Navigation – Plan du site
Dossiê Cartografias ambientais do Rio Grande do Norte

Uso do território e agricultura no Rio Grande do Norte: materialidades e estruturas

L’usage du territoire et de l'agriculture dans le Rio Grande do Norte: matérialités et structures
Use of the territory and agriculture in the Rio Grande do Norte State: materialities and structures
Celso Donizete Locatel

Résumés

Les activités agricoles, ainsi que les circuits spatiaux de production qui sont constitués à partir d'elles, sont très importants pour la dynamique économique nationale et pour le contexte économique de l'État du Rio Grande do Norte. Dans le cas de l'État, les activités agricoles ont contribué pour 3,4 % au Produit Intérieur Brut de l'État, en 2016, en plus d'occuper plus de 30 % de la population économiquement active. Dans ce sens, pour comprendre l'usage agricole du territoire «potiguar», il faut considérer les systèmes d'ingénierie qui structurent le territoire, aussi bien que les circuits spatiaux de production agricoles en eux-mêmes. En faisant cette affirmation, on a pour de but dans ce travail d`analyser l'usage du territoire à partir des principaux circuits spatiaux de production agricole dans l'État, également en prenant en compte la densité technique de cette activité et la sélectivité en rapport aux endroits. Par conséquent, il a été possible de constater que la plus grande densité technique employée dans des activités agricoles dans l'État est présente dans les circuits spatiaux de la production de fruits tropicaux pour l'exportation et en ce qui concerne à celui de la canne à sucre. Les circuits spatiaux de production de nourriture tournés vers le marché interne comme le maïs, le manioc et les haricots présentent une réduction des superficies cultivées et un bas niveau technique. Il a été aussi vérifié que la caractéristique de basse pluviosité du climat semi-aride n'est pas le facteur décisif pour la basse productivité des circuits les plus traditionnels de produits alimentaires, mais que c'est la basse densité technique.

Haut de page

Texte intégral

Fruticultura, caprinos e MSTAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2015
  • 1 “A agricultura de precisão está associada a estratégias de gestão que utilizam a tecnologia da info (...)

1A atividade agrícola é uma das atividades mais antigas desenvolvidas pelo homem e, historicamente, foi de fundamental importância para a estruturação da sociedade, assim como do próprio território. Essa atividade econômica acumula diferentes tempos históricos, pois nela coexistem técnicas de períodos distintos, fato evidenciado pelo emprego de ferramentas, de formas de fazer e de máquinas e equipamentos, que foram incorporados ao processo produtivo em diversos momentos. Assim, verifica-se o emprego simultâneo da enxada manual com máquinas automatizadas que utilizam o Sistema de Posicionamento Global (GPS) e são empregadas na “agricultura de precisão”1, bem como relações de trabalho assalariadas e sistemas de parceria, os quais se assemelham ao sistema servil da Europa Medieval, o que possibilita identificar diferentes níveis técnicos, variável relacionada à diferenciação dos lugares.

2Na história econômica brasileira, até a década de 1930, a agricultura figurava como a atividade econômica de maior importância. No período atual, essa atividade continua tendo papel de destaque na economia e na dinâmica social brasileira. O setor denominado de agronegócio representava 20% da econômica nacional, em 2016, contribuindo com R$ 1.253.112 milhões para o Produto Interno Bruto (PIB) (Cepea/Esalq, 2017). Cabe destacar que o PIB do agronegócio se refere ao produto gerado em todas as etapas dos circuitos espaciais de produção, desde a produção de insumos para a agropecuária, a produção primária (propriamente agrícola), até as atividades que processam e distribuem os produtos para o consumo final. Quando se considera apenas a produção agropecuária, o valor agregado ao PIB nacional pelo setor é de 4,95%.

3O PIB do Rio Grande do Norte corresponde à aproximadamente 1% do PIB nacional, sendo que a população do estado representa 1,7% da população brasileira (IBGE, 2017). Já a produção agropecuária contribui com 3,4% do PIB estadual e representa apenas 0,34% do valor da produção da agropecuária nacional. Porém, as atividades agropecuárias geram 17.362 empregos formais, o que equivale à 2,96% do total desse tipo de emprego no estado (MTE, 2016). Além dos empregos formais, as atividades agropecuárias geram a ocupação de aproximadamente 171.000 pessoas (trabalho familiar) e mais 26.000 empregos informais (IBGE, 2006), que corresponde a aproximadamente 33% da mão de obra ocupada no estado, nesse período. Do ponto de vista econômico, as atividades agropecuárias não apresentam tanta expressividade quando consideradas no contexto nacional. Porém, do ponto de vista social, essas atividades garantem a reprodução social de mais de 30% da população economicamente ativa do estado entre ocupação, empregos formais e informais; um índice muito superior à média nacional.

4Diante da realidade apresentada, tem como objetivo analisar o uso do território a partir dos principais circuitos espaciais de produção agrícola no RN, levando em consideração a densidade técnica dessa atividade e a seletividade em relação aos lugares.

5Para o desenvolvimento da pesquisa partiu-se da materialidade de alguns circuitos espaciais produtivos agrícolas estruturados no estado como do melão, da cana de açúcar, da castanha de caju, da mandioca, do milho e do feijão. Assim, buscando construir um panorama dessas atividades agrícolas, foram levantados dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tanto do Censo Agropecuário, como da Produção Agrícola Municipal. Também foram utilizados dados da base RAIS/CAGED do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os dados foram tratados, organizados e representados cartograficamente, para facilitar a análise pretendida.

6Esse artigo está estruturado em três seções, além dessa introdução e das considerações finais. Na primeira realiza-se uma breve discussão sobre o nível técnico e a estrutura produtiva agrícola disponível no estado. A segunda parte está dedicada à apresentação de algumas características dos circuitos espaciais de produção das principais atividades agrícolas. Na terceira, busca-se estabelecer uma relação entre o baixo índice pluviométrico, a técnica e a prática agrícola no estado.

Território Potiguar e Agricultura: Nível Técnico e Estrutura Produtiva

7O território potiguar, logo, uma fração do território entendido como totalidade, apresenta um conjunto de objetos técnicos e recursos naturais que possibilitam a realização de atividades agrícolas, tanto para a produção de gêneros alimentícios, voltados ao mercado interno, matérias primas para o setor agroenergético, como produtos para a exportação, porém com especificidades quando comparado a outras frações do território nacional.

8Os sistemas de engenharia disponíveis nessa fração do território são compostos por unidades de processamento de matérias primas agrícolas – as agroindústrias –, um complexo sistema de transporte, com rodovias que interligam áreas de produção com outros modais de transporte como os portos e o aeroporto, e um conjunto de barragens e de poços essenciais para o fornecimento de água para a produção agrícola e agroindustrial (Mapa 1). Ainda compõem os sistemas de engenharia as unidades de produção e distribuição de energia elétrica – parques eólicos e termoelétricas – e uma vasta rede de transmissão de eletricidade interligada ao sistema nacional, fundamental para o sistema produtivo atual. Do mesmo modo, as características naturais como solo, recursos hídricos e clima propiciam a realização das atividades agrícolas típicas de áreas tropicais, ainda que o clima semiárido predominante na maior parte do estado imponha a necessidade de sistemas técnicos mais complexos, em especial de irrigação.

Mapa 1 – Rio Grande do Norte: Sistemas de Engenharia de Transporte e Hídrico

Mapa 1 – Rio Grande do Norte: Sistemas de Engenharia de Transporte e Hídrico

Fonte: ANA, 2008; CPRM, 2012; IBGE, 2008 e 2010.

9As técnicas que dão sustentação para a realização de atividades agrícolas no território potiguar não possuem a mesma temporalidade e « essas técnicas se efetivam em relações concretas, relações materiais ou não, que presidem a elas, o que nos conduz sem dificuldade à noção de modo de produção e de relações de produção » (Santos, 2013: 57). Nesse sentido, a dinâmica dos lugares e territorial, relacionada à produção agropecuária do estado, está atrelada à lógica da dinâmica econômica do país.

10Assim como no cenário nacional, o território potiguar se configura em função da sua história, das normas, dos sistemas de engenharia, da circulação, das infraestruturas, das instituições, dos circuitos espaciais de produção, dos movimentos da população, bem como das ações contra-hegemônicas produzidas pelas dinâmicas dos sujeitos que permanecem na luta diária pela sua reprodução social. Ou seja, em função da base material existente somada a atividade humana evidenciam-se as contradições da dinâmica territorial e os conteúdos inerentes a essa fração do território.

11O processo de configuração do território é permeado pela técnica, que assume um papel de destaque para a ação do homem no território, tal como de produtora do próprio território (Santos, 1996), o que torna sua difusão cada vez mais irreversível. Nessa perspectiva, a agricultura no território potiguar está permeada por diferentes níveis técnicos, influenciados pelos interesses de agentes sociais distintos, de lugares diversos e forças díspares, cooperando ou disputando entre si, o que demonstra que « o novo funcionamento do território se dá pelas verticalidades e horizontalidades » (Santos, 2005: 139).

12Essa nova dinâmica territorial traz em si a reestruturação produtiva, que é decorrente do período histórico atual, nominado como período técnico-científico-informacional (Santos, 1996), que se inicia após a Segunda Guerra. Nesse período, a realidade brasileira, e potiguar, passa a apresentar uma estreita relação entre a técnica, a ciência e a informação, que são, no seu cerne, globais.

13O que se observa sobre a estrutura produtiva da agricultura potiguar, em consonância com o que ocorre no contexto nacional, é que as técnicas, a produção científica e a informação apresentam maior densidade na porções centro-sul do país, que se tornam mais atrativas e, dessa forma, mais subjugadas a agentes econômicos globais, numa dinâmica fortemente marcada por políticas de empresas multinacionais, que se instalam nos lugares e agem de forma hegemônica, levando a reestruturação produtiva e a novas divisões territoriais do trabalho em locais centrais, bem como em periféricos, fragmentando o território e especializando-o em atividades produtivas exógenas, o que o torna um reduto produtivo do mundo globalizado, em detrimento da organização local anterior (Silveira, 2013).

14Nessa perspectiva, para compreender o nível técnico da agricultura norte-rio-grandense é preciso considerar as principais mudanças na configuração e no uso do território com atividades agrícolas, a partir dos novos conteúdos e sistemas técnicos constituídos de ciências e informação. Até o início dos anos de 1980, a agricultura potiguar estava baseada na produção de cana-de-açúcar, sobretudo no litoral oriental; na pecuária extensiva, que ocupava boa parte do semiárido do estado; e em uma agricultura voltada para o autoconsumo, a qual se estabelecia principalmente no Agreste do estado; além do cultivo de algodão, castanha de caju e o extrativismo vegetal. Todas essas práticas dispunham de níveis técnicos de baixa complexidade e, por conseguinte, pouca expressividade produtiva (Locatel e Lima, 2016).

15Contudo, a partir da década de 1990, a agricultura no Rio Grande do Norte vem sendo impulsionada, haja vista os investimentos recebidos, os maiores níveis produtivos e o aumento do consumo produtivo agrícola. Tal transformação se dá pelo rearranjo de fatores econômicos, políticos e sociais que se caracterizam pela efetivação no território de sistemas técnicos, imbuídos de ciência e informação. Notoriamente, esse rearranjo não considera a organização local anterior, pelo contrário, ele se sobrepõe.

16É preciso considerar ainda que, mesmo havendo avanços, a expressividade da atividade agrícola no território potiguar ainda é incipiente, quando comparada com o cenário nacional, ao mesmo tempo em que se observa a subutilização de recursos como solo, água e mão de obra família, devido ao baixo nível técnico, em especial na produção voltada para o mercado interno de alimentos. Todavia, em consonância com o que ocorre no resto do país, o nível técnico da agricultura no RN se dá de forma heterogênea, privilegiando os agentes hegemônicos, em sua maioria empresários brasileiros e estrangeiros, que implementam suas áreas produtivas e lavouras em locais de densidade técnica elevada, destacando-se, no caso potiguar, a cana-de-açúcar no litoral oriental e a fruticultura no Vale do Açu, com a banana, e na Região Oeste, em especial em Baraúna e Mossoró, com o melão.

17A atuação do Estado é um fator central para a reestruturação produtiva e consequente arranjo desigual desses processos no território potiguar, pois, em se tratando dos projetos de irrigação,

« a SUDENE, criada para promover o desenvolvimento do Nordeste, dentre os seus objetivos, almejava a modernização da base técnica da produção agrícola e para tanto privilegiou os projetos de irrigação [...], apoiou a construção de grandes perímetros irrigados na região Nordeste, estando um deles situado no Vale do Açu, no Rio Grande do Norte, A Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, que foi concluída em 1983, em consonância com as ações pontuais da “política de açudagem” do DNOCS » (Lima, 2015: 131).

18Esses megaprojetos possibilitaram o uso de diferentes formas de irrigação pelas empresas agrícolas multinacionais instaladas na região do Baixo Açu, a saber, em terras que antes eram usadas para agricultura de autoconsumo e que acabaram sendo compradas a preços irrisórios ou tomadas por grilagem.

19Com essa nova infraestrutura instalada, houve uma diversificação das técnicas utilizadas para irrigação dos cultivos, passando a ser utilizados métodos como: aspersão por pivô central; superfície em sulco; além de gotejamento e microaspersão. Dentre essas a mais utilizada é a aspersão, sendo que o uso do pivô central para essa técnica é pontual, em função do alto custo de implantação, restringindo-se aos municípios de Ielmo Marinho, produtor de abacaxi; Macaíba e Arês, produtores de cana-de-açúcar; e Ipanguaçu, produtor de banana.

20O uso de irrigação por sulcos ocorre principalmente no Seridó Potiguar, nos municípios de Cruzeta e Caicó, onde a produção de milho forrageiro predomina. Já as técnicas de gotejamento e microaspersão concentram-se no município de Baraúna, voltado também para a produção de melão e, devido a intensificação do uso dessa técnica nesse local, há a instalação de empresas especializadas em irrigação localizada.

21Contudo, considerando que somente 6.756 estabelecimentos rurais potiguares utilizam algum sistema de irrigação, que esse montante equivale a apenas 8,1% da quantidade de unidades agrícolas do estado e que isso representa pouco mais de 4% dos estabelecimentos rurais que utilizam irrigação no Nordeste e somente 2% do âmbito nacional, percebe-se que o RN não possui elevado uso dessa técnica agrícola, demonstrando assim uma seletividade, evidenciada pela densidade de uso nos municípios do Baixo Açu e a rarefação em municípios distante de reservatório de água de grande porte.

22Além de inovações no uso da água e no cultivo de frutas tropicais, é possível observar mudanças nas técnicas empregadas para produção de mandioca, sobretudo no Agreste Potiguar, haja vista que o cultivo da mandioca no RN está modificando sua base técnica com a intenção de maximizar a produção, coexistindo, dessa maneira, a preocupação com a qualidade do produto, agora industrializado, e as tradicionais casas de farinha que mantêm a produção artesanal (Salvador, 2009).

23Esse fato é observado quando se analisa que, durante os anos 1980, começa a se incorporar na produção da farinha de mandioca novas tecnologias e lógicas capitalistas nas relações de trabalho. Nessa perspectiva, a mandioca passa a ser produzida com uso de maquinários e fertilizantes químicos e processada em casas de farinha que dispõem de instrumentos técnicos movidos a energia elétrica (Lima, 2015) e com a intencionalidade de comercialização e não mais de autoconsumo (Salvador, 2009).

24Outra cultura, que no estado apresenta elevado conteúdo científico-informacional é a castanha-de-caju, através da produção de cajueiros que dão frutos de tamanho padronizado em quantidade consideravelmente maior que o natural e de melhor qualidade, com uso de biotecnologia. Vale salientar que esse nível de técnica produtiva coexiste com técnicas precárias para o processamento da castanha feito, na maioria das vezes, em instalações também precárias.

25Essas diferenças de níveis técnicos presentes no território potiguar, portanto, podem ser notadas não apenas quando comparados diferentes municípios, mas dentro das mesmas localidades ou unidades produtivas. Um exemplo desta última situação são as usinas de cana-de-açúcar do estado, que empregam maquinários de elevado nível científico-informacional e mão de obra barata, temporária e com baixíssima profissionalização.

26Um último fator a ser considerado é a financeirização das atividades agrícolas no estado, que se distribui de forma díspar e com relativa inexpressividade no cenário regional e nacional. A título de exemplo, considerando-se os recursos disponíveis para o crédito do Programa de Estímulo a Agropecuária Sustentável (PRODUSA), o RN obteve apenas 0,11%, ou seja, R$ 3.326.000,00 do total de R$ 2.893.151.000,00 de recursos a serem investidos nas outras porções do território nacional, dificultando, portanto, a incorporação de capitais fixos e semifixos como: máquinas, equipamentos, obras de irrigação, drenagem, manejo do solo e a modernização do processo produtivo.

27Todo o conjunto de fatores até aqui citados contribui para a diferenciação do nível técnico que as atividades agrícolas utilizam em território potiguar (Cartograma 1), de forma que se acentuam as disparidades entre realidades locais, submetidas a lógicas globais ou nacionais e influenciadas pelo grau de densidade ou rarefação de técnicas.

Cartograma 1 – Rio Grande do Norte: densidade técnica da agricultura, 2006

Cartograma 1 – Rio Grande do Norte: densidade técnica da agricultura, 2006

Fonte: Lima, 2015

28Assim, é possível perceber que a agricultura potiguar se comporta da mesma forma que o modelo produtivo da agropecuária nacional, no qual se prioriza a produção de lavouras que atendam aos interesses de agentes hegemônicos, com financiamentos do Estado que fogem da lógica social e buscam atender a interesses do mercado, destinando a produção dos cultivos aos consumidores externos (nacionais ou internacionais) e pouca atenção para a produção de alimentos que atendam ao consumo local ou regional, como se pode observar na seção posterior.

Circuitos Espaciais de Produção Agrícola e o Uso do Território Potiguar

29Até a década de 1980, as atividades agrícolas desenvolvidas no Rio Grande do Norte podem ser consideradas tradicionais, do ponto de vista do nível técnico apresentado pelos diferentes circuitos espaciais de produção. Porém, seguindo a tendência nacional de incorporação crescente de inovações técnicas, no que concerne aos aspectos químicos, mecânicos e biológicos, na agricultura potiguar desencadeou-se um processo de reestruturação produtiva, pautado no pacote tecnológico da “Revolução Verde”, base do que se convencionou denominar de “modernização da agricultura”.

30Analisando o uso agrícola do território no RN, no período de 1985 a 2015, a partir dos circuitos espaciais de produção mais expressivos, percebe-se que as atividades agrícolas tradicionais não apresentaram redução de área plantada, num primeiro momento, em decorrência da implantação e expansão dos circuitos produtivos de frutas tropicais, voltados para mercados mundiais. No entanto, no último período analisado verifica-se uma redução acentuada desses cultivos, mas sem a expansão dos circuitos inseridos na lógica dos mercados mundiais sobre tais áreas.

31A partir da implantação dos circuitos de produção de frutas tropicais e da criação de equipamentos que compõe o sistema de engenharia irrigante, verifica-se no estado uma redefinição de uso agrícola do território, com a utilização de áreas para a produção de mercadorias voltadas para a mercado externo, que antes destinava-se a pecuária extensiva.

32A produção de melão no RN

33O melão, assim como outras commodities produzidas no RN, está inserido num contexto produtivo de maior escala, a saber: o do abastecimento de mercados externos, que exigem níveis sanitários e de qualidade bem mais elevados que o mercado brasileiro. Os protocolos que tem que ser empregados no processo produtivo agrícola e pós-colheita exige níveis técnicos elevados, consequentemente, maior inversão de capital, o que dificulta a participação dos agricultores camponeses descapitalizados.

34A partir de uma análise dos dados do IBGE, percebe-se que o circuito produtivo do melão apresenta, na etapa da produção agrícola propriamente dita, uma variação de 1.740,29% na área cultivada entre os anos de 1985 a 1995, o que representa um aumento de 1.189 hectares, em 1985, para 21.881 hectares em 1995. Posteriormente, em 2006, a produção do melão apresentou uma queda drástica, com uma redução de 83,10% em relação a década anterior, diminuindo para 3.698 hectares de área plantada. No último período analisado, no ano de 2015, o cultivo do melão recupera a sua produção, com uma variação de 169,3% em relação ao ano de 2006, atingindo 9.959 hectares de área plantada. Comparando-se o ano inicial de análise (1985) em relação ao ano mais recente (2015), vê-se uma variação da produção positiva de 737,5%, apresentando nesse contexto o ano de 1995 como ápice do uso de área para o cultivo dessa fruta.

35Ao representar cartograficamente os dados de área cultivada com melão, nota-se algumas mudanças na sua dinâmica quanto ao uso do território. O melão que, historicamente, se concentrou no Oeste Potiguar, apresentou em 1995, ano de sua maior área ocupada, uma difusão para além da região Oeste, chegando a se instalar em grande parte na região do Seridó (Mapa 2). Todavia, frente a lógica do agronegócio, a ampliação das técnicas de irrigação na região Oeste, bem como a concorrência estabelecida entre os produtores, o melão perde primazia da produção no Seridó e volta a se concentrar na região Oeste em 2006, onde se observa a intensificação da sua produção em 2015, dada a atuação das grandes empresas nos principais municípios dessa região, como Mossoró, Tibau, Baraúna, Carnaúbas, Açu e Governador Dix-Sept Rosado, com uma produção voltada principalmente para a exportação (Andrade, 2013).

Mapa 2 – Rio Grande do Norte: área plantada com melão – 1985 a 2015

Mapa 2 – Rio Grande do Norte: área plantada com melão – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

A produção da cana-de-açúcar no RN

36No que diz respeito ao circuito espacial da produção de cana-de-açúcar, apesar da sua presença desde o período colonial no território potiguar, algumas variações quanto a sua área de produção são bastantes perceptíveis nos períodos analisados. Entre os anos de 1985 e 1995, a cana-de-açúcar apresenta uma variação de 34,54% na área cultivada, o que representa um aumento de 50.071 hectares, em 1995, para 67.368 hectares, em 1995, de área plantada. Já no ano de 2006 a área cultivada de cana apresentou redução de 43,94% em relação ao período anterior, chegando a 37.768 hectares de área plantada. Em 2015, último período analisado, a cana-de-açúcar recupera as áreas utilizadas para o seu cultivo, com aumento de 57,49% em relação ao ano de 2006, totalizando uma área de 59.481 hectares. No geral, entre 1985 a 2015, a variação da área destinada a plantação da cana-de-açúcar foi de apenas 18,7%, dado o contexto histórico dessa produção, possibilitando coexistir usos e técnicas tradicionais e modernos.

37Quanto à distribuição espacial dessa produção, o circuito produtivo da cana sempre apresentou uma expressiva concentração na faixa litorânea do estado, acentuando-se em 2015. Nesse contexto, ao analisarmos o Mapa 3, entre os anos de 1985 e 1995, a área de produção da cana se apresentava bastante dispersa no território potiguar, tendo ainda um cultivo tradicional, destinado a produção artesanal de rapadura e melaço, além da utilização da cana para alimentação animal, principalmente na região Oeste do estado. Frente aos períodos de secas prolongadas, em 2006, a área plantada com cana reduz expressivamente no interior do estado e passa a se concentrar nitidamente no Litoral oriental, sobretudo na porção sul. Essa concentração espacial da produção de cana de açúcar, mais expressiva ainda em 2015, ocorreu devido a especialização produtiva desencadeada pela presença de importantes empresas, como o grupo BIOSEV que comprou a Usina Estivas, localizada no município de Arês (RN), e a implementação de técnicas mais modernas de cultivo voltada para a produção de açúcar e álcool a fim de abastecer o mercado nacional, além da produção de eletricidade a partir da biomassa da cana.

Mapa 3 – Rio Grande do Norte: área plantada com cana-de-açúcar 1985 a 2015

Mapa 3 – Rio Grande do Norte: área plantada com cana-de-açúcar 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

A produção da castanha de caju no RN

38Já no que concerne ao circuito espacial da produção de castanha de caju, este apresenta uma alta variação quanto à área destinada a plantação, possuindo já em 1995 uma área cultivada de 81.571 hectares, resultado de uma política do Governo do estado de incentivo à cajucultura. No ano de 2006, a área plantada com cajueiros atinge a menor expressividade, com uma redução significativa de 64,90% em relação a 1995, totalizando apenas 28.635 hectares destinados para esse fim, fato decorrente da crise apresentada por essa atividade produtiva, devido a estruturação desse circuito produtivo no estado do Ceará, baseado em técnicas mais sofisticadas de cultivo, com variedades de plantas mais produtivas.

39Neste cenário, somente em 2015, após a implementação de políticas públicas voltadas para a revitalização da cajucultura potiguar, a área plantada apresenta uma variação de 335,7%, chegando a 96.120 hectares destinados ao cultivo, tendo o ápice de sua produção em relação aos períodos anteriores. Tomando por base a variação total, entre 1995 e 2015, a área plantada para a produção de castanha de caju apresentou aumento de 17,8%, dada a elevação da sua produção, com variedades genéticas de cajueiros mais produtivas, pelo uso da biotecnologia, bem como a inserção desse produto na pauta de exportação, que contribui diretamente para a expressiva recuperação desse circuito espacial de produção, sem aumentar muito a área plantada.

40Representando cartograficamente os dados da cajucultura (Mapa 4), percebe-se que em 1995 o cultivo do caju apresentava uma concentração, com destaque para a região Oeste do RN, dado o caráter extrativista da produção e as técnicas rudimentares que se faziam presentes entre os agricultores. Já no ano de 2006, tanto a produção quanto a área plantada apresentam uma redução no estado, dada as recorrentes secas e a incidência de praga nos pomares de cajueiro. Frente a essa redução, altos investimentos públicos foram feitos com o intuito de melhorar as técnicas de plantio do cajueiro, indo desde a implementação de técnicas de preparo do solo, adubação, controle de pragas, ervas daninhas e de irrigação, até o melhoramento genético, com o uso de clones, inserindo um conteúdo cientifico-informacional, que permitiu alta produtividade em algumas regiões, resultados verificados ano de 2015.

Mapa 4 – Rio Grande do Norte: área plantada com cajueiros – 1985 a 2015

Mapa 4 – Rio Grande do Norte: área plantada com cajueiros – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

41Assim, dentre as regiões do estado, destaca-se o Oeste potiguar, tendo os municípios de Serra do Mel, Severiano Melo e Mossoró, e o município de Lagoa Nova, no Seridó, como produtores de destaque, apresentando melhor qualidade, investimento no cultivo e nível técnico mais elevado, voltado para o desenvolvimento do cajueiro-anão-precoce. Todavia, verifica-se algumas coexistências na produção da castanha de caju, na qual percebe-se diferentes níveis técnicos, não só na região Oeste, mas também na região Central e Leste, indo desde instalações precárias, quanto à produção, à condição do produtor e à área colhida, até relações de trabalho mal remuneradas e dependência das condições físico-naturais (Lima e Locatel, 2017).

A produção da banana no RN

42O circuito espacial de produção de banana no estado apresenta características similares ao do melão, como alto nível técnico, grande quantidade de capital investido e voltado para o mercado externo. Seguindo a lógica de produção de frutas tropicais para a exportação, o circuito produtivo da banana, apresenta gradativo aumento ao longo das décadas analisadas, sendo que entre 1985 a 1995, ocorreu uma significativa variação de 961,2% na área cultivada, o que representa um aumento de 245 hectares, em 1985, para 2.600 hectares, em 1995. No ano de 2006, a área cultivada da banana continuou aumentando, tendo uma variação de 27,8% em relação a década anterior, chegando a uma área de 3.325 hectares, No ano de 2015 foi registrado mais aumento, o que representou, em relação a 2006, uma variação de 63% na área destinada ao cultivo dessa fruta, atingindo o total de 5.421 hectares de área plantada. Em termos comparativos, ao analisarmos a área destinada a produção do ano de 1985 a 2015, nota-se uma variação bastante positiva de 2.112,6%, o que faz do Rio Grande do Norte um importante estado no contexto do circuito produtivo da banana.

43Em termos espaciais, ao analisarmos Mapa 5, percebe-se que, apesar do aumento quantitativo na área de produção da banana, ocorre a concentração dessa produção em certas áreas, intensificando o uso do território dentro de uma lógica do grande capital. Dessa maneira, entre os anos de 1985 a 1995, percebemos uma difusão do cultivo da banana por todo o território potiguar, com uma produção caracterizada pelo sistema de sequeiro, sem irrigação. Contudo, a partir de 2006, dado os incentivos financeiros e toda infraestrutura implantada pelo Estado, os quais favoreceram a instalação de empresas de capital internacionais, por conseguinte, do trabalho assalariado e de técnicas modernas de produção, a banana passa a figurar dentro da lógica exportadora das frutas tropicais do Rio Grande do Norte, sendo possível perceber uma concentração territorial gradativa na região do Baixo Açu e no norte do Litoral Leste potiguar. Essa tendência se consolida no ano de 2015, no Vale do Açu, com destaque para os municípios de Alto do Rodrigues e Ipanguaçu, assim como Touros, no Litoral Oriental.

Mapa 5 – Rio Grande do Norte: área plantada com banana – 1985 a 2015

Mapa 5 – Rio Grande do Norte: área plantada com banana – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

A produção da mandioca no RN

44Observando os números dos circuitos produtivos referentes a produtos mais tradicionais, em relação a mandioca, em 1985, existia um total de 42.869 hectares de área plantada com este tipo de cultivo, por conseguinte, em 1995, houve um decréscimo de 41,13% dessa área, reduzindo a área cultivada com mandioca para 25.236 hectares. Em 2006, a produção da mandioca continuou apresentando quedas no total da área cultivada, registrando uma redução de 18,41%, totalizando apenas 20.589 hectares de área plantada. Mais tarde, no ano de 2105, o cultivo da mandioca continuou apresentando declínio em sua área plantada, com uma queda de 27,5% em relação ao ano de 2006, restando um total de 14.924 hectares de área plantada no estado. No panorama geral dos períodos analisados, observar-se que do ano inicial (1985) em relação ao último ano analisado (2015) a produção da mandioca teve sua área reduzida em 65,2%.

45Ao visualizar os dados das áreas destinadas ao plantio da mandioca no RN (Mapa 6), verifica-se que a produção desse tubérculo foi se concentrando no Agreste Potiguar, que se firmou como a região de maior destaque em todo o período analisado, seguida pela região do Seridó, mais especificamente o município de Serra de Santana, e a região do Alto Oeste, que registou a maior redução de área cultivada entre1995 e 2006. Apesar da redução da área destina ao cultivo de mandioca no estado, essa atividade ganhou seu maior destaque em 2015 na região do Alto Oeste e Central. Contudo, vale ressaltar que a atividade mandioqueira, a partir de 1995, começou a incorporar novas tecnologias ao processo produtivo a fim de dinamizar a produção das casas da farinha, além da instalação de agroindústrias processadores, reconfigurando esse circuito espacial de produção, sob lógica da reprodução ampliada do capital, com incorporação de capital fixo e de trabalho assalariado.

Mapa 6 – Rio Grande do Norte: área plantada com mandioca – 1985 a 2015

Mapa 6 – Rio Grande do Norte: área plantada com mandioca – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

A produção do milho no RN

46Além do circuito de mandioca, ressalta-se o circuito espacial de produção de milho com característica técnicas mais tradicionais. Considerando os dados do IBGE, é notório a grande queda na produção ao longo das décadas analisadas, tendo uma diminuição total de 70,1% na sua área plantada, entre os anos de 1985 e 2015. No decorrer do primeiro período, de 1985 a 1995, a área plantada decresceu 9,39%, diminuindo de 143.754 para 130.256 hectares. No ano de 2006, o milho continuou apresentando redução em relação a década anterior, desta vez com queda de 28,3%, diminuindo a área plantada para 93.326 hectares. Já na última década da análise, em 2015, este apresentou um declínio de produção abrupto em relação a 2006, com uma variação negativa de 54%, diminuindo área plantada para 42.915 hectares. O declínio do último período analisado foi potencializado pela estiagem prolongada a partir do ano de 2009.

47A partir do Mapa 7, onde estão representados os dados das áreas plantadas de milho, consegue-se perceber as mudanças ocorridas no uso do território para essa atividade ao longo das décadas. O milho tem áreas utilizadas para cultivo em quase todos os municípios no ano de 1985. Nos períodos seguintes, de 1995 e 2006, percebe-se que o milho continua em grande parte do estado, mas dessa vez com menos áreas de cultivos e tendo um maior destaque para a região Oeste, seguida pela região do Seridó. No último período, em 2015, nota-se que se mantêm as mesmas áreas de destaque, porém com menores produções em relação a anos anteriores. É importante evidenciar que o cultivo do milho é realizado, predominantemente, por agricultores que estão desarticulados com o mercado internacional, mas continuam a prática desse cultivo buscando garantir o autoconsumo e também o abastecimento do mercado interno com o excedente da produção. Tratam-se de produtores descapitalizados, que dispõem de baixo nível técnico, inclusive com pouco uso de sistemas de irrigação. Percebe-se que há uma concentração da produção no Oeste do estado, coincidindo com a área de produção de melão, o que evidencia o uso compartilhado de equipamentos de irrigação entre esses dois cultivos.

Mapa 7 – Rio Grande do Norte: área plantada com milho – 1985 a 2015

Mapa 7 – Rio Grande do Norte: área plantada com milho – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

A produção do feijão no RN

48O circuito espacial de produção de feijão caracteriza-se por ser o que apresenta nível técnico mais elementar. A produção desse alimento dá-se predominantemente nas pequenas unidades de produção e se destina ao autoconsumo e venda do excedente em feiras-livres e pequenos mercados. A variedade mais plantada é a vigna unguiculata, ou feijão de corda, que é muito perecível, quando comparada a outras variedades. Ao analisar os dados do IBGE, constata-se que esse cereal seguiu a tendência dos cultivos tradicionais no estado, com acentuada redução da área plantada. Porém, entre 1995 e 2006, foi registrado aumento de 35,64% da área plantada, que passou de 124.896 para 169.413 hectares, em uma década. No período seguinte, no ano de 2015, houve uma queda significativa dessa produção em relação a 2006, sofrendo um decréscimo de 74,2% e, dessa forma, atingindo uma área cultivada de apenas 43.712 hectares. Entre 1995 e 2015, ocorreu uma redução de 72,1% de áreas cultivadas com feijão.

49Quando esses dados são analisados espacialmente (Mapa 8), compreende-se que no período entre 1995 e 2006, a produção de feijão está configurada de forma difusa no território potiguar, evidenciando que não houve concorrência entre as lavouras alimentícias para o mercado interno e as lavouras destinadas à exportação com destaque para o Alto Oeste e o Agreste Potiguar. No período final de análise (2015), apesar de ter sua produção reduzida pelas recorrentes estiagem, com redução da pluviosidade média dado o seu caráter tradicional de produção, o cultivo do feijão ganha destaque na Região Oeste, principalmente no município de Mossoró.

Mapa 8 – Rio Grande do Norte: área plantada com feijão – 1985 a 2015

Mapa 8 – Rio Grande do Norte: área plantada com feijão – 1985 a 2015

Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.

Agricultura e Pluviosidade: Limite ou Mito?

50Ao buscar-se evidenciar os usos do território potiguar a partir de diferentes lavouras, constata-se que alguns circuitos produtivos vão se concentrando em determinadas áreas pela incorporação da técnica, de ciência e de informação ao território voltada para o desenvolvimento específico de algumas circuitos produtivos, como do caju, da cana-de-açúcar e do melão, enquanto outros circuitos mantêm-se dispersos por todo o território potiguar, por ter um caráter tradicional e serem realizados principalmente por agricultores camponeses descapitalizados, cuja produção volta-se para o autoconsumo e para o abastecimento dos mercados locais e regionais. Nesse segundo grupo destacam-se o milho, a mandioca e o feijão, sendo que seus cultivos são facilitados pelos sistemas de engenharias presentes no território assim como pela estrutura fundiária e pelas relações de produção predominantes no campo potiguar (trabalho familiar).

51Entretanto, apesar dos diversos níveis técnicos observados na agricultura, coexistindo no território potiguar, há ainda uma dependência dessas lavouras das condições climáticas locais. A produção agrícola apresenta uma relação direta com as áreas de maior precipitação do território potiguar, fazendo com que os períodos mais chuvosos sejam os períodos de maior produção dessas lavouras. Isso significa dizer que os cultivos modernos, além de todo aparato técnico implementado pelo estado para o seu desenvolvimento, irão se beneficiar dessas áreas de melhor condição climática, ficando para a agricultura tradicional as áreas de maior escassez de recursos hídricos, além de maior degradação ambiental e tamanho reduzido das propriedades

52Fica evidente no Mapa 9, ao se sobrepor áreas cultivadas em relação ao total dos estabelecimentos rurais sobre a quantidade de precipitação nos anos de 1995 e 2015. Assim, observa-se na região Leste, Agreste e do Alto Oeste potiguar um aumento da área cultivada, assim como índice pluviométrico mais elevado. É sabido também que essas regiões sofreram com períodos de seca recorrentes. No entanto, o nível técnico já instalado nessas frações do território suprem o déficit hídrico nos períodos de seca, fazendo prosperar os circuitos espaciais de produção que possuem maior densidade técnica e de capital.

Mapa 9 – Rio Grande do Norte: área cultivada por municípios e pluviosidade 1995 a 2015

Mapa 9 – Rio Grande do Norte: área cultivada por municípios e pluviosidade 1995 a 2015

Fonte: IBGE, 1995 e 2015. EMPARN, 1995 e 2014.

53Em contraponto a essas áreas de destaque, a região Central apresenta uma rarefação histórica quanto ao desenvolvimento das lavouras, por ser uma região de maior vulnerabilidade às variações climáticas, o que afeta diretamente a produção agrícola desde de 1995. A escassez da precipitação potencializa o fenômeno da desertificação, o que reduz, inclusive, a capacidade produtiva das culturas tradicionais, fazendo com que não só a água seja um desafio a ser superado, mas também o nível de degradação ambiental, o qual deve ser corrigido com técnicas específicas voltadas para a convivência com o semiárido.

Considerações finais

54Quando se observa os principais circuitos espaciais agrícolas no RN constata-se que: i) a produção de frutas, como o melão e a banana, segue a lógica da internacionalização da agricultura, seja pela forte presença de capital estrangeiro utilizado em alguma etapa da produção ou por essa atividade estar voltada para o mercado mundial; ii) a produção de abacaxi vem se estruturando na mesma lógica dos outros circuitos produtivos de frutas irrigadas; iii) o circuito produtivo da castanha de caju, mesmo sendo tradicional no estado, a partir dos anos 2000 vem sendo reestruturado, com a incorporação crescente de inovações técnicas e de sua inserção na lógica do mercado global; iv) o circuito produtivo da cana-de-açúcar passou por um processo de reestruturação com a participação de grandes conglomerados empresariais, inclusive de origem internacional, incorporando mais técnica, ciência e informação ao processo produtivo, além de passar a produzir energia elétrica utilizando como fonte primária a biomassa da cana; v) os circuitos espaciais de produção mais tradicionais como do milho, da mandioca e do feijão não apresentaram melhorias no nível técnico e continuam estruturados a partir da lógica da produção de excedentes voltada para os mercados locais e regionais; vi) os circuitos produtivos de frutas, mesmo nos períodos de secas prolongadas, apresentaram expansão da área cultiva, enquanto que os circuitos mais tradicionais apresentaram redução, em especial nos períodos de maior escassez de chuvas.

55Observando a quantidade de terras utilizadas para a produção agrícola no estado e comparando com a pluviosidade em período diferentes, constou-se que algumas características ambientais, associadas ao baixo nível técnico empregado no produção agrícola, justificam a perda de primazia das regiões Central, do Seridó e parte da região Oeste, na materialização de alguns circuitos espaciais de produção, permanecendo apenas os cultivos de caráter tradicional, o que coloca sérios obstáculos a serem superados quanto ao uso do território para fins agrícolas no RN. Tudo isso evidencia que não é a escassez hídrica o problema da agricultura potiguar, e sim o baixo nível técnico e a falta de políticas específicas para o contexto social e ambiental de parte do território do estado.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, A. A. de. O uso do território pela fruticultura irrigada no Rio Grande do Norte: uma análise a partir do circuito espacial de produtivo do melão (Cucumis Melo L.). Natal, 2013. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Cepea/Esalq. « PIB do Agronegócio Brasileiro ». Disponível em: <https://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx>. Acesso em 05 fev. 2018.

Ibge. « Censo Agropecuário 2006 ». Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2006/segunda-apuracao>. Acesso em 05 out. 2017.

Ibge. « Estimativa de População (2017) ». Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/estimapop/tabelas>. Acesso em 05 out. 2017.

Ibge. « Produção Agrícola Municipal 1985 a 2015 ». Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/acervo/acervo2.asp?e=v&p=PA&z=t&o=11>. Acesso em 11 ago.2017.

Idema. « Anuário Estatístico do Rio Grande do Norte ». Anuário Estatístico do RN, Natal, v. 37, p. 1-606, 2010.

Lima, F. L. S. de. Território, Técnica e Agricultura no Rio Grande do Norte. Natal, 2015. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Lima, F. L. S. de; Locatel, C. D. « Expansão e dinâmica da territorial da cajucultura no Rio Grande do Norte: uma reflexão a partir do conceito de circuito espacial produtivo ». In: Dantas, A.; Arroyo, M.; Cataia, M. (Orgs.). Dos circuitos da economia urbana aos circuitos espaciais de produção: um diálogo com a teoria de Milton Santos. Natal: Sebo Vermelho, 2017. pp. 267-299.

Locatel, C. D., Chaparro, J. « Panorama de la agricultura informatizada en Brasil ». Revista electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Scripta Nova, Barcelona: Universidad de Barcelona, v. VIII, n. 170 (17), 2004. Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-170-17.htm>. Acessado em 05 fev. 2018.


Locatel, C. D.
, Lima, F. L. S. « Agronegócio e poder político: políticas agrícolas e o exercício do poder no Brasil ». Revista Sociedade e Território, Natal, v. 2, 2016, p. 42-65.

Ministério do Trabalho e Emprego. « Bases Estatísticas RAIS e CAGED, 2016 ». Disponível em: <http://bi.mte.gov.br/bgcaged/inicial.php>. Acesso em 07 fev. 2018.

Salvador, D. S. C. « O território usado e o uso atual do território do Agreste Potiguar ». Revista Holos, Ano 25, V. 2, 2009.

Santos, M. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo, Edusp, 1996.

Santos, M. Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

Santos, M.  Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: EDUSP, 2008.

Silveira, M. L. « O território em pedaços ». In: ENANPUR, 2013. Disponível em: <http://npdr.wordpress.com/2013/03/04/o-territorio-em-pedacos-maria-laura-silveira/>. Acesso em 20 de junho de 2017.

Haut de page

Notes

1 “A agricultura de precisão está associada a estratégias de gestão que utilizam a tecnologia da informação para o recolhimento e análise de dados a fim de apoiar decisões relacionadas à agricultura. Estes sistemas informatizados também se destinam a aumentar a eficácia e a eficiência da produção em uma área específica ou em toda a propriedade, além de buscar maiores ganhos com minimização simultânea dos custos de produção e impactos ambientais por atividades agrícolas e pecuárias, embora o sistema por si só não implica necessariamente uma produção ambientalmente amigável (Locatel e Chaparro, 2004, s/p).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Rio Grande do Norte: Sistemas de Engenharia de Transporte e Hídrico
Crédits Fonte: ANA, 2008; CPRM, 2012; IBGE, 2008 e 2010.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 700k
Titre Cartograma 1 – Rio Grande do Norte: densidade técnica da agricultura, 2006
Crédits Fonte: Lima, 2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 304k
Titre Mapa 2 – Rio Grande do Norte: área plantada com melão – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 696k
Titre Mapa 3 – Rio Grande do Norte: área plantada com cana-de-açúcar 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Mapa 4 – Rio Grande do Norte: área plantada com cajueiros – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 548k
Titre Mapa 5 – Rio Grande do Norte: área plantada com banana – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 664k
Titre Mapa 6 – Rio Grande do Norte: área plantada com mandioca – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 680k
Titre Mapa 7 – Rio Grande do Norte: área plantada com milho – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 648k
Titre Mapa 8 – Rio Grande do Norte: área plantada com feijão – 1985 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1985, 1995, 2006, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 364k
Titre Mapa 9 – Rio Grande do Norte: área cultivada por municípios e pluviosidade 1995 a 2015
Crédits Fonte: IBGE, 1995 e 2015. EMPARN, 1995 e 2014.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12942/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 413k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Celso Donizete Locatel, « Uso do território e agricultura no Rio Grande do Norte: materialidades e estruturas », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 07 avril 2018, consulté le 17 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12942 ; DOI : 10.4000/confins.12942

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals