Navigation – Plan du site
Resenhas

Atlas do Brasil, promessas e desafios de uma potência emergente

Atlas du Brésil, promesses et défis d'une puissance émergente
Atlas of Brazil, promises and challenges of an emerging power
Hervé Théry
Référence(s) :

Olivier Dabène, Frédéric Louault et Aurélie Boissière (cartographie), Atlas du Brésil, promesses et défis d'une puissance émergente 2018, Autrement, 96 p.

Texte intégral

1Esta é a segunda edição do l'Atlas du Brésil, promesses et défis d'une puissance émergente (Atlas do Brasil, as promessas e desafios de uma potência emergente), de Olivier Dabène (Professor de Ciências Políticas da Sciences Po Paris), Frédéric Louault (professor da Universidade Livre de Bruxelas e coordenador do Centro de Estudos das Américas) e Aurélie Boissière, cartógrafa. A anterior foi publicada em 2013.

  • 1 A editora optou por não incluir na bibliografia livros de em línguas estrangeiras, como os atlas do (...)

2O pequeno formato da coleção (25x17 cm) e o pequeno número de páginas (96) forçaram os autores a fazer escolhas draconianas, a serem muito sintéticos e a irem ao que é essencial para eles, no caso os destaques da política, no sentido amplo. O livro é, portanto, mais um ensaio baseado em mapas e gráficos do que um atlas no sentido em que é geralmente entendido, embora ignore um número de “passagens obrigatórias”, como ambientes naturais, reduzido a uma página sobre vegetação e climas. É uma escolha perfeitamente aceitável, é fácil encontrar em outro lugar mapas sobre esses temas, que mudam mais lentamente, ao contrário daqueles que são favorecidos pelo livro. Por exemplo em outros atlas do Brasil, (mais geográficos e onde o número de páginas permite incluir mais mapas), publicados no Brasil ou na França1.

3Como resultado, o atlas é especialmente interessante por conta de gráficos inesperados, por exemplo, “Cirurgia estética, um líder mundial”. Em outros casos, a tentativa de visualização não traz muito em comparação com um texto ou uma simples tabela (O Carnaval 2017 em números). Alguns mapas são originais e expressivos (O Brasil na Segunda Guerra Mundial, Frentes Pioneiras e Desenvolvimento). Alguns são um pouco “pobres” porque são construídos com dados sobre os 27 Estados, enquanto existem dados mais precisos (por exemplo, taxa de urbanização ou o PIB por setor, que varia muito dentro de estados maiores do que países europeus). Especialmente na escala de 5 570 municípios, que é usada em outros mapas, muito mais detalhada e expressiva (por exemplo, o PIB per capita, na mesma página 33, ou religiões, p.55). Outros são bastante confusos, provavelmente por querer incluir muita informação (por exemplo, o espaço da Amazônia):os autores parecem ter esquecido por vezes que, em termos de cartografia – e mais geralmente de semiologia gráfica – “menos é mais”.

4O livro está dividido em cinco partes: “A Construção do Brasil”, “Desenvolvimento e Meio Ambiente”, “Mestiçagens”, “Os Desafios da Ação Pública”, “Democracia e o Mundo”. “A construção do Brasil” lembra os ciclos econômicos que o país conheceu e retraça a história política do país, incluindo as muitas revoltas que a marcaram, todas reprimidas, o que permitiu manter a integridade do território do país apesar de sua imensidão (Figura 1). Os autores voltam-se, em seguida, para a questão crucial da identidade nacional com uma imagem muito útil sobre “a construção de uma identidade cultural entre 1915 e 1960”.

Figura 1 As revoltas

Figura 1 As revoltas

5“Desenvolvimento e Meio Ambiente” identifica os desafios que o Brasil enfrenta para manter o seu crescimento econômico e garantir o desenvolvimento sustentável, enquanto o ambiente é muitas vezes apenas uma variável de ajuste. Os autores apontam que o desmatamento da Amazônia tende a regredir, mas estão preocupados com o risco de poluição do aqüífero Guarani, que representa, no Brasil sozinho, uma área de um milhão de quilômetros quadrados e representa dois séculos de consumo mundial de água!

6Em seu balanço de comércio internacional, eles mostram que o país continua sendo uma grande potência agrícola e um grande exportador, especialmente para o Oriente Médio: 90% da carne importada pelo Egito vem do Brasil. Eles enfatizam a importância crescente do comércio com a China: embora o balanço seja favorável ao Brasil, preocupa o seu caráter desequilibrado (Figura 2)

Figura 2 Comércio com a China

Figura 2 Comércio com a China

7Estas partes históricas e econômicas feitas, os autores passam na parte “Mestiçagens” para temas mais originais e que os interessam obviamente mais, como os sincretismos culturais do samba, da capoeira ou do carnaval, pouco a pouco integrados como símbolos nacionais. Uma ótima página dupla é dedicada às práticas da praia, que - apesar da aparente uniformidade dos corpos quase nus e todos igualmente bronzeados - tem suas próprias segregações (Figura 3).

Figura 3 Segregações nas praias do Rio de Janeiro

Figura 3 Segregações nas praias do Rio de Janeiro

8As novas tecnologias não são esquecidas, os autores apontam que o país é o terceiro do mundo em termos de cadastro no Facebook com 103 milhões de pessoas (de um total de 207 milhões de habitantes).

  • 2 Extraído do nosso próprio Atlas do Brasil, cuja 3ª edição está no prelo nas Edições da Universidade (...)

9O capítulo sobre “Os desafios da ação pública” visa identificar e visualizar o progresso do país, embora as desigualdades e a pobreza ainda sejam enormes. O Bolsa Família é analisada como tendo melhorado a situação dos mais pobres, mas também como uma forma de clientelismo. É uma pena que o mapa que dedicado ao tema seja um dos menos bem-sucedidos do trabalho e não mostre bem a concentração de seus beneficiários no Nordeste: a figura 4 o coloca em paralelo com um mapa obtido pelo mapeamento dos mesmos dados, que a revela claramente2.

Figura 4 Mapas da Bolsa família

Figura 4 Mapas da Bolsa família

10O livro também trata de favelas, no Rio de Janeiro (onde abrigam 22% da população, 1,4 milhão de pessoas) e em Belém, onde representam 54% da população.

11Outros desafios incluem o acesso à terra (mostrando que a política de Lula e Dilma tendeu a regular as ocupações ilegais em vez de realocar as terras ocupadas pelos latifúndios) e a violência (muito grave, já que a taxa de homicídios é o triplo de 1980, o que significa que o Brasil sofreu mais homicídios nos últimos cinco anos do que a Síria). Um lugar importante é dado à questão da corrupção e o livro conta com vários gráficos que ajudam a entender seus mecanismos e ramificações, inclusive a do escândalo da Petrobras (Figura 5).

Figure 5 Mecanismos do escândalo da Petrobras

Figure 5 Mecanismos do escândalo da Petrobras
  • 3 Sobre o impeachment da presidente Dilma Roussef, eles resumem claramente sua opinião com uma fórmul (...)
  • 4 E eu vou segui-los neste ponto, cf. meu artigo " Brésil 2016, l'écume et les courants profonds  ", (...)

12A última parte, “Democracia e o Mundo”, reúne análises sobre a situação do Brasil no mundo (especialmente à luz dos grandes eventos esportivos - Copa do Mundo de Futebol de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016 - que fizeram aparecer muito na Brasil na mídia mundial) e a conjuntura política, um assunto importante para os dois principais autores, ambos especialistas em ciência política3. No momento em que concluíram o livro, eles se perguntam: “após o surgimento: o mergulho e o rebote?”. Segundo eles4, se a situação política atual é desastrosa, com a sua série de escândalos, um após o outro, também pode ser vista como um “sinal inegável de independência da justiça e da vitalidade democrática”.

13É também o que explica Olivier Dabène em entrevista concedida à RFI em 15 de fevereiro de 2018, onde explica por que a segunda edição do atlas ainda é otimista sobre o futuro do Brasil. Em sua introdução, a jornalista Adriana Brandão indica que:

“A primeira edição da obra foi escrita pelos cientistas políticos franceses Olivier Dabène e Frédéric Louault em 2013, quando o país crescia, redistribuía renda, tirava gente da miséria e brilhava ainda no cenário internacional. Cinco anos depois e diante da grave crise que o país atravessa, a expectativa era que o livro fizesse uma análise um pouco mais pessimista. Mas apesar das incertezas, os dois brasilianistas mantêm o otimismo quanto ao futuro e acreditam na capacidade do Brasil dar a volta por cima”.

14RFI: Quais foram as principais mudanças verificadas entre 2013 e 2018?

15Olivier Dabène: “É um outro país. Tudo mudou em cinco anos. Quando corrigimos os textos para esta segunda edição, percebemos que em 2013 estávamos, como muita gente na época, otimistas com o Brasil, considerado uma potência emergente.

16Na segunda edição, estamos menos otimistas, mas continuamos esperançosos. Tentamos não ceder ao clima catastrófico que vive o país e às análises sombrias que são feitas sobre ele. Por isso, não mudamos o subtítulo: ‘Promessas e desafios de uma potência emergente’. Consideramos que o Brasil continua, apesar de muitos obstáculos, uma grande promessa. Em breve, o Brasil vai dar a volta por cima e vamos falar de novo desse país com muito otimismo.” [...]

17RFI: Então, você não tem a impressão, como a população brasileira, de que o Brasil recuou nos últimos tempos?

18Olivier Dabène: ““Compreendemos esse clima pessimista e sombrio, com uma opinião pública revoltada, indignada e frustrada. [...] Mas historicamente, o Brasil já passou por fases muito difíceis e mostrou uma inacreditável capacidade de se recuperar, reatando com seu otimismo legendário e com crescimento econômico. Não subestimo o retrocesso em relação aos progressos sociais, à crise econômica, política [...]. Temos consciência que esses problemas são extremamente graves, mas continuamos convencidos que o Brasil vai nos surpreender novamente”. [...]

19RFI: Com tantas incertezas, deve ter sido um desafio atualizar o Atlas?

20Olivier Dabène: ““Foi muito complicado. [...] A grande diferença em relação à primeira edição é a inclusão de uma página dupla sobre a corrupção. Esse tema é o grande acontecimento dos últimos anos e tínhamos que falar sobre isso.” [...]

21“Nesse campo da corrupção e da reforma política, não estamos nada otimistas. A esperança vem da crença na capacidade da sociedade brasileira de dar a volta por cima, de se reconstruir, mesmo se o sistema político é corrompido e está completamente paralisado. Mas há um outro Brasil. Tem a sociedade civil, as coletividades locais, as prefeituras, e a população brasileira, que não se interessa mais por política, mas é empreendedora. A sociedade civil demostrou ser extremamente ativa e criativa. Esse outro Brasil, muito distante de Brasília e da corrupção dos parlamentares, é dinâmico e fascinante de se observar."

Haut de page

Notes

1 A editora optou por não incluir na bibliografia livros de em línguas estrangeiras, como os atlas do IBGE ou o Atlas do Brasil, disparidades e dinâmicas, por Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello, edições da USP, 2005 e 2008. Mas lamentamos não ter incluído nela a sua versão original em francês, publicada em 2004 pelos mesmos autores nas edições La Documentation Française. E tanto mais que os dois livros são perfeitamente complementares;

2 Extraído do nosso próprio Atlas do Brasil, cuja 3ª edição está no prelo nas Edições da Universidade de São Paulo (Edusp)

3 Sobre o impeachment da presidente Dilma Roussef, eles resumem claramente sua opinião com uma fórmula precisa e equilibrada: "o procedimento [era] legal, mas brutal e abusivo"

4 E eu vou segui-los neste ponto, cf. meu artigo " Brésil 2016, l'écume et les courants profonds  ", EchoGeo, postado em 19 de agosto de 2016. URL: http://journals.openedition.org/echogeo/14645; DOI: 10.4000 / echogeo.14645

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 As revoltas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13299/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Figura 2 Comércio com a China
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13299/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Figura 3 Segregações nas praias do Rio de Janeiro
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13299/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Figura 4 Mapas da Bolsa família
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13299/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 540k
Titre Figure 5 Mecanismos do escândalo da Petrobras
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13299/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Atlas do Brasil, promessas e desafios de uma potência emergente », Confins [En ligne], 35 | 2018, mis en ligne le 23 avril 2018, consulté le 14 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13299

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

CNRS-Creda/USP, hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals