Navigation – Plan du site

Cartografia ambiental: um mapa de síntese

Cartographie environnementale: une carte de synthèse
Environmental cartography: a syntehesis map
Marcello Martinelli

Résumés

On se propose de faire des réflexions sur la Catographie Environnementale et de exposer une essai par une procédure analogique et graphique pour obtenir la carte des Types d'Environnement, une carte de synthèse.

Haut de page

Texte intégral

Brotas (SP)Afficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2009

1Nos dias atuais, a ampla divulgação de representações é um fato social por excelência. Elas são produtos do raciocínio humano e se dirigem a toda sociedade. É nesse contexto que se deve considerar a cartografia hoje. Assim balizada, regerá a elaboração de mapas com indiscutível participação no processo do conhecimento.

2A temática ambiental tem ganhado posição de destaque e motivado acirrados debates em foros das mais variadas instâncias. Os problemas ambientais são nitidamente sociais, pois emergem da sociedade e não da natureza. Esta é a posição a ser tomada para uma correta Educação Ambiental.

3Além desse conteúdo social, tal argumento é um problema político, exigindo do povo, da nação e do estado uma postura consciente diante das relações internacionais.

4Eventos internacionais recentes têm merecido evidente atenção pela sociedade. Foram relevantes, a RIO + 20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável sediada no Rio de Janeiro em 2012, que representantes de 193 países produziram o documento O futuro que queremos; a COP-21, Conferência do Clima da ONU realizada em Paris em 2015, que terminou com acordo para conter os efeitos do aquecimento global e a COP 22, United Nations Climate Conference efetuada em Marrakesh, Marrocos, em 2016, tendo iniciado uma nova etapa nas negociações internacionais para combater a mudança climática.

5Várias ciências, entidades de classe, organizações locais, nacionais e internacionais, como as já citadas, passaram a preocupar-se de uma forma cada vez mais premente com tal problemática.

6Inserida no universo da comunicação social, distingue-se a cartografia vista também como uma linguagem, a linguagem da Representação Gráfica, que como tal tem sua sintaxe, bem como sua semiologia (BERTIN, 1973; 1977).

7É marcante ressaltar que em sua história, fruto do florescimento e da sistematização dos diferentes ramos de estudos constituídos com a divisão do trabalho científico, operada no fim do século XVIII e início do século XIX, época da Revolução Industrial, a ciência cartográfica deu lugar à definição da Cartografia Temática, ao lado da Cartografia Topográfica, com maior atenção à representação das propriedades conhecidas do que apenas daquelas vistas, acerca dos aspectos, fatos ou fenômenos da realidade. É importante ressaltar que estas duas maneiras de ver o mundo mediante mapas se cristalizaram de forma historicamente sucessiva, principalmente ao longo do século XIX. Não houve passagem brusca, as representações temáticas não substituíram as topográficas e sim se acrescentaram paulatinamente a estas sob a demanda das ciências emergentes.

8Sua sistematização veio se confirmando a partir dos anos de 1850, quando Cheysson colocava que a primeira etapa de uma gramática gráfica seria uma classificação mediante a qualificação das formas de representação gráfica.

9Efetivamente, foi por ocasião do Terceiro Congresso Internacional de Estatística sediado em Viena (A) em 1857, que se propôs a primeira classificação dos variados métodos que surgiram no curso do século. Neste evento, o relatório da comissão organizadora, abordou de fato o Método Gráfico, colocando que os fenômenos susceptíveis de uma representação coresponderiam às divisões do saber. Assim, os mesmos foram classificados em quatro categorias e dispostos em quadro sinótico, de autoria desconhecida, conforme: 1 - A declaração da existência dos fatos, 2 - Representação das quantidades e intensidades, 3 - Representação das relações espaciais e 4 - Representação das relações temporais.

10O quadro revelava que havia interesse, seja por mapas como gráficos, pois não se limitava apenas às representações das estatísticas e, portanto, englobando todas as formas de expressão gráfica.

11Este quadro provocou críticas, entre os estudiosos, no sentido de incluir também os mapas isarítmicos, por pontos de contagem e por fluxos.

12O congresso de Londres em 1860 não trouxe grandes contribuições.

13Houve progressos somente depois de 1870, no Congresso de 1872, São Petersburgo, no qual Georg von Mayr da Alemanha, propôs avanços teóricos em seu relatório sobre métodos gráficos, sendo, depois, publicado em 1874. O autor retoma essa contribuição dois anos mais tarde (1876). Nos dois textos organiza a classificação dos métodos da estatística gráfica com enfoque na divisão entre gráfico e mapa. Assim se expressou: "o método gráfico compreende também a expressão geométrica dos dados estatísticos - o gráfico - bem como a representação das estatísticas em mapas dotados das unidades de observação - o mapa -" . Afirma que os dois métodos são distintos. Assim, surge como novidade o termo cartograma, que está no sentido geral de mapa estatístico.

14Na Exposição Universal de 1878, Paris, Émile Cheysson estabeleceu seu catálogo de métodos gráficos. Como uma originalidade acrescentou uma terceira categoria - a dos sólidos -, os estereogramas.

15Block ressalta que o Gráfico expõe melhor as relações de tempo e a Cartografia, as relações de espaço.

16Assim, de contribuição em contribuição passa-se ao início do século XX quando começa a se estabelecer um sistema de comunicação de tipo matemático, isto é, monossêmico, abrindo o caminho para a Semiologia Gráfica, a semiologia da Linguagem da Representação Gráfica.

17Desta feita, é neste contexto que se insere a Cartografia Ambiental (SALICHTCHEV, 1979; ROBINSON, 1982; PALSKY, 1996).

18Ao defrontar-se com a complexidade da realidade, essa cartografia deverá articular as diferentes maneiras de apreender dos vários ramos científicos, cada um concebendo uma escala espaço temporal adequada. Será uma cartografia que levará em conta, de um lado, a articulação dos diferentes níveis de análise, em conformidade com as ordens de grandeza em que os fenômenos da realidade se manifestam e de outro, as combinações e contradições que acontecem entre conjuntos espaciais definidos pelos fenômenos sob apreciação, em um mesmo nível espaço temporal (LACOSTE, 1976).

19Além do mais, nos dias de hoje, no contexto destes estudos e desta cartografia, não se pode desconsiderar o fato de que as sociedades industriais do pós-guerra têm promovido uma ampliação do tempo livre, visto até como conquista social, o qual foi sendo incorporado para criar novas necessidades – as do lazer – engendrando certo comportamento de demanda turística em busca de ambientes exóticos, trazendo implicações ao ambiente.

20Na sua história, a humanidade operou ações que vão desde relações simples de sobrevivência junto ao seu pedaço de mundo natural até uma progressiva dominação, engendrando grandes mudanças mediante artificialização, culminando com uma expressiva participação da tecnociência em um espaço globalizado, com permanente inovação. Assim, neste novo mundo, não se conta mais com a natureza natural, e sim, com uma natureza bastante artificializada, avaliada como recurso. Portanto, a nova expressão do espaço e do tempo passa ser o meio técnico-científico-informacional (SANTOS 1994).

21Na esfera da Cartografia ambiental é preciso levar em conta que esta possibilita elaborações em dois níveis de raciocínio: de análise e de síntese.

22A cartografia ambiental de análise se incumbe de representar um atributo ou uma variável isolada do ambiente ou vários elementos do mesmo tema, apenas em superposição ou em justaposição. Quando muito chega a uma síntese parcial ou a um mapa de correlação.

23A cartografia dos Tipos de Ambiente se concebe como uma cartografia ambiental de síntese, com o propósito de confirmar a identificação e delimitação de conjuntos espaciais, que são agrupamentos de áreas unitárias de análise caracterizados por agrupamentos de atributos e/ou variáveis que a pesquisa individualizou ( MARTINELLI, 1999; MARTINELLI e PEDROTTI, 2001; GARCÍA-ABAD ALONSO, 2002).

24Os agrupamentos resultantes devem ser homogêneos internamente e bem diferenciados uns dos outros. Portanto, considera-se diferenças mínimas dentro de cada grupo e diversidade máxima entre os grupos.

25Para entender tais lucubrações toma-se de empréstimo o trabalho experimental efetuado por GIMENO (1980) junto a escolares do primeiro ano do ensino fundamental de Paris. Eles foram orientados a organizar uma matriz de dados para colocar em relação um conjunto de animais com um conjunto de características.

26Este quadro permitiu descobrir uma tipologia dos animais. Após várias tentativas de permutações entre linhas e colunas da matriz vislumbrou-se a formação de três agrupamentos de animais caracterizados por três agrupamentos de atributos.

27Assim, mediante as duas matrizes exibe-se a passagem do raciocínio de análise para o de síntese. Das correspondências entre os animais (7) e seus atributos (6) passa-se aos grupos de animais (A, B, C) caracterizados por grupos de atributos (I, II, III) da figura 1.

Fig 1 – A passagem do raciocínio de analise para o de sintese

Fig 1 – A passagem do raciocínio de analise para o de sintese

Mediante reiteradas permutações entre linhas e colunas procura-se verificar se há formação de grupos.

Um ensaio

  • 1 Ensaio realizado na disciplina Cartografia Ambiental da Graduação do Departamento de Geografia da F (...)

28Com base no exposto empreende-se a elaboração de um ensaio de cartografia ambiental em pequena escala, visando uma tipologia1. Para tano, foi selecionada como área de estudo o território do estado de São Paulo, Unidade da Federação brasileira situada na porção sudeste do País, na altura do Trópico de Capricórnio.

29Na atualidade conta-se com um amplo leque de processos para essa preparação, que vão desde aqueles convencionais, cartográficos, analógicos como a superposição de mapas, até os mais sofisticados e objetivos atrelados à matemática e à estatística, incorporados nos mais variados e apurados sistemas de informações geográficas.

30Aplicar-se-á aqui um procedimento gráfico relativamente simples, mas que em sua concepção se avizinha aos raciocínios mobilizados pela análise fatorial complementada por uma classificação. Entra-se, assim, no domínio do tratamento e representação de dados multivariados.

31É o caso do emprego dos “Procedimentos matriciais” um dos métodos propostos por BERTIN (1973; 1977) para se chegar à cartografia de síntese. A síntese será obtida a partir de uma matriz de dados geográficos: nas colunas estão as unidades espaciais elementares de análise, nas linhas os atributos e variáveis selecionadas e nas células são colocados os dados absolutos ou relativos ou, ainda, números fracionários, do quanto da respectiva presença.

32Consideraram-se como unidades espaciais elementares de partida, as unidades do relevo compiladas do “Mapa geomorfológico do estado de São Paulo”, sendo o “Planalto centro-oriental” desdobrado em três grandes bacias: Grande, Paranapanema e Tietê com os demais tributários paulistas do Rio Paraná (ROSS e MOROZ, 1997) [Fig. 2 ].

[Fig. 2 ]As unidades espaciais elementares de análise do estado de São Paulo

[Fig. 2 ]As unidades espaciais elementares de análise do estado de São Paulo

33Para atributos e variáveis são levadas em conta as extraídas de mapas temáticos de análise elegidos [Fig. 3 ].

[Fig. 3 ] Os atributos e variáveis extraídas dos mapas temáticos de analise

[Fig. 3 ] Os atributos e variáveis extraídas dos mapas temáticos de analise

Fig 4 Mapa tematico de analise do estado de São Paulo

Fig 4 Mapa tematico de analise do estado de São Paulo
Fonte : Martinelli

Fig 5 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fig 5 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fonte: Martinelli

Fig 7 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo

Fig 7 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo

Fig 8 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo

Fig 8 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo

Fig 9 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fig 9 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fonte: Martinelli

34Fig 10 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fonte: Martinelli

35Fig 11 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fonte: Martinelli

Fig 12 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fig 12 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo

Fonte: Martinelli

36A matriz acima citada com os atributos e variáveis extraídas dos mapas temáticos de análise será transcrita para uma forma gráfica, dita matriz ordenável, como uma malha quadriculada, com células, as quais serão preenchidas por tamanhos proporcionais estabelecidos em cinco classes como 0, ¼, ½, ¾ e 1 inteiro de ocorrência [Fig. 13 ].

37Assim sendo, a matriz ordenável, aceitará permutações tanto das linhas como das colunas. Essas permutações serão feitas através de reiteradas aproximações entre as linhas e entre as colunas até se avizinhar entre si as que mais se assemelham, obtendo-se uma segunda imagem – a matriz ordenada –, podendo desvendar agrupamentos mais significativos de células com ocorrências mais elevadas, que estariam preferencialmente organizados em blocos dispostos em diagonal.

38Esta matiz, dita de interpretação, deve ser decifrada. Isto significa individualizar sobre a mesma, os agrupamentos de unidades espaciais elementares que se formaram, sendo caracterizados por agrupamentos de atributos e variáveis, orientando a construção da legenda.

39Assim, discerniram-se dez grupos de atributos e variáveis (de A até J) caracterizadores de dez grupos de unidades espaciais (de 1 até 10), que identificarão os "Tipos de Ambiente" (de I até X), que serão traçados sobre o mapa diferenciados por cores e legendados por epítetos, correspondendo à síntese [Fig. 14].

Fig 14 –Matriz de interpretação com a identificação dos tipos de ambiente, diferenciados por cores distintas

Fig 14 –Matriz de interpretação com a identificação dos tipos de ambiente, diferenciados por cores distintas

40A literatura recente sobre a cartografia ambiental sugere de estabelecer um sistema hierárquico dos tipos de ambiente divisados em vários níveis de organização. Esta alusão visa se obter uma clara e ágil articulação dos conjuntos espaciais de síntese, oferecendo à representação em mapa a possibilidade de se entrever as possíveis relações entre as mesmas e, ao mesmo tempo, de se controlar suas interconexões com os níveis mais altos e mais baixos da classificação.

41No presente ensaio, tal organização resulta plenamente compreensível mediante a organização da legenda que se compõem de dois níveis. O primeiro nível congrega, em uma aproximação, os conjuntos espaciais de hierarquia superior da regionalização do estado de São Paulo em base geomorfológica. O segundo nível corresponde aos tipos de ambiente propriamente ditos definidos pelo ensaio (ALMEIDA, 1964; IPT, 1981; ROSS e MOROZ, 1997).

Litoral

42Tipo X – Litoral e baixada do Ribeira, com exígua agricultura, florestas em morros isolados mais elevados e clima úmido dominado pela massa tropical.

Planalto atlântico

43Tipo I – Planaltos elevados do entorno do Vale do Paraíba e contrafortes da Serra da Mantiqueira com pastagens, florestas em reversos da Serra do Mar, em cumeadas elevadas com clareiras de campos de altitude em clima úmido e tipicamente frio no inverno.

44Tipo II – Colinas e vale do Rio Paraíba com higroculturas de caráter singular, com poucas áreas residuais de florestas em clima úmido.

45Tipo III – Borda interior do Planalto cristalino de altitudes médias a algumas mais elevadas, com alto dinamismo e densidade demográfica media a alta com boa cobertura florestal na porção centro-sul, dotada de climas controlados por massas equatoriais, tropicais e polares.

46Tipo IV – Escarpas, morros e esporões das serras Paranapiacaba, do Mar e altos do Turvo, bastante florestados, em climas controlados por massas equatoriais, tropicais e polares.

47Tipo IX – Colinas de São Paulo e entrono planáltico com alta densidade demográfica, grande dinamismo e forte urbanização, com florestas nos reversos da Serra do Mar e climas úmidos dominados pela massa tropical.

Depressão periférica

48Tipo VII – Depressão periférica de médias altitudes com presença de cafezais, média densidade demográfica, discreto dinamismo, poucos resíduos florestais e climas controlados por massas equatoriais, tropicais e polares.

Cuestas

49Tipo VIII – Faixa dos relevos de cuestas com culturas comerciais e densidade demográfica de média a baixa, com florestas principalmente incrustadas nas escarpas e climas controlados por massas equatoriais, tropicais e polares.

Planalto ocidental

50Tipo V – Planalto ocidental de altitudes médias com longos divisores, bastante utilizados por lavouras e pastagens, com alguns focos de esvaziamento populacional, poucas áreas residuais de florestas e climas controlados por massas equatoriais, tropicais e polares.

51Tipo VI – Planalto de Marília de altitudes médias a elevadas, com baixa densidade populacional, florestas em topos e escarpas festonadas e climas tropicais alternadamente secos e úmidos.

52Obtém-se, assim, o mapa de síntese representativo dos “Tipos de ambiente” para o estado de São Paulo exibido com legenda simplificada [Fig. 15 ]

Fig 15 Mapa sintese dos tipos de ambiente do estado de São Paulo

Fig 15 Mapa sintese dos tipos de ambiente do estado de São Paulo

Considerações finais

53O ensaio possibilitou realizar a elaboração da representação em mapa dos Tipos de Ambiente do estado de São Paulo, em escala pequena, mediante procedimentos simples que, mesmo assim, envolveram a passagem do raciocínio de análise para o de síntese, indispensável para essa cartografia.

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA, F.F.M. "Fundamentos geológicos do relevo paulista". Bol. Inst. Geogr. e Geol. (41), 1964.

BEROUTCHACHVILLI, N. e BERTRAND, G. “Le géossystème ou système territoriel naturel”. Revue Géographique des Pyrénées, et du Sud-Ouest, 49, (2): 167-180, 1978.

BERTALANFFY, L. v. General system theory: foundations, development, application. New York: George Braziller, 1968.

BERTIN, J. La graphique et le traitement graphique de l’information. Paris: Flammarion, 1977.

BERTIN, J. Sémiologie graphique: les diagrammes, les réseaux, les cartes. Paris: Mouton Gauthier-Villars, 1973.

BERTIN, J. e GIMENO, R. "A lição de cartografia na escola elementar". Boletim Goiano de Geografia, 2(1): 35-56, 1982.

BERTRAND, G. “Paysage et géographie physique globale: équisse méthodologique”. Revue Géographique des Pyrénées et du Sud-Ouest, 39(3): 249-272, 1968.

CASTRO, I.E. “O problema da escala”. In: CASTRO, I.E. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

CONTI, J.B. Aula inaugural: a Faculdade de Filosofia, as Humanidades básicas e seu papel no debate da questão ambiental. São Paulo; FFLCH-USP, 2007.

CRUZ, O. “A escala temporal-espacial nos estudos dos processos geomorfológicos erosivos atuais”. Geomorfologia, (33): 1-12, 1985.

FERREIRA, M. C. “Mapeamento de unidades de paisagem com Sistemas de Informação Geográfica: alguns pressupostos fundamentais”. Geografia, 22 (1): 23-36, 1997.

FORMAN, R.T.T. e GODRON, M. Ladscape ecology, New York: J. Wiley & Sons, 1986.

GARCÍA-ABAD ALONSO, J.J. "Cartografía ambiental: desarrollo y propuestas de sistematización". Observatorio Medioambiental (5): 47-78, 2002.

GIMENO, R. Apprendre à l'école par la graphique. Paris: Retz, 1980.

IPT. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo. São Paulo: IPT, 1981.

LACOSTE, Y. La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre. Paris: Maspero, 1976.

MARFIL, A. et al. “Unidades de paisaje en el Parque Natural de Cabo de Gata-Nijar (Almería, España)”. Colloques Phytosociologiques, (21): 127-147, 1993.

MARTINELLI, Marcello.São Paulo: Contexto, 2014.

NAVEH, Z. e LIEBERMAN, A.S. Landscape ecology, theory and application. New York: Springer Verlag, 1984.

OZENDA, P. La cartographie écologique et ses applications. Paris: Masson, 1986.

PALSKY, G. Des chiffres et des cartes: la cartographie quantitative au XIXe siècle. Paris: Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, 1996.

PEDROTTI, F. Cartografia geobotanica. Bologna: Pitagora Editrice, 2004.

PEDROTTI, F. et al. “Le unità ambientali de Parco Nazionale dello Stelvio”. L’uomo e l’ambiente, (28): 1-104, 1997.

PINTO-CORREIA, T. et al. “Identificação de unidades de paisagem: metodologia aplicada a Portugal Continental”. Finisterra, 36(72): 195-206, 2001.

RIVAS MARTINEZ, S. Biogeografía y vegetación. Madrid: Real Acad. Ciencias Exactas, Físicas y Naturales, 1985.

ROBINSON, A.H. Early thematic mapping in the history of cartography. Chicago: The University of Chicago Press, 1982.

RODRIGUEZ, J.M.M. e SILVA, E.V. da. “A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica”. Mercator. Revista de Geografia da UGC, 1(1): 95-112, 2002.

ROSS, J.L.S. e MOROZ, I.C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo – Escala 1:500.000. São Paulo: IPT/USP/FAPESP, 1997.

SALICHTCHEV, K.A. Cartografía. La Habana Editorial Pueblo y Educacón, 1979.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo. Globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec. 1994.

SOTCHAVA, V.B. “The study of geosystems”. Special issue for the XXIII International Geographic Congress. (51): 3-40, 1976.

TANSLEY, A.G. “The use and abuse of vegetational concepts and terms”. Ecology, (16): 284-307, 1935.

TRICART, J. e KILIAN, J. L’éco-géographie et l’aménagement du milieu naturel. Paris: Maspero, 1979.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1977.

TROLL, C. Landscape ecology”. Paper S. 4, Publ. ITC-Unesco, 1966.

Haut de page

Notes

1 Ensaio realizado na disciplina Cartografia Ambiental da Graduação do Departamento de Geografia da FFLCH - USP em 2006. Grupo completo de alunos: Cíntia Lopes Rodrigues, Daniela Souza Dantas, Fabiana Machado Leal e Gilberto José Braz Filho.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig 1 – A passagem do raciocínio de analise para o de sintese
Légende Mediante reiteradas permutações entre linhas e colunas procura-se verificar se há formação de grupos.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre [Fig. 2 ]As unidades espaciais elementares de análise do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 208k
Titre [Fig. 3 ] Os atributos e variáveis extraídas dos mapas temáticos de analise
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Fig 4 Mapa tematico de analise do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Fig 5 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 872k
Crédits Fonte: Martinelli
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 812k
Titre Fig 7 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 668k
Titre Fig 8 – Mapa temático de analise do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Fig 9 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo
Crédits Fonte: Martinelli
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Crédits Fonte: Martinelli
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 284k
Crédits Fonte: Martinelli
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig 12 – Mapa temático de análise do estado de São Paulo
Crédits Fonte: Martinelli
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre [Fig. 13 ]
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Titre Fig 14 –Matriz de interpretação com a identificação dos tipos de ambiente, diferenciados por cores distintas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 336k
Titre Fig 15 Mapa sintese dos tipos de ambiente do estado de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13273/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 210k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcello Martinelli, « Cartografia ambiental: um mapa de síntese », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 21 avril 2018, consulté le 18 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13273 ; DOI : 10.4000/confins.13273

Haut de page

Auteur

Marcello Martinelli

Universidade de São Paulo, m_martinelli@superig.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals