Navigation – Plan du site
Resenhas

Os “vareiros” do rio Grajaú, agentes de integração das duas fronteiras

Les « vareiros » du rio Grajaú, agents de l'intégration des deux frontières
The rio Grajaú “vareiros”, agents of integration of the two frontiers
Confins
Référence(s) :

Varando mundos. Navegaçâo no Vale do Rio Grajaú, Alan Kardec Pacheco Filho,

Texte intégral

1O livro de Alan Kardec Pacheco Filho, tirado de sua tese de doutorado1, conta como a ocupação com fins de colonização do sul maranhense começou a partir dos sertões dos Pastos Bons, na segunda metade do século XVIII. Em busca de novas terras para a criação de gado, os pioneiros “plantaram” muitas fazendas, uma das quais, denominada Chapada, fundada às margens do rio Grajaú, foi o ponto de partida da integração de duas “civilizações” distintas: o sertão e o norte maranhense. O rio Grajaú teve como agentes de integração das duas fronteiras os “vareiros”, cuja atividade principal consistia em impulsionar canoas cheias de mercadorias. Este estudo defende que a navegação do rio Grajaú desenvolveu a região em seu entorno, incluindo o norte de Goiás e o sul do Pará, e uniu culturas e encurtou a distância entre o centro­ sul e o norte do estado.

2Alan Kardec Gomes Pachêco Filho, natural de Grajau-MA, é professor do Departamento de Histôria e Geografia da Universidade Estadual do Maranhão. Coordenador do Núcleo de Estudos sobre Maranháo, Memória, Polîtica e Sertão, ele é autor de: “E porque muitos juraram para trair...” (2015) e de vários artigos sobre sertão, política e navegação fluvial. Membro da Academia Grajauense de Letras e Artes e Sôcio Correspondente da Academia Imperatrizense de Letras

3Na “orelha” do livro Adalberto Franklin, historiador e editor literário, aponta que “Quando o espaço geográfico, o ser e o tempo estudados coincidem com a história e as reminiscências do autor, o resultado não poderia deixar de ser outro senão um profundo mergulho nos fatos, na realidade e na cultura que movem a vida e despertam sentimentos de pertencimento.

4A exploração científica a que se determinou Alan Kardec Pacheco Filho a fazer no íngreme campo da historiografia dos sertões maranhenses, que remonta a mais de dois séculos da ocupação desse território pelos criadores, que arrebataram terra e vida dos autóctones e plantaram uma nova civilização maranhense, completamente diferenciada da que se estabeleceu no norte litorâneo da província.

5A partir dos registras dos primeiros viajantes intérpretes da região, ainda no final do século XVIII, e avançando no tempo até as décadas finais do século XX, o autor debruçou-se sobre as informações deixadas por figuras como os militares portugueses Joao Pereira Caldas e Francisco de Paula Ribeiro, e os brasileiros Cândido Mendes de Almeida, Dunshee de Abranches, Parsondas de Carvalho, Carlota Carvalho e Maria do Socorro Cabral, extraindo de seus escritos informações que levaram a uma inédita interpretação desses sertões, a partir do confronta com a história e da memória dos que posteriormente sedimentaram essa civilização sertaneja sul-maranhense.

6Desse estudo surgiu, como era de se esperar, a revelação de um sertão que se fez dinâmico socialmente, pujante economicamente e altivo politicamente, desafiando intempéries, isolamento e a falta de investimentos oficiais.

7O enfoque central desta obra é a velha Chapada, uma das primeiras povoações do sertão maranhense, a partir de onde se estabeleceu a primeira ligação fluvial com o litoral, através do rio Grajaú, no começo do século XIX, o que a fez polo de intercâmbio comercial e entreposto dos sertões maranhenses e goianos com o comércio marítimo de São Luís. Nomeada São Paulo do Norte, devido a sua importância comercial, tornou a importante Grajaú, centro de irradiação da cultura e da economia sertanejas do Maranhão até metade do século XX.

8A epopeia desses dois séculos da história humana nos sertões em que nasceu o autor é o fértil arquivo onde Alan Kardec mergulha para trazer à tona os fatos e a compreensão de um espaço ainda pouco estudado e quase indecifrado. Uma esfinge que ainda desafia a história e os historiadores”.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Os “vareiros” do rio Grajaú, agentes de integração das duas fronteiras », Confins [En ligne], 34 | 2018, mis en ligne le 10 avril 2018, consulté le 17 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12986

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals