Navigation – Plan du site

Modelização gráfica da Pré-História do Rio Grande do Sul: Os sítios arqueológicos ameríndios, culturas e temporalidades

Modélisation graphique de la préhistoire du Rio Grande do Sul: sites archéologiques amérindiens, cultures et temporalités
Graphical modeling of Rio Grande do Sul’s Prehistory: Amerindian archaeological sites, cultures and temporalities
Danilo Alexandre Galhardo, Juliana Aparecida Rocha Luz Zago, Thiago Moraes Passos et David Lugli Turtela Pereira

Résumés

Cet article a travaillé sur des données datées des sites archéologiques de différentes cultures amérindiennes et traditions archéologiques de l'État du Rio Grande do Sul (sud du Brésil), tirées de quelques synthèses de travaux archéologiques. La systématisation de l'information a permis la construction de cartes thématiques (produites dans le logiciel ArcGIS version 10.2) et de figures basées sur la méthode de modélisation graphique, entendu comme un “outil d'analyse régionale” (THÉRY, 2004). Ainsi, des chorèmes appuyés sur différentes études archéologiques menées dans le pays, les emplacements des contextes culturels et leur datation absolue, ont permis de rendre des hypothèses sur les flux et les stabilités sur le territoire.

Haut de page

Texte intégral

1A história de longa duração do estado do Rio Grande do Sul caracteriza-se por um conteúdo bastante amplo e complexo, nesse sentido, este artigo representa um recorte temporal e espacial a partir da sistematização de dados de pesquisas que trataram apenas dos sítios arqueológicos ameríndios datados no estado gaúcho. O que elas revelam em termos de culturas e temporalidades, e como estas estão distribuídas pelo território. Além da exposição textual, são apresentados como recursos os mapas temáticos (produzidos no ArcGIS versão 10.2) e a modelização gráfica, esta entendida como um “instrumento de análise regional” (THÉRY, 2004, p.179).

  • 1 Grupo de Interesse Público fundado na França por Roger Brunet na década de 1980, que rende homenage (...)

2A modelização gráfica foi desenvolvida por geógrafos franceses ligados ao GIP RECLUS1. Teve como nome mais destacado nesse campo Roger Brunet. No início dos anos 1980, Brunet criou o que chamaria de coremática (chorème) “estrutura elementar do espaço, que se representa por um modelo gráfico” (BRUNET, 1986, p.02 apud GONÇALVES, 2012, p.24).

3O método da coremática ao longo dos anos 1980 e 1990 foi aperfeiçoado, ganhando maior corpo teórico. Nos anos 1990, Brunet publica de forma sistematizada o que seria o resultado de suas ideias em volta do que chamou de avaliação e prospecção dos territórios “Evaluation et Prospective des Territoires”. Sobre o método o autor expõe que:

  • 2 Elles [evaluation et prospective] dépassent de loin la question des stratégies de localisation. Ell (...)

Eles [avaliação e prospecção] excedem em muito a questão das estratégias de localização. Eles vêm insistindo, há alguns anos, sob diferentes formas, em torno do tema: o que podemos e o que deveríamos pensar sobre esse lugar, esse espaço? O que acontece nele, o seu todo, quais seus limites, seus saberes, suas tensões, seus riscos, suas ligações e suas dinâmicas? Quais os principais problemas, quais perspectivas? O que podemos fazer com isso? (BRUNET, 1990, p.01, tradução nossa).2

4A modelização gráfica é um método que não tem por objetivo eliminar a complexidade dos atributos espaciais e de suas relações, pelo contrário, parte deles, e entende que os modelos são verdades parciais e provisórias que nos ajudam a pensar as realidades. Almejam conceder ao receptor uma formulação gráfica que combine os elementos dinâmicos de forma didática. Assim, “[...] cada lugar situa-se numa série de “campos” que estruturam o espaço, cuja interferência local forma um sistema; que cada situação define-se em relação a fluxos, por conseguinte em relação a centros, direções, limites” (THÉRY, 2004, p.179).

5Combina-se, dessa forma, a complexidade de fenômenos gerais do espaço geográfico e aqueles locais, visualizados por meio do arranjo de símbolos / figuras. “Essas figuras representam aquilo que chamamos de Coremas, que expressam as diferentes lógicas de controle e dominação do espaço” (GONÇALVES, 2012, p.25). Foram criados por Brunet (2001) apud Girardi (2008), um total de 28 coremas, os quais divididos em quatro colunas (ponto, linha, área e rede) e sete linhas (malha, disposição, gravitação, contato, tropismo, dinâmica territorial e hierarquia).

6Nesse sentido, esse artigo seguiu bases teóricas e metodológicas advindas dos trabalhos de Roger Brunet (2001) e Théry (2004), especialmente. Ao abordar aspectos locacionais, as culturas e as temporalidades dos sítios arqueológicos ameríndios datados no Rio Grande do Sul foram feitas algumas adaptações nos símbolos utilizados na modelização gráfica.

7Os dados trabalhados não tiveram por objetivo a exaustão, eles foram levantados por meio de pesquisa secundária em importantes trabalhos arqueológicos na região, como segue: Noelli (1999-2000); Dias (2003, 2007); Milheira e Wagner (2014) e Copé (2015). Esses autores realizaram importantes contribuições acerca da tecnologia de produção dos artefatos, estudos sistemáticos de dados e de contextos arqueológicos ameríndios, buscando resgatar informações no tempo – a partir de datações e no espaço – associando as análises das coleções arqueológicas à paisagem dos sítios e aos padrões de assentamento. As coleções foram datadas de forma absoluta, por meio de métodos como a termoluminescência e o carbono 14, quando era possível pesquisas temporais absolutas; já as inferências temporais relativas auxiliaram na interpretação dos contextos arqueológicos e, muitas vezes, dos instrumentos associados.

8Ressaltamos que se busca aqui contribuir com questões acerca da modelização gráfica como importante ferramenta para a representação dos fenômenos no tempo e no espaço, por esse motivo a escolha de dados amostrais a partir de contextos arqueológicos datados. Muito embora, o conceito de tradição arqueológica permeie os sistemas de modelização elaborados, nesse momento, não é nosso objetivo discutir de forma verticalizada questões relacionadas a esse conceito. Nesse sentido, acreditamos que a modelização gráfica pode servir ao estudo do passado, sob método retrospectivo, “[...] uma espécie de geografia histórica ou de história espacial, supõe apenas que a gramática elementar das formas de ação das sociedades sobre o espaço é aplicável ao passado como é aplicável à todas escalas” (THÉRY, 2005, p.183).

9Nas itemizações apresenta-se uma breve contextualização do espaço geográfico e arqueológico, de dados que seguem uma linha espaço-temporal das culturas arqueológicas no estado gaúcho (a partir das tradições arqueológicas: Umbu, Humaitá, Guarani, Vieira e os Jê – esta última denominação não é uma tradição arqueológica, ela remete às culturas associadas ao tronco linguístico), começando pela tradição de caçadores-coletores Umbu, a cultura dos primeiros povoadores da região.

10É válido assinalar que as posições locacionais dos sítios arqueológicos expostas nos mapas são aproximadas, em outras palavras, pelos dados consultados e levantados não foi possível a obtenção de coordenadas geográficas e/ou de Universal Transversa de Mercator (UTM), estas que dariam localizações mais fidedignas. Desse modo, os mapas apresentam a localização dos sítios de acordo com seus respectivos municípios, em pontos centroides; quando havia sobreposições, deslocados para possibilitar a visualização dos pontos nos recortes territoriais.

Culturas arqueológicas no estado do Rio Grande do Sul: Os sítios arqueológicos ameríndios datados

Tradições Umbu e Humaitá

11Noelli (1999-2000, p.220) aponta que a região Sul do país é a mais abundante em dados arqueológicos, porém a maior parte deles é desprovida de qualidade histórica, visão sistêmica e sociológica. São dados robustos no quesito classificações tipológicas, seriações e sítios isolados. Segundo o mesmo autor, a maioria dos dados arqueológicos conhecidos para o estado rio-grandense serve para concluir que: 1) houve ocupação humana; 2) que ela foi mapeada geográfica e cronologicamente; 3) que a datação mais antiga para o Sul alcança 12.000 A.P.; 4) que há uma distinção formal, estilística e tecnológica entre os principais conjuntos de registros arqueológicos; 5) que houve diversos processos de ocupação do espaço ao longo do tempo por populações distintas; 6) que há padrões de adaptação ecológica e 7) que há continuidade e coincidência entre grupos linguísticos e cultura material.

12Noelli (1999-2000) ainda vai destacar que as pesquisas arqueológicas atuais buscam, o que as passadas ignoraram, ou seja, a compreensão de continuidade cultural, entre os grupos que habitavam o estado no momento da colonização e daqueles pré-históricos. As pesquisas arqueológicas na região Sul revelaram que os ameríndios se adaptaram a diversos tipos de ambiente, uma vez que todos os espaços, configurados por relevos, ecótonos e climas diversificados foram ocupados. Não existe nenhum tipo de ambiente no Sul do país que não tenha sido ocupado sistemática ou ocasionalmente.

13Segundo Dias (2006) as Tradições líticas Umbu e Humaitá foram definidas na região sul do Brasil nas décadas de 1960 a 1970. Essas definições foram feitas a partir dos resultados de trabalhos empreendidos por pesquisadores do Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas – PRONAPA. De acordo com Schmitz (2007), nas pesquisas realizadas pelo programa, a Tradição Umbu corresponderia a sítios que apresentavam grande quantidade de pontas de projétil líticas, consideradas o “fóssil-guia” dessa tradição, associadas a pequenos e grandes instrumentos bifaciais (LUZ, 2010).

14Sítios Umbu são encontrados, frequentemente, em áreas abertas, em bordas de matas, na Floresta Atlântica da encosta leste do planalto meridional e, com menor frequência, nas florestas densas que acompanham o curso médio e inferior dos Rios Paraná, Paraguai, Uruguai e Jacuí, incluindo alguns de seus afluentes maiores (SCHMITZ, 2007). Este autor esclarece ainda que o limite setentrional da Tradição Umbu é o cerrado do Brasil Central, onde ela é substituída no começo do Holoceno por um contexto lítico diferente, denominado de Tradição Itaparica. “Em termos geográficos a Tradição Umbu está associada a regiões de clima subtropical, e os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo, abrangendo também o Uruguai e as Províncias Argentinas de Missiones e Corrientes” (DIAS, 2007, p.35).

15Já a Tradição Humaitá, segundo Dias (2006), foi representada pelos sítios superficiais a céu aberto encontrados especialmente em encostas do planalto sul brasileiro, vales do alto Rio Uruguai, nas áreas mais elevadas do Planalto das Araucárias e no norte do estado gaúcho; estaria presente também em outros estados da federação, como Santa Catarina, noroeste do Paraná e sul de São Paulo, nas cercanias da bacia do Rio Paranapanema, principalmente. A indústria lítica é caracterizada por peças bifaciais de grande porte e morfologia variada, como bumerangóides, choppers alongados, instrumentos unifaciais e bifaciais, raspadores plano-convexos e lascas retocadas (LUZ, 2010).

16Da mesma forma, Ribeiro (2000), expôs que dois tipos de paisagens presentes nos estados meridionais, o primeiro caracterizado por paisagens abertas (campos) e o segundo por vegetação mais densa e fechada (florestas), teriam permitido a ocupação de duas tradições também distintas. A tradição lítica que representava caçadores adaptados à paisagem campestre, com utensílios confeccionados sobre lascas, lâminas de pedra e as pontas de projétil (flecha, lança e dardo), esta última o marcador cultural mais destacado e fóssil guia, seria denominada Umbu. A tradição de áreas fechadas, que demandariam utensílios mais robustos e pesados, por exemplo, choppers, chopping tools, raspadores plano-convexos e bifaces, feitos principalmente sobre blocos, e em que o fóssil guia seria representado pelos bumerangóides, foi nomeada de Humaitá.

17As datações obtidas para os sítios líticos Umbu os colocariam em uma faixa temporal que se estende desde aproximadamente 12.000 mil A.P. até o período próximo ao contato com os portugueses e espanhóis. Sua extensão territorial começa no sudeste gaúcho e segue para o oeste no planalto, alcançando o litoral; outra rota teria sido pelo rio Uruguai até o rio Paraná e afluentes. Ribeiro (2000) cita que o predomínio locacional dos sítios Umbu teria ocorrido em abrigos sob rocha. O longo período temporal de sua existência e a extensão da área na qual está presente essa tradição obrigaram os pesquisadores a dividi-la em três períodos e 22 fases para toda a macrorregião sul (DIAS; HOELTZ, 1997, p.21; DIAS, 2007, p.33).

18Não são muito numerosos os dados que tratam das primeiras ocupações humanas no estado, ocupações estas também conhecidas como paleoíndias. De acordo com Schmitz (1984), os sítios Umbu do final do Pleistoceno “estão localizados na margem esquerda do Uruguai e nos seus afluentes Ibicuí, Touro Passo e Quaraí, nos municípios de São Borja, Itaqui, Uruguaiana, Quaraí e Alegrete” (SCHMITZ, 1984, p.07). Pesquisas mais recentes também levantaram sítios paleoíndios Umbu no nordeste gaúcho (DIAS, 2003, 2007). Nos Mapas 1 e 2 apresentam-se os sítios arqueológicos das Tradições Umbu e Humaitá datados na região sul do Brasil.

Mapa 1: Sítios Arqueológicos, da Tradição Umbu, datados na região sul do Brasil

Mapa 1: Sítios Arqueológicos, da Tradição Umbu, datados na região sul do Brasil

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Mapa 2: Sítios Arqueológicos, da Tradição Humaitá, datados na região sul do Brasil

Mapa 2: Sítios Arqueológicos, da Tradição Humaitá, datados na região sul do Brasil

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

19Estudos desenvolvidos nas décadas de 1980 e 1990 nas indústrias líticas filiadas às tradições Umbu e Humaitá revelaram que a primeira era extremamente homogênea, enquanto a segunda apresentava conjuntos líticos diversos, sem padrão tecnológico claro, mas mais bem entendidos quando relacionados a grupos horticultores (DIAS; SILVA, 2001; DIAS, 2003, 2006, 2007; GALHARDO, 2010). Dias (2006), ao tratar da Tradição Humaitá, afirma ainda que “estes, em geral, estão associados a áreas tradicionalmente ocupadas por horticultores, associados à Tradição Taquara e à Tradição Guarani, podendo estes sítios líticos fazer parte dos sistemas de assentamento destes grupos ceramistas” (DIAS, 2006, p.42).

20Ainda não há indicadores que definam de qual região da América do Sul vieram as primeiras populações paleoíndias. O que de fato as pesquisas arqueológicas apontam é uma continuidade territorial, estreita ligação dos dados do atual estado gaúcho e dos territórios uruguaio e do nordeste argentino.

21Atualmente, muitas críticas são feitas ao conceito de “tradição arqueológica” utilizado pelo PRONAPA. “Embora o conceito de tradição corresponda a um expediente de classificação que diagnostica variabilidade entre conjuntos artefatuais, não permite explicar como essa variabilidade se relaciona a comportamentos culturais no passado” (DIAS, 2006, p.187).

22De acordo com Dias e Silva (2001), uma confusão interpretativa pode estar relacionada ao método utilizado. A metodologia de campo, que definiu as Tradições Umbu e Humaitá, utilizada por Evans e Meggers na época do PRONAPA (1965-1971), era baseada em prospecções de áreas amplas, com estratégias oportunísticas, realizando-se coletas assistemáticas e sondagens em níveis artificiais de um ou dois poços por sítio, proporcionando uma amostra insuficiente para gerar informações confiáveis nesses sítios líticos (LUZ, 2010).

23Nesse contexto, Dias (2003) pensa que as pesquisas arqueológicas precisam ser verticalizadas, os dados devem ser acompanhados de estudos regionais substanciais e datações, trabalhados a partir do conceito de sistema de assentamento, a fim de “entender a relação dos sítios de uma região como entidades dinâmicas, fruto de estratégias de mobilidade e uso do espaço por distintas sociedades pretéritas (DIAS, 2003, p.49)”.

Modelização Gráfica

24Para os caçadores-coletores relacionados à Tradição Umbu, foi observado que as datações alcançam cerca de 12 mil anos e se estendem até 630 A.P. Esses grupos habitaram todos os distintos ecossistemas e ambientes.

25As datações mais antigas registradas estão no vale do rio Uruguai, divisa com a Argentina, entre as cidades de São Borja, Alegrete, Itaqui e Uruguaiana (12.770 a 8.585 anos). No nordeste gaúcho, vale dos rios Caí, das Antas, Maquiné e Jacuí, as datações vão de 9.430 a 1.425 anos, onde destacam-se as bacias dos rios Jacuí, Antas e Caí. Cabe mencionar que no litoral, no município de Rio Grande, alguns sítios da Tradição Umbu foram datados de 2.435 a 2000 anos A.P.

26Alguns arqueólogos acreditam que após as grandes migrações Guarani e Jê, esses povos (os Umbu) tenham perdido território, ficando confinados nas áreas mais altas do estado. Outra hipótese também discutida é que eles poderiam ser (linguística e biologicamente) os Minuanos e Charruas, apontados por muitos pesquisadores no século XX como os construtores dos Cerritos – Tradição Vieira (2.500 – 2.000 anos atrás).

  • 3 A figura geométrica base utilizada nas modelizações gráficas ao longo do texto busca representar de (...)

27A modelização gráfica3 está dividida em 4 elementos que compõem a estrutura (Figura 1):

Figura 1: Modelização Gráfica dos grupos caçadores coletores antigos “Umbu”

Figura 1: Modelização Gráfica dos grupos caçadores coletores antigos “Umbu”

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

28Optamos por mostrar os dados da Tradição Humaitá apenas nos mapas temáticos pois, entendemos que esta tradição ainda traz questões latentes à Arqueologia.

A ausência de estudos regionais e escavações contextualizadas, acompanhadas de estudos tecnotipológicos centrados na interpretação da variabilidade lítica, contribuíram ao longo dos anos, para firmar estas pré-concepções e transformar a Tradição Humaitá em um depositário de conjuntos líticos, muitas vezes dispares entre si, que não se encaixavam em conjuntos formais tecnologicamente mais claros, como os da Tradição Umbu. (DIAS, 2003, p.47).

Tradição Guarani

29Pesquisadores apontam que a grande diáspora Tupi teria se iniciado por volta de 2.500 A.P. no norte do Brasil. Esses índios teriam partido da Amazônia oriental e descido pelas calhas dos grandes rios que correm para o sul e outra parte teria tomado o rumo leste, via litoral. “A comparação entre o vocabulário “básico” de todas as tribos do tronco linguístico Tupi-Guarani fez com que a separação entre eles pareça ter ocorrido entre 2.500 e 2.800 anos atrás” (PROUS, 1992, p.410). A divisão do tronco linguístico com hífen e da tradição arqueológica toda junta – Tupiguarani, ainda traz à tona grande debate sobre a dispersão desses povos.

La population amérindienne rencontrée par les Européens sur les rivages de l´Athantique est assez homogène en termes culturales et linguistiques, divisée en deux grands groupes: les Guarani, dans le bassin Paraná-Paraguay, et les Tupi le long du littoral, de Rio de Janeiro jusqu´au Ceará. (DROULERS, 2001, p.39).

30Segundo os dados coletados nas fontes secundárias já citadas nesse texto, a datação Guarani mais antiga obtida no território gaúcho foi de 1.800 A.P., e ela foi registrada no centro do estado, indicando que ao norte e noroeste possam ser encontradas ocupações mais antigas, uma vez que os eixos migratórios conhecidos teriam adentrado a região por essas áreas, navegando pelos rios Paraná e Paraguai e seus afluentes.

Uma grande parte do estado foi ocupada pelos Guarani, excetuando os campos do nordeste rio-grandense e da Campanha, onde começa o Pampa. A bacia do rio Uruguai favoreceu a ocupação do interior, pelos muitos vales dos grandes e médios afluentes que nascem próximos da região central. A cobertura vegetal destas partes foi outro grande atrativo para os Guarani. A relação entre as datações dos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina são chaves para a percepção do caminho da expansão desde o norte, sendo que o litoral de Santa Catarina foi o último espaço a ser dominado (NOELLI, 1999-2000).

A distribuição dos sítios arqueológicos datados no Rio Grande do Sul pode ser visualizada no Mapa 3, na sequência apresenta-se a modelização gráfica dessa tradição no estado rio-grandense.

Mapa 3: Sítios Arqueológicos, da Tradição Guarani, datados na região sul do Brasil

Mapa 3: Sítios Arqueológicos, da Tradição Guarani, datados na região sul do Brasil

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Modelização Gráfica

31Segundo os dados, os Guarani vieram de área ao oeste da Amazônia, entre os rios Madeira e Amazonas, em grande êxodo que teria ocorrido por volta de 2.500 A.P. Em processo de contínuo crescimento demográfico e expansão territorial chegaram ao Sul. Ao longo de centenas de anos conquistaram um vasto território no Brasil, Paraguai, Argentina, Uruguai e Bolívia (BROCHADO, 1984, 1989).

32A datação mais antiga Guarani para o Rio Grande do Sul alcança 1.800 A.P e localiza-se no município de Agudo, no centro do estado. O que indica que as bordas, mais a noroeste, oeste e norte, possivelmente apresentarão datas mais recuadas, conforme as pesquisas arqueológicas avancem.

33Os Guarani ocuparam muitos ambientes. Há assentamentos por todo o litoral, bacia do Uruguai e nordeste do Rio Grande do Sul. Áreas da campanha, centro-oeste e noroeste têm vazios no que se refere a essa ocupação. Tal fato pode estar relacionado a carência de estudos sistemáticos e de contextos datados.

34A modelização gráfica está dividida em 4 elementos que compõem a estrutura (Figura 2):

Figura 2: Modelização Gráfica dos Guarani.

Figura 2: Modelização Gráfica dos Guarani.

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Os povos Jê

35Os povos Jê são conhecidos historicamente na região como Kaingang e Xokleng. Eles teriam sua origem histórica no planalto central do Brasil; “[...] as populações que começaram a conquistar o Sul do Brasil há cerca de 2.500 - 2.000 A.P. tinham estrutura, tecnologia, adaptabilidade e densidade demográfica distintas dos caçadores-coletores” (NOELLI, 1999-2000, p.227).

36Essas sociedades logo transformaram os ambientes que ocuparam; desenvolveram a agricultura, praticaram a caça, a coleta e a domesticação de animais e plantas, essenciais às suas alimentação e medicina.

37O PRONAPA classificou em diferentes tradições o que seriam grupos ligados ao tronco Macro-Jê: Tradição Itararé, Casa de Pedra e Taquara. De fato, existem diferenças materiais entre eles, mas também se verifica semelhanças nesses grupos que ocuparam continuamente as terras mais altas do planalto meridional brasileiro (NOELLI, 1999-2000).

38A datação Jê mais recuada no estado gaúcho data de 1.810 A.P. e foi registrada no município de Bom Jesus, onde diversos sítios arqueológicos foram escavados. Foram reveladas muitas de suas estruturas habitacionais subterrâneas e semi-subterrâneas.

39Para Noelli (1999-2000, p.241), os Jê do Sul do Brasil foram sendo empurrados primeiramente pelos Guarani (entre 1000 e 2000 A.P.) para longe dos grandes cursos de água e afluentes, ficando confinados nas terras altas e frias a norte e nordeste do estado. À época da chegada dos primeiros colonizadores, o litoral norte gaúcho era predominantemente habitado por índios Xokleng e Kaingang, conhecidos também como Botocudos e Coroados. Com o avanço dos colonizadores esses povos sofreram mais retrocessos, quase sendo extintos por completo (NOELLI, 1999-2000).

40De modo geral, os assentamentos Kaingang e Xokleng eram semelhantes e por mais que as casas subterrâneas tenham destaque como “traço cultural diagnóstico”, esses grupos também habitaram aldeias a céu aberto, abrigos sob rocha e sambaquis. O Mapa 4 apresenta a distribuição dos sítios arqueológicos Jê no estado gaúcho e, em seguida, a modelização gráfica elaborada para essa(s) cultura(s).

Mapa 4: Sítios arqueológicos Jê datados no Rio Grande do Sul

Mapa 4: Sítios arqueológicos Jê datados no Rio Grande do Sul

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Modelização Gráfica

41A modelização gráfica está dividida em 5 elementos que compõem a estrutura (Figura 3):

Figura 3: Modelização Gráfica dos povos Jê

Figura 3: Modelização Gráfica dos povos Jê

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Tradição Vieira

42Por volta de 2.500 A.P. grupos humanos começaram a construir aterros na planície litorânea gaúcha, denominados pelos arqueólogos de “cerritos”. Ao redor de 2.100 A.P. essas sociedades passaram a manufaturar cerâmicas simples. Segundo Prous (1992, p.294), Schmitz o principal estudioso dos cerritos, deu o nome de Tradição Vieira aos cerritos arqueologicamente mais recentes, aqueles com presença de cerâmica.

43Em relação aos cerritos, pode-se dizer que são estruturas arqueológicas monticulares, constituídas predominantemente com terra e diferentes tipos de vestígios de cultura material: arqueofauna, instrumentos líticos e cerâmicos, estruturas de combustão e enterramentos humanos. As evidências materiais escavadas nessas estruturas monticulares podem estar associadas aos índios conhecidos historicamente como Minuano e Charrua. Segundo Noelli (1999-2000) esses grupos parecem ser descendentes da Tradição Umbu, pois existe similaridade arqueológica.

44Os cerritos encontram-se no Sul da América do Sul, distribuídos nas porções leste e norte do Uruguai, no Rio Grande do Sul e na porção nordeste da Argentina. Destacam-se na paisagem pampiana da campanha gaúcha, seguem as várzeas alagadas dos arroios, lagoas e banhados. Para Garcia e Milder (2012), os cerritos são pensados como cemitérios, demarcadores territoriais, locais de descarte, praças centrais das aldeias, lugares erguidos para a habitação em áreas alagadiças ou mesmo monumentos que remontam à memória e à identidade de seus construtores. No Mapa 5 apresenta-se a distribuição dos sítios arqueológicos da Tradição Vieira no estado gaúcho e, em seguida, a modelização gráfica elaborada para essa tradição arqueológica.

Mapa 5: Sítios arqueológicos datados da Tradição Vieira no Rio Grande do Sul

Mapa 5: Sítios arqueológicos datados da Tradição Vieira no Rio Grande do Sul

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Modelização Gráfica

Tradição Vieira

45A modelização gráfica da Tradição Vieira está dividida em 3 elementos que compõem a estrutura (Figura 4). A Tradição Vieira estende-se pela Campanha e por todo litoral do Rio Grande do Sul mas, de acordo com o levantamento efetuado, há sítios datados apenas no município de Rio Grande.

Figura 4: Modelização Gráfica Tradição Vieira

Figura 4: Modelização Gráfica Tradição Vieira

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

46Por fim, o Mapa temático 6 agrupa todas as culturas arqueológicas expostas nesse artigo. A partir dele é possível visualizar grandes lacunas territoriais, grandes vazios que não necessariamente significam ausências de pesquisas arqueológicas, mas sim de contextos arqueológicos datados. Dados que seriam muito importantes a fim de situar esses territórios numa linha temporal e permitir inferências sobre fluxos, rotas e permanências.

Mapa 6: Sítios arqueológicos datados do Rio Grande do Sul.

Mapa 6: Sítios arqueológicos datados do Rio Grande do Sul.

Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.

Considerações Finais

47O artigo em tela, que utilizou o método de modelização gráfica, coremática, voltado à pesquisa de grupos ameríndios do passado, objetivou mostrar a aplicabilidade de tal método para o entendimento didático das representações das variáveis espaço e tempo, em modelos de duas dimensões. A utilização de estruturas representativas em modelos gráficos faz com que seja possível vislumbrar de forma simples dados da realidade complexa, claro, sem desconsiderar outros métodos cartográficos tradicionais, pois partem dos mesmos.

48A complexidade inerente à temática envolveu questões e hipóteses a partir de dados de mobilidades, espaços-territórios e temporalidades. Falar destes temas espaciais na sua inter-relação com a variável temporal, agregando-os aos componentes comportamentais dos agrupamentos humanos do passado é, sem dúvida, um desafio de abstração, ou seja, os modelos amparados em dados empíricos são representações hipotéticas e um exercício que busca tornar simples ao leitor uma gama de dados. Nessa perspectiva, a modelização gráfica e os Coremas deram a dimensão simplificada – através dos símbolos e figuras – do movimento e das relações dinâmicas de grupos ameríndios no território gaúcho.

49De acordo com os dados estudados, a partir do final do Pleistoceno e início do Holoceno, caçadores antigos, com alta mobilidade sazonal, em grupos que não deveriam ser grandes, começaram a chegar ao território, ao que tudo indica, pelas adjacências do rio Uruguai e seus tributários. Esses índios da Tradição Umbu detinham alto conhecimento na manufatura de instrumentos de rochas e minerais e deviam manejar e aproveitar-se de materiais orgânicos para diversos fins. Percorreram paisagens campestres e nos séculos posteriores avançaram para outros ambientes, em regiões mais a leste. As mudanças climáticas, ambientais e na estrutura social, desde o início do Óptimo climático, teriam acarretado paulatinas transformações na cultura e tecnologia desses grupos, como o que parece indicar pelo elo com os índios Minuanos e Charruas e a Tradição Vieira (NOELLI, 1999-2000).

50O aumento da temperatura e da pluviosidade expandiria as áreas de florestas e, juntamente com esse ciclo, as culturas Tupiguarani e aquelas associadas ao tronco Jê sairiam de suas zonas “core”, por volta de 2.500 anos, para outras regiões, desde o norte amazônico e planalto central brasileiro. Essas migrações foram possíveis dado o desenvolvimento tecnológico desses grupos, que detinham técnicas de agricultura, manejo florestal e aldeias articuladas, que em processo contínuo formaram redes, facilitando a logística para novas incursões e alianças. Se tomarmos que a arqueologia brasileira nos reflete uma “história indígena de longa duração”, é possível associar essas culturas em território gaúcho, que chegaram por volta de 2.500 – 2.000 anos atrás, aos ethos Guarani, Xokleng e Kaingang, grupos agricultores e ceramistas, que teriam convivido e disputado territórios antes da chegada portuguesa e espanhola.

51Pressões territoriais pós 1500, isto é, o avanço das frentes coloniais de leste e norte, especialmente, teriam desestruturado as culturas pré-cabralinas existentes, estas em um primeiro momento partiram para áreas mais despovoadas do estado, afastando-se de grandes cursos de água e do litoral. Resistiram por séculos, por meio de reduções jesuíticas e fugas, conforme seus territórios iam sendo alcançados pelo empreendimento colonial dos luso-brasileiros. Sucessivos massacres e declínio populacional, devido as guerras e as epidemias, levaram os ameríndios sobreviventes para territórios diminutos. Atualmente, as lutas por terras e demarcações permanecem e encontram-se amparadas pela Constituição Federal Brasileira de 1988, que assegura a esses povos o direito à vida, a terra e à diversidade cultural.

52Por fim, enfatiza-se que as pesquisas arqueológicas compiladas nesse artigo auxiliaram à elaboração dos sistemas de modelização e para compreender melhor contextos pretéritos e movimentos humanos ao longo do tempo, muito embora, ainda haja grandes lacunas territoriais, que necessitam ser preenchidas com pesquisas sistemáticas, amparadas em datações absolutas e, quiçá, superar as limitações dos estudos arqueológicos iniciais.

Haut de page

Bibliographie

BROCHADO, J.P. An Ecological Model of the Spread of Pottery and Agriculture into Eastern South America. Tese. Illinois-Champaign, University of Illinois, 1984.

_____________. A expansão dos Tupi e da cerâmica da tradição Policrômica Amazônica. Dédalo, São Paulo, 27, 1989, p.65-82.

BRUNET, R. Evaluation et Prospective des Territoires, 1990, p.01-12.

______. Le dechiffrement du monde. Paris: Belin, 2001.

COPÉ, S. A gênese das paisagens culturais do planalto sul brasileiro. Estudos Avançados, 29 (83), p.149-171, 2015

DIAS, A.S.; HOELTZ, S. E. Proposta metodológica para o estudo das indústrias líticas do sul do Brasil. Rev. do CEPA, Santa Cruz do Sul, v. 21, n.25, mar. 1997, p.21-62.

DIAS, A.S.; SILVA, F.A. Sistema tecnológico e estilo: As implicações desta inter-relação no estudo das indústrias líticas do sul do Brasil. Rev. do MAE, São Paulo, 11, 2001, p.95-108.

DIAS, A.S. Sistemas de Assentamentos e Estilos Tecnológicos: Uma proposta interpretativa para a ocupação pré-colonial do Alto Vale dos Sinos. Tese. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo. 327f., 2003.

________. Estilo tecnológico e as indústrias líticas do alto vale do rio dos Sinos: Variabilidade artefatual entre sistemas de assentamento pré-coloniais no sul do Brasil. Cazadores recolectores del cono sur: Revista de Arqueologia de la Universidad de Mar del Plata, n.1, p.41, 2006.

_________. Da tipologia à tecnologia. Reflexões sobre a variabilidade das indústrias líticas da Tradição Umbu. In: BUENO, L.; ISNARDIS, A. Das pedras aos homens: Tecnologia lítica na arqueologia brasileira, FAPEMIG, Belo Horizonte, 2007, p.33-66.

DROULERS, M. Brésil: Une Géohistoire. Géographies. 2001. 306 p.

GALHARDO, D.A. Tecnologia lítica: Estudo da variabilidade em sítios líticos do nordeste do Estado de São Paulo. Dissertação. MAE-USP, São Paulo, 156f., 2010.

GARCIA, A.M.; MILDER, S.E.S. Convergências e divergências: aspectos das culturas indígenas Charrua e Minuano. Vivência: Revista de Antropologia, Natal, v. 1, n. 39, 2012, p.37-50. Disponível em:<http://ufrn.emnuvens.com.br/vivencia/article/view/1933>. Acesso em: 17 nov. 2016.

GIRARDI, E. Proposição teórico-metodológica de uma cartografia geográfica crítica e sua aplicação no desenvolvimento do atlas da questão agrária brasileira. Tese. Geografia FCT-Unesp, Presidente Prudente, 347f. 2008.

GONÇALVES, A.F. Avaliação de território e coremática. Aplicação ao município de São Paulo. Dissertação. Geografia USP, São Paulo, 162f. 2012.

LUZ, J.A.R. Estudo da tecnologia de peças líticas lascadas no Vale do Rio Paranapanema: Sítios Arqueológicos Vallone e Gurucaia. Mestrado. MAE-USP, São Paulo, 218f., 2010.

MILHEIRA, R. WAGNER, G.P. (Orgs.). Arqueologia Guarani no litoral Sul do Brasil. Curitiba: Appris, 2014. 290p.

NOELLI, F.S. A ocupação humana na região sul do Brasil: Arqueologia, debates e perspectivas – 1872-2000. Revista USP, São Paulo, 44 (2), 1999/2000, p.218-269.

PROUS, A. Arqueologia Brasileira. Brasília: 1992. 613p.

RIBEIRO, P.A.M. Os mais antigos caçadores-coletores do sul do Brasil. In: TENÓRIO, M.C. Pré-história da terra brasilis, Ed. UFRJ, 2000, p.75-88.

SCHMITZ, P.I. Caçadores e coletores da pré-história do Brasil. São Leopoldo, Instituto Anchietano de pesquisas, 1984, 117 p.

___________. O estudo das indústrias líticas. O PRONAPA, seus seguidores e imitadores. In: BUENO, L.; ISNARDIS, A. Das pedras aos homens: Tecnologia lítica na arqueologia brasileira, FAPEMIG, Belo Horizonte, 2007, p.21-32.

THÉRY, H. Modelização gráfica para a análise regional: Um método. GeoUsp – Espaço e Tempo, São Paulo, n.15, 2004, p.179-188.

________. A Dimensão Temporal na Modelização Gráfica. GeoUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n. 17, 2005, p.171-183.

Haut de page

Notes

1 Grupo de Interesse Público fundado na França por Roger Brunet na década de 1980, que rende homenagem a Elisée Reclus.

2 Elles [evaluation et prospective] dépassent de loin la question des stratégies de localisation. Elles se manifestent avec insistance depuis peu d’années sous différentes formes, autour du thème: que peut-on, que doit-on penser de ce lieu, de cet espace? Que devient-il, quels sont ses a touts, ses limites, ses savoir-faire, ses tensions, ses risques, ses liaisons et ses dynamiques? Quels problèmes majeurs, quelles perspectives? Que peut-on en faire, qu’y peut-on faire? (BRUNET, 1990, p.01).

3 A figura geométrica base utilizada nas modelizações gráficas ao longo do texto busca representar de modo análogo e “estilizado” o território gaúcho.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1: Sítios Arqueológicos, da Tradição Umbu, datados na região sul do Brasil
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 476k
Titre Mapa 2: Sítios Arqueológicos, da Tradição Humaitá, datados na região sul do Brasil
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 460k
Titre Figura 1: Modelização Gráfica dos grupos caçadores coletores antigos “Umbu”
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 276k
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Titre Mapa 3: Sítios Arqueológicos, da Tradição Guarani, datados na região sul do Brasil
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 464k
Titre Figura 2: Modelização Gráfica dos Guarani.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Titre Mapa 4: Sítios arqueológicos Jê datados no Rio Grande do Sul
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 460k
Titre Figura 3: Modelização Gráfica dos povos Jê
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Mapa 5: Sítios arqueológicos datados da Tradição Vieira no Rio Grande do Sul
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 456k
Titre Figura 4: Modelização Gráfica Tradição Vieira
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Mapa 6: Sítios arqueológicos datados do Rio Grande do Sul.
Crédits Elaboração: Danilo Alexandre Galhardo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/13918/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 593k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Danilo Alexandre Galhardo, Juliana Aparecida Rocha Luz Zago, Thiago Moraes Passos et David Lugli Turtela Pereira, « Modelização gráfica da Pré-História do Rio Grande do Sul: Os sítios arqueológicos ameríndios, culturas e temporalidades », Confins [En ligne], 36 | 2018, mis en ligne le 01 juillet 2018, consulté le 17 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/13918 ; DOI : 10.4000/confins.13918

Haut de page

Auteurs

Danilo Alexandre Galhardo

Doutorando em Geografia Humana, FFLCH USP São Paulo, danilogalhardo@gmail.com

Juliana Aparecida Rocha Luz Zago

Doutora em Geografia, FCT Unesp Presidente Prudente, juliluzz@yahoo.com.br

Thiago Moraes Passos

Mestre em Geografia, FCT Unesp Presidente Prudente, thiagomoraespassos@gmail.com

David Lugli Turtela Pereira

Doutor em Arqueologia, MAE USP São Paulo, davidlugli12@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals