Navigation – Plan du site

As regiões montanhosas e o planejamento de suas paisagens: proposta de zoneamento ambiental para a Mantiqueira meridional mineira

Les régions de montagne et la planification de leurs paysages : une proposition de zonage environnemental pour la Mantiqueira méridionale de Minas Gerais
The mountainous regions and the planning of its landscapes: a proposal of enviromental zoning for the southern Mantiqueira in Minas Gerais
Roberto Marques Neto

Résumés

Dans la région de l'Atlantique tropical, il est dans les paysages montagneux où il y a l'interpénétration plus intense entre les éléments zonaux et azonal dans la définition de sa structure et sa fonctionnalité, avec géosystèmes régionaux qui mélangent les ceintures forestières sur les sols argileux et bien développés avec les régions rocheuses et montagneuses champs sur le sol peu profondes et riches en minéraux primaires qui se produisent en régions géomorphologiques comme la Serra da Mantiqueira. Les montagnes tropicales du sud-est du Brésil ont donc des paysages particuliers dotés de compétences spécifiques à la gestion et la planification environnementale proposée au niveau régional devrait à partir d'une étude intégrée de ces paysages, de prendre en compte les spécificités des géosystèmes régionales. De ces prémisses, cette étude présente une proposition de zonage environnemental pour la partie de l'exploitation minière du Sud Mantiqueira, établie à partir d'une approche dialogique entre le design géosystémique et l'écologie du paysage.

Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : Percy Lau

1No concernente à construção de um pensamento abstrato sobre a paisagem, as regiões montanhosas sempre figuraram como espacialidades de forte referência na formação de arquétipos. É inevitável, nesse sentido, uma remissão direta ao poeta italiano Petrarca e sua experiência paisagística no monte Ventoux, de onde, a partir de seu cume, a paisagem foi a ele desvelada para sua contemplação. Em proficiente ensaio a respeito de Petrarca sobre a montanha, Besse (2014) chama a atenção para o caráter transgressor da exteriorização inerente à experiência descrita, um marco fundamental na retomada progressiva de uma perspectiva não hermética na interpretação dos fenômenos naturais, que até então não eram condizentes com o espírito teológico vigente no medievo europeu. Pela mesma perspectiva, Blanco (2007) exalta o pioneirismo de Petrarca na proposição de uma visão da natureza através da paisagem, pensamento este que, formulado no ano de 1336, apresentava-se como vanguardista no contexto das ideias dominantes na Europa daquela época. Nessa construção, a montanha figurava como entidade fundamental, e, doravante, as paisagens montanhosas sempre foram intensamente exploradas tanto no plano artístico como científico.

2Além das margens ativas e seus cinturões orogenéticos contínuos e exacerbadamente elevados pelas solicitações tectônicas intensas e prevalentes, as paisagens montanhosas definem espacialidades de singularidade acentuada, seja na forma de cadeias montanhosas ativas, seja em caráter residual. Eclodem nestes contextos o que pode ser designado como paisagens de exceção, pela acepção de Ab’Sáber (2006), mini e mesorredutos, muitas vezes disjuntos, que destoam dos demais tipos de paisagem contidos na zona ou domínio morfoclimático em questão. Tais tipicidades se projetam como orobiomas engendrados pela elevação topográfica e contidos em um contexto forjado pelos fatores hidrotérmicos zonais (zonobiomas) (WALTER, 1984), constituindo uma conjugação de elementos azonais que, interpenetrados aos elementos zonais, definem os geossistemas regionais (ISACHENKO, 1973; CAVALCANTI, 2013).

3Contrastes bem marcados pela presença de paisagens montanhosas se consubstanciam nas áreas cratonizadas das zonas intertropicais, domínios de margem relativamente passiva, geralmente de litoestrutura antiga cronologicamente distribuída ao longo do Pré-Cambriano e que, embora acometidas por sucessivas reativações tectônicas, estiveram submetidas a processos denudacionais cenozoicos de aplainamento, dissecação ou mesmo dissolução química. Mantos de intemperismo argilosos, oxidantes, intensamente lixiviados e com conspícua ferrólise dos minerais de argila tem sido formados e removidos ao longo do Cenozoico, com contundente formação de etchplains em domínios intracratônicos ou mesmo superfícies de aplainamento em depressões pedimentares de clima semiárido.

4Os relevos montanhosos nessas regiões do orbe apresentam diferentes vínculos genéticos. Em alguns casos figuram como inselbergs, residuais de aplainamento conservados por bancadas lateríticas, calcrostas e outros agentes cimentantes que impuseram resistência mais contundente a impedir a obliteração completa do relevo e um rebaixamento mais generalizado da paisagem. A conservação de níveis morfológicos mais elevados também se deve, em muitos casos, à presença de superfícies estruturais balizadas em rochas mais resistentes, tendo sua evolução francamente ligada à erosão diferencial.

5A região semiárida do nordeste brasileiro, fundamentalmente a depressão sertaneja meridional e setentrional, bem como em vários compartimentos de planalto do Brasil Central, são copiosos os paleoníveis forjados em duricrostas ou preservados por litologias mais resistentes como o quartzito, em forma de mesetas, chapadas e cristas contínuas com somitais aplainados, bem como geoformas residuais isoladas ou organizadas em campos de inselbergs, fundamentalmente no semiárido. A gênese e evolução de paisagens montanhosas no contexto intertropical também podem assumir um cunho tectônico, sobretudo nas bordas cratônicas, antigas faixas de contato entre as paleoplacas cratonizadas, e que figuram como áreas preferenciais de reativação explorando as falhas preexistentes, a exemplo das cristas e escarpamentos do Brasil Sudeste, entre as quais a Serra do Mar e da Mantiqueira são as principais estruturas.

6Indubitavelmente, as paisagens montanhosas apresentam especificidades próprias no que concerne ao manejo de suas terras e às suas aptidões para o uso e ocupação. Os sistemas geomorfológicos inerentes a esses contextos são caracterizados por elevada energia, e os processos físicos de superfície tendem a assumir maior intensidade, o que estabelece uma coligação direta com o uso e ocupação destas regiões. As paisagens montanhosas, ainda, normalmente encarnam funções geoecológicas emissoras dos fluxos de matéria, energia e informação, resguardando mananciais hídricos e promovendo tanto a dispersão como a recarga das águas, auxiliando assim com inestimável valor a regulação dos ciclos hidrológicos das bacias hidrográficas nas quais estão inseridas. Quando contínuos, os relevos montanhosos estabelecem perspectivas de conectividade estratégica, se prestando na consolidação de corredores ecológicos e na melhoria dos fluxos gênicos regionais.

  • 1 Todos os mapas foram elaborados pelo autor

7A importância ambiental das paisagens montanhosas, com sua miríade de elementos de bio, geo e sociodiversidade, motivou uma interpretação integrada da paisagem com fins no estabelecimento de uma proposta de zoneamento ambiental para a porção mineira da Mantiqueira Meridional (sensu GATTO et al. 1983) (figura 11), região geomorfológica de gênese tectônica altamente representativa das paisagens montanhosas dos trópicos úmidos, e de um valor ambiental suprarregional insondável.

Figura 1. Localização da Mantiqueira Meridional no estado de Minas Gerais e representação de sua hipsometria

Figura 1. Localização da Mantiqueira Meridional no estado de Minas Gerais e representação de sua hipsometria

Concepção teórica e metodológica: geossistemas e ecologia da paisagem no planejamento ambiental regional

Base teórico-metodológica: o geossistema

8A proposta de zoneamento ambiental aqui apresentada foi concebida a partir de uma perspectiva dialógica que integrou a concepção geossistêmica à ecologia da paisagem, dois vieses teórico-metodológicos amplamente difundidos no âmbito da Geografia Física, ainda que não muito trabalhados em perspectiva integrada para fins de planejamento ambiental em escala regional. As concepções teóricas e metodológicas oriundas do canal de comunicação eslavo propugnadas por Sochava (1971, 1978, 1978a) e Isachenko (1973) balizaram a interpretação e classificação dos geossistemas, e os aspectos inerentes à ecologia da paisagem tiveram sua leitura e operacionalização assentada nas proposições de Forman e Godron (1986).

9O zoneamento ambiental figura como importante ferramenta para o planejamento, ferramenta esta que consiste, fundamentalmente, na definição de unidades segundo suas aptidões e restrições de uso, discernidas a partir da correlação entre alguns atributos da paisagem (relevo, solos, cobertura vegetal, ocupação humana, exploração econômica, etc.). Entre os procedimentos metodológicos que o valham, é muito comum que se faça a opção por técnicas de sobreposição de mapas com uso de geoprocessamento e sensoriamento remoto, técnicas estas cada vez mais sofisticadas e eficientes na geração de informações espaciais, e crescentemente acionadas em planos diretores municipais, planos de manejo de unidades de conservação, entre outras situações. No âmbito macroespacial, os zoneamentos ecológico-econômicos (ZEE’s) tem dado o senso de proposições construídas no seio da ciência geográfica, como aquela apresentada por Ross (2006).

10A proposta apresentada parte da existência objetiva do geossistema enquanto conceito e unidade espacial concreta, aqui aplicada a um esquema regional, buscando-se o entendimento da organização da paisagem segundo seus mosaicos e o comportamento estruturo-funcional de tais mosaicos, cerne do estabelecimento de suas potencialidades e restrições de uso e necessidades de manejo.

11Pela perspectiva eslava voltada ao pensamento da paisagem em seu desenvolvimento teórico, metodológico e instrumental, os geossistemas são sistemas naturais que se organizam em todos os níveis escalares (locais, regionais e globais) cuja classificação obedece a um sistema bilateral que interpenetra integridades homogêneas – geômeros ou tipologias, e heterogêneas – geócoros ou indivíduos geográficos (SOCHAVA, 1978; 1978a). Entre as diversas ordens de grandeza, das áreas homogêneas elementares ao próprio sistema Terra, o macrogeócoro é tido como unidade estratégica para o planejamento ambiental regional (SOCHAVA, 1978; HAASE, 1989; MARQUES NETO, 2012).

Diagnóstico da paisagem

12O estabelecimento dos geossistemas a partir da integração dos principais atributos formadores da paisagem se pautou na correlação entre os compartimentos geomorfológicos e morfoestruturais, as unidades de mapeamento pedológico, a cobertura vegetal e o uso da terra, além de aspectos hidrográficos e litológicos em caráter acessório. A compartimentação do relevo foi estabelecida a partir dos padrões de formas semelhantes (ROSS, 1992), tendo sido estimados, além dos aspectos morfológicos, parâmetros morfométricos como a profundidade de dissecação e a declividade, este de interferência direta no zoneamento em função das restrições de ordem jurídica que impõem ao uso da terra.

13A carta de declividade foi gerada a partir da ferramenta Spatial Analyst/Superfície/Declividade do ArcGIS, utilizando-se o modelo MDE do INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (TOPODATA) (INPE, 2013). As classes foram definidas em intervalos manuais após a criação do modelo de declividade, desdobrando-se os seguintes intervalos: < 15%; 15 – 30%; 30 - 40%; 40 - 55%; 55 – 75%; 75 – 90%; > 90%.

14A compartimentação geomorfológica foi correlacionada ao quadro litoestrutural para o estabelecimento de uma compartimentação morfoestrutural (MARQUES NETO, 2017), que não é objeto da presente comunicação, mas que serviu de base para a delimitação dos macrogeócoros. Para tal, foi levada a cabo a extração de lineamentos por meio da interpretação factual de elementos retilíneos do relevo e da drenagem em imagens de radar SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) a partir de quatro ângulos de iluminação azimutal (45°, 90° 315° e 360°). A rede de drenagem foi extraída da base de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), posteriormente georreferenciada e editada em software ArcGIS. Finalmente, a base geológica foi interpretada a partir dos mapeamentos referentes ao Projeto Sul de Minas (SOARES et al. 2002).

15Em função da ausência de levantamentos pedológicos sistemáticos em escala satisfatoriamente detalhada para grandes extensões do território brasileiro, os solos foram interpretados segundo unidades de mapeamento na escala de 1/650000 (detalhamento compatível com a escala de 1/500000) referente a projeto empreendido pela Universidade Federal de Viçosa e Universidade Federal de Lavras (2010). Em complemento à interpretação da estrutura superficial da paisagem, foram realizadas descrições amostrais em campo e coletas de coberturas de alteração pedogeneizadas para análise textural, executada no Laboratório de Solos da Universidade Federal de Lavras, onde foram diferenciadas as classes texturais argilosa, média e arenosa.

16As informações pertinentes ao uso e cobertura foram obtidas mediante classificação de imagens de satélite Landsat, bandas 5, 4, 3, levadas a efeito pelo método da Máxima Verossimilhança em ambiente ArcGIS, discernindo-se as formações florestais, os campos de altitude, áreas de pastagem, áreas agrícolas e urbanas. Em complemento, foi acionada a extensão Bing Maps do ArcGIS para poligonização direta de algumas unidades de uso e/ou vegetação afim de minimizar as generalizações inerentes à classificação convencional, recurso este utilizado, sobretudo, para a diferenciação entre os campos altimontanos e áreas de pastagem, além das campanhas sistemáticas de campo.

Estudo integrado da paisagem

17Posicionado na passagem dos níveis escalares locais para as grandezas regionais, o macrogeócoro é a unidade que melhor congrega a ideia de paisagem (SOCHAVA, 1978) em uma perspectiva genético-estrutural, consubstanciada na formação de indivíduos geográficos a partir da composição heterogênea de mosaicos. O macrogeócoro figura, portanto, como a unidade fundamental pela qual o zoneamento ambiental foi pensado, tendo sido estabelecido pela conjugação de classes de fácies, categorias relativamente homogêneas pertencentes à fileira dos geômeros e que se referem às tipologias gerais. Dessa forma, as classes de fácies foram adotadas como unidades básicas de mapeamento dos geossistemas, cuja conjugação forma as integridades heterogêneas projetadas no nível hierárquico imediatamente superior da fileira oposta, no caso as unidades macrogeocóricas, que são os próprios geossistemas regionais.

18A natureza dos geossistemas regionais, estabelecidos pela intersecção de diferentes classes de fácies, foi interpretada segundo os princípios de Isachenko (1973), diferenciando-se, unidades com predomínio de elementos zonais (relevo mamelonizado, coberturas de alteração argilosas, profundas e lixiviadas, vegetação florestal), unidades com predomínio de elementos azonais (altos topográficos em controle estrutural e tectônico, solos mal desenvolvidos e ricos em minerais primários, vegetação de campo) e unidades de máxima interpenetração de elementos zonais e azonais, nas quais ocorrem mesclas de fatores inerentes ao domínio morfoclimático e fatores determinados pela litologia e relevo.

19Doravante, os geossistemas também foram diferenciados segundo o grau de transformação em conformidade à proposta de Rodriguez, Silva e Cavalcanti (2010), no seguinte formato: predomínio de estruturas naturais (paisagens intocadas ou pouco transformadas), predomínio de estruturas antroponaturais (áreas rurais com certo grau de tecnificação congregadas aos ecossistemas naturais) e predomínio de estruturas antropogênicas (áreas profundamente transformadas, como zonas urbanas, industriais e de mineração).

20O resultado cartográfico da interpretação geossistêmica pelo prisma aqui proposto consiste em um mapa regional-tipológico na escala de 1/250.000 que conjuga tanto as tipicidades (classes de fácies) como os indivíduos geográficos, aqui representados no macrogeócoro.

Planejamento da paisagem

21As unidades fundamentais de mapeamento estabelecidas nas classes de fácies, dadas por diferentes arranjos genético-estruturais e graus de transformação, representam a integridade de mosaicos que se conjugam na conformação da paisagem, e que foram estabelecidos a partir de conjuntos de classes de fácies cujos arranjos específicos definem uma organização em matrizes (matrix), fragmentos (patches) e corredores (corridors), nos moldes apresentados por Forman e Godron (1986), permitindo compreender com mais proficiência a organização estrutural e funcional da paisagem a ser planejada. Dessa forma, as matrizes, dadas pelas modalidades dominantes de uso e cobertura, revelam, em grande medida, o grau de transformação do geossistema em seu estado atual e seus principais aspectos estruturais e funcionais.

22A concepção do zoneamento ambiental aqui proposto também incorporou o conceito de geodiversidade (SILVA et al. 2008), considerando as estreitas relações entre os fatores abióticos, bióticos e humanos, consubstanciando-se áreas de significativa beleza cênica e relevância ecológica. Dessa forma, para cada grupo genético-estrutural de classes de fácies (mosaico) foi definida a presença ou ausência de paisagens de exceção, aqui entendidas a partir da acepção de Ab’Sáber (2006), e consideradas como aquelas que aportam geodiversidade diferenciada, e que, normalmente, apresentam especificidades próprias de manejo e gestão.

23A delimitação das zonas se deu, portanto, a partir dos mosaicos e suas matrizes em consonância a outros atributos da paisagem de interesse ambiental específico. O estabelecimento de diferentes unidades de planejamento regional a partir da paisagem exigiu o reconhecimento abrangente do uso da terra, empresa esta que demandou intensos trabalhos de campo em função de muitas unidades produtivas de pequena expressão espacial, porém de relevância econômica regional, não apresentarem mapeamento e representação compatível com a escala regional de trabalho. Entretanto, foram estimadas na qualificação das zonas e incorporadas nas propostas de manejo.

24Finalmente, foram pensadas linhas preferenciais para o estabelecimento de conectividades definidas como corredores contínuos (extensas áreas de vegetação nativa de aspecto primitivo) e corredores em mosaico (intercalação de fragmentos de florestais com outras unidades de uso e cobertura), as duas formas básicas diferenciadas para a área de estudo.

25As zonas foram então definidas a partir do arranjo dos mosaicos interpretados, considerando, no escopo do roteiro metodológico proposto, os aspectos genético-estruturais e funcionais dos mosaicos, bem como a presença ou ausência de paisagens de exceção. O documento cartográfico final também foi editado na escala de 1/250.000.

Resultados: o zoneamento no contexto do planejamento da paisagem

26Inexoravelmente, o planejamento da paisagem em regiões montanhosas se depara com peculiaridades para as quais deverá se atinar, e cuja inobservância pode incorrer em impactos ambientais de elevada magnitude e comportamentos sinérgicos dos mais intensos. No caso da região da Mantiqueira, os alinhamentos em cristas e morros profundamente dissecados desencorajaram usos mais intensivos, e atualmente comportam, juntamente com alguns segmentos da Serra do Mar, os últimos estoques florestais do que provavelmente corresponde à Mata Atlântica original.

27A considerar a ocupação dos Tupis na fachada atlântica brasileira, Dean (1996) esclarece que esses grupos nativos manejavam a floresta por meio de queimadas para a prática agrícola (coivara), e que, por conseguinte, a ocupação portuguesa já teria encontrado uma vegetação alterada, com florestas ainda primárias intercaladas às matas secundárias em variados estágios de regeneração e às áreas plantadas e aldeias. Entretanto, as regiões de relevos tectônicos que perfazem os sistemas geomorfológicos mais movimentados do Brasil Sudeste foram evitadas pelos povos nativos, e, em algumas extensões, resistiram às distintas dinâmicas econômicas deflagradas com a colonização, e que ao longo de cinco séculos levaram a Mata Atlântica a um quadro de alteração profunda que beirou sua exaustão.

28A região da Mantiqueira Meridional em sua porção contida no estado de Minas Gerais comporta quatro macrogeócoros que, em conjunto, congregam cerca de cinquenta classes de fácies. As unidades macrogeocóricas eclodem, portanto, a partir de mosaicos consubstanciados nos diferentes conjuntos de classes de fácies, a seguir elencadas e representadas cartograficamente na figura 2.

  • Geossistema da Alta Mantiqueira

29I. Encostas e patamares com Floresta Ombrófila Densa Montana e Alto-montana sobre colúvios em nefelina-sienitos

30II. Escarpas de falha e cristas alinhadas com Floresta Estacional Semidecidual, Mista e Densa montanas alteradas sob influência de pastagem

31III. Morros e cristas estruturais com Floresta Estacional Semidecidual e Ombrófila Densa alteradas sob influência de bananicultura e cafeicultura

32IV. Cristas e escarpas alinhadas com Floresta Estacional Semidecidual e Ombrófila Mista alteradas sob influência de pastagem e cafeicultura

33V. Cristas escalonadas e morros com Floresta Ombrófila Mista e Densa montanas alteradas sob influência de pastagem

34VI. Cristas e morros altimontanos alongados com Floresta Ombrófila Mista e Densa Montana e Alto-montana alteradas sob influência de pastagem

35VII. Morros e escarpas estruturais com Floresta Estacional Semidecidual e Densa montanas alteradas sob influência de pastagem

36VIII. Patamares de cimeira e escarpas dissecadas com Floresta Ombrófila Mista e Densa Alto-montana conservadas

37IX. Cristas e escarpas dissecadas com Floresta Ombrófila Densa Montana e Alto-montana alterada sob influência de pastagem

38X. Morros altimontanos com Floresta Ombrófila densa e Mista Montana e Alto-montana alteradas sob influência de pastagem

39XI. Cristas e escarpas de falha com Floresta Ombrófila Mista e Densa Montana e Alto-montana conservadas

40XII. Patamares de cimeira e cristas escarpadas com Floresta Estacional Semidecidual Montana e Floresta Ombrófila Densa Alto-montana alteradas sob influência de pastagem

41XIII. Cristas alongadas e morros profundamente dissecados com Floresta Ombrófila Mista Montana e Alto-montana alterada sob influência de pastagem e Eucalyptus

42XIV. Reverso de crista assimétrica com Floresta Estacional Semidecidual e Ombrófila Densa Montana e Alto-montana alteradas sob influência de Eucalyptus, pastagem e urbana

43XV. Patamares de cimeira aguçados a aplainados com campos altimontanos herbáceos e arbustivos sobre nefelina-sienitos

44XVI. Patamares de cimeira com campos herbáceos e arbustivos sobre gnaisses e granitos

45XVII. Patamares de cimeira e escarpas de falha com Floresta Ombrófila Mista e Densa Montana e Alto-montana alteradas com enclaves de campos altimontanos sob influência de pastagem

46XVIII. Morros altimontanos e degraus reafeiçoados com Floresta Estacional Semidecidual e Ombrófila Densa Montana e Alto-montana alteradas com enclaves de campos altimontanos sob influência de pastagem

47XIX. Cristas alongadas e morros altimontanos com Floresta Estacional Semidecidual Montana e Floresta Ombrófila Densa Alto-montana com enclaves de campos altimontanos sob influência de pastagem

  • 2. Geossistema dos Patamares Escalonados da Mantiqueira

48XX. Morros e morrotes alongados e baixas cristas com Floresta Estacional Semidecidual Montana sob influência de pastagem e café

49XXI. Morros profundamente dissecados e baixas cristas com Floresta Estacional Semidecidual Montana sob influência de café e pastagem

50XXII. Morros profundamente dissecados com Floresta Estacional Semidecidual Montana alterada sob influência de café e pastagem

51XXIII. Cristas e morros profundamente dissecados com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem e Eucalyptus

52XXIV. Fundo de vale com morrotes embutidos e planícies fluviais sob influência de pastagem

53XXV. Morros e morrotes com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem

54XXVI. Cristas alongadas e morros altimontanos com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem

55XXVII. Cristas alongadas e morros altimontanos com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem e Eucalyptus

56XXVIII. Morros paralelos e baixas cristas com planícies fluviais alargadas com Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem e urbana

57XXIX. Morros e planícies fluviais alargadas com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem e urbana

58XXX. Morros alongados e pequenas colinas alinhadas com Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem e café

59XXXI. Morros e pequenas colinas com Floresta Estacional Semidecidual sob influência de pastagem

60XXXII. Cristas e morros escalonados em vales semiconfinados a abertos com Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem e urbana

61XXXIII. Patamares de cimeira e escarpas dissecadas em vales confinados a semiconfinados com Floresta Ombrófila Densa Montana alterada sob influência de pastagem e bananicultura

62XXXIV. Cristas e morros profundamente dissecados com Floresta Ombrófila Densa e Mista Montana e Alto-montana alteradas sob influência de pastagem e Eucalyptus

63XXXV. Cristas e morros profundamente dissecados com Floresta Ombrófila Densa Montana e Alto-montana alteradas sob influência de pastagem

64XXXVI. Rampas coluvionares dissecadas sob influência de pastagem e Eucalyptus

  • 3. Geossistema das Altas Cristas Quartzíticas Festonadas

65XXXVII. Escarpa de falha com Floresta Ombrófila Densa Montana e Alto-montana alterada sob influência de pastagem

66XXXVIII. Cristas escarpadas e patamares escalonados com Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem

67XXXIX. Cristas escarpadas e patamares escalonados com Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa alterada sob influência de pastagem e Eucalyptus

68XL. Patamares de cimeira com campos rupestres sobre quartzito sob influência de pastagem e Eucalyptus

69XLI. Cristas alongadas com campos herbáceos alterados sobre quartzito sob influência de pastagem

70XLII. Patamares de cimeira com campos herbáceos e arbustivos alterados sob influência de pastagem

71XLIII. Cristas escarpadas e patamares escalonados com campos herbáceos e arbustivos e Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem

72XLIV. Patamares de cimeira com campos herbáceos e arbustivos sobre quartzito e Floresta Ombrófila Densa Alto-montana sobre xisto

  • 4. Geossistema dos Rebordos Erosivos Dissecados

73XLV. Morros e baixas cristas com Floresta Estacional Semidecidual alterada sob influência de pastagem

74XLVI. Morros, morrotes e espigões reafeiçoados com Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Montana alterada sob influência de pastagem

75XLVII. Morros e baixas cristas com Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Montana alterada sob influência de pastagem

76XLVIII. Vales escalonados com Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Montana alterada sob influência de pastagem e urbana

77XLIX. Baixas cristas, morros e morrotes com Floresta Estacional Semidecidual Submontana e Montana alterada sob influência de pastagem, Eucalyptus e Pinus

78L. Morros e morrotes com Floresta Estacional Semidecidual Montana alterada e enclaves de campos arbustivos sob influência de pastagem

Figura 2. Representação cartográfica dos geossistemas da Mantiqueira Meridional mineira

Figura 2. Representação cartográfica dos geossistemas da Mantiqueira Meridional mineira

79As cinquenta classes de fácies definem quatro macrogeócoros. Segundo a natureza (predomínio de elementos zonais ou azonais) e estrutura (dominantemente natural, antroponatural ou antropogênica) destas unidades foram discernidos os mosaicos formadores das paisagens (macrogeócoros) e as unidades de zoneamento ambiental respaldadas pela interpretação integrada da paisagem, quais sejam: (1) Zonas de Preservação do Patrimônio Ambiental (conexas e desconexas); (2) Zonas de Conservação; (3) Zonas de Uso Agropecuário Controlado; (4) Zonas Urbanas Consolidadas; (5) Zona de Uso Especial. A figura 3 consiste na representação cartográfica do zoneamento ambiental proposto, e as figuras 4, 5, 6 e 7 elucidam a organização das informações trabalhadas na presente proposição.

Figura 3. Zoneamento ambiental da Mantiqueira Meridional mineira

Figura 3. Zoneamento ambiental da Mantiqueira Meridional mineira

Figura 4. Integração das informações referentes ao Geossistema da Alta Mantiqueira.

Figura 4. Integração das informações referentes ao Geossistema da Alta Mantiqueira.

PEN: Predomínio de estruturas naturais; PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais

80Figura 5. Integração das informações referentes ao Geossistema dos Patamares Escalonados da Mantiqueira.

PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais; PEANT: Predomínio de estruturas antropogênicas

PEN: Predomínio de estruturas naturais; PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais

Figura 7. Integração das informações referentes ao Geossistema dos Rebordos Erosivos Dissecados

Figura 7. Integração das informações referentes ao Geossistema dos Rebordos Erosivos Dissecados

PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais; PEANT: Predomínio de estruturas antropogênicas

81Depreende-se, a partir da interpretação das informações organizadas nos quadros supraexpostos, uma série de arranjos espaciais com nexo direto no planejamento, sempre atrelando os aspectos genéticos e estruturais aos mosaicos que se consubstanciam e seus valores paisagísticos, mosaicos estes formados pela conjugação das classes de fácies e interpretados segundo a matriz dominante e os fragmentos existentes interpenetrados à matriz. Desta amarração de variáveis é que foram propostas as zonas e suas conectividades. Assim, as tabelas mostram as classes de fácies, vinculadas ao seu respectivo geossistema regional (macrogeócoro) organizadas segundo a natureza do geossistema (zonal, azonal ou de máxima interpenetração), o grau de antropização (predomínio de estruturas naturais, antroponaturais e antropogênicas), e quanto à presença de elementos de geodiversidade, que se consubstanciam nas paisagens de exceção.

82Fatalmente, os corredores florestais mais robustos e contínuos encontram-se no Geossistema da Alta Mantiqueira, formando cinturões florestais expressivos revestindo as encostas escarpadas e declivosas das principais zonas de cisalhamento, intrusões alcalinas e morros altimontanos. O macrogeócoro em questão contém as principais unidades de conservação da área de estudo, destacadamente o Parque Nacional do Itatiaia e o Parque Estadual Serra do Papagaio, ambas adequadas pelo SNUC (2000) na modalidade de proteção integral. Além do perímetro das reservas as faixas florestais se alongam por declivosas cristas paralelas a subparalelas dissecadas por canais fluviais encachoeirados e encaixados em cânions formando sucessões altitudinais de florestas estacionais semideciduais, florestas ombrófilas densas intercaladas a fisionomias mistas, até a emergência dos campos altimontanos, estes definindo as paisagens mais sui generis da área de estudo.

83Neste contexto de significativa geodiversidade (picos, cânions, escarpas, patamares com afloramentos contínuos, cachoeiras), que floresceram as áreas definidas como Zona de Preservação do Patrimônio Ambiental, para as quais é pertinente que se considere como atividades adequadas àquelas voltadas para a pesquisa e turismo. São autênticas paisagens de exceção nas quais predominam ainda as estruturas naturais, posto que figuram como sistemas geomorfológicos de dificílima ocupação.

84As Zonas de Preservação do Patrimônio Ambiental foram dissociadas segundo faixas conexas e faixas desconexas, propondo-se rotas mais adequadas para estabelecimento de conectividades. Correspondem, estritamente, as extensões que ainda mantém vegetação nativa, sendo sua manutenção crucial para quaisquer estratégias conservacionistas em função de sua obvia importância ambiental e ausência de conflitos prementes, uma vez que tais áreas não têm sido visadas para usos antrópicos.

85As faixas conexas se referem aos corredores contínuos, pelos quais as florestas e campos se distribuem praticamente sem nenhum hiato na paisagem, impondo uma matriz eminentemente florestal nas encostas escarpadas e de campos altimontanos nas altas vertentes e somitais. As faixas desconexas configuram os corpos florestais que, embora de significativas dimensões, encontram-se disjuntos na paisagem, mas que são cruciais para o estabelecimento de corredores em mosaico, resguardando importantes quinhões do patrimônio genético da Mata Atlântica que tanta depleção tem sofrido.

86Áreas sugeridas para preservação também aparecem no Geossistema das Altas Cristas Quartzíticas Festonadas, que dá aporte a uma unidade de conservação de proteção integral (Parque Estadual Serra do Ibitipoca) e outros segmentos de florestas e campos rupestres. Em algumas extensões tem havido impetuosa expansão da silvicultura de Eucalyptus, incompatível com a função geoecológica destas áreas, que são fundamentais para a ampliação dos corredores ecológicos além do Geossistema da Alta Mantiqueira, ao longo do qual a Mata Atlântica é mais contínua.

87O que se propôs como Zona de Conservação se refere a extensões nas quais existe considerável adensamento vegetacional, porém com descontinuidades que refletem alguma pressão ou uso econômico, como alocação de sedes de fazendas e estabelecimento de pequenos roçados e criatórios familiares, geralmente, tornando os mosaicos mais complexos pela maior diversidade de modalidades de uso e cobertura. Neste caso, a opção pela conservação se vale do significado da terminologia, que não prescreve um caráter intangível, considerando a coexistência entre as culturas tradicionais campesinas e outros atores inseridos no meio rural e os recursos ambientais existentes, com significativo número de fragmentos florestais e elementos de geodiversidade, conforme explicitado no quadro da figura 4.

88Nestas áreas as estruturas dominantemente naturais e antroponaturais se interpenetram, e as atividades rurais de subsistência podem ser mantidas, ao mesmo tempo em que práticas lesivas como as queimadas e desflorestamentos para extração seletiva e outros fins devem ser combatidas com mais veemência pelos órgãos ambientais. Quando exequível segundo as lógicas de aproveitamento econômico do espaço, a Zona de Conservação também assumiu a função de tampão entre as áreas de interesse preservacionista mais integral e as áreas de usos econômicos mais intensivos, filtrando os fluxos de matéria e energia oriundos das zonas envolventes.

89As atividades econômicas são mais intensivas no Geossistema dos patamares escalonados e no Geossistema dos rebordos erosivos dissecados, caracterizados por morfologias mais convexas, com menores desníveis, declives mais suaves e coberturas intemperizadas mais profundas, formando espessos mantos de alteração argilosos. A dissecação é mais homogênea, e o quadro geomorfológico assume uma tipicidade mais mamelonar típica do domínio tropical atlântico; dessa forma, o caráter de paisagem de exceção não se aplica a essas terras. Define-se nessas áreas, portanto, a Zona de Uso Agropecuário Controlado, a que ocupa a maior expressão espacial na área de estudo.

90Na Zona de Uso Agropecuário controlado são dominantes as atividades pecuárias, fundamentalmente a leiteira, e, em segundo plano, o cultivo do café. Culturas menos generalizadas como o cultivo de banana, batata e marmelo atendem a contextos econômicos mais específicos que tem perdido força em prol do avanço do Eucalyptus. Sobram alguns fragmentos florestais em diferentes estágios sucessionais que se intercalam às áreas plantadas dispostos em uma matriz dada eminentemente pelos pastos cobertos por gramíneas exóticas, fundamentalmente Brachiaria. A pastagem e o cultivo das culturas supramencionadas são atividades inerentes ao transcurso socio-histórico da região, e são compatíveis com um modelo de uso controlado que seja capaz de garantir a manutenção e recomposição de áreas de preservação permanente e a alocação de reservas legais nas propriedades que ainda não cumprem essas exigências prescritas na legislação brasileira.

91As áreas legalmente protegidas ao longo dos canais fluviais e nascentes, altos declives, topos de morro e linhas de cumeada são as modalidades de áreas de preservação permanente que ocorrem na área de estudo, e são de importância capital para o espraiamento dos corredores ecológicos da Mantiqueira a partir dos degraus superiores (Geossistema da Alta Mantiqueira) em demanda aos patamares escalonados da Mantiqueira Ocidental e desses em direção aos compartimentos de planalto interiores.

92Entre as zonas recomendadas para práticas preservacionistas e conservacionistas e as áreas de uso agropecuário foi estabelecida uma Zona de Uso Especial delimitada pela área da Floresta Nacional de Passa Quatro, unidade de conservação de uso sustentável, e que comporta atividades próprias desta modalidade de área protegida, como reflorestamento com espécies nativas e exóticas e outras formas de manejo florestal. As unidades de conservação de proteção integral não foram delimitadas diferencialmente segundo seu perímetro pelo fato de se encontrarem adstritas às Zonas de Preservação do Patrimônio Ambiental, uma vez que comungam com a lógica preservacionista destas áreas de vegetação nativa contínua e francamente evitadas para fins econômicos.

93Como todo o domínio da Mata Atlântica, a região da Mantiqueira é urbanizada, ainda que sua rede urbana seja consideravelmente rarefeita em comparação aos padrões da fachada atlântica brasileira, mas que ainda assim exige o estabelecimento de Zonas Urbanas Consolidadas. As cidades mantiqueirenses, em sua maioria, consistem em pequenos núcleos contidos nos alvéolos mais alargados dos fundos de vale, com alguns tecidos urbanos de maior porte sobre planícies fluviais mais desenvolvidas, tal como a área urbana de Itajubá. Algumas cidades ladeiam áreas com estruturas dominantemente naturais, encadeando-se muito estreitamente com unidades providas de estruturas e funções geoecológicas assaz distintas.

94De forma geral, as espacialidades concebidas se encadeiam e se interpenetram em estreitas transações de matéria, energia e informação, onde as zonas de preservação e conservação figuram como importantes áreas emissoras de fluxos gênicos através dos corredores contínuos que se desmontam em mosaicos nos patamares escalonados a oeste das altas cristas. Tais áreas também são emissoras de fluxos hídricos que se dispersam a partir das zonas de cabeceira, bem como de detritos, consubstanciados nos movimentos de massa que são copiosos nas vertentes escarpadas da alta Mantiqueira.

95Como é típico de paisagens montanhosas, ocorre na Serra da Mantiqueira uma sucessão altitudinal das estruturas e processos operantes na paisagem que influenciaram sobremaneira a presente proposta de zoneamento, pela qual as zonas, em grande medida, sucedem-se altitudinalmente em um padrão pelo qual as unidades são mais restritivas quanto mais nas cimeiras regionais estejam posicionadas. Nesse sentido, ainda que os limites não sejam rigidamente determinados pela altitude, de forma geral as zonas de preservação nos somitais e cristas escarpadas dão passagem para zonas de conservação em patamares escalonados e morros profundamente dissecados, e que são sucedidas pelas zonas de uso agropecuário nos morros mamelonizados além das altas cristas. Embora esse arranjo seja complexo, com rupturas e contatos por vezes difusos e interdigitados, perfaz uma organização típica das paisagens montanhosas tropicais brasileiras no tocante aos seus aspectos estruturais e dinâmico-funcionais e às suas lógicas de planejamento.

Conclusões

96Os macrogeócoros e as diferentes zonas aqui concebidas apresentaram encadeamento sistêmico eminentemente aberto, e algumas modalidades de circulação de matéria, energia e informação são bem marcadas. Ambas as unidades (macrogeócoros e unidades de zoneamento), portanto, firmaram uma relação dialógica no concernente à sua estrutura e funcionalidade. Alocando-se as zonas de preservação e conservação predominantemente no Geossistema da Alta Mantiqueira e as zonas de uso agropecuário controlado majoritariamente nos geossistemas dos Patamares Escalonados e dos Rebordos Erosivos Dissecados, por exemplo, é possível vincular diretamente unidades de planejamento regional aos geossistemas em sua gênese e estrutura.

97Dessa forma, as reflexões obtidas e os resultados gerados a partir do diálogo entre a concepção geossistêmica e a ecologia da paisagem apresentaram a qualidade e abrangência necessárias para a proposição de um zoneamento ambiental efetivamente congruente com as aptidões e restrições inerentes à região estudada, e que pode, portanto, ser utilizado em programas de planejamento ambiental regional.

98Em escala regional, os macrogeócoros e as tipologias que perfizeram as unidades de representação dos geossistemas forneceram informações principalmente de cunho genético-estrutural. A ecologia da paisagem, por seu turno, revelou importantes aspectos de caráter funcional. A integração entre as estruturas existentes e as atuais funções geoecológicas da paisagem devidas às inter-relações, interdependências e reciprocidades foi pedra angular para a proposição das zonas e para o estabelecimento de faixas de conectividade. Corredores ecológicos concebidos a partir de investigações da estrutura e funcionalidade da paisagem, quando implantados, alteram os mosaicos, diversificam a estrutura interna do geossistema, catalisam os fluxos gênicos intra e inter geossistema e interferem diretamente em sua dinâmica.

99A propósito da menção sobre o estado dinâmico do geossistema, cabe frisar que a dinâmica da paisagem em regiões montanhosas é caracterizada por processos físicos agudos que circunstancialmente alteram a estrutura do geossistema, ainda que na maioria das vezes em escalas locais. A despeito das abordagens regionais serem mais compatíveis com enfoques evolutivos e estruturais em detrimento dos dinâmicos, deve-se avançar nas abordagens multiescalares que se encarreguem de investigar aspectos da dinâmica interna de geossistemas regionais, empreendendo amostragens de elementos climáticos (taxas de radiação, precipitação, temperatura, umidade, etc.), fluviais (vazão, oscilação do nível da água, etc.) e dos solos (taxas erosivas, temperatura, umidade, aspectos físicos, químicos e orgânicos), ampliando assim o conhecimento sobre o comportamento das variáveis de estado no contexto dos geossistemas nos quais se encontram e o entendimento de suas tipicidades e exceções.

Haut de page

Bibliographie

Ab’Sáber, A. N. Brasil: paisagens de exceção: o litoral e o Pantanal Mato-grossense: patrimônios básicos. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2006, 182p.

Besse, J. M. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2014. 108p.

Blanco, C. De la invención del paisage a la “moral del paisage” como género pictórico. Terr@ Plural, v. 1, n. 2, p. 41-60, 2007.

Cavalcanti, L. C. S. Da descrição de áreas à Teoria dos Geossistemas: uma abordagem epistemológica sobre sínteses naturalistas. Recife, 2013. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal de Pernambuco.

Dean, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, 484p.

Forman, R. T. T.; Godron, M. Landscape ecology. New York: John Wiley & Sons, 1986, 619p.

Gatto, L. C. S.; Ramos, V. L. S.; Nunes, B. T. A.; Mamede, L.; Góes, M. H. B.; Mauro, C. A.; Alvarenga, S. M.; Franco, E. M. S.; Quirico, A. F.; Neves, L. B. Geomorfologia. In: Projeto RADAMBRASIL. Folha SF-23/24 Rio de Janeiro/Vitória. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

Hasse, G. Medium scale landscape classification in the German Democratic Republic. Landscape ecology, v. 3, n. 1, p. 29-41, 1989.

INPE. TOPODATA. Banco de dados geomorfométricos do Brasil. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/topodata/indesc/php. Acesso em julho de 2013.

Isachenko, A. G. Principles of landscape science and Physical Geography Regionalization. Melbourne, 1973, 311p.

Marques Neto, R. Estudo evolutivo do sistema morfoclimático e morfotectônico da bacia do Rio Verde (MG), sudeste do Brasil. Rio Claro, 2012. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

_______________ O horst da Mantiqueira Meridional: proposta de compartimentação morfoestrutural para sua porção mineira. Revista Brasileira de Geomorfologia.

Rodriguez, J. M. M.; Silva, E. V.; Cavalcanti, A. P. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 3° ed. Fortaleza: edições UFC, 2010, 222p.

Ross, J. L. S. O Registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo. Revista do Departamento de Geografia. FFLCH-USP. n. 6. São Paulo, 1992.

___________ Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006, 208p.

Silva, C. R.; Ramos, M. A. B.; Pedreira, A. J.; Dantas, M. E. Começo de tudo. In: Silva, C. R. Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para entender o presente e o futuro. Rio de Janeiro: CPRM, 2008, 264p.

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA- SNUC. Brasília: MMA/SBF, 2000 32p.

Soares, A. C. P; Noce, C. M; Trouw, R. A. J; Heilbron, M. Projeto Sul de Minas. COMIG-UFMG-UFRJ-UERJ. Folhas Pouso Alto, Caxambu, Itajubá e Varginha, 2002.

Sochava, V. B. Geography and ecology. Soviet Geography: review and translation. New York, v. 12, n. 5, p. 277-293, 1971.

_____________ Por uma Teoria de Classificação dos Geossistemas da Vida Terrestre. Biogeografia, n. 14, 1978.

_____________ Introducción a la teoria sobre los geosistemas. Novosibirsk: Nauka, filial de Sibéria, 1978, 318p. (em russo).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais; UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Mapa de solos do Estado de Minas Gerais: legenda expandida. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2010. 49p.

Walter, H. Vegetação e zonas climáticas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1984, 325p.

Haut de page

Notes

1 Todos os mapas foram elaborados pelo autor

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Localização da Mantiqueira Meridional no estado de Minas Gerais e representação de sua hipsometria
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 2. Representação cartográfica dos geossistemas da Mantiqueira Meridional mineira
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Figura 3. Zoneamento ambiental da Mantiqueira Meridional mineira
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre Figura 4. Integração das informações referentes ao Geossistema da Alta Mantiqueira.
Légende PEN: Predomínio de estruturas naturais; PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Légende PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais; PEANT: Predomínio de estruturas antropogênicas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Légende PEN: Predomínio de estruturas naturais; PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
Titre Figura 7. Integração das informações referentes ao Geossistema dos Rebordos Erosivos Dissecados
Légende PEAN: Predomínio de estruturas antroponaturais; PEANT: Predomínio de estruturas antropogênicas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13070/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Roberto Marques Neto, « As regiões montanhosas e o planejamento de suas paisagens: proposta de zoneamento ambiental para a Mantiqueira meridional mineira », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 19 avril 2018, consulté le 19 août 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13070 ; DOI : 10.4000/confins.13070

Haut de page

Auteur

Roberto Marques Neto

Universidade Federal de Juiz de Fora, roberto.marques@ufjf.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals