Navigation – Plan du site

Editorial do número 34

Editorial of issue 34Éditorial du numéro 34
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 34

Texte intégral

Patrice de Mac MahonAfficher l’image
Crédits : https://commons.wikimedia

1“Quanta água, quanta água! ”. Isto é o que Patrice de MacMahon (1808-1893), então Presidente da República, teria dito vendo as inundações catastróficas de Toulouse, 26 de junho de 1875. O prefeito teria respondido “E ainda assim o senhor vê apenas o topo! ”O episódio é provavelmente apócrifo, mas a frase poderia ser aplicada a esse número 34 de Confins, onde o tema de água, doce ou salgada, está presente em todas as seções. Destaca-se no dossiê sobre cartografias ambientais do Rio Grande do Norte, mas também em outros textos, desde os campos de dunas de Jericoacoara até resenhas de livros sobre a água no Oriente Médio e a navegação no Rio Grajaú, passando pela segunda parte do artigo de síntese “A desembocadura do Rio Amazonas, macro-fronteira geomorfológica” que referencia os “ensinos de 30 anos de pesquisas franco-brasileiras sobre os ecosistemas costeiros amazônicos”.

2O tema da inundação, que tanto assustou Mac Mahon, pode aplicar-se à chegada de propostas de artigos para a nossa revista, mas desta vez não um fluxo catastrófico, mas benéfico, embora nos crie alguns problemas. Até o momento, tem 107 títulos na lista de textos em processo de avaliação, sendo reescritos após avaliação e aguardando publicação. Frente a esta situação, decidimos – para que os tempos de publicação não fiquem muito longos – publicar neste ano uma quinta edição, prevista para abril ou maio, antes da edição de junho. Obviamente não vamos reclamar de ser – para usar outro clichê – “vítimas do nosso sucesso” e, ao contrário, agradecer aos candidatos-autores pela confiança que depositou em nós.

3A primeira parte desta edição 34 inicia com dois artigos que vão da história à atualidade de São Paulo “Aspectos da representação do território paulista em sua cartografia impressa: uma análise cartobibliográfica (1833-1932)” de José Rogério Beier e Daniel Marhtin e “Uso e ocupação do solo em São Paulo, alterações climáticas e os riscos ambientais contemporâneos”, de autoria de Jane Zilda dos Santos Ramires e Neli Aparecida de Mello-Théry. Continua – em espanhol – por um texto de dois colegas argentinos, Silvina Carrizo e Guillermina Jacinto, que nos confiaram seu artigo sobre “Co-construcciones de redes energéticas. Acciones colectivas territoriales en Argentina, siglo XXI” (Co-construções de redes de energia. Ações coletivas territoriais na Argentina, no século XXI).

4Eloisa Maieski Antunes e Denise Pumain analisam as “transformações territoriais e densificação da malha municipal de 1872 a 2010” na “Faixa de fronteira do Brasil”, enquanto o artigo de Jeovah Antonio Meireles, Adryane Gorayeb e Narcélio de Sá Pereira Filho analisa os “Dune fields in Jericoacoara: human intervention as a possible indicator of changes in the morphological dynamics”. O texto, escrito em Inglês para circular mais facilmente, em uma comunidade científica predominantemente monoglota, é seguido – a pedido da revista – por a sua tradução em Português (“Campos de dunas em Jericoacoara: intervenções humanas como possível indicador de mudança na dinâmica morfológica”), de modo a ser mais acessível a outros leitores.

5A segunda parte do artigo sobre a desembocadura do Rio Amazonas é – além de sua importante contribuição científica – uma forma de testemunho de reconhecimento – em todos os sentidos da palavra – dirigido a M. T. R. C. Prost pelos seus co-autores, JF. Faure, C. Charron, H.V. Borges, V. F. Santos, A. C. Mendes e A. Gardel. É por isso que a revista quis que fosse acompanhado por um texto curto, no estilo de “imagens comentadas”, “Avanços e retrocessos do mangue à Cayenne”, sem qualquer pretensão científica, para se juntar a este tributo mais que merecido.

6A peça central da edição é o segundo dossiê sobre o Rio Grande do Norte, (dando sequência ao do número 32), coordenado por Raimundo Nonato Júnior, Aldo Aloísio Dantas e Rita de Cássia da Conceição Gomes, que o apresentam em seu editorial “Cartografias ambientais do Rio Grande do Norte”.

7Seguem textos sobre “Paisagens do Rio Grande do Norte: uma introdução às diversidades regionais e marcas das ações geográficas no espaço potiguar” (Rodrigo de Freitas Amorim, Raimundo Nonato Júnior e Juliana Felipe Farias); “Os recursos hídricos do Rio Grande do Norte: uma análise da vulnerabilidade territorial ao colapso no abastecimento de água” (Adriano Lima Trolei e Bruno Lopes da Silva); “Gestão de recursos hídricos no Rio Grande do Norte” (Juliana Felipe Farias, Rodrigo de Freitas Amorim e João Correia Saraiva Júnior); “Cartografia do saneamento básico no Rio Grande do Norte” (Lucas Costa Rodrigues, Joselito da Silveira Júnior, Izabela Cristiane Lima Silva e Aldo Dantas); “ Regiões pluviométricas e saúde no Rio Grande do Norte” (Pollyanne Evangelista da Silva, Lara Melo Barbosa Andrade e Jean Souza dos Reis); “Uso do território e agricultura no Rio Grande do Norte: materialidades e estruturas” (Celso Donizete Locatel); “Crise hídrica e reestruturação da produção agrícola no Rio Grande do Norte” (Bruno Lopes da Silva e Adriano Lima Troleis); “ A dimensão geográfica de políticas públicas: o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e a Política Nacional de Economia Solidária (ECOSOL) no Rio Grande do Norte” (Leandro de Castro Lima, Lorene K. Barbosa Brasil e Celso Donizete Locatel) e, finalmente, “Cohab/RN: o caminho da interiorização”, de Sara Raquel Fernandes Queiroz, de Medeiros.

  • 1 Cursos – públicos – de preparação aos concursos das "grandes écoles" literárias

8As “Imagens comentadas” combinam desta vez um exercício escolar, “Lyon, cidade brasileira?”,coordenado por Catherine Didier-Fevre na Khâgne1 Sainte-Marie-Lyon 2017-2018, que se pergunta, analisando várias cidades brasileiras, se Lyon agora faz parte delas. E um conjunto notável de mapas é coletado por Bruno de Oliveira Lemos, Antônio Paulo Cargnin, Suzana Beatriz de Oliveira e Ana Maria de Aveline Bertê em sua “Mapeamento transfronteiriço da demografia na fronteira sul do Brasil”.

9Nas resenhas, Mateus de Almeida Prado Sampaio apresenta o livro “Agriculturas empresarias e espaços rurais na globalização, abordagens a partir da América do Sul”, (de Anne Bühler, Martine Guibert e Valter Lúcio de Oliveira), enquanto Cleide Rodrigues analisa o de Luís Bittar “Água no Oriente Médio”, e a própria Confins, o de Alan Kardec Gomes Pachêco Filho, “Varando mundos, Navegação no Vale do Rio Grajaú”.

10Boa leitura a todos.

Haut de page

Notes

1 Cursos – públicos – de preparação aos concursos das "grandes écoles" literárias

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 34 », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 12 avril 2018, consulté le 23 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12981

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals