Navigation – Plan du site

O rural agrícola na metrópole: o caso de Porto Alegre/RS

Le rural agricole dans la métropole : le cas de Porto Alegre/RS
The agricultural rural in the metropolis: the case of Porto Alegre/RS
Éverton de Moraes Kozenieski et Rosa Maria Vieira Medeiros

Résumés

Les espaces ruraux ont ont subi des changements significatifs au cours des dernières décennies au Brésil. Dans ces espaces apparaissent de nouvelles caractéristiques parmi lesquelles on peut souligner la disparition des espaces de pratiques agricoles en fonction de l'expansion urbaine et de la nouvelle configuration des usages du milieu rural, en raison de nouvelles fonctions et activités économiques. À Porto Alegre (Brésil), où l'expansion urbaine a été intensive, le territoire est soumis à d'importants changements en même temps qu'il a perdu ses caractéristiques rurales. La commune de Porto Alegre fait donc partie du grand réseau de métropoles urbaine du Brésil et ce contexte est caractérisé par des conflits provoqués par l'expansion urbaine et par la suppression d’ espaces agricoles. Cet article analyse les éléments politiques, économiques et culturels qui permettent l'existence de ces espaces agricoles dans les centres urbains à partir du regard des agriculteurs de la commune de Porto Alegre/RS.

Haut de page

Texte intégral

1Os espaços destinados às práticas agrícolas apresentam-se de modos diferenciados, tanto no que se refere às atividades produtivas, às dinâmicas econômicas internas e externas, aos conteúdos das relações sociais e culturais, entre outros aspectos. Não podemos deixar de lado, principalmente quando propomos entender as dinâmicas de espaços contíguos às metrópoles, a relação que esses imprimem junto às cidades.

  • 1 Assumimos ao longo da pesquisa a perspectiva de Lefebvre (2008) e Sobarzo (2006) para os quais cida (...)

2A urbanização e a industrialização, processos diferentes e interconectados, cumprem um importante papel perante as mudanças vivenciadas no campo e na cidade1. A urbanização é induzida pela industrialização, ao mesmo tempo que a cidade implode, adquirindo novas fisionomias, explode em direção ao campo, desconstruindo e reconstruindo suas dinâmicas. Assumindo definitivamente o papel central junto à relação com o campo e ampliando o processo de urbanização (Lefebvre, 2008).

3No caso brasileiro, cabe ponderar que as dinâmicas dos grandes centros urbanos têm importante significado junto ao território nacional. Estes, nos últimos séculos, passaram por um conjunto de transformações em suas funções econômicas, com forte influência da industrialização que adentrou estes espaços, e suas dinâmicas populacionais, onde se destaca a inversão da população urbana e rural a partir de meados da década de 1960, entre tantas outras observações possíveis. A implosão e explosão da cidade acentuam significativamente a concentração urbana, o êxodo rural e contribuem para a extensão do tecido urbano. O campo contíguo às metrópoles torna-se o receptáculo da expansão da cidade. Espaços outrora destinados à produção de alimentos passam a ser destinados à moradia, entre outras finalidades. Fica evidente que a relação da cidade e do campo transforma-se.

4O município de Porto Alegre e sua região metropolitana não são exceções a esse contexto brasileiro, já que a industrialização e a crescente urbanização marcam o espaço metropolitano em questão. Como lembra Mertz (2002), no século XIX, Porto Alegre era um município essencialmente agrícola. Já no século XX a expansão urbana ultrapassou os limites administrativos do município, configurando o fenômeno da metropolização. Em mesma direção das transformações materiais, o PDDUA - Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental – de 1999, ainda em vigor, passa a assumir o discurso de que no município de Porto Alegre “tudo é cidade”, extinguindo do planejamento a zona rural existente. Tal mudança implica não apenas em novos textos legais, contribui para transformação das práticas agrícolas e do rural.

5Em meio a todo esse quadro de transformação e reestruturação dos espaços do/no município, onde ora, entre outras situações, os espaços destinados a práticas agrícolas são incorporados à cidade, surgem alguns questionamentos que orientam esta pesquisa: Existem espaços destinados às práticas agrícolas em Porto Alegre? Por que alguns espaços rurais persistem mesmo havendo uma tendência de transformação tão evidente?

  • 2 “[...] conjunto principal de atividades, relativas aos cultivos e aos sistemas criatórios, presente (...)
  • 3 Assumimos ao longo do estudo o espaço rural, em consonância com Marques (2002, p. 109), como “[...] (...)

6Estes questionamentos suscitam diferentes tópicos e possibilidades de pesquisa. Contudo, optamos por analisar a agricultura2 como objeto de estudo, frente ao fenômeno de extinção dos espaços destinados a essas atividades, em uma metrópole, utilizando como recorte espacial o município de Porto Alegre. Desse modo, entre diferentes perfis de espaço rural3 destacados por Wanderley (2009), o foco da pesquisa está no rural no qual a agricultura e suas demais atividades são base de sustento econômico e social, em prol do rural como espaço de consumo (funções residenciais e de lazer) ou mesmo como patrimônio ambiental (função de preservação). Frente a essas escolhas, o objetivo geral da pesquisa é compreender os principais elementos econômicos, políticos e culturais que contribuem para manutenção dos espaços destinados a agricultura, em grandes centros urbanos, frente à extinção e a incorporação desses à cidade, utilizando-se da visão dos agricultores localizados no município de Porto Alegre/RS

7Escolher como objeto de estudo a agricultura em uma metrópole, pode parecer contraditório devido às fortes relações desenvolvidas em meio a esses centros com as atividades e as relações urbanas. Contudo, em muitas delas encontramos espaços destinados à agricultura que não se transformaram inteiramente em espaços urbanos, em que determinadas praticas sociais mantém, como ocorre no caso de Porto Alegre/RS.

  • 4 Prefeitura Municipal – Centro Agrícola Demonstrativo e Secretaria Municipal de Planejamento, Emater (...)
  • 5 Aquisição de informações disponíveis nas entidades que participaram das entrevistas exploratórias e (...)
  • 6 Optou-se por uma amostragem não representativa definida por meio dos seguintes critérios: localizaç (...)
  • 7 As questões-guia buscavam a trajetória pessoal do entrevistado, atividades econômicas realizadas na (...)
  • 8 Análise amparada na perspectiva de Quivy e Campnhoudt (2003), sendo as categorias utilizadas: perfi (...)

8Para alcançar tais objetivos, utilizou-se um conjunto de procedimentos inspirados na proposta de Triviños (2008) para pesquisas na linha da dialética, composta por quatro momentos. A primeira etapa buscou estabelecer aproximação com o objeto de estudo e o fenômeno analisado, sendo operacionalizada por meio de observações, pesquisa bibliográfica, entrevistas exploratórias com representantes de entidades atuantes no município4 e aquisição de documentos (publicações, dados estatísticos e cartográficos)5. O segundo momento estabeleceu os traços qualitativos do objeto de estudo e do fenômeno estudado na escala do município, sendo amparada na análise dos dados e dos referenciais obtidos na etapa anterior. O terceiro momento buscou registrar as características qualitativas, enfatizando a escala de análise local (unidades de produção). Para tanto, realizou-se 10 entrevistas6 semi-diretivas7 com agricultores do município, sendo as mesmas transcritas e analisadas pela análise de conteúdo8. O último momento buscou comparar as informações obtidas e compará-las, visando identificar os resultados e responder a problemática inicialmente constituída.

A ocupação territorial e a expansão urbana de Porto Alegre

9Antes de compreender as características da agricultura em Porto Alegre e sua respectiva dinâmica, devemos fazer um resgate da trajetória histórica da ocupação territorial. Os registros e as documentações dão conta de transformações intensas ocorridas no município. Os dados demográficos são um exemplo, pois verifica-se a passagem de aproximadamente 100 habitantes, quando da ocupação oficial em 1732, ao contingente populacional de 1.409.351 habitantes, registrado pelo Censo demográfico em 2010.

Mapa 1 – Porto Alegre: Evolução Urbana (Meados do século XIX até 1980)

Mapa 1 – Porto Alegre: Evolução Urbana (Meados do século XIX até 1980)

Fonte: Porto Alegre, [1979], p. 3. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.

10As intensas transformações ocorridas no município também são estão registradas no mapa 1, que localiza a evolução urbana de Porto Alegre desde o século XIX até 1980. Nela, as áreas com indicação de ano de ocupação, representam a cidade em si, ou seja, zonas de ocupação destinadas a habitações, comércios e de usos industriais. Cabe ressaltar que o mapa retrata a expansão e não as características “internas” da ocupação. Os espaços em cor “branca”, por sua vez, representam zonas na qual a cidade não está presente, estas destinados a atividades agrícolas ou mesmo à preservação ambiental, seja públicas ou não.

  • 9 O município de Porto Alegre é capital do estado do Rio Grande do Sul (Brasil).

11A partir da ocupação inicial, itens “fins do séc. XIX” e principalmente “meados do séc. XIX” do mapa 1, houve a expansão com características radiocêntricas da cidade de Porto Alegre, através das principais vias de circulação. As vias que tinham a direção norte e leste, caminhos que interligavam economicamente Porto Alegre com demais municípios do estado9, apresentavam maior dinamicidade e, portanto, apresentaram uma ocupação mais intensa. Como destacam Souza e Muller (2007), “Este parece um ponto importante a ser retido: o sentido da expansão urbana é dado pelo ou pelos acessos de longo curso mais dinâmicos.” (p. 102).

12Os caminhos para o sul apresentaram uma expansão mais contida, principalmente por não apresentarem a mesma dinamicidade que as demais e, também, pelas barreiras naturais presentes em seus trajetos. As características topográficas do município barraram em parte a expansão urbana na direção sul, dificultando a ocupação destes espaços acidentados, ou mesmo a passagem por estes obstáculos físicos, ainda mais considerando as características tecnológicas dos transportes em momentos históricos anteriores, com o uso, por exemplo, de veículos com tração animal.

13Entre os diferentes eventos que marcam Porto Alegre, conforme destacam Souza e Muller (2007), o período de industrialização (1890-1945) e de metropolização (1945-atual) são propulsores da diversificação das atividades econômicas do município e da ampliação das funções urbanas exercidas. Tais eventos são fundamentais para tornar Porto Alegres atrativa aos migrantes do campo e concentradora de atividades produtivas e de serviços. Os períodos destacados correspondem à expansão da cidade, aspecto registrado no mapa 1. Tal expansão ocorre de modo heterogeo, pois, de forma geral, podemos observar no norte o estabelecimento da cidade e de seus usos, enquanto ao sul encontramos uma ocupação menos intensa e com uma expansão mais recente.

14No que se refere especialmente à atividade agrícola, podemos destacar que estiveram presentes em todos os momentos da história do município. Podemos considerar também, que os espaços que potencialmente podem ser destinados a esta atividade vem diminuindo gradativamente em todos os momentos históricos, em face da expansão da cidade de Porto Alegre. Cabe destacar, como exemplo deste fato, que em dado momento a agricultura era desenvolvida nas imediações no atual centro da capital, enquanto hoje estão relegadas, principalmente, ao sul do município.

15A progressiva expansão da cidade de Porto Alegre restringe os espaços possíveis para o desenvolvimento da agricultura. Contudo, diversos registros e observações dão conta de que a agricultura mantém-se em determinados espaços da capital. Neste sentido, para melhor compreendermos a manutenção destes espaços, cabe localizar onde estas práticas estão sendo desenvolvidas e quais são suas principais características.

A agricultura: dados e contradições

16A fim de caracterizar a agricultura realizada em Porto Alegre, definir suas características gerais e sua localização, buscou-se informações sobre o quantitativo de unidades de produção existentes, suas dimensões, perfil produtivo e localização.

  • 10 Relatório nacional de Cadastro Fundiário (2009)

17Iniciando pela apresentação do número de unidades de produção observa-se uma grande divergência de informações entre as fontes de dados consultadas. O Censo Agropecuário (2006) do IBGE indica a existência de 341 estabelecimentos agropecuários, enquanto que o INCRA10 (2009) informa a existência de 1.393 imóveis rurais cadastrados. Tal divergência poderia estar relacionada à diferença conceitual, tendo em vista que um estabelecimento agropecuário do Censo Agropecuário pode conter vários imóveis rurais, desde que esses sejam contínuos e de mesmo proprietário. Entretanto, quando comparamos as informações referentes à área total de tais estabelecimentos, encontramos novamente divergências, pois para o Censo Agropecuário as áreas dos estabelecimentos agropecuários equivalem a 9.231 hectares, enquanto que o INCRA indica a existência de pouco mais de 19.233 há.

  • 11 Estimativa da Pesquisa de Produção Municipal e Consumo (2007).
  • 12 A Emater/RS desenvolve ações junto às unidades de produção da agricultura familiar, remanescentes d (...)

18As informações da Emater/RS11 (2007) também são divergentes, pois os registros indicam 186 famílias atendidas e estima-se a existência de 3.016,25 ha exclusivamente de produção, sem considerar a criação de alguns animais não indicados em tal levantamento estatístico12. As divergências de dados retratam a dificuldade das instituições de captar as dinâmicas produtivas. No contexto metropolitano, onde há diversidade de atividades econômicas e integração entre objetos espaciais tipicamente relacionados ao campo e à cidade, tais informações demonstram-se um significativo problema. Aspectos que dificultam ações no sentido de identificação da agricultura e, consequentemente, fomentar tais práticas. Entre as informações apresentadas consideramos os dados gerias do município da Emater/RS mais fidedignos com a realidade, tanto pela atuação dos extensionistas rurais como também pelo perfil das unidades de produção de pequenas dimensões, sendo assim público assistido prioritariamente pela Emater/RS.

  • 13 Segundo o INCRA, em Porto Alegre o módulo fiscal é 5 hectares.

19Referente à estrutura fundiária, as informações do INCRA indica a concentração de imóveis rurais na faixa que se estende até 20 hectares, enquanto o Censo Agropecuário indica a faixa de 1 a 50 hectares como a de maior concentração de estabelecimentos. Ambos retratam uma estrutura com pequenas propriedades praticamente não superiores a 5 módulos fiscais13 e a presença de poucas médias e grandes propriedades rurais.

20Os cultivos realizados no município de Porto Alegre, por sua vez, podem ser observados sob três perspectivas. A primeira diz respeito aos produtos mais cultivados. As informações do Censo Agropecuário indicam presença significativa de mandioca, bovinos e equinos, na grande maioria dos estabelecimentos rurais, além de outras culturas representativas como a couve, rúcula, beterraba, brócolis, rabanete, cenoura, salsa, cana e pêssego. Outra perspectiva faz menção aos cultivos que possuem maior área de produção, tal informação, indicada pela Emater/RS, aponta para carne bovina e arroz como os que mais despendem áreas produtivas. Destaca-se também a produção de leite, rabanete, rúcula e alface. Com exceção dos bovinos, os produtos que estão com maior representatividade frente aos estabelecimentos rurais não apresentam maiores áreas cultivadas. Este fato indica, como no caso do arroz, a concentração de determinados produtos em poucas propriedades.

21Por fim, podemos identificar as culturas com maior produção no município, ou seja, que apresentam maior quantidade produzida. A esse respeito, as informações da Emater/RS e do Censo Agropecuário contradizem-se em muitas situações, entretanto, sinalizam para maior produção de gêneros da horticultura, fruticultura e da criação animal. Os principais produtos, com relação à quantidade, são: arroz, alface e aves. Outros também se destacam, é o caso da berinjela, beterraba, cana-de-açúcar, cana forrageira, couve, mandioca, melão, pêssego, rabanete, rúcula, tomate e os suínos. Desses a grande maioria apresenta significativa participação comercial na Ceasa/RS (2009), a exceção do arroz produzido diretamente por uma empresa; mandioca, provavelmente direcionada ao mercado local; pêssegos, comercializados em grandes quantidades na Festa do Pêssego e na venda direta ao consumidor; suínos, com a integração com agroindústrias; e, por fim, cana forrageira e cana-de-açúcar para alimentação essencialmente do gado.

22Com base nessas informações, podemos categorizar os cultivos no município de Porto Alegre sob duas grandes situações. A primeira sob a óptica de uma agricultura empresarial, conduzida por empresas rurais representadas, entre outras, pelas marcas Perdigão e Arroz Tio João. Essas se dedicam essencialmente a produção de arroz, animais e rações, conduzidas de forma própria ou através da integração com agricultores familiares. São representados por poucos estabelecimentos que, entretanto, atingem significativamente grandes quantidades de produção. A comercialização junto aos seus consumidores é conduzida por essas empresas diretamente, não passando, desta forma, pela Ceasa/RS ou mercados locais.

23A segunda situação é caracterizada por uma agricultura desenvolvida através de produtores familiares, ou seja, estabelecimentos que são conduzidos e manejados de forma direta por seus proprietários, familiares e sócios. Os estabelecimentos rurais, geridos por esses agricultores, representam a grande maioria das propriedades rurais do município, apresentam tamanhos diversos, sendo em sua grande maioria pequenas propriedades. Esses agricultores, comparados a situação anterior, desenvolvem cultivos com grande diversidade entre eles, assim como internamente em seus estabelecimentos rurais. São cultivados hortifrutigranjeiros, de forma geral que são comercializados basicamente junto ao mercado local, através da Ceasa/RS, feiras, festa, entre outras situações.

Mapa 2 - Porto Alegre: Famílias de Agricultores Atendidas pela Emater/RS (2009)

Mapa 2 - Porto Alegre: Famílias de Agricultores Atendidas pela Emater/RS (2009)

FONTE: Emater/RS. Relatório do Público Atendido pela Emater/RS. Elaborado por Éverton de Moraes Kozenieski.

  • 14 A concentração “sul” contempla as atividades agrícolas presentes nas imediações dos bairros Belém V (...)

24Com relação à localização das atividades agrícolas no município, podemos considerar que os dados disponibilizados apresentam características comuns. As informações disponibilizadas pela Emater/RS (mapa 2), que se concentra na agricultura familiar, e do Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre (mapa 3), voltada ao uso e ocupação do solo, demonstram que, de forma geral, há concomitância de atividades em determinadas localidades. Isto fica expresso pela presença agrícola em vários pontos ao sul do município e também pela concentração de estabelecimentos com atividades agrícolas em duas regiões de Porto Alegre, que são por nós denominadas: “sul”, e “extremo sul”14. Algumas divergências entre essas informações são perceptíveis, principalmente com relação ao norte do município. Provavelmente a atuação da Emater/RS não se configura nessa situação devido à agricultura empresarial desenvolvida nesta localidade.

Mapa 3 - Porto Alegre: Uso e Ocupação do Solo (2008)

Mapa 3 - Porto Alegre: Uso e Ocupação do Solo (2008)

FONTE: Hasenack, Heinrich et al. (Coord.) Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre. 2008. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.

25As informações demonstram também a incompatibilidade de usos urbanos com usos rurais, ou seja, espaços com forte concentração de atividades econômicas urbanas condicionam a não existência de atividades rurais. Essa situação evidencia a presença agrícola na porção periférica da cidade de Porto Alegre, encaixando-se como oposto da expansão urbana registrada.

26As informações com relação à localização dos estabelecimentos rurais que comercializadas na Ceasa/RS (mapa 4) e os que participam como atrativos de cunho turístico, representado pelos Caminhos Rurais (mapa 5), compactuam com os dados da Emater/RS, demonstrando que ambas as estruturas apresentadas estão vinculadas à agricultura familiar. Isto fica evidente, pois as concentrações de ambas estão em localidades nos quais os atendimentos realizados pela Emater/RS também estão. Contudo, tanto o turismo quanto a Ceasa/RS não abarcam todas as situações da agricultura familiar em Porto Alegre, pois determinados espaços não constam nestas informações. É o caso de algumas situações presentes no bairro Belém Novo e ao norte do município.

Mapa 4 - Porto Alegre: Comercialização Ceasa/RS (2008)

Mapa 4 - Porto Alegre: Comercialização Ceasa/RS (2008)

FONTE: Ceasa/RS. Relatório Anual por Usuário (2008). Elaborado Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.

27As informações representadas pelos atrativos vinculados a produção primária junto aos Caminhos Rurais e, principalmente, a Ceasa/RS apresentam estabelecimentos agrupados tanto na concentração “sul” como também no “extremo sul”. Outro ponto que podemos destacar, é que as atividades vinculadas ao turismo, mesmo compartilhando localizações próximas, não comercializam na Ceasa/RS, demonstrando que ambas as situações não são compatíveis. Fato alicerçado nas características das formas produtivas, pois o turismo está vinculado à produção de hortifrutigranjeiros agroecológicos e de produtos com características diferenciadas, acarretando uma produção reduzida com maior valor agregado. Já a comercialização na Ceasa/RS exige maior produtividade, sendo executada através da produção com características convencionais com uso de insumos químicos. Assim, podemos considerar que junto à agricultura familiar existem diversas forma de produção e de comercialização, representadas em parte por uma produção convencional, com a comercialização, entre outras, na Ceasa/RS; e a produção ecológica, sem comercialização na Ceasa/RS, abertas ou não a visitação turística.

Mapa 5 - Porto Alegre: Caminhos Rurais (2009)

Mapa 5 - Porto Alegre: Caminhos Rurais (2009)

FONTE: Roteiro Turístico dos Caminhos Rurais (2009). Elaborado Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.

28Com base no que aqui foi apresentado, podemos considerar que a agricultura está localizada em oposição à cidade, fato que somado a dinâmica de expansão de uso do solo urbano diminuíram, com o tempo, as possibilidades de realização de práticas agrícolas no município. Esses espaços destinados a produção primária estão relegados a espaços periféricos as estruturas urbanas. De forma geral, os estabelecimentos rurais estão agrupados nas concentrações “sul” e “extremo sul”, apresentando em cada uma dessas situações relações distintas ao que se refere à vizinha com outros usos relacionados à dinâmica da cidade. Apesar da identificação de muitos estabelecimentos rurais destinados a agricultura, não é possível mensurar precisamente o número total e suas respectivas áreas, tendo em vista o conjunto de informações desencontradas.

O planejamento e a agricultura

29As transformações ocorridas no município foram acompanhas pelas tentativas de controlar novas tendências presentes à realidade da cidade, assim como a tentativa de planejar o futuro para o município. O planejamento municipal, expresso nos diferentes planos diretores (1914, 1959, 1979 e 1999), e a tributação municipal, analisadas por nós através dos impostos territoriais, são registros das transformações sociais no município.

30O instrumento de planejamento plano diretor surgiu em Porto Alegre com foco na resolução de demandas geradas pelo setor urbano. O crescimento demográfico, os problemas sanitários e a mobilidade foram algumas demandas que incentivaram a construção destes planos. Tendo em vista tais necessidades, os primeiros planos tinham objetivos que incidiam diretamente no núcleo central. Com o crescimento da cidade, os planos foram ampliando seu raio de ação ao ponto de incorporar o município como um todo em 1959. A zona rural, o sul do município e as atividades agrícolas, portanto, tiveram menor destaque ao longo dos planejamentos realizados

31Os planos diretores analisados indicam a presença de três condições espaciais distintas referentes às tipologias urbano e rural. A primeira é formação essencialmente citadina, no qual os problemas urbanos são latentes. Trata-se do espaço densamente habitado, cuja paisagem retrata formas fortemente artificializadas e relações sociais tipicamente urbanas. Acompanhou o movimento de crescimento do município, pois teve suas dimensões ampliadas conforme o crescimento demográfico e da cidade. Representa a totalidade do planejamento de 1914 e hoje compreende, além do atual Centro Histórico, áreas de ocupação intensiva ao norte do município.

32A segunda formação é a delimitada Zona Rural. Nela encontramos um regime jurídico específico, com uma forma de tributação diferenciada (ITR - Imposto Territorial Rural), que apresenta valores muito inferiores ao IPTU – Imposto Territorial Urbano; regime de parcelamento mínimo do solo regido pelo Estatuto da Terra, delimitada em um módulo fiscal, fato que não impediu um grande número de loteamentos clandestinos. Além de ser um espaço essencialmente definido, no plano teórico, pela produção primária. Esteve presente no planejamento municipal nos planos diretores de 1959 e 1979 (mapa 6), figurando por 40 anos até sua extinção no plano diretor de 1999.

  • 15 Os mapas 3 e 6 identificam e localizam as zonas urbanas de ocupação intensiva e extensiva.

33A terceira toma forma como zona urbana extensiva15, a qual, desde que começou a figurar em 1959, representa um espaço de baixa ocupação. Foi utilizada para diferentes fins, como uso residencial, comercial e também produção primária, podendo ser reconhecida como área de transição entre as zonas de ocupação intensivas e a delimitada zona rural. A condição de ocupação extensiva permitiu a existência de práticas agrícolas e inclusive, até 1996, os agricultores poderiam optar pelo imposto territorial que iriam pagar.

34O PDDUA (1999) extingue a zona rural de Porto Alegre. Passou também a classificar a zona de ocupação extensiva e a zona rural como Cidade Rururbana, na qual há convergência de usos e ocupação de diferentes naturezas. Adota-se, portanto a concepção de que “tudo é cidade” em Porto Alegre. As motivações para tal mudança são de ordem tributária, uma vez que o município e responsável pelo recolhimento do IPTU e o ITR é de atribuição da União, e de ordem sócio-espacial. Como salienta Schnädelbach (2004),

Muito mais que a classificação oficial, “zona rural”, e uma reorganização tributária, pela substituição de um imposto territorial rural por um territorial urbano, o que se tem é a concretização, na forma da lei, de uma realidade que vem se manifestando a décadas. Em Porto Alegre, a cidade está progressivamente ocupando os espaços não construídos e, em especial, os espaços destinados à produção agrícola. (p. 53)

Mapa 6 – Porto Alegre: PDDU - Modelo Espacial e Divisão Territorial (1979)

Mapa 6 – Porto Alegre: PDDU - Modelo Espacial e Divisão Territorial (1979)

FONTE: Porto Alegre, [1979], p. 10. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.

35O atual plano diretor, mesmo extinguindo a zona rural, manteve alguns destaques com relação à agricultura no planejamento, com a definição de áreas para sua execução. A esse respeito, encontramos junto à concentração “extremo sul” áreas destinadas à agricultura. Entretanto, junto à concentração “sul” não há destinação de áreas agrícolas, sendo essa localizada, em boa medida, na área de ocupação intensiva. Essa situação coloca a agricultura no município em diferentes perspectivas de futuro, pois boa parte da atual produção primária do município é desenvolvida nas áreas previstas pelo planejamento, enquanto outras não são realizadas em áreas com tais determinações. Cabe destacar que as ações de incentivos (tributação, feiras, espaços para comercialização dos produtos, assistência técnicas) realizados tanto pela prefeitura municipal, quanto pelas demais intuições atuantes junto aos agricultores não os distinguem frente a sua localização.

  • 16 O PDDUA não prevê mais a cobrança de ITR no município. Aos agricultores que comprovarem atividades (...)

36Tendo em vista o conjunto, podemos afirmar que há contradições entre as atividades agrícolas realizadas no município, o planejamento municipal e as ações da prefeitura. Dessa forma, podemos considerar que essa atividade é por vezes incentivada e em outros momentos desincentivada, apresentando diferenças entre o real e o concebido no planejado. Assim, como principais incentivos à agricultura, por parte da prefeitura municipal e outras instituições atuantes no município, verifica-se a isenção tributária16, a assistência técnica, os espaços privilegiado para comercialização dos produtos. No ponto de vista da localização da agricultura destaca-se o reconhecimento e destinação à produção agrícola junto ao “extremo sul” do município no atual plano diretor. Nesse sentido, as atividades rurais desenvolvidas nessa parte de Porto Alegre são reconhecidas e, de certa maneira, protegidas junto ao planejamento.

37Por outro lado, como principais ações que desincentivam à agricultura, temos a definição de que “tudo é cidade no município” e, consequentemente, a adoção de parâmetros urbanísticos condizentes com tais situações. Tais definições urbanísticas, como o parcelamento mínimo de um lote, propiciam a valorização dos imóveis e a transformações dos usos destes. Do ponto de vista da localização podemos salientar que o plano diretor defini parâmetros urbanos onde há práticas agrícolas (concentração “sul”). Tal fato, de certa maneira, decreta a inevitável extinção das atividades realizadas em tais localidades por usos solo tipicamente urbanos.

As perspectivas dos agricultores

38As diferentes informações obtidas por meio das entrevistas com os agricultores caracterizam a agricultura no município de Porto Alegre sob perspectivas desses sujeitos. Desse modo, observam-se as transformações ocorridas a partir da escala das unidades de produção, na qual diferentes atividades cotidianas demonstram as dinâmicas e os processos envoltos junto às atividades agrícolas. Desse modo, buscamos identificar as diferentes territorialidades envolvidas nas unidades de produção, em suas dimensões econômica, política e cultural. Compactuamos com a perspectiva teórica de Saquet (2009, p. 87), a qual compreende que a territorialidade

[...] efetiva-se em distintas escalas espaciais e varia no tempo através das relações de poder, das redes de circulação e comunicação, da dominação, das identidades, entre outras relações sociais realizadas entre sujeitos e entre estes com seu lugar de vida, tanto econômica como política e culturalmente.

39As informações obtidas demonstram a efetivação de uma dinâmica econômica expressa através de duas territorialidades singulares. Essas dinâmicas econômicas são caracterizadas pela correlação de diferentes elementos, como: os produtos, as características produtivas, outras formas de renda familiar e distintas formas de comercialização. Dessa forma, as escolhas produtivas realizadas pelos agricultores trazem consigo outras opções para o desenvolvimento das relações econômicas. Vinculado a tais noções podemos considerar as escolhas produtivas, nesse caso convencional e orgânica, condicionam os outros elementos econômicos, como os produtos e os caminhos para a comercialização.

40Vinculado a tais noções, podemos distinguir as territorialidades econômicas como convencional e orgânica. Na primeira, há utilização de agrotóxicos e outros defensivos agrícolas, além de adubos de origem variada. Cultivam-se, nessa situação, produtos visando a maior produtividade possível, apresentando menor variedade de produtos cultivados. A comercialização nessa situação é direcionada principalmente para a Ceasa/RS, contudo pode ser encaminhada, eventualmente, para festas e para supermercados. Esse tipo de produção praticamente inviabiliza a realização de outras atividades não agrícolas. As rendas extras, nessa situação, ficam registradas através das aposentadorias. De uma forma geral, essa territorialidade, com suas feições econômicas, apresenta redução da lucratividade, principalmente pela concorrência comercial com agricultores de outras regiões, pela estagnação dos valores de venda dos produtos comercializados e pela elevação dos preços dos insumos. O pêssego exemplifica tal problema da concorrência com outros produtores, segundo o Agricultor E, “E quando tinha demais aqui, tinha em excesso, ia pra Caxias vender, pra Vacaria. Ia naquela região vendia, agora hoje vem, 90% da produção vem de lá”.

41A outra situação é definida através dos agricultores que adotam princípios produtivos sem o uso de produtos sintéticos e qualquer outra forma de químicos junto aos cultivos. A produção apresenta grande diversidade, sendo cultivada conforme o perfil ambiental de cada estação. A comercialização dar-se-á essencialmente através das feiras ecológicas realizadas no município de Porto Alegre. Essa territorialidade mostra-se em crescimento. Suas características possibilitam às famílias dos agricultores, que estão nessa condição, realizarem outras atividades não agrícolas, como o turismo rural através dos caminhos rurais e a fabricação de produtos agroindustriais. As aposentadorias também estão presentes nessa situação. Por fim, destaca-se a ação transformadora das atividades extensionistas da Emater/RS ao incentivar e disponibilizar mecanismos para o auxílio à produção de orgânicos.

42Cabe destacar ainda que a industrialização está presente no contexto agrícola de Porto Alegre, através das ferramentas e tratores utilizados pelos agricultores. Contudo, há outras duas situações distintas na qual as atividades industriais relacionam-se com a agricultura. Na primeira há uma relação de aquisição de produtos industriais para a agricultura que se manifesta através da compra de adubos, pesticidas, fungicidas e outros insumos químicos. Na outra situação, a industrialização é promovida pelas próprias famílias dos agricultores, através da elaboração de produtos agroindustriais como geléias, temperos, entre outros, para venda nas feiras ecológicas e durante as visitas turísticas.

43As expressões culturais apresentam-se sob uma diversidade de situações. O apreço para com o trabalho é uma perspectiva, já que existem circunstâncias nas quais os agricultores sentem-se valorizados. Em outras situações temos relações de afinidade com a profissão ou simplesmente um continuísmo perante as possibilidades existentes. Em certos momentos, tem-se, por parte dos agricultores, a determinação de permanecer nas atividades agrícolas e, em outras não.

44As entrevistas indicam a existência de duas territorialidades marcantes quanto a essa situação. A primeira é expressa através da identidade com o lugar e as atividades agrícolas. É marcada pelo prazer com relação às praticas agrícolas e mantém-se mesmo com a forte especulação imobiliária. Exemplifica essa situação o Agricultor E, “Então, a gente se realiza quando planta e que tudo dá certo, produz uma produção bonita que a gente consegue comercializar bem, então ai é a hora que a gente se satisfaz, fica realizado. A gente gosta de plantar e ver crescer e ver colher, tudo é uma satisfação. Então é ai que segura a gente na roça”. Nessa situação, encontram-se agricultores com características convencionais e essencialmente os produtores orgânicos.

45Num segundo conjunto, temos uma territorialidade marcada pela estagnação. No qual temos determinados agricultores que não querem mudar de profissão e, tão pouco, buscar novas alternativas. “Eu te digo, se eu fosse mais novo eu ia parar, vou fazer 60 anos. Mas se eu tivesse, vamos supor, 30 e poucos, eu ia parar. Nem que fosse para trabalhar de empregado, pra tocar caminhão” (Agricultor C). Essa situação marca essencialmente os produtores com características econômicas convencionais que apresentam idades elevadas.

46Do ponto de vista político temos as ações centradas basicamente no Sindicato Rural Patronal de Porto Alegre e na Associação dos Caminhos Rurais. O sindicato representa os interesses dos agricultores com perfil produtivo convencional, enquanto que a associação apresenta maior relevância para os integrantes dos roteiros turísticos. Basicamente através dessas duas instituições que são encaminhadas as reivindicações e são realizadas as articulações entre os agricultores. Cabe destacar, contudo, que o descrédito e a pouca participação são marcas significativas. “Pra mim não serve, não vai render nada. Não vai render nada pro país” (Agricultor J). Verifica-se certa competitividade entre os agricultores, fato que dificulta a cooperação e a busca de ações conjuntas.

47Essas diferentes territorialidades não existem separadamente, pois elas relacionam-se e interagem. Tal fato pode ser exemplificado através da relação das territorialidades econômicas com as dinâmicas culturais, nas quais os produtores convencionais que estão passando por dificuldades econômicas apresentam mais facilmente descrédito e desanimo com relação à agricultura. Em situação oposta, aqueles que estão em uma situação de melhora econômica, apresentam maior satisfação com suas atividades. Tal situação pode ser demonstrada também através das relações culturais que incentivam determinadas práticas econômicas. Nesse sentido, muitos agricultores que são resistentes as novidades, preferem realizar seus cultivos da forma como eles aprenderam com seus pais. Perpetuando, assim, cultivos e características produtivas que atualmente não são lucrativas.

48Por fim, cabe frisar que existem relações distintas com a cidade conforme a localização das unidades de produção. Perante as informações obtidas, observou-se a tendência de maior valorização imobiliária dos imóveis próximos as áreas densamente ocupadas. Os agricultores entrevistados que estão em meio a essa situação referiram-se com intensidade sobre essa questão. Registram-se também preocupações sobre outros temas, de forma diferenciada, por esses agricultores. Questões relativas a invasões e roubos aparecem nessas falas, da mesma forma manifestações de satisfação com a presença de infraestruturas e a maior quantidade de estabelecimentos comerciais como comércio, bancos, estradas asfaltadas, maior número de linhas de ônibus, entre outros. A maior proximidade aos aglomerados urbanos traz consigo, dessa forma, vantagens e desvantagens para nossos agricultores entrevistados.

  • 17 Município da Região Metropolitana de Porto Alegre.

49A valorização imobiliária configura-se como a maior promotora das transformações das propriedades agrícolas em outras formas não agrícolas. Ela propicia, em alguns casos, a venda das propriedades que desenvolviam atividades agrícolas e consequentemente a migração desses ex-agricultores de Porto Alegre. Ao vender, os agricultores compram terras em outros municípios com áreas muito superiores as que eles tinham anteriormente, trocam de profissão, ou mesmo vivem de rendas bancárias. O Agricultor B dimensiona a valorização dos imóveis através do que ocorreu com seu vizinho, uma vez que “Ele vendeu esse pedaço de terra aqui, onde fizeram o condomínio, aqui era dele. Ele trocou com 2 hectares, 3 de terra, por 300 hectares de terra lá em São Jerônimo17”. Os filhos dos agricultores, de forma geral, são pouco incentivados a realização dessas atividades, posteriormente ao falecimento dos pais acabam por vender as terras.

50Cabe destacar que os agricultores mais afastados da cidade pouco mencionaram o tema da valorização imobiliária, dos roubos e das invasões, preocuparam-se fundamentalmente com questões relacionadas à reprodução familiar, como a sucessão familiar. Desse modo, as ações de desincentivo à agricultura induzidas pelo Plano Diretor tomam forma, especialmente, na concentração “sul”.

Considerações finais

51Procuramos no decorrer desse estudo, analisar a agricultura realizada no município de Porto Alegre frente ao processo de extinção dos espaços destinados a essa atividade. Em meio a esse contexto, buscamos compreender os principais elementos econômicos, políticos e culturais, mantenedores da agricultura e dos espaços destinados a essa prática. Durante a pesquisa muitas informações e considerações foram geradas, sucintamente apresentadas na sequência.

52No que se refere especialmente à atividade agrícola, podemos destacar que estas estiveram, e estão, presentes em todos os momentos históricos do município. Apresentou diferentes características produtivas e localizacionais, conforme o período histórico. Destaca-se que os espaços que potencialmente podem ser destinados a esta atividade vem diminuindo gradativamente em todos os momentos diante da expansão da cidade de Porto Alegre. No norte do município houve efetivou-se de forma mais intensa a expansão da cidade e de seus usos, enquanto que no sul há uma ocupação com menor intensidade e mais recente.

53No que se refere às características das atividades agrícolas atualmente realizadas em Porto Alegre destaca-se uma série de elementos, entre os quais temos a estrutura fundiária. Ela é caracterizada, em sua grande maioria, por propriedades inferiores a 50 hectares, assinalado uma estrutura fundiária de pequenas propriedades. Os cultivos realizados no município de Porto Alegre estão orientados em duas situações. A primeira, sob a óptica de uma agricultura empresarial conduzida por empresas rurais, apresentando poucos estabelecimentos com as maiores áreas, pouca diversidade de cultivos e grandes quantidades produzidas. A segunda situação é caracterizada por uma agricultura desenvolvida através de produtores familiares, ou seja, estabelecimentos que são conduzidos e manejados de forma direta por seus proprietários, familiares e sócios. Apresentando maior diversidade de cultivos, áreas produtivas menor e consequentemente quantidades totais produzidas mais reduzidas.

54De forma geral os produtos cultivados são hortifrutigranjeiros e estão localizados principalmente na periferia da cidade, principalmente no sul do município. Cabe destacar, com relação à localização, que é possível identificar concentrações de propriedades que realizam atividades agrícolas, por nós denominadas, como: “sul” e “extremo sul”. Na concentração “sul” há maior proximidade com aglomerados urbanos que na situação da concentração “extremo sul”.

55Ressalta-se as contradições entre os dados sobre a agricultura em Porto Alegre, como: número de propriedades, tamanhos, números de agricultores, produção e produtividade. Essas informações contraditórias dificultam as análises sobre a situação da agricultura em Porto Alegre e consequentemente podem comprometer iniciativas de desenvolvimento junto à agricultura e outras atividades de gestão e de planejamento municipal.

56O planejamento municipal, por meio dos planos diretores, reconhece a presença das atividades agrícola no município desde o Plano Diretor de 1959, no momento em que incorporou totalmente o território município ao planejamento. De modo geral, os planejamentos enfatizaram as problemáticas urbanas de forma mais intensa, deixando, assim, a agricultura em uma posição de pouco destaque. Contudo, as áreas próprias à agricultura são destacadas desde a delimitação da zona rural e, posteriormente a extinção dessas e a adoção do conceito de que tudo é cidade, com a presença dessa atividade em zonas urbanas com delimitada área para seu desenvolvimento.

57O atual plano diretor destina áreas à produção primária no sul do município, coincidentes à concentração “extremo sul”, identificada na pesquisa. Contudo, parte do território do município que atualmente tem estabelecimentos rurais e práticas agrícolas, como a concentração “sul”, não constam no planejamento com esses usos. No caso da concentração “sul” boa parte dela consta, no atual plano diretor, como “área de ocupação intensiva predominantemente residencial”. Tal situação incentiva as transformações sócio-espaciais nesses bairros, culminando na acentuação do processo de extinção dos estabelecimentos destinados à agricultura.

58A efetivação de tal situação pode ser observada a partir das entrevistas com agricultores. Quando esses, principalmente os localizados na concentração “sul”, destacam a presença da valorização imobiliária em seus bairros, além de outras vantagens e desvantagens advindas da vizinhança aos aglomerados urbanos. Tal situação difere dos demais agricultores entrevistados, que enfatizaram outras questões como preponderantes.

59As entrevistas propiciaram, além disso, identificar as diferentes territorialidades presentes em meios às práticas e às atividades realizadas pelos agricultores. Essas territorialidades, reflexos das escolhas e ações de nossos entrevistados, expressam-se sob feições econômicas, políticas e culturais. Em síntese, podemos considerar a presença de duas marcantes territorialidades. A primeira expressa-se por meio da identificação com o lugar e as atividades agrícolas. Ela é marcada pelo prazer demonstrado pelos agricultores em suas atividades e que mesmo com a forte especulação imobiliária, mantêm-se. Nessa situação encontram-se agricultores com características convencionais e essencialmente os produtores orgânicos. Num segundo conjunto temos uma territorialidade marcada pela estagnação, no qual temos determinados agricultores que não querem mudar de profissão e tão pouco, buscar novas alternativas. Essa situação marca essencialmente os produtores com características econômicas convencionais que apresentam idades elevadas. Em ambas as situações a participação política, a organização e o poder de reivindicações são reduzidos.

60Tendo em vista o conjunto, podemos considerar que a permanência dos espaços destinados as atividades agrícolas em Porto Alegre pode ser percebida em distintas escalas. Em uma escala mais ampla, em nível municipal, há a tendência de transformações sócio-espaciais que culminam na extinção dos espaços destinados à agricultura. Tal situação está mais presente na concentração “sul” do município do que na concentração “extremo sul” de estabelecimentos rurais. Tais diferenças estão amparadas no planejamento municipal, sendo percebido ou não pelos agricultores em seu cotidiano. Na escala local, focada nas unidades de produção, podemos identificar que a manutenção dos espaços destinados à agricultura configura-se essencialmente sob duas territorialidades. A primeira de resistência, marcada pela identidade e a satisfação com as atividades agrícolas, e a segunda do continuísmo, destacada pela estagnação.

61Sobre as perspectivas futuras da agricultura no município, considerando o conjunto de elementos citados e a manutenção da mesma, acreditamos que a agricultura tende a diminuir de forma relevante nas próximas décadas. Contudo, projetar o futuro, nessa situação, é uma grande pretensão, pois estamos considerando os elementos que, atualmente, estão latentes. Há, pois, a possibilidade de fatos novos ocorrerem e criarem outras perspectivas futuras. Nesse sentido, maior fomento à agricultura através de incentivos fiscais, ampliação de pontos comerciais, garantias junto ao planejamento urbano do município, ou mesmo, maior força à ação extensionista da Emater/RS, são exemplos de mudanças que podem reverter ou desacelerar essa perspectiva negativa de mudança. Contudo, toda e qualquer mudança de incentivo das atividades agrícolas devem passar pela multidimensionalidade que representa essa prática, ou seja, através: da rentabilidade econômica; do reconhecimento e da satisfação profissional; da organização e da cooperação política, entre os agricultores e as instituições que zelam por eles.

Haut de page

Bibliographie

Hasenack, Heinrich et al. (Coord.) Diagnóstico ambiental de Porto Alegre. Geologia, solos, drenagem, vegetação/ocupação e paisagem. Porto Alegre: Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 84p., 2008.

Lefebvre, Henri. O direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias. 5ª edição. São Paulo: Centauro, 2008.

Marques, Marta Inez Medeiros. “O conceito de espaço rural em questão”. Terra Livre, Rio de Janeiro, n. 19, p. 95-112, 2002.

Mertz, Marli Marlene. “Breve retrospectiva histórica da agricultura na Região Metropolitana de Porto Alegre”. In: Grando, Marinês Zandavali; Miguel, Lovoir Andrade (orgs). Agricultura na região Metropolitana de Porto Alegre. Aspectos históricos e contemporâneos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002. pp. 13-41.

Porto Alegre. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano. Planejar para viver melhor. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, [1979].

__________. Secretária de Planejamento Municipal. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental. PDUUA. Disponível em: http://www.portoalegre.rs.gov.br/planeja/spm/default.htm. Acesso em: 01 jun. 2009.

Quivy, Raymond; Campenhoudt, Luc Van. Manual de investigação em Ciências Sociais. 3. ed. Lisboa: Gradiva, 2003.

Saquet, Marcos Aurélio. “Por uma abordagem territorial”. In: Saquet, Marcos Aurélio; Sposito, Eliseu Savério. Territórios e territorialidades. teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular / Unesp, 2009. pp. 73-94.

Schnädelbach, Carla Villanova. A noção da ruralidade e a construção identitária de agricultores em um meio citadino. O caso da Vila Nova e arredores - Porto Alegre/RS. 2004. 1 v. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Ufrgs, Porto Alegre, 2004. f. 139.

Sobarzo, Oscar. “O urbano e o rural em Henry Lefebvre”. In: Sposito, Maria Encarnação Beltrão; Whitacker, Arthur Magon. Cidade e campo. relações e contradições entre urbano e rural. São Paulo: Expressão Popular, 2006. pp. 53-64.

Souza, Célia Ferraz de; Muller, Dóris Maria. Porto Alegre e sua evolução urbana. 2 ed. Porto Alegre: Ed da UFRGS, 2007.

Suzuki, Júlio César. “Modernização, Território e Relação Cidade-Campo. Uma outra leitura da modernização da agricultura”. In: Medeiros, Rosa Maria Vieira; Falcade, Ivanira. Tradição versus Tecnologia. As novas territorialidades do espaço agrário brasileiro. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2009. pp. 241-254.

Triviños, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais. A pesquisa qualitativa em educação. 1. ed.17 reimpr. São Paulo: Atlas, 2008

Wanderley, Maria de Nazareth Baudel. O mundo rural como um espaço de vida. Reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2009.

Haut de page

Notes

1 Assumimos ao longo da pesquisa a perspectiva de Lefebvre (2008) e Sobarzo (2006) para os quais cidade e campo podem ser lidos como uma morfologia material, um dado prático-sensível, arquitetônico, resultado das primeiras e fundamentais divisões do trabalho. Urbano e rural, por sua vez, são concebidos como uma morfologia social, realidades sociais composta por relações de diferentes ordens e dimensões.

2 “[...] conjunto principal de atividades, relativas aos cultivos e aos sistemas criatórios, presentes no campo, conforme se convencionou nos estudos de Geografia da Agricultura.” (Suzuki, 2009, p. 241).

3 Assumimos ao longo do estudo o espaço rural, em consonância com Marques (2002, p. 109), como “[...] um meio específico, de características mais naturais do que o urbano, que é produzido a partir de uma multiplicidade de usos nos quais a terra ou o ‘espaço natural’ aparece como um fator primordial, o que tem resultado muitas vezes na criação e recriação de formas sociais de forte inscrição local, ou seja, de territorialidade intensa”. De mesmo modo, partimos da compreensão de Wanderley (2009), a qual indica a crescente presença de novos atores coletivos no meio rural para além do camponês.

4 Prefeitura Municipal – Centro Agrícola Demonstrativo e Secretaria Municipal de Planejamento, Emater/RS (Associação Rio-Grandense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural), Ceasa/RS (Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul), Sindicato Rural Patronal de Porto Alegre e Associação dos Caminhos Rurais de Porto Alegre.

5 Aquisição de informações disponíveis nas entidades que participaram das entrevistas exploratórias e nas seguintes instituições: FEE (Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser), INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

6 Optou-se por uma amostragem não representativa definida por meio dos seguintes critérios: localização das unidades de produção, considerando a maior dispersão possível no município; diversidade de atividades produtivas e reconhecimento, agricultores que são reconhecidos pelos representantes das instituições que colaboraram com as entrevistas exploratórias e pelos outros agricultores entrevistados.

7 As questões-guia buscavam a trajetória pessoal do entrevistado, atividades econômicas realizadas nas unidades de produção, participação e atuação política e transformações percebidas no rural de Porto Alegre.

8 Análise amparada na perspectiva de Quivy e Campnhoudt (2003), sendo as categorias utilizadas: perfil dos agricultores, atividades econômicas, relações políticas, elementos culturais e percepções das transformações.

9 O município de Porto Alegre é capital do estado do Rio Grande do Sul (Brasil).

10 Relatório nacional de Cadastro Fundiário (2009)

11 Estimativa da Pesquisa de Produção Municipal e Consumo (2007).

12 A Emater/RS desenvolve ações junto às unidades de produção da agricultura familiar, remanescentes de quilombolas, assentados da reforma agrária, indígenas e pescadores profissionais artesanais.

13 Segundo o INCRA, em Porto Alegre o módulo fiscal é 5 hectares.

14 A concentração “sul” contempla as atividades agrícolas presentes nas imediações dos bairros Belém Velho, Vila Nova e Aberta dos Morros; “Extremo sul” faz menção as práticas nos bairros Chapéu do Sol, Belém Novo, Lami e Lageado. O mapa 2 localiza os bairros citados.

15 Os mapas 3 e 6 identificam e localizam as zonas urbanas de ocupação intensiva e extensiva.

16 O PDDUA não prevê mais a cobrança de ITR no município. Aos agricultores que comprovarem atividades agrícolas é concedida pela Prefeitura Municipal a isenção tributária do IPTU.

17 Município da Região Metropolitana de Porto Alegre.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Porto Alegre: Evolução Urbana (Meados do século XIX até 1980)
Crédits Fonte: Porto Alegre, [1979], p. 3. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 280k
Titre Mapa 2 - Porto Alegre: Famílias de Agricultores Atendidas pela Emater/RS (2009)
Crédits FONTE: Emater/RS. Relatório do Público Atendido pela Emater/RS. Elaborado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Mapa 3 - Porto Alegre: Uso e Ocupação do Solo (2008)
Crédits FONTE: Hasenack, Heinrich et al. (Coord.) Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre. 2008. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Titre Mapa 4 - Porto Alegre: Comercialização Ceasa/RS (2008)
Crédits FONTE: Ceasa/RS. Relatório Anual por Usuário (2008). Elaborado Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 352k
Titre Mapa 5 - Porto Alegre: Caminhos Rurais (2009)
Crédits FONTE: Roteiro Turístico dos Caminhos Rurais (2009). Elaborado Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 420k
Titre Mapa 6 – Porto Alegre: PDDU - Modelo Espacial e Divisão Territorial (1979)
Crédits FONTE: Porto Alegre, [1979], p. 10. Editado por Éverton de Moraes Kozenieski.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13167/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 453k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Éverton de Moraes Kozenieski et Rosa Maria Vieira Medeiros, « O rural agrícola na metrópole: o caso de Porto Alegre/RS », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 20 avril 2018, consulté le 20 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13167 ; DOI : 10.4000/confins.13167

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals