Navigation – Plan du site
Resenhas

Água no Oriente Médio, o fluxo da paz

L'eau au Moyen-Orient, le flux de la paix
Water in the Middle East, the flow of peace
Cleide Rodrigues
Référence(s) :

Luiz Antonio Bittar Venturi

Águ a no Oriente Médio, o fluxo da paz

Editora Sarandi, 2016, 224 p.

ISBN:  8581880320

Texte intégral

1O livro de Luis Antonio Bittar Venturi trata da apresentação, em linguagem geográfica de fácil compreensão, de suas atividades de pesquisa realizadas nos últimos anos, voltadas à discussão do paradigma “escassez-conflito” quanto aos recursos hídricos no Oriente Médio. O autor inicia sua obra apresentando os conceitos por ele considerados basilares para apoiar a compreensão do desenvolvimento de sua tese, que gira em torno desse paradigma. Na maior parte de seu texto, busca analisar dados de diversos campos do conhecimento geográfico e apoia-se também em suas diversas técnicas de observação. Questiona, de imediato, a forma apriorística com alguns autores assumem tal paradigma. Analisa a produção acadêmica, mas também parte dos “formadores de opinião” e os livros didáticos de Geografia, que apresentam as mesmas características de aceitação do binômio “escassez-conflito”.

2No capítulo três realiza uma breve caracterização do que viria a ser a regionalização do Oriente Médio segundo as visões do mundo árabe em contraposição a outras regionalizações, revisitando autores clássicos como Stamp (1959), Gourou (1953), dentre outros e revisitando regionalizações presentes em atlas e instituições com atuação em geopolítica mundial, a exemplo da ONU.

3Utiliza-se de ingredientes clássicos da análise e do discurso geográfico, assim como utiliza o enfoque histórico-geográfico, realizando relevante seleção de dados que fundamentam justamente, a definição de um panorama da evolução da apropriação dos recursos hídricos no Oriente Médio. Nessa linha, chama à atenção do leitor para a maior presença histórica da relação entre existência de fronteiras fluidas e regiões desérticas. Também nessa linha informa o leitor a respeito da sobreposição histórico-geográfica de instrumentos técnicos de apropriação e de manejo dos recursos hídricos na região estudada, tratando desde a implementação de canais subterrâneos (Karez ou feledj), das rodas d’ água (norias gigantes) , cisternas, até os represamentos, dentre outros artefatos técnicos ao longo da história. Circula por regiões e tempos diversos, desde o Egito e a Pérsia, para os primeiros exemplos, até a Arábia saudita e o crescente fértil ( Síria e Iraque), para os últimos.

4Nos demais capítulos, o autor adentra sua tese, em busca de desvendamento, para o caso específico da bacia do Rio Eufrates (Tigre-Eufrates), utilizando-se de dados descritivos também diversos e de representatividade escalar principalmente regional. Descreve os principais elementos do meio físico, segundo os países drenados por essa bacia, os regimes fluviais dos trechos, demonstrando o gradiente de aridez de montante para jusante do sistema estudado e a consequente problemática potencial da apropriação e do compartilhamento dos recursos hídricos desses países, a exemplo da Turquia, da Síria e do Iraque.

5A apresentação que segue é a de ênfase na análise da apropriação dos recursos por barramentos e por irrigação, para discutir a existência ou não dos esperados prejuízos e impactos que deveriam se dar no caso de construção de grandes barragens na parte superior da bacia hidrográfica do rio Eufrates. Utiliza-se principalmente do caso do represamento de Atartuk, obra finalizada em 1992, na Turquia. Destaca também os acordos firmados nas últimas décadas bacia do rio Eufrates e protocolos como os de o “Protocolo de Damasco”, em que a Turquia compromete-se a assegurar no rio Eufrates, a vazão mínima de 500m³/s, no ponto de entrada desse rio em território Sírio, o que, dentre outros dados, viriam a comprovar a predisposição ao diálogo dos países envolvidos.

6A partir de então, o autor analisa mais detalhadamente o comportamento das vazões do rio Eufrates nesse ponto estratégico, com recortes temporais (centenários e decadais) que viabilizam análises e tratamento estatístico para a avaliação de mudanças de disponibilidade e para a comparação entre períodos anteriores e posteriores à construção de grandes barramentos, como o de Atartuk (gráfico 2).

7Parte, então, para a proposição e falseamento de hipóteses respeito da constatada diminuição generalizada das vazões médias da bacia nas últimas décadas e ao longo do século, considerando as mudanças de variáveis antrópicas (represamentos, irrigação, esgotamento) e naturais (vazões e salinidade). De forma geral, as conclusões do autor se dão na direção : da necessidade de complementação de outras variáveis hidrológicas para cálculo de balanços hídricos no sentido de melhorar a compreensão das tendências verificadas; a de que os grandes represamentos não são criadores de conflitos ou de problemas adicionais de apropriação do recurso, pelo contrário, melhoram a tendência natural de grandes amplitudes de vazões anuais e tem os protocolos sendo obedecidos; a da não atribuição de responsabilidade de diminuição das vazões e de aumento da salinidade a apenas às variáveis antrópicas, mas sim, a de uma sinergia entre tendências naturais e impactos de uso da água ao longo de toda a bacia .

8Nessa interessante obra, o autor conclui que não há evidências da existência, nessa região de uma velada ou explícita “guerra da água”, reforçando sua posição de que essa seria uma hipótese insustentável.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cleide Rodrigues, « Água no Oriente Médio, o fluxo da paz », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 09 avril 2018, consulté le 20 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12983

Haut de page

Auteur

Cleide Rodrigues

Universidade de São Paulo, cleidrig@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals