Navigation – Plan du site
Dossiê Paraná em suas diversas escalas

Potencialidades geoambientais e dinâmica das paisagens de bordas planálticas – o caso dos municípios de Mauá da Serra e Faxinal

Potentialités geoenvironnementales et dynamique de paysages de bord du plateaux - les cas de Maua da Serra et Faxinal
Geoenvironmental landscape potentialities and dynamics of planaltic border - the cases of Maua da Serra and Faxinal
Susana Volkmer et Edison Fortes

Résumés

La zone d'étude qui comprend les municipalités de Faxinal et Mauá da Serra, dispose de paysages différents, qui se prêtent bien à l'analyse cartographique et géosytémique. La résistance différentielle de la lithologie a permis différentes modelés avec des zones non consolidée et jeunes dans chaque compartiment du relief. L'exploitation anthropique de ces paysages, qui a eu lieu dans les années 1930 , a été fondé sur l'exploitation agricole etl'élevage, mais de différentes manières en fonction des capacités et des contraintes de chaque système de paysage. Ils ont été identifiés et classés trois systèmes paysagers ( SPI , II et III) , et leurs sous-unités associées : SP Ia,b,c,d SP IIa,b and SPIIIa,b,c.

Le système paysager I est celui qui présente les plus grandes potentialités d'usage et d'occupation, grâce à un modèle d'exploitation du territoire rendu possible par la fertilité du sol et un relief de faible pente. Le système du paysage II présente les plus grandes restrictions d'utilisation et d'occupation, car il comprend les zones les plus déclives et soumises à des mouvements de masse. Le Système paysager III, bien qu'étant plus favorable à l'exploitation, nécessite des soins dans l'utilisation et l'occupation, en raison des conditions plus friables du sol, très favorables à l'érosion.

Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2004

1O estudo da paisagem baseado na abordagem geográfica realizada de forma integrada, a partir de uma análise sistêmica, constitui na atualidade um importante instrumento teórico e metodológico para o avanço da ciência. A interpretação e a compreensão da paisagem requerem a identificação das diferentes estruturas que sustentam a dinâmica natural, bem como o entendimento das formas e ações antrópicas presentes, uma vez que as interações entre esses dois conjuntos formam um complexo espacial que constrói, organiza, e reorganiza os espaços geográficos (CALEGARI; FORTES, 2011).

2A individualização de unidades espaciais relativamente homogêneas, onde determinadas características e combinações se repetem, decorre de variações nas estruturas das paisagens e do modelo histórico de ocupação e exploração do território. Estas unidades espaciais constituem diferentes compartimentos ou unidades de paisagem.

3Neste trabalho as paisagens foram classificadas em ordem hierárquica, representativas de sistemas e unidades. As primeiras entendidas como agrupamentos de unidades de paisagem, compreendem territórios associados a contextos geoambientais regionais tanto em termos de estrutura como de evolução. A ocupação e a exploração antropogênica decorrem de políticas e planos elaborados em níveis nacionais decorrente de contextos históricos internacionais.

4As unidades de paisagem são territórios articulados aos sistemas, porém de ordem hierarquicamente inferior e cujos espaços formam polígonos individualizados a partir de processos morfodinâmicos específicos e cuja exploração antropogênica encontra-se ligada a fatores de ordem cultural, porém com atividades econômicas vinculadas a políticas públicas municipais e estaduais.

5A identificação dos compartimentos de paisagem possibilita o entendimento do comportamento, funcionamento e dinâmica de uma dada porção do espaço terrestre, permitindo apontar algumas potencialidades da paisagem sob seus diferentes aspectos.

6O presente estudo objetiva avaliar as potencialidades geoeconômicas e as fragilidades dos ambientes naturais dos municípios de Mauá da Serra e de Faxinal, localizados no centro-norte do Estado do Paraná, sul do Brasil, a partir da análise da dinâmica do meio físico (Figura 1). Essa análise é suportada por diversas pesquisas, de caráter geomorfológico, que vêm sendo realizadas na região da Serra do Cadeado, por professores e alunos de graduação e pós-graduação em nível de mestrado e doutorado.

7A localização dos municípios de Mauá da Serra e Faxinal em um contexto limítrofe de planaltos em bacia sedimentar impõe um quadro geodiverso de formas de relevo, que apresenta elevado potencial para exploração econômica, principalmente vinculada à atividade turística e agropecuária (Figura 2).

FIGURA 1 – Localização dos municípios de Faxinal e de Mauá da Serra.

FIGURA 1 – Localização dos municípios de Faxinal e de Mauá da Serra.

8FIGURA 2: Perfil esquemático do relevo do Estado do Paraná, com direção W-E.

A – Litoral; B – Serra do Mar; C – Primeiro Planalto; D - Segundo Planalto; E – Terceiro Planalto. 1 – Serra Geral; 2 – Serrinha; Área dos municípios de Faxinal e Mauá da Serra.

9De acordo com o Censo Demográfico de 2010 do IBGE, o município de Faxinal apresentava uma população de 16.314 hab., sendo 12.738 hab. (78%), correspondendo à população urbana, e 3.576 hab. (22%), correspondendo à população rural. Em 2010 o município de Mauá da Serra, apresentou uma população de 8.555 hab., sendo a parcela urbana de 7.014 hab. (82%), e a parcela da população rural de 1.541 hab. (18%).

10A Serra do Cadeado, localizada na área de estudo é a denominação local, da Serra Geral, que corresponde a uma importante feição orográfica regional, que se estende desde o Estado de São Paulo até o Rio Grande do Sul. No Estado do Paraná, essa serra constitui o limite entre o Segundo e o Terceiro Planalto (MAACK, 1981), representando, dessa forma, uma borda planáltica que exibe segmentos de relevo típicos de Cuestas, com o front voltado para leste (Figura 2).

Metodologia

11A análise da paisagem e a avaliação das potencialidades para uso e exploração econômica, têm sido feitas a partir de critérios sistêmicos baseados na análise integrada de elementos que compõem o quadro natural e antropogênico. Tendo como propósito a determinação de sistemas e unidades de paisagem, foi necessária a elaboração de documentos cartográficos a partir de interpretação de imagens de radar. Estudos realizados na área por FORTES et. al. (2008), SANTOS (2010), MANIERI (2010), COUTO (2011), MANOSSO (2011), VARGAS (2012) e CAMOLEZI (2013), têm sido utilizados como base para as análises sistêmicas dos compartimentos propostos neste estudo.

12No presente trabalho foram elaborados os mapas: morfogeológico, pedológico, hipsométrico, de declividade e de unidades de paisagem. O site do projeto TOPODATA, (www.dsr.inpe.br/topodata/documentos.php) permitiu a extração das imagens de radar (Shuttle Radar TopographyMision (SRTM), e o site do INPE (http://www.dgi.inpe.br/​CDSR/​).

13Dados SRTM reamostrados para resolução espacial de 30 m foram processados com algoritmos que representam diferentes variáveis morfométricas. Esses dados são obtidos do Projeto TOPODATA (VALERIANO, 2005). A interpretação das imagens de radar feita a partir do softwareGlobal Mapper 13, possibilitou a extração de informações geológicas e gemorfológicas. O acabamento final dos mapas foi realizado por meio do softwareArcGIS® v.9.2. A análise conjunta destas informações permitiu agrupá-las num único documento cartográfico contendo os elementos de maior interesse para a avaliação das potencialidades naturais.

14Os mapas de hipsometria e declividade foram gerados automaticamente mediante o uso do software ArcGIS® v.9.2; eles permitiram estabelecer critérios morfométricos usados na classificação do relevo.

15A carta de Unidades de Paisagem foi feita mediante uso do software Global Mapper 13. Para a identificação dessas unidades fez-se o cruzamento das informações obtidas das demais cartas temáticas, com os dados da bibliografia pertinente à ocupação dos territórios e à exploração econômica dos recursos. Esta integração permitiu a caracterização e a distribuição dos sistemas e unidades de paisagem, bem como a avaliação das potencialidades de uso e ocupação do território.

Contexto ambiental regional

16A área de estudo compreende a zona limítrofe entre o Segundo e o Terceiro Planaltos Paranaenses que formam superfícies suavemente inclinadas para oeste e norte acompanhando o mergulho das camadas da Bacia Sedimentar do Paraná. A principal estrutura tectônica regional dessa bacia é o Arco de Ponta Grossa que constitui um arqueamento do embasamento com mergulho para o interior da bacia. Trata-se de uma grande reentrância semielíptica que faz aflorar o embasamento na parte leste do Estado do Paraná, originando o Primeiro Planalto e partes da Serra do Mar (Figura 1).

17Embora ainda controversa, a atividade tectônica pós-cretácea vinculada a pulsos de soerguimento do Arco de Ponta Grossa, pode ter contribuído para o basculamento dos planaltos interiores do Estado do Paraná, possibilitando o recuo das escarpas e a intensificação do rebaixamento erosivo do Segundo Planalto Paranaense.

18Os alinhamentos que acompanham o Arco de Ponta Grossa deram origem, no Cretáceo, aos extensos derrames de lavas vulcânicas que ocupam o topo da coluna estratigráfica da área, pertencentes à Formação Serra Geral. Ela é composta principalmente por basaltos que formam o arcabouço litológico do Terceiro Planalto, além de grande quantidade diques de diabásio (Figura 3). Eles são responsáveis pelas serras alongadas e estreitas que se destacam na morfologia do Segundo Planalto, devido à erosão diferencial entre o diabásio e as rochas sedimentares mais friáveis, da Formação Rio do Rasto.

19Sotopostos às rochas vulcânicas ocorrem arenitos avermelhados da Formação Botucatu, também mesozóicos, e que formam escarpas com mais de 200m de desnível na parte oeste da área de estudo (Figura 3). Estratigraficamente abaixo destes arenitos ocorrem os arenitos friáveis da Formação Pirambóia, (Figura 3), igualmente mesozóicos. Embora apresentem pouco destaque areal na área de estudo, estes arenitos podem aflorar na base da escarpa, formando grutas e reentrâncias na rocha.

FIGURA 3: Principais unidades litoestratigráficas da área de estudo.

FIGURA 3: Principais unidades litoestratigráficas da área de estudo.

20Na base da coluna estratigráfica ocorrem arenitos e siltitos paleozóicos pertencentes à Formação Rio do Rasto (Figura 3), e que constituem o embasamento da paisagem do Segundo Planalto na área de estudo. Estas litologias são muito friáveis; oferecem grande risco aos processos erosivos, e podem formar pequenas cavernas próximas à base das escarpas, estando interrompidas apenas por intrusões vulcânicas.

21As coberturas sedimentares cenozóicas são constituídas por depósitos inconsolidados distribuídos nos vários compartimentos de relevo. No Terceiro Planalto predominam coberturas pedológicas autóctones, podendo ocorrer depósitos coluviais nos compartimentos com maiores declividades.

22No Segundo Planalto os depósitos cenozóicos têm gênese variada, predominando depósitos de fluxos de massa compostos por blocos polimíticos métricos com grande quantidade de matriz argilosa. Esses depósitos se distribuem desde os topos até os fundos de vales, atestando condições torrenciais de morfogênese da paisagem. Depósitos colúvio-aluviais ocupam compartimentos específicos da média encosta e do fundo de vales.

23A horizontalidade dos derrames vulcânicos formou uma extensa plataforma que deu origem a uma paisagem com morfologia predominante colinosa, com vertentes e topos convexos, altitudes entre 400 e mais de 1.100m (Figura 4), e declividades entre 0% e mais de 30% (Figura 5). As maiores altitudes, (acima de 1.100 metros), concentram-se na parte nordeste, enquanto as inferiores a 500 metros estão localizadas na parte sudoeste. As áreas com declividades entre 20%, e mais de 30%, correspondem às escarpas limítrofes do Terceiro Planalto com o Segundo Planalto.

FIGURA 4: Hipsometria da área abrangendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra

FIGURA 4: Hipsometria da área abrangendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra

24Os compartimentos de relevo e os diferentes litotipos que compõem o quadro morfoestrutural regional, associados às condições climáticas úmidas favoreceram o desenvolvimento de coberturas pedológicas variadas, tais como Latossolos no Terceiro Planalto Paranaense (predominantes), e Neossolos no Segundo Planalto (Figura 6).

FIGURA 5: Declividade da área de estudo

FIGURA 5: Declividade da área de estudo

FIGURA 6: Solos da área contendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra

FIGURA 6: Solos da área contendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra

Domínio de Latossolos associados às rochas vulcânicas, e Neossolos, associados às rochas sedimentares das formações Botucatu, Pirambóia e Rio do Rasto. Argissolos e Nitossolos constituem solos alóctones, secundários.

25Sobre estes solos se desenvolviam Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Semidecidual. (IBGE, 1992). A primeira, atualmente muito devastada, contemplava a mistura de representantes das floras tropical e temperada, e se distribuía entre as altitudes de 800 e 1200m, e a segunda, se caracterizava pela dupla estacionalidade climática (árvores com perda de folhas – caducifólias, no período seco

Resultados e discussões

26Com base na integração dos elementos naturais e antropogênicos foi possível estabelecer três conjuntos principais de paisagens, denominados Sistemas de Paisagem - SP, subdivididos em doze Unidades de Paisagem (em letras minúsculas). (Figuras 7, 8, 9, 10 e 11).

Sistema de Paisagem I (SP I)

27Compreende um conjunto de unidades de paisagem situadas entre 700 e 900m de altitude, representado por colinas baixas e predomínio de declividades de 0 a 12%, podendo chegar a 30% (Figuras 4 e 5). As condições supérgenas de alteração das rochas vulcânicas ácidas e básicas permitiram a Formação de coberturas pedológicas bem desenvolvidas representadas na maior parte por Latossolos. Eles ocupam desde as médias vertentes até os topos, em relevo com declividades menores, especialmente junto às Unidades de Paisagem “b” e “c” (Figuras 6, 7 e 8), onde ocorrem, localizadamente, Nitossolos, também nas médias vertentes.

28Os vales em “v”, encaixados nas juntas basálticas, proporcionam o escoamento rápido dos fluxos hídricos superficiais impedindo a Formação de zonas amplas de inundação, limitadas na maior parte por pequenos alvéolos. As cabeceiras de drenagem se desenvolvem a partir de anfiteatros rasos nos quais ainda se mantém a vegetação de porte arbustivo, e o afloramento constante do lençol freático que garante a umidade permanente do solo.

29A cobertura vegetal original era representada pela Floresta Estacional Semidecidual que ocupava as áreas compreendidas entre as altitudes de 500 e 1500m; atualmente ocorre limitada a alguns fundos de vales da Unidade de Paisagem SP I a, b, d.

30A estrutura florestal do dossel é uniforme, com aproximadamente 20m de altura, representada por espécies relativamente finas com casca grossa e rugosa, folhas miúdas e de consistência coreácea. (IBGE, 1992).

FIGURA 7: Sistemas e unidades de paisagens: SP Ia,b,c,d

FIGURA 7: Sistemas e unidades de paisagens: SP Ia,b,c,d

Situa-se no Terceiro Planalto Paranaense; SP IIa,b-zona de transição entre o SP I e SP II, formado por escarpas da Serra Geral e por rampas detríticas, na base; SP IIIa,b,c-zona depressionária do Segundo Planalto Paranaense. Perfis Transversais: AA´, BB´, CC´.

Relevo ondulado com solos vermelhos e profundos (Fotos 1 e 3). Foto 1 - limite dos Sistemas de Paisagem I e II; Foto 2 - cobertura latossólica do Sistema de Paisagem I.

31O processo de destruição da cobertura vegetal original esteve fortemente ligado ao modelo de ocupação do território, à mobilidade da população e à exploração dos recursos naturais, desde a década de 1930. A expansão da cafeicultura paulista, a partir do município de Ourinhos, em direção à região norte do Estado do Paraná, se propagou até a década de 1960, quando alcançou as margens do Rio Paraná, localizado no extremo oeste do estado. É nesse contexto que em 1951, o território de Faxinal é desmembrado do município de Apucarana.

32A despeito dos incentivos governamentais e do momento histórico relacionado à crise econômica de 1920, como destacado por Serra (2001), é inegável observar as condições ambientais favoráveis de todo o território norte paranaense, no qual se insere o Sistema de Paisagem I. Essa área apresenta topografia favorável, solos profundos e bem drenados, além de chuvas e calor abundantes.

33A partir das décadas de 1920 e 1930, as paisagens do norte paranaense sofreram intensa intervenção nos sistemas naturais. As terras que hoje se situam no sistema SP I, ainda eram devolutas e baratas, permitindo um intenso fluxo imigratório proveniente, tanto do sul, quanto do norte do Estado do Paraná, com estrutura fundiária baseada na pequena e média propriedade rural e intenso emprego de mão de obra.

34O processo de colonização realizado por companhia inglesa (Companhia de Terras Norte do Paraná) era baseado em meticuloso processo de planejamento com centros urbanos de apoio em locais estrategicamente determinados servidos por estradas. Era dado incentivo ao cultivo do café nos topos dos morros com Latossolos, da policultura para produção de alimentos, nas porções mais baixas e nos fundos dos vales, onde o solo é mais raso.

35A partir da década de 1960 e, sobretudo durante a de 1970 a agricultura brasileira e em particular a do Paraná entrou em processo de modernização, havendo substituição em larga escala para os cultivos de soja, trigo, milho, algodão, cana-de-açúcar, dentre outros. Segundo Moro (1998), monocultura comercial do café, soberana nas décadas anteriores no norte paranaense, começou a ser substituída, no início por pastagens e, já no início da década de 1970, pela cultura associada de soja e trigo.

36Fotografias aéreas tomadas em 1963 dos municípios de Faxinal e de Mauá da Serra mostravam ainda o predomínio de pastagens, na área do atual Sistema de Paisagem I, com cultivos ainda limitados às periferias das duas cidades. Alegre e Moro (1986) destacam que a redução da área de cultivo do café pelas culturas temporárias da soja e do trigo implicou na liberação de contingentes expressivos de trabalhadores do campo para as cidades.

37No município de Faxinal essa realidade pode ser percebida somente a partir dos censos de 1980 e 1991 (Tabela 1).

TABELA 1 – Evolução da População urbana e rural do município de Faxinal. Fonte: Censo Populacional do IBGE 1980, 1991 e 2010.

1980

1991

2010

Estim. 2016

FAXINAL

Urbana

Rural

Total

Urbana

Rural

Total

Urbana

Rural

Total

Total

7.796

14.112

21.908

11.108

8.812

19.920

12.739

3.575

16.314

17.233

MAUÁ DA SERRA

Urbana

Rural

Total

Urbana

Rural

Total

Urbana

Rural

Total

Total

7.013

1.542

8.555

9.874

38O tardio processo de urbanização do município de Faxinal provavelmente decorre de um modelo de exploração do território que partia dos centros principais; na região norte do Paraná eles são representados pelos municípios de Londrina, Maringá, Apucarana e Campo Mourão, a partir dos quais se irradiavam para municípios menores.

39Dados demográficos da parcela urbana e rural de Mauá da Serra foram computados somente a partir de 2010, tendo em vista que o município foi assim constituído em 1990 (lei estadual no 9272, de 24.05.1990), com divisão territorial definida em 1993. (IBGE, 2010)

40Atualmente, os municípios de Faxinal e Mauá da Serra continuam tendo suas economias baseadas nas atividades agropecuárias, representadas pela pecuária e pela agricultura temporária de soja e milho, e secundariamente, pela cultura do café. No município de Faxinal as lavouras permanentes ocupavam, de acordo com o censo de 2006, cerca de 430 ha, enquanto as lavouras temporárias, 14.671 hectares, e as pastagens, 24.141 ha. O município de Mauá da Serra tinha, de acordo com o mesmo censo, cerca de 470 ha de lavouras temporárias, 4.782 ha de lavouras permanentes, e 2.204 ha de pastagens, conforme dados do IPARDES (2007, citado por MANOSSO, 2011).

41Embora haja uma expressiva diferença de área entre ambos os municípios (área de Faxinal, com 715,943km2, e área de Mauá da Serra, com 108,324 km2), a produtividade da terra varia de forma inversa. O município de Faxinal tem uma produtividade de 3.000Kg/ha de soja e 6.000Kg/ha de milho, enquanto que o município de Mauá da Serra apresenta 3.360Kg/ha de soja e 8.500Kg/ha de milho (IPARDES, 2007, citado por MANOSSO, 2011).

42De acordo com informações do site Cidades@ do IBGE (2014), o efetivo do rebanho bovino para o município de Faxinal neste respectivo ano, era de 37.363 cabeças de gado. Para o mesmo ano de 2014, o município de Mauá da Serra apresentou 2.256 cabeças de gado.

43Em ambos os municípios a agricultura temporária é predominante no Sistema de Paisagem I, particularmente nas Unidades de Paisagem “b” e “d”, e parcialmente na “c”. Nessas unidades a fertilidade dos solos e as baixas declividades do terreno constituem elementos essenciais para a produtividade e para o manejo do solo que permite uso intensivo de maquinário pesado.

44As Unidades de Paisagem “a” e “d” do sistema SP I apresentam as maiores restrições à agricultura, devido às altas declividades (podem ultrapassar os 30%), e às rasas coberturas pedológicas (Neossolos), que tornam difícil a utilização de equipamentos agrícolas. Estas unidades, no entanto, são favoráveis à pastagem.

45As áreas dos fundos dos vales também necessitam de cuidados especiais, em virtude da presença de solos mais rasos como nitossolos e neossolos, bem como de remanescentes secundários da Floresta Estacional Semidecidual, cuja presença garante o abastecimento hídrico de superfície e subsuperfície.

Sistema de Paisagem II

46Corresponde à zona de transição entre os Sistemas de Paisagem I e III, abrangendo uma extensa zona escarpada, com cornijas apresentando quase 90º de inclinação, e direção NE-SW com front voltado para leste/sudeste (Figura 7). Este sistema pode ser dividido em duas unidades de paisagem. A Unidade de Paisagem “a”, mais extensa, divide o município de Faxinal em dois setores (norte e sul) com cornijas de arenito e localmente de basaltos colunares, formando juntamente com os tálus, desníveis entre 50 e mais de 150 metros, e declividades entre 20% a mais 30% (Figuras 4 e 5).

47A Unidade de Paisagem “b” está localizada mais a nordeste, entre os municípios de Faxinal e Mauá da Serra. As escarpas apresentam maior expressividade, tanto em altitude (podem alcançar mais de 1.100 m), como em declividade (mais de 30%) (Figura 9), formando uma série de degraus estruturais, cuja origem ainda está sendo objeto de estudo pela equipe de Geomorfologia da Universidade Estadual de Maringá.

48Embora os arenitos da Formação Botucatu sejam estratigraficamente inferiores aos derrames vulcânicos da Formação Serra Geral, são os arenitos que formam a testa das escarpas da Unidade de Paisagem “b”. Eles são origem eólica e formam superfícies descontínuas e elevadas com mais de 200 metros de desnível, marcadas pela resistência da rocha arenosa silicificada.

49A área de abrangência destas unidades litológicas corresponde à zona de recarga do Sistema Aqüífero Guarani, o maior reservatório de água subterrânea do mundo.

50Na base das escarpas do sistema SP II há patamares com grande expressividade regional associados à pedimentos detríticos, como destacado por Manieri (2010), e por pulsos tectônicos de soerguimento da superfície, como afirma Vargas (2012). Em direção aos fundos dos vales dos canais de primeira e segunda ordem, há patamares que formam rampas desniveladas de tálus com depósitos de fluxos de massas associados, cuja gênese evidencia a forte dinâmica dos processos erosivo-deposicionais nesse sistema de paisagem. A alta porosidade dessas coberturas e a constituição areno-argilosa do material tornam essas áreas muito propensas à erosão e aos escorregamentos.

51Os solos predominantes são muito rasos (Neossolos), com espessura inferior a 20 cm, aflorando rochas nas escarpas. Os argissolos podem ocorrer de maneira localizada na Unidade de Paisagem “b” (Figura 6).

52O sistema ambiental SP II constitui a última fronteira de ocupação na área de estudo, cujo processo de uso e ocupação do solo vem ocorrendo desde a década de 2000, com expansão da área agricultável das grandes propriedades rurais. O processo tardio de ocupação está diretamente ligado às limitações geoambientais impostas, tais como: altas declividades, e solos rasos e pobres sujeitos à intensa ação erosiva (Figura 10). A facilidade de crédito rural associada à valorização destas commodities no mercado internacional tem impulsionado os produtores rurais a ocuparem esses compartimentos de paisagem, exercendo dessa forma intensa pressão sobre esses frágeis geossistemas.

FIGURA 9: Foto 1 - vista parcial do Sistema de Paisagem IIb- escarpas estruturais da Formação Botucatu

FIGURA 9: Foto 1 - vista parcial do Sistema de Paisagem IIb- escarpas estruturais da Formação Botucatu

Na baixa e média vertente se observam rampas detríticas. No primeiro plano, vista parcial do Sistema de Paisagem II. Foto 2 - vista parcial da escarpa do Morro das Antenas, observado no canto superior esquerdo da foto 1.

53Embora as rampas das médias e baixas vertentes atualmente estejam ocupadas para plantio de soja e para criação de gado, a vegetação remanescente de transição entre a Floresta Estacional Semidecidual e a Floresta Ombrófila Mista, ainda se fazem presentes, embora de caráter secundário.

FIGURA 10: Vista parcial das escarpas basálticas da Formação Serra Geral no Sistema de Paisagem IIa.

FIGURA 10: Vista parcial das escarpas basálticas da Formação Serra Geral no Sistema de Paisagem IIa.

Foto 1 - cachoeira Salto São Pedro; Foto 2 - vista parcial do Canyon do rio Bufadeira, no limite com SP IIIb.

54A morfologia geodiversa do sistema SP II empresta a esses locais uma fisiografia da paisagem com grande beleza cênica, com grande vocação para o turismo de aventura e lazer. (Figura 11, Foto 1). As escarpas, cannyons, cachoeiras, corredeiras e grutas são muito favoráveis aos esportes de aventura, embora a infraestrutura viária, hoteleira e de saneamento seja ainda precária.

Sistema de Paisagem III (SP III)

55Esse sistema ocupa toda a zona depressionária do Segundo Planalto Paranaense. A morfologia do território permitiu a subdivisão em três unidade de paisagem, denominadas de SP IIIa,b,c. A feição morfológica mais conspícua é representada pelos enxames de diques de diabásio (Figura 11, Foto 2), que formam serras alongadas e paralelas que se destacam em meio às colinas baixas embasadas pelos arenitos e siltitos da Formação Rio do Rasto. O adensamento desses diques e da rede de drenagem foi o critério principal para a identificação e a separação das três unidades de paisagem.

FIGURA 11: vista parcial dos Sistemas de Paisagem III

FIGURA 11: vista parcial dos Sistemas de Paisagem III

Foto 1 -I a,bno topo, IIa e IIIa; Foto 2 - vales encaixados entre diques de diabásio da Formação Serra Geral, no Sistema de Paisagem IIIc.

56As altitudes variam de menos de 500m a mais de 900m, e as declividades, de 0% a mais de 30%, sendo essas últimas associadas às intrusões vulcânicas. Neste sistema de paisagem a densidade de drenagem é nitidamente maior do que em SP I e SP II, apresentando um padrão retangular, pinulado e dendrítico predominantes (Figura 8).

57A unidade de paisagem “c”, situada na parte norte, é a que apresenta a maior quantidade de diques. Os solos são rasos e arenosos do tipo Neossolos principalmente junto às vertentes e topos das colinas embasadas pelas rochas da Formação Rio do Rasto. Nas altas vertentes, junto ao contato com as rochas intrusivas, o solo é mais argiloso e propenso a deslizamentos.

58As unidades de paisagem “a” e “b” apresentam menor quantidade de diques de diabásio; suas altitudes variam de menos de 500m a 900m. Predominam colinas baixas de topos aplainados e vertentes convexas, aflorando arenitos e siltitos nas cabeceiras de drenagem de primeira ordem.

59Nas partes mais altas são comuns os Neossolos, principalmente na unidade “c”. Os Argissolos ocupam as áreas mais baixas, em cotas inferiores a 700m de altitude, nas Unidades de Paisagem “a” e “b”.

60No Sistema de Paisagem III a vegetação original era constituída pela Floresta Ombrófila Mista, atualmente substituída, em sua maior parte, pela pecuária e cultivo de soja.

61Os remanescentes da vegetação original, embora reduzidos a floresta secundária, ainda se encontram concentrados na maior parte do sistema SP IIIa, nos topos dos diques de diabásio, nas cabeceiras de drenagem de primeira ordem, bem como nas encostas com maiores declividades.

62A ocupação destes espaços e o processo de desmatamento do referido sistema de paisagem tiveram origem semelhante ao do Sistema de Paisagem I. Em fotografias áreas de 1963, a área correspondente ao Sistema de Paisagem III, ainda apresentava grandes áreas florestadas, principalmente ao sul do rio Alonzo, mas também em grandes áreas do Sistema de Paisagem II e III. Este fato indica que pelo menos nessa região a ocupação do território se deu a partir do Sistema de Paisagem I, por fluxos migratórios vindos de norte e oeste, da região de Londrina e Apucarana, aproveitando a alta potencialidade desse sistema natural.

63As condições ambientais mais frágeis do Sistema de Paisagem III, quando comparadas às do Sistema de Paisagem I, representado por solos rasos, pobres e sujeitos à intensa erosão, teriam sido fatores importantes no processo tardio de expansão da fronteira agrícola.

64Atualmente o uso do solo tem sido feito de forma intensiva com plantio de culturas temporárias que vem substituindo as pastagens. A exploração intensa desses espaços tem gerado forte pressão sobre o ambiente, especialmente sobre os solos mais frágeis com Formação de ravinas nas altas e médias vertentes das colinas, bem como movimentos de massa ao longo dos flancos dos diques de diabásio.

Conclusões

65O presente trabalho buscou abordar a paisagem dos municípios de Mauá da Serra e Faxinal, enquanto categoria de análise. Dessa forma, as estruturas, vertical e horizontal da paisagem constituíram o foco central de análise, bem como a sua individualização por meio de unidades homogêneas e os diferentes parâmetros de abordagem das suas potencialidades e restrições de uso e exploração dos espaços.

66As unidades homogêneas, representados por sistemas, e por sua vez subdivididos em unidades de paisagem, mostraram-se fundamentais para se estabelecer categorias espaciais, cujas potencialidades e restrições naturais podem permitir ao poder público municipal estabelecer critérios e direcionar políticas públicas mais eficientes, voltadas para a exploração mais racional dos respectivos espaços.

67Foram identificados três Sistemas de Paisagem (SP I, II e III), além de doze subunidades de paisagem (SP Ia,b,c,d; SP IIa,b; SP IIIa,b,c). (Figuras 7 e 11-Foto1).

68O Sistema de Paisagem I apresentou maior potencialidade para uso do solo, especialmente para a exploração de culturas temporárias e de expansão das malhas urbanas, com exceção da Unidade de Paisagem “a”, que impõe forte restrição de uso devido às altas declividades e aos solos rasos.

69O Sistema de Paisagem II apresenta as maiores restrições em todas as unidades de paisagem. A despeito das altas declividades, solos rasos e sujeitos a erosão, este sistema apresenta alto potencial para exploração turística.

70O Sistema de Paisagem III suporta uma exploração mais intensiva que o Sistema de Paisagem II, devido às declividades mais baixas. Contudo, requer cuidados no manejo dos solos, devido a sua pouca espessura e fraca estabilidade. A Unidade de Paisagem “c” apresenta sérios riscos de deslizamentos nos flancos dos diques de diabásio.

Haut de page

Bibliographie

Alegre, M. e Moro, D. A. Mobilidade da População nas Antigas Áreas Cafeeiras do Norte do Paraná. « Boletim de Geografia », Maringá, PR, v.4, n.1, p. 28-73,1986.

Calegari, E. B. e Fortes, E. « Quantificação e Qualificação Geoambiental da Paisagem, Geodiversidade e Potencial Turístico do Município de Turvo, Paraná, Brasil ». In: Encuentro de Geógrafos de América Latina, 13, Costa Rica, 2011

Camolezi, B.A. Geomorfologia e Controle Estrutural da Bacia Hidrográfica do Córrego Morumbi, Faxinal, Paraná. Maringá, 2013. Dissertação de mestrado (Mestrado em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, 137p.

Couto, E.V. do. Influência Morfotectônica e Morfoestrutural na Evolução das Drenagens nas Bordas Planálticas do Alto Ivaí na Bacia do Rio Alonzo, Sul do Brasil. Maringá, 2011. Dissertação de mestrado (Mestrado em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, 93p.

Fortes, E., Cavalini, A., Volkmer, S. Manieri, D.D. e Santos, F.R. Controles Morfoestruturais da Compartimentação da Serra Geral: uma abordagem preliminar. « Terra@Plural », Ponta Grossa, PR, v.2, n.2, p.279-292, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Censo Demográfico », (1991), <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censodem/default_censo1991

Shtm>. Acesso em 08/08/2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Classificação da Vegetação Brasileira Adaptada a um Sistema Universal. Rio de Janeiro, « IBGE/DERMA », 124p., 1992.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Censo Demográfico », (2010),

<http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=410760&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas>. Acesso em: 08/08/2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Censo Demográfico », (2010), <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?codmun=411575>. Acesso em: 08/08/2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Censo Demográfico », (2010), <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=411575&search=parana|maua-da-serra|infograficos:-informacoes-completas>. Acesso em: 08/08/2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Cidades@ », (2014), <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=410760&idtema=147&search=parana|faxinal|pecuaria-2014>. Acesso em: 08/08/2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. « Cidades@ », (2014), <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=411575&idtema=147&search=parana|maua-da-serra|pecuaria-2014>. Acesso em: 08/08/2016.

Maack, R. Geografia Física do Estado do Paraná, Ponta Grossa, « Editora UEPG-PR », 526p. 2012.

Manieri, D. D. Comportamento Morfoestrutural e Dinâmica das Formas do Relevo da Bacia Hidrográfica do Rio São Pedro, Faxinal, PR. Maringá, 2010. Dissertação de mestrado (Dissertação em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, 89p.

Manosso, F.C. Potencialidades da Paisagem na Serra do Cadeado, PR: Relações entre a Estrutura Geoecológica, a Geodiversidade e o Geoturismo. Maringá, 2011. Tese de doutorado (Doutorado em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, 134p.

Moro, D. A. Desenvolvimento Econômico e Dinâmica Espacial da População no Paraná Contemporâneo. « Boletim de Geografia », Maringá, PR, v.16, n.1, p.1-55, 1998.

Santos, F. R. Condicionamento morfoestrutural do relevo e neotectônica da bacia hidrográfica do Bufadeira, Faxinal, PR. Maringá, 2010. Dissertação de mestrado, (Mestrado em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, 46p.

Serra, E. Reflexões sobre a Origem da Crise Agrária no Norte do Paraná. « Boletim de Geografia », Maringá, PR, v.19, n.1, p.45-58, 2001.

TOPODATA – Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil. Disponível em:

www.dsr.inpe.br/topodata/documentos.php, acessado em 22 de novembro de 2010.

Valeriano, M. M. « Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA ». In: XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, Goiânia, 2005.

Vargas, K.B. Caracterização Morfoestrutural e Evolução da Paisagem da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Água das Antas, PR. Maringá. 2012. Dissertação de mestrado, (Mestrado em Análise Regional e Ambiental), Programa de Pós Graduação-PGE/Universidade Estadual de Maringá, PR, 102p.

Haut de page

Table des illustrations

Titre FIGURA 1 – Localização dos municípios de Faxinal e de Mauá da Serra.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre FIGURA 3: Principais unidades litoestratigráficas da área de estudo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Titre FIGURA 4: Hipsometria da área abrangendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre FIGURA 5: Declividade da área de estudo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre FIGURA 6: Solos da área contendo os municípios de Faxinal e Mauá da Serra
Légende Domínio de Latossolos associados às rochas vulcânicas, e Neossolos, associados às rochas sedimentares das formações Botucatu, Pirambóia e Rio do Rasto. Argissolos e Nitossolos constituem solos alóctones, secundários.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre FIGURA 7: Sistemas e unidades de paisagens: SP Ia,b,c,d
Légende Situa-se no Terceiro Planalto Paranaense; SP IIa,b-zona de transição entre o SP I e SP II, formado por escarpas da Serra Geral e por rampas detríticas, na base; SP IIIa,b,c-zona depressionária do Segundo Planalto Paranaense. Perfis Transversais: AA´, BB´, CC´.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Légende Relevo ondulado com solos vermelhos e profundos (Fotos 1 e 3). Foto 1 - limite dos Sistemas de Paisagem I e II; Foto 2 - cobertura latossólica do Sistema de Paisagem I.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 2,2M
Titre FIGURA 9: Foto 1 - vista parcial do Sistema de Paisagem IIb- escarpas estruturais da Formação Botucatu
Légende Na baixa e média vertente se observam rampas detríticas. No primeiro plano, vista parcial do Sistema de Paisagem II. Foto 2 - vista parcial da escarpa do Morro das Antenas, observado no canto superior esquerdo da foto 1.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
Titre FIGURA 10: Vista parcial das escarpas basálticas da Formação Serra Geral no Sistema de Paisagem IIa.
Légende Foto 1 - cachoeira Salto São Pedro; Foto 2 - vista parcial do Canyon do rio Bufadeira, no limite com SP IIIb.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 1,9M
Titre FIGURA 11: vista parcial dos Sistemas de Paisagem III
Légende Foto 1 -I a,bno topo, IIa e IIIa; Foto 2 - vales encaixados entre diques de diabásio da Formação Serra Geral, no Sistema de Paisagem IIIc.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12633/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 2,0M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Susana Volkmer et Edison Fortes, « Potencialidades geoambientais e dinâmica das paisagens de bordas planálticas – o caso dos municípios de Mauá da Serra e Faxinal  », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 23 décembre 2017, consulté le 25 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12633 ; DOI : 10.4000/confins.12633

Haut de page

Auteurs

Susana Volkmer

Universidade Estadual de Maringá, svolkmer@uem.br

Edison Fortes

Universidade Estadual de Maringá, edison-fortes@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals