Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa

Espaço clandestino: a territorialização da pobreza em cidades médias brasileiras

Espace clandestin : la territorialisation de la pauvreté dans des villes moyennes brésiliennes
Clandestine space: the territorialization of the poverty in Brazilian medium-sized cities
Elias Coimbra Da Silva

Résumés

Le présent texte vise à poser la problématique de la reproduction de certains espaces en dehors de la production capitaliste d’espace, ainsi que les territorialités et réticularités comprises dans ce processus dialectique. Il s’agit d’espaces de pauvreté, d’exclusion, de vulnérabilité – les termes et les approches sont nombreux – demandant aux géographes un regard sensible, de façon à considérer les caractéristiques spécifiques de ces espaces. Pour y réussir, on prendra en compte quelques propositions d’analyse des villes moyennes de l’État de São Paulo au Brésil, dans lesquelles figurent des occupations irrégulières (cette expression concerne le lexique juridique, à la place de laquelle on utilisera le terme « territoires marginaux »). À la fois, on proposera d’autres manières de comprendre le concept de territoire, les relations de pouvoir sous-jacentes et les réseaux de réciprocités. En ce sens, on espère contribuer à la compréhension des inégalités socio-spatiales, de même que réfléchir sur l’émergence de nouveaux acteurs dans les processus de territorialisation et de production de l’espace urbain.

Haut de page

Texte intégral

Favela em Ribeirão PretoAfficher l’image
Crédits : http://g1.globo.com
  • 1 « [...] o antropólogo James Clifford conta, na introdução de seu Writing Culture, a história do índ (...)

1Num texto já clássico, na historiografia, onde faz alusão às agruras da vida dos escravos negros, Portelli cita um acontecimento muito curioso. Segundo esse mesmo historiador, num tribunal, instado a dizer a verdade, somente e nada mais do que a verdade, a testemunha (um indígena norte-americano) teria respondido que poderia dizer somente o que ele sabia.1

  • 2 Espero que a inclusão desta nota não pareça pedantismo meu. O caso é que estou já tão habituado com (...)

2Essa alegoria pode nos conduzir à reflexão – mais óbvia – acerca da história como ponto de vista, mais do que como « realidade nua e crua ». Em jornalismo, tal circunstância é tida como um dos seus princípios básicos – aquilo que eles (os jornalistas) costumam denominar de « império dos fatos » (Cosson, 2005, p. 57). Além disso, a mesma alegoria pode igualmente nos conduzir a pensarmos na complexidade do próprio processo histórico2; e esse é o ponto o qual queremos destacar.

  • 3 « Defende, Le Corbusier, que a casa deve ser uma máquina de morar, com economia e eficiência indust (...)

3Dentro das cidades – com suas máquinas de morar3 – as pessoas organizam-se, dando assim forma e conteúdo aos seus modos de vida. Ao mesmo tempo e numa outra Escala, o gestor público – motivado ou não por interesses coletivos – organiza o espaço urbano segundo parâmetros técnicos, econômicos etc., parâmetros esses que não coincidem com as necessidades específicas dos grupos (para evitar dizer, neste ponto, classes); quando não, até mesmo, as contrariam. Tal é a complexidade do processo histórico – conforme a utilização que propomos, desse conceito.

  • 4 Utilizamos esse conceito, pautados naquela acepção de Claval expressa na afirmação: « As pessoas qu (...)

4Da mesma forma, sobrepõe-se a essa complexidade – questão de fato que é – uma outra ordem de questões. Ordem outra que nos remete, diretamente, às maneiras de existir dos grupos humanos que acrescentam, ao grande puzzle social (ou melhor, a Sociedade tout court), sua pequena peça. Com esse termo (« peça ») referimo-nos, para sermos mais explícitos, à construção daquelas autoimagens que costuma-se denominar de: Identidade Social4.

5Complexidade do processo, ou seja, dos fatos, e complexidade das identidades no interior de um único corpo: uma cidade. O que propomos aqui é uma tentativa de explicar como e por que esse fenômeno que denominaremos de « território marginal », é constituído historicamente e à margem (ou à revelia) da ação do Estado. Estado esse, presente tanto como o ente administrativo, como enquanto aquela parcela não-privada do espaço urbano e da sociedade; mas que deve dividir com outros atores a tarefa da produção desse mesmo espaço. A propósito, não é muito distinta a ideia sugerida por Raquel Rolnik, quando diz que a lei « determina apenas a menor parte do espaço construído » (1997, p. 13).

6Esperamos, desta forma, contribuir para a compreensão das desigualdades sócio-espaciais, bem como para pensar o advento de novos atores nos processos de territorialização e de produção do espaço urbano. Atores, sujeitos, agentes, de uma cidade que acontece apesar do planejamento e que, não raras vezes, é estigmatizada ou mesmo destruída, em benefício da chamada Hegemonia. Mas, atores esses (homens, mulheres), nem sempre considerados na Geografia dita humana senão enquanto vítimas (objetos?) dos processos de exclusão.

  • 5 Essa terminologia gramscianiana, fomos buscar em R. Williams (2000, p. 144): « [...]. En realidad, (...)
  • 6 Quando a Gordon, nos referimos ao seu livro Capitalism and the roots of the urban crisis; em Mollen (...)

7Contrários a essa vitimização, pensamos que: « A exclusão social e a segregação espacial aparecem como formas simétricas e complementares na construção de grupos diferenciados e conscientes de suas especificidades » (Claval, 2013, p. 99). O que não implica dizer que os trunfos estão democraticamente distribuídos entre os atores dominantes, os atores emergentes e atores os residuais5, mas sim que os grupos segregados são mais do que aquelas vítimas das circunstâncias que, segundo Gottdiener (1993, p.80), pesquisadores como David Gordon, John Mollenkopf e Katznelson procuravam apresentar6.

8No que tange ao nosso aporte de caráter teórico, buscamos problematizar, sobretudo, dois conceitos; ou noções. Primeiramente, cito a Territorialização. Estamos cientes da crescente luz lançada sobre ele nos estudos geográficos – o texto « Mito da Desterritorialização » de Rogerio Haesbaert (2006) é, nesse sentido, esclarecedor. A propósito, na obra dos franceses Deleuze e Guattari: « Mil Platôs » (1995/a/b), citados pelo próprio Haesbaert, é patente a presença desse mesmo conceito. Deste texto, ou melhor, conjunto de textos (e de Platôs), depreendem-se diversos outros conceitos seminais, como Agenciamento e Rizoma, tanto quanto o próprio método erigido o qual ainda não recebeu o devido reconhecimento entre os estudiosos do homem e da sociedade.

  • 7 É impossível não notar a intima relação entre essa concepção pragmática da pobreza e a sociologia a (...)
  • 8 No sentido em que elas são explicadas mais do que explicitadas: « […] Statistics on the overt behav (...)

9Por outro lado, cito a noção (conceito?) de « desigualdade », deparando com qual nos vemos ante o amplo problema que concerne também à exclusão/inclusão social e todos os desdobramentos dessa dicotomia. Nesse caso, estamos familiarizados com as dificuldades de sua delimitação (ou definição), bem como com as soluções propostas. Cônscios tanto das « formas institucionais da pobreza7 », de Serge Paugan (apud Melazzo, 2006, p. 53), quanto do processo de « desfiliação » de Robert Castel (ibidem) e, portanto, conhecedores do trabalho de compreensão das formas e processos sociais,8 esperamos que o nosso vínculo com a pesquisa em história, possa contribuir para o enriquecimento da ciência geográfica. Contribuição essa – queremos pensar – menos por um eventual conteúdo (incomum) do que enquanto abordagem.

Referencial teórico

10Entre os autores que julgamos importantes para o recorte temático em questão, citamos Everaldo Melazzo (2006), do qual aquela riquíssima fonte secundária, outorgada em sua avaliação prognóstica acerca de algumas cidades médias – ao menos para a década de 1990, década trabalhada pelo autor – nos autoriza a realizar diversas analogias.

11Paralelamente, os já citados Serge Paugan e Robert Castel, junto de autores como André Campos fornecem importantes subsídios para pensarmos a Marginalização, a Pobreza, a Exclusão etc. Nesse sentido, destacamos que a pobreza, não pode continuar sendo compreendida com as chaves interpretativas tradicionais, sobretudo porque ser pobre hoje é diferente de ser pobre no período histórico pré-industrial: uma questão moral, a « degradação » (Paugan, 2003, p. 24), sobrepõe-se à questão econômica. Ademais, o empobrecimento – a desqualificação social, na terminologia de Paugan – não é uma ruptura instantânea em relação a uma determinada situação oposta, mas daria-se em pelos menos três estágios, não necessariamente cumulativos: a « fragilidade », a « assistência » e a « marginalidade » (Paugan, 2003).

12Com referência ao anteparo filosófico e a princípio, o autor mais significativo nos parece ser Raffestin, com seu « Por uma Geografia do Poder ». A sua elaboração em que Território e Poder pressupõem-se mutuamente é exatamente aquilo que nos permite « geograficizar » a temática; conforme se depreende da citação:

“1. O poder não se adquire; é exercido a partir de inumeráveis pontos; 2. As relações de poder não estão em posição de exterioridade no que diz respeito a outros tipos de relações (econômicas, sociais etc), mas são imanentes a elas; 3. O poder vem de baixo; não há uma oposição binária e global entre dominador e dominados; 4. As relações de poder são, concomitantemente, intencionais e não subjetivas.” (Raffestin, 1993, p. 53)

  • 9 Em relação ao dito Culturalismo, me refiro àquela corrente que, originando-se nas Ciências Sociais, (...)
  • 10 Os autores marxistas pululam na geografia. Manteremos sempre em mente os esforços de Neil Smith (19 (...)

13Além de Raffestin, do ponto de vista teórico, mas também, agora, metodológico, são fundamentais os autores (com suas respectivas obras) tanto do Culturalismo9 quanto do Marxismo10. Quando não estiverem, ambas as linhas, presentes numa mesma obra – tal é ocaso de Raymond Williams. Num certo sentido, o primeiro (Culturalismo) é um desdobramento pontual do segundo, desdobramento encampado por autores marxistas já descrentes do potencial explicativo de um determinado marxismo (aquele, por exemplo, de Lênin e de Lukács) e, portanto, não existe nenhuma contradição nessa postura de síntese, diante das duas linhas teóricas.

14Enfim, existe ao menos mais um filósofo contemporâneo que nos parece essencial. Trata-se de Michel Foucault, porém, especificamente, naquilo que suas reflexões acerca do conceito de Poder correspondem às nossas necessidades. Por exemplo: « [...] não se pode fazer nem a história dos reis nem a história dos povos, mas a história daquilo que constitui, um em face do outro, esses dois termos, dos quais um nunca é infinito e o outro nunca é zero » (Foucault, 1999, p. 200). Nosso ponto de partida, a ideia de que o Poder é ubíquo, de que é inextricável das relações sociais e, portanto, da territorialidade – « [...] é impossível manter uma relação que não seja marcada por ele » (Raffestin, 1993, p. 159) – e de que ele (Poder) não é uma “propriedade” das classes dominantes e nem mesmo da sociedade política, apresenta-se frequentemente na obra de Foucault.

Objetivos

15A mais imediata consequência da análise desses territórios marginais por meio do aporte aqui encampado seria uma explicação do urbano enquanto um espaço de disputa. Explicação essa que se fundamente, dialogicamente, quer numa descrição dos processos sócio econômicos envolvidos no assentamento das populações fragilizadas em áreas irregulares, quer na interpretação das ações e dos valores incorporados por essas mesmas populações; ações e valores que imprimem uma estrutura e uma dinâmica próprias a esses movimentos de ocupação (das áreas irregulares). Gottdiener (1993, p. 199) utiliza a expressão « dialética entre estrutura e ação » – o que preferimos evitar. Posto que é muito sensível, nas ciências sociais, essa dicotomia que dispõe uma estrutura (framework), frequentemente a-escalar e invariavelmente determinista, à ação social dos sujeitos.

  • 11 Na acepção em que seu precursor, Lefebvre, empresta à mesma perspectiva (Gottdiener, 1993, p. 127-1 (...)

16Além disso, dessa mesma análise se depreende um enriquecimento da perspectiva teórica da denominada: Produção do Espaço11. Uma vez que a marginalização – esse processo top-down – é ao mesmo tempo bottom-up, no que se refere aos seus modos de territorialização.

17Nesse sentido é necessário compreendermos tanto a territorialidade quanto a reticularidade desses espaços, ou melhor, a relação que possivelmente existe entre eles e outros territórios com as características nodais resultantes das descontinuidades do espaço social. Claro que isso não se faz cartograficamente, mas deslindando as reciprocidades entre os sujeitos, ou melhor, as « relações de poder » que configuram o território. Com isso, os chamados « aglomerados de exclusão » podem ser pensados enquanto tática de inclusão, na medida em os sujeitos marginalizados, habitantes e produtores desses espaços que a sociedade preferiria esquecer, são capazes de estabelecer ligações entre si, por mais severa que seja a descontinuidade (e/ou distância) entre os seus lugares de vivência. A experiência contemporânea do EZLN com a utilização da internet em sua guerra de palavras contra o governo mexicano (Bisco Júnior, 2007), mesmo isolado na selva de Lacandona, em Chiapas, serve como índice das potencialidades do uso das tecnologias contra a estrutura produtiva que as forjou.

  • 12 A propósito, Sack não se distancie muito desta concepção. A diferença, quer nos parecer, reside em (...)

18Num parêntese necessário, para explicitarmos os conceitos adotados, ressalto primeiramente nossa concepção de territorialidade, concepção segundo a qual Poder e Território pressupõem-se, mutuamente. Portanto, o principal teórico que nos ampara é o francês Raffestin (1993); já citado aqui. Para esse autor, é necessário que haja uma « intenção » (liame entre sujeito e objeto) e que essa intenção se desdobre na concretização de um projeto (no Espaço), a partir do qual o comportamento humano deva se pautar12.

19Para a reticularidade, partimos da definição inicial de Gerald Pitzl (2004, p. 156) até chegarmos a Manuel Castells (2001) com a noção de « espaço de fluxos ». Evidentemente, a Rede (no caso, urbana) está associada aos « espaços velozes », sobretudo das cidades globais. Nesse sentido, pensamos em averiguar se é possível falarmos (ou não) em Rede quando a referência é o hinterland: os espaços considerados « entre-nodais ». A analogia que nos convida a aventar essa hipótese é fornecida pelos estudos de Geografia Política:

Trabalhando nas bases fornecidas por Max Weber, sociólogos (como Amitai ETZIONI, 1964; 1968), antropólogos (como Jacques MAQUET, 1970) e geógrafos (como Paul CLAVAL, 1978) têm explorado os métodos de como estas formas de poder são incorporadas em sistemas institucionalizados de relações sociais, que caracterizam sociedades. Eles enfatizam o papel da família (em suas dimensões de descendência e aliança), associações, mercados, relações pedagógicas, relações de mestre/escravo, tirania, casta, relações feudais, relações burocráticas, relações de poder-autoridade. Alguns padrões são igualitários, outros hierárquicos. Esta análise é importante, pois mostra que a vida política pode estar ativa em sociedades onde não há instituições políticas especializadas, como em tribos sem regras descritas por alguns antropólogos que são, muitas vezes, “sociedades contra o Estado”, como Pierre Clastres cita. (Claval, 2013, p. 75)

20Assim, se é correto pensar na presença do Poder em instituições a-estatais, talvez seja possível imaginar linhas de grid arquitetando essa rede informal entre as ocupações irregulares.

  • 13 Cada qual, tomada em sua própria geografia: « Processes of scalar structuration do not produce a si (...)

21A propósito, essa articulação entre territorialidade e reticularidade pressupõe que adotemos diferentes escalas13. De modo que, tanto no que se refere ao espaço urbano enquanto produção social, quanto no que tange à diferenciação-seletividade intra-urbana – com a consequente desigualdade sócio espacial – buscamos esboçar (evitando dizermos: definir) esse « sistema de objetos e de ações » (Santos, 2002, p. 63) em que constitui-se o referido território marginal.

Metodologia

  • 14 « Departamentos de bem-estar reivindicam um mono-pólio profissional, político e financeiro sobre a (...)

22O conceito de Território Marginal, aqui adotado, deriva da noção de institucionalização da pobreza, desenvolvida por Paugan (apud Melazzo, 2006, p. 53): « [...] explicita-se o recorte da análise quando afirma que seu objeto não é a pobreza, mas as formas institucionais que esta assume ». Aliás, não é absoluta a diferença entre essa noção e a « modernização da pobreza », apontada por Ivan Illich14. Muito pelo contrário. Ambos os autores tratam do mesmo problema, embora o viés de Illich seja consideravelmente mais político do que apenas econômico.

  • 15 O termo é utilizado por Haesbaert (1995).

23De qualquer forma, a presença de áreas nas cidades médias, com características de ocupações irregulares ou « favelas » – termo esse, atualmente substituído por « comunidade », em função do sentido pejorativo por ele evocado (Freire, 2008) – se mostra progressivamente maior. Nesse sentido, consideramos premente a necessidade de compreendê-las e não enquanto continuidade daqueles espaços (ou « aglomerados »15) de exclusão, mas naquilo que elas, as áreas de ocupação irregular, representam no lugar onde se inserem e para os sujeitos que as habitam.

24Com respeito ao recorte, de caráter metodológico, nosso estudo centra-se na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo. Fato que não exclui considerarmos outras cidades médias para uma análise comparativa. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016) esse é um município de 674.000 habitantes, localizado a 316 quilômetros a nor-noroeste de São Paulo – cidade e capital – e com R$ 42.682,00 de PIB per capita, US$ 13.110,00. Nessa cidade média paulista, encontramos um cinturão de 1,5 quilômetros de comprimento e não mais que 50 metros de largura, composto por habitações irregulares que foram sendo construídas sobre onde havia (anteriormente) a linha férrea da FCa; e ao longo da última década. Tal cinturão, conhecido localmente como « Favela da Avenida Rio Pardo », constitui aquilo que denominamos: Território Marginal.

25A nossa pesquisa compõe-se de uma coleta de informações, na qual os lugares serão identificados segundo procedimentos como: 1- levantamento de fontes impressas (através da própria internet, inicialmente); 2- observação da cartografia (aquela contida em Melazzo, 2006, por exemplo) e de imagens contidas em sítios (raster, fotografia aérea etc.) da internet, nas quais as construções irregulares demonstram padrões diferentes; 3- trabalho de campo (nas cidades em que as imagens não tenham sido explicadas por eventuais fontes impressas). Observando que o caso do trabalho de campo, é a situação mais propícia à construção de evidência oral.

26Paralelamente, procedemos à consulta bibliográfica referente ao tema. Autores como Paugan, Haesbaert, Rocha, Melazzo, enfim, quaisquer textos que versem acerca da Exclusão Social, ou ideias afins, serão tomados em conta e a leitura dos mesmos fundamentará nossa argumentação. Da mesma forma, os autores que oferecerem suporte teórico, como Raffestin, Castells e Lefebvre, instrumentalizando nossa pesquisa, respectivamente através de conceitos como Território, Rede, Urbano etc. serão consultados e as suas ideias nos serão de grande importância.

27Na sequência utilizamos a análise e/ou à interpretação das informações; conforme a natureza da fonte. No caso, em se tratando de informações cujo significado seja basicamente descritivo, procederemos àquilo que se poderia tomar por « análise », no sentido em que Kant (entre outros) emprestam ao termo, ou seja, em « proposições cujo predicado faz parte do sujeito » (Russell, 1967, p. 248). Por outro lado, quando a informações envolver valores e sentimentos, procederemos à interpretação. Assim, para além de entendermos o que os sujeitos fazem, buscamos conhecer « [...] o que diabos eles acham que estão fazendo » (Geertz, 1998, p. 89); procedimento esse, muito em voga nas ciências humanas, nas últimas décadas.

28Destacamos, oportunamente, que toda e qualquer fonte é portadora de informações tanto objetivas quanto subjetivas. Além do que, no bojo da própria objetividade coexistem informações explícitas e implícitas (ou veladas). As fontes verbais demonstram isso com maior frequência, de forma que a nossa experiência com a metodologia da Crítica das Fontes, tipicamente utilizada na pesquisa em História, será inevitavelmente mobilizada.

29Estando o trabalho com as fontes, completo, nos restará produzir o texto da tese. Texto esse, de caráter discursivo-explicativo, no qual a presença de cartografia ocupará uma posição apenas ilustrativa. Da mesma forma, não propomos nenhum prognóstico ou um método de intervenção na realidade. Portanto, não sendo uma pesquisa apenas bibliográfica, ainda assim, nossa proposta limita-se ao entendimento de um recorte da realidade.

Considerações finais

  • 16 No sentido em que não existe neutralidade ou – como prefeririam os filósofos do estruturalismo – nã (...)

30O trabalho resultante de nossa pesquisa não se utilizará de séries estatísticas nem buscará auferir a quantidade ou a intensidade dos fenômenos. Ainda assim, o texto e produto final, não é um ponto de chegada, mas um processo de aproximação ao tema eleito. Isso implica num dever de explicitarmos, sempre que necessário, as nossas fontes, indicando quem as produziu, como, quando e por qual motivo. No mesmo sentido, não silenciaremos acerca do « lugar de onde falamos »16 expondo nossos julgamentos acerca das operações produzidas por nós mesmos e as motivações que lhes dão anteparo.

  • 17 « A realidade que os geógrafos estudam é sempre aquela de uma cultura particular. Como analisar ess (...)

31Por outro lado, a natureza do recorte nos impõe um horizonte de conhecimento limitado – no sentido de um domínio pleno do tema: o território marginal. Isso significa dizer que trata-se de estudo idiográfico. Todavia, não nos filiamos diretamente à geografia regional. Trata-se antes de realizar um trabalho de « descrição densa »17, ou seja, conhecer o que quer que procuremos conhecer, além de minuciosamente, também nos próprios termos, ou seja, o fenômeno não precisa ser exemplar, com relação a leis ou padrões que não reconhecem fronteiras, mas sim, ele apresenta-se significativamente dentro da escala considerada.

32Nesse sentido, não há que se falar em uma busca de leis gerais, aplicáveis a quaisquer fenômenos análogos, mas – repetimos – do aprofundamento acerca de um fenômeno pontual, aprofundamento esse cuja a função lançaria uma luz diferenciada sobre um problema já estudado. Fato que nos aproxima, de alguma forma, da perspectiva (mais prática do que teórica) conhecida como Micro-história: « [...] a abordagem micro-histórica deve permitir o enriquecimento da análise social, torná-la mais complexa » (Revel, 2000, p. 18), pois, não toma em conta apenas as normas e estruturas sociais, mas, sobretudo as estratégias de utilização das mesmas pelos sujeitos.

33Esse é um recurso que permite apontar nuanças ou até mesmo erros nas chamadas leis gerais. Assim como, em seu estudo com um recorte da Ocitânia medieval, Le Roy Ladurie (1981) nos demonstrou a surpreendente ausência das Relações de Vassalagem, na localidade estudada, além da relatividade das Relações Senhoriais Ora! Umas e outras essas relações são tidas como verdades absolutas, para a Europa daquele período.

34Assim, partimos do singular, em direção a certas verdades estabelecidas – em formas de proposições, como, por exemplo, aquela proposição já indicada aqui e segundo qual: « a rede está associada aos espaços velozes » – concluindo, eventualmente, pela imprecisão das mesmas verdades. Nessa perspectiva teórica, o ponto de chegada é o « geral » (de novo), mas entre aspas mesmo, posto ser, então, o geral somado ao detalhamento que o tensiona.

Haut de page

Bibliographie

Barth, F. « Anthropological models and social reality ». In: __________. Process and form in social life. London/Boston/Henley-on-Thames: Routledge & Kegan Paul, 1981. pp. 14-32.

Bisco Júnior, J. V. Guerrilha em foco: a presença na mídia do discurso Zapatista, de seu surgimento até a Quinta Declaração da Selva Lacandona. Ouro Preto, 2007. Dissertação de mestrado (Mestrado em História Social) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.

Bourdieu, P. O Poder Simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 2. ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 322 p., 1998.

Brenner, N. « The limits to scale? Methodological reflections on scalar structuration ». Progress in Human Geography, Manchester, n.25, 4, p. 591-614, 2001.

Castells, M. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venancio Majer. 8 ed. São Paulo, Paz e Terra, 617 p., 2001.

Cavalcanti, L. P. Moderno e brasileiro: a história de uma nova linguagem na arquitetura (1930-1960). Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 247 p., 2006.

Claval, P. « Por Paul Claval ». In: Almeida, M. G.; Arrais, T. A. (Org.). É geografia, é Paul Claval. Goiânia: FUNAPE, 2013. pp. 74-176.

Cosson, R. « Romance-reportagem: o império contaminado ». In: Castro, G; Galeno, A. (Org.). Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. 2. ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2005. pp. 57-70.

De Certeau, M. A Escrita da história. Tradução Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 345 p., 1982.

Deleuze, G.; Guattari, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Tradução Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro, Ed. 34, 94 p., 1995/a.

__________. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 2. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo, Ed. 34, 112 p., 1995/b.

Foucault, M. Em defesa da sociedade – curso no Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo, Martins Fontes, 382 p., 1999.

Freire, L. L. « Favela, bairro ou comunidade? Quando uma política urbana torna-se uma política de significados ». Dilemas: revista de estudos de conflito e controle social, Rio de Janeiro, v.1, n.2, p. 95-114, out./dez. 2008.

Geertz, C. « Do ponto de vista dos nativos: a natureza do entendimento antropológico ». In: __________. O saber local – novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1998. pp. 85-107.

Gottdiener, M. A Produção Social do Espaço Urbano. Tradução Geraldo Gerson de Souza. São Paulo, EDUSP, 310 p., 1993.

Haesbaert, R. « Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados de exclusão ». In: Castro, I. et al. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. pp. 165-206.

__________. O Mito da Desterritorialização. 2. ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 400 p., 2006.

Hall, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte/Brasília, Editora UFMG/Representação da UNESCO no Brasil, 434 p., 2003.

Harvey, D. A produção capitalista do espaço. Tradução Carlos Szlak. São Paulo, Annablume, 252 p., 2005.

Illich, I. Sociedade sem escolas. Tradução Lúcia M. Endlich Orth. 7. ed. Petrópolis, Vozes, 186 p., 1985.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “Cidades@”, IBGE, 2016, <cidades.ibge.gov.br>, acesso em: 26 dez. 2016.

Ladurie, E. Le R.. Montaillou: aldea occitana, de 1294 a 1324. Versión castellana de Mauro Armiño. Taurus Ediciones, Madrid, 612 p., 1981.

Lefebvre, H. A revolução urbana. Tradução Sérgio Martins. Belo Horizonte, Editora UFMG, 178 p., 1999.

Melazzo, E. S. Padrões de desigualdades em cidades paulistas de porte médio. A agenda das políticas públicas em disputa. Presidente Prudente, 2006. Tese de doutorado (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Paugam, S. A desqualificação social: ensaio sobre a nova pobreza. Tradução Renata Dias de Carvalho. Porto, Porto Editora, 2003.

Pitzl, G. R. Encyclopedia of Human Geography. Westport/London, Greenwood Press, 294 p., 2004.

Portelli, A. « A Filosofia e os Fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais ». Tempo, Rio de Janeiro, v.1, n.2, p. 59-72, 1996.

Raffestin, C. Por uma Geografia do Poder. Tradução Maria Cecília França. São Paulo, Ática, 268 p., 1993.

Revel, J. « A história ao rés-do-chão: prefácio ». In: Levi, G. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do séc. XVII. Tradução Cynthia M. Oliveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. pp. 07-36.

Rolnik, R. A cidade e lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo, Studio Nobel/FAPESP, 241 p., 1997.

Russell, B. “Capítulo XX: Kant”. In: __________. História da Filosofia Ocidental. Tradução Brenno Silveira. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967. pp. 243-261.

Sack, R. The human territoriality – its theory and history. Cambridge, Cambridge University Press, 272 p., 1986.

Santos, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo, EDUSP, 384 p., 2002.

Smith, N. Desenvolvimento Desigual: natureza, capital e a produção do espaço. Tradução Eduardo de Almeida Navarro. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 250 p., 1988.

Thompson, E. P. A formação da classe operária. Vol. 1. Tradução Denise Bottman. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 204 p., 1987.

Williams, R. Teoría cultural. In: __________. Marxismo y literatura. Traducción de Pablo di Masso. 2. Ed. Barcelona: Ediciones Península, 2000. pp. 91-165.

Haut de page

Notes

1 « [...] o antropólogo James Clifford conta, na introdução de seu Writing Culture, a história do índio canadense Cree que foi chamado a prestar um depoimento perante um tribunal; quando lhe foi pedido que jurasse dizer toda a verdade, a testemunha respondeu: Não sei se posso dizer a verdade... posso apenas dizer o que sei ». (Portelli, 1996, p. 63)

2 Espero que a inclusão desta nota não pareça pedantismo meu. O caso é que estou já tão habituado com alguns termos da pesquisa histórica que, eventualmente, posso até subestimar a importância dos mesmos; « processo histórico » é um bom exemplo. Com esse termo, os historiadores distinguem um certo « aquilo que aconteceu de fato » – que é inescrutável – de uma outra coisa que seria a narrativa sobre os fatos.

3 « Defende, Le Corbusier, que a casa deve ser uma máquina de morar, com economia e eficiência industriais. » (Cavalcanti, 2006, p. 43)

4 Utilizamos esse conceito, pautados naquela acepção de Claval expressa na afirmação: « As pessoas que vivem em uma política têm que dar um sentido a suas vidas » ou na ideia de « ambientes de memória ». (Claval, 2013, p. 81)

5 Essa terminologia gramscianiana, fomos buscar em R. Williams (2000, p. 144): « [...]. En realidad, todavía debemos hablar de lo dominante y lo efectivo, y en estos sentidos, de lo hegemónico. Sin embargo, nos encontramos con que también debemos hablar, y ciertamente con una mayor diferenciación en relación con cada una de ellas, de lo residual y lo emergente, que en cualquier proceso verdadero y en cualquier momento de este proceso, son significativos tanto en sí mismos como en lo que revelan sobre las características de lo dominante ».

6 Quando a Gordon, nos referimos ao seu livro Capitalism and the roots of the urban crisis; em Mollenkopf, a referência é o livro The postwar politics of urban development; e em Katznelson, a referência é The crisis of the capitalist city.

7 É impossível não notar a intima relação entre essa concepção pragmática da pobreza e a sociologia anti-idealista de Bourdieu (1998).

8 No sentido em que elas são explicadas mais do que explicitadas: « […] Statistics on the overt behaviour of populations do not readily supply a test of the explanation » (Barth, 1981, p. 16). [Estatísticas sobre o comportamento aberto das populações não suprem de maneira adequada ao teste da explicação. « tradução nossa »]

9 Em relação ao dito Culturalismo, me refiro àquela corrente que, originando-se nas Ciências Sociais, na década de 1950 – e cujos marcos seriam R. Hoggart, com o seu Utilizações da Cultura e R. Williams com Cultura e Sociedade (Hall, 2003, p. 132) – disseminou-se pelas áreas afins, tais como a Geografia e a História. Especificamente na Geografia, Paul Claval, com a seguinte definição: « O objetivo da abordagem cultural é entender a experiência dos homens no meio ambiente e social, compreender a significação que estes impõem ao meio ambiente, e o sentido dado às suas vidas. A abordagem cultural integra as representações mentais e as reações subjetivas no campo da pesquisa geográfica »; indica como marco cronológico a década de 1970 (Claval, 2013, p. 93)

10 Os autores marxistas pululam na geografia. Manteremos sempre em mente os esforços de Neil Smith (1988), Henri Lefèbvre e David Harvey (2005), mas a nossa referência é sempre o próprio Marx. Além disso, minha formação enquanto historiador torna inevitável a referência ao Edward P. Thompson; sobretudo naquilo que ele definiu como história vista de baixo; tal como nessa passagem « Certa vez, em um entrevista nos Estados Unidos perguntaram a E. P. Thompson qual sua opinião sobre a historiografia inglesa. E ele respondeu mais ou menos assim: Creio que grande parte da historiografia, principalmente na Inglaterra, considerou a sociedade do ponto de vista das expectativas e da auto-imagem da classe dominante: a propaganda dos vencedores. Por isso, eu creio que recuperar uma história alternativa supõe quase sempre polemizar com a ideologia dominante ». (Thompson, 1987)

11 Na acepção em que seu precursor, Lefebvre, empresta à mesma perspectiva (Gottdiener, 1993, p. 127-135).

12 A propósito, Sack não se distancie muito desta concepção. A diferença, quer nos parecer, reside em que Sack (1986) entende a territorialidade como uma estratégia de controle de uma área sob domínio.

13 Cada qual, tomada em sua própria geografia: « Processes of scalar structuration do not produce a single nested scalar hierarchy, an absolute pyramid of neatly interlocking scales, but are better understood as a mosaic of unevenly superimposed and densely interlayered scalar geometries. For, as Allen, Massey and Cochrane (1998: 60) indicate, . . . different kinds of social process have very different geographies and they do not all fit neatly into the same set of nested hierarchies (see also Lefebvre, 1991 [1974]: 85–88) » (Brenner, 2001, p. 606). [Processos de estruturação escalar não produzem uma hierarquia escalar única e de formato aninhado, uma pirâmide absoluta de escalas ordenadamente bloqueadas, mas são melhor compreendidos como um mosaico de geometrias escalares desigualmente sobrepostas e densamente intercaladas. Pois, como Allen, Massey e Cochrane nos indicam, . . . diferentes tipos de processo social têm geografias muito diferentes e nem todas se encaixam perfeitamente no mesmo conjunto de hierarquias aninhadas (ver também Lefebvre) « tradução nossa ».]

14 « Departamentos de bem-estar reivindicam um mono-pólio profissional, político e financeiro sobre a imaginação social, estabelecendo padrões para o que é proveitoso e o que é possível. Este monopólio está na raiz da modernização da pobreza. Qualquer simples necessidade, para a qual foi encontrada resposta institucional, permite a invenção de nova classe de pobres [...] ». (1985, p. 17)

15 O termo é utilizado por Haesbaert (1995).

16 No sentido em que não existe neutralidade ou – como prefeririam os filósofos do estruturalismo – não existiria relação translúcida entre o sujeito que pensa e o mundo pensado. Michel de Certeau assim expressa essa dificuldade: « [...] Encarar a história como uma operação será tentar, de maneira necessariamente limitada, compreendê-la como a relação entre um lugar (um recrutamento, um meio, uma profissão, etc.), procedimentos de análise (uma disciplina) e a construção de um texto (uma literatura). É admitir que ela faz parte da realidade da qual trata, e que essa realidade pode ser apropriada enquanto atividade humana, enquanto prática. Nesta perspectiva, gostaria de mostrar que a operação histórica se refere à combinação de um lugar social, de práticas científicas e de uma escrita. Essa análise das premissas, das quais o discurso não fala, permitirá dar contornos precisos às leis silenciosas que organizam o espaço produzido como texto [...] ». (1982, p. 66)

17 « A realidade que os geógrafos estudam é sempre aquela de uma cultura particular. Como analisar essa realidade sem considerar seus recortes mais importantes, sem perder o que faz a sua especificidade? Ao desconfiar dos relatórios simples, por serem feitos na ótica do observador, o etnólogo Clifford Geertz nos dá um norte. O etnólogo e o geógrafo devem praticar a arte da ‘descrição densa’ (thick description) ». (Claval, 2013, p. 94)

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Elias Coimbra Da Silva, « Espaço clandestino: a territorialização da pobreza em cidades médias brasileiras », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 22 décembre 2017, consulté le 22 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12599 ; DOI : 10.4000/confins.12599

Haut de page

Auteur

Elias Coimbra Da Silva

Universidade Federal do Tocantins – UFT, Campus de Porto Nacional, coimbraelias@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals