Navigation – Plan du site
Resenhas

Pequeno ensaio cartográfico sobre o uso de agrotóxicos no Brasil

Petit essai cartographique sur l'utilisation de produits agrochimiques au Brésil
A small cartographic essay on the use of agrochemicals in Brazil
Confins
Référence(s) :

Larissa Mies Bombardi

Pequeno Ensaio Cartográfico Sobre o Uso de Agrotóxicos no Brasil

Geografia do Uso de Agrotóxico no Brasil e Conexões com a União Europeia

Laboratório de Geografia Agrária, FFLCH - USP, São Paulo, 2017.

https://www.larissabombardi.blog.br/atlas2017

Texte intégral

1Na sua apresentação do seu trabalho, Larissa Mies Bombardi indica: “Este 'Pequeno Ensaio Cartográfico Sobre o Uso de Agrotóxicos no Brasil' vem como uma forma de responder aos pedidos de pesquisadores e alunos que, nos últimos anos, têm solicitado os slides que uso em minhas apresentações sobre a questão agrária e o uso de agrotóxicos, objeto de minha pesquisa.

2Parte dos mapas e gráficos ora apresentados estão disponíveis em minha produção bibliográfica recente, entretanto, de forma dispersa. Este ensaio tem, também, o objetivo de facilitar a busca por mapeamentos que subsidiem o debate sobre a agricultura brasileira e, particularmente, naquilo que se refere ao uso de agrotóxicos.

3Finalmente, a ideia de concretizar o 'Pequeno Ensaio Cartográfico' é também uma forma de ensaiar um projeto que está em fase de editoração: o Atlas do Uso de Agrotóxicos no Brasil, que trará um mapeamento bastante abrangente e com dados recentes, fruto do meu trabalho de pesquisa nos últimos dois anos.

4A(O) leitora(o) encontrará ao lado dos mapas e gráficos a informação correspondente à sua publicação original, quando for o caso, bem como o link de acesso a ela, de modo que possa acompanhar uma pequena reflexão realizada sobre cada uma das representações gráficas e o contexto em que se inseriram.

5A respeito dos dados de intoxicação por agrotóxico de uso agrícola, base de boa parte dos gráficos e mapas aqui apresentados, é importante fazer uma ressalva: calcula-se, no Brasil, que para cada caso de intoxicação por agrotóxico notificado, tenhamos cinquenta outros não notificados. Isto significa que temos uma subnotificação da ordem de 1 para 50. Por conseguinte, os dados apresentados referem-se àqueles que vieram a ser notificados, entretanto, são apenas a ponta do iceberg'.

6Seguem dois exemplos de mapas do “pequeno ensaio”:

7O Mapa 5, representando a porcentagem de estabelecimentos rurais que utilizam agrotóxicos em cada município brasileiro, traz de maneira aberta a envergadura do problema e a indicação do quão pouco notificados são os casos de intoxicação por agrotóxico. O primeiro aspecto a ser ressaltado neste mapa é a grande concentração de uso de agrotóxicos nas regiões em que predomina o chamado agronegócio regiões em que predominam as culturas de cana e soja, por exemplo. Neste sentido, destacam-se os municípios da região Sul e Centro Oeste do país, em que a soja tem papel central. Segundo Theisen (2010), a soja ocupa o primeiro lugar em vendas de agrotóxicos: 47,1% dos agrotóxicos vendidos no país foram destinados aos cultivos de soja. A partir da soja, seguem o milho (11,4%) e a cana (8,2%). É possível perceber nitidamente, no mapa os 'bolsões do agronegócio' nas manchas representativas de maiores índices de utilização de agrotóxico. Neste sentido, cabe ressaltar o avanço do agronegócio em direção à Amazônia, marcando, particularmente o Norte do estado do Mato Grosso, que infelizmente, tem os dados de intoxicação por agrotóxico, além de subnotificados, intermitentes, ou seja, não há informação para todos os anos do período”.

8Originalmente publicado em: Boletim Data Luta NERA UNESP Presidente Prudente. Setembro. 2011.

9O recurso cartográfico utilizado neste mapa permite a visualização por 'blocos' de áreas em que se concentram casos de intoxicação por agrotóxicos de uso agrícola notificados. Chama atenção o eixo Campinas - Ribeirão Preto, tradicionalmente marcado pelo cultivo da cana-de-açúcar. A área cultivada com cana de açúcar no estado de São Paulo saltou de cerca de 3 milhões de hectares em 2003 para 5,7 milhões de hectares em 2013, um aumento de praticamente 100% em 10 anos.

10Nota-se também dois outros eixos de intoxicações notificadas: a Região Administrativa de Araçatuba e de São José do Rio Preto, que, como é possível inferir a partir dos mapas apresentados anteriormente, correspondem à áreas de expansão da cana. Há ainda um bloco de intoxicações na Região Administrativa de Sorocaba, no eixo dos municípios de Itapeva, Ribeirão Branco, Apiaí, região em que há grande cultivo de tomate. Esta cultura, nas análises da ANVISA (PARA - Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos), costuma ter amostras significativas fora do LMR (Limite Máximo de Resíduos) permitido”.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 5
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12594/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Mapa 10
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12594/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 46k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Pequeno ensaio cartográfico sobre o uso de agrotóxicos no Brasil », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 22 décembre 2017, consulté le 23 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12594

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals