Navigation – Plan du site

Em busca de um lugar ao sol: a viagem de Goethe à Itália

À la recherche d´une place au soleil: le voyage en Italie de Goethe
A place under the sun: Goethe´s Italian journey
Geraldo José Diogo Filho

Résumés

Cet article présente une révision du contenu géographique du livre "Voyage en Italie" de Johann Wolfgang von Goethe. Il analyse comment l'auteur décrit les éléments physiques, humains et environnementaux de l'Italie dans son récit de voyage, y compris la géologie, les reliefs, la botanique, le climat, l’exploitation de la terre, l'art et la culture de ce pays. Souvent, Goethe fait opposition entre les caractéristiques et les conditions rencontrées tout au long de son expédition avec celles qui existaient en Allemagne. En passant par des paysages très différents de son pays d´origine, le célèbre poète trouve, au sud des Alpes, des conditions beaucoup plus favorables à l'étude de la nature, compte tenu des latitudes plus basses, des conditions thermiques moins glaciales et la végétation plus exubérante de la région méditerranéenne, comme nous avons essayé de le souligner dans le titre de cet article. Le voyage est analysé dans le contexte de la biographie de Goethe et il est conclu que le temps qu'il a passé en Italie, entre 1786 et 1788, a joué un rôle très important dans sa formation en tant que scientifique naturaliste, en lui apportant des matériaux, des idées et une source d'inspiration pour le développement d’études futures.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Goethe, voyage, paysage, morphologie,  naturalisme, Italie

Índice de palavras-chaves :

Goethe, viagem, paisagem, morfologia, naturalistas, Itália.
Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : https://www.stiebner.com

1A partir do final do século XVII passa a ser comum entre os jovens de famílias abastadas complementarem suas formações com uma viagem pelo continente europeu. O chamado Grand Tour caracterizava-se como um evento de desenvolvimento pessoal e também de distinção social (ROMANO, 2012). Ao longo do século XVIII, com o advento do Romantismo, movimento artístico-cultural fundado por Goethe, os fluxos de turismo, oriundos principalmente da Alemanha, França e Inglaterra, em direção à Itália e Grécia, assim como ao norte da África, se intensificam. Nestes deslocamentos, diletantes, estudiosos e artistas buscavam aquisição de conhecimentos, fossem eles científicos ou culturais, que não poderiam ser encontrados em seus países de origem (SALGUEIRO, 2002).

  • 1 Goethe começa a organizar suas cartas da Itália em dezembro de 1813. Publica a primeira parte do li (...)

2Este trabalho aborda o conteúdo geográfico do livro “Viagem à Itália” de Johann Wolfgang von Goethe e tem como objetivo analisar o relato da jornada vivida pelo poeta no território italiano entre os anos de 1786 e 17881. Pretende-se esclarecer se a estadia em terras latinas pode ser considerada como uma espécie de trabalho de campo que lhe forneceria conteúdos e materiais para a elaboração de suas investigações posteriores acerca dos fenômenos naturais, consistindo assim em uma importante etapa de formação do autor enquanto cientista.

3Embora mais curta e percorrendo uma área muito menor, a expedição de Goethe na Itália insere-se naqueles grandes eventos, com consequências frutíferas para o avanço do conhecimento e da consciência humana. De certo modo ela pode ser comparada às empreitadas de importantes naturalistas, como às viagens de Alexander von Humboldt, entre 1799 e 1804 pelas Américas, e de Charles Darwin, entre 1831 e 1836 à bordo do Beagle, ambos admiradores de Goethe e influenciados por seu trabalho científico. Neste contexto, procura-se verificar o significado da viagem no desenvolvimento das ideias de Goethe a acerca da natureza.

A partida

4Em 1786, dias após seu aniversário de 37 anos, Goethe decide fugir de Karlsbad (figura 1) para a Itália. Esta aventura mudaria bastante seu modo de ser e de pensar. No caminho escreve muitas cartas relatando as impressões do meio físico, das cidades e dos modos de vida daquele país. Sem previsão de retorno, não informa o objetivo ou a duração de sua viagem a ninguém, partindo secretamente e deixando para trás seus compromissos administrativos na corte de Weimar, onde trabalhava para o duque Karl August, cumprindo as mais variadas funções, dentre elas diretor da comissão para guerras e para estradas, ministro de minas e preceptor do filho do duque (LACOSTE, 1999; MOURA, 2006).

Figura 1: Mapa com o trajeto da viagem de Goethe

Figura 1: Mapa com o trajeto da viagem de Goethe

A imagem apresenta a rota da viagem e indica algumas das cidades visitadas por Goethe. O percurso teve início em Karlsbad (atual Karlovy Vary) em 03/09/1786 e terminou em Weimar em 18/06/1788.

Elaborado pelo autor. Fonte: < Google Earth Pro, 2018 (Imagem: Landsat/Copernicus) >

5O autor assinala, ao longo do relato, que a partida de Weimar foi uma forma de evasão, pois encontrava-se inquieto e sem tempo para dedicar-se àquilo que lhe interessava. Ao que tudo indica, a viagem consistia em uma fuga das obrigações formais, do clima frio e da racionalidade da sociedade alemã. O poeta presumia que o calor e a simplicidade existentes em latitudes mais baixas possibilitariam o despertar para novos temas.

6Já famoso em toda a Europa, por conta do sucesso de “Os sofrimentos de Jovem Werther”, publicado 12 anos antes, procura não ser reconhecido no trajeto, identificando-se como um artista e cientista alemão interessado nas obras da antiguidade e na natureza alpina e mediterrânea. A Itália fazia parte de seu imaginário desde a infância, apresentava-se como a terra do céu azul o ano inteiro, berço do Renascimento e refúgio de artistas oriundos de toda Europa.

7Goethe não parte com o intuito de investigar a paisagem italiana: os cursos dos rios, a vegetação, o relevo, as rochas, o clima etc. Seus objetivos não eram, a priori, semelhantes aos de um cientista natural, porém, uma vez “em campo”, fará muitas observações, desenhos e descrições, carregando consigo exemplares de rochas e partes de animais para suas coleções, dentre outros objetos. Ele intensifica seu contato com a natureza e aproveita a oportunidade de observá-la por longos períodos, durante todas as estações do ano, sem se preocupar com o mau tempo, como jamais pudera. Segundo Lacoste: “certamente Goethe faz a escolha da natureza e da solidão contra a sociedade dos homens” (1999, p. 4).

A oposição entre as paisagens germânicas e italianas

8A paisagem é o produto de uma relação entre um olhar observador e uma parcela da terra. Santos a define como: “o domínio do visível, aquilo que a vista abarca. Não é formada apenas de volumes, mas também de cores, movimentos, odores, sons etc” (1997, p. 61). Da língua alemã surge a primeira palavra para denominar paisagem (landschaf):

Este termo existe desde a Idade Média, para designar uma região de dimensões médias em cujo território desenvolviam-se pequenas unidades de ocupação humana. Com o “século das luzes”, o termo assimilou também um senso semântico, com a noção de quadro, arte e/ ou natureza (MAXIMIANO, 2004, p. 85).

9Sob a influência de Alexander von Humboldt, a geografia germânica apresenta, desde sua formação, uma ênfase no estudo da paisagem, diferentemente da escola francesa focada nos estudos regionais. Humboldt e Goethe se conhecem em 1795 e, depois deste primeiro encontro, passam a trocar correspondências frequentes sobre o desenvolvimento de seus respectivos estudos (DIOGO FILHO, 2016). Na narrativa de Goethe na Itália, a paisagem aparece com a peculiaridade do movimento, jamais estática, o que viria a ser uma característica intrínseca ao seu pensamento, enquanto pesquisador dos fenômenos naturais:

Pouco a pouco foi escurecendo cada vez mais; os detalhes perdiam-se e as massas foram se fazendo cada vez maiores e mais magníficas; por fim, quando tudo à minha frente já se movia feito uma pintura profunda e misteriosa, tornei a ver, de súbito, lá no alto, os cumes nevados iluminados pela lua; aguardo agora que a manhã venha clarear este precipício de pedra, esta linha divisória entre o Sul e o Norte na qual me encontro fincado (GOETHE, 1999, p. 20).

10Goethe faz uso da linguagem literária para melhor caracterizar as experiências em campo. A relação com as artes transparece na forma como delineia os cenários observados, estes aparecem quase que enquadrados em uma moldura. Contudo, não se contenta em apenas apresentar textualmente suas impressões, registrando as fisionomias em desenhos, pois estuda técnicas de reprodução de cenas e objetos, preocupando-se em esboçar aquilo que vê dentro de uma estética, de um conceito, notadamente, sob a influência de pintores com os quais passa a conviver e dos quais recebe aulas enquanto viaja.

11Naquela época, era comum entre os grand tourists, o exercício do desenho, para retratar as imagens observadas em suas experiências, já aqueles que provinham de recursos, contratavam pintores particulares. Goethe teve a companhia de Johann Heinrich Wilhelm Tischbein (1751-1829), autor do quadro “Goethe na campanha romana” (figura 2), e de Christoph Heinrich Kniep (1755-1825), durante sua viagem. Ademais, muitos pintores locais, complementavam sua renda elaborando desenhos para viajantes que visitavam a Itália (SALGUEIRO, 2002). Sem os modernos meios de produção de imagens, a pintura era a única possibilidade de registro visual da natureza, das paisagens, dos monumentos e dos habitantes locais (DIOGO FILHO, 2016).

Figura 2: Goethe na campanha romana (Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787)

Figura 2: Goethe na campanha romana (Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787)

Fonte: < http://www.staedelmuseum.de/​en/​collection/​goethe-roman-campagna-1787 >

12Frequentemente, Goethe observa a paisagem real comparando-a com a artística, quando não através desta. Ele estuda pinturas e mitos, visita o acervo de museus, apesar de não pretender ficar preso a espaços fechados, valorizando as atividades ao ar livre. Escreve notas diárias, sobre temas variados, muitas vezes surpreende o leitor com o caráter técnico do texto, reparando, inclusive, na falta de atenção de alguns viajantes que, sem perceberem as maravilhas que os cercam, pouco aprendem: “Observo, porém, com espanto como se pode viajar sem ver coisa alguma além de si próprio” (Idem, p. 114).

13Admira-se da cosmovisão dos antigos ao se deparar com a arquitetura clássica, considerando esta uma “segunda natureza”, na medida em que ela se insere na paisagem de forma harmônica e dialoga com os elementos naturais (Idem, p. 142). Ciente das diferenças regionais do país, ele diferencia seu estado de espírito na capital daquele vivido nos outros lugares. Em Roma buscava conhecimento proveniente do mundo antigo, além de entrar em contato com os artistas que ali viviam, já no sul, as riquezas e diversidade do meio natural. Em direção à Sicília, enquanto as paisagens se tornavam cada vez mais exuberantes, até Roma, que tanto sonhara em conhecer, perde seu encanto em meio à suntuosidade da região napolitana: “comparada à livre e desimpedida amplidão da paisagem local, a capital do mundo no leito do Tibre assemelha-se a um antigo mosteiro mal situado” (Idem, p. 226).

14Ao entrar em contato com outra realidade, diferente da qual estava acostumado, nota-se, em sua exposição, uma constante comparação entre dois universos distintos: o norte e o sul. Essas novas vivências tinham caráter formativo, ao constituir encontro com o novo, mas ao mesmo tempo elas consistiam também em uma oposição ao velho, já vivenciado pelo narrador na Alemanha. Em terras quentes e, constantemente, iluminadas, desenvolve a prática de campo, centrada na observação dos fenômenos. Seu olho se abre para uma nova forma de enxergar o mundo. A respeito dos pintores venezianos comenta:

Nós, que vivemos numa terra ora imunda, ora poeirenta, incolor, a obscurecer qualquer reflexo, muitos até, talvez, em cômodos apertados, não podemos, por nós próprios, desenvolver uma visão assim jubilosa (Idem, p. 102).

15A cada paralelo transposto, descobre outro ambiente e outra sociedade, feliz em deixar as altas latitudes. A diversidade da fauna e da flora era bem superior àquela encontrada em territórios germânicos. Podia observar animais vivendo em estado livre e plantas, que até então só conhecia por livros ou por visitas aos jardins botânicos. Repara, por exemplo, que algumas espécies mudavam pouco suas feições no decorrer das estações do ano: “vêem-se de vez em quando árvores de folhagem perene, de modo que mal sentimos a falta das folhas caídas das demais” (Idem, p. 175).

16Em meio a paisagens e espécies tão diferentes da habitual passa a conceber uma unidade na diversidade, pois ao mesmo tempo em que a natureza se mostrava diferente em cada lugar, ainda assim mantinha uma coesão entre suas formas. O recorrente confronto entre o norte e o sul, pode ser considerado como o início de suas pesquisas em “morfologia comparada”. A tabela, em anexo, indica as cidades visitadas por Goethe, além das datas em que ele permaneceu em cada uma delas. Alguns locais mudaram de nome ao longo do tempo, por este motivo apresentamos os nomes das cidades na época da viagem (em alemão) e os nomes atuais (em português).

17Agora serão expostos alguns dos conteúdos presentes no texto, com foco nos seguintes aspectos: substrato geológico, relevo, uso do solo, botânica, clima e no choque entre duas culturas distintas. Pretende-se demonstrar como Goethe compara os diferentes fatores geográficos de sua terra natal e da Itália. Constatando-se que ao encontrar condições e circunstâncias favoráveis ao estudo da natureza durante seu percurso (tabela 1), o autor acaba por aprimorar suas inclinações científicas.

O relevo, a geologia e o uso do solo

18Muitas vezes o autor fornece o nome de minerais, analisa o intemperismo das rochas e o relaciona com a agricultura e com a construção de estradas. Detalha a descrição como em uma espécie de caracterização da área de estudo para alguma intervenção espacial, certamente devido sua experiência profissional prévia no ducado de Weimar. Vejamos um exemplo:

Situa-se num vale, para não dizer barranco, em meio a uma bela pradaria, circundado por colinas suaves e férteis (...). O solo compõe-se de um xisto argiloso solto. O quartzo que se encontra nessa espécie de rocha não se decompõe nem se degrada, tornando a terra bastante fértil (GOETHE, 1999, p. 11).

19Também analisa o material utilizado nas construções de templos e anfiteatros, a geologia local bem como a posição topográfica ocupada pelas edificações. Especula a possível idade das rochas e descreve suas propriedades, coletando exemplares no trajeto. Logo nas primeiras páginas lê-se seu anseio por carregar amostras consigo, tendo que reprimir, constantemente, o desejo do colecionador: “Um pedaço pareceu-me instrutivo e atraente, mas a pedra é demasiado dura, e jurei não carregar pedras comigo ao longo desta viagem” (Idem, p. 14). Pouco tempo depois, ao atravessar uma estrada nos Alpes, comenta: “Sem qualquer esforço, posso levar comigo uma amostra de cada espécie, bastando para tanto que acostume meus olhos e cobiça a uma coleção mais modesta” (Idem, p. 44). Contudo, por volta do dia 20 de outubro de 1786, já carrega consigo mais de seis quilos de um único mineral, a baritina.

20Recorda a postura de seu editor Herder a respeito de seu interesse pelas rochas. Herder incentiva Goethe a se dedicar à suas obras literárias e não “ir bater em rocha estéril” (Idem, p. 26). Porém o poeta despende dias inteiros tomando notas litológicas: “Mal me aproximo das montanhas e já as rochas me atraem de novo. Estou parecendo Anteu, que se sente sempre revigorado quanto mais lhe põem em contato com sua mãe terra” (Idem, p. 129). Ao longo do percurso observa a configuração das feições geomorfológicas, demonstrando empolgação ao passar de regiões mais planas a relevos mais acidentados, mudanças topográficas que lhe permitiam observar as alterações que as mudanças de altitude provocam na vegetação e no clima (Idem, p. 120 e 145). Durante sua primeira visita a Nápoles, o autor escalou o Vesúvio três vezes, nos dias 02, 06 e 20 de março de 1787. No seu retorno à cidade, em junho do mesmo ano, após visitar a Sicília, ele pode observá-lo em atividade, conforme registrou na pintura apresentada na figura 3.

21O uso do solo, o contato do camponês com a terra, seus meios e técnicas de trabalho também chamam sua atenção, bem como frequência da aragem da terra durante o ano, conforme as mudanças das estações, fatores quase sempre contrapostos à realidade germânica. Descreve características do solo, tece considerações sobre a pedogênese em determinadas áreas em função do relevo e do substrato geológico (Idem, p. 12). Surpreende-se com a multiplicidade dos gêneros agrícolas cultivados nas pequenas propriedades, admirando-se com os frutos que jamais vira crescer em estado natural e em tamanha abundância (Idem, p. 31).

22Compra mapas no trajeto para se orientar, carrega uma bússola consigo o tempo todo. Sempre que possível, procura subir em mirantes, montanhas ou torres, em busca de pontos elevados para ter vistas mais amplas e assim poder relacionar as diferentes bacias hidrográficas que percorre, tentando ter uma noção da região e do relevo como um todo (Idem, p. 11). Sua curiosidade e o forte apego visual acabam por lhe trazer problemas. Em Torbole, estado veneziano, chama muita atenção da população e das autoridades após sentar-se para desenhar uma velha torre, narrando uma cena curiosa em que é tomado por espião do Império Austríaco, com o qual a localidade faz fronteira.

A botânica

23No início da viagem, ao atravessar os Alpes, Goethe se atém, sobretudo, aos fatores físicos da terra, fazendo considerações sobre sua estrutura e história de formação. Porém, no decorrer da aventura cada vez mais ele direciona sua atenção ao reino vegetal. Há, por assim dizer, um movimento entre as observações do relevo e da geologia em direção ao estudo dos seres orgânicos.

24Goethe era um botânico amador e aspirava realizar trabalhos nesta área mesmo antes de 1786. Porém, apenas em sua estadia italiana que ele encontrará materiais favoráveis às suas especulações, na medida em que passa a estar cercado por novas formas e cores, tendo a possibilidade de estudar a flora o ano inteiro e sob diferentes circunstâncias.

25Goethe carrega consigo um velho exemplar do livro “Genera Plantarum”, do naturalista sueco Karl Linné (1707–1778). No entanto, interessa-se menos pela taxonomia em si e mais pelas variações das formas no desenvolvimento de uma mesma espécie conforme as condições nas quais elas se encontram. Correlacionando as características das plantas com diversos fatores físicos e ambientais como: o tipo de solo, a posição topográfica (fundos de vale, topos de montanhas), o clima (lugares com sombra ou iluminados, regiões secas ou úmidas, locais frios ou quentes) etc. Examinando que:

Se nas regiões mais baixas, os ramos e caules eram mais fortes e robustos, os brotos mais próximos e as folhas mais largas, subindo pelas montanhas encontrei ramos e caules mais delicados, brotos mais afastados uns dos outros, deixando um espaço maior entre os nós, e folhas de formato mais lanceolado (GOETHE, 1999, p. 23).

26Ao se deparar com a riqueza da flora italiana e, em especial, com a variabilidade das formas vegetais, Goethe imaginava ser possível conceber uma planta arquetípica (Urpflanze), reunindo em uma única imagem sintética toda a diversidade botânica existente. Ele relata: “(...) eu estou a caminho de descobrir novas e belas relações acerca de como a natureza, um tal gigante que parece nada, é capaz de desenvolver do simples o vário” (Idem, p. 207).

27No jardim botânico da universidade de Pádua, em 27 de setembro de 1786, comenta pela primeira vez a sua busca pela Urpflanze: “Aqui, diante dessa multiplicidade que é nova, torna-se cada vez mais viva a ideia de que talvez seja possível fazer remontar todos os tipos de plantas a uma única” (Idem, p. 71). Nota-se no relato que, aos poucos, esta planta primordial fica cada vez mais clara em sua mente:

(...) fui passear à beira-mar e encontrava-me tranquilo e satisfeito. Uma luz veio então iluminar meus assuntos botânicos. Favor dizer a Herder que estou próximo da solução do problema da planta primordial (Idem, p. 264).

28A tese fundamental na teoria botânica de Goethe é a de que todas as estruturas de uma planta, da raiz ao fruto, passando pelas folhas e pela inflorescência, são na verdade a metamorfose de um único órgão que se transforma continuamente. Ao observar as folhas ao longo do caule, percebe a diferença entre as basais, próximas ao solo, e aquelas próximas ao florescimento e relata: “No funcho ainda novo notei a diferença entre as folhas inferiores e as superiores, e o que se tem é, de fato, sempre o mesmo órgão desenvolvendo-se da simplicidade rumo à multiplicidade” (Idem, p. 319). Mostra-se receoso, contudo, pois não saberia se os outros entenderiam suas ideias acerca da planta primordial: “receio apenas que ninguém venha a querer reconhecer nela o restante do mundo vegetal (Idem, p. 264).

Clima

29Nas cartas enviadas à Alemanha as referências atmosféricas são recorrentes, por isso o autor se desculpa por talvez enfadar seus amigos com tantas menções aos fatores climáticos. Estes são abordados em função das condições favoráveis ou não para o aventureiro se deslocar de um lugar a outro, ou então em oposição ao clima frio e sombrio do norte: “Após um verão tão ruim, tinha esperança de desfrutar de um belo outono” (GOETHE, 1999, p. 11). Anota em 8 de setembro de 1786:

(...) constituindo minha viagem na verdade uma fuga de todas as intempéries vividas no paralelo 51, eu tinha esperanças de, no 48, adentrar um verdadeiro paraíso. Iludi-me, porém, como deveria saber de antemão, afinal, não é apenas a latitude que determina o clima e o tempo, mas também as cadeias de montanhas (...) (Idem, p. 22).

30No final de novembro de 1786, período em que as temperaturas já deveriam estar baixas na Alemanha, se surpreende com o tempo bom e com o inverno que tardava a chegar. Goethe mostra-se satisfeito com oportunidade de fazer observações, esquemas e gravuras em campo, tendo em vista a qualidade e intensidade da iluminação, favoráveis aos olhos do artista e à pesquisa científica.

31Conforme se desloca, relaciona a interação dos diversos fatores que definem o clima e o tempo, estabelecendo ligações entre o movimento das massas de ar e o relevo, a latitude e as estações do ano, a altura e a forma das nuvens. Mostra-se aberto para novas ideias, assimilando conhecimentos e impressões da cultura popular. Após dar carona a uma jovem que viajava na companhia de seu pai, um músico de profissão, comenta que os dois diziam que a afinação da harpa variava muito conforme as condições climáticas, dado que quando a afinação das cordas subia, era sinal de que faria bom tempo (Idem, p. 18). Dá atenção aos fatos mais banais e fica excitado e feliz com aquilo que ao autóctone passaria despercebido, mas que ao estrangeiro chama tanta atenção: “Se meu entusiasmo fosse ouvido por alguém que mora ou nasceu no Sul, tal pessoa julgar-me-ia bastante infantil” (Idem, p. 32-33).

32Reflete sobre a influência climática nas características e hábitos de cada povo. Observa que em lugares frios, a população precisa se programar para o cultivo da terra em períodos restritos para o provimento de suas necessidades alimentares nos meses de inverno. Além disso, que as baixas temperaturas muitas vezes privavam os habitantes do contato com a natureza, limitando também os espaços públicos ao ar livre, enquanto que na Itália boa parte das atividades era realizada na rua.

O outro

33As notas não se atêm apenas ao mundo natural, Goethe também observa a cultura e os hábitos do povo italiano. Ao mesmo tempo também critica certas posturas e modos de pensar diferentes dos seus. No contato com o outro, vê modos de vida mais simples e a possibilidade de uma existência feliz com poucos recursos. Conquista amigos no trajeto e descobre admiradores pelos quais é reconhecido, apesar da tentativa de manter-se no anonimato.

34Assiste ao cotidiano dos moradores nas cidades, considerando o tempo dedicado ao trabalho e as oportunidades de lazer. Aprecia a vida que se realiza na rua, onde as pessoas se encontram em um espaço de descontração. No meio da dinâmica atividade comercial da cidade de Verona escreve em 17 de setembro de 1786:

As pessoas aqui se movimentam muito vividamente, misturando-se umas às outras; sobretudo nas ruas em que lojas e oficinas de artesãos ficam bem juntas, o clima é bastante divertido. As lojas ou oficinas não possuem portas (...). Os alfaiates costuram, os sapateiros martelam, e tudo isso acontece em parte na rua; as oficinas são parte da rua (...) (GOETHE, 1999, p. 56-57).

35Vê de forma idealizada esta sociedade que, segundo ele, vivia de forma genuína, com ritmos quase naturais e em harmonia com as estações do ano. Características distintas das de uma sociedade “civilizada” regida por horários e regras mais estritas: “Se se impusesse às pessoas um relógio alemão, elas se confundiriam, pois seus relógios apresentam-se intimamente entrelaçados com sua natureza” (Idem, p. 56).

36Goethe considera as sociedades alemã e italiana em função de seu respectivo nível técnico de desenvolvimento, contrapondo a modernização da primeira ao atraso da segunda. Ele avalia que a tecnologia não era extremamente necessária no sul, uma vez que a questão climática e as riquezas naturais possibilitavam mais conforto à população que vivia próxima a um “estado natural”.

37Enquanto alemão descreve o povo italiano, mas na posição de um homem do norte, também é observado por aquele que vive “ao sul das montanhas”. Ao mesmo tempo em que vê esta nova sociedade de fora, com seus hábitos germânicos, também faz o caminho inverso, ao vê-la de dentro, tomando como exterior sua própria cultura, ponderando os valores de ambos os lados. Compara seu estado de espírito na Itália com como se sentia na Alemanha, diante da diferença afirma que ou era louco antes ou se tornara na viagem (Idem, p. 247).

38Como estadista que era, deixa transparecer julgamentos e preconceitos a propósito da conduta dos italianos, que em certas ocasiões se comportavam “quase como selvagens” (Idem, p. 218). O choque cultural é inevitável, não conseguindo compreender determinados comportamentos que eram tão naturais no sul, mas que lhe causavam tamanho estranhamento. Certo dia reprime com veemência seu guia que cantava e gritava alto enquanto passeavam, mas logo se arrepende, surpreendendo-se com sua própria intolerância (Idem, p. 262).

39No percurso interessa-se pelo sentimento verdadeiro que encontra em alguns povos, manifestações artísticas populares e no contato com a natureza. Aprende a valorizar elementos oriundos de um modo de vida que não é mediado apenas pelas regras sociais da civilização na qual fora educado. Embora desfrute a experiência, avalia que não poderia viver como os habitantes do sul, onde as pessoas eram “felizes demais” (Idem, p. 265).

A reverberação da viagem na vida de Goethe

40O poeta avalia que foi na Itália o local onde aprendeu a observar: “Para mim, pelo menos, é como se eu nunca houvesse apreciado tão bem as coisas deste mundo quanto aqui. Alegro-me das abençoadas consequências que isso trará para toda a minha vida” (GOETHE, 1999, p 160). Na viagem ele encontra tempo e condições para escrever, abrindo caminhos no estudo da arte antiga e das formas da natureza: “Não estou aqui para me divertir; quero aplicar-me no estudo das grandes coisas, aprender e me desenvolver, antes de chegar aos quarenta anos” (Idem, p. 160). Durante sua estadia no território italiano, ele adquiriu uma formação que não poderia receber caso permanecesse em terras germânicas e afirma que “ter mudado até os ossos” ao percorrer o caminho entre Weimar e Palermo (Idem, p.173). Ainda que muitos contratempos cercassem o viajante, tornando o itinerário inseguro, tendo em vista os perigos da travessia por caminhos precários, o uso de embarcações inseguras, a permanência em habitações inadequadas, a violência e os crimes corriqueiros nas cidades, além dos riscos recorrentes de assaltos nas estradas e da presença de piratas no Mediterrâneo.

41Destacam-se aqui três eventos fundamentais da viagem: a travessia dos Alpes - tarefa difícil para a época, realizada muitas vezes a pé ou sobre mulas e cavalos, já que o terreno acidentado não permitia, em muitos locais, o uso de meios de transporte sobre rodas - nessa cadeia de montanhas Goethe pôde estudar as rochas, observar o relevo, a variação altitudinal da vegetação e a dinâmica atmosférica das regiões elevadas; a longa estadia na antiga capital do Império Romano - onde Goethe permaneceu por mais de um ano, conhecendo sua efervescente vida cultural, suas ruínas e monumentos históricos; e a visita ao sul da península - extremo alcançado por poucos viajantes, que na maioria das vezes se contentavam com a chegada a Roma e em seguida retornavam à Europa do norte – onde presenciou a erupção do Vesúvio, em Nápoles, se admirou com as obras de arte e arquitetura da antiguidade na Sicília, e, sobretudo, se surpreendeu com a exuberância da vegetação e da natureza de modo geral.

42Costuma-se dividir a biografia de Goethe em três períodos: o romantismo, o classicismo e a maturidade. O final da viagem à Itália marca o início do classicismo e a morte de Friedrich Schiller (1759-1805) o término desta fase, que foi caracterizada pela intensificação dos estudos naturais e também pela oposição ao subjetivismo romântico, que segundo o autor faria a arte perder sua universalidade (GALÉ, 2009).

43De volta à corte em Weimar, uma de suas primeiras ações será abandonar, formalmente, suas responsabilidades ministeriais. Se no “ano anterior passeava entre os laranjais, desfrutando do pleno prazer de viver: agora devia permanecer à espreita atrás dos vidros de uma janela” (CITATI, 1996, p. 24). Segundo Montez, Goethe constata que seu campo de atuação não poderia ser o da administração ou da política, mas sim o da “representação artística e da pesquisa científica” (2004, p. 180). Conforme é delineado por Lacoste:

Os estudos e as observações científicas de Goethe na Itália, longe lhe fazer perder tempo e de desviar sua verdadeira vocação poética, lhe fornece a fórmula material, com uma claridade a qual ele não poderia imaginar anteriormente, de certos princípios que valem tanto para a criação de obras de arte quanto para a gênese dos fenômenos naturais. Eles lhe dão acesso à compreensão das leis universais da metamorfose e por isso às condições mesmas de nascença de uma obra a partir de uma vida, com os períodos de latência, de dispersão, de esterilidade. Era necessário sem dúvida o espelho da ciência (da morfologia, que reúne a botânica e a osteologia, e da geologia) para que, no retorno da Itália, Goethe tenha em fim o sentimento de compreender aquilo que era a arte viva, a arte da vida (LACOSTE, 1999, p. 9).

44Após seu regresso, Goethe estabelece planos e inicia a compilação das ideias acerca de tudo que viu durante o período que viveu na Itália. Começando um intenso e solitário trabalho de investigação científica. Em 1789, escreve “A metamorfose das plantas”, trabalho publicado no ano seguinte. Em 1790 escreve outro ensaio sobre a forma dos animais, consistindo em um primeiro esboço para uma introdução geral à anatomia comparada. Naquele ano também inicia suas observações sobre a luz, dedicando-se a este tema por mais de 20 anos. Ao mesmo tempo em que dá continuidade às suas investigações sobre a botânica e as cores, também se interessa por peixes, pássaros e insetos (desenvolvimento da borboleta Phalaens grossularia de 1796). Passa a frequentar a sociedade de Jena, onde estuda química, óptica e anatomia (1797) e realiza ainda discussões com Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling a cerca da filosofia da natureza em 1798. Elabora “A teoria das cores” entre 1807 e 1809, publicando-a no ano seguinte, com este trabalho o pesquisador afirma ter concretizado seu processo de investigação da natureza: “o método morfológico” (CITATI, 2005).

Considerações finais

45Neste trabalho buscou-se demonstrar de que maneira a viagem à Itália influenciou o pensamento de Johann Wolfgang von Goethe, consistindo em um evento que culminaria em anos de pesquisas dedicados à investigação dos fenômenos naturais. A partir de sua biografia e da revisão dos assuntos abordados na obra, percebeu-se como seu contato com a natureza se intensificou em função da estadia naquele país, resultando no desenvolvimento do método morfológico. Deste modo, pode-se considerar que as características físicas do ambiente italiano foram fundamentais para reorientar o percurso de Goethe em direção à ciência, fornecendo-lhe materiais e conteúdos para seus estudos.

46Os anos entre 1786 e 1788 caracterizam não apenas o despertar para uma nova realidade, como também o reconhecimento e a afirmação da vocação de uma vida dedicada à investigação científica. Portanto, o que se inicia como fuga, termina como aprendizado: “(...) eu acreditava que fosse aprender de verdade aqui; mas não pensei que fosse ter de voltar à escola primária, que precisaria desaprender, ou verdadeiramente reaprender tanto” (GOETHE, 1999, p. 178).

47O viajante faz uso de todos os seus sentidos para compreender os elementos da paisagem, considerando que o conhecimento precisa ser permeado por toda a complexidade do homem que, “não é apenas um ser pensante, mas também alguém que sente. Ele é um todo, uma unidade de forças múltiplas intimamente associadas” (GOETHE apud WERLE, 2005, p. 11). No percurso o autor procura captar a vastidão de um ambiente diferente do qual estava acostumado, exercitando seu olho para observação, sua mão para o desenho e desenvolvendo sua capacidade de descrição em campo, no contato com uma paisagem mais rica do ponto de vista da história cultural e, naturalmente, mais biodiversa.

Haut de page

Bibliographie

CITATI, Pietro. Goethe. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, 512 p.

DIOGO FILHO, Geraldo José. “Goethe, um naturalista entre a ciência e a arte”. In: Geografia, Literatura e Arte: epistemologia, crítica e interlocuções. 1ª edição. Porto Alegre: Imprensa livre, 2016, pp. 189-219.

GALÉ, Pedro Fernandes. Em torno do olhar: A formação do método morfológico de Goethe. Dissertação de Mestrado. FFLCH – Departamento de Filosofia, São Paulo, 2009, 106 p.

GOETHE, Johann Wolfgang. Viagem à Itália 1786 – 1788. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, 472 p.

LACOSTE, Jean. Le Voyage en Italie de Goethe. Paris: PUF - Perspectives Germaniques, 1999, 640 p.

MAXIMIANO, Liz Abad. “Considerações sobre o conceito de paisagem”. R.RA'ECA, N° 8, 2004, pp. 83-91.

MONTEZ, Luiz Barros. Literatura e vida: Relembrando um Goethe um tanto esquecido. Terceira Margem, Nº10, 2004, pp. 170-185.

MOURA, Magali dos Santos. A poiesis orgânica de Goethe. A construção de um diálogo entre arte e ciência. Tese de doutorado. FFLCH – Departamento de Letras Modernas, São Paulo, 2006.

NUCCI. João Carlos. Origem e desenvolvimento da ecologia e da ecologia da paisagem. Geografar, v.2, n.1, 2007, p. 77-99.

ROMANO, Luís Antônio Contatori. Viagens e viajantes: uma literatura de viagens contemporânea. Estação Literária, v. 10, n. 2, p. 33-48, 2012.

SALGUEIRO, Valéria. Grand Tour: uma contribuição à história do viajar por prazer e por amor à cultura. Revista Brasileira de História, v. 22, n. 44, p. 289-310, 2002.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. 5ª edição. São Paulo: Hucitec, 1997, 124 p.

Haut de page

Annexe

Tabela : Roteiro da viagem de Goethe

Nome da cidade na época da viagem, em alemão

Nome da cidade atual, em português

País

Datas

Karlsbad

Karlovy Vary

República Tcheca

03/09/1786

Eger

Cheb

03/09/1786

Waldsassen

Waldsassen

Alemanha

03/09/1786

Tirschenreuth

Tirschenreuth

03/09/1786

Schwandorf

Schwandorf

03/09/1786

Regenstauf

Regenstauf

03/09/1786

Regensburg

Ratisbona

03/09/1786

Bad Abbach

Bad Abbach

05/09/1786

München

Munique

06/09/1786

Wolfrathshausen

Wolfrathshausen

06/09/1786

Benediktbeurn

Benediktbeurn

06/09/1786

Walchensee

Walchensee

06/09/1786

Mittenwald

Mittenwald

07/09/1786

Scharnitz

Scharnitz

Áustria

08/09/1786

Seefeld in Tirol

Seefeld in Tirol

08/09/1786

Zirl

Zirl

08/09/1786

Innsbruck

Innsbruck

08/09/1786

Brenner

Brennero

Itália

08/09/1786

Sterzing

Vipiteno

10/09/1786

Bozen

Bolzano

10/09/1786

Trient

Trento

10-11/09/1786

Turbel

Nago-Torbole

12-13/09/1786

Malcesine

Malcesine

13/09/1786

Bardolino

Bardolino

14-15/09/1786

Verona

Verona

16-17/09/1786

Vicenza

Vicenza

19-26/09/1786

Padua

Pádua

26-27/09/1786

Venedig

Veneza

28/09-14/10/1786

Ferrara

Ferrara

16/10/1786

Cento

Cento

17/10/1786

Bologna

Bolonha

18-20/10/1786

Loiano

Loiano

21/10/1786

Florenz

Florença

23/10/1786

Perugia

Perúgia

25/10/1786

Terni

Terni

27/10/1786

Civita Castelhana

Civita Castelhana

28/10/1786

Roma

Roma

01/11/1786-21/02/1787

Velletri

Velletri

22/02/1787

Fondi

Fondi

23/02/1787

Neaple

Nápoles

25/02 - 29/03/1787

Palermo

Palermo

02-17/04/1787

Alcamo

Alcamo

18-19/04/1787

Segesta

Segesta

20/04/1787

Castelvetrano

Castelvetrano

21/04/1787

Sciacca

Sciacca

22/04/1787

Girgenti

Agrigento

23-27/04/1787

Caltanisetta

Caltanissetta

28/04/1787

Castro Giovanni

Enna

29/04/1787

Catania

Catânia

02-06/05/1787

Taormina

Taormina

07-08/05/1787

Messina

Messina

08-13/05/1787

Neapel

Nápoles

17/05-03/06/1787

Roma

Roma

08/06/1787-24/04/1788

Siena

Sena

27/04/1788

Florenz

Florença

29/04-11/05/1788

Bologna

Bolonha

12-21/05/1788

Mailand

Milão

22-27/05/1788

Chum

Como

28/05/1788

Splügenpass

Passo do Spluga

Suíça

29/05/1788

Konstanz

Constança

Alemanha

03-10/06/1788

Nürberg

Nurembergue

13-16/06/1788

Weimar

Weimar

18/06/1788

Elaborado pelo autor

Haut de page

Notes

1 Goethe começa a organizar suas cartas da Itália em dezembro de 1813. Publica a primeira parte do livro em 1816, a segunda em 1817 e a obra completa (com a segunda visita a Roma – que não existe em português) em 1829. Portanto apesar de o texto se referir aos anos de 1786, 1787 e 1788, o que lemos foi editado anos depois (GALÉ, 2009).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Mapa com o trajeto da viagem de Goethe
Légende A imagem apresenta a rota da viagem e indica algumas das cidades visitadas por Goethe. O percurso teve início em Karlsbad (atual Karlovy Vary) em 03/09/1786 e terminou em Weimar em 18/06/1788.
Crédits Elaborado pelo autor. Fonte: < Google Earth Pro, 2018 (Imagem: Landsat/Copernicus) >
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13118/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 964k
Titre Figura 2: Goethe na campanha romana (Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787)
Crédits Fonte: < http://www.staedelmuseum.de/​en/​collection/​goethe-roman-campagna-1787 >
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13118/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Figura 3: Aquarela de Goethe retratando a erupção do Vesúvio (1787).
Crédits Fonte: < http://www.goethezeitportal.de/​wissen/​projektepool/​goethe-italien/​goethes-reiseroute/​goethe-neapel/​goethe-vesuv.html >
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13118/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Geraldo José Diogo Filho, « Em busca de um lugar ao sol: a viagem de Goethe à Itália », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 28 juillet 2018, consulté le 23 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13118 ; DOI : 10.4000/confins.13118

Haut de page

Auteur

Geraldo José Diogo Filho

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Universidade de São Paulo (ESALQ-USP). geobelisco@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals