Navegação – Mapa do site

Ana Paula Marques (2009), Trajetórias Quebradas: A vivência do desemprego de longa duração. Porto ProfEdições/ CICS-UM

Maria Zênia Tavares da Silva
p. 122-125

Texto integral

1A obra Trajetórias Quebradas: A vivência do desemprego de longa duração discute a vivência subjetiva de homens e mulheres em situação de desemprego de longa duração, a partir da realização de dois estudos de casos, um no Concelho de Espinho e outro em Guimarães, localizados no Norte de Portugal. O estudo teve como hipótese que “as sucessivas experiências de privação de emprego e a acumulação de rupturas de laços sociais permitem definir percursos profis­sionais vulneráveis ao desemprego e à exclusão social de certos grupos sociais face ao mercado de trabalho” (p. 15). Os principais resultados da investiga­ção são apresentados em duas partes no livro. A primeira aborda uma discus­são teórica, intitulada “Mercado de trabalho e a ´invenção` do desemprego”, e a segunda, “Trajectórias quebradas: A vivência do desemprego”, que versa sobre as narrativas obtidas em contexto de entrevistas biográficas. A relevância em investigar sobre a vivência subjetiva de homens e mulheres em situação de desemprego de longa duração justifica-se pela necessidade de identificar quem são os/as desempregados/as de longa duração, e “contribuir para combater alguns estereótipos associados de modo a sensibilizar as instâncias decisoras e o cidadão, em geral, para as dimensões de vulnerabilidade social, psicológica e identitária que atingem grupos sociais cada vez mais diversificados” (p. 13).

A forma de apresentação do livro facilita a leitura, tornando-a compreen­sível e dinâmica. Logo no início é definida a hipótese e os objetivos da inves­tigação, seguida de duas partes fundamentais, uma que trata dos aspectos teóricos e estatísticos do tema, e outra que aborda as questões metodológicas e resultados da pesquisa.

2Na Parte I do livro, a autora busca apresentar as principais contribuições referente ao mercado de trabalho e a “invenção” do desemprego, com destaque nas consequências sociais do desemprego. Chama atenção que uma proposta inovadora de conceito de desemprego só será possível ao investir em um enfo­que multidimensional do desemprego que permita “ultrapassar as abordagens insuficientes de pendor económico e, por outro, equacionar as relações de tra­balho e de emprego/desemprego a partir dos processos sociais que estão simul­taneamente na sua origem e sentido” (p. 19). Propõe, consequentemente que sejam contempladas análises de aspectos sociológicos, antropológicos e históri­cos para restabelecer “toda complexidade e variabilidades económicas, sociais e culturais dos mercados de trabalho” (ibidem). As dimensões sociais, políticas e simbólicas passaram também a fazer parte da análise do mercado de traba­lho, além da relação custo e benefícios, características das análises económicas.

3Para a autora, analisar o mercado de trabalho a partir do enfoque socio­lógico, abrange um “tipo particular de relação social institucionalizada que envolve produção, consumo e troca” (p. 21). Incide em analisar as estruturas do mercado de trabalho, em detrimento de análises centradas no indivíduo, por se constituírem num “espaço onde se cruzam, sobrepõem e articulam atores e estratégias diferenciadas, não necessariamente coincidentes entre si” (ibidem).

4Além de uma revisão crítica das principais contribuições teóricas sobre o mercado de trabalho, a autora também aborda a importância de dados esta­tísticos para analisar o fenómeno do desemprego de longa duração a partir de informações oficiais, referentes aos dois concelhos estudados. Complementa esta “radiografia” dos indicadores disponíveis do mercado de trabalho a nível local, nacional e europeu, com a realização de entrevistas biográficas (história de vida), sendo esta a abordagem privilegiada na investigação de Marques. Neste sentido, apresenta os critérios que definiram a opção pela abordagem qualitativa, com o seguinte roteiro: (1) opções e cautelas metodológicas; expli­citação dos critérios de seleção; entrevistas biográficas; análise temática; (2) caracterização do perfil de desempregados de longa duração.

5Na Parte II do livro, além de abordar o percurso da investigação, a autora expõe os principais resultados da vivência subjectiva do desemprego de longa duração, tendo permitido identificar algumas das consequências (in)visíveis mais significativas no quadro da investigação, designadamente: pessoas com intenções de cometer suicídio; acompanhamento psicológico e/ou psiquiátrico; disfunções familiares (e.g. divórcio, isolamento, retirada de filhos menores); situações de desespero económico, comportamentos de resistência e de luta por melhores condições de vida.

O universo da pesquisa foi composto por grupos sociais mais vulneráveis ao desemprego, com destaque às mulheres, pois embora com um aumento no índice de atividade profissional, o desemprego e o vínculo de trabalho mais pre­cários, são mais constantes em suas vidas. Além desses grupos, também parti­ciparam da pesquisa jovens com mais escolaridade. Foram realizadas catorze entrevistas biográficas nos dois Concelhos, oito no conselho de Espinho e seis no concelho de Guimarães. As entrevistas biográficas foram realizadas por meio de um guião semi-estruturado constituído de três eixos: “1) Percurso escolar e profissional; 2) Contextos e percepções do desemprego e 3) Estratégias e expectativas de resignação/superação do desempregado” (p. 64). De acordo com a autora, conhecer as principais barreiras para o ingresso ao mercado de trabalho e as estratégias para superá-las “pode contribuir para o desenvol­vimento de adequadas políticas públicas de emprego, formação e cidadania” (p. 64). Com o objetivo de construir instrumentos (grelhas) para decodificar e compreender o sentido, a partir dos autores utilizados na matriz teórica da investigação, a análise do corpus das entrevistas incidiu em: “leitura, classifi­cação e transcrição atenta do texto oral...; clarificação do corpus composto por informações sobre acontecimentos...; compreensão e organização do corpus a partir de grelhas de análise temática; e comparação e distinção das histórias (p. 65). Sob orientação da pertinência teórica, as narrativas biográficas foram reconstruídas e examinadas a fim de compreender o fenômeno analisado.

6A partir das dimensões da experiência social do desemprego, Marques apresenta alguns fatores que podem explicar o desemprego, como a baixa escolaridade e a instabilidade profissional, especificamente numa conjuntura globalizada. Destes percursos escolares e profissionais vulneráveis reforça-se a precária diversidade económica (basicamente indústria têxtil, confecção, vestuário, calçado, cortiça e alimentação), na região Norte de Portugal, além da eliminação de alguns sectores de trabalho, e consequentemente a redução no número de trabalhadores e diminuição de salários. Outros resultados são explorados ao longo da obra, em especial os que se relacionam com estratégias e expectativas de resiganção ou superação do desemprego.

A partir do enfoque téorico privilegado pelo autora, foi possível “desocul­tar” as consequências diferenciadas das provações do desemprego de longa duração, permitindo compreender, sobretudo, “i) riscos de dissociação de laços sociais; ii) relação consigo próprio e auto-estima; iii) emergência de quadros de doença e psicopatologias” (p. 83). Assim, na investigação foi constatado que tanto em nível de empresa, colegas de trabalho, família e amigos, os laços são intensamente afetados, tendo em vista o isolamento por parte da pessoa desem­pregada, que a privação econômica condiciona, o que provoca “um empobre­cimento cultural e lúdico” (p. 85). O afastamento do convívio social, pode gerar um movimento cascata, isto é, levar a situação/sentimento de solidão e sofrimento, perda de auto-estima, bem como falta de segurança, desmotivação e apatia. O que por sua vez, pode acarretar doenças e psicopatologias. Antes de concluir, a autora apresenta cinco biografias onde enfatiza as dimensões associadas a baixa auto-estima, desestruturação familiar, debilidade física e emocional, bem como dificuldades econômicas de quem vivencia o desemprego por um longo período. Finaliza o livro com um alerta sobre a degradação da condição de vida que a falta de emprego pode provocar, além do afastamento da vida social, e o risco de levar indivíduos a situação de extrema pobreza.

É um livro que nos instiga a reflexão sobre a importância de tratar o desem­prego não só pelo viés econômico, mais sobretudo, político, social e subjetivo. Trata-se de um tema caro e complexo à população, tendo em vista as conse­quências econômicas, sociais e emocionais que o desemprego pode ocasionar em quem vivencia essa situação em longa permanência, além de consequências negativas para sociedade.

7- Submetido: 30-06-2019

8- Aceite: 15-11-2019

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria Zênia Tavares da Silva, « Ana Paula Marques (2009), Trajetórias Quebradas: A vivência do desemprego de longa duração. Porto ProfEdições/ CICS-UM », Configurações, 24 | -1, 122-125.

Referência eletrónica

Maria Zênia Tavares da Silva, « Ana Paula Marques (2009), Trajetórias Quebradas: A vivência do desemprego de longa duração. Porto ProfEdições/ CICS-UM », Configurações [Online], 24 | 2019, posto online no dia 18 dezembro 2019, consultado o 28 maio 2020. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/7814

Topo da página

Autor

Maria Zênia Tavares da Silva

Universidade Federal Rural de Pernambuco, Brasil

Doutoranda em Sociologia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho. Email: zeniatavares@yahoo.com.br

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página