Navigation – Plan du site
Resenhas

Agriculturas empresarias e espaços rurais na globalização, abordagens a partir da América do Sul

Agricultures entrepreneuriales et espaces ruraux dans la mondialisation, approches d'Amérique du Sud
Business agriculture and rural paces in globalization, approaches from South America
Mateus de Almeida Prado Sampaio
Référence(s) :

Eve Anne Bühler, Martine Guibert Valter Lúcio de Oliveira, Agriculturas empresarias e espaços rurais na globalização – abordagens a partir da América do Sul, Editora da UFRGS, Porto Alegre: 2016, 284p, ISBN: 9788538603344

Texte intégral

1“Agriculturas empresarias e espaços rurais na globalização – abordagens a partir da América do Sul” tem como escopo central as transformações recentemente ocorridas (ou melhor, muitas das quais ainda em curso) na agricultura sul-americana ante o fenômeno de acirramento da globalização econômica e das trocas comerciais internacionais.

2Vale destacar de início que não se trata de um livro de geografia stricto senso, uma vez que agrega artigos de profissionais formados em outras áreas de especialização (Geografia, Economia, Ciências Sociais, Antropologia Social e Etnologia, Estudos Rurais, Estudos do Desenvolvimento e Ciência, Tecnologia e Inovação). Abriga, portanto, metodologias de investigação e embasamentos teóricos que, de certo modo, transcendem – e enriquecem – as fronteiras tradicionalmente associadas ao campo de estudo da geografia. Cabe frisar, entretanto, que todos os artigos reunidos são de grande interesse e contribuição ao debate feito não apenas na área da geografia agrária, como também na sociologia rural, na economia agrícola e em outros espaços do conhecimento.

3Posto de modo sucinto, percebe-se que a própria composição dos capítulos já revela, de certa forma, outro aspecto da mesma globalização tratada no livro: não a da produção agropecuária, mas sim a da produção científica e acadêmica. São 23 autores de diversas nacionalidades, vinculados a instituições de pesquisa sul-americanas e europeias. Em sua maioria são atuantes no Brasil (Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Universidade Federal de Santa Maria, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Universidade Estadual de Campinas, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" e Universidade Estadual do Ceará) e na Argentina (Universidad de Buenos Aires, Universidad Nacional de Quilmes, Universidad Nacional de Santiago del Estero, Universidad Nacional de San Martin), mas há também pesquisadores do Uruguai (Universidad de la Republica del Uruguay), Reino Unido (University of London) e França (Université Paris I – “Panthéon Sorbonne” e Université Toulouse 2 – “Jean Jaurès”).

4Cumpre notar ainda que diversos capítulos que compõem o livro presenteiam o leitor com valiosos trechos e passagens colhidas em entrevistas, ficando clara a importância assumida pela realização de trabalhos de campo nas respectivas metodologias de pesquisa, assim como o esforço pela produção e obtenção de dados primários. Não há, no entanto, um uso mais amplo da cartografia – o que poderia aprimorar ainda mais a obra. Os textos, no geral, são muito bem escritos, e no caso das traduções, estas aportam ao leitor brasileiro expressões idiomáticas que são no mínimo curiosas e que não deixam de revelar, uma vez mais, o caráter globalizado/globalizante da obra. Citemos aqui apenas o caso do “chimango” argentino (capítulo 11).

5Ainda que o foco central recaia sobre estudos vinculados ao Brasil e à Argentina, os capítulos abarcam ainda pesquisas referentes ao Uruguai e à Bolívia, assim como outras mais amplas, que tratam a América do Sul enquanto conjunto regional específico ante uma economia cada vez mais mundializada. Assim, os doze artigos selecionados para publicação pelos organizadores da coletânea ora se compõem de estudos sobre uma determinada área específica, quer seja um bioma (o Cerrado, os Pampas, o Chaco), quer seja uma unidade político-administrativa (o Estado de Mato Grosso, o Departamento de Santa Cruz, o Uruguai); ora se compõe de estudo comparativo inter-regional (capítulo 8).

6É abordada uma ampla gama de temáticas contemporâneas, incluindo-se aspectos vinculados a alterações ocorridas no papel desempenhado pelo estado, pelas políticas públicas e na legislação ambiental – e por pressuposto, também a ascensão da preocupação ambientalista e suas repercussões sobre a economia agrícola. Outros aspectos associam-se a implantação de modernizações produtivas (tecnológicas, gerenciais e mesmo discursivas) com impactos diretos sobre o modo de produção espacial no campo, aumentando a integração com áreas geograficamente distantes e criando maior demanda por infraestrutura logística, impactando de tal forma o território agrícola de modo a reconfigurá-lo, promovendo inclusive um novo padrão de relação campo-cidade em âmbito regional. Cumpre mencionar que também há textos mais diretamente vinculados a certos subsetores específicos da atividade agropecuária, tais como o agronegócio sucroenergético, o sojicultor ou o da produção de carne bovina.

7Num esforço para fazer uma contextualização geral da obra, temos que, com o aumento populacional e da renda per capta em escala planetária, ampliou-se a demanda internacional por alimentos, ou seja, por recursos econômicos finitos. Alterou-se com isso, a divisão internacional do trabalho associado à produção de gêneros alimentícios. No caso da América do Sul, isto se reflete numa expansão e intensificação da produção agropecuária de commodities, fenômeno não apenas produtivo como também especulativo, intimamente ligado à financeirização das relações de produção.

8Entre os efeitos dessa escalada produtiva, há um reforço de condições históricas características da ruralidade dos países envolvidos, tais como a presença da concentração fundiária (os famigerados latifúndios), precarização do trabalho e a priorização de políticas voltadas à produção de alimentos para a exportação. Neste sentido, parece continuar ainda válida no continente a velha máxima proposta por Delfim Netto nos anos 1970, de que “exportar é o que importa” ou, como é colocado no capítulo 12: “exportar ou morrer”.

9Entretanto, como escreveu e alertou Milton Santos ao analisar o processo de globalização e as contradições por esta aceleradas, também no atual processo de produção do espaço agrário sul-americano contrapõem-se “lógicas exógenas e dialéticas endógenas” – aspectos estes bastante presentes e destacados pelos autores da obra ora resenhada.

10Quanto a sua estrutura formal, o livro está dividido em três partes, cada qual com quatro capítulos; cada capítulo com, geralmente, quatro itens para o desenvolvimento das ideias tratadas – além da introdução e da conclusão. Também o livro, assim como os artigos, possui ao início e ao término uma introdução e uma conclusão, estas assinadas pelos três organizadores da publicação: Eve Anne Bühler, Martine Guibert e Valter Lúcio de Oliveira. Nestas passagens são expostas algumas das linhas condutoras propostas pelos organizadores para articularem o conjunto essencial da obra. Conforme apontam no início da obra:

11“As agriculturas do tipo empresarial desenvolvem formas de produção em que o assalariamento é predominante, as atividades são especializadas, a tomada de decisão é separada do ato produtivo e o aporte de capital é frequentemente externo. Em função da natureza padronizada da sua produção e dos grandes volumes envolvidos, elas são um dos elos essenciais do agronegócio. Este se define como um esquema capitalista de criação de valor que se baseia na geração de commodities” (BÜHLER, GUIBERT e OLIVEIRA, 2016, p. 7).

12Entretanto, salientam os organizadores da obra, ainda na introdução:

“Se por um lado o agronegócio atua alicerçado no que há de mais avançado em termos tecnológicos e de mecanismos financeiros – seja voltado para o processo produtivo ou para sua inserção nos fluxos comerciais globalizados – em outros aspectos, carrega as marcas de relações sociais não modernas, ou que representam, dependendo das interpretações, a outra face da modernidade” (BÜHLER, GUIBERT e OLIVEIRA, 2016, p. 11).

13Entre as facetas que compõem a dita “outra face da modernidade” do agronegócio e do sistema agroalimentar globalizados estão a concentração econômica, fundiária e de poder; a manutenção de trabalhos precários e mal remunerados; a intensificação da pressão sobre os recursos naturais; o uso generalizado de agroquímicos e, por fim, mas talvez aquele que seja o mais importante ponto a ser mencionado: a distribuição altamente seletiva e desigual do volume de riqueza gerado por esse padrão de desenvolvimento rural.

14Ainda entre as contradições fomentadas por tal processo sócio-espacial modernizante e inserido numa conjuntura política pós-neoliberal, que de maneira muito pertinente é discutida e polemizada neste livro, salienta-se uma:

“dinâmica [que] esvazia o rural de sua população e, consequentemente, da sua base social [... pari passu com a opção dos ...] Governos [que] elegeram a agropecuária como um dos pilares do financiamento das políticas sociais, redistribuindo os ganhos permitidos a partir da agricultura de larga escala e a partir do controle e do uso da terra. Seria de certa forma, uma legitimação do agronegócio a partir de um argumento compensatório: em vez de distribuir a terra entre produtores rurais, reivindicação clássica das esquerdas e dos movimentos sociais do campo latino-americano, redistribuíram-se parte dos lucros obtidos entre uma base social, a princípio, muito mais ampla” (BÜHLER, GUIBERT e OLIVEIRA, 2016, pp. 278-279).

15Para concluir a obra, os organizadores fazem menção ao fato do livro ter vindo a público justamente num momento em que o Brasil adentrava, cada vez mais, num contexto político conturbado – para dizer o mínimo – e “de crise para os governos de esquerda”. No momento da publicação da obra o país dava os primeiros indícios de que adotaria políticas de reforço aos mecanismos de apoio às chamadas agriculturas empresariais, notadamente no que se refere à revisão da regulamentação trabalhista, ambiental, fiscal e fundiária, e é exatamente isso o que se tem observado e vivenciado de lá para cá.

16Livro de qualidade inquestionável, é leitura indicada para aqueles que se interessam por melhor compreender o atual momento em curso não apenas no que se refere ao âmbito da agropecuária brasileira, mas sobretudo a um processo de reestruturação geopolítica mais amplo, que envolve o acesso ao bem primordial que é o alimento, assim como aos meios que possibilitam sua obtenção: notadamente terra e água.

17A seguir, o sumário do livro, acompanhado de uma lacônica apreciação sobre cada um dos capítulos sem, no entanto, expor as minúcias, que ficarão reservadas aos leitores interessados:

18INTRODUÇÃO – Globalização e agriculturas empresariais na América do Sul - Eve Anne BÜHLER, Martine GUIBERT e Valter Lúcio de OLIVEIRA

19PARTE I – OS FUNDAMENTOS DE UM NOVO MODELO AGRÍCOLA

20CAPÍTULO 1 – Da economia agrária à bioeconomia: repensando as abordagens para a análise das modernas agriculturas sul-americanas - Guillermo ANLLÓ e Roberto BISANG

21Artigo competentemente traduzido para o português, enfoca o modo como corporações agrícolas atreladas ao mercado financeiro, altamente especializadas do ponto de vista tecnológico, atuam na produção de commodities no continente Sul Americano, promovendo a localização geográfica dessas atividades. Apoia-se, entre outros autores, nas obras de Davis e Goldberg, Coase e Williamson.

22CAPÍTULO 2 – A inovação no desenvolvimento do agronegócio na Argentina: o papel da Asociación Argentina de Productores en Siembra Directa (AAPRESID) - Carla GRAS e Valeria A. HERNÁNDEZ

23Contrapõe a imagem e o discurso associados aos “bioempreendedores e agroinovadores” ante os tradicionais “chacareros” argentinos, indicando divergentes aspirações quando à maneira de interagir com o novo regime agroalimentar neoliberal globalizado, que demanda a transformação dos espaços que habitam em territórios agrícolas eficientes e competitivos.

24CAPÍTULO 3 – Agronegócio e reestruturação urbana e regional - Denise ELIAS

25O conceito de Região Produtiva do Agronegócio (RPA), proposto pela autora, mostra-se bastante pertinente para promover um melhor entendimento do atual fenômeno da globalização da agricultura ora em marcha no Brasil. Pautada no conceito de “meio técnico-científico-informacional” proposto pelo geógrafo brasileiro Milton Santos, avalia o modo pelo qual se dão o uso e a ocupação do território nacional ante a conjuntura globalizada de produção e consumo de alimentos. Refletindo sobre esta nova divisão territorial do trabalho feita em escala mundial, a autora entende ocorrer no Brasil não somente uma reestruturação produtiva na agropecuária como ainda uma nova configuração regional e um novo padrão de urbanização.

26CAPÍTULO 4 – Economia política do território e logística do agronegócio nos cerrados brasileiros - Samuel FREDERICO e Marina Castro de ALMEIDA

27Sobretudo a partir dos anos 1990, com a adoção de medidas liberais, promoveu-se no Brasil um “pacto de economia política do território, fundado no agronegócio”. Este se vincula, internamente, com a expansão da fronteira agrícola moderna para o Bioma de Cerrado, baseada em monoculturas intensivas em capital e tecnologias. Os autores são muito competentes ao identificarem, entre os efeitos desse processo, a reprimarização da pauta exportadora e a eminência de desafios logísticos vinculados ao escoamento da produção.

28PARTE II – ESTADO, POLÍTICAS PÚBLICAS E RELAÇÕES DE PODER

29CAPÍTULO 5 – Políticas públicas para o financiamento do agronegócio no Brasil: programas, instrumentos e resultados com ênfase no caso de Mato Grosso - Sérgio Pereira LEITE e Valdemar J. Wesz JUNIOR

30Tendo por base um estudo focado na produção de grãos no Estado do Mato Grosso, com maior ênfase na de soja, os autores analisam o acesso ao crédito agrícola tanto por meio de uma recuperação histórica, quanto a partir de suas condicionantes atuais. Abordam o Sistema Nacional de crédito Rural (SNCR), o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), assim como o papel desempenhado pelo BNDES e por mecanismos privados de acesso ao crédito para a sojicultura.

31CAPÍTULO 6 – O papel do Estado na crescente hegemonia da empresa agrícola em grande escala. Uma análise a partir do Pampa argentino - Diego FERNÁNDEZ

32A partir dos anos 1990 o governo argentino intensificou suas políticas monetária, cambial e aduaneira em caráter favorável à ampliação da exportação de grãos pelo país. Neste período, o crédito agrícola oficial operava quase como um subsidio aos produtores, fazendo com que o Pampa, especialmente as Províncias de Buenos Aires, Santa Fé, Córdoba e Entre Rios tornassem-se alvos de interesse de grandes empresas agrícolas.

33CAPÍTULO 7 – Processos sociais de recomposição do patronato rural em terras gaúchas - Marcos Botton PICCIN

34O fim do Instituto Rio-grandense de Carnes é o ponto de partida para a minuciosa análise da “morfologia social dos grupos dominantes” elaborada pelo autor. Pressionados a aumentarem sua competitividade e, portanto, também sua produtividade, tradicionais estancieiros gaúchos criadores de gado tiveram que rever seu habitus “aristocrata” sob o risco de regredirem social e economicamente. Além de abandonarem o defasado pensamento de possuírem “estoque de gado”, dando preferência à cálculos de retorno pautados em quantidade de quilos de carne por hectare/ano, outros incursionaram-se no cultivo de arroz, soja ou eucalipto. Paralelamente, emerge uma nova categoria social formada por ex-colonos, frequentemente ítalo-descendentes, “burgueses” que a partir de árduo trabalho e de arrendamento de terras de terceiros ascendem social e economicamente, por melhor conceberem o “espírito do capitalismo”.

35CAPÍTULO 8 – Regular as fronteiras agrícolas sul-americanas? Experiências e negociações ambientais no Chaco argentino, no Uruguai e no Rio Grande do Sul – Brasil - Pierre GAUTREAU, Marie GISCLARD, Lorenzo LANGBEHN e Gabrielle MARQUIS-DUPONT

36O dilema central abordado neste capítulo contrapõe os desafios da conservação ambiental mediante a ampliação e intensificação da produção agrícola, tendo por base um estudo comparativo entre três países: Argentina, Brasil e Uruguai. Analisando a Lei Florestal (Argentina), os Planos de Uso do Solo (Uruguai) e o Zoneamento Silvícola (Rio Grande do Sul), os autores avaliam os esforços promovidos por instituições ambientais no intuito de promover a regulação e mitigação dos impactos antrópicos/econômicos. Não passariam estas de mera “maquiagem verde a serviço de neodesenvolvimentistas?”

37PARTE III – DIVERSIFICAÇÃO E COEXISTÊNCIA ENTRE DIFERENTES MODELOS

38CAPÍTULO 9 – Agronegócio sucroenergético: acesso à terra ou acesso à cana? Os diferentes modelos de negócio e os impactos na gestão empresarial - Bastiaan REYDON e Andreia Marques POSTAL

39O nono artigo avalia, de modo interessante, atualizado e competente, o surgimento de uma nova região canavieira no interior do Brasil, enfocando o Estado de Goiás. O recorte temporal delimitado para a análise vai de 2003 a 2012, sendo este período caracterizado pela emergência do bioetanol de cana, pelo advento de um novo padrão tecnológico no campo e na indústria e pela entrada de trading companies de outros setores do agronegócio globalizado e de empresas petrolíferas nacionais e estrangeiras, interessadas não apenas na produção de combustíveis (álcool) como também de alimentos (açúcar). Intensamente articulados ao mercado financeiro, estes novos entrantes, ao contrário das tradicionais famílias vinculadas ao setor sucroenergético, preocupam-se primordialmente em manter o fluxo de caixa e a rentabilidade, priorizando a prática do arrendamento de ante a imobilização de capital em ativos fundiários – daí valorizarem sobretudo o acesso à cana, e não a compra de terras.

40CAPÍTULO 10 – Do Uruguai pecuarista ao Uruguai agroempresarial: atores estrangeiros e transformações agrárias - Pedro ARBELETCHE

41Capítulo dedicado às transformações recentes a ainda em curso no meio rural uruguaio, vinculadas à estrangeirização da terra e do processo produtivo voltados a produção de alimentos e commodities, notadamente de soja. É impactante o que os dados do Censo Agropecuário indicam: no ano 2000 o conjunto composto por Pessoas Físicas de nacionalidade uruguaia detinha 90% das terras agrícolas do país; já em 2011 esse número havia caído para 54%. Tal fenômeno se deveu à entrada maciça de capitais internacionais e também à conversão do registro das propriedades para Pessoas Jurídicas (uruguaias ou não), com ampla participação de Sociedade Anônimas. Com apoio do capital financeiro internacional, o uso de Organismos Geneticamente Modificados (OGM), potentes agroquímicos, imagens de precisão capturadas por drones, e estando amparadas por medidas neoliberais de abertura econômica, grandes empresas sediadas na Argentina (Los Grobo, Adeco Agro, El Tejar, Kilafen) tem promovido a reconcentração fundiária no país fronteiriço, promovendo uma espécie de reforma agraria às avessas.

42CAPÍTULO 11 – A persistência do aspecto familiar no agrobusiness pampeano. Estratégias de organização e de investimento dos prestadores de serviços agrícolas (contratistas) - José MUZLERA

43Interessante capítulo versando sobre a inserção de agricultores familiares no processo produtivo atrelado ao agronegócio, por meio dos “pools de siembra” e da atuação dos “contratistas” na Argentina. Por meio do arrendamento de terras, frequentemente estando este vinculado a investidores externos, agricultores familiares de origem “chacarera” prestam serviços como trabalhadores terceirizados, proprietários de maquinário específico, atuando no plantio, tratos culturais e colheita das lavouras anuais. O artigo revela as armadilhas que o acesso ao crédito pode trazer, assim como a diferenciação entre as tarefas masculinas e femininas dentro do universo de trabalho das famílias rurais da região.

44CAPÍTULO 12 – Discurso empresarial versus realidade camponesa na produção de soja no Departamento de Santa Cruz, Bolívia. Uma leitura a partir da ecologia política - Enrique Castañón BALLIVIÁN

45Artigo dedicado ao estudo de caso da Bolívia, apresenta como a produção de commodities – leia-se, de soja – tomou lugar de cultivos tradicionais como batata e milho no Departamento de Santa Cruz. Assim, se as medidas governamentais tomadas nos anos 1980 e 1990 promoveram a estabilização macroeconômica, também é verdadeiro que geraram aumento na desigualdade social e econômica. O artigo avalia os impactos do modelo neoliberal sob comunidades de camponeses e indígenas no município de Cuatro Cañadas – o maior produtor de soja do país. Com a ascensão do governo de esquerda de Evo Morales em 2006 as elites rurais passaram a adotar um novo discurso atrelando o cultivo da soja às ideias de “efeito multiplicador da renda” e “segurança alimentar nacional”. Entretanto, conforme apontamentos do autor, o que se vê é a proletarização, marginalização e aumento da vulnerabilidade social, política e econômica dos grupos historicamente marginalizados.

46CONCLUSÃO – Diversidade das agriculturas empresariais e perspectivas de pesquisa: breves apontamentos de síntese - Eve Anne BÜHLER, Martine GUIBERT e Valter Lúcio de OLIVEIRA

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Mateus de Almeida Prado Sampaio, « Agriculturas empresarias e espaços rurais na globalização, abordagens a partir da América do Sul », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 03 avril 2018, consulté le 26 avril 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12826

Haut de page

Auteur

Mateus de Almeida Prado Sampaio

Pós-doutorando em Geografia (FFLCH/USP), mapas@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals