Navigation – Plan du site
Dossiê Imagens plurais da cidade, séculos XIX-XXI

Qualificar a cidade para o pedestre - um tema histórico e um desafio atual para o município (São Paulo)

Qualifier la ville pour le piétons - un thème historique et un défi actuel pour la municipalité (São Paulo)
Qualifying the city for the pedestrian - a historical subject and a current challenge to the municipality (São Paulo)
Katia Canova

Résumés

Les études urbaines ont toujours été guidées davantage par des modes économiques et leurs techniques de production que par les formes d’appropriation des citoyens qui en vivent ou en bénéficient. Ce n’est qu’à partir des années 1960 que des auteurs comme Henri Lefebvre, Milton Santos et Jane Jacobs commencent à proposer une nouvelle discussion sur l’espace urbain : l’importance du regard et de la perception de l’usager, l’échelle humaine, les espaces publics, la diversité, la valeur de la connectivité/l’accessibilité, le besoin vital pour la pratique de la réutilisation et la préservation du patrimoine bâti et de la mémoire des lieux. Par ailleurs, d’autres recherches ont eu lieu, comme celles de Mark Girouard et Fraya Frehse portant sur la dimension historique et sociale de la dynamique urbaine et celles de Jan Gehl et Janette Sadik-Kahn sur les applications pratiques et les changements rapides des espaces publics, transformant des zones sous-utilisées par la pratique automobile des années 1950 en lieux de vies, de contemplation, enfin de réappropriation par les personnes vivant l’expérience de piétons et cyclistes dans les plus grandes villes du monde. Cet article apporte des indicateurs numériques et cartographiques visant à mieux guider les décisions de planification urbaine, ainsi que la diversification des groupes de discussion et la mise en place de nouvelles solutions pour l’appropriation des espaces publics.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

São Paulo
Haut de page

Texte intégral

1Ao conhecer uma cidade pela primeira vez, a impressão qualitativa inicial se dá pela percepção de seus espaços públicos e interações sociais possíveis e praticadas.

2Segundo Mark Girouard (1985) as grandes cidades sempre exerceram um poder de atração e fascínio sobre os viajantes e imigrantes em geral: “o pulsar da vida urbana encanta pela diversidade, pelo anonimato, pela abundância de opções e situações de sociabilidade, trabalho e lazer”.

3A vida nas ruas é historicamente importante para medir os códigos sociais e dinâmicas da cidade. Os centros urbanos sempre tiveram um papel importante como cenário de cartões postais, vida social intensa, lugares de importantes atividades econômicas e políticas. Mesmo que a urbanização tenha sido diferente em diferentes culturas, alguns padrões sociais se mantêm tanto em cidades europeias como em suas antigas colônias.

Importância do espaço público na qualificação das cidades

4A partir de 2008 relatórios da ONU passam a apontar para a predominância da urbanização da população mundial. O relatório de 2014 (UN- ESA, 2014) confirma nessa data 54% da população mundial vivendo em cidades, com uma projeção de chegar a 70% em 2050. Esse fato por si só já deixa evidente a urgente necessidade de avaliar as condições de qualidade das cidades existentes, bem como rever paradigmas e métodos de planejamento urbano e processamento de dados para a gestão das mesmas. Outro fato alarmante é a condição de urbanidade existente na maioria das grandes cidades mundiais, onde raramente houve um planejamento prévio ou a preocupação com a eficácia dos investimentos públicos, gerando muitas vezes distorções de concentrações populacionais (espraiamento horizontal com grande investimento em infraestrutura urbana, concentração de monofuncionalidades e mobilidade crítica; e/ou grandes concentrações populacionais em áreas muito precárias em infraestrutura, mobilidade, saneamento básico, empregos ou serviços em geral).

5David Harvey, citando Henri Lefebvre e seu "O direito à cidade" (HARVEY, 2014), lembra que as transformações urbanas ocorridas na Paris dos anos de 1960, com a obsolescência da cidade clássica e a frieza dos grandes conjuntos habitacionais e da produção urbana da época geram percepções e mudanças no ambiente comum (ruas), sejam em forma de manifestações diversas, formações de guetos ou repressões violentas, ou ainda em iniciativas de recuperação de bairros de imigrantes, num contexto de crise política e social.

6Nessa mesma época, nos EUA Jane Jacobs (JACOBS, 2014) defende que a qualidade de vida se dá na escala do pedestre, nos espaços públicos, na diversidade dos usos e na qualidade ambiental, todos combinados harmonicamente em cotidianos de bairro, acentuando o valor positivo da diversidade. Essa percepção surge com o forte questionamento ao planejamento urbano e reurbanização vigentes resultantes do funcionalismo modernista instituído pelos CIAM - Congressos Internacionais de Arquitetura Moderna nos anos de 1920 na Europa.

7No Brasil o espaço urbano e outras espacialidades começaram a ser profundamente discutidos por Milton Santos na década dos anos de 1970 e 1980. Eugenio Queiroga resgata esses conceitos e os relaciona ao "espaço intraurbano" (arranjo interno entre os espaços urbanos) de Flávio Villaça assim como o "tecido urbano" (relações entre espaços públicos e privados) de Nestor Goulart Reis, discorrendo sobre as dimensões públicas do espaço e suas categorias internas (território, paisagem e lugar) para formular uma nova categoria: o lugar público (QUEIROGA, 2012). O lugar público segundo sua formulação é “todo aquele em que se estabelece a esfera pública - geral ou estrita - independentemente de se tratar de propriedade pública ou privada, visto que o lugar público se estabelece com frequência combinando espaços tanto na propriedade privada quanto da pública”.

8Giambattista Nolli quando cartografa a Roma do século XVII ressalta na área urbanizada esses lugares públicos como definidos em Queiroga. Seguem o mapa de Giambattista Nolli e um cartograma da região central de São Paulo em escalas aproximadas (figuras 1 e 2).

Fig. 1 Mapa dos lugares públicos de Roma durante o Império Romano

Fig. 1 Mapa dos lugares públicos de Roma durante o Império Romano

La nuova topografia di Roma Comasco, by Giambattista Nolli, ca. 1692-1756. "The map of Nolli representing the old Rome during the Roma Empire shows the public accessible space in the city, public space and public buildings. The use is here leading in the graphic, not the physical structure of the build area", in https://cityeu.wordpress.com/​category/​maps/​

Fig. 2 Cartograma dos lugares públicos do Centro de São Paulo

Fig. 2 Cartograma dos lugares públicos do Centro de São Paulo

Análise sociológica do papel da fotografia e seus diferentes registros do espaço público

9Comparada às cidades européias São Paulo é uma cidade jovem (menos de 500 anos, ainda). Teve seu desenvolvimento mais significativo do final do século XIX até meados do século XX, período em que recebeu um incremento de população da ordem de milhões de habitantes, além de sofrer alterações físicas em suas construções e traçados viários.

Fig. 3. Evolução da mancha urbana da cidade de São Paulo

Fig. 3. Evolução da mancha urbana da cidade de São Paulo

10Benedito Lima de Toledo estuda essas transformações em sua obra intitulada "São Paulo - três cidades em um século" (TOLEDO, 2007). Ali ele descreve como a cidade colonial, construída de taipa de pilão passa por estruturais alterações dando lugar a avenidas, grandes parques e palacetes assobradados, os quais num terceiro momento são substituídos por grandes edifícios. Na figura 4 podemos observar exemplos desses tipos construtivos.

Fig. 4. Evolução dos tipos construtivos em São Paulo no século XIX

Fig. 4. Evolução dos tipos construtivos em São Paulo no século XIX

1900: Largo do Tesouro/Guilherme Gaesnly; 1930: Palacete Penteado; 1950: Avenida Paulista

11Ao mesmo tempo que a cidade cresce e se transforma alguns fotógrafos como Guilherme Gaensly (1843 - 1928), Militão Augusto de Azevedo, Aurelio Becherini (1879 - 1939), Vicenzo Pastore (1865 - 1918) e Victor Steidel (1868 - 1906) registram essas transformações com olhares e propósitos diversos, capturando as diversas nuances da vida cotidiana desse período.

12Fraya Frehse explora a sociabilidade nas ruas pelos registros desses fotógrafos (Frehse, 2011). Na segunda metade do século XIX surgem os fotógrafos de documentação como Militão Augusto de Azevedo que faz o registro das transformações da São Paulo caipira em dois momentos: 1862 e 1887 (Fernandes, Barbuy e Frehse, 2012), e Guilherme Gaensly, que explora as paisagens urbanas para cartões postais, em jardins elaborados ou monumentos arquitetônicos, além de grandes obras no interior do estado. Ainda são apontados Aurelio Becherini e Vicenzo Pastore que registraram em diferentes intensidades e focos cenas cotidianas e cidadãos comuns no espaço público.

Fig. 5. Mapas dos lugares onde Militão fotografou. Frehse, 2016

Fig. 5. Mapas dos lugares onde Militão fotografou. Frehse, 2016

Fig. 6. Rua da Boa Morte, 1908

Fig. 6. Rua da Boa Morte, 1908

Fonte: (1), atribuída a Aurelio Becherini, Fonte: "Album de Afonso", Carlos Lemos. Rua do Comércio, 1862. Militão Augusto de Azevedo (2); Cartão Postal do Largo do Tesouro, Guilherme Gaensly, 1900 (3).

Fig. 7. “Entre os adultos, um fenótipo negro entra em cena - até agora nunca capturado em primeiro plano, na rua", Frehse, 2011.

Fig. 7. “Entre os adultos, um fenótipo negro entra em cena - até agora nunca capturado em primeiro plano, na rua", Frehse, 2011.

Foto de Vicenzo Pastore, 1910.

Fig. 8. Largo do Tesouro, esquina com Rua General Carneiro , autor desconhecido (atribuído a Aurelio Becherini).

Fig. 8. Largo do Tesouro, esquina com Rua General Carneiro , autor desconhecido (atribuído a Aurelio Becherini).

Fonte: Álbum de Afonso, Carlos Lemos, 2001.

13Affonso de Freitas foi um jornalista do final do século XIX que estava profundamente preocupado em registrar as mudanças físicas que a região central da cidade estava passando. Muitas imagens de sua coleção são atribuídas a Aurélio Becherini.

14Voltando a Eugenio Queiroga é importante lembrar os fatores urbanos que potenciam o espaço público como lugar público: a multifuncionalidade (reforçada pelas teorias de Jacobs); as conexões entre espaço público e edifícios da teoria da sintaxe espacial de Hillier e Hanson; e as relações de continuidade entre os espaços livres públicos e privados, ou a falta de barreiras visuais na paisagem, dando uma sensação de um lugar público mais amplo.

15As ruas do centro antigo de São Paulo sempre tiveram uma grande dinâmica de lugar público pela multifuncionalidade, a presença de edifícios institucionais (instalações públicas), reforçada pela criação das ruas pedestres (além de passagens existentes pelos térreos dos edifícios) da década de 1970. Nos demais distritos os lugares públicos eram mais restritos a algumas ruas comerciais, praças, parques, mas principalmente nas esquinas, onde o pequeno comércio local encontra status privilegiado.

Elementos para a qualificação dos espaços públicos na perspectiva do planejamento urbano municipal

16Nos anos de 2015 e 2016 a Cidade de São Paulo desenvolveu um trabalho de planejamento local em suas 32 Subprefeituras (agora conhecidas como Prefeituras Regionais), onde a lógica de reconhecimento e fortalecimento de espaços públicos, como defendido por Jane Jacobs, Jan Gehl, Richard Sennett e outros aqui citados é utilizada como eixo condutor.

17Além desses conceitos, a participação social e a construção de um sistema de planejamento aberto, sistêmico, poroso e sinérgico também foram fortalecidos, conforme mencionado por Richard Sennett, Saskia Sassen e Joan Clos na palestra de encerramento do 3º UN HABITAT realizado em Quito em outubro de 2016. Sassen também enfatizou a importância da busca da equidade social, da função social da propriedade e da necessidade de recuperar processos locais nas cidades. Joan Clos enfatizou a importância da discussão aberta e participativa das demandas. Sennett complementa enfatizando o aspecto prejudicial da prática de construção de grandes condomínios residenciais isolados (cidade monofuncional).

Fig. 9. Área urbana da cidade de São Paulo: 68% do território da cidade. (Autor: Katia Canova, 2017)

Fig. 9. Área urbana da cidade de São Paulo: 68% do território da cidade. (Autor: Katia Canova, 2017)

18Na escala local, outras práticas estão sendo realizadas, seja pela segurança do pedestre, como o trabalho da NACTO em Nova York, ou a Iniciativa WRI e Bloomberg em todo o mundo. Também há ações como o "Centro aberto" promovido pela prefeitura para a recuperação de espaços coletivos degradados na região central de São Paulo, a "SP - Zona Wifi grátis" em praças em toda a cidade, parklets e o Território CEU, que incentiva a requalificação de espaços públicos que conectam instalações de rede social em torno de outro equipamento social maior (CEU – Centro Educacional Unificado).

19Paralelamente aos processos participativos de diagnóstico e levantamento de demandas iniciou-se um estudo de indicadores urbanos passíveis de serem compostos para a criação de um índice de urbanidade, mesclando indicadores estudados por Jacques Lévy, apontados por Jane Jacobs e outros indicados nos diversos relatórios produzidos pela ONU-Habitat ao menos desde 2013.

20A seguir alguns exemplos de indicadores possíveis para a cidade de São Paulo e alguns cruzamentos temáticos:

Fig. 10 Indicadores urbanos elaborados para subsídio do planejamento urbano. (Katia Canova, 2016 e 2018)

Fig. 10 Indicadores urbanos elaborados para subsídio do planejamento urbano. (Katia Canova, 2016 e 2018)

21Além desses indicadores foram elaborados mapas temáticos com cruzamento de dados para análises setoriais específicas:

Fig 11 Mapas de indicadores agrupados por temas e complementaridades analíticas. (Katia Canova, 2017)

Fig 11 Mapas de indicadores agrupados por temas e complementaridades analíticas. (Katia Canova, 2017)

Considerações Finais

22Este trabalho, como um relato de uma tese em andamento, oferece possibilidades de relacionar padrões de ocupação e experiência de lugares públicos, tanto do ponto de vista histórico quanto atual, identificando padrões valiosos para análise prospectiva e estabelecendo critérios técnicos para decisões políticas de ações nesses espaços. Esta relação é especialmente devido à cartografia, que espacializa usos e percepções que podem ser identificados em amplo material iconográfico, em um olhar onde a geografia e a sociologia estão unidas na produção do urbanismo.

23Além disso, permite a atualização constante de dados, absorvendo as mudanças em suas variáveis e ajustando a priorização às necessidades da população, bem como mudanças nos objetivos políticos a qualquer momento.

Haut de page

Bibliographie

Livros

FERNANDES JR, R; BARBUY, H; FREHSE, F. Militão Augusto de Azevedo. São Paulo, Cosac Naify, 2012. 220p.

FREHSE, F. Ô da rua!: o transeunte e o advento da modernidade em São Paulo. São Paulo, Edusp, 2011. 632p.

GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo, Perspectiva, 2013. 262p.

GIROUARD, M. Cities & people: a social and architectural history. New Haven & London, Yale University Press, 1985. 397p.

HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo, Martins Fontes, 2014. 294p.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. 3a edição. São Paulo, Martins Fontes, 2014. 510p.

LEMOS, C. A. C.. Álbum de Afonso. São Paulo, Editora Gráficos Burti, 2001. 163p.

LEVY, J. Le tournant géographique : penser l´espace pour lire le monde. Paris: Belin, 1999. 400 p. (Mappemonde 8)

SADIK-KHAN, J., SOLOMONOW, S. Street fight: handbook for an urban revolution. New York, Penguim, 2016. 350p.

TOLEDO, B. L. de. São Paulo: três cidades em um Século. 2ª edição. São Paulo, COSAC NAIFY, 2007 - 191p.

UN – HABITAT. Global Public Space Toolkit – From Global Principles to Local Policies and Practice. 138 p, Nairobi, 2015. Também disponível em: http://unhabitat.org/books/global-public-space-toolkit-from-global-principles-to-local-policies-and-practice/

UN – HABITAT. Planeamiento Urbano para Autoridades Locales. 176 p, Nairobi, 2014. Tradução para o espanhol pelo Instituto de Desenvolvimento Urbano de Bogotá - IDU, Colombia. Também disponível em: http://unhabitat.org/books/planeamiento-urbano-para-autoridades-locales/

Teses

QUEIROGA, E. Dimensões Públicas do Espaço Contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. São Paulo, 2012. Tese de Livre-Docência apresentada à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Publicações eletrônicas

ITDP. “Índice de Caminhabilidade: ferramenta e aplicação piloto”. Instituto de Políticas de Transportes & Desenvolvimento, Versão: 9 de setembro de 2016. Acessado em 13 de fevereiro de 2018:http://2rps5v3y8o843iokettbxnya.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2016/09/2016-09-ITDP-caminhabilidade-ferramenta.pdf

SMDU/PMSP. DataSubs - “Cadernos das Subprefeituras - DataSub (Coleção com 32 volumes), São Paulo, 2016. Apoio CAU / SP. Acessado em 13 de fevereiro de 2018: http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/marco-regulatorio/planos-regionais/arquivos/

SMDU/SPURBANISMO/PMSP. “Centro, diálogo aberto”. São Paulo, 2013. Colaboração Gehl Architects. Acessado em 13 de fevereiro de 2018. http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/brochura_cda_7_10_13.pdf

UN - Economic & Social Affairs. “World Urbanization Prospects (highlights)”. New York, 2014. Acessado em 13 de fevereiro de 2018: https://esa.un.org/unpd/wup/Publications/Files/WUP2014-Highlights.pdf

UN - HABITAT. “Streets as public spaces and drivers of urban prosperity”.Nairobi, 2013. Acessado em 13 de fevereiro de 2018: unhabitat.org/books/streets-as-public-spaces-and-drivers-of-urban-prosperity/

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig. 1 Mapa dos lugares públicos de Roma durante o Império Romano
Crédits La nuova topografia di Roma Comasco, by Giambattista Nolli, ca. 1692-1756. "The map of Nolli representing the old Rome during the Roma Empire shows the public accessible space in the city, public space and public buildings. The use is here leading in the graphic, not the physical structure of the build area", in https://cityeu.wordpress.com/​category/​maps/​
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-1.png
Fichier image/png, 2,7M
Titre Fig. 2 Cartograma dos lugares públicos do Centro de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-2.png
Fichier image/png, 2,1M
Titre Fig. 3. Evolução da mancha urbana da cidade de São Paulo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-3.png
Fichier image/png, 908k
Titre Fig. 4. Evolução dos tipos construtivos em São Paulo no século XIX
Crédits 1900: Largo do Tesouro/Guilherme Gaesnly; 1930: Palacete Penteado; 1950: Avenida Paulista
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Fig. 5. Mapas dos lugares onde Militão fotografou. Frehse, 2016
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-5.png
Fichier image/png, 540k
Titre Fig. 6. Rua da Boa Morte, 1908
Crédits Fonte: (1), atribuída a Aurelio Becherini, Fonte: "Album de Afonso", Carlos Lemos. Rua do Comércio, 1862. Militão Augusto de Azevedo (2); Cartão Postal do Largo do Tesouro, Guilherme Gaensly, 1900 (3).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-6.png
Fichier image/png, 3,5M
Titre Fig. 7. “Entre os adultos, um fenótipo negro entra em cena - até agora nunca capturado em primeiro plano, na rua", Frehse, 2011.
Crédits Foto de Vicenzo Pastore, 1910.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-7.png
Fichier image/png, 296k
Titre Fig. 8. Largo do Tesouro, esquina com Rua General Carneiro , autor desconhecido (atribuído a Aurelio Becherini).
Crédits Fonte: Álbum de Afonso, Carlos Lemos, 2001.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-8.png
Fichier image/png, 558k
Titre Fig. 9. Área urbana da cidade de São Paulo: 68% do território da cidade. (Autor: Katia Canova, 2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-9.png
Fichier image/png, 372k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-10.png
Fichier image/png, 5,5k
Titre Fig. 10 Indicadores urbanos elaborados para subsídio do planejamento urbano. (Katia Canova, 2016 e 2018)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-11.png
Fichier image/png, 4,8M
Titre Fig 11 Mapas de indicadores agrupados por temas e complementaridades analíticas. (Katia Canova, 2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-12.png
Fichier image/png, 4,4M
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-13.png
Fichier image/png, 7,9M
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-14.png
Fichier image/png, 5,5M
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/14555/img-15.png
Fichier image/png, 6,9M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Katia Canova, « Qualificar a cidade para o pedestre - um tema histórico e um desafio atual para o município (São Paulo) », Confins [En ligne], 36 | 2018, mis en ligne le 03 juillet 2018, consulté le 18 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/14555 ; DOI : 10.4000/confins.14555

Haut de page

Auteur

Katia Canova

Arquiteta e urbanista, doutoranda em geografia humana no PPGH-FFLCH-USP, katia.canova@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals