Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros30Texto Introdutório ao número temá...

Texto Introdutório ao número temático “Conflito, Negociação e Mediação”

PEDRO CUNHA e ANA PAULA MONTEIRO
p. 7-10

Texto integral

1Neste número da Revista Configurações procuramos dar visibilidade à área da Gestão de Conflitos, Negociação e Mediação, entendida numa perspetiva psicossocial, enquanto campo analítico em que emergem diferentes propostas e perspetivas sobre a importância e o impacto desses processos psicossociais na atualidade.

2De facto, o conflito é um fenómeno transversal a todas as dimensões da vida humana. Preocupações com a guerra e a paz estão, assim, na obra de psicólogos/as e sociólogos/as desde o início das suas ciências. Entendido paradoxalmente quer como acionador de desenvolvimento pessoal e societal (e.g., promove mudanças sociais, estimula novos pensamentos, ajuda a formar o sentido de identidade pessoal e social), quer como propulsor do rompimento das relações interpessoais a todos os níveis (e.g., horrores da guerra, violência entre países, inimizades em famílias), o conceito de conflito tem vindo a ser cada vez mais abrangente e considerado estruturante no sentido de incluir toda a diversidade de processos que integra o ser humano (sentir, pensar e agir).

3As noções teóricas sobre o conflito e as perspetivas de análise do mesmo evoluíram progressivamente de um conceito circunscrito a meras ações adversas com base na inevitável perceção de escassez de recursos para abordagens mais integradoras, da Psicologia, da Sociologia e de outras Ciências Sociais, que incluem, além da análise de estados psicológicos antagónicos dos/as protagonistas, os processos comportamentais, cognitivos e emocionais que ocorrem, simultaneamente, em situações conflituais. O facto de existir algum consenso sobre os conflitos funcionarem assentes numa escalada irracional tem alavancado, científica e tecnicamente, grandes avanços no sentido de o foco não estar apenas na sua resolução, mas também na sua gestão construtiva aos mais diferentes níveis da realidade (e. g., família, escola, organizações, política e saúde, entre outras).

4Nesse sentido, os artigos que integram o presente número temático tratam de questões relacionadas com conflitos em diversos contextos e seus impactos, diferentes metodologias de gestão construtiva e colaborativa de conflitos, importância da negociação como pilar essencial das democracias, utilidade da mediação em diferentes âmbitos de aplicação como mecanismos de construção de uma cultura de paz e justiça social.

5Assim, o primeiro artigo, intitulado “Fratria: Afetos e estratégias de resolução de conflitos numa amostra de adolescentes”, de Ana Maria Ferreira de Sousa, Otília Monteiro Fernandes e Inês Carvalho Relva, dedica-se ao papel que as táticas de resolução de conflitos têm no relacionamento entre irmãos e nos afetos, desencadeando processos positivos e de aprendizagem ou levando a situações negativas e agressivas. O estudo desenvolvido analisou a relação entre os afetos e o relacionamento fraterno numa amostra de 210 adolescentes, à qual foram aplicados um questionário sociobiográfico, Positive and Negative Affect Schedule, Revised Conflict Tactics Scales–Sibling, e o Questionário do irmão ou irmã. Os resultados indicaram diferentes táticas de resolução de conflitos em função do sexo e do número de irmãos, tendo-se ainda verificado que a qualidade da relação fraterna e a empatia prediziam o afeto positivo. São apresentadas sugestões de intervenção.

6O segundo artigo, “Violência contra profissionais de saúde: Dos discursos às práticas”, da autoria de Carla Barros, Ana Sani e Rute F. Meneses, apresenta uma revisão teórica sobre o tema da violência contra profissionais de saúde. Destacam as autoras que a análise das várias dimensões associadas a situações de conflito e violência reforça a necessidade de avaliação de fatores de risco como medida preventiva, assim como dos seus efeitos na saúde e no bem-estar destes profissionais. Considerando estes aspetos, o artigo refere que a avaliação das causas e consequências relacionadas com a exposição a comportamentos violentos possibilita às organizações de saúde delinear estratégias que reduzam situações de conflito potenciadoras de violência.

7Denominado “Eficácia negocial e competências interpessoais: um estudo com alunos do ensino secundário”, o terceiro artigo, da autoria de Paula Andrade, Ana Paula Monteiro, Pedro Cunha e Elisete Correia, apresenta uma investigação que analisou a relação entre a eficácia negocial e as competências interpessoais e ainda o efeito de variáveis pessoais e escolares na eficácia negocial. Numa amostra de 400 alunos do ensino secundário foram aplicados um questionário de dados pessoais e escolares, o Questionário de Eficácia Negocial de Conflitos na Escola e o Questionário de Competências Interpessoais. Os resultados demonstraram associações positivas entre a eficácia negocial e as competências interpessoais, sendo os alunos mais velhos e com zero reprovações aqueles que apresentavam pontuações mais elevadas de eficácia negocial. O artigo refere implicações práticas e sugestões para estudos futuros.

8O quarto artigo, “Negociação da sucessão intergeracional nas ‘mãos da família’: Testemunhos de empresas familiares portuguesas e brasileiras”, de Ana Paula Marques e Leandro Alves da Silva, salienta que o processo de sucessão intergeracional constitui uma das etapas mais desafiadoras na vida de uma empresa familiar tanto na competitividade do negócio, como na superação de conflitos intra/interfamiliares. Atendendo ao escasso conhecimento sobre a influência familiar nos negócios, os autores tiveram como objetivo aumentar os resultados do projeto “Roadmap para Empresas Familiares Portuguesas”, tendo como referência empresas familiares portuguesas e brasileiras. A partir de um desenho de pesquisa qualitativo, foram estudadas as estratégias de negociação de (potenciais) conflitos no processo de sucessão e respetivas perceções de empresários/gestores.

9O quinto artigo, elaborado por Ana Maria Silva e Patrícia Guiomar, e intitulado “A mediação em Portugal: ensaio sobre a (des)construção de um percurso”, reflete e (des)constrói o percurso e a realidade da mediação em Portugal, com base numa revisão em torno das principais conceções teóricas que a caracterizam, dos diplomas legais que a regulamentam e dos resultados de um inquérito implementado junto de mediadores portugueses em 2021. Através da sua leitura conhecemos e compreendemos, de forma mais aprofundada, o percurso da mediação em Portugal e identificamos medidas essenciais para o seu reconhecimento e consolidação ao nível do conhecimento, da formação e da prática.

10Partindo da analogia entre maiêutica socrática e mediação, o sexto artigo,A maiêutica como técnica na mediação de conflitos”, de João Gouveia, pretende realçar as aproximações e distanciamentos entre ambas e apresenta uma proposta de aplicação da maiêutica como ferramenta da mediação de conflitos. O autor conclui que o método maiêutico, através da perscrutação dos pontos de vista das partes, poderá ser útil quer no processo reflexivo com vista ao entendimento, quer no reconhecimento de princípios da mediação, promovendo simultaneamente a autonomia das partes envolvidas num conflito.

11O sétimo artigo aborda a problemática da “Liderança carismática e mediação política para a paz. Alguns fatores biológicos, antropológicos e psicológicos do carisma e do populismo”, sendo seus autores Marina Prieto Afonso Lencastre, Pedro Cunha e Rodrigo de Sá-Nogueira Saraiva. O artigo parte da ideia de que a situação política atual parece conciliar-se com a existência de líderes carismáticos e populistas, que aparecem dando voz a várias dificuldades da sociedade. Nesse sentido, abordam-se o carisma e o populismo nas suas manifestações públicas e a sua relação com as personalidades psicopática e esquizotípica. Os autores defendem que a atualidade exige uma abordagem integrada destas realidades, não somente para evitar que voltem a associar-se a manifestações coletivas e afetivas extremas como no século XX, mas também porque a psicologia dos líderes carismáticos necessita dos conhecimentos da biologia evolutiva, da antropologia e da psicopatologia. Consideram os autores que apenas dessa forma é possível gerar formas eficazes de mediação política e de construção estável da paz.

12Uma nota final para a recensão da obra de Johan Galtung “Peace by peaceful means: Peace and conflict, development, and civilization”, elaborada por Elisabete Pinto da Costa. Nessa reconhecida obra, Galtung aponta a paz – que é mais do que a ausência de guerra – como um processo dinâmico que deve imbuir a estrutura e a cultura através de desenvolvimento e de civilização. O otimismo, se não mesmo a utopia, dos pressupostos apresentadas na obra é equilibrado pelo realismo e pragmatismo associados à imperfeição dos seres humanos. Salientando também a criatividade, o autor preconiza que a paz é a finalidade de uma teoria ampla e profunda, apresentando-se extraordinariamente vantajosa para a civilização humana. A leitura da obra possibilita compreender melhor o complexo processo de construção da paz no mundo, mediante o ultrapassar da síndrome triangular da violência (internalizada durante séculos no subconsciente coletivo) para uma síndrome triangular da paz.

13Na qualidade de coordenadores deste número temático, agradecemos a todos os autores que contribuíram para a sua realização, esperando que, através dos conhecimentos, reflexões e dados empíricos patentes nos diferentes artigos, o mesmo possa contribuir para um conhecimento mais fundamentado para a gestão de conflitos e a construção da paz.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

PEDRO CUNHA e ANA PAULA MONTEIRO, «Texto Introdutório ao número temático “Conflito, Negociação e Mediação”»Configurações, 30 | -1, 7-10.

Referência eletrónica

PEDRO CUNHA e ANA PAULA MONTEIRO, «Texto Introdutório ao número temático “Conflito, Negociação e Mediação”»Configurações [Online], 30 | 2022, posto online no dia 04 maio 2023, consultado o 20 julho 2024. URL: http://journals.openedition.org/configuracoes/16604; DOI: https://doi.org/10.4000/configuracoes.16604

Topo da página

Autores

PEDRO CUNHA

Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa (UFP)

pcunha@ufp.edu.pt

ORCID ID: https://orcid.org/0000-0003-3219-4543

Artigos do mesmo autor

ANA PAULA MONTEIRO

Departamento de Educação e Psicologia da Escola de Ciências Humanas e Sociais, Universidade de Trás- os-Montes e Alto Douro (UTAD)

apmonteiro@utad.pt

ORCID ID: https://orcid.org/0000-0002-4082-1474

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search