dragões.

53Os elementos constituintes da identidade da claque Super Dragões aludi­dos promovem e reforçam assim a integração e coesão de muitos membros do grupo. Estes, assumindo a condição Ultra, encontram na claque a oportunidade de incentivar de forma intensa e efusiva o Futebol Clube do Porto, ajudando assim o clube a conquistar vitórias. Reivindicam, por isso, o seu contributo, participação e importância nas mesmas. Pretendem sentir que tais vitórias tam­bém são também deles e que tiveram mérito nas mesmas. As vitórias do Futebol Clube do Porto acabam assim por constituir sucessos e triunfos pessoais para muitos elementos da claque que se encontram privados dos mesmos nesta fase da sua vida pessoal. Um grafti inscrito por membros do núcleo da Trofa da claque Super Dragões num dos abrigos da estação de caminhos-de-ferro daquela loca­lidade evoca este último aspecto ao evidenciar a seguinte mensagem : “Mágico Porto, vence por nós.”

Topo da página

Bibliografia

ANON., (1996), “Mais vale só que mal acompanhado.”, Ultrà, n.º 6, p. 5.

ANUNCIAÇÃO, Paulo (1997), “Até que a morte nos separe.”, Vida, O Independente, 17 de Janeiro : 12-18.

BARBOSA, Alfredo (1998), Pedroto o mestre, Porto, s.e..

BROMBERGER, Christian (1995), Le Match de Fottball. Ethnologie d’une passion partisane à Marseille, Naples et Turin, Paris : Editions de la Maison des Sciences de L’Homme.

CABRAL, Manuel Villaverde e PAIS, José Machado (coord.) (1998), Jovens Portugueses de Hoje, Oeiras : Celta Editora.

CÂNCIO, Miguel (1990), Sociología da violencia en el futbol, Santiago de Compostela, Cuadernos de Ciências Sociales Artísticas y de la Naturaleza.

COHEN, S. (1972), Folk Devils and Moral Panincs, Oxford : Basil Blackweel.

CORDIER, Ariel (1999), “Representations sociales”, in A. Akoun e P. Ansart (orgs) Dictionaire de Sociologie, s.l. ; Robert e Seuil.

CRUZ, Manuel Braga et al. (1984), « A condição social da juventude portuguesa », in Análise Social, vol. XX (81-82), 2º, 3º : 285-308, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

DIAS, Manuel (2001), O futebol no Porto, Porto, Campo das Letras.

DUNNING, Eric (1992), “O desporto como área masculina reservada : notas sobre os fundamentos sociais na identidade masculina e as suas transformações”, in N. Elias (1992), A busca da excitação, Lisboa : Difel : 389-412.

DUNNING, Eric, MURPHY, Patrick e WILLIAMS, John (1992), The Roots of Football Hooliganism. An Historical and Sociological Study, Londres e Nova Iorque : Routledge.

FERREIRA, Vítor Sérgio (2006), A condição juvenil portuguesa na viragem do milénio. Um retrato longitudinal através de fontes estatísticas o ciais : 1990-2005, Instituto Português da Juventude. [em linha]. Disponível em http://sejd.gov.pt./iniciativas/a_condição_juvenil_ portuguesa.pdf, [Consultado em 13/05/2007.

FIEL, Jorge (1993), “Dragões, Lampiões e Ruões.”, Expresso Revista, 23 de Janeiro, pp. 6-11.

GIDDENS, Anthony (2004) [2001], Sociologia, 4ª ed., Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian.

GOFFMAN, Erving (1993), A apresentação do eu na vida de todos os dias, Lisboa : Relógio d’Água.

GUEDES, Rui (1987), Fotobiograa do Futebol Clube do Porto, Lisboa : Publicações D. Quixote.

HALL, Stuart (1978), “The Treatment of ‘Football Hooliganism’ in the Press”, in R. Ingham (org), Football Hooliganism : The Wider Context : 15-36, Londres, Inter-Action Inprint.

KING, Anthony (2001), “Violent pasts : collective memory and football hooliganism.”, The Sociological Review, vol. 49, 4 (November) : 568-585.

LAGO, Alessandro dal e BIASI, Rocco (1994), “Italian Football Fans. Culture and organization” in Giulianotti, Richard, Bonney, Norman e Hepworth, Mike, Football, Violence and Social Identity : 73-89, Londres, Routledge.

MAGALHÃES, Álvaro e DIAS, Manuel (1995), F.C. Porto. 100 anos de História. 1893-1993, Porto, Edições Asa.

MARCHI Valério (2001), « Contestazione generale : gli anni Sessanta », in Ultra. La sottoculture giovanili negli stadi d’Europa, ed. Eurispes, [em linha]. Disponível em http://www.mix.it/euris­pes/EURISPES/201/4par3.htm [Consultado em 15/04/2001].

MARIVOET, Salomé (1992), “A violência nos espectáculos de futebol.”, in Sociologia. Problemas e práticas, 12 : 137-153.

MARQUES, Margarida, MANUEL, Fátima e MAIA, Paula (1988), O envolvimento juvenil nas claques de futebol. O caso Juve Leo, Lisboa, Ministério da Educação – Direcção geral dos Desportos.

MIGNON, Patrick (1998), La passion du football, Paris : Editions Odile Jacob.

MURPHY, Patrick, WILLIAMS, John e DUNNING, Eric (1994), O futebol no banco dos réus, Oeiras : Celta Editora.

NUNES, João Sedas (1998), « Pers sociais juvenis », in M. V. Cabral e J. M. Pais (coords), Jovens Portugueses de Hoje : 1-51, Oeiras : Celta Editora.

NUNO, M. e Paulo (1995), “O exemplo dado pelas claques.”, Ultrà, 2 : 5.

PEREIRA, Luís Miguel (2002), Dicionário do Futebol. Manual do Adepto, Lisboa : Booktree.

PODALIRI, Carlo e BALESTRI, Carlo (1998), “The Ultràs, Racism and Football Culture in Italy”, in A. Brown Fanatics, Power Identity and Fandom in Football : 88-100, ed. Brown, Londres e Nova Iorque : Routledge.

QUEIROZ, João (2009), O caso Calabote, Lisboa, Quidnovi.

REVILLA, Tereza Adan (1996), Ultras e Skinheads : La juventud visible. Imágenes, estilos y confl i­tos de las subculturas juveniles en España, Oviedo : Ediciones Nobel.

ROVERSI, Antonio (1992), Calcio, Tifo e Violenza. Il teppismo calcistico in Itália, Bologna : Società Editrice Il Mulino.

ROVERSI, António (1994), « The birth of the <ultras> : the rise of football hooliganism in Italy, in Giulianotti, Richard e Williams, John, Game without frontiers. Football Identity and Modernity, Vermont, Ashgate Publishing Company.

ROVERSI, António e Balestri, Carlo (2002), « Italian ultras today : change or decline ? », in E. Dunning et al. (orgs), Fighting Fans, Football Hooliganism as a World Phenomenon : 131-142, Dublin : University College Dublin Press.

SEABRA, Daniel (1999), Mágico Porto, vence por nós. Um estudo antropológico de uma claque de futebol, Dissertação de Mestrado (policopiada), Universidade do Minho.

SELOSSE, Jacques (1988), A violência dos espectadores nos estádios. Processo, estrutura e efeitos de contágio, Lisboa : Ministério da Educação – Direcção Geral dos Desportos.

SILVA, Tomaz Tadeu (2000), « A produção social da identidade e da diferença. », in T. T. Silva (org), Identidade e Diferença, Petrópolis : Editora Vozes.

TAYLOR, Ian, (1982a), “Class, violence and Sport. The case of Soccer Hooliganism in Britain.” in Cantalon, Hart e Gruneau, Richard (eds), Sport, Culture and Modern State : 39-96, Toronto : University of Toronto Press.

TAYLOR, Ian (1982b), “On the sports violence question : soccer hooliganism revisited.”, in J. Hargreaves (org), Sport, Culture and Ideology : 152-196, London : Routledge & Kegan Paul.

TELES, Rodrigues (1933), História do Foot-Ball Club do Porto. 1906-1933, Porto : O Porto Desportivo.

TORO, Carlos (1996), Caldera de pasiones, Madrid : Ediciones Temas de Hoy.

WOODWARD, Kathryn [2002 (1997)], « Concepts of identity and difference », in K. Woodward, (org), Identity and Difference : 7-50, London : Sage Publications.

Topo da página

Notas

1 Na sequência desta foi elaborada legislação com o intuito de fazer face ao problema. A nível nacional, poderá destacar-se a Lei nº 38/98 de 4 de Agosto, com o artigo 6º da mesma a dirigir-se especifi camente aos grupos organizados de adeptos, sendo as claques consideradas como tal. Esta lei foi posteriormente revogada pelo legislador e substituída pela Lei n.º 16/2004, datada de 11 de Maio. O artigo 18º desta lei reportava-se também aos grupos organizados de adeptos. Actualmente, vigora a Lei n.º 39/2009, de 30 de Julho. Esta lei contempla os grupos organizados de adeptos nos seus artigos 15º e 16º.

2 Sobre o sensacionalismo das notícias publicadas sobre o Hooliganismo e respectivos efeitos perversos que as mesmas geraram no contexto inglês consultar os trabalhos de Hall (1978: 15-36), de Cohen (1972), de Murphy, Dunning e Williams (1988: 645-673 e 1994: 114-119), de Dunning, Murphy e Williams, (1992: 8-12, 151-156) e ainda de Taylor (1982a e 1982b).

3 Sendo esta aqui entendida com base numa denição simples proposta por Giddens e segundo a qual a identidade é denida como sendo as «características distintivas do carácter de uma pessoa ou o carácter de um grupo que se relaciona com o que eles são e com o que tem sentido para eles (Giddens, 2002: 694).

4 Na verdade, já na época se organizavam viagens aos estádios dos clubes adversários no sentido de apoiar a equipa visitante, sendo tal prática mesmo estimulada por Herrera, treinador do Inter de Milão (March 2001). Reconhece-se, porém, que estes não eram ainda os grupos Ultra que posteriormente surgiram (Podaliri e Balestri 1998: 89).

5 Para o surgimento do Movimento Ultra importa também considerar a in uência que os jovens italianos receberam por parte dos Hooligans ingleses. Esta surgiu pela leitura da imprensa e consequente conheci­mento dos actos perpetrados pelos Hooligans, mas também pela presença destes em Itália aquando dos jogos internacionais e contra os quais tinham, por vezes, que se bater para defender os seus territórios das invasões dos ingleses (Podaliri e Balestri 1998: 88, Roversi e Balestri 2002: 134, Roversi 1994: 368 e Roversi 1992: 41)

6 O termo Ultra é abrangente. Provém do contexto político (foi empregue para designar, em tempos passados, os apoiantes dos reis franceses e, no século XX os grupos de extrema esquerda no período pós Maio de 68) e denota precisamente uma militância extrema (Podaliri e Balestri, 1998: 88). Ser Ultra implica, como ainda se exporá no presente texto, um apoio entusiasta ao clube (Lago e Biasi 1994: 80, Seabra 1999: 122-131).

7 A anuência das direcções dos clubes a tais solicitações foi facilitada pela presença nas claques de fami­liares de alguns dirigentes dos próprios clubes. Destacam-se os exemplos das claques Juventude Leonina e Dragões Azuis. A primeira teve como fundadores os próprios filhos do Presidente do clube e a segunda teve também como um dos seus mais notáveis membros Alexandre Pinto da Costa, fi lho do Presidente do Futebol Clube do Porto (Anunciação 1997:14 e Fiel 1993:11).

8 Para um registo do surgimento das claques portuguesas ao longo da década de 80, consultar Marivoet (1992:146).

9 Texto intitulado “Os Ultras somos nós”, publicado na fanzine Super Dragões nº 7: 4.

10 Goffman considerou que o quadro pode ser constituído pelo «mobiliário, a decoração, a disposição física e outros aspectos do pano de fundo, que constituirão o cenário e os alicerces do palco para o desen­rolar da acção humana que será representada diante, dentro ou acima dele.» (1993: 34) O quadro engloba «os elementos cénicos do equipamento expressivo.» (Goffman 1993: 36)

11 A fachada pessoal é denida por este mesmo autor para designar «os aspectos que identicamos mais de perto com o próprio actor e que naturalmente esperamos que o acompanhem onde quer que ele se encon­tre. Como partes da fachada pessoal podemos incluir: os distintivos que indicam a profissão ou a categoria profissional; o estuário; o sexo; e idade e as características raciais; as dimensões físicas e a apresentação; a atitude; a maneira de falar; as expressões faciais; os movimentos do corpo, etc. (Goffman 1993: 36)

12 Este foi o universo estimado a partir do qual foi elaborada uma amostra por quotas conducente à admi­nistração de 130 inquéritos por questionário.

13 Cabral e Pais 1998: xi, Ferreira 2006: 14-15, Cruz et al. 1984: 289 e Nunes 1998: 2.

14 Por mais paradoxal que possa parecer, estes sacrifícios conferem alguma satisfação e prazer aos indiví­duos, uma vez que são motivo de orgulho e prova de dedicação ao clube e à claque, aumentando o status dentro do grupo. As palavras de Toro destacam de forma brilhante a ambiguidade e o grande signifi cado que encerram estes sacrifícios: «El hincha ha venido ao mundo para sufrir. Sólo la identificación en el sufrimiento convierte al simples aficionado y lo hace apto para delegar en la fe y no en la razón todas las potencias del alma. El placer es un estado transitorio y artificial que proporciona nuevas fuerzas para soportar las aflicciones venideras que volverán a poner a prueba el amor a los colores. El dolor surge a causa del contraste com el placer. El hincha basa su fidelidad en la aceptación de esse sufrimiento como un hecho inevitable y hasta natural. (...) No es una piedra inanimada, sino estoica. Conoce el dolor pero lo soporta. La dureza no es más que el fruto de la persistencia y nunca de la insensibilidad. El hincha persigue un ideal de victoria a través del masoquismo, el mismo que lo lleva al estadio un dia lluvioso y frio a pesar de que el partido lo “echan por la tele” (1996: 107).

15 Destacam-se, a título meramente ilustrativo, os cânticos que se seguem como sendo dos mais emble­máticos: 1. Somos nós. Somos nós. O orgulho da Invicta somos nós. Somos nós. Somos nós. A Invicta somos nós. 2. Quem bate palmas é tripeiro. É tripeiro. É tripeiro. Quem bate palmas é tripeiro. É tripeiro. É tripeiro.

16 Esta relação é visível nos lugares da cidade que foram também lugares do clube, sendo este um dos aspectos demonstrativos da grande ligação da História do clube à sua cidade. A sede do clube esteve situada em diversas ruas do Porto. Foram vários campos e estádios de futebol da cidade em que a equipa do Futebol Clube do Porto jogou. Exemplo disso são o Oporto Cricket Club and Lawn Tennis situado no Campo Alegre, o Campo da Rainha (zona da actual Rua Antero de Quental), o Campo da Constituição, o Estádio do Lima e ainda o Campo Soares dos Reis, o Campo do Covelo e o Estádio do Amial. Foram tam­bém vários os lugares do Porto onde jogadores do clube competiram nas mais diversas modalidades des­portivas. Ilustrativo disso mesmo é o registo de um festival desportivo realizado num hipódromo situado na Rua Oliveira Monteiro, a prática de natação em piscinas na zona do Carvalhido, o Water Polo jogado no Rio Douro e ainda Pugilismo na Avenida dos Aliados (Guedes 1987: 26, 54, 83-85, 138; Magalhães e Dias 1995: 8, 12-15, 51 e ainda Teles 1933: 13, 66-67).

17 Fica assim patente que o futebol, através da adesão e apoio às mais diversas equipas, constituí um importante veículo de identi cações colectivas de cariz local, regional ou mesmo nacional (Mignon 1998: 27, 50 e Bromberger 1995: 24).

18 Na claque Super Dragões foram mesmo distribuídas fotocópias do mapa de Portugal relativo ao período de expansão do território nacional para sul. Os mesmos destacavam uma linha a norte da cidade de Lisboa que dividia os portugueses dos Mouros.

19 As representações sociais podem ser entendidas como um processo de elaboração mental e perceptiva da realidade, transformando pessoas, contextos e situações em categorias simbólicas – valores, crenças, ideologias – conferindo-lhes um estatuto cognitivo que as integra na vida quotidiana (Fisher, in Cordier, 1999, p. 450).

20 Para um melhor conhecimento de alguns factos e imagens importantes da história do clube que con­correram para a sua memória colectiva e para a construção de uma representação depreciativa do Sport Lisboa e Ben ca e da cidade de Lisboa consultar Barbosa (1998: 59-60, 70; Dias, 2001: 102-103, 105; Magalhães e Dias 1995: 34-35, 99-100, 122, 142 e Teles 1933: 77 ou ainda Queirós 2009).

21 Esta consideração de Bromberger surge como resultado das pesquisas por ele desenvolvidas na claque do Marselha e do Nápoles. Os adeptos destes clubes proferem discursos de vitimização idênticos aos regis­tados na claque Super Dragões. Consideram também que os seus clubes são prejudicados, bem como as respectivas cidades, em relação aos clubes da capital do respectivo país (Bromberger 1995).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Daniel Seabra, « Elementos constitutivos da identidade da claque Super Dragões  », Configurações, 5/6 | 2009, 301-321.

Referência eletrónica

Daniel Seabra, « Elementos constitutivos da identidade da claque Super Dragões  », Configurações [Online], 5/6 | 2009, posto online no dia 15 fevereiro 2012, consultado o 20 julho 2018. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/1025 ; DOI : 10.4000/configuracoes.1025

Topo da página

Autor

Daniel Seabra

Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa
das@ufp.edu.pt

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página