Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Estimar a população em poucos cliques graças à NASA

Estimer la population en quelques clic grâce à la NASA
Estimate the population in a few clicks thanks to NASA
René Somain

Texte intégral

1O boletim informativo do site Geoconfluences1 recomenda uma ferramenta desenvolvida pela NASA (National Aeronautics and Space Administration) que estima a população de qualquer parte do mundo em poucos cliques. O seu site Earthdata2 oferece um serviço de estimativa de população baseado em uma grade fina, em escala mundial, que permite estimar a população contida em um polígono (desenhado pelo usuário) ou um círculo de diâmetro configurável. A fiabilidade da estimativa depende, obviamente, da qualidade dos dados disponíveis e, portanto, dos serviços estatísticos dos países.

2Esta ferramenta está acessível nos seguintes endereços:

3- Visão Geral do Serviço: http://sedac.ciesin.columbia.edu/​data/​collection/​gpw-v4/​population-estimation-service

4- Aplicativo Gridded Population of the World (GPW4): http://sedac.ciesin.columbia.edu/​mapping/​popest/​gpw-v4/​

5Conforme indicado por Geoconfluences, as imagens da NASA são livres de royalties para uso não comercial, especialmente para uso educacional, salvo indicação em contrário3.

6Vêm a seguir exemplos tocando o Brasil ou pondo o país em perspectiva: dois exemplos de círculos e polígonos, estimativa da população das grandes regiões por círculos e de polígonos opondo Brasil povoado e vazio. Outros polígonos situam as concentrações urbanas brasileiras e sul-americanas em relação as megalópoles mundiais as suas densidades aos extremos observados no mundo.

Dois exemplos de círculos e polígonos

7Assim que um polígono é desenhado, o sistema fornece uma estimativa da população contida nele. A primeira tentação é obviamente de verificar a qualidade dos dados, desenhando uma forma o mais próxima possível da do país, para verificar se a estimativa da população nacional está correta. No caso do Brasil, funciona bem, a população estimada para 2015 é de 202 milhões de habitantes, muito próxima da calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Da mesma forma, um círculo que inclui a parte mais populosa do país, no Sudeste-Sul (incluindo uma parte do Paraguai), dá uma estimativa de 130 milhões de habitantes, o que parece bastante plausível.

Figura 1 Exemplos de polígono e de círculo

Figura 1 Exemplos de polígono e de círculo

Regiões

8Podemos, em seguida, percorrer as regiões do país e desenhar círculos que avaliem a sua população, globalmente ou para certas partes. No caso da Amazônia, se nos concentrarmos na parte ocidental, a menos povoada, encontramos cerca de 7 milhões de habitantes em um pouco menos de 3 milhões de quilômetros quadrados, o que dá uma densidade de 2,6 habitantes por quilômetro quadrado, incluindo Manaus (2,1 milhões de habitantes).

Figura 2: 7,6 milhões de habitantes na Amazônia ocidental

9O centro oeste, que inclui Brasília e as áreas pioneiras onde avança a soja, tem uma população estimada de 23 milhões em quase 3 milhões de quilômetros quadrados e, portanto, uma densidade populacional de oito habitantes por quilômetro quadrado.

Figura 3 23 milhões de habitantes no Centro-Oeste

Figura 3 23 milhões de habitantes no Centro-Oeste

10O Nordeste possui 54 milhões de habitantes em sua parte mais populosa, em 1,5 milhão de quilômetros quadrados e, portanto, uma densidade de 35,6.

Figura 4 54 milhões de habitantes no Nordeste

Figura 4 54 milhões de habitantes no Nordeste

11Finalmente, se nos concentrarmos no que pode ser considerado o coração do Brasil, desenhando um círculo que inclua São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, achamos quase 92 milhões de habitantes em um milhão de quilômetros, uma densidade de 83 habitantes por km2.

Figura 5 91 milhões de habitantes no coração do Brasil

Figura 5 91 milhões de habitantes no coração do Brasil

Brasil "cheio" e Brasil "vazio"

12Como ficou claro em diferentes partes do país, as massas populacionais e as densidades populacionais são muito diferentes. Se se tenta avaliar sucessivamente a população do Brasil "cheia", próxima à costa, e a do Brasil "vazia" (ou quase) do interior, obtém-se no primeiro caso um total 183 milhões de habitantes em um pouco mais de 3 milhões de quilômetros quadrados (densidade 56), no outro quase 17 milhões de habitantes em um pouco menos de 5 milhões de quilômetros quadrados, uma densidade de 3,5.

Figura 6 Brasil "cheio" e Brasil "vazio 

Figura 6 Brasil "cheio" e Brasil "vazio 

"Bananas"

13Definir polígonos para estimar a população neles incluída também possibilita avaliar o "peso" demográfico das principais aglomerações brasileiras em relação às megacidades do mundo. A mais conhecida delas (descrita na década de 1940 por Jean Gottmann, sob o nome de "Boswash", por se extender de Boston a Washington), teria hoje, de acordo com a GPW4 (ou melhor, teria tido em 2015), 48 5 milhões de habitantes.

Figura 7 "Boswash" 48 milhões de habitantes

Figura 7 "Boswash" 48 milhões de habitantes

14Seu equivalente brasileiro, restrito ao eixo Belo Horizonte-Curitiba, tinha na mesma data 69 milhões de habitantes.

Figura 8 Belo Horizonte-Curitiba 69 milhões de habitantes

Figura 8 Belo Horizonte-Curitiba 69 milhões de habitantes

15Se alargarmos o campo para o sul, para irmos de Boston a Atlanta, chegamos no caso dos Estados Unidos a 74,5 milhões de habitantes ...

Figura 9 Boston-Atlanta 74 milhões de habitantes

Figura 9 Boston-Atlanta 74 milhões de habitantes

16... e no caso brasileiro, indo até Porto Alegre, a 79 milhões de habitantes e, portanto, a massas demográficas bastante comparáveis.

Figura 10 Belo Horizonte-Porto Alegre 79 milhões de habitantes

Figura 10 Belo Horizonte-Porto Alegre 79 milhões de habitantes

17Outra megalópole mundial, localizada no centro da Europa e hoje conhecida como a "banana azul" (desde o trabalho de Roger Brunet e do GIP Reclus), representa um total de 112,5 milhões de habitantes.

Figura A "Banana azul", 112 milhões de habitantes

Figura  A "Banana azul", 112 milhões de habitantes

18Se procurarmos um equivalente que combine o coração do Brasil com as partes mais populosas de seu continente e desenhe uma "banana sul-americana" de Belo Horizonte a Valparaíso (no Chile), chegamos a 117 milhões de habitantes, novamente um total comparável, mas em uma superfície muito maior, 1 milhão de quilômetros quadrados contra 310 mil km².

Figura 12 A "Banana sul-americana", 117 milhões de habitantes

Figura 12 A "Banana sul-americana", 117 milhões de habitantes

Densidades extremas

19Finalmente, para colocar o Brasil em uma perspectiva global, pode-se situá-lo em relação às densidades extremas do planeta. As mais baixas são encontradas, para círculos cobrindo cerca de 3 milhões de quilômetros quadrados, na Austrália (população 112 000, densidade 0,03), norte do Canadá (população 534 000, densidade 0,19) ou na Sibéria (914 000). habitantes, densidade 0,3).

Figura 13 De 0 a 1 milhão de habitantes

Figura 13 De 0 a 1 milhão de habitantes

20As menores densidades da América do Sul, na Amazônia ocidental (8,6 milhões de habitantes de 3,1 milhões de quilômetros quadrados, densidade 2,8), não estão nesses níveis extremos, as da Patagônia (3 milhões de habitantes em um pouco menos de um milhão de quilômetros quadrados, densidade 3), ou seja o dobro das do Saara (um pouco menos de 5 milhões de habitantes em 3,1 milhões de quilômetros quadrados, densidade 1,5 ).

Figura 14 De 3 a10 milhões de habitantes

Figura 14 De 3 a10 milhões de habitantes

21Em contraste, o coração do continente sul-americano (de São Paulo a Buenos Aires) com 111 milhões de habitantes em mais de 2,2 milhões de quilômetros quadrados, tem uma população e densidade (49) comparável à do México central (117,4 milhões de habitantes para um milhão de quilômetros quadrados, densidade 78) ou o Golfo Pérsico (quase 129 milhões de habitantes em mais de 2,7 milhões de quilômetros quadrados, densidade 47).

Figura 15 De 110 a 120 milhões de habitantes

Figura 15 De 110 a 120 milhões de habitantes

22Nenhuma densidade brasileira se aproxima dos recordes mundiais que podem ser encontrados na Europa (372 milhões de habitantes em 2,1 milhões de quilômetros quadrados, densidade 176), e ainda mais na Ásia, seja na China (1 065 milhões de habitantes em 2,9 milhões de quilômetros quadrados, densidade 367) na Índia (1 155 milhões de habitantes em 2,8 milhões de quilômetros quadrados, densidade 407).

Figura De 372 a 1 155 milhões de habitantes

Figura  De 372 a 1 155 milhões de habitantes

23Ao todo, Gridded Population of the World (GPW4) é uma ferramenta útil e fácil de usar que permite que "viajar" pelo mundo, observar a distribuição da população e por em perspectiva as situações de suas regiões, seja o Brasil, como foi feito aqui, ou qualquer outro país.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Exemplos de polígono e de círculo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Figura 3 23 milhões de habitantes no Centro-Oeste
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 348k
Titre Figura 4 54 milhões de habitantes no Nordeste
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Titre Figura 5 91 milhões de habitantes no coração do Brasil
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Titre Figura 6 Brasil "cheio" e Brasil "vazio 
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 324k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 356k
Titre Figura 7 "Boswash" 48 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 484k
Titre Figura 8 Belo Horizonte-Curitiba 69 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Figura 9 Boston-Atlanta 74 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Figura 10 Belo Horizonte-Porto Alegre 79 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Figura A "Banana azul", 112 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 544k
Titre Figura 12 A "Banana sul-americana", 117 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Figura 13 De 0 a 1 milhão de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 296k
Titre Figura 14 De 3 a10 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 584k
Titre Figura 15 De 110 a 120 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 724k
Titre Figura De 372 a 1 155 milhões de habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13283/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 402k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

René Somain, « Estimar a população em poucos cliques graças à NASA », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 22 avril 2018, consulté le 18 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13283 ; DOI : 10.4000/confins.13283

Haut de page

Auteur

René Somain

Geógrafo, rene.somain@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals