Navigation – Plan du site

Notas teóricas para o estudo do medo pela Geografia

Notes théoriques pour l'étude de la peur par la géographie
Theoretical notes for the study of fear by geography
Hiram de Aquino Bayer et Eugênia Maria Dantas

Résumés

La peur est un sentiment qui réside dans la matrice de la condition humaine et de sa capacité à produire l'espace. On peut considérer la peur comme l’un des fils qui tissent la vie quotidienne en ville. Elle peut être considérée comme un phénomène qui traverse des relations matérielles, immatérielles, objectives et subjectives. Dans cet article, la peur est mise en rapport avec la criminalité et dans sa relation à la structure même de la ville. Le but de cet article est de réfléchir sur la dimension spatiale de la peur, en utilisant comme catégorie d'analyse le territoire et son mouvement de dé-re-territorialisation. Dans cette perspective, ce sentiment comporte une dimension spatiale intrinsèque. La peur apparaît comme un déterminant des pratiques spatiales dans la ville. Elle interfère avec la (dés)organisation, la production et la (trans)formation du paysage. La discussion est basée sur une perspective théorique qui souligne les contributions de la géographie à l'analyse de ce phénomène.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

peur, territoire, dé-re-territorialisation.

Index by keywords :

fear, territory, de-re-territorialization

Index géographique :

Natal

Índice de palavras-chaves :

medo, território, des-re-territorialização
Haut de page

Texte intégral

1Fear is a feeling that lies in the matrix of the human condition and its capacity to produce space. It can be seen as one of the threads that plot life in the everyday of cities, being able to be considered a phenomenon that crosses material, immaterial, objective and subjective relations. Fear is treated in this article as something incorporated into the city structure in the fear of crime condition. The aim of this article is to reflect on the spatial dimension of fear, using as a category of analysis the territory from its movement of de-re-territorialization. In this perspective, this feeling carries with it an intrinsic spatial dimension: being one of the determinants responsible for the spatial practices in the city, interfering in the (dis)organization, in the (re)production and in the (trans)formation of the landscape. The discussion is based on a theoretical perspective that highlights geographic contributions to the analysis of this phenomenon.

2O que nos move no mundo? Associado a essa pergunta, podemos acrescentar: quais sentimentos nos fazem moventes? Esses questionamentos, que perpassam gerações e que, certamente, contêm um vasto número de respostas, estão enredados em inquietações antropogeográficas, das quais destacamos a condição humana de sair e de permanecer no espaço matizada pelo sentimento do medo. O espaço construído tendo como fio condutor o medo se revela um emaranhado de possibilidades que (re)condicionam valores, enraizamentos, desenraizamentos, trajetórias, encontros, desencontros, pondo em contato humanos, coisas, sentimentos e afetos. Dentro da miríade de medos que constituem essa trama, destacamos um: o medo do crime. Este, encontra no meio urbano as condições favoráveis de se propagar e condicionar múltiplas práticas, considerando a capilaridade das ações que o envolve.

3O medo do crime é pensado (e sentido) como um afeto capaz de influenciar o ser humano nas diferentes esferas da sua vida. Nesse sentido, ele se apresenta como um risco iminente que se metamorfoseia em uma multiplicidade de ações e tem perpassado variadas camadas discursivas. A Geografia, desde a primeira década do século XXI, tem ampliado a discussão a respeito da interferência desse sentimento na dinâmica urbana, ressaltando a capacidade de influenciar os indivíduos em sua condição de ser-estar na cidade, que diz respeito, entre outras coisas, ao ir e vir, ao lazer, ao trabalho, à fragmentação dos espaços públicos e privados.

4Nessa narrativa geográfica do medo, a paisagem vai sendo vista como uma impressão de múltiplas trajetórias que contém passagens e evitamentos, apropriações e recusas, permitindo ao geógrafo perceber na (des)organização do espaço citadino a constituição de territórios formatados em processos de des-re-territorialização. Dentro deste debate mais recente, quais suportes (teóricos/metodológicos) a geografia tem a nos oferecer para que possamos compreender a complexidade do fenômeno do medo do crime em sua dimensão espacial e suas repercussões na vida urbana cotidiana?

5É na profusão deste debate mais recente que destacamos como objetivo central deste artigo discutir o fenômeno do medo do crime e seus movimentos de des-re-territorialização mediante determinadas repercussões na organização do espaço urbano. Para tanto, consideramos o território enquanto categoria de análise capaz de descortinar a dimensão espacial intrínseca a este fenômeno e tomamos como campo empírico o bairro de Candelária, situado na cidade de Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte, Brasil (conforme representado na imagem 1). Na trama entre empiria e teoria que fornecemos possibilidades para a reflexão sobre o medo a partir da perspectiva geográfica.

Figura 1- Mapa de localização do bairro de Candelária, Natal-RN, Brasil.

Figura 1- Mapa de localização do bairro de Candelária, Natal-RN, Brasil.

Fonte: Hiram Bayer, 2017.

  • 1 De acordo com o Anuário Estatístico de Natal-RN, 2016.

6Candelária é um bairro da cidade de Natal localizado na Região Administrativa Sul. Ele tem uma população estimada de25.034 habitantes, com renda média de 4,35 salários mínimos, maior que a dos bairros de sua respectiva região administrativa (3,45) e da cidade como um todo (1,78)1. Tomamos esse bairro como campo de estudo, uma espécie de “holograma” em que pudemos enxergar, na organização interna/local, aspectos da dimensão geral que afeta a cidade de Natal, quando se trata de entender o medo a partir dos atos criminosos. Não é mais novidade que essa cidade alçou nos últimos dez anos patamares elevados nas estatísticas da violência que assola o país como um todo. Em 2013, adquiriu a alcunha de “novo polo da violência no Brasil” em razão do aumento de homicídios em mais de 200% no período de dez anos (WAISELFISZ, 2013).

  • 2 Orientada pela prof. Dra. Eugênia Maria Dantas (UFRN).

7O presente artigo é produto direto de pesquisa realizada sobre o fenômeno do medo do crime em Candelária durante o período de 2014 a 2016 e que culminou com a dissertação intitulada Pelos Caminhos de Um Labirinto: reflexões sobre as territorializações do medo no bairro de Candelária, Natal-RN (BAYER, 2016)2, mas também da ampliação de algumas reflexões teóricas a respeito da dimensão espacial do medo relacionada a seus movimentos de territorialização.

  • 3 Cf. Bayer (2014) para descrição detalhada dos procedimentos metodológicos da pesquisa.

8No que diz respeito à metodologia, estivemos ancorados em estratégias qualitativas e de inspiração fenomenológica. Nesse sentido, destacamos as idas sistemáticas ao bairro, no qual pudemos traçar nossas próprias trajetórias e, caminhando, encontrar a trajetória dos sujeitos que nos interessavam para a pesquisa. Privilegiamos as conversas abertas, sem roteiro bem definido (mas não sem intencionalidade definida), como moradores, transeuntes e comerciantes do bairro. Nesse quesito, a fenomenologia se apresentou como uma orientação importante ao privilegiar descrição/relatos, sem pretender explicar de modo reduzido a experiência imediata, e buscando acompanhar as percepções, os atos e as experiências dos outros, e buscando lições subjetivadas que nos orientaram, de certo modo, em nosso campo. Destas andanças, surgiu a necessidade de analisar a paisagem com que nos deparávamos, sobretudo, nos elementos que revelaria o fenômeno do medo do crime. Nesse sentido, a câmera fotográfica se fez um instrumento indispensável. Do aparente da paisagem e do descortinado pelos relatos dos sujeitos com quem conversamos, emergem as sínteses que aparecem neste artigo. Soma-se a estes procedimentos mais específicos outros que de forma secundária na presente reflexão (vinculados à pesquisa geral), como a análise de dados estatísticos de crimes em Natal e Candelária, intervenção em redes sociais digitais (principalmente, o Facebook) e a produção de representações gráficas e cartográficas3.

9Para além desta seção introdutória e conclusiva, dividimos este artigo em outras três. A primeira, delimita nossa concepção de medo a partir, sobretudo, da obra de Bauman (2008) e o destaque à dimensão espacial do medo do crime com as contribuições de Yi-Fu Tuan (2005; 2013), principalmente. Na segunda, abordamos a proposição teórica de se trabalhar o medo a partir do território enquanto categoria de análise, considerando as contribuições de Souza (1995; 2013) e Haesbaert (2014). Na terceira, destaca-se os movimentos de des-re-territorialização do medo, com base nas reflexões de Haesbaert (2004; 2014) e Deleuze e Guattari (2010).

A dimensão espacial do medo

10Vimos na parte introdutória que o medo tem sido pensado como um elemento protagonista das relações sociais. Quando mencionamos a palavra “medo” parece que estamos a evocar algo dado, que todos conhecem o significado e que não precisamos de maiores esforços para explicá-lo. Ledo engano. Quando se fala em medo um leque vasto de definições e tipologias se abre. Medo de viajar de avião, de cachorro, do escuro... Passam-se os séculos e novos medos surgem ou ganham força - como na Idade Média, onde o medo das bruxas e do diabo eram aqueles que marcavam a sociedade europeia (DELUMEAU, 2009). Assim, cada sociedade, a cada tempo, é permeada por tipos de medo que permanecem, desaparecem ou se ressignificam de acordo com o contexto espacial e temporal.

11Entretanto, por mais que o medo se altere, ele sempre carrega consigo um componente imutável: a incerteza. Para o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, “medo é o nome que damos à nossa incerteza: nossa ignorância da ameaça e do que deve ser feito – do que pode e do que não pode – para fazê-la parar ou enfrentá-la, se cessá-la estiver além do nosso alcance” (BAUMAN, 2008, p. 8). Ele emerge, portanto, da incapacidade do ser humano de prever, com margem de erro zero, o futuro.

12Para Bauman (2008), o medo é um sentimento conhecido por toda criatura viva, mas que no ser humano se desenvolve de forma derivada, capaz de se auto reciclar e se desenvolver a partir de experiências diretas e indiretas. Conforme apontado por Guinard (2015), o medo evolui de forma diferente no tempo, espaço e corpos, ou seja, não há uma generalização absoluta, mas sim múltipla que depende de mudanças contextuais no lugar (tempo e espaço) e nos indivíduos (classe social, idade, etnia, gênero). Estas condições alterariam a composição complexa deste sentimento, composto por sentimento de insegurança e vulnerabilidade (BAUMAN, 2008). Assim, a depender das condições espaciais, temporais e corporais, haverá uma organização distinta entre sentir-se inseguro e estar vulnerável a um determinado perigo, pulverizando o sentir medo e tornando-o uma emoção essencialmente relacional.

13O medo é um sentimento/fenômeno que media a relação do homem com o mundo a sua volta. Desta mediação emerge um espaço significado pela experiência, o qual Yi-Fu Tuan (2012) chamou de topofóbico: basicamente, um lugar que denota aversão, repulsa. Ele contrapôs este espaço aos topofílicos que seriam, por sua vez, lugares atrativos, de afetividade, que desenvolvem um sentimento de pertencimento.

14Dentre as referências topofóbicas e topofílicas que se desenham espacialmente, podemos destacar a referência espacial urbana. A sua “malha” é a mesma para todos, mas a atribuição de significados se expande ou se retrai a partir das percepções e das experiências que cada citadino tem ao percorrer ou deixar de trilhar suas múltiplas trajetórias. Um dos rebatimentos espaciais mais evidentes dentro desta dinâmica é, certamente, a mudança de trajetória e a opção de uso de determinados espaços tendo como critério a segurança/insegurança que apresentam. Trajetos tidos como inseguros são evitados, bem como aqueles espaços (geralmente públicos, mas não apenas) que oferecem algum tipo de perigo ou são vistos como ameaçadores.

15A cidade enquanto cenário experiencial do e para o medo tende cada vez mais a se tornar hegemônica (BECK, 2011; REBOTIER, 2010) e, nesse contexto, mostrar-se bastante rica para criação de espacialidades variadas. A forma da cidade também se molda a partir do medo. Se na Antiguidade os muros a rodeavam, oferecendo segurança a todos, hoje cada um possui seu muro particular. Estes muros tornam-se cada vez maiores e mais aparelhados com equipamentos de segurança de todo tipo: câmeras de vigilância, cercas elétricas, arames. Vê-se também a proliferação dos “condomínios fechados”, verticais ou horizontais, que, em boa parte, se valem do discurso da insegurança e do medo que advém dele. Este “emuralhamento da vida social” (GOMES, 2010) reflete tanto na forma como no conteúdo das cidades e dos processos que nelas ocorrem.

16Dentre toda a miríade de medos que podemos ressaltar, o medo do crime tem se constituído um dos mais proeminentes na contemporaneidade. Ele está associado aos perigos que são projetados sobre a vida e a propriedade e aparece de forma latente em contextos urbanos atuais, em que a insegurança emerge como marca indelével a estruturar os cenários citadinos. O discurso da insegurança, por exemplo, é produzido por incorporadoras que encontram nele uma das oportunidades de alavancar as vendas de terrenos e outros tipos de imóveis; pelo governo, que o coloca como ponto indispensável na formulação de sua agenda de políticas públicas; por empresas de segurança privada que, tal como as incorporadoras, encontram nele um ramo bastante rentável. Esse mesmo conteúdo discursivo é apropriado por “citadinos” ávidos por serviços que incitem a sensação de bem-estar na cidade, longe dos seus desafios e problemas.

17Isso porque, quando tratamos do medo do crime, estamos nos referindo também às possibilidades gestadas para o seu controle. Contrapõe-se ao conteúdo urbano deste medo do crime a necessidade da produção de segurança. A segurança plena é uma utopia, na medida em que o medo advém da impossibilidade de antever um acontecimento futuro. Se (ainda) somos incapazes de tal previsão de forma plena, então, jamais nos sentiremos plenamente seguros. É no seio desta incapacidade que crescem ações cada vez mais contundentes de alteração na forma de organização e vivência espacial.

18É diante desta dimensão espacial do medo, enquanto condicionante da forma de ser-estar dos indivíduos no mundo, em seu contato com outros indivíduos e com os espaços imediatos da vida cotidiana, que é possível realizar uma análise geográfica deste fenômeno, levando em consideração o aporte teórico-metodológico desta ciência. Nesse sentido, propomos uma abordagem que possui o território como uma categoria de análise, capaz de matizar algumas reflexões sobre o medo e sua dinâmica espacial.

O território como categoria para a análise do medo

19Para alguns a consideração do território como categoria de análise pode soar estranha. Isto porque a compreensão e delimitação do que vem a ser (e não ser) uma categoria ou um conceito no âmbito da ciência geográfica ainda é bastante difusa. Sendo assim, corroboramos com Rogério Haesbaert (HAESBAERT, 2014) para quem um conceito pode ser considerado como uma “categoria de análise”. As categorias seriam, portanto, conceitos mais gerais e amplos (dentro de uma perspectiva kantiana). Nesse contexto, o autor irá fazer uma diferenciação do conceito de território enquanto categoria da prática, categoria normativa e categoria de análise. Considerá-lo enquanto esta última o associa ao trato acadêmico/intelectual para compreender uma fração da realidade tendo o território como mediador. Assumimos aqui, como foco principal do nosso trabalho, o território como categoria de análise, sem que desprezemos, com isso, a importância destas outras abordagens.

20Para situar a compreensão acerca do território, assumimos um questionamento realizado por Marcelo Lopes de Souza (1995): “quem domina, governa ou influencia e como domina, governa ou influencia esse espaço?”. A pergunta apresenta os elementos que estão inseridos no território e que o definem. Dominar e influenciar revelam uma dimensão espacial que é recortada por relações de poder. O território, portanto, é um espaço delimitado por e a partir destas relações de poder. Há de se destacar que estas relações de poder, ao nosso ver e corroborando com Haesbaert (2004; 2014), não devem ser concebidas, quando falamos de uma dinâmica territorial, em sentido estrito ou limitante. Antes, estas relações de poder emergem de um contexto ampliado em que se associam dimensões materiais e imateriais, ou seja, tanto no âmbito de uma dominância funcional (processo de dominação) como de dominância simbólica (processos de apropriação).

  • 4 A obra completa de Michel Foucault contribui para a construção desta noção mais ampla do poder, lan (...)

21Como apontam os filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari, um conceito não é solitário, antes liga-se a outros conceitos em um plano de imanência que se altera permanentemente (DELEUZE; GUATARI, 2010). A concepção de território, tendo o poder como elemento central, foi profundamente ressignificado na medida em que a própria concepção de poder foi ampliada, sobretudo a partir dos trabalhos de Michel Foucault (1979)4. Superou-se sua noção como monopólio do Estado para um entendimento de sua microfísica, em que ele é exercido de forma horizontal, não hierarquizante, a partir de diferentes pontos de uma rede. Ao ampliar a noção de poder, ampliou-se, também, a noção de território. É no seio dessa ampliação e nos valendo dela que propomos uma alteração naquele questionamento inicial realizado por Marcelo Lopes de Souza, de forma que nossa pergunta central dentro desse debate seria: quem domina, se apropria ou influencia quem ou o quê no espaço, e como?

22Diante das inúmeras respostas que poderíamos dar a esse questionamento, destacamos o medo como um elemento capaz de dominar, se apropriar e influenciar indivíduos dentro de um contexto social e cultural no qual a insegurança – e, mais profundamente, sua sensação – se faz presente de forma latente. Esse “jogo” de dominação, influência e apropriação cria um campo de força espacializado (RAFFESTIN, 1993) entre medo e indivíduo, matizados em relações de poder materiais e imateriais, simbólicas e concretas. Este campo de força emerge da busca do homem em eliminar ou mitigar o medo sentido. De forma didática, é como se houvesse um embate ininterrupto entre medo e indivíduo cujo objetivo é a dominação de um sobre o outro. Este campo de força é bastante complexo e acaba por engendrar uma gama de relações socioespaciais – entre indivíduos e entre eles e o espaço. É dentro deste campo de força que identificamos a emergência de duas territorializações específicas, que designamos como “territorializações do medo”.

23O primeiro movimento de territorialização do medo ocorre no momento de seu trinfo sobre o sujeito projetando-se sobre o espaço do corpo. Como destaca Guinard (2015, p. 14), “(...) la peur a en effet des traductions corporelles; elle modifie les pratiques, les déplacements ou bien encore les interactions des citadins comme des chercheurs”. O medo emerge como uma emoção (assim como as demais) que mediatizam as relações dos sujeitos com seus espaços imediatos de vivência cotidiana e entre eles e outros sujeitos, condicionando as maneiras de se portar e se relacionar com/no espaço. É importante ressaltar que não estamos falando de uma dimensão patológica do medo que, no caso, expressaria enfermidades que afligiriam o corpo (como a paralisia, tremores, desmaios), mas sim de uma performatividade que se realiza espacialmente, modificando trajetos na cidade, influenciado no uso de espaços públicos e privados, alterando paisagens, dentre outros.

24Neste sentido, o corpo emerge como uma primeira escala para a análise geográfica (SOUZA, 2013), sobretudo, porque não há como desvinculá-lo da própria dimensão do vivido, sendo ele mesmo um corpo vivido que se encontra em permanente contato com o mundo e com outros corpos, constituindo-se em síntese da própria existência. Como afirma Guattari (1992, p. 153), “a abordagem fenomenológica do espaço e do corpo vivido mostra-nos seu caráter de inseparabilidade”. Este mundo (ou espaço, para ficarmos com uma noção mais próximas a nós, geógrafos), visto por muitos como repleto de perigos, é fonte inesgotável de acontecimentos capazes de acionar o medo. Os sujeitos afetados pelo medo, em contrapartida, buscarão formas de arrefecer este sentir, atuando sobre o que julgam ser as causas para a insegurança, buscando diminuir sua vulnerabilidade frente aos possíveis perigos. Uma parte destas ações são, iminentemente, espaciais, e corroboram para significativas alterações de suas formas e conteúdos. Este “embate” entre medo e sujeito, não raro com a sobreposição do primeiro sobre o segundo, ainda que parcialmente, denota o movimento de territorialização (ou seja, de dominação, apropriação ou influência) do medo sobre o espaço do corpo.

  • 5 Em trabalho anterior (BAYER, 2016), pensamos estas duas subdivisões como territorializações autônom (...)

25O segundo movimento de territorialização do medo advém, justamente, de sua mediação sobre as ações dos sujeitos que buscam a mitigação deste sentir. Chamamos estas ações de “práticas espaciais de evitamento”: práticas sociais que possuem uma dinâmica espacial central (SOUZA, 2013), em que o foco é evitar o contato com um possível perigo, mitigando (e não resolvendo) o medo sentido. Aparentes, pois se materializam sobre o espaço de forma mais visível, estas práticas se subdividem em duas dinâmicas5.

26A primeira dinâmica vincula-se ao aumento do controle e vigilância sobre determinados territórios através da incorporação de uma vasta gama de parafernálias tecnológicas securitárias que, de certa forma, auxiliam em tarefas que os corpos territorializados pelo medo são incapazes de realizar. A câmera de vigilância funciona multiplicando seus olhos e ampliando sua memória ao gravar imagens do movimento dentro e fora de seu espaço; o vigilante noturno se torna a atenção que se perde durante a noite de sono; o alarme, de forma indireta, torna audível o inaudível e, ainda por cima, avisa seguranças particulares que estão distantes. Este processo amplo de securização urbana é resultado de ações vinculadas a uma dimensão de dominância funcional do espaço, onde se objetiva o controle físico do acesso, da entrada e saída, criando verdadeiros territórios fortificados (SOUZA, 2008).

27Resultado do aumento de uma chamada “arquitetura defensiva”, que passa a compor cada vez mais a paisagem de inúmeras cidades, estas formas espaciais denotam um processo interessante. Em Candelária, assim como em outras localidades, a securização urbana leva a uma ressignificação do antigo (porém, ainda presente) modelo panóptico, idealizado por Jeremy Bentham e largamente trabalhado por Foucault. Podemos falar, atualmente, em um panóptico espraiado, que se atomiza em cada residência e em cada estabelecimento comercial. Ambos partem da premissa do “ver sem ser visto”, mas o antigo é um dispositivo para se exercer poder e manter o controle “de dentro”, enquanto que o mais contemporâneo objetiva manter o controle “de fora”. Assim, câmeras de vigilância, cercas elétricas, seguranças privados, tentam manter o perigo ao máximo de distância possível, evitando que se aproxime de corpos e propriedades a serem preservados. Representamos esta ressignificação na figura 2.

Figura 2 - Ressignificação do modelo Panóptico

Figura 2 - Ressignificação do modelo Panóptico

Fonte: Hiram Bayer, 2017.

28A imagem contém dois elementos comuns a uma parte específica do bairro de Candelária (área de expansão mais recente), onde reside uma população de maior poder aquisitivo. É importante destacar que as estratégias de segurança e vigilância ou, de forma mais geral, de combate à insegurança, variam de acordo com diversos fatores, dentre eles aspectos econômicos, já que demandam custos elevados para manutenção. Em uma das imagens, apresenta-se uma residência com muros altos, cerca elétrica, câmera de vigilância e uma guarita para agentes privados de segurança; na outra, cabines que estão espalhadas pelas ruas e que servem de abrigo para, também, vigilantes privados, remunerados mensalmente pelos moradores da região.

29Outra dinâmica que ocorre no âmbito deste processo de securização recai sobre os pequenos estabelecimentos comerciais comuns na área mais central do bairro, de formação mais antiga. Boa parte deles são gradeados, impedindo que os clientes adentrem em seu espaço, deixando-os do lado de fora para que peçam os produtos que desejam, conforme representado na figura 2. O relato de uma comerciante que mantem seu estabelecimento sobre estes moldes, reflete as motivações e as insuficiências que envolvem esta forma de fortificação do espaço, dizendo: “Meu filho, eu trabalho aqui com essas grades porque a insegurança tá muito grande aqui nesse bairro. Quando não tinha essa grade a gente não podia nem sair daqui da frente, tinha que ficar o tempo todo aqui. Já aconteceu de eu ter que ir ali dentro olhar o almoço e quando voltar tá faltando coisa aqui (...) Uns moleques entram e levam (...) Mas você pensa que resolve de muita coisa essa grade? Nadinha...Já entraram de noite aqui por essa brecha [aponta para uma pequena ‘janela’ na grade] e levaram um monte de coisas”.

Figura 3- Estabelecimento comercial no bairro de Candelária, Natal-RN

Figura 3- Estabelecimento comercial no bairro de Candelária, Natal-RN

Fonte: Hiram Bayer, 2016.

  • 6 Pessoas que utilizam a carroça – carro puxado por um cavalo, normalmente – como meio de transporte (...)
  • 7 Chamamos este grupo de “indesejáveis”, no sentido de que, para muitos moradores entrevistados, suje (...)

30Ainda no âmbito das práticas espaciais de evitamento, ocorrem uma outra dinâmica que expressa os movimentos de territorialização do medo. Ela consiste, propriamente, em um distanciamento dos sujeitos, evitando o trânsito ou a permanência, a determinados espaços. Para tanto, realiza-se, pelos sujeitos afetados pelo medo, uma categorização de lugares da cidade como inseguros, a partir de critérios variados. Em Candelária, foram recorrentes a indicação de três fatores principais para se categorização: condições infraestruturais, como deficiência na iluminação pública e existência de vazios urbanos (geralmente, terrenos desocupados para especulação imobiliária); áreas em que há uma elevada incidência de crimes, sobretudo, furtos e roubos; e, locais onde há a presença de indivíduos ou grupos que são, a partir da produção de estereótipos, percebidos como perigosos, geralmente moradores em situação de rua, carroceiros6 e usuários de drogas ilícitas7.

31O espaço sempre é territorializado por algo, ou seja, sempre haverá relações de poder projetadas espacialmente onde quer que seja. Quando um destes critérios (ou algum outro não citado pelos moradores entrevistados) impede que sujeitos frequentem determinados lugares ou os evite, mudando seu trajeto diário, por exemplo, há a territorialização do medo sobre estes espaços, exercendo um certo domínio simbólico que impede, subjetivamente, a livre circulação e uso dos espaços públicos, principalmente. Para compreender melhor este processo, imaginemos a malha urbana das cidades como um imenso labirinto, cheio de entradas, saídas, possibilidade e, claro, muros. Esta territorialização do medo tornaria ainda mais complexo este labirinto, adicionando aos seus caminhos novos muros, alterando simbolicamente sua configuração, passando a condicionar de forma efetiva as trajetórias espaciais daqueles que, porventura, são afetados pelo medo a partir dos critérios citados. Para representar esta dinâmica na figura 4, onde realizamos um recorte no bairro de Candelária, localizamos espacialmente estes critérios e nos perguntamos “se um sujeito que considere evitável lugares com estas características partir do ponto A ao ponto B, qual trajetória possível faria?”

Figura 4 - Muros simbólicos em parte do bairro de Candelária, Natal-RN

Figura 4 - Muros simbólicos em parte do bairro de Candelária, Natal-RN

Fonte: Hiram Bayer, 2016

32Os dois movimentos de territorialização expostos anteriormente, engendrados por relações de poder em sentido amplo, são responsáveis pela construção de territórios onde o medo é um elemento central a sua constituição. Estes territórios são multiescalares e acompanham o contexto socioespacial em que estão inseridos, ou seja, obedecem a uma lógica relacional que lhes é intrínseca. Ademais, estes territórios são, cada um ao seu modo e a depender das relações que lhes produzem, mais ou menos duradouros ou efêmeros. A dinâmica territorial que envolve o fenômeno do medo, portanto, não pode ser vista como uma construção dada, permanente, mas, sim, que incorre em oscilações constantes, em um devir que o torna ainda mais complexa. Como expressão deste movimento constante de destruição e reconstrução territorial, podemos falar em movimentos de des-re-territorialização do medo.

A des-re-territorialização do medo

33Vimos que o medo, mesmo sendo imanente à própria condição humana, não obedece a uma linearidade absoluta. Antes, o medo é sentido em intensidades variadas que dependem do grau de interação entre o sentimento de insegurança e a vulnerabilidade. No campo de forças medo-sujeito, que foi descrito anteriormente, não ocorre o triunfo total de um sobre o outro. O que há, na verdade, são níveis distintos de apropriação e controle. Nem o sujeito é totalmente tomado pelo medo (exceto, talvez, em casos patológicos que não vêm ao caso), nem o medo é totalmente aniquilado por ele. Esta oscilação é resultado e resultante do permanente movimento de des-re-territorialização do medo.

34Partimos de uma compreensão da territorialização e re-territorialização como processo que se dá de forma concomitante: não há desterritorialização que não engendre uma nova territorialização, ou seja, uma reterritorialização (HAESBAERT; BRUCE, 2002). Como aponta Rogério Haesbaert (2004), existe um “mito da desterritorialização”, que decorre da má compreensão sobre o chamado “fim dos territórios”, a partir do entendimento da rarefação da dimensão espacial na contemporaneidade (supressão do espaço pelo tempo). Esta desterritorialização, na verdade, não leva ao propalado “fim do território”, mas sim à construção de outros territórios.

35A noção de desterritorialização tem como principais pensadores os filósofos franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari (2010; 2011). Esse conceito, acompanhado também da noção de território e territorialização, aparecem em diversas obras dos autores. Rogério Haesbaert e Glauco Bruce (2002), em artigo supracitado, realizaram um estudo que visou o enriquecimento do debate geográfico a partir da conceituação de territorialização e desterritorialização dos filósofos franceses, alertando para a abrangência que essas noções ganham no pensamento de ambos. Para eles, “o território é um agenciamento. Os agenciamentos extrapolam o espaço geográfico, por esse motivo o conceito de território dos autores é extremamente amplo, pois, como tudo pode ser agenciado, tudo pode ser também desterritorializado e reterritorializado” (HAESBAERT; BRUCE, 2002). Essa concepção vai desde o território concebido a partir da concepção naturalista (o território dos animais) até uma dimensão psicológica, do próprio pensamento. O fragmento do texto a seguir expressa a dimensão dessa ideia. Nele podemos ler que,

com mais forte razão, o hominídeo, desde seu registro de nascimento, ele desterritorializa sua pata anterior, ele a arranca da terra para fazer dela uma mão, e a reterritorializa sobre galhos e utensílios. Um bastão, por sua vez, é um galho desterritorializado. É necessário ver como cada um, em toda idade, nas menores provações, procura um território para si, suporta ou carrega desterritorializações (DELEUZE; GUATTARI, 2010)

36Ao falarmos da desterritorialização do medo, nos referimos ao seu movimento contínuo de destruição e reconstrução de territórios, tanto de ordem psicológica (o medo como sentimento que passa a “habitar” o indivíduo), como em sua posterior exterioridade (que são geradas a partir das sensações de vulnerabilidade e insegurança) que alicerça práticas espaciais múltiplas. Buscaremos, a seguir, demonstrar algumas dinâmicas em que se pode constatar este movimento de des-re-territorialização do medo, acionando escalas e processos distintos do fenômeno.

37Em primeiro lugar, é importante ser destacado que o sentir medo não se vincula estritamente ao estar situado em um contexto de insegurança real, ou seja, em áreas em que a violência é constante, onde a ocorrência de crimes é elevada. Isso quer dizer que o medo sentido não depende de um cenário permanente de perigos latentes. Em determinadas cidades, por exemplo, há áreas mais perigosas que outras, bairros onde ocorrem crimes com mais frequência que em outros. Entretanto, mesmo residindo em um destes lugares “mais tranquilos”, é comum que se sinta medo. Esse fato tem relação com uma característica do medo que já destacamos anteriormente que é o de ser auto reciclado, ou seja, ele advém de situações vivenciadas de forma direta ou indireta. Nesse sentido, a informação cada vez mais rápida e abrangente de crimes ocorridos em diferentes localidades acaba por criar uma perspectiva de generalização de uma situação que pode ser particular e localizada. Mesmo assim, há de se considerar que a inserção do indivíduo em um contexto de ocorrência recorrente de crimes violentos torna a possibilidade de sentir medo maior na medida em que cresce o seu sentimento de insegurança e de sua vulnerabilidade.

38“Não existe mais lugar seguro”. Esta frase, repetida diversas vezes por aqueles com quem conversamos durante a pesquisa, expressa a capacidade do medo torna-se generalizado. No caso de Candelária, esta expressão denota a conexão direta entre a realidade local, do bairro, com a condição mais ampla da própria cidade. Neste sentido, são muitas as lembranças que vem à tona nos relatos que se referem a um período em que a cidade não era tão violenta e, ao mesmo tempo, em que o bairro era percebido como um espaço seguro. Assim, alterações contextuais que podem ocorrer tanto em um longo período – como foi o caso de Natal –, quanto em um instante específico – algum episódio pontual de violência, algum crime de maior envergadura ou apelo popular, como nos eventos decorrentes da crise penitenciária no Rio Grande do Norte que acabou por repercutir no cotidiano dos natalenses – faz com que o medo se territorialize nos sujeitos. Consequentemente, mudanças significativas nestes contextos, gerais ou específicos, corroboram para a amenização do medo sentido.

39Também podemos citar as melhorias infraestruturais que atuam diretamente sobre as características que categorizam determinados espaços como perigosos. Iluminação pública precária e vazios urbanos (“terrenos baldios”) mal cuidados, como vimos, são percebidos como atributos capazes de “camuflar” determinados perigos. Um assaltante, por exemplo, poderá muito bem se esconder na escuridão ou por trás da vegetação do “terreno baldio”, posicionando-se de modo que vê o alvo sem ser visto. Essa “possibilidade da invisibilidade” que o espaço favorece emerge mesmo como um “trunfo” (RAFFESTIN, 1993) para os criminosos, tornando a apropriação/dominação de áreas com estas características um elemento quase que indispensável à sua prática. Em contrapartida, a melhoria das condições infraestruturais deste espaço pode ser um fator de amenização do medo sentido, fornecendo um aumento no sentimento de segurança, e mesmo da segurança real. O relato de um morador de Candelária com quem conversamos representa bem este fato. Ao falar sobre a mobilização das pessoas de sua rua para melhorar a iluminação da área, assim pontuou: “os vizinhos se juntaram (...)para comprar essas luzes, porque antes era tipo aquelas luzes amarelas, que eu não visualizava nada. Foi uma coisa privada, particular, se juntou e rateou o dinheiro e pronto, basicamente foi isso. Antes, aqui, era uma luz zero (...) você chegava com medo”.

40Também, as condições dos espaços públicos emergem, cada vez mais, como preocupação de suma importância dentro das políticas públicas de segurança. Alguns gestores públicos, por exemplo, tendem a minimizar a militarização da questão urbana como saída ao problema da insegurança e focam em ações de prevenção ao crime. Experiências de “animação” dos espaços públicos se mostram bem-sucedidas. Praças tidas como inseguras mudam de status quando recebem algum evento que as tornam, pelo menos momentaneamente, mais movimentadas. Em Candelária, destacamos eventos como o EcoPraça e a Feira Grátis da Gratidão que ocorreram algumas vezes na chamada Praça dos Eucaliptos, um dos espaços públicos do bairro mais citados como “evitável” ao sintetizar algumas condições que destacamos anteriormente, como a escuridão, a má preservação, frequência de usuários de drogas, dentre outros. Durante estes eventos, o que se viu foi uma completa mudança de status onde a praça, antes perigosa, tornou-se atrativa, amplamente frequentada e, consequentemente, menos insegura que habitualmente. Neste sentido, havia uma desterritorialização parcial do medo sobre aquele espaço, territorializado pelos sujeitos a partir de outras práticas (lazer, atividades lúdicas, grupos de discussão). Contudo, com o término destas atividades, o medo se reterritorializa sobre este espaço, até que outras práticas semelhantes voltem a acontecer. Na figura 5, podemos visualizar como fica a praça em dias de eventos como estes.

Figura 5 - Praça dos Eucaliptos, no bairro de Candelária, Natal-RN, durante o evento "Feira Grátis da Gratidão"

Figura 5 - Praça dos Eucaliptos, no bairro de Candelária, Natal-RN, durante o evento "Feira Grátis da Gratidão"

Fonte: Hiram Bayer, 2016.

41Há um outro movimento de des-re-territorialização do medo que se mostra mais complexo que os demais. Esse movimento se dá a partir de uma projeção do medo sobre outros corpos que são vistos como perigosos iminentes. Temos, por exemplo, aqueles indivíduos que carregam em sua corporeidade marcas que atribuímos à pobreza. Em nossa sociedade extremamente desigual, a pobreza é vista muitas vezes como um indício de perigo. Essa leitura corporal que muitos realizam e que tem como interpretação a insegurança está matizada, na maioria das vezes, a preconceitos sociais que se perpetuam no tempo e que resultam na estigmatização de indivíduos ou grupos inteiros. Em Candelária, como vimos, muitos moradores atribuíam a condição de insegurança à presença de moradores em situação de rua, a pedintes e a carroceiros, que transitavam por determinados espaços do bairro.

42Para aqueles que os julgam como perigosos iminentes, o deslocamento destes sujeitos pelo espaço coloca em movimento a própria insegurança. O medo, corporificado via estereótipo, territorializa o espaço com a simples presença destes sujeitos em uma determinada localidade, para logo se desterritorializar com sua partida e se reterritorializar na chegada a outra localidade. Neste movimento permanente, encontra-se a maior volatilidade na construção dos territórios do medo, pois são construídos e destruídos no ato da locomoção, ou seja, incorre em um devir ininterrupto.

43Destacamos somente os indivíduos que de certa forma carregam consigo as marcas da pobreza, mas poderíamos identificar, dentro da mesma lógica, outras “figuras”. Talvez a mais curiosa delas seja a do motociclista. Em várias cidades, muitos assaltos são realizados por indivíduos que utilizam como meio de transporte a motocicleta, em razão da velocidade, agilidade, entre outros motivos. Sua mobilidade pela cidade, associada a características do ambiente por onde passam, também provoca esta fluidez de construção e destruição de territórios do medo. Seu tráfego por uma rua “deserta” e mal iluminada pode gerar apreensão em alguém que esteja nela, por exemplo. Em ambos os casos, o medo pode ser acionado com a passagem destes “personagens”.

44Estas dinâmicas que trouxemos para exemplificar a des-re-territorialização do medo foram identificadas durante o período de pesquisa no bairro de Candelária. Em um movimento de comparação com outras realidades socioespaciais, em outros bairros de Natal e mesmo em outras cidades, é possível encontrarmos similitudes. Assim, estes movimentos de des-re-territorialização do medo criam um espaço fluído que é apropriado e dominado de formas variadas, diante de processos materiais e imateriais. Os usos e não-usos dependem, em parte, deste movimento, tornando o medo um sentimento/fenômeno dos mais relevantes na composição das dinâmicas urbanas.

Conclusão

45Neste artigo abordamos o território enquanto importante e proeminente categoria para a análise da dimensão espacial do medo do crime. Voltando-nos a realidade empírica do bairro de Candelária, foi possível identificar e analisar alguns movimentos de des-re-territorialização do medo, no qual vislumbramos sua condição de agente ativo no processo permanente de destruição e reconstrução de territórios, responsáveis por tornar ainda mais complexo seu espaço, tanto em uma dimensão material, alterando sua paisagem, como imaterial, influenciado na própria dimensão do vivido. Neste sentido, a geografia, através de seu escopo teórico e metodológico próprio e das possibilidades de diálogo com outros campos do conhecimento, nos oferece caminhos valiosos para a compreensão do fenômeno do medo do crime e suas repercussões no espaço urbano, fazendo com que nos aproximemos mais de sua complexidade.

46O foco sobre as dinâmicas territoriais que envolvem o medo do crime nos possibilitou transitar por diferentes escalas, demostrando sê-lo um fenômeno, iminentemente, multiescalar. Consequentemente, compreendemos que o próprio discurso geográfico nos possibilita que transitemos pelas mais distintas escalas espaciais. E, assim, foi possível refletir acerca do corpo como espaço passível de uma análise geográfica, considerando-o enquanto primeira escala, pois é na inseparabilidade de corpo e mundo que o espaço é construído socialmente. Defendemos, portanto, “(...) uma centralidade maior do corpo nas geografias que fazemos, apreciando o poder, as representações e as práticas do corpo no emaranhado das modernas espacialidades” (AZEVEDO; PIMENTA; SARMENTO, 2009, p. 12). Neste sentido, vimos que a primeira territorialização do medo dá-se sobre o espaço do corpo, que passa a ser influenciado por este sentimento.

47O medo, então, passa a mediar as ações dos sujeitos no espaço. Isso porque, estes sujeitos passam a atuar sobre aquilo que julgam ser a causa da insegurança, dos perigos iminentes, sejam eles reais ou imaginários. Parte destas ações repercutem diretamente no espaço, alterando significamente sua configuração, organização e vivência. Chamamos estas ações de práticas espaciais de evitamento. Em Candelária, elas são responsáveis pela construção de territórios de dominância funcional, que objetivam maior controle da entrada e saída, representados por residências e estabelecimentos comerciais fortificados através da incorporação de equipamentos de segurança e vigilância. Também atuam na construção de territórios de dominância simbólica, ao erguer novos muros (subjetivos) a partir da categorização de espaços e sujeitos que passam a ser percebidos como inseguros e, portanto, evitáveis. A dinamicidade deste processo advém da volatilidade com que estes territórios são constantemente destruídos e reconstruídos, apontando para os movimentos de des-re-territorialização do medo.

48É importante destacarmos que, mesmo focando no bairro de Candelária, não podemos dizer que o que tratamos aqui seja algo particular a esta localidade. Isso porque, cada qual a seu modo, outras reflexões apontam para processos semelhantes. O que pretendemos, aqui, é apontar um caminho válido para se analisar o fenômeno do medo do crime a partir de uma perspectiva geográfica, como foco em sua dimensão territorial. Este caminho, naturalmente, poderá servir de guia para outras reflexões, em outras localidades, sobre outros contextos espaciais e temporais. Para isso, faz-se necessário mediações e adaptações e, sobretudo, a compreensão de que esta análise da conta de uma pequena parcela da complexidade que envolve o fenômeno.

49Por fim, fecharemos este artigo, paradoxalmente, com uma abertura nos é dada por Yi-Fu Tuan ao dizer que “o estudo do medo, por conseguinte, não está limitado ao estudo do retraimento e entrincheiramento; pelo menos implicitamente, ele também procura compreender o crescimento, a coragem e a aventura” (TUAN, 2005). Busquemos então, em oportunidade futura, destacar outras territorializações do medo, capazes de ressignificar o uso de espaços públicos, recompor laços de solidariedade, criar novas formas de sociabilidade, enfim...produzir outras lógicas.

Haut de page

Bibliographie

Azevedo, A. F; Pimenta, J. R; Sarmento, J. (Org.). Geografias do corpo: ensaios de geografia cultural. Lisboa: Editora Figueirinhas, 2009.

Bauman, Zygmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

Bayer, Hiram de Aquino. Pelos caminhos de um labirinto: reflexões sobre as territorializações do medo no bairro de Candelária, Natal-RN. Natal, 2016. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Beck, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2011. 2 ed.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. O que é a filosofia?. São Paulo: Editora 34, 2010. 2 ed.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia, 1. 2. ed. São Paulo, SP: Ed. 34, 2011.

Delumeau, Jean. História do medo no ocidente 1300-1800: uma cidade sitiada. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Foucault, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1977.

Foucault, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. 

Gomes, Paulo César da Costa. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

Guattari, Felix. Caosmose: um novo paradigma estético. 1.ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

Guinard, Pauline. “De la peur et du geografe à Johannesburg (Afrique du Sud)”. Geographie et cultures, 93-94, 2015, 277-301.  URL : http://journals.openedition.org/gc/4013 Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

Haesbaert, Rogério; Bruce, Glauco. “A desterritorialização na obra de Deleuze e Guattari”. GEOgraphia, vol. 4, n. 7, 2002, p. 7-22.

Haesbaert, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

Haesbaert, Rogério. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

Raffestin, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

Rebotier, Julien. “A fábrica da insegurança: entre lenda urbana e gestão (Caracas)”. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, 2010, v. 22, n. 2, p. 143-16.

Souza, Marcelo Lopes de. “O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento”. In: CASTRO, Iná E. de (org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

Souza, Marcelo Lopes de. Fobópole: o medo generalizado e a questão da militarização urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

Souza, Marcelo Lopes de. Os Conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

Tuan, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

Tuan, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

Tuan, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

Waiselfisz, Julio Jacobo. Mapa da violência 2013: homicídio e juventude no Brasil. Rio de janeiro: FLACSO/CEBELA, 2013.

Haut de page

Notes

1 De acordo com o Anuário Estatístico de Natal-RN, 2016.

2 Orientada pela prof. Dra. Eugênia Maria Dantas (UFRN).

3 Cf. Bayer (2014) para descrição detalhada dos procedimentos metodológicos da pesquisa.

4 A obra completa de Michel Foucault contribui para a construção desta noção mais ampla do poder, lançando-o a escalas macro e micro sociais. Destacamos Microfísica do Poder (1979) por compilar esta contribuição.

5 Em trabalho anterior (BAYER, 2016), pensamos estas duas subdivisões como territorializações autônomas. Decidimos, aqui, englobá-las dentro das “práticas espaciais de evitamento”.

6 Pessoas que utilizam a carroça – carro puxado por um cavalo, normalmente – como meio de transporte e/ou trabalho.

7 Chamamos este grupo de “indesejáveis”, no sentido de que, para muitos moradores entrevistados, sujeitos com estas características não deveriam estar no bairro. Reforçamos o caráter, muitas vezes, preconceituoso, motivado pela produção de estereótipos que leva, consequentemente, à estigmatização destes grupos.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1- Mapa de localização do bairro de Candelária, Natal-RN, Brasil.
Crédits Fonte: Hiram Bayer, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13588/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 548k
Titre Figura 2 - Ressignificação do modelo Panóptico
Crédits Fonte: Hiram Bayer, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13588/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 3- Estabelecimento comercial no bairro de Candelária, Natal-RN
Crédits Fonte: Hiram Bayer, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13588/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 688k
Titre Figura 4 - Muros simbólicos em parte do bairro de Candelária, Natal-RN
Crédits Fonte: Hiram Bayer, 2016
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13588/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Figura 5 - Praça dos Eucaliptos, no bairro de Candelária, Natal-RN, durante o evento "Feira Grátis da Gratidão"
Crédits Fonte: Hiram Bayer, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13588/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 387k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hiram de Aquino Bayer et Eugênia Maria Dantas, « Notas teóricas para o estudo do medo pela Geografia », Confins [En ligne], 36 | 2018, mis en ligne le 30 juin 2018, consulté le 13 novembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13588 ; DOI : 10.4000/confins.13588

Haut de page

Auteurs

Hiram de Aquino Bayer

Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, hirambayer@gmail.com.

Eugênia Maria Dantas

Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, eugeniadantas@yahoo.com.br.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals