Navigation – Plan du site

Globalização e integração territorial – o caso da região de Tefé no Amazonas

Mondialisation et intégration territoriale - le cas de la région de Tefé, Amazonas
Globalization and territorial integration – the case of the region of Tefé, Amazonas
Kristian Oliveira Queiroz

Résumés

L'objectif de cet article est d'analyser l'intégration territoriale à travers de la action des agents de la mondialisation présents dans la région de Tefé dans l'état d'Amazonas. En particulier, les services et les finances sont analysés, parce qu'ils s'intègrent de manière fragile la région au milieu géographique contemporain, provoquant une intégration relativisée. La méthodologie de cette étude a été réalisée avec l'utilisation de la recherche bibliographique, des interviews et travail de terrain pour l'acquisition de données primaires et secondaires ainsi que l'utilisation d'informations institutionnelles. Il est conclu que cette intégration relativisée se produit en raison de l'existence d'un réseau de télécommunications et de services avec des infrastructures limitées qui entravent le fluidité des relations et des flux. A été identifié les flux vertueux au développement régional et les flux qui fragmente le territoire, résultat des actions des agents de la mondialisation dans cette fraction de la région amazonienne.

Haut de page

Texte intégral

TeféAfficher l’image
Crédits : http://portaldoamazonas.com

1A Amazônia que margeia o rio Solimões no estado brasileiro do Amazonas é preservada e conservada em relação aos outros estados brasileiros em função do maior número de Unidades de Conservação existentes na região. É nesta fração territorial periférica que se encontra Tefé, área de estudo desta pesquisa, longe dos centros de decisão do estado do Amazonas, do país e do mundo (Mapa 1).

Mapa 1 – Tefé no Brasil e no mundo

Mapa 1 – Tefé no Brasil e no mundo
  • 1 De acordo com o “Censo do IBGE de 2010” Tefé possui 61.453 habitantes.

2Mesmo com uma população inferior a 100 mil habitantes1 desempenha um papel político, econômico e social relevante para esta fração do território se configurando como o maior centro urbano da região (QUEIROZ, 2015). Este artigo discute o papel da centralidade de Tefé na integração e desenvolvimento regional no inexorável processo da globalização contemporânea na Amazônia.

3A globalização se difunde pelo mundo admitindo formas diferenciadas, se adaptando às regiões; em determinados lugares a tendência é que a produção, a circulação, a distribuição e a informação sejam corporativas, isto é, que a respectiva demanda principal seja de empresas mundiais, nestes lugares a globalização é absoluta. Porém, há outros lugares em que a globalização é apenas relativizada, onde estas características diminuem e a presença e atuação de agentes do Estado aumenta (SANTOS E SILVEIRA, 2001, p.257; QUEIROZ, 2015, p.24). Por conseguinte, a globalização absoluta não abrange com a mesma intensidade e forma todos os lugares do globo. Neste sentido, Santos (1999, p.7) afirma que “sem dúvida, a globalização é incompleta” admitindo que este processo alcance somente porções do território aptas a operacionalizar os vetores da modernidade úteis para globalização.

4Desta forma, as finanças e os serviços, estruturados pela técnica e a informação, comandados por teleação, ou seja, “formas organizacionais elaboradas em centros de comando e “teletransmitidas” a lugares longínquos” (SILVEIRA, 1999, p. 303) permitem uma ação global e uma modernização social e econômica. Tendem a executar suas atividades de forma limitada em subespaços ou regiões inseridas em uma globalização relativizada, onde os elementos de infraestruturas, tecnologia, pessoal qualificado e capital disponível são incipientes.

5Este artigo parte da hipótese que mesmo desprovidas dos objetos técnicos e da racionalidade hegemônica capitalista necessária para funcionalizar suas novas relações, Tefé e as cidades de sua região de influência no Médio Solimões amazonense, participam da dinâmica da globalização atual; de forma rarefeita, Tefé acaba por inseri-las no meio geográfico contemporâneo.

6O objetivo deste artigo é analisar os elementos e variáveis que propiciam uma integração incompleta de Tefé e sua região de influência ao meio geográfico contemporâneo neste período de globalização, ou seja, uma integração relativizada. Busca-se compreender a dinâmica das relações de cidades inseridas em territórios na região do Médio Solimões na Amazônia; quando das atribuições técnicas e ao interesse do grande capital; entender a dinâmica da globalização a partir destes centros urbanos estratégicos na periferia da formação socioespacial brasileira; na absorção e submissão de ordens, nas ações e ao consumo pertinentes à atual divisão territorial do trabalho.

7O trabalho metodológico fundamentou-se em entrevistas e no trabalho de campo para o levantamento de dados primários e secundários. Foi crucial a visita aos nove municípios da região de influência de Tefé na região do Médio Solimões no Amazonas para o levantamento de dados pertinentes à condição social e econômica via questionários e entrevistas às instituições tais como: o Instituto Nacional de Previdência Social (INSS); a Receita Federal; a Justiça Federal; o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em Tefé (IBGE); aos Bancos e instituições financeiras como lotéricas e Bancos Postais destas cidades; à Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO) em Tefé, às associações de mototaxistas existentes nestas cidades e do único Sindicato deste segmento em Jutaí, o que subsidiou a base do levantamento de dados secundários. As informações sobre os fluxos aéreos e fluviais; número de lan houses; identificação dos profissionais liberais; empresas de telecomunicações; provedores de internet; faculdades e cursos à distância; foram obtidos via o levantamento de dados primários no respectivo trabalho de campo.

8Os municípios que compõem a região de influência de Tefé possuem em seu contexto histórico uma questão análoga, todos foram originados a partir dos desmembramentos territoriais ocorridos na formação histórica do território tefeense. A região de influência de Tefé chega a ser maior que países como a Holanda, Portugal e Bélgica juntos. A região de Tefé é composta pelos municípios de Alvarães, Uarini, Fonte Boa, Juruá, Jutaí, Tonantins, Maraã e Japurá (Figura 1), somando uma população conjunta de 180.539 habitantes, incluindo a população tefeense, um território de aproximadamente 220.060,822 Km².

Figura 1 - A Região de Influência de Tefé no estado do Amazonas

Figura 1 - A Região de Influência de Tefé no estado do Amazonas

Fonte: QUEIROZ, 2015.

9Esta é uma região caracterizada pela baixa densidade demográfica, envolta a uma economia agrícola de subsistência. Tefé é o município com maior número de habitantes exercendo um papel chave na oferta de serviços, bens e mercadorias na região do Médio Solimões amazonense (Tabela 1).

Tabela 1 – População dos municípios da Região de Influência de Tefé

Ordem

Municípios

População

Tefé

61.453

Fonte Boa

22.817

Jutaí

17.992

Maraã

17.528

Tonantins

17.079

Alvarães

14.088

Uarini

11.891

Juruá

10.802

Japurá

7.326

Fonte: Censo IBGE/2010.

10Tefé gere as relações nesta fração territorial do Amazonas a partir de sua centralidade institucional vinculada à administração e às infraestruturas, assim como pela sua centralidade comercial e demográfica. Fluxos se estabelecem em uma circunscrição regional formada pelas atividades pertinentes aos elementos espaciais de Tefé, uma centralidade periférica (QUEIROZ, 2015).

Ilações de uma integração relativizada

11A dinâmica das atividades originadas em Tefé para com sua região de influência permite o reconhecimento e classificação de dois fluxos que caracterizam uma integração territorial relativizada nesta região, são eles: i) fluxos virtuosos que beneficiam e promovem uma integração e o desenvolvimento regional; ii) fluxos fragmentadores ou desvirtuosos que dificultam e mesmo obstruem a integração promovendo uma desarticulação territorial que suscita o desenvolvimento destas cidades a partir destes fluxos.

12Estes fluxos são vinculados aos serviços de instituições públicas e agentes da globalização que efetuam atividades úteis ou não à integração territorial da região de Tefé a partir de suas ligações com outras cidades do Brasil e do mundo.

13Os fluxos virtuosos constituem ramificações da modernização contemporânea que imbricam no espaço levando os resultados econômicos e sociais positivos de um lugar para outros por intermédio das ações políticas e técnicas empreendidas. Proporciona não apenas crescimento econômico e integração social das cidades, mas elementos que promovem cidadania e dignidade para suas respectivas populações.

14Metaforicamente, é quando “os espelhos se tornam janelas”, a reflexão do uso e exploração das potencialidades intrínsecas de cada lugar para consubstanciar as relações locais com as finalidades globais. Cita-se o caso de Jutaí na região de Tefé onde a empresa “RO Ferreira Maceno Ltda” trabalha com madeira advinda de áreas de manejo das Unidades de Conservação locais. Utiliza procedimentos industriais no trato com a madeira que propicia sua exportação a partir do uso de técnicas e informações que aprimoram as vendas para empresas de países como Canadá, Japão e países vizinhos. A produção de tacos para pisos de madeira é o objetivo destas respectivas empresas.

15No município de Maraã, a “Indústria de Bacalhau da Amazônia” envolve as hierarquias municipal, estadual e federal do Estado. Adéquam o pescado advindo das Unidades de Conservação do município na geração de emprego e renda bem como ao estabelecimento de fluxos virtuosos ao desenvolvimento e à integração. O Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA) e o Frigorífico Amazonas de Manaus adquirem e revendem o bacalhau para restaurantes e turistas nacionais e estrangeiros.

16Estes casos exemplificam agentes e iniciativas presentes em municípios da região de Tefé com objetivos comerciais que visam relações extrarregionais difundindo seus produtos e se adequando às normas e procedimentos que permitem adentrar aos mercados mundiais. Fluxos virtuosos são estabelecidos viabilizando inserção social que, somadas a políticas públicas eficientes, promovem integração e desenvolvimento para estas cidades inseridas em espaços periféricos.

17As instituições públicas municipais sediadas em Tefé permitem entender seu papel na produção de fluxos virtuosos à região. A rede do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) não atende a tradicional hierarquia das centralidades urbanas regionais brasileiras, mantendo regiões inteiras subordinadas a sede institucional de gestão representada por Brasília no Distrito Federal (Mapa 2). Neste sentido, a agência da previdência social em Tefé possui a mesma hierarquia da sua capital Manaus, permitindo que populações distantes de Manaus e não pertencentes à região de Tefé como do município de Carauari se desloquem a Tefé e não à capital amazonense para utilizar serviços previdenciários (COSTA, 2013).

Mapa 2 – INSS: estrutura e ligações (2013)

Mapa 2 – INSS: estrutura e ligações (2013)

Fonte: IBGE, 2014, p.27. Adaptado pelo autor.

18O mesmo ocorre com a Secretaria da Receita Federal subordinada ao Ministério da Fazenda e a Justiça Federal. Nestes casos, Tefé exerce um papel intrarregional significativo, pois o estado do Amazonas conta apenas com seis Agências da Receita Federal e duas Subseções judiciárias, administra assim sua hinterlândia somada aos municípios fora de sua região situados no sudoeste do Amazonas (Mapa 3).

Mapa 3 – Ligações da Secretaria da Receita Federal e da Justiça Federal no Amazonas

Mapa 3 – Ligações da Secretaria da Receita Federal e da Justiça Federal no Amazonas

Fonte: IBGE, 2014. Adaptado pelo autor.

19Entretanto, conjetura-se que a presença da indústria petrolífera em municípios vizinhos à região de Tefé, como Coari e Carauari, gerou fluxos desvirtuosos à integração e prejudiciais ao desenvolvimento regional influenciando na dinâmica que envolve a centralidade tefeense. São caracterizados pela incidência de uma fragmentação territorial que estrutura um processo de integração parcial e relativizada.

  • 2 Os royalties pagos a Coari entre 2010 e 2014 foram de 2.038.542.871,02 de reais e a Tefé foram de 5 (...)

20As atividades petrolíferas em Coari base de operações da Província Petrolífera de Urucu pertencente à Petrobras promoveram um crescimento de fluxos vinculados às atividades de exploração de hidrocarbonetos. Os royalties pagos a Coari2 que possui território atrelado ao Urucu não impediu a sua má gestão levando corrupção e violência à cidade. A administração de fluxos fragmentadores é ignorada pelos seus agentes (Petrobrás e terceirizadas) que tendem a ser indiferentes a estes impactos, pois admitem que sua responsabilidade social seja sanada com o provimento dos royalties, exercendo uma solidariedade verticalizada na região.

21Desta forma, Coari age estagnando o desenvolvimento regional e as relações intrarregionais urbanas, produzindo fluxos fragmentadores do território e desvirtuosos ao desenvolvimento econômico regional.

22A partir de dados do IBGE (2013a) compara-se Tefé, o maior centro urbano da região do Médio Solimões, e Coari, o maior centro econômico desta; observa-se um diferencial vinculado aos fluxos virtuosos de Tefé e desvirtuosos de Coari. A população urbana de Tefé é superior a de Coari. Apesar dos recursos dos royalties em Coari, Tefé possui o quádruplo de estabelecimentos de saúde ambulatorial com médicos e serviços especializados. Coari supera Tefé em número de escolas, mas não em taxa de analfabetismo, assim como Tefé possui menos pessoas com mais de 15 anos que não sabem ler e nem escrever em relação a Coari que é subsidiada pelo “Programa Alfabetização Solidária” da Petrobras (GARCIA, 2010, p.119). Tefé supera a quantidade de pessoal ocupado assalariado, bem como o número de empresas atuantes, mesmo que o salário médio mensal em Coari seja três vezes superior ao de Tefé. Os valores movimentados pelos serviços financeiros são maiores em Tefé e não em Coari, devido a atuação de uma solidariedade vertical em Coari frente à solidariedade horizontal que envolve os entes regionais em Tefé (QUEIROZ, 2015).

23Fluxos fragmentadores ou desvirtuosos à integração e desenvolvimento regional também se apresentaram na região em razão do início da exploração de gás no município de Carauari no rio Juruá pela empresa HRT, um surto de crescimento econômico se iniciou a partir de 2011, com inserção de 50 milhões de reais; mais de 800 trabalhadores foram contratados em Tefé e Carauari. Fluxos de técnicos advindos de Manaus, São Paulo, Rio de Janeiro e outras cidades do país fermentaram a vida na pequena cidade. Mesmo sem produção, a “onda de consumo” proveniente das novas necessidades empresariais diversificou o comércio, os serviços e as infraestruturas locais. Porém, com o fim destas operações da HRT ocorreu um “surto falho” levando ao rompimento das relações de Carauari com o Solimões (Tefé) estreitando-o com o sul do Amazonas (Eirunepé). A empresa russa Hosneff atualmente utiliza a proposta de exploração gasífera no Juruá a partir de Tefé para contratar funcionários e difundir fluxos.

24Outrora, Carauari constituía a região de influência de Tefé, porém hoje não mais. Fluxos fragmentadores e desvirtuosos alteraram a hierarquia urbana desta região influenciando o espaço de fluxos e mesmo o espaço dos lugares.

25Evidencia-se que Tefé, distante dos centros de decisão nacional e regional, na borda amazônida, recebe os impactos dos resultados econômicos e sociais de regiões onde as técnicas e os objetos modernos são mais densos e a especificidade técnica e normativa do território são mais eficazes. No entanto, mesmo se configurando como o maior centro urbano do Solimões, Tefé integra de maneira rarefeita o território, pois estes condicionantes normativos e técnicos do território atuam de maneira mais tênue não abrangendo a região na mesma intensidade integrando, dessa forma, de maneira incompleta e relativizada o território.

Agentes de integração à globalização na região de Tefé

  • 3 “Desde o final do século XVIII vemos começar a mecanização do território: o espaço se adensa com a (...)

26Para o reconhecimento dos agentes da globalização na região de Tefé este estudo analisa as atividades vinculadas aos serviços e finanças, instrumentos da técnica e da informação contemporânea (SANTOS, 2011 [2000]). Estes agentes pertencem ao meio geográfico contemporâneo, o meio técnico-científico-informacional3 porque foram fundados como nós de eixos de produção e circulação de energia, no período dos transportes aéreos e das telecomunicações em tempo real (SILVEIRA, 1999, p.395). Configuram-se como agentes de inserção deste subespaço amazônida ao capitalismo atual, integrando-o ao processo de globalização.

27Enfatiza-se que a economia de Tefé e dos municípios de sua região influência depende dos recursos advindos do Estado provenientes dos salários dos funcionários das instituições públicas das diversas hierarquias governamentais (QUEIROZ, 2012a). O consumo da população propicia a circulação que subsidia o comércio e os serviços em suas diversas especificidades (QUEIROZ, 2012b).

As finanças

28A globalização financeira assim como a globalização da produção está ligada ao processo de internacionalização da produção (COSTA, 2008, p.28) viabilizada pelas redes estabelecidas no globo. Neste sentido, Raffestin designa uma rede como “o conjunto hierarquizado e estruturado dos escritórios dirigidos e animados pela sede central de um grande estabelecimento” (LABASSE apud RAFFESTIN, 1993, p. 216). A “invasão do território pelo dinheiro” é propiciada pelas redes e originada pela circulação geral advinda da globalização financeira e da produção. Desta forma, as finanças permitem produtividade pelo “adiantamento de capital” para economias de firmas, famílias e instituições.

29Os representantes das finanças em Tefé e em sua região são os bancos e as Financeiras que drenam as rendas dos assalariados, aposentados e funcionários do comércio por intermédio de seus serviços para as sedes destes bancos (COSTA, 2013). O número de agentes financeiros existentes em Tefé é significativo frente a sua hinterlândia (Tabela 2). Esta centralização de capital é decorrente das infraestruturas de fixos herdadas no decorrer da conjuntura histórica e econômica proporcionada pela dinamicidade de sua centralidade neste subespaço letárgico (QUEIROZ, 2015).

Tabela 2 – Número de agências de Bancos, banco postal, financeiras e lotéricas na região de Tefé

Municípios

Bancos

Banco Postal

Financeiras

Lotéricas

Tefé

4

1

9

3

Alvarães

1

1

1

1

Uarini

1

1

0

1

Fonte Boa

1

1

1

1

Jutaí

1

1

1

1

Tonantins

1

1

0

1

Maraã

1

1

0

1

Japurá

1

1

0

1

Juruá

1

1

0

1

Fonte: QUEIROZ, 2015.

30Desta forma, centralizados em Tefé estes serviços financeiros ausentes nas outras cidades atuam de maneira significativa na atração e difusão de relações baseadas na clientela destes serviços da indústria financeira, agentes que formalizam: empréstimos consignados e pessoais, serviços de financiamento, crediários de mercadorias e utensílios, consórcios de veículos e embarcações, corretoras de imóveis, etc.

31Benko (2002, p.73) discute que a relação de dominação entre as cidades não depende do número de agentes financeiros e de sedes de grandes empresas, mas pela “centralização dos capitais”. Sendo assim, a centralização de capitais se deve às atividades adjacentes e derivadas desta “financeirização do território”. A sede de tais agentes financeiros em Tefé promove uma centralidade e expressividade na sua região.

32A presença das lotéricas e do Banco Postal nas cidades da hinterlândia de Tefé é hegemônica (Tabela 2). O Banco Postal é uma agência com operações limitadas do Banco do Brasil (BB) presentes nas agências dos Correios em todo território nacional. As lotéricas geridas pela “Caixa” também se configuram como agentes financeiros; efetuam pagamentos de contas públicas e privadas e realizam depósitos limitados. Elos técnicos de integração à circulação geral da globalização financeira os bancos postais e as lotéricas são agentes limitados de uma globalização que nesta fração do território se realiza de maneira relativizada.

33Em Tefé os bancos Bradesco, Banco do Brasil, Caixa e o Banco da Amazônia efetuam um papel fundamental na incorporação de conteúdos técnicos, científicos e informacionais nos processos produtivos locais.

34A maior das três agências do Bradesco existentes na região do Médio Solimões está em Tefé, além das pequenas agências de Fonte Boa e Jutaí. As outras cidades possuem apenas Postos de Atendimentos (PAs), onde providenciam informações e depósitos limitados (Figura 2). Logo, estes municípios dependem da agência de Tefé para transações mais complexas. O Bradesco supre as demandas necessárias de dinheiro nas Lotéricas, que são anexos da Caixa nas cidades da hinterlândia tefeense para pagamentos dos benefícios dos programas sociais repassados aos respectivos beneficiários.

35A atuação do Banco do Brasil (BB) é relevante em função dos repasses aos municípios do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) (Figura 2). Nestes tempos em que o dinheiro é virtual e as transações instantâneas, representantes das prefeituras circunvizinhas devem se deslocar a Tefé, em viagens custosas e longas nos rios amazônidas, para realizarem procedimentos burocráticos de recolhimento de suas respectivas remessas no BB. Enfim, não há uma técnica absoluta, esta “unicidade da técnica” é relativizada base de uma integração relativizada.

Figura 2 – Fluxos das atividades bancárias a partir de Tefé, Bradesco e Banco do Brasil, em cima; Banco da Amazônia e Caixa, embaixo.

Figura 2 – Fluxos das atividades bancárias a partir de Tefé, Bradesco e Banco do Brasil, em cima; Banco da Amazônia e Caixa, embaixo.

Fonte: QUEIROZ, 2015.

  • 4 Castells (1999) enfatiza que estes espaços, dos lugares e de fluxos, coexistem, mas em tempos de gl (...)

36O Banco da Amazônia em Tefé possui 14 municípios em sua jurisdição institucional e trabalha com recursos internacionais (QUEIROZ, 2015). Os gerentes deste banco realizam visitas institucionais nas respectivas cidades da região. Estas visitas locais mostram a força da divisão territorial do trabalho pretérita, a resistência provocada pelo espaço preexistente, espaços estes carentes de objetos modernos de comunicação e informação, condicionadas à ausência de “canais eletrônicos financeiros” (CONTEL, 2009, p.129), ou seja, sistemas técnicos informacionais que permitem os serviços bancários fora dos mecanismos tradicionais tais como home-banking, centrais de atendimentos eletrônicos, (call centers), etc. Em contrapartida, a busca pelo cliente nos municípios exibe a força da racionalidade hegemônica frente os entes de um espaço banal, o espaço de todos que agrega, neste caso, o pretérito espaço dos lugares em fricção com o espaço de fluxos4 que atribui às redes um papel integrador. Descontinuidades são traçadas frente ao avanço da atividade financeira aos municípios mais distantes da Amazônia, onde somente o lento transporte fluvial providencia a inexorável “invasão” dos comportamentos e procedimentos globalizados dos espaços da rapidez.

37A Caixa é representada pelas lotéricas nas cidades da hinterlândia tefeense, responsáveis pelo pagamento de programas sociais do Estado, muitas não “disponibilizam” dinheiro suficiente, outras nem abrem as portas para realizar estas operações, repelindo pescadores e ribeirinhos que viajam horas e muitas vezes dias em busca de seus benefícios nestes centros urbanos deficientes da estruturação técnica e normativa para suas operações.

38Outros agentes das finanças neste subespaço são as “Financeiras” atuando na “creditização do território”. Proporcionam dinheiro a segmentos sociais que muitas vezes não possuem acesso aos produtos financeiros, usufruem da “hipercapilaridade das finanças”, ou seja, “a banalização da finança” (CONTEL, 2006, p.252). Tefé conta atualmente com 9 financeiras que criam fluxos com as cidades de sua hinterlândia, pois estas não contam com estes serviços. Localizam-se na proximidade de bancos e mesmo próximos a outras financeiras, suas operações movimentam milhões de reais por ano (QUEIROZ, 2015). O papel do crédito para o desenvolvimento social e econômico tefeense e de sua região é significativo, pois esta população com renda limitada e dependente dos assalariados públicos conta com o crédito disponibilizado por estes agentes financeiros para atender suas expectativas de consumo, dinamizando o comércio e os serviços na região.

39Bancos privados como o Banco Honda representado pela empresa “Cometa Motocenter” utilizam planos de financiamentos com o uso de cartão de crédito e débito na cidade, os veículos negociados são oriundos de Manaus via balsas e barcos. A venda baseada na metodologia “caso a caso” é frequente para os mais humildes; isto gera fluxos de clientes das cidades vizinhas revelando a centralidade que integra a região de Tefé inserindo-os às normas da globalização financeira (QUEIROZ, 2015).

40Grande parte das transações é realizada por assalariados públicos via seus privilégios com os bancos tais como: maiores descontos em folha salarial e maiores parcelas de pagamento. Desta forma, a globalização nesta fração do território se revela com uma menor atuação das entidades privadas, sendo estas suscetíveis às instituições financeiras estatais (Banco do Brasil, Caixa, Banco da Amazônia).

Os serviços

41Castells (2003, p.218) adverte que “a falta de educação e a falta de infraestrutura informacional deixam a maior parte do mundo dependente do desempenho de um pequeno número de segmentos globalizados de suas economias”. Estes “segmentos globalizados” são os agentes da globalização, firmas e empresas que em sua inerência capitalista de acumulação e centralização comandam os serviços ofertados de forma a “conquistar” mercados e territórios, ou seja, clientes.

42Nada impede o avanço das empresas globais de telecomunicações em espaços periféricos. Estas respectivas empresas avançam e utilizam o consumo deliberado, impulsionado pela indústria da informação e publicidade como meios para sua expansão. Arroyo (2015, p.44) discute que a fluidez territorial é viabilizada via a especificidade técnica e normativa do território; logo, para o estabelecimento destas empresas nestas cidades do Solimões o Estado providenciou sua estrutura normativa e regulamentou a operacionalidade dos equipamentos de telecomunicações na região. No entanto, as infraestruturas para as operações destes serviços são incipientes assim como o acesso às técnicas de uso e manutenção dos equipamentos e aparelhos pela população.

43As infraestruturas técnicas e comando dos serviços de telecomunicações de 21 municípios dos 62 existentes no Amazonas estão centralizados em Tefé (QUEIROZ, 2015). A cidade possui 4 empresas operadoras de celulares que são as maiores do Brasil representando um elo para a manutenção das antenas de todos os 21 municípios, muitos fora de sua hinterlândia, mas inserida no raio de ações dos técnicos sediados em Tefé (Quadro 1).

Quadro 1 – As empresas de telecomunicações da região de Tefé, 2015

Operadoras de celulares

Empresas de TV Digital

VIVO

Tefé; Alvarães, Uarini; Fonte Boa; Jutaí; Tonantins; Maraã; Japurá; Juruá.

SKY

Tefé; Alvarães, Uarini; Fonte Boa; Jutaí; Tonantins; Maraã; Japurá; Juruá.

OI

Tefé; Alvarães, Uarini; Fonte Boa; Jutaí.

CLARO TV

Tefé; Alvarães, Uarini; Fonte Boa; Jutaí; Tonantins; Japurá; Juruá.

TIM

Tefé; Tonantins; Juruá.

OI TV HD

Tefé; Fonte Boa; Jutaí; Maraã.

CLARO

Tefé

VIA EMBRATEL

Tefé; Tonantins.

Fonte: QUEIROZ, 2015.

44Ocorre má qualidade do serviço de telefonia celular em Tefé devido à excessiva demanda frente às infraestruturas operacionais e o significativo acesso da população aos respectivos equipamentos (softwares e hardwares). Cidades como Jutaí, Uarini e Maraã a qualidade dos serviços é melhor em razão da demanda ser menor, pois a infraestrutura ou capacidade técnica instalada direcionada pelas empresas e gerida pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) é semelhante nestas cidades. No entanto, a admissão e acesso aos equipamentos telefônicos como o celular em Tefé é maior do que em outras cidades providenciando um serviço com pouca qualidade atendendo de forma limitada as expectativas da população, instituições e firmas locais.

45Todavia, as empresas que oferecem serviços de TV digital via satélite na região de Tefé além de interligar seus usuários aos canais vinculados às grandes corporações da telecomunicação mundial também proporcionam informações e equipamentos que os inserem em muitos cenários da racionalidade hegemônica, atuando como verdadeiros agentes da globalização (Quadro 1). A paisagem das periferias urbanas do Solimões se constitui de antenas de TV digitais criando contrastes que mostram o cenário de uma modernização incompleta (SANTOS, 1994) componente de uma integração relativizada (Figura 3).

Figura 3 – Representantes de Antenas SKY e parabólicas em Fonte Boa e Maraã

Figura 3 – Representantes de Antenas SKY e parabólicas em Fonte Boa e Maraã

Fonte: QUEIROZ, 2015.

  • 5 Para exemplificar, em São Paulo um serviço de internet de 10 MB custa 38 reais, mas em Tefé um déci (...)

46Na região de Tefé a Internet possui um alto valor de serviço5, pois se realiza via satélite, utilizada mais como meio de comunicação e relações sociais do que propriamente meio de negócios, apesar de também o ser em pequena escala. Não há o “enxame” de empreendedores como é visto nos espaços onde a velocidade e o preço da Internet são melhores. As Lan houses são as formas de difusão dos serviços eletrônicos mais acessíveis à população, pois grande parte desta não possui condições financeiras para contratar um serviço de Internet para seus domicílios (Figura 4).

  • 6 Tais como: cópias, plastificação e digitalização de documentos; elaboração de curriculum vitae e re (...)
  • 7 Tais como: segunda via de contas públicas; agendamento eletrônico institucional na capital Manaus; (...)

47“O moderno nem sempre é o novo” (SANTOS, 1999), refere-se às operações realizadas nas lan houses, que não são novas, apenas modernizadas pelo avanço tecnológico das telecomunicações virtuais6. Atendem à população mais humilde no que se referem aos serviços institucionais públicos, as lan houses tornam-se os postos de atendimento para os que não possuem internet7. É comum nas cidades da região de Tefé a oferta de produtos de perfumaria, acessórios e até “Pet Shops” nas lan houses como em Alvarães, isto “potencializa as receitas e atraem mais clientes” (Figura 4).

Figura 4– Estruturas das Lan houses na região de Tefé

Figura 4– Estruturas das Lan houses na região de Tefé

Fonte: QUEIROZ, 2015.

48Tefé possui 11 Lan houses (Tabela 3) com pouca qualidade ao serviço ofertado. A demanda proveniente das necessidades da população mais humilde providencia esta irregularidade. Grande parte dos 12 provedores de internet em Tefé não socializa seus serviços à população pelo fato de serem provedores institucionais (como o Exército, a Universidade do Estado do Amazonas, a Receita Federal, etc.).

Tabela 3 – Provedores e Lan houses na região de Tefé, 2015

Municípios

Número de Provedores

Número de Lan houses

Tefé

12

11

Alvarães

1

1

Uarini

2

2

Fonte Boa

2

2

Jutaí

1

1

Tonantins

1

1

Maraã

1

1

Japurá

1

1

Juruá

1

1

Fonte: QUEIROZ, 2015.

49Wu (2012, p.240) afirma que “a Internet funciona numa infraestrutura que não pertencem aos usuários. O proprietário é sempre outra pessoa”, porém em Tefé a empresa “Ruralweb” disponibiliza a maioria dos sinais dos provedores privados tefeenses, proveniente do Canadá (QUEIROZ, 2015). Um único agente atuando em uma solidariedade vertical, representante do acontecer hierárquico da globalização atual, relações que evidenciam o meio técnico-científico-informacional em Tefé.

50Os Tickets e cartões de Wi Fi, correspondentes a “Internet pré-paga", são muito utilizadas em Tefé, Alvarães e Jutaí; os espaços onde são usados via celulares e lap tops, representam “ilhas luminosas e espaços inteligentes” dentro destas cidades.

51Estes canais eletrônicos e lan houses permitem que a Internet ofereça a “educação a distância” que na região de Tefé se configura como uma rentável e inclusiva forma de modernização seletiva e integração (Tabela 4). Este acesso ao ensino superior permite um “mercantilismo do ensino” e um “mercado dos saberes” (SILVEIRA, 1999, p.318). Isto leva as bases da racionalidade única da modernização e do capitalismo hegemônico a estas populações distantes dos grandes centros.

Tabela 4 – Faculdades a distância atuantes na região de Tefé, 2015

Municípios

Número de Faculdades a distância

Número de cursos de graduação

Número de cursos de pós-graduação

Tefé

11

18

12

Alvarães

2

2

1

Uarini

2

2

2

Fonte Boa

4

3

4

Jutaí

2

2

2

Tonantins

1

2

1

Maraã

2

2

2

Japurá

1

2

1

Juruá

2

3

1

Fonte: QUEIROZ, 2015.

52Dentre a gama de serviços úteis à integração e desenvolvimento destacam-se os profissionais liberais em Tefé. Estes permitem a inclusão de outros prestadores de serviços como estagiários, seguranças, motoristas, programadores, serviços gerais, recepcionistas, secretários profissionais, detetives particulares, entregadores mototaxistas, etc. (Tabela 5).

Tabela 5 – Profissionais Liberais na região de Tefé, 2015

Municípios

Tefé

Alvarães

Uarini

Fonte Boa

Jutaí

Tonantins

Maraã

Japurá

Juruá

Advogados

24

0

0

3

1

1

1

1

1

Contabilistas

8

0

0

1

0

0

0

0

1

Médicos

14

0

0

0

0

0

0

0

0

Dentistas

8

0

1

5

2

1

1

0

0

Bioquímicos

2

0

0

0

1

0

0

0

0

Psicólogos

3

0

0

0

0

0

0

0

0

Veterinários

2

0

1

1

0

0

0

0

0

Engenheiros

6

0

0

0

1

0

1

0

0

Fonte: QUEIROZ, 2015.

53Esta estrutura de empregos reflete diretamente na composição dos fluxos e na configuração da divisão territorial do trabalho neste período da globalização. A integração territorial a partir de Tefé no Médio Solimões se configura em razão da existência de uma capacitação territorial e um dinamismo pontual neste subespaço.

54Ressalta-se que a atuação de médicos peruanos e bolivianos nas cidades da região de Tefé é produto de uma porosidade territorial (ARROYO, 2001) e dos vetores da globalização que permitem a comunicação e a informação, sendo útil às populações locais carentes de serviços que requeiram especialistas em saúde (QUEIROZ, 2012a, p.82).

55Em Tefé uma relação de confiança baseada na solidariedade se desenvolve quando ribeirinhos humildes (agricultores e pescadores) que não podem pagar pelos serviços em dinheiro aos profissionais liberais pagam com produtos manufaturados ou produzidos por eles como farinha de mandioca, frutas, peixes nobres como o tambaqui, pirarucu e outros. A solidariedade horizontal representada por uma renda não monetária preenche as lacunas das relações disponibilizadas e inseridas pela solidariedade vertical compondo uma trama de relações que compõem a dialética do território, um tipo de crédito útil para o desenvolvimento social. Estas permutas proporcionam a circulação de capital, fugindo dos contratos baseados nas normas hegemônicas. Desta forma, produz-se capital e mesmo um lucro sem dinheiro. Isso corrobora para a reprodução deste cotidiano e da consuetudinariedade inerente ao lugar. Reflete-se assim, que o uso equitativo do dinheiro, das técnicas, da informação, dos transportes e das comunicações não é um bem comum da humanidade, apenas poucos o usufruem (SANTOS, 2007 [1982], p.32).

56Os mototaxistas representam um serviço que atende a população na ausência de transportes públicos nestas cidades amazônidas (Tabela 6). Levam passageiros e cargas, servindo como mensageiros e agentes da limpeza urbana, pois muitos são contratados para jogar os lixos domiciliares no lixão da cidade (Figura 5).

Tabela 6 – Mototaxistas na região de Tefé, 2015

Municípios

Tefé

Fonte Boa

Alvarães

Uarini

Jutaí

Tonantins

Maraã

Juruá

Japurá

Números de Mototaxistas

1000

800

580

200

184

180

150

80

30

Fonte: QUEIROZ, 2015.

Figura 5 – Sindicato dos mototaxistas de Jutaí e cenas cotidianas destes profissionais em Tefé.

Figura 5 – Sindicato dos mototaxistas de Jutaí e cenas cotidianas destes profissionais em Tefé.

Fonte: QUEIROZ, 2015.

57Situações com motocicletas levando mais de três pessoas na garupa, com excesso de mercadorias e peso, levando crianças sem capacetes são comuns no cotidiano das ruas de Tefé e das cidades de sua hinterlândia (Figura 5). Face de uma modernização incompleta vinculada a uma racionalidade alternativa presentes no cotidiano regional.

58No setor do transporte fluvial, muitos navios ligam as cidades da região de Tefé a Manaus, consubstanciando as relações entre as cidades pequenas de sua hinterlândia e Manaus, a grande capital macrocéfala. Todavia, Tefé continua com a hegemonia dos fluxos para a capital na região (Tabela 7).

Tabela 7 – Fluxos aéreos e fluviais a partir de Tefé, 2015

Frequência Mensal

Número de Empresas Aéreas

Tefé – Manaus

72

4

Fonte Boa – Tefé

3

1

Fonte Boa – Manaus

3

1

Juruá – Tefé

5

2

Juruá – Manaus

4

1

Japurá – Tefé

3

1

Japurá – Manaus

3

1

Fluxos Fluviais

Frequência semanal

Número de Empresas Fluviais

Tefé – Manaus

16

19

Alvarães – Tefé

185

8

Alvarães – Manaus

2

2

Uarini – Tefé

21

5

Uarini – Manaus

2

2

Fonte Boa – Tefé

8

8

Fonte Boa – Manaus

8

15

Jutaí – Tefé

8

8

Jutaí – Manaus

6

15

Tonantins – Tefé

3

3

Tonantins – Manaus

5

15

Japurá – Tefé

4

4

Japurá – Manaus

2

2

Maraã – Tefé

5

5

Maraã – Manaus

2

2

Juruá – Tefé

3

2

Juruá – Manaus

1

5

Fonte: QUEIROZ, 2015.

  • 8 As empresas: AZUL, MAP, AMAZONAVES, RIMA possuem regularidade em vôos regionais e nacionais, porém (...)

59O setor aéreo em Tefé é estruturado por um bom aeroporto operando empresas aéreas diversas8 com destinos nacionais e regionais. Na sua região de influência há aeroportos em Japurá, Fonte Boa e Juruá. Muitos voos pertinentes às cidades da região de Tefé são contratados pelos bancos e pelos Correios. Os fluxos de Tefé para Manaus são relevantes ligando toda a região a partir de sua infraestrutura aeroportuária estruturada com Batalhão de Bombeiros, agentes da Polícia Federal, vigilantes, equipamentos de fiscalização e monitoramento de passageiros e voos, administrados e organizados pela INFRAERO.

60Em razão das carências de fiscalizações nos aeroportos municipais da hinterlândia tefeense a realização de voos clandestinos é notória, produto de uma porosidade e fluidez territorial que permite ações ilegais. Isto ocorre principalmente nos aeródromos de Japurá, Fonte Boa e Juruá assim como aviões anfíbios que efetuam voos fretados no lago de Maraã.

Considerações finais

61Este artigo buscou discutir o papel de Tefé para a integração territorial e o desenvolvimento regional a partir dos agentes da globalização presentes nesta cidade e sua região de influência.

62Evidenciou-se que há em Tefé uma densidade normativa e técnica significativa em relação às outras cidades da região. Esta estrutura pode ser utilizada pelos agentes da globalização juntamente com vetores da verticalidade para sediarem suas operações na região tanto no setor de finanças, como as financeiras e os bancos, como no setor de serviços, como as telecomunicações e profissionais liberais. A presença de instituições públicas e autoridades notáveis na cidade de Tefé promove a valorização de sua posição estratégica no Solimões frente à geografia da modernização contemporânea.

63Identificou-se “fluxos virtuosos” benéficos ao desenvolvimento regional e à integração territorial, que integram e irradiam a partir de Tefé outros serviços e atividades. Estes fluxos virtuosos institucionais e comerciais providenciam o acesso à cidadania e dignidade às populações locais inserindo-as à dinâmica de uma globalização relativizada, permitindo o que se admite configurar uma integração relativizada. Verificou-se também “fluxos fragmentadores ou desvirtuosos” ao desenvolvimento e à integração, pois agem em benefício daquelas empresas que ignoram a vizinhança e o local de produção; como a Petrobrás em Coari e HRT e Hosneff em Carauari; utilizando-as como instrumentos de exploração comercial e direcionando, sobretudo, fluxos materiais, relativizando a constituição técnica territorial e uma produtividade espacial relevante ao desenvolvimento regional.

64Verificou-se que serviços modernos inerentes à globalização são operacionalizados a partir de Tefé nesta fração do Amazonas permitindo estabelecer conexões com sua região e fora dela, destacam-se: i) meios de transportes modernos e eficientes como aviões e embarcações, proporcionando a Tefé estabelecer fluxos servindo e integrando as cidades de sua influência; ii) telecomunicações com velocidade instantânea que mesmo de uso restrito às instituições e às pequenas firmas permitem os serviços bancários, financeiras, lan houses, cursos à distância, aos profissionais liberais e serviços adjacentes; iii) comércio com vias à exportação de recursos naturais que promovem uma conexão com cidades mundiais distantes.

65Em contrapartida, identificou-se obstáculos nestes mesmos serviços e infraestruturas locais ofertados que se configuram como fatores de relatividade no estabelecimento de relações econômicas e sociais contínuas e que por isso subsidiam uma integração relativizada tais como: a) a existência de uma rede transportes complexa (dentrítica e aérea) com vetores preponderantes que restringem sua evolução e perturbam sua fluidez; somada ao respeito às Unidades de Conservação que proporcionam a inexistência de estradas intermunicipais que prejudicam os fluxos empreendidos intra e extrarregionalmente; b) a atuação de uma rede de telecomunicações restrita que prejudica o desempenho nas comunicações, informações e dos fluxos.

66Portanto, os mesmos serviços e infraestruturas que integram acabam por fragmentar o território, concomitantemente. Os agentes da globalização que atuam nos serviços e finanças na região de Tefé ficam desta forma, restringidos em suas ações devido às limitações técnicas e estruturais que prejudicam o desempenho na realização de suas funções; a internet, as telecomunicações e os transportes são os setores mais prejudicados que impedem uma integração territorial plena desta região à dinâmica da globalização.

67Conclui-se que, a posição geográfica de Tefé na Amazônia, distante 525 km da capital Manaus, corrobora para seu papel dinamizador por intermédio de suas funcionalidades administrativo-institucionais. Assim como do uso de suas infraestruturas que permitem exercer uma gestão territorial vinculada às atividades inerentes a de um nó de rede no Solimões. Um centro de gestão territorial avançado na borda amazônica brasileira.

Haut de page

Bibliographie

ARROYO, M. Território nacional e mercado externo: uma leitura do Brasil na virada do século XX. Tese de Doutorado. Departamentos de Geografia, FFLCH, USP, 2001.

ARROYO, M.; CRUZ, R. C. A. (orgs). Território e circulação: a dinâmica contraditória da globalização. São Paulo: Annablume, 2015.

BENKO, G. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. 3 ed. São Paulo: Hucitec; Annablume, 2002.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Volume 1. Tradução: Roneide Venâncio Majer; atualização para 6ª edição: Jussara Simões. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, M. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges; revisão Paulo Vaz. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CONTEL, F. B. Território e finanças: técnicas, normas e topologias bancárias no Brasil. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

CONTEL, F. B. Espaço geográfico, sistema bancário e a hipercapilaridade do crédito no Brasil. Caderno CRH. v.22, n.55, p.119-134, Jan-Abr, 2009.

COSTA, E. A globalização e o capitalismo contemporâneo. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

COSTA, D. P. A economia da cidade somos nós. Envelhecimento populacional e a gestão da previdência social: o Amazonas em foco. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo. Orientadora: Profª. Drª. Rosa Ester Rossini, São Paulo, 2013.

GARCIA, E. A Petrobras na Amazônia: a riqueza que vem do Solimões. Manaus: Norma Editora, 2010.

IBGE. Atlas do Censo 2010. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2013a.

IBGE. Divisão Urbano Regional. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2013b.

IBGE. Gestão do Território – redes e fluxos do Território. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE//Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, 2014.

QUEIROZ, K. O. Discutindo geografia: seis artigos sobre a realidade tefeense. Manaus: BK editora, 2012a.

QUEIROZ, K. O. Entre motores e velas – os racionamentos e interrupções de energia elétrica no Amazonas. Curitiba: Editora CRV, 2012b.

QUEIROZ, K. O. Centralidade periférica e integração relativizada – uma leitura de Tefé no Amazonas. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, M. “O retorno do território”, In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SILVEIRA, M. L. (orgs). Território: Globalização e fragmentação. São PAULO: Hucitec-Anpur, 1994.

SANTOS, M. Por uma economia política da cidade: o caso de São Paulo. São Paulo: Editora Hucitec/Educ, 1994.

SANTOS, M. O modo de produção técnico-científico e diferenciação espacial. Revista Território. Ano IV, nº 6, jan/jun, 1999.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 13º ed. Rio de Janeiro: Record, 2010 [2001].

SANTOS, M. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2011 (2000).

SANTOS, M. Pensando o espaço do Homem. 5ª ed. 1ª reimpressão São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007 [1982].

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. 5. ed. Coleção Milton Santos. 11. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008 [1994].

SILVEIRA, M. L. Um país, uma região: fim de século e modernidades na Argentina. São Paulo: FAPESP/LABOPLAN-USP, 1999.

WU, T. Impérios da comunicação: do telefone à internet, da AT&T ao Google. Tradução: Claudio Carina. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

Haut de page

Notes

1 De acordo com o “Censo do IBGE de 2010” Tefé possui 61.453 habitantes.

2 Os royalties pagos a Coari entre 2010 e 2014 foram de 2.038.542.871,02 de reais e a Tefé foram de 539.899.217,98 reais. Disponível em: www.anp.gov.br; acessado em: 10 fev 2015.

3 “Desde o final do século XVIII vemos começar a mecanização do território: o espaço se adensa com a presença das técnicas da máquina. Podemos dizer, junto com Sorre (1948) e André Siegfried (1955), que esse é o momento da criação de um meio técnico, que se superpõe, em muitos lugares, ao meio natural, buscando substituí-lo. Já hoje não é mais de meio técnico que se trata, quando nos referimos às manifestações geográficas decorrentes e novos progressos. Estamos diante da produção de algo novo, a que estamos chamando de meio técnico-científico-informacional” (SANTOS, 1999, p. 10).

4 Castells (1999) enfatiza que estes espaços, dos lugares e de fluxos, coexistem, mas em tempos de globalização friccionam-se.

5 Para exemplificar, em São Paulo um serviço de internet de 10 MB custa 38 reais, mas em Tefé um décimo deste serviço, 1 MB de internet, custa 1.350 reais em setembro de 2016.

6 Tais como: cópias, plastificação e digitalização de documentos; elaboração de curriculum vitae e requerimentos; impressão de fotos; pesquisas escolares; acesso a redes sociais e jogos virtuais; criação e envio de e-mails.

7 Tais como: segunda via de contas públicas; agendamento eletrônico institucional na capital Manaus; criação e consulta do CPF; verificação de antecedentes criminais; impressão de boletos bancários etc.

8 As empresas: AZUL, MAP, AMAZONAVES, RIMA possuem regularidade em vôos regionais e nacionais, porém outras inúmeras empresas e aviões particulares atuam em Tefé além das operações da Força Aérea Brasileira, do Exército e da Marinha.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Tefé no Brasil e no mundo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Titre Figura 1 - A Região de Influência de Tefé no estado do Amazonas
Crédits Fonte: QUEIROZ, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Mapa 2 – INSS: estrutura e ligações (2013)
Crédits Fonte: IBGE, 2014, p.27. Adaptado pelo autor.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-3.png
Fichier image/png, 428k
Titre Mapa 3 – Ligações da Secretaria da Receita Federal e da Justiça Federal no Amazonas
Crédits Fonte: IBGE, 2014. Adaptado pelo autor.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-4.png
Fichier image/png, 235k
Titre Figura 2 – Fluxos das atividades bancárias a partir de Tefé, Bradesco e Banco do Brasil, em cima; Banco da Amazônia e Caixa, embaixo.
Crédits Fonte: QUEIROZ, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-5.png
Fichier image/png, 301k
Titre Figura 3 – Representantes de Antenas SKY e parabólicas em Fonte Boa e Maraã
Crédits Fonte: QUEIROZ, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-6.png
Fichier image/png, 554k
Titre Figura 4– Estruturas das Lan houses na região de Tefé
Crédits Fonte: QUEIROZ, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-7.png
Fichier image/png, 729k
Titre Figura 5 – Sindicato dos mototaxistas de Jutaí e cenas cotidianas destes profissionais em Tefé.
Crédits Fonte: QUEIROZ, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13154/img-8.png
Fichier image/png, 503k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Kristian Oliveira Queiroz, « Globalização e integração territorial – o caso da região de Tefé no Amazonas », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 19 avril 2018, consulté le 19 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13154 ; DOI : 10.4000/confins.13154

Haut de page

Auteur

Kristian Oliveira Queiroz

Universidade do Estado do Amazonas, kristian_queiroz@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals