Navigation – Plan du site

Conhecendo e construindo a saúde pelo ambiente: uma proposta de leitura participativa e territorializada em saúde ambiental

La connaissance et la construction de la santé dans l'environnement: une approche participative et territorialisée sur les liens entre santé et environnement
Knowing and building health from environment: a participative and territorialized analysis in environmental health
Heloise Canal et Roberto Verdum

Résumés

Au Brésil, les approches sur les soins de base et les liens entre santé et environnement en sont encore à leurs débuts. Ils représentent une stratégie importante dans la recherche de soins complets pour la santé, car ils prennent comme base organisationnelle la reconnaissance des territoires de vie quotidienne de dimension locale. Dans cette étude nous avons comme objectif d'élaborer et de mettre en œuvre une méthode de lecture de la relation entre la santé et l'environnement dans la ville de Porto Alegre/Brésil, afin de permettre des partenariats d'action avec les travailleurs de la santé communautaire. La lecture sur la relation entre la santé et l'environnement intègre les dimensions historiques, l'espace géographique et les situations de vie collectives, et servent à établir une cartographie dynamique et participative. La cartographie est l'instrument principal proposé pour représenter non seulement l'espace physique, mais aussi les identités, les pratiques et les expériences des travailleurs de la santé communautaire. Cette lecture dans la zone d'étude a permis une évaluation de la santé de la population locale, des situations spécifiques en lien avec la qualité de l'environnement et la discussion des formes d'organisation des processus de travail dans le contexte territorial local des soins de base.

Haut de page

Texte intégral

1Embora muito antiga a consideração do ambiente como condicionante da saúde, somente nas últimas décadas é que esta temática ganhou maior notoriedade no âmbito institucional e científico. No Brasil, a institucionalização do tema ampara-se no desenvolvimento de novas estratégias para a vigilância em saúde, segundo o discurso de promoção e à busca pela concretização da integralidade da atenção à saúde. Ainda que incipiente, a aproximação entre Vigilância em Saúde Ambiental e Atenção Básica no Sistema Único de Saúde (SUS) representa uma estratégia importante na busca pela integralidade, visto que toma como base organizativa o reconhecimento dos territórios, a partir da dimensão local do cotidiano e dos serviços de saúde.

2O conceito de território tem estado muito presente no campo de investigação e atuação da saúde coletiva. Com a descentralização das atividades de assistência e de vigilância implementada pelo SUS, houve a necessidade de incluir uma estratégia de organização institucional das práticas de saúde considerando uma delimitação espacial previamente determinada, o que acabou sendo chamado pelos investigadores e trabalhadores da saúde como territorialização da saúde (MONKEY & BARCELLOS, 2005). Esta noção de território está diretamente relacionada ao reconhecimento do poder público como “definidor” de unidades político-operativas formais a serviço de sua administração e planejamento e, neste caso, a territorialização é a forma institucional encontrada pelo SUS para a organização e instrumentalização do sistema de saúde.

3Contudo, outras noções de território estão sendo utilizadas no âmbito da saúde para além da delimitação político-administrativa. A noção de território utilizado ancora-se na dimensão local e do cotidiano, em que são analisados os “seus contextos de uso, ações e formas geográficas” para compreender as situações de saúde da população (MONKEY & BARCELLOS, 2005). Considerando que os modelos de saúde instituídos no SUS possuem um caráter de articulação em rede, tanto a vigilância em saúde quanto a atenção básica possuem atribuições para o (re)conhecimento do território a partir das condições de vida e trabalho, assim como para as ações decorrentes desta análise.

4Assim, o desenvolvimento de ações de promoção da saúde e prevenção de agravos seria potencializado quando construído em conjunto, inclusive com os demais setores públicos e organizações e populações locais. Entende-se que este olhar sobre os territórios deve ultrapassar a linguagem técnico-científica, visto que não é apenas o conhecimento especializado capaz de gerar, no âmbito das práticas, as respostas e soluções às problemáticas sobre a relação saúde e ambiente. Concordamos com Czeresnia & Freitas (2009) ao apontarem a necessidade de abordagens que sejam capazes de estimular a mobilização, organização e atuação locais de novos sujeitos na promoção e na defesa das condições de vida e saúde. Portanto, exige-se abordagens mais qualitativas, bem como associações às estratégias participativas e territorializadas de vigilância, identificadas à solidariedade, à equidade, à democracia, ao desenvolvimento, à participação e à parceria.

5De que maneira e com que instrumentos este diálogo pode ser estabelecido para que a participação dos serviços de saúde locais seja exercida e se torne parte do processo de investigação e de gestão em saúde ambiental? Como estabelecer maneiras de ler a relação saúde e ambiente no campo da vigilância em saúde de modo que se transponha as ações “policialescas” de vigilância, baseadas em grande parte em visões universalizantes e descontextualizadas de ambiente e de saúde? Como trabalhar os processos políticos, históricos e culturais locais como desencadeadores da promoção da saúde? Busca-se com o presente trabalho apresentar uma proposta de leitura participativa e territorializada em saúde ambiental, de forma a evidenciar uma abordagem interdisciplinar e intersetorial que auxilie o planejamento de ações de promoção e educação em saúde.

Os participantes do estudo

  • 1 O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa da Universidade F (...)

6Tal proposta foi construída no âmbito do Mestrado em Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia, no Instituto de Geociências, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEA/UFRGS) em parceria com trabalhadores de uma equipe de vigilância em saúde do município de Porto Alegre, RS e de uma Unidade de Saúde da Família, localizada ao sul do município de Porto Alegre, RS1.

7A formação desta equipe de vigilância em saúde possui caráter multiprofissional e interdisciplinar é apresentada como condição necessária para o estabelecimento das estratégias e da execução das ações em saúde ambiental frente à diversidade de questões ambientais encontrada no cotidiano do município. Assim, um amplo escopo de serviços acaba sendo assumido pela equipe. De maneira geral, podemos dividir as ações desenvolvidas em duas interfaces. A primeira refere-se à avaliação e supervisão de riscos específicos voltados para as adversidades que interferem na saúde da população, enquanto a segunda refere-se às estratégias de concretização da integralidade e que tenham como foco a promoção e educação em saúde.

8Já a Unidade de Saúde da Família localizada ao sul do município refere-se a um serviço de nível básico e de caráter multiprofissional de atenção à saúde, sendo composto na referida unidade por Agentes Comunitários de Saúde (ACS), técnicos de enfermagem, médicos, enfermeiro, ademais de profissionais de saúde bucal representados por cirurgião dentista, técnicos e auxiliares em saúde bucal. Apesar de toda a equipe possuir atribuição para a realização coletiva de ações de promoção, proteção, recuperação e de vigilância em saúde, os ACS são profissionais centrais para a concretização destas ações (RADDICHI & LEMOS, 2009). São trabalhadores responsáveis pelo contato e acompanhamento contínuo das famílias, para além da unidade de saúde, por meio de visitas domiciliares e de ações individuais e coletivas de promoção e prevenção. Acredita-se que esses trabalhadores são importantes sujeitos para a definição das dinâmicas locais da relação saúde e ambiente, visto o elo que conseguem estabelecer entre os sistemas de saúde e as necessidades da população.

9A área de estudo refere-se à área de atuação de uma Unidade de Saúde localizada ao sul do município (Figura 1). Esta localidade foi escolhida considerando um projeto que já estava em andamento sobre caracterização da população e de seus problemas de saúde relacionados ao ambiente conduzido pela equipe de vigilância em saúde. A escolha desta área também foi justificada em função de ela ser uma das Unidades Sentinelas estabelecidas no município no âmbito do Programa de Vigilância da Qualidade do Ar (VIGIAR), além de apresentar diversidades e fragilidades ambientais significativas para a cidade do ponto de vista natural e dos tipos de uso e ocupação do solo. O fato de a área ainda preservar características e processos produtivos rurais, como produção de leite, ao mesmo tempo em que possui atividades de comércio e pequenas indústrias torna mais complexa a atuação da vigilância em saúde do município no que diz respeito à fiscalização sanitária e ambiental de locais que apresentam potencial de poluição e contaminação. A área também está localizada na orla do Guaíba, um importante corpo d`água existente no município, além de possuir grande extensão de morros com vegetação nativa.

Figura : Localização da área de estudo

Figura : Localização da área de estudo

Metodologia

10A abordagem participativa foi concebida como a principal estratégia para a presente pesquisa, embora também fosse intercalada com técnicas mais convencionais de levantamento e análise de dados. Nesse contexto, destacamos a pesquisa-ação (THIOLLENT, 2011) como uma estratégia ou um jeito de pesquisar que enfoca não só o objeto de estudo, mas também os próprios sujeitos envolvidos, inclusive o próprio pesquisador. A realização da pesquisa teve como pressupostos a pluralidade metodológica, o reconhecimento das diferentes e complementares perspectivas sobre a relação saúde e ambiente e a flexibilidade de planejamento e execução das atividades. O Quadro 1 demonstra a trajetória da pesquisa e seus desdobramentos metodológicos.

Quadro : Trajetória metodológica da pesquisa

Quadro : Trajetória metodológica da pesquisa

Fonte: Elaboração dos autores

  • 2 O primeiro produto desta parceria foi o Mapeamento Ambiental Integrado do Município de Porto Alegre (...)

11Num primeiro momento, o contato dos pesquisadores com os participantes do projeto ocorreu com trabalhadores de vigilância em saúde do município. Essa aproximação aconteceu num contexto de continuidade de parceria estabelecida entre os pesquisadores e a equipe, desde o ano de 20112. O método de observação participante delineou as atividades estabelecidas em parceria com a equipe específica de vigilância em saúde ambiental do município. Tal método possibilitou que os pesquisadores, à medida que ocorria a interação com os trabalhadores, pudesse conhecer os seus processos de trabalho e as respectivas práticas institucionais de vigilância em saúde ambiental.

12A partir do embasamento teórico-metodológico prévio sobre a temática de saúde ambiental, do contato e da discussão com os participantes sobre o processo da pesquisa e do maior entendimento por parte dos pesquisadores sobre as práticas institucionais e cotidianas dos participantes no campo da saúde, foram delineadas, preliminarmente, sobretudo, as questões de pesquisa e sua respectiva estratégia metodológica.

13Uma das preocupações estava relacionada à busca por objetivos e práticas de pesquisa que considerassem as expectativas dos participantes, de forma a possibilitar um espaço de aperfeiçoamento de suas próprias práticas. Desta forma, foi proposta uma agenda de atividades visando a uma leitura sobre a relação saúde e ambiente, de forma a experimentar uma abordagem interdisciplinar e intersetorial que auxilie o planejamento de ações de promoção e educação em saúde ambiental.

14Um grupo de trabalho entre pesquisadores, trabalhadores de vigilância em saúde e agentes comunitárias de saúde foi formado para realização da pesquisa, sendo formalizada uma agenda de trabalho. Num primeiro momento, havia a expectativa de que pudéssemos abarcar no projeto tanto o olhar das ACS quanto dos moradores da área de atuação, contudo, considerando a dimensão de tempo e de trabalho, realizamos as atividades principais apenas com as ACS, além de algumas atividades que tentaram iniciar um diálogo com moradores para futuros projetos e articulações. Cabe ressaltar que a escolha de participação das ACS ocorreu não pelo entendimento de que estes são os únicos sujeitos locais que possuem o saber sobre as vivências cotidianas no ambiente e de suas repercussões à saúde; mas sim da premissa de que estes trabalhadores e trabalhadoras, na atual política de saúde, constam como o principal elo entre os serviços de saúde e a população (PNAB, 2014).

Construção de leitura

15Mais do que ressaltar a relação saúde e ambiente do ponto de vista de um quadro físico-natural, sobreposto ao epidemiológico (e vice-versa), buscamos evidenciar esta relação enquanto uma leitura que é construída e negociada entre participantes e pesquisadores ao longo da pesquisa. Levando em conta que uma leitura é um recorte dinâmico e inacabado, buscamos considerá-la como uma estratégia exploratória para o estabelecimento de parcerias de ação, segundo o conjunto de falas dos participantes sobre as diferentes e desiguais vivências da relação saúde e ambiente.

16A elaboração de um mapa participativo sobre os elementos e as dinâmicas do ambiente da área de atuação da respectiva Unidade de Saúde e a realização de uma atividade específica de percepção ambiental (caminhada fotográfica) foram as principais atividades que embasaram a proposta de leitura. Neste aspecto, nos interessamos em abranger os diversos saberes mobilizados para descrever a relação saúde e ambiente da área de estudo. A partir da discussão sobre histórias, vivências e práticas locais expressas através destas atividades tornou-se possível tornar visíveis as possibilidades de parceria de ações em saúde ambiental.

17Consideramos importante trazer para esta leitura os relatos das diferentes experiências, atitudes e valores sobre o ambiente. Para Tuan (1974), nossas visões sobre o ambiente estão carregadas de discursos que, embora parcialmente pessoais e aparentemente arbitrárias, estão estruturadas em sistemas de crenças e valores que historicamente estão em constante construção. Destas visões sobre o ambiente, uma série de práticas relacionadas à saúde pode ser destacada no contexto cotidiano e institucional.

18Destacamos, ao mesmo tempo, a busca por uma leitura que tenha como objeto não só o apontamento de problemas e agravos de saúde relacionados ao ambiente, como também os elementos associados e associáveis ao enfrentamento das situações de adoecimento, como aspectos paisagísticos (naturais ou construídos), os valores e as práticas ambientais. Estes elementos podem ser reconhecidos e trabalhados como promovedores da saúde, como por exemplo o sentido de pertencimento da comunidade ao território, marcado pela sua história, pelas lutas por direitos e pelas relações de afeto e de vizinhança. Este pode ser um caminho para enxergar as necessidades de saúde, com o propósito de lhes assegurar proteção, para além das doenças e dos agravos.

Uma proposta de cartografia voltada à relação saúde e ambiente

19A primeira atividade, realizada em parceria com oito Agentes Comunitárias de Saúde, foi a elaboração de um mapa sobre os elementos e processos da relação saúde e ambiente, a partir das suas visões e experiências sobre a área de atuação. Para Acselrad (2008) “o mapeamento participativo é aquele que reconhece o conhecimento espacial e ambiental de populações locais e os insere em modelos mais convencionais de conhecimento”. Já Goldstein et al. (2013), entendem que o mapeamento de forma participativa está relacionado a qualquer forma de registro de dados espaciais, não necessariamente segundo as convenções cartográficas. FIDA (2009) cita como “criação de mapas por comunidades locais, muitas vezes com a participação de organizações que lhes prestam apoio, entre elas autoridades públicas, ONGs, universidades e outros agentes que se dedicam ao desenvolvimento e planejamento”. Independentemente do conceito deste tipo de mapeamento, há um consenso entre os autores de que os mapas elaborados a partir dessa abordagem devem valorizar o conhecimento espacial dos moradores e trabalhadores sobre as diversas dinâmicas locais associadas a relação saúde e ambiente. Além disso, os seus usos devem estar associados a um sentido de expressão e ação destes grupos sociais (RIBEIRO et al., 2011).

20Atualmente, admite-se uma maior diversidade de usos de mapas devido em grande parte à noção ampliada de saúde e de espaço como processos sociais (BOUSQUAT & COHN, 2004; JORI, 2013). Desta forma, a cartografia ganha visibilidade não só para os estudos de distribuição das doenças e de busca da causa efeito, mas também para auxiliar na concretização de ideias de promoção, na criação de ambiente saudáveis e no reforço da participação social.

21A atividade de elaboração do mapa sobre o ambiente envolveu três etapas: mobilização, espacialização e apresentação/discussão sobre o produto gerado. A partir da apresentação de todas as participantes e da discussão sobre a proposta de trabalho, realizamos uma mobilização para a atividade específica de cartografia sobre a relação saúde e ambiente. Para tanto, uma linha do tempo foi desenhada abaixo de uma base cartográfica impressa de ruas da área com o ano de 1996 como marco de referência (ano de implementação da Unidade de Saúde). Cada ACS marcou na linha do tempo o ano em que se tornou moradora da área e o ano em que se tornou ACS. No mapa de ruas, foi marcada a localização da unidade de saúde, bem como o local de moradia de cada uma.

22Esta atividade inicial objetivou sensibilizar as ACS sobre o fato de que damesma forma que a história de vida de uma pessoa ou lugar se concretiza no tempo, essa história, conjuntamente, se concretiza no espaço. Também, teve o objetivo de tornar mais evidente que a história de vida delas se confunde com a história de ocupação e construção do território, enquanto seu espaço de vivência do cotidiano.

23A etapa de espacialização buscou inserir no mapa diversos temas pertinentes às histórias, vivências e práticas no território tais como início da ocupação e construção da área, a implantação do serviço de atenção básica à saúde, representado pela Estratégia de Saúde da Família, a ocorrência de eventos ambientais adversos, as atividades produtivas, a formação das principais associações comunitárias, bem como a situação saúde e doença da população, (Figura 2).

Figura : Mapeamento sobre a dinâmica do ambiente da área de estudo, parte do sul de Porto Alegre/RS.

Figura : Mapeamento sobre a dinâmica do ambiente da área de estudo, parte do sul de Porto Alegre/RS.

Foto: Verdum, set/2013

O olhar do lugar a partir do lugar do olhar3

  • 3 Expressão adaptada da obra “O Lugar do Olhar - Elementos Para Uma Geografia da Visibilidade”. GOMES (...)

24Após a elaboração do mapa, foi proposta uma saída de campo guiada pelas ACS a determinados setores da área de atuação. Neste aspecto, nos interessamos em abranger, a partir de uma técnica específica de percepção ambiental (caminhada fotográfica), os diversos saberes mobilizados para descrever a relação saúde e ambiente nas áreas visitadas (Figura 3).

25A proposta inicial era percorrer as microáreas das ACS conforme as situações indicadas no mapa anteriormente construído. Contudo, considerando a viabilidade de agendas, foi possível visitar apenas uma das microáreas, representada pelo setor oeste da área, ao longo do Lago Guaíba e Morro Ponta Grossa. Importante destacar que esta área visitada apresenta uma configuração ambiental, socioeconômica e demográfica distinta das demais áreas de atuação. Com menor densidade demográfica, apresenta moradias de médio a alto padrão construtivo e grande densidade de cobertura vegetal.

Figura : Visita de campo guiada pelas Agentes Comunitárias de Saúde denominada “Caminhada Fotográfica”

Figura : Visita de campo guiada pelas Agentes Comunitárias de Saúde denominada “Caminhada Fotográfica”

Foto: Verdum, set/2013

26Dentre os participantes, foram divididos os grupos conforme os saberes predominantes sobre as dinâmicas do ambiente, seja mais teórico/técnico, seja mais cotidiano. Essa divisão foi sugerida tendo em vista a possibilidade de todos participarem das discussões, bem como da consideração de que todos os participantes possuem algum saber mobilizado sobre o ambiente dos locais visitados, ainda que indiretamente (Figura 3). Após, cada grupo discutiu a escolha de fotos de elementos/locais/objetos que considerassem representativos para os temas orientadores listados abaixo.

  • Elementos/situações/locais que podem trazer efeitos nocivos à saúde dos moradores do território, na perspectiva dos participantes;

  • Elementos/situações/locais que podem promover a saúde, trazer qualidade de vida e bem-estar aos moradores do território;

  • Elementos/situações/locais que podem ser inseridos em um mapa sobre a dinâmica de relação saúde-ambiente do território.

27Nesta atividade, as situações que poderiam gerar adoecimento e agravos tiveram elementos em comum, como o lixo e a qualidade das águas, o que evidencia uma noção já universalizada de riscos centrada na situação sanitária de determinado local. Ao mesmo tempo, a questão da dificuldade de acesso e de transporte à unidade de saúde enquanto situação de dificuldade foi lembrada apenas pelo grupo de ACS. Esta é uma situação que pode ser ressaltada com maior frequência por aqueles sujeitos que se deslocam e vivem no território. Com relação aos elementos e situações que poderiam trazer qualidade de vida, houve uma maior amplitude de temas que poderiam ser trabalhados como promovedores da saúde, a exemplo da grande presença de cobertura vegetal presente em morro existente na área (Figura 4), sua proximidade ao Lago Guaíba, sua biodiversidade de fauna e flora e a própria história da área representada pelas construções antigas.

Figura : Morro com mata preservada próxima ao Guaíba

Figura : Morro com mata preservada próxima ao Guaíba

Foto: Verdum, set/2013

28Após a realização das atividades de cartografia e fotografia, foi realizado um encontro de proposição de ações com base na apresentação da sistematização das atividades. Como forma de ressaltar os temas abordados, um quadro representativo (Quadro 2) foi construído sobre os “pontos fracos” e “pontos fortes” percebidos sobre a relação saúde e ambiente. Os pontos fracos seriam os aspectos naturais, aspectos construtivos, valores, práticas e percepções ambientais que podem estar associados a situações de adoecimento, enquanto os pontos fortes seriam os aspectos que poderiam ser trabalhados como enfrentamento aos problemas bem como promovedores da saúde.

Quadro - Quadro-síntese sobre a relação saúde e ambiente

ASPECTOS NATURAIS

PONTOS FORTES

PONTOS FRACOS

Grande trecho de orla do Lago Guaíba.

Biodiversidade em áreas de mata e banhado.

Amenidade da temperatura nos dias de verão devido à presença de mata nativa no morro da Ponta Grossa.

Boa qualidade do ar.

Existência de áreas suscetíveis à inundação ao longo do Arroio do Salso.

Fluxo de águas superficiais que facilitam a deposição e o acúmulo de lixo devido ao próprio transporte fluvial do Lago Guaíba.

ASPECTOS CONSTRUTIVOS

Antigas construções com valor histórico e paisagístico.

Grande número de sedes e clubes sociais.

Existência de comércio e serviços nas vias mais densificados.

Existência de acessos bloqueados à praia.

Unidade de Saúde localizada longe da maioria dos usuários.

Carência de espaços públicos, principalmente de praças e parques.

Déficit de pavimentação, o que gera muito pó em dias mais secos e dificuldade de acesso quando chove.

Ocorrência de alagamentos.

Presença de esgoto a céu aberto.

Acessos precários a algumas moradias existentes no Morro Ponta Grossa.

Carência de alguns equipamentos e serviços de proximidade.

VALORES, PRÁTICAS E PERCEPÇÕES

Sentido de pertencimento e de identidade dos moradores com relação à área.

Percepção de ambiente tranquilo e sossegado.

Existência de hortas para subsistência.

Conhecimento e utilização de plantas medicinais.

Problemas com a regularidade fundiária de alguns loteamentos.

Desmobilização e dificuldade de associativismo.

Desconhecimento sobre a qualidade das águas para atividades de lazer.

Conflito entre moradores quanto ao uso da área de praia.

Presença de lixo ao longo da orla depositado por frequentadores da praia.

Fonte: Elaboração dos autores

Ações a partir da proposta de leitura: o conhecimento sobre o ambiente complementando e contextualizando a ideia de saúde

29A partir da apresentação do quadro-síntese, Quadro 2, foram discutidas possíveis ações que poderiam ser estabelecias entre os sujeitos. Tais ações não se centraram, necessariamente, na resolução de problemas imediatos identificados na área de estudo. Elas tiveram como foco a continuidade da parceria entre as equipes de trabalhadores de forma a articular a população do território na busca pela promoção da saúde. Através da valorização sobre o conhecimento construído dos aspectos ambientais, seriam criadas estratégias e ações de fortalecimento da cultura local sobre saúde. Inicialmente, foram negociadas as seguintes ações:

  • Apresentação do trabalho realizado aos moradores adscritos à Unidade de Saúde e aos coordenadores das equipes de saúde da Gerência Distrital a qual a USF faz parte;

  • Elaboração e distribuição, em forma de cartilha, para moradores e trabalhadores da área de atuação sobre o trabalho realizado. A cartilha, também, seria utilizada como informativo dos serviços da vigilância em saúde e da USF;

  • Elaboração de um mapa com ruas em grande dimensão para ser fixado na unidade de saúde para espacialização e acompanhamento da situação de saúde dos usuários, bem como para o planejamento de ações da equipe de saúde;

  • Elaboração e impressão de banners com fotos das atividades realizadas para fixar na sala de espera dos usuários. Isso para que os moradores sintam que são lembrados pelos serviços de saúde, não só quando vão à unidade de saúde ou quando recebem visitas. A ideia é que se sintam vigiados (no sentido de vigilância em saúde) quando uma dessas situações/fotos lembrar uma de suas vivências.

Considerações finais

30A proposta de leitura sobre a relação saúde e ambiente no território em análise permitiu uma avaliação preliminar de situações específicas de interesse à saúde ambiental. Contudo, a maior contribuição desta leitura ocorreu pela potencialidade de estabelecer parcerias de ações no campo da vigilância em saúde ambiental. A atividade de campo denominada “O olhar do lugar a partir do lugar do olhar” foi a prática que mais evidenciou a tentativa de abordar o conhecimento de uma maneira compartilhada e plural. Esta atividade facilitou o encontro de diferentes olhares e linguagens sobre uma mesma realidade. A atividade “Cartografando o ambiente”, também, evidenciou esta aproximação no momento em que tornou a função do mapa mais abrangente que apenas localizar fenômenos.

31As ACS demonstraram um profundo conhecimento sobre seu território de atuação. São conhecimentos sobre a história da área, as áreas de vulnerabilidade social, as obras de infraestrutura, as atividades produtivas, os indicadores de qualidade ambiental, etc. Por outro lado, o olhar dos trabalhadores da vigilância em saúde ampliou o (re)conhecimento do território, a partir de hipóteses de causa e efeito, de sistematização e de contextualização dos processos no âmbito dos demais territórios do município. É nesta articulação de olhares sobre diferentes (e por vezes conflitivas) formas de pensar que se pode eleger prioridades em relação às práticas em saúde ambiental.

32Assim, além de viabilizar uma leitura que busca desvelar o território de forma exploratória, o estudo proporcionou questionamentos das próprias “instrumentalidades” da vigilância em saúde ambiental, ou seja, a (re)definição do objeto, dos sujeitos, dos métodos e das formas de organização dos processos de trabalho no âmbito territorial local e no contexto da Atenção Básica. Acreditamos que os pressupostos de pesquisa embasados na pluralidade metodológica e no reconhecimento dos diferentes olhares dos sujeitos-participantes foram fundamentais para ultrapassar os muros do conhecimento da universidade. Em certa medida, foi possível integrar práticas, dinâmicas e saberes rumo à interdisciplinaridade e à articulação de conceitos (saúde, ambiente, cartografia e participação) para a construção de investigações/ações no âmbito da saúde coletiva.

33Por fim, ressaltamos a importância em outras pesquisas de viabilizar iniciativas de leitura com as demais Unidades de Saúde da Família, bem como em parceria com moradores e organizações das respectivas áreas de atuação. Que outros olhares sobre a relação saúde e ambiente (e produção) existiriam e poderiam ser construídos nos demais territórios de Porto Alegre? É tomando como base o (re)conhecimento das complexidades e desigualdades das situações ambientais e de saúde que as ações de vigilância em saúde ambiental devem ser fortalecidas. Pela busca de métodos e processos de pesquisa e gestão abertos e complementares, acompanhando, assim, os discursos de ação conjunta e democrática, cada vez mais ressaltadas nas políticas de saúde relacionadas às questões ambientais.

Haut de page

Bibliographie

ACSELRAD, H. (Org). Cartografias sociais e território. Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR, 2008.

ACSERALD, H. (Org). Cartografia social e dinâmicas territoriais: marcos para o debate. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA (ABRASCO). 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental: cadernos de textos, Grupo de Trabalho Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2009.

BOUSQUAT, A. & COHN, A. A dimensão espacial nos estudos sobre saúde: uma trajetória histórica. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, vol. 11(3): 549-68, set.-dez. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Subsídios para construção da Política Nacional de Saúde Ambiental / Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BUSS, P. & PELLEGRINI, A. F°. A Saúde e seus determinantes sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):77-93, 2007.

CANAL, H. & VERDUM, R. Mapeamento ambiental integrado: município de Porto Alegre, RS », Confins [Online], 19 | 2013, posto online no dia 12 Novembro 2013, consultado o 30 Abril 2015. URL: http://confins.revues.org/8583; DOI: 10.4000/confins.8583

CATTANI, A. (org) et. al. Vigilância em saúde de Porto Alegre: a construção de uma história. Porto Alegre: Finaliza Editora, 2011.

CZERESNIA, D. & FREITAS, C. M. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. 2ª edição rev. ampl. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2009.

FIDA. Buenas prácticas em cartografía participativa: análisis preparado para El Fondo Internacional de Desarrollo Agrícola (FIDA), 2009.

GOLDSTEIN, R. A. et al. A experiência de mapeamento participativo para a construção deuma alternativa cartográfica para a ESF. Ciênc. saúde coletiva, v.18, n.1, p.45-56, 2013.

GOMES, P. C. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

JORI, G. El estudio de la salud y la enfermedad desde una perspectiva geográfica: temas,enfoques y métodos. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, vol. XVIII, nº 1029. 2013 Disponível em: <http://www.ub.es/geocrit/b3w-1029.htm> Acesso em abril 2014.

JOURNAUX, A. Cartographie intégrée de l’environnement: un outil pour la recherche et pour l’aménagement. In: UNESCO, Notes Techniquesdu MAB 16. Paris, 1985.

MONKEN, M. & BARCELLOS, C.. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidadesteóricas e metodológicas. Cadernos de Saúde Pública. vol.21, n.3, 2005 p. 898-906.

RADICCHI, A. L. A & LEMOS, A. F. Saúde Ambiental. Belo Horizonte: Editora Coopmed -Nescon UFMG, 2009.

RIBEIRO, A.C., CAMPOS, A., SILVA, C. A. (orgs.) Cartografia da ação e movimentos da sociedade: desafios das experiências urbanas. Rio de Janeiro: Lamparina, Capes, 2011.

THIOLLENT, M.J. Metodologia da pesquisa-ação. 18ª edição, São Paulo: Cortez, 2011.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1974.

Haut de page

Notes

1 O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, através da Plataforma Brasil, conforme Resolução nº 466 de 2012 do Conselho Nacional de Saúde.

2 O primeiro produto desta parceria foi o Mapeamento Ambiental Integrado do Município de Porto Alegre, RS (CANAL, 2013) por meio da metodologia de Cartografia Ambiental presente em uma das Notas Técnicas publicadas pelo programa “The Man and the Biosphere – MAB” da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

3 Expressão adaptada da obra “O Lugar do Olhar - Elementos Para Uma Geografia da Visibilidade”. GOMES, 2013.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura : Localização da área de estudo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13137/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 372k
Titre Quadro : Trajetória metodológica da pesquisa
Crédits Fonte: Elaboração dos autores
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13137/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Figura : Mapeamento sobre a dinâmica do ambiente da área de estudo, parte do sul de Porto Alegre/RS.
Crédits Foto: Verdum, set/2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13137/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Figura : Visita de campo guiada pelas Agentes Comunitárias de Saúde denominada “Caminhada Fotográfica”
Crédits Foto: Verdum, set/2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13137/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 620k
Titre Figura : Morro com mata preservada próxima ao Guaíba
Crédits Foto: Verdum, set/2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13137/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 500k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Heloise Canal et Roberto Verdum, « Conhecendo e construindo a saúde pelo ambiente: uma proposta de leitura participativa e territorializada em saúde ambiental », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 19 avril 2018, consulté le 17 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13137 ; DOI : 10.4000/confins.13137

Haut de page

Auteurs

Heloise Canal

Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, heloisecanal@gmail.com,

Articles du même auteur

Roberto Verdum

Prof. Dr. Departamento de Geografia/Universidade Federal do Rio Grande do Sul, verdum@ufrgs.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals