Navigation – Plan du site
Dossiê Paraná em suas diversas escalas

Análise integrada da vulnerabilidade à diarreia aguda em Curitiba

Analyse intégrée de la vulnérabilité à la diarrhée aiguë à Curitiba
Integrated analysis of vulnerability to acute diarrhoea in Curitiba
Elaiz Aparecida Mensch Buffon et Francisco de Assis Mendonça

Résumés

Le présent travail met en évidence une analyse de la relation entre l'incidence de la diarrhée aiguë, les risques et les vulnérabilités socio-environnementales dans la ville de Curitiba, associés à la détérioration de la nature et de la société. Basé sur l'analyse épidémiologique (calcul de l'incidence) et de cartographie (risques et vulnérabilités), il a été possible d'appliquer une approche intégrée entre la maladie et la dégradation de l'environnement. Les principaux résultats montrent : 1) Le nombre de cas a exprimé de fortes fluctuations saisonnières (réduction en hiver et augmentation pendant la transition de l'été à l'automne et de l'hiver au printemps); 2) La distribution des cas montre une forte ségrégation spatiale, puisque les zones les plus vulnérables révèlent de graves problèmes d’infrastructures de base (eau et assainissement) et de conditions de vie (favelas).

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Curitiba (PR)

Índice de palavras-chaves :

vulnerabilidades, diarreia aguda, segregação espacial
Haut de page

Texte intégral

Chuva em CuritibaAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2004

1A intensificação das situações de riscos em que o homem está exposto é um marco nas sociedades do século XXI. Mesmo que, a convivência com situações de riscos permeie a história da humanidade é no alvorecer da sociedade contemporânea que as alterações no ambiente – particularmente do ambiente urbano, se tornaram mais significativas, e condicionaram o surgimento e/ou ressurgimento de múltiplos riscos, com destaque para aqueles que se repercutem sobre a saúde humana.

2Para a abordagem dos problemas socioambientais urbanos muitas são as construções teórico-metodológicas das últimas décadas. Destaca-se aqui, a proposta pelo PNUD/UNOPS (1997) que concebe, a partir, da teoria de sistemas, o ambiente urbano caracterizado por três subsistemas, a saber: O Subsistema Construído, o Subsistema Natural e o Subsistema Social (Figura 1).

Figura 1: Dinâmica da problemática ambiental urbana.

Figura 1: Dinâmica da problemática ambiental urbana.

Fonte: PNUD/UNOPS (1997, p.65).

3Como principal resultado, desse complexo sistema de inter-relações, ressalta-se o aumento e intensificação dos problemas socioambientais urbanos, posto que o motor principal do mesmo se situa na concentração da riqueza que marca as cidades latino-americanas. O processo saúde-doença é fortemente marcado pelas interações entre os diferentes subsistemas que compõem o ambiente urbano.

4As cidades se constituem, ao longo da história humana, em ambientes altamente complexos de serem analisados, e que contribuem na introdução de novas ameaças para a saúde humana, provocando assim a emergência ou reemergência de doenças. Excepcionalidades climáticas, como por exemplo as inundações urbanas, propiciam a formação de situações de riscos. Os riscos naturais quando associados às condições sociais, políticas, econômicas e culturais da população afetada, podem intensificar a condição de vulnerabilidade frente às doenças de veiculação hídrica (MENDONÇA, 2004b).

5Wilches-Chaux (1993 apud, Díaz-Barriga et al., 2011, p.109) compreende vulnerabilidade como “um sistema dinâmico que surge como consequência da interação de diversos fatores, cuja interação tem como resultado a incapacidade da comunidade para responder de maneira adequada a um risco determinado”.

6Este tipo de enfoque, de caráter socioambiental na análise das doenças de veiculação hídrica, encontra vasta bibliografia a se sustentar, dentre as quais destacam-se as contribuições de Benicio e Monteiro, 2000; Fink et al., 2001; Mendonça, 2004a; Aleixo, 2012; Buffon e Mendonça, 2015 e Buffon (2016). Cólera, diarreia aguda, febre tifoide, hepatite A, leptospirose e dengue são doenças de veiculação hídrica que possuem como condicionantes tanto dos elementos do ambiente natural (clima e geomorfologia) quanto do contexto sócio-econômico-político-cultural (ambiente construído) (MARA E FEACHEM, 1999).

7Dentre todas essas doenças de veiculação hídrica, neste trabalho aborda-se a diarreia aguda que a nível mundial atingem 1,7 milhões de pessoas anualmente, principalmente crianças, sendo a mortalidade de aproximadamente 700 mil (WALKER et al., 2013). A diarreia aguda apresenta-se atualmente no Brasil como uma das doenças mais negligenciadas, tanto pela população como pelos órgãos públicos dedicados à promoção da saúde e qualidade de vida. A maioria das pessoas vitimadas por esta doença não procura atendimento que implica no grande número de subnotificação. O próprio sistema público de saúde, por não estabelecer uma notificação e investigação obrigatória de casos de diarreia, faz com que os dados disponíveis sejam oriundos de estudos restritos na escala local, o que dificulta o acompanhamento e a prevenção da doença.

8Em Curitiba, por muitos anos, a metodologia de registro dos casos de diarreias foi realizada somente nas ocorrências de internações. Esse cenário modificou-se com a implantação da Monitorização das Doenças Diarreicas Agudas (MDDA) no Paraná (1992). Com a implantação desse programa e mesmo que a doença ainda não seja de registro compulsório, foram obtidos significativos avanços no monitoramento. É importante mencionar que nem todos os municípios do estado aderiram a esse programa, de tal modo que atualmente ainda existem municípios, dentro da Região Metropolitana de Curitiba, que não possuem banco de dados sobre os casos de diarreia. A Secretaria de Saúde do município de Curitiba reformulou esse monitoramento recentemente (em 2012), inserindo novas variáveis que alteraram a metodologia de coleta dos dados, por exemplo com a inserção do endereço dos casos notificados.

9A necessidade do constante monitoramento desta doença, é reforçada pelo processo de urbanização do Brasil, em que o crescimento urbano ocorreu de modo acelerado e desordenado evidenciando muitas deficiências em relação à disponibilidade de infraestrutura básica, fator agravante na condição de saúde da população. De acordo IBGE (2010) somente 55% da população do Brasil é comtemplada com rede de esgoto, e cerca de 10% dos brasileiros não tem acesso a água tratada pela rede geral. Curitiba, embora, tenha reconhecimento internacional como uma cidade modelo, baseada na excelência em planejamento tanto territorial como ambiental, evidencia, na realidade, aspectos que comprometem esta imagem positiva (MENDONÇA, 2004c). Ao longo da malha urbana desta cidade, e principalmente nas proximidades dos cursos hídricos, existem muitas ocupações irregulares (ocupações subnormais) que, por exemplo, sob atuação de eventos hidrometeóricos (inundações) comprovam a elevada vulnerabilidade da população.

10A condição natural, que envolve a dinâmica climática (verão chuvoso e quente que resulta em múltiplos eventos extremos climáticos) e geomorfológica (rios com amplas planícies de inundação) em Curitiba, se torna ainda mais complexa quando a cidade reflete a problemática socioambiental urbana Brasileira; em que a urbanização alia a expansão desordenada à exclusão social, haja visto que as condições de infraestrutura básica da cidade não estão acompanhando o crescimento urbano. Trata-se, portanto, de uma cidade na qual há uma explicita associação entre eventos hidrometeóricos extremos – inundações – urbanização incompleta e caótica, condições altamente favoráveis à repercussão de doenças transmissíveis como aquelas de veiculação hídrica.

11Considerando as imbricações dos subsistemas natural, social e construído na gênese e dinâmica das diarreias, aponta-se a necessidade de analisá-las no contexto da cidade de Curitiba, sobretudo pela importância da doença nesta cidade. Esta cidade apresenta uma problemática socioambiental marcada pela constante efetivação de riscos (casos consecutivos de inundações), que se relaciona com uma multiplicidade de aspectos do ambiente construído, tal como a questão da ausência ou insuficiência de infraestrutura básica, donde emergem altos índices de poluição hídrica (MENDONÇA, 2004a) e que influenciam diretamente na ocorrência da doença.

12A partir desse viés, este texto coloca em evidencia algumas relações entre as condições ambientais, sociais, culturais e econômicas com a incidência de diarreia aguda em Curitiba. Com base nessas relações e na aplicação da metodologia da cartografia de síntese, construiu-se um mapeamento da vulnerabilidade socioambiental à diarreia aguda que foi analisado de modo integrado espacialmente com a incidência da doença.

Procedimentos executados

13Para definir o objetivo da presente pesquisa, pautou-se primeiramente em uma revisão bibliográfica com o objetivo de definir os elementos que interferem na manifestação de diarreia aguda, pois são muitas as variáveis socioambientais e socioculturais que condicionam a ocorrência da doença, uma vez que a concepção aqui adotada é aquela da multicausalidade. Em primeiro momento, baseou-se na noção de Sorre (1984) quando aborda a interação entre o meio e a saúde humana a partir de três complexos, a saber: o complexo climático, o complexo vivo e o complexo social.

14Considerando esses complexos adotou-se as perspectivas apresentada em dois estudos, que evidenciam, respectivamente, a análise dos fatores condicionantes da Diarreia Aguda e dos problemas socioambientais urbanos, a saber: Genser et al. (2008) abordando uma visão dos condicionantes sociais da doença e; Mendonça (2004b) com a perspectiva do sistema ambiental urbano, permitindo assim inserir para além dos condicionantes sociais a influência do clima na análise da ocorrência da doença. Esses dois estudos proporcionaram uma base teórica-metodológica na definição dos elementos condicionadores da ocorrência de Diarreia Aguda.

15Genser et al. (2008) elaborou uma estrutura conceitual das inter-relações entre os principais fatores de riscos para a incidência de diarreias e apresentou uma investigação do impacto de medidas de intervenção frente aos condicionantes sociais desta doença (Figura 2). Esse modelo teórico da incidência de diarreias aplicado ao estudo de caso de medidas de intervenção permite compreender que as políticas públicas (campanhas, informações e estratégias de ação) são mais eficazes quando, num primeiro momento, forem promovidas mudanças nas condições de infraestrutura básica que alteram as condições de vida da população. Essa afirmação resulta da análise de que o bloco 2 (Figura 2), antes da intervenção apresenta 53% de influência dos fatores econômicos, enquanto que após intervenção esse valor diminui para 18%. Assim, após medidas de intervenção na infraestrutura básica, as populações mais vulneráveis (condição de pobreza) não estão mais em lugares mais vulneráveis (ausência de infraestrutura básica); esse aspecto permite concluir que as medidas de prevenção educativas e estratégicas sejam mais eficazes.

Figura 2: Proporção da população exposta ao risco e fatores condicionantes, antes e após a intervenção (laterais esquerda e direita das setas).

Figura 2: Proporção da população exposta ao risco e fatores condicionantes, antes e após a intervenção (laterais esquerda e direita das setas).

Fonte: GENSER et al., 2008.

16A segunda perspectiva adotada nesta pesquisa, refere-se ao pressuposto de análise apresentado na perspectiva do Sistema Ambiental Urbano (S.A.U. - MENDONÇA, 2004b), que enfatiza a noção multi e interdisciplinar na análise e solução de problemas socioambientais urbanos. Essa perspectiva, diferentemente da anterior propícia a inserção de elementos climáticos na análise da diarreia aguda em Curitiba. Assim, adotou-se como mecanismos de entrada da doença (input) elementos do meio vivo, social e natural, expressos através dos microrganismos, dos elementos climáticos (temperatura, precipitação e umidade) que constituem o clima e, do homem como hospedeiro da doença (Figura 3). Os atributos que promovem a dinamização dos elementos do meio vivo, social e natural, se referem aos modos de vida, a urbanização e as políticas públicas (Figura 3). Considerando essa perspectiva de análise da diarreia aguda em Curitiba, cita-se como aplicação do presente estudo, a contribuição para a elaboração de políticas públicas de saúde, que visam o controle da doença (Figura 3).

Figura 3: Sistema Ambiental Urbano aplicado a análise de Diarreia Aguda.

Figura 3: Sistema Ambiental Urbano aplicado a análise de Diarreia Aguda.

Fonte: adaptado de MENDONÇA, 2004b. Org.: Autores (2015).

17Considerando as duas perspectivas de análise adotadas nesta pesquisa, tornou-se necessário proceder com a coleta de dados, para posteriormente aplicar técnicas de análise que propiciem a visão integradora entre o meio e a saúde humana. Para isso, foram coletados dados de atendimentos por diarreia aguda na Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, de acordo com período disponível, sendo: dados anuais e semanais (2005 a 2014) e dados por bairro de residência (2013 e 2014). De antemão, é importante mencionar, que nos primeiros meses do ano de 2012 (3ª a 31ª semana epidemiológica) não houve registro de atendimentos devido a implantação do novo sistema junto ao programa de monitorização das doenças diarreicas agudas (MDDA).

18Para o cálculo da incidência de diarreia aguda utilizou-se da seguinte equação (BARBOSA, 1993):

19

(Equação 1)

20onde n equivale ao tamanho da amostra da população; nesta pesquisa, optou-se por utilizar o valor de n como sendo 4, de modo, que o coeficiente de incidência foi expresso por 100.000 habitantes.

21A construção do mapeamento de vulnerabilidade social à diarreia aguda foi realizada com base na técnica de cartografia de síntese (MARTINELLI 1991, 2003; SAMPAIO, 2012), por meio da álgebra de mapas e análise multicritério. Buffon (2016) utilizou essa metodologia para apresentar a vulnerabilidade social à leptospirose humana e concluiu que tal técnica é eficaz para identificar as populações mais frágeis à doença, de modo a auxiliar nas tomadas de decisões frente ao controle, combate e erradicação da doença. Assim, no primeiro momento neste trabalho, é apresentado um mapeamento dos indicadores de vulnerabilidade socioambiental de modo isolado, a fim de identificar a variação e os padrões espaciais desses indicadores.

22Para a construção desses cenários, baseado em mapeamento, realizou-se o processo de normalização e padronização dos dados por setores censitários de Curitiba, de modo a constituir, também, a síntese elementar do mapeamento final da vulnerabilidade socioambiental à diarreia aguda.

23De acordo com Sampaio (2012) esse processo de síntese em concepção geral é expressado pela equação 2:

24Onde: Vnppi - representa cada uma das variáveis normalizadas padronizadas e ponderadas empregadas no processo de síntese e i varia de 1 (primeira Vnpp) até n (última Vnpp).

25A definição das variáveis adotadas no cenário de vulnerabilidade social pautou-se nos fatores interferem na manifestação da diarreia aguda (GENSER et al., 2008). Neste viés de análise, e considerando que as variáveis têm níveis de importância distintas, realizou-se a ponderação das categorias e variáveis de modo a atribuir pesos para cada uma, com a soma dos pesos igual a 100% (QUADRO 1).

Quadro 1: Categorias, pesos e variáveis da vulnerabilidade social à diarreia em Curitiba, 2010.

Categoria

Peso

Sub-Categoria

Peso

Variáveis

Características dos domicílios

75%

Rede de esgoto ou fossa séptica

25%

Domicílios particulares permanentes sem rede de esgoto ou fossa séptica

Coleta de lixo

20%

Domicílios particulares permanentes sem coleta de lixo, com depósito na propriedade, terreno baldio, logradouro, rio, lago ou mar

Abastecimento de água

30%

Domicílios particulares permanentes com fonte de água proveniente de poço, rios, açudes ou água da chuva

Características dos moradores

25%

Renda

25%

Total responsável com renda até 2 salários mínimos

Org.: Autores (2015).

26Para adicionar a dimensão ambiental no mapeamento da vulnerabilidade social à diarreia aguda foi realizado a complementação com a representação espacial das áreas de inundações com tempo de retorno de 10 e 25 anos, resultando assim no mapeamento da vulnerabilidade socioambiental. Ainda no que tange a representação da vulnerabilidade, adicionou-se ao mapeamento a localização das ocupações irregulares, com o objetivo de caracterizar o contexto de vulnerabilidade dessas áreas. Esses dados foram disponibilizados pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC) e Instituto das Águas do Paraná (AGUASPARANA). A construção da representação da vulnerabilidade, em forma de mapeamento, foi realizada com o emprego do Sistema de Informações Geográficas (SIG) e o uso do software ArcGIS Esri 10.1 na elaboração dos mapas.

Resultados e discussão

Análise temporal da incidência de diarreia aguda e identificação dos condicionantes socioambientais desta doença em Curitiba

27Considerando o quadro geral de saúde no Estado do Paraná se observa que as doenças infecciosas e parasitárias (DIP) não aparecem mais dentre as cinco primeiras causas de morte e internações. Conforme dados do SIM-DATASUS (2014) a DIP constituía, na década de 1960, na primeira causa de mortalidade geral, passando para quarta na década de 1980, e para nona causa na presente década. Um dos principais fatores a produzir esta alteração no perfil epidemiológico do Estado é os investimentos em sistemas de saneamento ambiental que, mesmo incompletos e insuficientes, resultam em importante melhoria na saúde púbica.

28Embora a DIP não figure mais dentre as principais causas de mortalidade geral no Estado do Paraná, observa-se que as doenças de veiculação hídrica ainda persistem na população mesmo considerando-se a subnotificação da doença. Em algumas localidades e momentos as diarreias agudas, por exemplo, passaram a ser registradas de forma mais sistemática como é o caso da cidade de Curitiba, recentemente, por meio de programas locais. Entretanto, mesmo neste contexto, os dados não permitem análises aprofundadas no espaço e no tempo, em razão, da negligência da doença.

29Conforme apresentado na Figura 4, observa-se de modo geral, uma melhoria no sistema de notificação, o que por sua vez, pode ter contribuído para o aumento nos registros ao longo dos 10 anos aqui analisados. O ano de 2012 é caracterizado por uma queda nos casos de atendimentos por diarreia aguda em Curitiba, em razão da ausência de dados nos primeiros meses do ano devido a modificações realizadas no sistema de notificação.

30As variações na série anual podem indicar tanto a influência do clima (variações de temperatura ou pluviosidade) quanto da implementação de programas de promoção da saúde. Entretanto, para afirmar esse pressuposto, torna-se necessário uma análise detalhada na escala diária ou hebdomadária que aponte o grau de interferência do clima e dos programas de saúde na variação do número de atendimentos por diarreia aguda na cidade.

31Em Curitiba, o coeficiente de incidência de diarreia aguda para 100.000 habitantes foi mais elevado nos anos de 2010 e 2014, respectivamente, com taxa de 4.007 e 3.916 casos de atendimentos, ou seja, aproximadamente 25 casos para cada 1.000 habitantes (Figura 4). Estudos recentes de Busato et al. (2013) e Asmus (2014) demonstram resultados semelhantes, de tal modo que encontraram ao longo de 5 e 10 anos uma incidência (1.000 habs.) média de 38 casos no Oeste Catarinense e no litoral norte de São Paulo, em Caraguatatuba, 48 casos como valor máximo e 16 casos como mínimo.

32

Figura 4: Curitiba/PR - Atendimentos por diarreia aguda - 2005 a 2014.

Figura 4: Curitiba/PR - Atendimentos por diarreia aguda - 2005 a 2014.

Dados: Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (2015) e DATASUS (2015), Org.: Autores (2015).

33A partir da sistematização de dados semanais (Figura 5) é possível identificar uma queda mais acentuada nos atendimentos por diarreia aguda no Inverno; dentre os fatores que implicam nesta redução podem ser citadas as baixas temperaturas registradas nesse período. Também, percebe-se na figura 5, que os períodos com maiores registros de atendimentos referem-se aos momentos de transição de estações do verão para o outono e do inverno para primavera, que refletem as mudanças bruscas do tempo. Com destaque, em Curitiba, para o período do Outono, em razão dos elevados totais pluviais, conforme é apresentado na Figura 5 (b). Essas características climáticas de Curitiba, que classificam seu clima como mesotérmico brando (média entre 10ºC e 15ºC), super úmido, sem estação seca (IBGE, 1998). Além da condição climática, cabe mencionar o final do período de férias escolares tanto na transição de estação do Outono para Inverno, bem como, da Primavera para o Verão. Na busca de identificar padrões de ocorrência da doença em Osasco-SP, Melli e Waldman (2009), relatam que o aumento de casos de diarreias no verão é reflexo das bactérias de transmissão fecal-oral, por outro lado, no outono refere-se as situações virais.

Figura 5: a) Curitiba/PR - Atendimentos por diarreia aguda por Semana Epidemiológica - 2005 a 2014. Cores: Vermelho (verão), marrom (outono), azul (inverno) e laranja (primavera).

34

b) Climograma de Curitiba (1961-1990).

b) Climograma de Curitiba (1961-1990).

Dados: Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (2015) e INMET (2016).

Org.: Autores (2015).

35Para além dos condicionantes climáticos, a distribuição da diarreia aguda também é reflexo dos padrões demográficos, sociais, econômicos e ambientais dos lugares, que resultam nas condições de vulnerabilidade das populações. Curitiba, assim como outras cidades do Brasil, concentram bolsões de ocupações subnormais em áreas que são constantemente afetadas por inundações, portanto áreas de alto risco socioambiental.

36Esse fato em Curitiba, resulta da ausência ou insuficiência na aplicação de um planejamento de uso e ocupação do solo adequado na orientação do crescimento urbano, com destaques para as porções pericentrais e periféricas. Exemplos podem ser observados na Figura 6, nos bairros Capão da Imbuia (20), Cajuru (21), Parolin (25), Uberaba (37), Fazendinha (42) e Cidade Industrial (75), localizados em áreas ambientalmente vulneráveis e também ocupados, em grande proporção (adensamento populacional) por populações mais vulneráveis.

37

Figura 6: Curitiba/PR: Localização no estado do Paraná e na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), densidade demográfica, áreas de ocupação irregular e áreas de inundação.

Figura 6: Curitiba/PR: Localização no estado do Paraná e na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), densidade demográfica, áreas de ocupação irregular e áreas de inundação.

38A urbanização corporativa (SANTOS, 1993) que se desenvolveu na cidade de Curitiba resultou no fato de que a população vive uma emergência cotidiana em relação aos riscos. Esses riscos não obedecem mais somente a uma ordem ambiental ou social, isso porque, ao mesmo tempo em que são riscos naturais não deixam de ser também riscos sociais, donde riscos híbridos se formam permanentemente na cidade. As inundações urbanas em Curitiba constituem, na sua gênese, riscos naturais; entretanto, o processo de ocupação humana e de intensa vulnerabilidade social nas planícies de inundação, torna esse fenômeno um risco socioambiental, ou seja, a população exposta ao perigo das águas torna-se vitima fácil das doenças de veiculação hídrica.

39Portanto, os lugares passam a se distinguir pelas diferentes condições de vulnerabilidades em relação aos riscos, que resultam na lógica de exclusão social e segregação espacial, não somente na dimensão econômica, mas sim socioambiental. A exclusão social e a segregação espacial resultam diretamente na origem dos problemas socioambientais urbanos, estes são cotidianamente intensificados pela crescente degradação ambiental urbana. Nesse viés observa-se que muitos citadinos se encontram em condições de vida precárias, posto que são alijados dos benefícios inerentes ao processo de urbanização planejada, assim convivem com os elementos que marcam grande parte da periferia urbana, geralmente poluída, ineficiente e injusta.

40Essa sociedade dos vulneráveis faz parte do espaço urbano de Curitiba, visto que evidencia a ineficiência do sistema de infraestrutura no que consiste a disponibilização de água com qualidade para todos (Figura 7). A ausência de rede de esgoto, e de tratamento dos efluentes, resulta na degradação da qualidade da água que, por conseguinte, tem efeitos negativos na condição de saúde da população.

41Em Curitiba, a segregação espacial das vulnerabilidades ao risco de doenças de veiculação hídrica é visível quando se observa e compara a localização das maiores e menores valores das proporções de domicílios com fontes alternativas de água associado com aquelas de domicílios sem rede de esgoto (Figura 7). Esses lugares, situados em sua grande maioria na periferia geográfica da cidade, são tidos como invisíveis em face da cidade exemplo de planejamento urbano (1970), capital de primeiro mundo (1980/1990), capital ecológica (1990) e capital social (2000) (MENDONÇA, 2004c).

42

Figura 7: Curitiba/PR - 2010: Proporção de responsável da família com renda até 2 salários mínimos e proporção de domicílios sem rede de esgoto e fossa séptica

Figura 7: Curitiba/PR - 2010: Proporção de responsável da família com renda até 2 salários mínimos e proporção de domicílios sem rede de esgoto e fossa séptica

Figura 8: Curitiba/PR – 2010: Proporção de domicílios com fonte de água proveniente de poço, rios, açudes e água e proporção de domicílios particulares permanentes sem coleta de lixo, com depósito na propriedade, terreno baldio, logradouro, rio, lago ou mar.

Figura 8: Curitiba/PR – 2010: Proporção de domicílios com fonte de água proveniente de poço, rios, açudes e água e proporção de domicílios particulares permanentes sem coleta de lixo, com depósito na propriedade, terreno baldio, logradouro, rio, lago ou mar.

43Os bairros situados na várzea do Iguaçu, nas porções leste, sudeste e sul de Curitiba - Cajuru (21), Uberaba (37), Boqueirão (56), Alto Boqueirão (64), Ganchinho (72), Umbará (73), Caximba (70), Campo de Santana (71), Tatuquara (74) e Cidade Industrial (75) - são as regiões que apresentam os maiores problemas com a ausência de rede de esgoto, e também são aquelas, em especial para o sul de Curitiba, nas quais os domicílios são abastecidos com fontes alternativas de água. Além dessa região bem demarcada, citam-se a oeste os bairros Riveira (69) e Orleans (59) com elevadas taxas no uso de fontes alternativas de água, a norte os bairros Taboão (49), Abranches (50), Cachoeira (51) e Santa Cândida (53), com taxas elevadas no que concerne a ausência de rede de esgoto. Também, na região central, o bairro Parolin (25), com significativo uso de fontes alternativas de água além da ausência de esgotamento sanitário. Todos esses bairros (Figura 6) apresentam, em maior ou menor extensão, áreas de ocupações irregulares.

44A ausência ou ineficiência da rede de esgoto, e do tratamento de efluentes, podem terem papel central nas elevadas taxas de incidência de diarreia aguda. A região leste de Curitiba, onde se encontram parte das nascentes do rio Iguaçu, embora não se caracterize por utilizar fonte alternativa de água, apresentou alta incidência de diarreia aguda, aspecto diretamente relacionado à insuficiente ou ausência de serviços de esgotamento sanitário, ou, a insuficiência ou intermitência no fornecimento da água (Figura 7 e 8).

45Problemas de infraestrutura básica na várzea do rio Iguaçu - região leste de Curitiba, identificados também nesta pesquisa, são problemas de ordem socioambiental antigos; na década de 1980 o CONAMA classificou a qualidade da água do rio Iguaçu enquadrando na classe 2, mas outros estudos apontaram-na como classe 4, que corresponde a mais baixa categoria (MIRANDA, 2004). O problema de fluxo de esgoto descarregado diretamente nos rios e córregos de Curitiba também não é recente, e os seus reflexos na sociedade são muitos, desde, por exemplo, no comprometimento do sistema de abastecimento de água até a formação de situações de riscos à saúde humana (doenças e óbito).

Mapeamento da incidência e da vulnerabilidade socioambiental à diarreia aguda em Curitiba

46A análise integrada envolvendo os condicionantes socioambientais e a incidência de diarreia aguda demonstra que o arranjo espacial delineado pela diferenciação da vulnerabilidade à doença é compatível com sua incidência da doença nos anos de 2013 e 2014 (Figura 9 e 10). O resultado coloca em evidencia a forte imbricação entre as variáveis analisadas e a eclosão da doença, ou seja, de que as áreas com maiores implicações sociais e ambientais evidenciam as maiores incidências de diarreia aguda.

47Conforme apontam as figuras 9 e 10, os bairros mais vulneráveis no que concerne a manifestação de diarreia aguda em Curitiba, localizam-se na periferia geográfica, especialmente, nas regiões sul, sudeste, sudoeste e oeste da cidade. Em termos percentuais, considerando toda a área edificada e não edificada em Curitiba, conclui-se que os graus de vulnerabilidade são assim caracterizados: 14,73% (muito baixa), 23,15% (baixa), 24,75% (média a baixa), 16,36% (média a alta), 14,54% (alta) e 6,44% (muito alta).

48Dentro das categorias de alta e muito alta, os bairros com maiores percentuais estão localizados na periferia, sendo esses: Campo de Santana (18,13%), Cidade Industrial de Curitiba (13,05%), Umbará (9,24%), Caximba (8,47%). Ao observar a incidência de diarreia percebe-se que além das porções periféricas, na porção pericentral da cidade, ocorre elevada incidência da doença, tal como nos bairros: Parolin, Guaíra, Jardim Botânico e Novo Mundo, que demandam, em pequenas porções de sua área, de infraestrutura básica.

49A espacialidade da vulnerabilidade constitui uma expressão da dinâmica espaço-temporal do uso e ocupação do solo em Curitiba, haja visto as áreas de ocupação mais recente (ao oeste), ainda destituídas de infraestrutura básica de saneamento, são áreas vulneravelmente mais críticas. Outro aspecto associado ao uso e ocupação do solo, é que as áreas restritas a ocupação habitacional – proteção permanente do Rio Iguaçu e seus afluentes - que estão ocupadas são marcadas por condições de muito alta a alta vulnerabilidade socioambiental a diarreia aguda (regiões sul, sudeste e leste).

50Deschamps (2004), considerando um cenário dos anos 2000 na RMC, apontou as áreas com risco de inundação concentram populações com grau de vulnerabilidade social de médio para altíssimo, corroborando a afirmação de que eles não são problemas novos na cidade; entrementes, para agravar a situação, observa-se que os maiores fluxos de migração foram direcionados justamente para as áreas com alto e de alto para médio grau de vulnerabilidade social.

51A segregação espacial que comumente reflete da segregação econômica (renda), também se aplica às doenças, pois a saúde das populações resulta diretamente das condições de vulnerabilidades e riscos socioambientais dos lugares e das pessoas (exclusão social). Assim, fica claro que se as condições de infraestrutura forem inadequadas à habitação, a população apresenta maior vulnerabilidade aos riscos de agravos à saúde como é o caso da diarreia aguda, evidenciadas nas figuras 9 e 10.

Figura 9: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2013.

Figura 9: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2013.

Figura 10: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2014.

Figura 10: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2014.

Conclusões

52A distribuição espaço-temporal da diarreia aguda em Curitiba, no período de 2005 a 2014, apresentou um crescimento do número de casos. Esse fato pode se relacionar tanto a dinâmica dos condicionantes socioambientais associadas as situações de vulnerabilidades e riscos, como também, às políticas públicas municipais que, ao longo da última década, promoveram um aumento nos casos de atendimentos em razão da eficiência na notificação. A análise aqui desenvolvida colocou em evidencia uma abordagem da doença na perspectiva da multicausalidade, posto que a incidência da diarreia aguda numa dada população responde a inúmeros fatores condicionantes.

53Dessa forma, ao se verificar as relações espaciais entre as variáveis socioambientais e a dinâmica dos casos de atendimentos por diarreia aguda em Curitiba, é possível observar pelo menos dois aspectos relevantes, a saber:

  1. Variáveis climáticas: queda nos atendimentos de diarreias agudas no Inverno. Nos períodos de transição de estações do verão para o outono e do inverno para primavera ocorreu uma elevação no número de registros, que pode estar relacionado à dinâmica das chuvas (aumento) e elevação térmica;

  2. Variáveis integradas: os problemas de ordem socioambiental em Curitiba se repercutem diretamente na saúde humana da população local. Essa afirmação é sustentada na análise de que as áreas mais vulneráveis socialmente, quanto às condições sanitárias e de infraestrutura, são também aquelas vulneráveis ambiental, a ocorrência de inundações, e também, são as que apresentam elevada incidência de diarreia aguda. Como exemplos desta situação citam-se os bairros situados na várzea do Iguaçu, situados nas porções leste, sudeste e sul de Curitiba.

54Nesta perspectiva a análise aqui desenvolvida encontra-se limitada a alguns aspectos principais, tal como: a ausência de uma série de dados mais ampla e mais expressiva com a realidade (menor subnotificação). Desta maneira não foi possível o desenvolvimento de uma análise mais detalhada, tanto da proporção de influência dos elementos climáticos como das transformações socioambientais urbanas em Curitiba e seus reflexos diretos sobre a doença. Esta condição evidencia que o conjunto de dados relativos somente a uma década não suficiente para apontar uma relação muito explicita entre a doença e o clima. No que se refere a distribuição espacial das diarreias agudas na cidade foi possível apresentar somente uma análise da situação atual, devido, a recente implantação em Curitiba do sistema de notificação da doença por bairro de residência.

55Contudo, ainda que encontrando algumas limitações para uma análise mais aprofundada e refinada, a presente pesquisa destaca a importância da notificação de doenças transmissíveis como fator fundamental para seu controle. Outrossim, e talvez sua maior contribuição, é aquela de colocar em evidencia a interação explicita entre variáveis ambientais e sociais (socioambientais) para analisar a vulnerabilidade da população frente a uma situação de risco que afeta à saúde humana.

Haut de page

Bibliographie

ALEIXO, N. C. R. Pelas lentes da climatologia e da saúde pública: doenças hídricas e respiratórias na cidade de Ribeirão Preto/SP. Presidente Prudente, 2012. Tese de doutorado (Doutorado em Geografia) - Departamento de Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

ASMUS, G. F. Vulnerabilidade em saúde no contexto de mudanças ambientais: o caso das doenças de transmissão hídrica em Caraguatatuba, Litoral Norte – SP. Campinas, 2014. Tese de doutorado (Doutorado em Ambiente e Sociedade) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

BENÍCIO, M. H. D.; MONTEIRO, C. A. Tendência secular da doença diarreica na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Revista Saúde Pública, v. 34, n. 6, p.83-90, 2000.

BUFFON, E. A. M. A leptospirose humana no AU-RMC (Aglomerado Urbano da Região Metropolitana de Curitiba/PR) – risco e vulnerabilidade socioambiental. Curitiba, 2016. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia) - Setor de Ciências da Terra, Programa de Pós-Graduação Geografia, Universidade Federal do Paraná.

BUFFON, E. A. M. & MENDONÇA, F. A. Diarreia aguda no Aglomerado Urbano da Região Metropolitana de Curitiba/PR (AU-RMC): Uma abordagem a partir da problemática socioambiental urbana. In: Anais do VII Simpósio Nacional de Geografia da Saúde e IV Fórum Internacional de Geografia da Saúde, v. 7, p. 274-286, 2015.

BUSATO, M. A.; LUTINSKI, M. F.; SOUZA, M. F. et. al. Distribuição de doenças diarreicas agudas em municípios do estado de Santa Catarina. Hygeia, v. 9, n. 16, p.19-27, 2013.

DESCHAMPS, M. V. Vulnerabilidade socioambiental na região metropolitana de Curitiba/PR. Curitiba, 2004. Tese de doutorado (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná.

FINK, G.; GUNTHER, I.; HILLET, K. The effect of water and sanitation on child health: evidence from the demographic and health surveys 1986-2007. International Journal of Epidemiology, n. 40, p. 1196-1204, 2011.

DÍAZ-BARRIGA, F.; GARCIA, S.; CORRA, L. Prevenção de riscos em populações vulneráveis. In: GALVÃO, L. A.; FINKELMAN, J.; HENAO, S. Determinantes ambientais e sociais da saúde. Organização Pan-Americana da Saúde, Washington, DC: OPAS, 2011. pp.139-154

GENSER, B.; STRINA, A.; SANTOS, L. A. et. al. Impact f a city-wide sanitation intervention in a large urban center on social, environmental and behavioral determinants of childhood diarrhea: analysis of two cohort studies. International Journal de Epidemiology, Oxford, n. 37, p. 831-840, 2008.

IBGE. 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/en/. Acesso em 06 de agosto de 2014.

__________. Mapas temáticos: Clima (1998). Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas_tematicos/mapas_murais/clima.pdf>. Acesso em: junho de 2016.

LACAZ, C. S.; BASRUZZI, R. G. & SIQUEIRA, W. Introdução a geografia médica. São Paulo, Edgar Blücher/Edusp, 1972.

MARA, D. D. & FEACHEM, R. G. A. Water and excreta-related diseases: Unitary environmental classification. Journal of Environmental Engineering, 125, p. 334-339, 1999.

MELLI, L. C. F. L.; WALDMAN, E. A. Tendência temporal e desigualdades na mortalidade por diarreias em menores de 5 anos. Jornal Pediatria, v. 85, n. 1, p. 7-21, 2009.

MENDONÇA, F. A. Riscos, vulnerabilidade e abordagem socioambiental urbana: uma reflexão a partir da RMC e de Curitiba. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 10, jul./dez, p. 139-148, 2004a.

________________. Impactos socioambientais urbanos. Curitiba: Editora da UFPR, 2004b.

________________. Abordagem interdisciplinar da problemática ambiental urbano-metropolitana: esboço metodológico da experiência do Doutorado em MA&D da UFPR sobre a RMC – Região Metropolitana de Curitiba. In: MENDONÇA, F. A. Cidade, desenvolvimento e meio ambiente: a abordagem interdisciplinar de problemáticas socioambientais urbanas de Curitiba e Região Metropolitana. Curitiba: Editora da UFPR, 2004c.

MIRANDA, T. L. G. de. Avaliação da qualidade da água na Bacia do Alto Iguaçu através de modelagem matemática para planejamento e gestão de recursos hídricos. In: MENDONÇA, F. A. Cidade, desenvolvimento e meio ambiente: a abordagem interdisciplinar de problemáticas socioambientais urbanas de Curitiba e Região Metropolitana. Curitiba: Editora da UFPR, 2004.

PNUD – Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo; UNOPS – Oficina de Servicios para Proyetos de las Naciones Unidas. Proyecto regional de capacitación en gestión ambiental urbana. Guia metodológica de capacitación en gestión ambiental urbana para universidades de América Latina y el Caribe. Nova York: UNDP/UNOPS, 1997.

BARBOSA, L. de M. M., 1993. Glossário de Epidemiologia e Saúde. In: ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. 4. ed. Rio de Janeiro: MEDSI.

ROUQUAYROL, M. Z. & GOLDBAUM, M. Epidemiologia, História Natural e Prevenção de Doenças. In: ROUQUAYROL, M. Z. & ALMEIDA FILHO, N de. Epidemiologia e saúde. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 1999.

SAMPAIO, T. V. M. Diretrizes e procedimentos metodológicos para a cartografia de síntese com atributos quantitativos via álgebra de mapas e análise multicritério. Boletim de Geografia, Maringá, v. 30, n. 1, p. 121-131, 2012.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SORRE, M. A adaptação ao meio climático e biossocial – geografia psicológica. In: MEGALE, J. F. (Org.). Max Sorre. São Paulo: Ática, 1984. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, 46).

WALKER, C. L. F.; RUDAN, I.; LIU, L. et al. Global burden of childhood pneumonia and diarrhoea. The Lancet, n. 381, p. 1405-1416, 2013.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Dinâmica da problemática ambiental urbana.
Crédits Fonte: PNUD/UNOPS (1997, p.65).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-1.png
Fichier image/png, 86k
Titre Figura 2: Proporção da população exposta ao risco e fatores condicionantes, antes e após a intervenção (laterais esquerda e direita das setas).
Crédits Fonte: GENSER et al., 2008.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 3: Sistema Ambiental Urbano aplicado a análise de Diarreia Aguda.
Crédits Fonte: adaptado de MENDONÇA, 2004b. Org.: Autores (2015).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-3.png
Fichier image/png, 55k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-4.png
Fichier image/png, 2,2k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Figura 4: Curitiba/PR - Atendimentos por diarreia aguda - 2005 a 2014.
Crédits Dados: Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (2015) e DATASUS (2015), Org.: Autores (2015).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-6.png
Fichier image/png, 32k
Titre b) Climograma de Curitiba (1961-1990).
Crédits Dados: Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (2015) e INMET (2016).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-7.png
Fichier image/png, 129k
Titre Figura 6: Curitiba/PR: Localização no estado do Paraná e na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), densidade demográfica, áreas de ocupação irregular e áreas de inundação.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-8.png
Fichier image/png, 200k
Titre Figura 7: Curitiba/PR - 2010: Proporção de responsável da família com renda até 2 salários mínimos e proporção de domicílios sem rede de esgoto e fossa séptica
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-9.png
Fichier image/png, 415k
Titre Figura 8: Curitiba/PR – 2010: Proporção de domicílios com fonte de água proveniente de poço, rios, açudes e água e proporção de domicílios particulares permanentes sem coleta de lixo, com depósito na propriedade, terreno baldio, logradouro, rio, lago ou mar.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-10.png
Fichier image/png, 305k
Titre Figura 9: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2013.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-11.png
Fichier image/png, 643k
Titre Figura 10: Curitiba/PR: Vulnerabilidade socioambiental e incidência de diarreia aguda - 2014.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12610/img-12.png
Fichier image/png, 644k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Elaiz Aparecida Mensch Buffon et Francisco de Assis Mendonça, « Análise integrada da vulnerabilidade à diarreia aguda em Curitiba », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 24 décembre 2017, consulté le 25 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12610 ; DOI : 10.4000/confins.12610

Haut de page

Auteurs

Elaiz Aparecida Mensch Buffon

Universidade Federal do Paraná, eambuffon@gmail.com

Francisco de Assis Mendonça

Universidade Federal do Paraná, chico@ufpr.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals