Navigation – Plan du site

Editorial do número 33

Editorial of issue 33Éditorial du numéro 33
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 33

Texte intégral

1Para convencer autores a apresentarem um dossiê de artigos para publicar na Confins – o que acabou sendo fácil - nossa colega da UnB e membro do conselho editorial Helen Gurgel pesquisou sua posição entre as revistas de geografia francófonas e de língua portuguesa, medida pela métrica do índice de Hirsch, ou índice H1, e sintetizado nas duas tabelas abaixo:

Posição entra as revistas lusófonas de Geografia

Posição

Revista

Índice h5

Mediana h5

1.

Revista Brasileira de Geografia Física (UFPE)

7

10

2.

Confins, Revista franco-brasilera de geografia

7

9

3.

Finisterra-Revista Portuguesa de Geografia (Portugal)

6

7

4.

GOT, Revista de Geografia e Ordenamento do Território (Portugal)

6

7

5.

Revista do Departamento de Geografia (USP)

6

7

Fonte: Google Scholar (Outubro 2017)

Posição entre as revistas francófonas de Geografia

Posição

Revista

Índice h5

Mediana h5

1

Cybergeo

11

15

2.

Annales de Géographie

11

14

3.

Développement durable et territoires. Économie, géographie, politique, droit, sociologie

10

17

4.

L’Espace Géographique

10

15

5.

L'Information Géographique

8

11

6.

Journal of Alpine Research| Revue de géographie alpine

8

10

7.

Physio-Géo. Géographie physique et environnement

7

10

8.

Confins. Revue franco-brésilienne de géographie

7

9

9.

Belgeo. Revue belge de géographie

7

9

10.

Géographie et cultures

6

8

Fonte: Google Scholar (Outubro 2017)

2Atualizamos e completamos este trabalho associando a classificação Qualis da Capes e, o quadro abaixo mostra que mesmo se a Confins não atinge os escores das revistas antigas como as Annales de Géographie, fundadas em 1891 por Paul Vidal de La Blache, ela se encontra bem situada entre seus homólogos brasileiros e franceses.

Posição da Confins no índice H de revistas

Título da revista

QualisWeb

Indice h5

Mediana h5

Annales de Géographie (Paris)

A1

11

14

Mercator

A1

7

9

Confins

A2

7

9

Revista Brasileira de Geografia Física

B1

7

10

Geousp (USP)

A1

6

8

Hérodote (Paris)

A1

6

7

Revista do Departamento de Geografia USP (Online)

A2

6

7

L'espace Politique

A2

6

8

Finisterra (Lisboa)

B1

6

7

Revista de Geografia e Ordenamento do Território (Lisboa)

B1

6

7

Boletim Goiano de Geografia

A1

5

6

Mercator (Fortaleza. Online)

A1

5

8

Geographia (UFF)

A2

5

8

Ra'e Ga (UFPr)

A2

5

7

Revista Nera (Unesp)

A2

5

7

Acta Geografica

B1

5

10

Revista da Anpege

A2

3

6

3Fontes QualisWeb (2017) e Google Scholar (novembro 2017), https://sucupira.capes.gov.br/​sucupira/​public/​consultas/​coleta/​veiculoPublicacaoQualis/​listaConsultaGeralPeriodicos.jsf

4Outro indicador ao qual estamos muito atentos é o tempo de publicação dos artigos que nos são submetidos, para não frustrar os autores com excessivos tempos de espera. O gráfico abaixo mostra que ele é de cerca de oito meses, mas o influxo de manuscritos – que também é uma marca do sucesso da revista do qual estamos muito satisfeitos – compromete a realização deste prazo: até à data (24 de dezembro de 2017) mais de 90 manuscritos estão sendo avaliados ou em espera de publicação. Isso nos levou a aumentar progressivamente o número de números anuais (de dois a três, depois de três a quatro) e de textos publicados em cada número, e a considerar uma medida excepcional, que nossos leitores descobrirão com o número 34, em março de 2018.

Tempo médio entre apresentação e publicação de artigos

Tempo médio entre apresentação e publicação de artigos

O número 33

5Este número 33 da Confins é mais uma vez marcada pela diversidade de tópicos, lugares e abordagens. Ele abre com um grupo de artigos sobre a Amazônia, uma região à qual, desde a origem da revista, tem sido bastante presente na Revista.

6François-Michel Le Tourneau pergunta primeiro: “Pode-se atravessar os Tumuc Humac? Reflexões sobre a configuração histórica e geográfica do extremo sul da Guiana”. Maria Célia Coelho, Luiz Jardim Wanderley e Reinaldo Costa analisam “ Garimpeiros de Ouro e Cooperativismo no século XXI. Exemplos nos rios Tapajós, Juma e Madeira no Sudoeste da Amazônia Brasileira”; e Marion Daugeard as “ Mudanças e adaptações na agricultura familiar, estudo de caso em comunidades rurais de Juína, Mato Grosso”. O grupo de artigos amazônicos conclui-se com o ambicioso artigo “Paisagem e intensificação da pecuária na Amazônia: Novas dinâmicas espaço-temporais na escala do estabelecimento agrícola”, uma obra coletiva de Sophie Sylvie Plassin, René Poccard-Chapuis, François Laurent, Marie-Gabrielle Piketty, Gustavo Pimentel Martinez e Jean-François Tourrand.

7Três artigos são dedicados às cidades brasileiras e as imagens – contraditórias, positivas e negativas – que suscitam, “Análise de ilhas de calor diagnosticas por meio de transectos móveis em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã (SP)”, de Gislene Figueiredo Ortiz Porangaba e Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim, “ As imagens das cidades brasileiras nos livros didáticos da França e do Brasil: entre mitos e realidades”, de Leonardo Moreira Ulhôa e “O imaginário utópico brasileiro nas práticas festivas europeias”, de Alessandro Dozena.

8Três artigos abordam a relação entre transporte e crescimento urbano, primeiro com a transição do trilho para a estrada, estudado por Taís Schiavon em “ A 'Marcha para o Oeste' e o Estado de São Paulo: meios de transporte e articulações do território”, depois a predominância do carro no estudo de Ricardo Barbosa da Silva, “Popularização do transporte individual: ilusões perdidas com os automóveis e motocicletas em São Paulo”, que também desempenha um papel central no artigo de Vanessa Moura de Lacerda Teixeira, “ Desenvolvimento urbano de cidades medias do litoral brasileiro: dinâmicas espaciais no município d'Araruama, da Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro”. O Nordeste é o objeto do trabalho do Morvan de Mello Moreira e Wilson Fusco, “ Mapeando a fecundidade nordestina: 2000-2010”.

9O número continua com a primeira parte (a ser continuado no número 34) de um artigo na seção “Sínteses” anunciada no editorial do número 30 (https://journals.openedition.org/​confins/​11664) que continha os dois primeiros deste novo formato. Ela trata de “ A desembocadura do Rio Amazonas, macro-fronteira geomorfológica: ensinos de 30 anos de pesquisas franco-brasileiras sobre os ecossistemas costeiros amazônicos” e é assinada com e ao redor de M. T. R. C. Prost

10Prost, por J-F. Faure, C. Charron, H. Vargas, V.F. Santos, A.C. Mendes e A. Gardel.

11Um segundo dossiê sobre o Paraná é o prolongamento daquele do número 27. Ele é coordenado, de novo, por Omar Neto Fernandes Barros, que o apresenta em “O Paraná em suas diversas escalas”, e trata de temas muito diversos, desde a distribuição do ICMS até as regiões do agronegócio, via a vulnerabilidade sanitária, a espacialização e as dinâmicas da agricultura, as características geográficas do estado em face de desastres naturais, o potencial geoambiental e a dinâmica paisagística de Mauá da Serra e Faxinal , a análise integrada da vulnerabilidade à diarreia aguda em Curitiba e ao mapeamento do litoral.

12A rubrica “projeto de pesquisa” contém dois textos, o primeiro sobre um “ Exportador de uma geografia francesa no Brasil, Pierre Deffontaines, artesão da geografia brasileira”, de Antoine Huerta, e outro sobre o “Espaço clandestino: a territorialização da pobreza em cidades médias brasileiras”, de Elias Coimbra da Silva. As “imagens comentadas” são de Ronaldo Barros Sodré e José Sampaio de Mattos Júnior, sobre “Modelos do Maranhão” e Márcio Texugo Knorr, “Quarenta anos de expansão da soja no Brasil, 1975-2015”. Duas resenhas completam o número, dos livros “ Pequeno ensaio cartográfico sobre o uso de agrotóxicos no Brasil”, de Larissa Mies Bombardi e “Este mar que nos alimenta” de Anaïs Joseph e Philippe Goulletquer.

13Boa leitura a todos.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Tempo médio entre apresentação e publicação de artigos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12717/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 142k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 33 », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 07 janvier 2018, consulté le 18 juin 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12717

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals